SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Baixar para ler offline
A Estrela
     Vergílio Ferreira
O Autor
Nome: Vergílio Ferreira
Data de nascimento: 28/01/1916 , em Melo, no concelho de Gouveia.
Data de morte: 1/03/1996, em Lisboa.

Estudos/habilitações literárias: licenciatura em Filologia Clássica pela
                                 Universidade de Coimbra.

Profissão/cargos desempenhados: professor de Português, Latim e Grego,
                                escritor, filósofo, ensaísta e romancista.
Obras publicadas: Manhã Submersa; Contos; Aparição; Conta Corrente; Para
                  Sempre; Até ao Fim; Na tua Face, etc.
Perfil literário: a sua obra caracteriza-se por uma reflexão constante sobre o
                  sentido da Vida e da Morte, o Homem e o Mundo
 Prémios recebidos: Prémio Camilo castelo Branco; Prémio da Sociedade
                    Portuguesa de Escritores; Prémio da casa da Imprensa;
                    Prémio Camões
Mapeamento da História
    Contextos?
- Quando aconteceu?
Um dia, à meia-noite (= Era uma vez…).
- Onde?
Numa aldeia sem nome.
                                           Personagens?
           O jovem Pedro: personagem principal

            O pai e a mãe; o velho; o Cigarra; o Sr. António
            Governo: personagens secundárias
            O Rui, o Roda Vinte e seis, o Pingo de Cera, a
            Raque – Traque, a Pitapota e o Pananão: figurantes
Qual é o problema inicial?
  Pedro desejava ter a estrela que
viu, um dia, à meia-noite, e decidiu
empalmá-la.

                  Quais são os acontecimentos principais?
  Pedro saiu de casa e dirigiu-se à igreja;
  subiu até ao campanário e agarrou a estrela;
  já em casa, antes de se deitar, guardou-a numa caixa;
   ao acordar pensou que lhe tinham trocado a estrela e ficou
transtornado;
    os pais recearam que Pedro estivesse metido em apuros;
    o velho descobriu o roubo e Cigarra divulgou-o à aldeia, que
ficou em alvoroço;
 os habitantes da aldeia tomaram partido a favor de Cigarra
contra o Sr. António Governo;
  os pais de Pedro descobriram a verdade;
  o pai de Pedro denunciou o filho e impôs que este fosse repor a
estrela no seu lugar;
 Pedro caiu do alto da torre e morreu;
  a gente da aldeia chorou a sua morte.



                                           Qual é o desfecho?
                  A morte de Pedro, lamentada por toda a aldeia.
Espaços que           Dificuldades e estratégias para os
 Pedro percorre                    ultrapassar
                     teve tanto medo que desatou a correr e olhava
1. Na rua
                     para a estrela para ganhar coragem.
                     assustou-se com o ranger da porta, com o
2. Na torre da
                     escuro, com o cheiro, com as pedras frias, mas
igreja,
                     ao tocar o primeiro degrau sentiu-se animado.
3. Na escada de
                     por causa da altura, e da falta de proteção,
ferro do
                     olhou para a estrela e não para baixo.
campanário,
                     continuava a ter medo da altura mas, sem olhar
4. No topo da torre,
                     para baixo, movimentou-se como fazia quando
                     treinava a subir às árvores.
Caracterização de personagens
 A personagem principal

    Pedro é o protagonista, porque é a partir
do roubo da estrela, de que ele é o autor,
que se desenvolve toda a história.
   É parecido com tantas outras crianças da
sua idade porque gostava de subir às
oliveiras para ver os passarinhos nos ninhos
e gostava de aventuras. Além disso era
teimoso, como a maioria das crianças.
Queria a estrela, nem sabia para quê, e não
descansou enquanto não a teve.
Pedro é especial porque é
determinado e corajoso. Quis a
estrela e foi buscá-la, o que implicou
muito esforço e aventurar-se por
caminhos difíceis. Mas, sobretudo,
implicou muita coragem. Teve de
vencer o medo da noite, o medo do
escuro assustador da torre, o medo
da altura e do perigo de cair.
Parece que nada o fazia desistir do
seu sonho, daquilo que desejava
obter.
As personagens secundárias
           A mãe do Pedro surpreende-o com a estrela na
        mão, quando repara que há uma luz estranha no
        quarto. De surpreendida passou a furiosa, quis
A mãe
        bater-lhe, mas queimou-se na estrela. Ficou
        nervosa porque se preocupava com as opiniões dos
        habitantes da aldeia. No final, dominada pelo
        receio, isolou-se no meio da multidão, não tendo
        coragem para seguir os passos do filho.

