SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Embora o conto popular seja hoje uma forma literária reconhecida e
utilizada por inúmeros escritores, a sua origem é muito mais humilde. Na
verdade, nasceu entre o povo anónimo. Começou por ser um relato
simples e despretensioso de situações imaginárias, destinado a ocupar os
momentos de lazer. Um contador de histórias narra a um auditório
reduzido e familiar um episódio considerado interessante. Os
constrangimentos de tempo, a simplicidade da assembleia e as limitações
da      memória    impõem       que      a    "história"   seja    curta.




            Dada a sua origem popular, o conto de que falamos aqui
       não tem propriamente um autor, entendido como um ser
       humano determinado, ainda que desconhecido. Na realidade
       ele constitui uma criação coletiva, dado que cada "contador"
       lhe introduz inevitavelmente pequenas alterações ("Quem
       conta      um     conto,     acrescenta     um      ponto.").
Características
  Narrativa curta
  Autor anónimo
  Narrador geralmente não participante
  Personagens geralmente planas e escassamente caracterizadas
   Espaço indefinido
  Tempo indeterminado
   Conteúdo ficcional, simbólico, universal e intemporal, portanto é
  património de todos nós
  Registo de língua popular e familiar, com marcas de oralidade
  (ex: vai nisto..., nisto..., lá vinha ele..., botou a fugir...)
   função moralizadora e lúdica.
Estrutura
       Fruto da sua origem oral, estes contos têm quase sempre uma
 estrutura muito simples e fixa. A própria fórmula inicial ("Era uma
 vez...") e final ("...e foram felizes para sempre.") revelam isso. Essa
 estrutura pode ser traduzida da seguinte forma:

Ordem existente        Ordem perturbada          Ordem restabelecida

 Situação inicial .     A situação de                  Desenlace,
 Nesta parte            equilíbrio inicial             evento ou
 apresenta-se o         é destruída, o                 conjunto de
 futuro herói           que dá origem a                acontecimentos
 simplesmente           uma série de                   que encerram a
 pela referência ao     peripécias que só              história: uma
 seu nome, ou pela      se interrompem                 morte, um
 descrição do seu       com o                          casamento, uma
 estado: podem          aparecimento de                conquista, uma
 também                 uma força                      vitória…
 enumerar-se os         rectificadora.
 membros da sua
 família.
Personagens:

vítima (objeto da perturbação);


vilão (sujeito da perturbação);



herói (sujeito do restabelecimento da ordem);



  adjuvantes (personagens secundárias que ajudam o
  herói);

 oponentes (personagens secundárias que ajudam o vilão
 ou fazem oposição ao herói)
Simbologia

   Os contos tradicionais estão
carregados de simbologia:
dizem mais do que parecem
dizer. A manifestação mais
evidente é a referência
sistemática ao número três,
símbolo da perfeição desde
tempos imemoriais. Mas há
mais... A rosa aparece como
símbolo do amor puro e total.
    O beijo desperta e faz renascer. A heroína é frequentemente a mais
nova (e por isso a mais pura e inocente) e afirma-se por oposição às
irmãs mais velhas e mesmo aos pais. O herói quase sempre tem que
enfrentar uma série de provas antes de alcançar o objeto - símbolo do
amadurecimento que fará dele um homem. Outras vezes sai da casa
paterna em busca da autonomia.
Funções (importância) do conto
   Em maior ou menor grau, o conto
popular tinha as seguintes funções:

preencher os tempos de lazer;

propor aos ouvintes         modelos    de
comportamento;

transmitir os valores e conceções do
mundo próprios daquela sociedade.

