Crescimento economico.

9.193 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.193
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
103
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Crescimento economico.

  1. 1. 1.IntroduçãoO presente trabalho objectiva analisar a relação existente entre o crescimento económico e odesemprego. Do ponto de vista macroeconómico, o crescimento económico bem como odesemprego fazem parte das variáveis macroeconómicas visadas pela política orçamental dogoverno. Nestes termos, torna-se pertinente analisar a relação entre elas. Assim, nosquestionamos o seguinte: será que a relação entre elas é de causalidade?Para responder esta questão começaremos pelas definições dos dois conceitos-chave,nomeadamente crescimento económico e desemprego, por fim, iremos os relacionar através dospressupostos da Lei de Okun.2. Definição de Conceitos2.1. Crescimento EconómicoSegundo Figueiredo et al (2005:18), citando Simon Kuznets, o crescimento económico de umpaís é um aumento a longo prazo da sua capacidade de oferecer à população bens económicoscada vez mais diversificados, baseando-se esta capacidade crescente numa tecnologia avançada enos ajustamentos institucionais e ideológicos que esta exige.Na óptica de Samuelson e Nordhaus (2005:556) crescimento Económico representa a expansãodo PIB potencial, ou produto nacional de um país ou por outras é quando a fronteira daspossibilidades de produção (FPP) de um país se desloca para fora.Destas definições, o Simon Kuznets resume os seguintes aspectos que expressam o crescimentoeconómico de um país: a) A dimensão temporal com o primado da dinâmica de longo prazo; b) O nível dos resultados do processo: refere-se o aumento da oferta de bens em termos quantitativos e qualitativos e;
  2. 2. c) As condições de viabilização do processo: referem-se o progresso tecnológico e os correspondentes ajustamentos institucionais e ideológicos que condicionam o aumento da capacidade produtiva da economia num determinado espaço temporal.Figueiredo (2005:19), adverte que, entre economistas estudiosos da dinâmica de longo prazoexiste um amplo consenso sobre o carácter diferenciado do período que Kuznets designa deperíodo de crescimento económico moderno, que data desde os fins do século XVIII e inicio doséculo XIX.Na óptica de Figueiredo, no crescimento económico moderno de um país configuram-se novosaspectos e aprofundam-se as tendências antigas que são: a) Elevada taxa de crescimento do produto per capita e da população; b) Elevada taxa de transformação estrutural; c) Rápida transformação de estruturais sociais; d) Expansão da economia – mundo e; e) Potencial não generalizado da aplicação da tecnologia e emergência de fortes disparidades inter-nações na economia – mundo.2.2. DesempregoSegundo Mankiw (2005:305), uma pessoa é considerada desempregada se estiver demitidatemporariamente, se estiver à procura de emprego ou se estiver aguardando para iniciar um novotrabalho dentro de 30 dias. Uma pessoa que não se enquadra nestas condições como estudantesem tempo integral, donas-de-casa ou oposentadas, esta fora de força de trabalho.Assim, Empregados são todas as pessoas que desempenham qualquer trabalho remunerado bemcomo aqueles que tem emprego, mas que estão ausentes por motivos de doença, greves ou férias,Smuelson e Nordhaus (2005).
  3. 3. Desempregados são todas as pessoas que não estão empregadas, mas que estão activamente aprocura de emprego ou estão a espera de reingresso no trabalho, Smuelson e Nordhaus (2005).A taxa de desemprego é o número de desempregados divididos pelo total da população activa,Smuelson e Nordhaus (2005).Assim, o desemprego é um problema, por um lado, económico porque, representa umdesperdício de recursos valiosos para o funcionamento eficaz da economia. Por outro lado, odesemprego é um problema social porque, causa enormes sofrimentos aos desempregados quetêm menores rendimentos (Samuelson & Nordhaus, 1999:564)3. A relação existente entre o desemprego e o crescimento económicoDe acordo com Samuelson & Nordhaus (1999:564), o desemprego evolui geralmente emsintonia com o produto interno bruto (PIB) ao longo do ciclo económico.Entretanto, o singular movimento conjunto do produto e do emprego, juntamente com a relaçãonumérica entre eles, foi identificado pela primeira vez por Arthur Okun sendo conhecido por LeiOkun.A lei de Okun proporciona a ligação vital entre o mercado do produto e o mercado do trabalho.Descreve a associação entre os movimentos no curto prazo de PIB real e as variações dodesemprego.De acordo com a Lei Okun, quando há quebra do produto, as empresas necessitam de uma menorquantidade do factor do trabalho, de modo que não são contratados novos trabalhadores e osactuais são dispensados.A lei de Okun assevera que, por cada 2% de quebra do PIB relativamente ao PIB potencial, ataxa de desemprego aumenta a 1%. Isto significa que, se o PIB começa a 100% do seu potenciale diminui para 98% do potencial, a taxa de desemprego aumenta 1 percentual, por exemplo, de 6para 7%.
  4. 4. A lei de Okun conclui que o PIB efectivo tem de crescer tão rapidamente quanto ao PIBpotencial para que a taxa de desemprego aumente. Neste sentido, o PIB tem de continuar avançarpara que o desemprego fique parado.Quadro 1: a relação entre o crescimento económico e o desemprego em Moçambique, no período 2006-2007Variável macroeconómica 2006 2007Crescimento real do PIB (%) 7.9 7.0Desempregados em valores absolutos 160.922 163.594Fonte: Análise do grupo, na base da informação do PES-2006 e do Boletim estatístico de trabalho 2007.O quadro mostra que, de 2006 a 2007 verificou-se uma diminuição do crescimento económico,na ordem de 0.9 %. Esta diminuição fez com que o número total dos desempregados emMoçambique crescesse no ano de 2007.Esta relação é reforçada pela lei de Okun porque, segunda ela, por cada 2% de quebra do PIBrelativamente ao PIB potencial, a taxa de desemprego aumenta a 1%. Isto significa que, se o PIBcomeça a 100% do seu potencial e diminui para 98% do potencial, a taxa de desempregoaumenta 1 percentual, por exemplo, de 6 para 7%.3.1. ConclusãoContudo, a nossa pesquisa leva-nos a seguinte conclusão: entre o crescimento económico e odesemprego há uma relação de causalidade, sendo o crescimento económico uma variávelexplicativa e o desemprego uma variável explicada.4. Bibliografia Consultada
  5. 5. Figueiredo et al (2005), Crescimento Económico. Escolar Editora. Lisboa.Mankiw, N. Gregory (2005), Princípios de Macroeconomia. 3ª Edição. Thomson. São Paulo.Ministério de Planificação e Desenvolvimento (2008), Boletim Estatístico de Trabalho. INE.Maputo.República de Moçambique (2009), Plano Económico e Social e Orçamento do Estado.Maputo.Samuelson & Nordhaus (1999), Economia. 16ª Edição. Mc Graw-Hill. Portugal.ÍNDICE1.Introdução...................................................................................................................................12. Definição de Conceitos...............................................................................................................1 2.1. Crescimento Económico...................................................................................................................1 2.2. Desemprego.....................................................................................................................................23. A relação existente entre o desemprego e o crescimento económico.....................................3 Quadro 1: a relação entre o crescimento económico e o desemprego em Moçambique, no período 2006-2007 ...............................................................................................................................................4 3.1. Conclusão..........................................................................................................................................4

×