           O pai quando viu que o filho tinha sido o autor do
        roubo, não lhe bateu, mas obrigou-o a corrigir o mal
O pai   feito, porque estava preocupado com a opinião dos
        aldeãos. O pai teve consciência do perigo e tentou
        orientar o seu filho durante a escalada final.
O velho, como passava parte da noite acordado,
            deu pela falta da estrela no céu e comunicou-o ao
 O Velho    Cigarra que, por sua vez, o fez saber a toda a
            aldeia.




               O Cigarra, indignado com a comunicação
            sussurrada do velho, divulgou o roubo da estrela a
O Cigarra   toda a aldeia. Mostrou-se tão arreliado com os que
            tentaram desvalorizar tal ato, que muita gente, a
            pouco e pouco, começou a pôr-se do lado dele.
O senhor António Governo primeiro achou
                que uma estrela a mais ou a menos não tinha
                qualquer importância, mas depois quis
O Sr. António
                mostrar-se prestável e mandou buscar umas
  Governo
                escadas muito altas para se chegar melhor ao
                cimo da torre. Quis até que fosse o seu filho a
                colocar a estrela no céu, mas este, mal lhe
                pegou, queimou-se.
Os Figurantes

  Os figurantes são designados por alcunhas engraçadas e
sugestivas:

   Roda Vinte e Seis, Pingo de Cera – podem sugerir
 tamanho ou quantidade;

     Raque-Traque devido ao estrume que deitava nas couves
  e o odor daí resultante;

   Em Pitapota pita é galinha em linguagem popular;

    Pananão é muito sugestivo em termos fónicos e pode
  ser associado a “panão”, “palerma”, “idiota”.
O Narrador
  O narrador é subjetivo porque, embora não faça parte da
história, dá as suas opiniões, os seus pontos de vista.
“O medo vinha também a correr atrás dele. Mas como vinha
descalço, ele corria mais.”

   Pode inferir-se que o narrador sente
uma grande simpatia pelo protagonista
pela forma como realça o esforço feito
por Pedro. Este sabe bem o que quer e
luta até ao limite, arriscando a própria
vida, nunca desistindo das suas
motivações. Parece compreender bem
como a estrela o seduziu.
O narrador é não participante porque não está presente na
narrativa, como se comprova pelo uso de verbos e pronomes na
3ª pessoa.
 “Nessa noite não aguentou. Meteu-se na cama …, a mãe levou a luz,
mas ele não dormiu.”




   O narrador é omnisciente porque sabe tudo, incluindo os
 pensamentos das personagens.
    “... tão contente ficou de a porta estar aberta, que só depois se
 lembrou de a ter ouvido ranger. E então assustou-se.”
A linguagem popular
   No conto, constatamos que o narrador conhece muito bem
a linguagem popular.
   O que a caracteriza, afinal?

      A língua popular revela despreocupação nas
    construções sintáticas e correção do vocabulário; é
    marcadamente oral e espontânea. Pode surgir como:
    regionalismo(falares característicos de certas regiões do
    País), gíria(expressões ou falares característicos de certos
    grupos profissionais e sociais) ou calão(expressões ou
    formas marginais, que resultam de situações
    particulares).
A linguagem popular no conto:
 Palavras             Expressões
empalmar;     “…arrombado de sono…”
retoiço;      “…rijo que nem um cabrito…”
arreava;      “…punha-lhe o comer…”
tramar;       “… fizera uma das dele…”
malhar;       “…tivera mesmo uma ponta de cagaço…”
gramava;      “…o filho da mãe…”
sacana;       “…malhar ali com o coirão na cadeia…”
chatice;      “…ninguém gosta que lhe limpem o que é seu.”
escachar…     “…a bem dizer tanto se lhe dava como se lhe
              deu…”
              “…não fosse o diabo tecê-las.”
              “..apanhá-lo com a boca na botija…”
A ação deste conto decorre numa aldeia e numa igreja sem
nome e num tempo indefinido, para que esta situação seja lida
como intemporal.

    São marcas de tempo as seguintes expressões:
•   “Um dia, à meia-noite”;
•   “a essa hora”;
•   “nessa noite”;
•   “No dia seguinte”;
•   “Mas no dia seguinte”;
•   “Aconteceu então que no dia seguinte”;
•   “Ora certa noite”;
•   “um ano inteiro”;
•   “hoje”;
•   “Já passaram muitos anos”.
O espaço
   Os diferentes lugares onde decorre a ação são o quarto do
Pedro, as ruas da aldeia, a torre da igreja e o adro.



   O espaço físico mais importante é
 a torre porque é a partir dela que
 Pedro chega à estrela, é a partir
 dela que a colocará de volta e
 também será ao escorregar dela que
 morrerá e o seu sonho terminará.
A história
       Foi     difícil ao    Pedro
concretizar o seu sonho porque não
só o caminho era arriscado e difícil,
como também encontrou a oposição
de toda a gente.