     Podemos dizer que os contos tinham (têm) uma função de
  entretenimento e uma função educativa. Por um lado, constituíam uma
  das formas de ocupar os tempos livres, geralmente os serões, reforçando
  os laços de convivialidade entre os membros da comunidade e
  despertando a imaginação dos assistentes. Por outro, concediam aos
  mais velhos um instrumento privilegiado para levarem os mais novos a
  interiorizarem valores e comportamentos considerados aceitáveis.
Classificação dos contos populares
     São muitos os temas tratados nos contos
 populares,     daí   que   sejam   possíveis   várias
 classificações. Por comodidade podemos reduzi-los a
 cinco tipos:

 maravilhosos ou de encantamento;

 jocosos e divertidos;

 de fórmula; de exemplo; religiosos ou morais;

 de animais;

 etiológicos (relativos à fundação de um local).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Conto Maravilhoso
Conto MaravilhosoConto Maravilhoso
Conto Maravilhoso
 
Pronomes demonstrativos e referenciação
Pronomes demonstrativos e referenciaçãoPronomes demonstrativos e referenciação
Pronomes demonstrativos e referenciação
 
Conto Popular
Conto PopularConto Popular
Conto Popular
 
A Literatura de Cordel em Sala (Projeto Pibid 2013)
A Literatura de Cordel em Sala (Projeto Pibid 2013)A Literatura de Cordel em Sala (Projeto Pibid 2013)
A Literatura de Cordel em Sala (Projeto Pibid 2013)
 
O que é literatura
O que é literaturaO que é literatura
O que é literatura
 
Gênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoGênero Textual: Conto
Gênero Textual: Conto
 
Fábulas 1
Fábulas 1Fábulas 1
Fábulas 1
 
Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.
Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.
Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.
 
Letra e fonema
Letra e fonemaLetra e fonema
Letra e fonema
 
Elementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisão
Elementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisãoElementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisão
Elementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisão
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
 
Aula 04 variacao linguistica
Aula 04   variacao linguisticaAula 04   variacao linguistica
Aula 04 variacao linguistica
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
 
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdfFICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
 
A Negra - Poema de Carlos Drummond de Andrade
A Negra - Poema de Carlos Drummond de AndradeA Negra - Poema de Carlos Drummond de Andrade
A Negra - Poema de Carlos Drummond de Andrade
 
Toda a Literatura
Toda a LiteraturaToda a Literatura
Toda a Literatura
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
As lendas
As lendasAs lendas
As lendas
 
O Foco Narrativo
O Foco NarrativoO Foco Narrativo
O Foco Narrativo
 

Semelhante a Conto popular aa

O conto popular
O conto popularO conto popular
O conto popularJohn Vic
 
Noções básicas de linguagem cinematográfica
Noções básicas de linguagem cinematográficaNoções básicas de linguagem cinematográfica
Noções básicas de linguagem cinematográficadesignuna
 
3° ano - Contos e crônicas
3° ano - Contos e crônicas3° ano - Contos e crônicas
3° ano - Contos e crônicasProfFernandaBraga
 
GêNeros LiteráRios
GêNeros LiteráRiosGêNeros LiteráRios
GêNeros LiteráRioshsjval
 
ApresentaçãOcontos Tradic
ApresentaçãOcontos TradicApresentaçãOcontos Tradic
ApresentaçãOcontos TradicMARIA NOGUE
 
Slide conto e crônica 7ºano.pdf
Slide conto e crônica 7ºano.pdfSlide conto e crônica 7ºano.pdf
Slide conto e crônica 7ºano.pdfthaisayumi2
 
Textos narrativos contos e crônicas
Textos narrativos contos e crônicasTextos narrativos contos e crônicas
Textos narrativos contos e crônicasMarcia Oliveira
 
Felizmente há luar! o paralelismo histórico (1)
Felizmente há luar! o paralelismo histórico (1)Felizmente há luar! o paralelismo histórico (1)
Felizmente há luar! o paralelismo histórico (1)José Galvão
 
2.literatura oral e_tradicional_tipologia
2.literatura oral e_tradicional_tipologia2.literatura oral e_tradicional_tipologia
2.literatura oral e_tradicional_tipologiaHelena Coutinho
 
Estudo das diversas modalidades de textos infantis
Estudo das diversas modalidades de textos infantisEstudo das diversas modalidades de textos infantis
Estudo das diversas modalidades de textos infantisEspaco_Pedagogia
 
3.conto, tardicional popular
3.conto, tardicional popular3.conto, tardicional popular
3.conto, tardicional popularHelena Coutinho
 
