A vida como contrução uma obra de arte

7.414 visualizações

Publicada em

A vida como contrução uma obra de arte

Publicada em: Educação
1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.414
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4.044
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
82
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A vida como contrução uma obra de arte

  1. 1. A vida como construção: uma obra de arte Profº Arlindo Picoli Campus Itapina
  2. 2. O filósofo segundo Deleuze • “Ser das profundidades”: pré-socráticos – Natureza • “Ser das alturas”: Sócrates e Platão – Contemplação das ideias • “Ser das superfícies”: cínicos e estoicos: – Como viver melhor
  3. 3. Os cínicos • Não escreviam tratados • Filosofia era uma prática cotidiana • Humor, anedotas e piadas
  4. 4. Antístenes • Ensinava no Cinosarges • Vida pautada na virtude • Libertação dos desejos
  5. 5. Diógenes • Kunós (Cão) : filosofia do cão • Pensamento como ação • Pobreza absoluta
  6. 6. Estoicismo • Stoá (pórtico) • Estudos: – Física: natureza • acontecimento – Lógica: razão – Ética: vida humana • Ataraxia
  7. 7. Períodos • Antigo: Zenão de Cicio • Médio: Panécio de Rodes • Imperial: Sêneca, Marco Aurélio e Epiteto
  8. 8. Exercícios espirituais • Escrita: – Diário, hypomnemata, cartas • Meditação: – Morte, acontecimentos ruins, fatos acontecidos durante o dia
  9. 9. Epiteto • O que depende de nós – Impulso – Desejo – Opiniões • O que não depende de nós – Corpo – Reputação – Riqueza
  10. 10. Epiteto
  11. 11. Epicurismo • A vida é um prazer: hedonismo • Só o prazer racional pode levar à ataraxia. • A comunidade, o jardim e a amizade.
  12. 12. A morte • Atomismo
  13. 13. Tetraphármacon “Não há o que temer quanto aos deuses. Não há nada a temer quanto à morte. Pode-se alcançar a felicidade. Pode-se suportar a dor.” Inscrição da receita médica para a alma, gravada por Diógenes em Enoanda, na Turquia
  14. 14. A estética da existência • Michel Foucault • Quais são as relações entre verdade, poder e si mesmo?
  15. 15. Diagnóstico do presente • Consumismo • Hedonismo moderno – Sensorial e imediatista – Culto ao corpo
  16. 16. O cuidado de si • Construir a si mesmo como um artista é sujeito de sua obra. • Práticas de liberdade • Conhecimento e cuidado • Cuidado de si e do outro
  17. 17. Exercícios (askesis) Espirituais “[...] práticas que podem ser de ordem física, como regime alimentar; discursiva, como o diálogo e a meditação; ou intuitiva, como a contemplação, mas que são todas destinadas a operar modificação e transformação no sujeito que as pratica" (HADOT, 1999, p. 21). 22
  18. 18. Características do ‘cuidado de si’ (epiméleia heautoû) • atitude • atenção interior • ação transformadora. 23
  19. 19. O que é o ‘si mesmo’? • O Médico • O Economista • Os amantes • O mestre da epiméleia heuatoû. 24
  20. 20. O que é o ‘si’ com o qual é preciso ocupar-se? A alma. 25
  21. 21. Ainda que dissermos que as pessoas são as mesmas desde que nascem até morrerem, na verdade uma nova criança renasce em nós a cada momento (néos aeì gignómenos). PLATÃO, O Banquete 207d-e 26
  22. 22. “ A idade moderna das relações entre sujeito e verdade começa no dia em que postulamos que o sujeito, tal como ele é, é capaz de verdade, mas que a verdade, tal como ela é, não é capaz de salvar o sujeito” (FOUCAULT, 2004, p. 24). 27
  23. 23. O sujeito se produz num determinado momento histórico de duas formas bem distintas: como conservação ou transformação das maneiras de existir. Sujeito 28
  24. 24. “Eu devo” Na medida em que aceita o que é dito sobre e para si, sofre-se um ‘assujeitamento’, muitas vezes capaz de tornar sua própria vontade equivalente ao discurso externo. 29
  25. 25. Práticas de liberdade Mas quando você faz uma experiência de si mesmo, possibilita uma resistência aos mecanismos de dominação expressos como verdade. 30
  26. 26. Transformação Na dimensão da subjetividade, não se trata apenas de conhecer-se, mas de desencadear todo um processo de mudança, capaz de criar um sentido e um significado auto-referente para si mesmo. 31
  27. 27. REFERÊNCIAS GALLO, Silvio. Filosofia: experiência do pensamento. São Paulo: Scipione, 2013. FOUCAULT, Michel. A Hermenêutica do Sujeito. São Paulo: Martins Fontes. 2004. _________________. Ditos e Escritos - Vol. IX - Genealogia da Ética Subjetividade e Sexualidade Forense universitária. 2013. HADOT, Pierre. O que é a filosofia antiga? São Paulo, Edições Loyola. 1999. PLATÃO. Fedro, Cartas e O primeiro Alcibíades. [Tradução Carlos Alberto Nunes] Belém: EDUFPA, 2007.

×