       Pedro é uma criança que
acredita no sonho, na capacidade da
imaginação, ao contrário dos adultos
que vivem presos à realidade. Daí
Pedro não se queimar com a estrela.
O simbolismo da estrela
A posse da estrela significa:

•   crescimento, busca da própria identidade;
•   nascimento para uma outra vida;
•   desejo de conhecimento do mundo;
•   ânsia de liberdade;
•   vitória sobre o medo;
•   coragem.
Interpretações possíveis
         para este conto
  Pedro morreu porque o seu sonho era demasiado
 ambicioso.
  Pedro cometeu uma falta grave e por isso foi castigado.
  A maioria dos adultos perdeu a capacidade de sonhar e a
sua incompreensão matou Pedro.

  Pedro não estava interessado em viver num mundo onde
 não havia lugar para o sonho.
  Pedro não morreu. Morreu a criança cheia de sonhos e
 fantasias; circunstâncias da vida obrigaram o Pedro-criança a
 tornar-se adulto, sem tempo ou vontade de sonhar.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ficha trabalho coordenação
Ficha trabalho coordenaçãoFicha trabalho coordenação
Ficha trabalho coordenaçãoMargarida Gomes
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaRaffaella Ergün
 
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os MaiasA Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os Maiasmauro dinis
 
Cantigas de amor -resumo
Cantigas de amor -resumoCantigas de amor -resumo
Cantigas de amor -resumoGijasilvelitz 2
 
Modificadores
ModificadoresModificadores
Modificadoresgracacruz
 
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Primavera
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - PrimaveraO Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Primavera
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - PrimaveraMargarida Santos
 
Leandro rei da heliria caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria caracterização das personagens2Belmira Baptista
 
Os Maias - história de Pedro da Maia
Os Maias - história de Pedro da MaiaOs Maias - história de Pedro da Maia
Os Maias - história de Pedro da MaiaAntónio Fernandes
 
Um auto de gil vicente resumo por ato e cena
Um auto de gil vicente   resumo por ato e cenaUm auto de gil vicente   resumo por ato e cena
Um auto de gil vicente resumo por ato e cenaHelena Coutinho
 
Frei Luís de Sousa - Tempo
Frei Luís de Sousa - TempoFrei Luís de Sousa - Tempo
Frei Luís de Sousa - Temponelsonalves70
 
O rapaz do pijama às riscas
O rapaz do pijama às riscasO rapaz do pijama às riscas
O rapaz do pijama às riscasOdete Almeida
 
Uma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deUma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deFernanda Pantoja
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...FilipaFonseca
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoAlexandra Canané
 
"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá"
"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá" "O gato Malhado e a Andorinha Sinhá"
"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá" inessalgado
 
10ºano camões parte C
10ºano camões parte C10ºano camões parte C
10ºano camões parte CLurdes Augusto
 

Mais procurados (20)

Endechas a bárbara
Endechas a bárbaraEndechas a bárbara
Endechas a bárbara
 
Ficha trabalho coordenação
Ficha trabalho coordenaçãoFicha trabalho coordenação
Ficha trabalho coordenação
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
 
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os MaiasA Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
 
Cantigas de amor -resumo
Cantigas de amor -resumoCantigas de amor -resumo
Cantigas de amor -resumo
 
Modificadores
ModificadoresModificadores
Modificadores
 
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Primavera
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - PrimaveraO Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Primavera
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Primavera
 
Leandro rei da heliria caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria caracterização das personagens2
 
O resumo de Os Maias
O resumo de Os MaiasO resumo de Os Maias
O resumo de Os Maias
 
Os Maias - história de Pedro da Maia
Os Maias - história de Pedro da MaiaOs Maias - história de Pedro da Maia
Os Maias - história de Pedro da Maia
 
Um auto de gil vicente resumo por ato e cena
Um auto de gil vicente   resumo por ato e cenaUm auto de gil vicente   resumo por ato e cena
Um auto de gil vicente resumo por ato e cena
 
Frei Luís de Sousa - Tempo
Frei Luís de Sousa - TempoFrei Luís de Sousa - Tempo
Frei Luís de Sousa - Tempo
 
O rapaz do pijama às riscas
O rapaz do pijama às riscasO rapaz do pijama às riscas
O rapaz do pijama às riscas
 
Uma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deUma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição de
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
 
"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá"
"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá" "O gato Malhado e a Andorinha Sinhá"
"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá"
 
A aia
A aiaA aia
A aia
 
Um auto de gil vicente
Um auto de gil vicenteUm auto de gil vicente
Um auto de gil vicente
 
10ºano camões parte C
10ºano camões parte C10ºano camões parte C
10ºano camões parte C
 