Literaturaoraletradicionaltipologia
LiteraturaoraletradicionaltipologiaLiteraturaoraletradicionaltipologia
Literaturaoraletradicionaltipologiaarmindaalmeida
 
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães RosaModernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães RosaTamara Amaral
 
conto tradicional-popular
 conto tradicional-popular conto tradicional-popular
conto tradicional-popularsesal
 

Semelhante a Conto popular aa (20)

Conto Popular Aa Ii
Conto Popular Aa IiConto Popular Aa Ii
Conto Popular Aa Ii
 
O conto popular
O conto popularO conto popular
O conto popular
 
Noções básicas de linguagem cinematográfica
Noções básicas de linguagem cinematográficaNoções básicas de linguagem cinematográfica
Noções básicas de linguagem cinematográfica
 
3° ano - Contos e crônicas
3° ano - Contos e crônicas3° ano - Contos e crônicas
3° ano - Contos e crônicas
 
GêNeros LiteráRios
GêNeros LiteráRiosGêNeros LiteráRios
GêNeros LiteráRios
 
O conto e seus caminhos.ppt
O conto  e seus caminhos.pptO conto  e seus caminhos.ppt
O conto e seus caminhos.ppt
 
ApresentaçãOcontos Tradic
ApresentaçãOcontos TradicApresentaçãOcontos Tradic
ApresentaçãOcontos Tradic
 
Slide conto e crônica 7ºano.pdf
Slide conto e crônica 7ºano.pdfSlide conto e crônica 7ºano.pdf
Slide conto e crônica 7ºano.pdf
 
Textos narrativos contos e crônicas
Textos narrativos contos e crônicasTextos narrativos contos e crônicas
Textos narrativos contos e crônicas
 
Felizmente há luar! o paralelismo histórico (1)
Felizmente há luar! o paralelismo histórico (1)Felizmente há luar! o paralelismo histórico (1)
Felizmente há luar! o paralelismo histórico (1)
 
2.literatura oral e_tradicional_tipologia
2.literatura oral e_tradicional_tipologia2.literatura oral e_tradicional_tipologia
2.literatura oral e_tradicional_tipologia
 
Estudo das diversas modalidades de textos infantis
Estudo das diversas modalidades de textos infantisEstudo das diversas modalidades de textos infantis
Estudo das diversas modalidades de textos infantis
 
3.conto, tardicional popular
3.conto, tardicional popular3.conto, tardicional popular
3.conto, tardicional popular
 
Literaturaoraletradicionaltipologia
LiteraturaoraletradicionaltipologiaLiteraturaoraletradicionaltipologia
Literaturaoraletradicionaltipologia
 
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães RosaModernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
 
Crônicas e contos
Crônicas e contosCrônicas e contos
Crônicas e contos
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
conto tradicional-popular
 conto tradicional-popular conto tradicional-popular
conto tradicional-popular
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
O Conto Tradicional
O Conto TradicionalO Conto Tradicional
O Conto Tradicional
 

Mais de armindaalmeida

Introdução texto poético
Introdução texto poéticoIntrodução texto poético
Introdução texto poéticoarmindaalmeida
 
A estrela vergílio_ferreira
A estrela vergílio_ferreiraA estrela vergílio_ferreira
A estrela vergílio_ferreiraarmindaalmeida
 
Categoriasdanarrativa i
Categoriasdanarrativa iCategoriasdanarrativa i
Categoriasdanarrativa iarmindaalmeida
 
Fi literatura oral_tradicional
Fi literatura oral_tradicionalFi literatura oral_tradicional
Fi literatura oral_tradicionalarmindaalmeida
 
Sintese funcoes sintaticas
Sintese funcoes sintaticasSintese funcoes sintaticas
Sintese funcoes sintaticasarmindaalmeida
 
Frase grupos constituintes
Frase grupos constituintesFrase grupos constituintes
Frase grupos constituintesarmindaalmeida
 
Frase classificacao oracoes
Frase classificacao oracoesFrase classificacao oracoes
Frase classificacao oracoesarmindaalmeida
 