Destaque

O essencial sobre bernardim ribeiro
O essencial sobre bernardim ribeiroO essencial sobre bernardim ribeiro
O essencial sobre bernardim ribeiroJanuário Esteves
 
Ler + em família
Ler + em famíliaLer + em família
Ler + em famíliaMaria Sousa
 
Leituras & Conversas ao Por do Sol (1) - Ler + Jovem 2014-16
Leituras & Conversas ao Por do Sol (1) - Ler + Jovem 2014-16Leituras & Conversas ao Por do Sol (1) - Ler + Jovem 2014-16
Leituras & Conversas ao Por do Sol (1) - Ler + Jovem 2014-16Isabel Nina
 
Amanda no pais das vitaminas
Amanda no pais das vitaminasAmanda no pais das vitaminas
Amanda no pais das vitaminasThiara Araujo
 
Contos, vergilio ferreira
Contos, vergilio ferreiraContos, vergilio ferreira
Contos, vergilio ferreiraMaria Rebelo
 
O menino que não gostava de sopa
O menino que não gostava de sopaO menino que não gostava de sopa
O menino que não gostava de sopaDébora Frazao
 
A menina que não gostava de fruta
A menina que não gostava de frutaA menina que não gostava de fruta
A menina que não gostava de frutaDébora Frazao
 
Resumo da gramática - classe de palavras
Resumo da gramática - classe de palavrasResumo da gramática - classe de palavras
Resumo da gramática - classe de palavrasLurdes Augusto
 

Destaque (11)

O essencial sobre bernardim ribeiro
O essencial sobre bernardim ribeiroO essencial sobre bernardim ribeiro
O essencial sobre bernardim ribeiro
 
Bernardim ribeiro
Bernardim ribeiroBernardim ribeiro
Bernardim ribeiro
 
A estrela
A estrelaA estrela
A estrela
 
Ler + em família
Ler + em famíliaLer + em família
Ler + em família
 
Leituras & Conversas ao Por do Sol (1) - Ler + Jovem 2014-16
Leituras & Conversas ao Por do Sol (1) - Ler + Jovem 2014-16Leituras & Conversas ao Por do Sol (1) - Ler + Jovem 2014-16
Leituras & Conversas ao Por do Sol (1) - Ler + Jovem 2014-16
 
Amanda no pais das vitaminas
Amanda no pais das vitaminasAmanda no pais das vitaminas
Amanda no pais das vitaminas
 
Contos, vergilio ferreira
Contos, vergilio ferreiraContos, vergilio ferreira
Contos, vergilio ferreira
 
Saude Oral Manual Para Educadores
Saude Oral  Manual Para EducadoresSaude Oral  Manual Para Educadores
Saude Oral Manual Para Educadores
 
O menino que não gostava de sopa
O menino que não gostava de sopaO menino que não gostava de sopa
O menino que não gostava de sopa
 
A menina que não gostava de fruta
A menina que não gostava de frutaA menina que não gostava de fruta
A menina que não gostava de fruta
 
Resumo da gramática - classe de palavras
Resumo da gramática - classe de palavrasResumo da gramática - classe de palavras
Resumo da gramática - classe de palavras
 

Semelhante a A estrela vergílio_ferreira

As nossas sugestões 7a
As nossas sugestões 7aAs nossas sugestões 7a
As nossas sugestões 7aIsabel Couto
 
Acre 4ª edição (agosto, outubro 2014)
Acre 4ª edição (agosto,  outubro 2014)Acre 4ª edição (agosto,  outubro 2014)
Acre 4ª edição (agosto, outubro 2014)AMEOPOEMA Editora
 
Tessituras 3ª edição: Se eu me decifro, ninguém me devora... palestra com Cel...
Tessituras 3ª edição: Se eu me decifro, ninguém me devora... palestra com Cel...Tessituras 3ª edição: Se eu me decifro, ninguém me devora... palestra com Cel...
Tessituras 3ª edição: Se eu me decifro, ninguém me devora... palestra com Cel...Ana Paula Cecato
 
O gato-malhado-e-a-andorinha-sinha
O gato-malhado-e-a-andorinha-sinhaO gato-malhado-e-a-andorinha-sinha
O gato-malhado-e-a-andorinha-sinhaanarsantos8
 
MEMÓRIA E IDENTIDADE NAS NARRATIVAS ORAIS DA AMAZÔNIA
MEMÓRIA E IDENTIDADE NAS NARRATIVAS ORAIS DA AMAZÔNIAMEMÓRIA E IDENTIDADE NAS NARRATIVAS ORAIS DA AMAZÔNIA
MEMÓRIA E IDENTIDADE NAS NARRATIVAS ORAIS DA AMAZÔNIABreados Online
 
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptxkikinha26
 
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado (1).pptx
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado (1).pptx«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado (1).pptx
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado (1).pptxGiselaAlves15
 
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptxSusana911185
 
O Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças Peculiares
O Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças PeculiaresO Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças Peculiares
O Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças PeculiaresAssuntos da Intenet
 
O orfanato da srta peregrine pa ransom riggs
O orfanato da srta peregrine pa   ransom riggsO orfanato da srta peregrine pa   ransom riggs
O orfanato da srta peregrine pa ransom riggsMariana Correia
 
Segundo momento modernista prosa
Segundo momento modernista  prosaSegundo momento modernista  prosa
Segundo momento modernista prosaAna Batista
 
Projeto Individual de Leitura
Projeto Individual de LeituraProjeto Individual de Leitura
Projeto Individual de Leiturabiblioaemoure
 
Roteiro de atividades
Roteiro de atividadesRoteiro de atividades
Roteiro de atividadesLeleMendes
 

Semelhante a A estrela vergílio_ferreira (20)

As nossas sugestões 7a
As nossas sugestões 7aAs nossas sugestões 7a
As nossas sugestões 7a
 
Lendas e mitos região centro oeste
Lendas e mitos região centro oesteLendas e mitos região centro oeste
Lendas e mitos região centro oeste
 
Acre 4ª edição (agosto, outubro 2014)
Acre 4ª edição (agosto,  outubro 2014)Acre 4ª edição (agosto,  outubro 2014)
Acre 4ª edição (agosto, outubro 2014)
 
Tessituras 3ª edição: Se eu me decifro, ninguém me devora... palestra com Cel...
Tessituras 3ª edição: Se eu me decifro, ninguém me devora... palestra com Cel...Tessituras 3ª edição: Se eu me decifro, ninguém me devora... palestra com Cel...
Tessituras 3ª edição: Se eu me decifro, ninguém me devora... palestra com Cel...
 
O gato-malhado-e-a-andorinha-sinha
O gato-malhado-e-a-andorinha-sinhaO gato-malhado-e-a-andorinha-sinha
O gato-malhado-e-a-andorinha-sinha
 
MEMÓRIA E IDENTIDADE NAS NARRATIVAS ORAIS DA AMAZÔNIA
MEMÓRIA E IDENTIDADE NAS NARRATIVAS ORAIS DA AMAZÔNIAMEMÓRIA E IDENTIDADE NAS NARRATIVAS ORAIS DA AMAZÔNIA
MEMÓRIA E IDENTIDADE NAS NARRATIVAS ORAIS DA AMAZÔNIA
 
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx
 
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado (1).pptx
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado (1).pptx«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado (1).pptx
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado (1).pptx
 
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx
 
O Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças Peculiares
O Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças PeculiaresO Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças Peculiares
O Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças Peculiares
 
O orfanato da srta peregrine pa ransom riggs
O orfanato da srta peregrine pa   ransom riggsO orfanato da srta peregrine pa   ransom riggs
O orfanato da srta peregrine pa ransom riggs
 
Sugestões PNL
Sugestões PNLSugestões PNL
Sugestões PNL
 
Sugestões PNL
Sugestões PNLSugestões PNL
Sugestões PNL
 
Maria e fe_2
Maria e fe_2Maria e fe_2
Maria e fe_2
 
Segundo momento modernista prosa
Segundo momento modernista  prosaSegundo momento modernista  prosa
Segundo momento modernista prosa
 
Projeto Individual de Leitura
Projeto Individual de LeituraProjeto Individual de Leitura
Projeto Individual de Leitura
 
Multiculturiedade
MulticulturiedadeMulticulturiedade
Multiculturiedade
 
O Misantropo
O MisantropoO Misantropo
O Misantropo
 
Roteiro de atividades
Roteiro de atividadesRoteiro de atividades
Roteiro de atividades
 
David Machado
David MachadoDavid Machado
David Machado
 

Mais de armindaalmeida

Introdução texto poético
Introdução texto poéticoIntrodução texto poético
Introdução texto poéticoarmindaalmeida
 
Categoriasdanarrativa i
Categoriasdanarrativa iCategoriasdanarrativa i
Categoriasdanarrativa iarmindaalmeida
 
Fi literatura oral_tradicional
Fi literatura oral_tradicionalFi literatura oral_tradicional
Fi literatura oral_tradicionalarmindaalmeida
 
Literaturaoraletradicionaltipologia
LiteraturaoraletradicionaltipologiaLiteraturaoraletradicionaltipologia
Literaturaoraletradicionaltipologiaarmindaalmeida
 
Sintese funcoes sintaticas
Sintese funcoes sintaticasSintese funcoes sintaticas
Sintese funcoes sintaticasarmindaalmeida
 