Insdecastro apresentao
Insdecastro apresentaoInsdecastro apresentao
Insdecastro apresentaoarmindaalmeida
 
Inesdecastro exposioconflitoedesenlace
Inesdecastro exposioconflitoedesenlaceInesdecastro exposioconflitoedesenlace
Inesdecastro exposioconflitoedesenlacearmindaalmeida
 
Inesdecastro exposioconflitoedesenlace
Inesdecastro exposioconflitoedesenlaceInesdecastro exposioconflitoedesenlace
Inesdecastro exposioconflitoedesenlacearmindaalmeida
 
Insdecastro apresentao
Insdecastro apresentaoInsdecastro apresentao
Insdecastro apresentaoarmindaalmeida
 
Processos morfologicos formação_palavras
Processos morfologicos formação_palavrasProcessos morfologicos formação_palavras
Processos morfologicos formação_palavrasarmindaalmeida
 
Idade Media Renascimento
Idade Media RenascimentoIdade Media Renascimento
Idade Media Renascimentoarmindaalmeida
 
O Tesouro_Eça_Queirós_Categorias Narrativa
O Tesouro_Eça_Queirós_Categorias NarrativaO Tesouro_Eça_Queirós_Categorias Narrativa
O Tesouro_Eça_Queirós_Categorias Narrativaarmindaalmeida
 

Mais de armindaalmeida (20)

Descrição aa
Descrição aaDescrição aa
Descrição aa
 
Conto igagc
Conto igagcConto igagc
Conto igagc
 
Introdução texto poético
Introdução texto poéticoIntrodução texto poético
Introdução texto poético
 
A estrela vergílio_ferreira
A estrela vergílio_ferreiraA estrela vergílio_ferreira
A estrela vergílio_ferreira
 
Gigante adamastor
Gigante adamastorGigante adamastor
Gigante adamastor
 
Categoriasdanarrativa i
Categoriasdanarrativa iCategoriasdanarrativa i
Categoriasdanarrativa i
 
Fi literatura oral_tradicional
Fi literatura oral_tradicionalFi literatura oral_tradicional
Fi literatura oral_tradicional
 
Sintese funcoes sintaticas
Sintese funcoes sintaticasSintese funcoes sintaticas
Sintese funcoes sintaticas
 
Frase grupos constituintes
Frase grupos constituintesFrase grupos constituintes
Frase grupos constituintes
 
Frase classificacao oracoes
Frase classificacao oracoesFrase classificacao oracoes
Frase classificacao oracoes
 
Classes palavras
Classes palavrasClasses palavras
Classes palavras
 
Insdecastro apresentao
Insdecastro apresentaoInsdecastro apresentao
Insdecastro apresentao
 
Inesdecastro exposioconflitoedesenlace
Inesdecastro exposioconflitoedesenlaceInesdecastro exposioconflitoedesenlace
Inesdecastro exposioconflitoedesenlace
 
Inesdecastro exposioconflitoedesenlace
Inesdecastro exposioconflitoedesenlaceInesdecastro exposioconflitoedesenlace
Inesdecastro exposioconflitoedesenlace
 
Insdecastro apresentao
Insdecastro apresentaoInsdecastro apresentao
Insdecastro apresentao
 
Processos morfologicos formação_palavras
Processos morfologicos formação_palavrasProcessos morfologicos formação_palavras
Processos morfologicos formação_palavras
 
A Publicidade
A PublicidadeA Publicidade
A Publicidade
 
Idade Media Renascimento
Idade Media RenascimentoIdade Media Renascimento
Idade Media Renascimento
 
O Tesouro_Eça_Queirós_Categorias Narrativa
O Tesouro_Eça_Queirós_Categorias NarrativaO Tesouro_Eça_Queirós_Categorias Narrativa
O Tesouro_Eça_Queirós_Categorias Narrativa
 
Tipos Formas Frase Aa
Tipos Formas Frase AaTipos Formas Frase Aa
Tipos Formas Frase Aa
 