Frase grupos constituintes
Frase grupos constituintesFrase grupos constituintes
Frase grupos constituintesarmindaalmeida
 
Frase classificacao oracoes
Frase classificacao oracoesFrase classificacao oracoes
Frase classificacao oracoesarmindaalmeida
 
Insdecastro apresentao
Insdecastro apresentaoInsdecastro apresentao
Insdecastro apresentaoarmindaalmeida
 
Inesdecastro exposioconflitoedesenlace
Inesdecastro exposioconflitoedesenlaceInesdecastro exposioconflitoedesenlace
Inesdecastro exposioconflitoedesenlacearmindaalmeida
 
Inesdecastro exposioconflitoedesenlace
Inesdecastro exposioconflitoedesenlaceInesdecastro exposioconflitoedesenlace
Inesdecastro exposioconflitoedesenlacearmindaalmeida
 
Insdecastro apresentao
Insdecastro apresentaoInsdecastro apresentao
Insdecastro apresentaoarmindaalmeida
 
Processos morfologicos formação_palavras
Processos morfologicos formação_palavrasProcessos morfologicos formação_palavras
Processos morfologicos formação_palavrasarmindaalmeida
 
Idade Media Renascimento
Idade Media RenascimentoIdade Media Renascimento
Idade Media Renascimentoarmindaalmeida
 
O Tesouro_Eça_Queirós_Categorias Narrativa
O Tesouro_Eça_Queirós_Categorias NarrativaO Tesouro_Eça_Queirós_Categorias Narrativa
O Tesouro_Eça_Queirós_Categorias Narrativaarmindaalmeida
 

Mais de armindaalmeida (20)

Descrição aa
Descrição aaDescrição aa
Descrição aa
 
Conto igagc
Conto igagcConto igagc
Conto igagc
 
Introdução texto poético
Introdução texto poéticoIntrodução texto poético
Introdução texto poético
 
Gigante adamastor
Gigante adamastorGigante adamastor
Gigante adamastor
 
Categoriasdanarrativa i
Categoriasdanarrativa iCategoriasdanarrativa i
Categoriasdanarrativa i
 
Fi literatura oral_tradicional
Fi literatura oral_tradicionalFi literatura oral_tradicional
Fi literatura oral_tradicional
 
Conto popular aa
Conto popular aaConto popular aa
Conto popular aa
 
Literaturaoraletradicionaltipologia
LiteraturaoraletradicionaltipologiaLiteraturaoraletradicionaltipologia
Literaturaoraletradicionaltipologia
 
Sintese funcoes sintaticas
Sintese funcoes sintaticasSintese funcoes sintaticas
Sintese funcoes sintaticas
 
Frase grupos constituintes
Frase grupos constituintesFrase grupos constituintes
Frase grupos constituintes
 
Frase classificacao oracoes
Frase classificacao oracoesFrase classificacao oracoes
Frase classificacao oracoes
 
Classes palavras
Classes palavrasClasses palavras
Classes palavras
 
Insdecastro apresentao
Insdecastro apresentaoInsdecastro apresentao
Insdecastro apresentao
 
Inesdecastro exposioconflitoedesenlace
Inesdecastro exposioconflitoedesenlaceInesdecastro exposioconflitoedesenlace
Inesdecastro exposioconflitoedesenlace
 
Inesdecastro exposioconflitoedesenlace
Inesdecastro exposioconflitoedesenlaceInesdecastro exposioconflitoedesenlace
Inesdecastro exposioconflitoedesenlace
 
Insdecastro apresentao
Insdecastro apresentaoInsdecastro apresentao
Insdecastro apresentao
 
Processos morfologicos formação_palavras
Processos morfologicos formação_palavrasProcessos morfologicos formação_palavras
Processos morfologicos formação_palavras
 
A Publicidade
A PublicidadeA Publicidade
A Publicidade
 
Idade Media Renascimento
Idade Media RenascimentoIdade Media Renascimento
Idade Media Renascimento
 
O Tesouro_Eça_Queirós_Categorias Narrativa
O Tesouro_Eça_Queirós_Categorias NarrativaO Tesouro_Eça_Queirós_Categorias Narrativa
O Tesouro_Eça_Queirós_Categorias Narrativa
 

A estrela vergílio_ferreira

  • 1. A Estrela Vergílio Ferreira
  • 2. O Autor Nome: Vergílio Ferreira Data de nascimento: 28/01/1916 , em Melo, no concelho de Gouveia. Data de morte: 1/03/1996, em Lisboa. Estudos/habilitações literárias: licenciatura em Filologia Clássica pela Universidade de Coimbra. Profissão/cargos desempenhados: professor de Português, Latim e Grego, escritor, filósofo, ensaísta e romancista. Obras publicadas: Manhã Submersa; Contos; Aparição; Conta Corrente; Para Sempre; Até ao Fim; Na tua Face, etc. Perfil literário: a sua obra caracteriza-se por uma reflexão constante sobre o sentido da Vida e da Morte, o Homem e o Mundo Prémios recebidos: Prémio Camilo castelo Branco; Prémio da Sociedade Portuguesa de Escritores; Prémio da casa da Imprensa; Prémio Camões
  • 3. Mapeamento da História Contextos? - Quando aconteceu? Um dia, à meia-noite (= Era uma vez…). - Onde? Numa aldeia sem nome. Personagens? O jovem Pedro: personagem principal O pai e a mãe; o velho; o Cigarra; o Sr. António Governo: personagens secundárias O Rui, o Roda Vinte e seis, o Pingo de Cera, a Raque – Traque, a Pitapota e o Pananão: figurantes
  • 4. Qual é o problema inicial? Pedro desejava ter a estrela que viu, um dia, à meia-noite, e decidiu empalmá-la. Quais são os acontecimentos principais?  Pedro saiu de casa e dirigiu-se à igreja;  subiu até ao campanário e agarrou a estrela;  já em casa, antes de se deitar, guardou-a numa caixa;  ao acordar pensou que lhe tinham trocado a estrela e ficou transtornado;  os pais recearam que Pedro estivesse metido em apuros;  o velho descobriu o roubo e Cigarra divulgou-o à aldeia, que ficou em alvoroço;
  • 5.  os habitantes da aldeia tomaram partido a favor de Cigarra contra o Sr. António Governo;  os pais de Pedro descobriram a verdade;  o pai de Pedro denunciou o filho e impôs que este fosse repor a estrela no seu lugar;  Pedro caiu do alto da torre e morreu;  a gente da aldeia chorou a sua morte. Qual é o desfecho? A morte de Pedro, lamentada por toda a aldeia.
  • 6. Espaços que Dificuldades e estratégias para os Pedro percorre ultrapassar teve tanto medo que desatou a correr e olhava 1. Na rua para a estrela para ganhar coragem. assustou-se com o ranger da porta, com o 2. Na torre da escuro, com o cheiro, com as pedras frias, mas igreja, ao tocar o primeiro degrau sentiu-se animado. 3. Na escada de por causa da altura, e da falta de proteção, ferro do olhou para a estrela e não para baixo. campanário, continuava a ter medo da altura mas, sem olhar 4. No topo da torre, para baixo, movimentou-se como fazia quando treinava a subir às árvores.
  • 7. Caracterização de personagens A personagem principal Pedro é o protagonista, porque é a partir do roubo da estrela, de que ele é o autor, que se desenvolve toda a história. É parecido com tantas outras crianças da sua idade porque gostava de subir às oliveiras para ver os passarinhos nos ninhos e gostava de aventuras. Além disso era teimoso, como a maioria das crianças. Queria a estrela, nem sabia para quê, e não descansou enquanto não a teve.
  • 8. Pedro é especial porque é determinado e corajoso. Quis a estrela e foi buscá-la, o que implicou muito esforço e aventurar-se por caminhos difíceis. Mas, sobretudo, implicou muita coragem. Teve de vencer o medo da noite, o medo do escuro assustador da torre, o medo da altura e do perigo de cair. Parece que nada o fazia desistir do seu sonho, daquilo que desejava obter.
  • 9. As personagens secundárias A mãe do Pedro surpreende-o com a estrela na mão, quando repara que há uma luz estranha no quarto. De surpreendida passou a furiosa, quis A mãe bater-lhe, mas queimou-se na estrela. Ficou nervosa porque se preocupava com as opiniões dos habitantes da aldeia. No final, dominada pelo receio, isolou-se no meio da multidão, não tendo coragem para seguir os passos do filho. O pai quando viu que o filho tinha sido o autor do roubo, não lhe bateu, mas obrigou-o a corrigir o mal O pai feito, porque estava preocupado com a opinião dos aldeãos. O pai teve consciência do perigo e tentou orientar o seu filho durante a escalada final.
  • 10. O velho, como passava parte da noite acordado, deu pela falta da estrela no céu e comunicou-o ao O Velho Cigarra que, por sua vez, o fez saber a toda a aldeia. O Cigarra, indignado com a comunicação sussurrada do velho, divulgou o roubo da estrela a O Cigarra toda a aldeia. Mostrou-se tão arreliado com os que tentaram desvalorizar tal ato, que muita gente, a pouco e pouco, começou a pôr-se do lado dele.