Conto popular aa

  • 1.
  • 2. Embora o conto popular seja hoje uma forma literária reconhecida e utilizada por inúmeros escritores, a sua origem é muito mais humilde. Na verdade, nasceu entre o povo anónimo. Começou por ser um relato simples e despretensioso de situações imaginárias, destinado a ocupar os momentos de lazer. Um contador de histórias narra a um auditório reduzido e familiar um episódio considerado interessante. Os constrangimentos de tempo, a simplicidade da assembleia e as limitações da memória impõem que a "história" seja curta. Dada a sua origem popular, o conto de que falamos aqui não tem propriamente um autor, entendido como um ser humano determinado, ainda que desconhecido. Na realidade ele constitui uma criação coletiva, dado que cada "contador" lhe introduz inevitavelmente pequenas alterações ("Quem conta um conto, acrescenta um ponto.").
  • 3. Características Narrativa curta Autor anónimo Narrador geralmente não participante Personagens geralmente planas e escassamente caracterizadas  Espaço indefinido Tempo indeterminado  Conteúdo ficcional, simbólico, universal e intemporal, portanto é património de todos nós Registo de língua popular e familiar, com marcas de oralidade (ex: vai nisto..., nisto..., lá vinha ele..., botou a fugir...)  função moralizadora e lúdica.
  • 4. Estrutura Fruto da sua origem oral, estes contos têm quase sempre uma estrutura muito simples e fixa. A própria fórmula inicial ("Era uma vez...") e final ("...e foram felizes para sempre.") revelam isso. Essa estrutura pode ser traduzida da seguinte forma: Ordem existente Ordem perturbada Ordem restabelecida Situação inicial . A situação de Desenlace, Nesta parte equilíbrio inicial evento ou apresenta-se o é destruída, o conjunto de futuro herói que dá origem a acontecimentos simplesmente uma série de que encerram a pela referência ao peripécias que só história: uma seu nome, ou pela se interrompem morte, um descrição do seu com o casamento, uma estado: podem aparecimento de conquista, uma também uma força vitória… enumerar-se os rectificadora. membros da sua família.
  • 5. Personagens: vítima (objeto da perturbação); vilão (sujeito da perturbação); herói (sujeito do restabelecimento da ordem); adjuvantes (personagens secundárias que ajudam o herói); oponentes (personagens secundárias que ajudam o vilão ou fazem oposição ao herói)
  • 6. Simbologia Os contos tradicionais estão carregados de simbologia: dizem mais do que parecem dizer. A manifestação mais evidente é a referência sistemática ao número três, símbolo da perfeição desde tempos imemoriais. Mas há mais... A rosa aparece como símbolo do amor puro e total. O beijo desperta e faz renascer. A heroína é frequentemente a mais nova (e por isso a mais pura e inocente) e afirma-se por oposição às irmãs mais velhas e mesmo aos pais. O herói quase sempre tem que enfrentar uma série de provas antes de alcançar o objeto - símbolo do amadurecimento que fará dele um homem. Outras vezes sai da casa paterna em busca da autonomia.
  • 7. Funções (importância) do conto Em maior ou menor grau, o conto popular tinha as seguintes funções: preencher os tempos de lazer; propor aos ouvintes modelos de comportamento; transmitir os valores e conceções do mundo próprios daquela sociedade. Podemos dizer que os contos tinham (têm) uma função de entretenimento e uma função educativa. Por um lado, constituíam uma das formas de ocupar os tempos livres, geralmente os serões, reforçando os laços de convivialidade entre os membros da comunidade e despertando a imaginação dos assistentes. Por outro, concediam aos mais velhos um instrumento privilegiado para levarem os mais novos a interiorizarem valores e comportamentos considerados aceitáveis.
  • 8. Classificação dos contos populares São muitos os temas tratados nos contos populares, daí que sejam possíveis várias classificações. Por comodidade podemos reduzi-los a cinco tipos: maravilhosos ou de encantamento; jocosos e divertidos; de fórmula; de exemplo; religiosos ou morais; de animais; etiológicos (relativos à fundação de um local).