  • 11. O senhor António Governo primeiro achou que uma estrela a mais ou a menos não tinha qualquer importância, mas depois quis O Sr. António mostrar-se prestável e mandou buscar umas Governo escadas muito altas para se chegar melhor ao cimo da torre. Quis até que fosse o seu filho a colocar a estrela no céu, mas este, mal lhe pegou, queimou-se.
  • 12. Os Figurantes Os figurantes são designados por alcunhas engraçadas e sugestivas: Roda Vinte e Seis, Pingo de Cera – podem sugerir tamanho ou quantidade; Raque-Traque devido ao estrume que deitava nas couves e o odor daí resultante; Em Pitapota pita é galinha em linguagem popular; Pananão é muito sugestivo em termos fónicos e pode ser associado a “panão”, “palerma”, “idiota”.
  • 13. O Narrador O narrador é subjetivo porque, embora não faça parte da história, dá as suas opiniões, os seus pontos de vista. “O medo vinha também a correr atrás dele. Mas como vinha descalço, ele corria mais.” Pode inferir-se que o narrador sente uma grande simpatia pelo protagonista pela forma como realça o esforço feito por Pedro. Este sabe bem o que quer e luta até ao limite, arriscando a própria vida, nunca desistindo das suas motivações. Parece compreender bem como a estrela o seduziu.
  • 14. O narrador é não participante porque não está presente na narrativa, como se comprova pelo uso de verbos e pronomes na 3ª pessoa. “Nessa noite não aguentou. Meteu-se na cama …, a mãe levou a luz, mas ele não dormiu.” O narrador é omnisciente porque sabe tudo, incluindo os pensamentos das personagens. “... tão contente ficou de a porta estar aberta, que só depois se lembrou de a ter ouvido ranger. E então assustou-se.”
  • 15. A linguagem popular No conto, constatamos que o narrador conhece muito bem a linguagem popular. O que a caracteriza, afinal? A língua popular revela despreocupação nas construções sintáticas e correção do vocabulário; é marcadamente oral e espontânea. Pode surgir como: regionalismo(falares característicos de certas regiões do País), gíria(expressões ou falares característicos de certos grupos profissionais e sociais) ou calão(expressões ou formas marginais, que resultam de situações particulares).
  • 16. A linguagem popular no conto: Palavras Expressões empalmar; “…arrombado de sono…” retoiço; “…rijo que nem um cabrito…” arreava; “…punha-lhe o comer…” tramar; “… fizera uma das dele…” malhar; “…tivera mesmo uma ponta de cagaço…” gramava; “…o filho da mãe…” sacana; “…malhar ali com o coirão na cadeia…” chatice; “…ninguém gosta que lhe limpem o que é seu.” escachar… “…a bem dizer tanto se lhe dava como se lhe deu…” “…não fosse o diabo tecê-las.” “..apanhá-lo com a boca na botija…”
  • 17. A ação deste conto decorre numa aldeia e numa igreja sem nome e num tempo indefinido, para que esta situação seja lida como intemporal. São marcas de tempo as seguintes expressões: • “Um dia, à meia-noite”; • “a essa hora”; • “nessa noite”; • “No dia seguinte”; • “Mas no dia seguinte”; • “Aconteceu então que no dia seguinte”; • “Ora certa noite”; • “um ano inteiro”; • “hoje”; • “Já passaram muitos anos”.
  • 18. O espaço Os diferentes lugares onde decorre a ação são o quarto do Pedro, as ruas da aldeia, a torre da igreja e o adro. O espaço físico mais importante é a torre porque é a partir dela que Pedro chega à estrela, é a partir dela que a colocará de volta e também será ao escorregar dela que morrerá e o seu sonho terminará.
  • 19. A história Foi difícil ao Pedro concretizar o seu sonho porque não só o caminho era arriscado e difícil, como também encontrou a oposição de toda a gente. Pedro é uma criança que acredita no sonho, na capacidade da imaginação, ao contrário dos adultos que vivem presos à realidade. Daí Pedro não se queimar com a estrela.
  • 20. O simbolismo da estrela A posse da estrela significa: • crescimento, busca da própria identidade; • nascimento para uma outra vida; • desejo de conhecimento do mundo; • ânsia de liberdade; • vitória sobre o medo; • coragem.
  • 21. Interpretações possíveis para este conto  Pedro morreu porque o seu sonho era demasiado ambicioso.  Pedro cometeu uma falta grave e por isso foi castigado.  A maioria dos adultos perdeu a capacidade de sonhar e a sua incompreensão matou Pedro.  Pedro não estava interessado em viver num mundo onde não havia lugar para o sonho.  Pedro não morreu. Morreu a criança cheia de sonhos e fantasias; circunstâncias da vida obrigaram o Pedro-criança a tornar-se adulto, sem tempo ou vontade de sonhar.