Artigo ética-e-o-trabalho-do-profissional-religioso-1-trabalho (1)

263 visualizações

Publicada em

Etica No Trabalho Religioso - Trabalho Academico

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
263
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Artigo ética-e-o-trabalho-do-profissional-religioso-1-trabalho (1)

  1. 1. ÉTICAE O TRABALHO DO PROFISSIONAL RELIGIOSO CRISTÃO Autores: Ari Nelson Moura – ari.nelson.moura@gmail.com Luis Henrique Guérios da Silva- iqguerios@hotmail.com Instituto Federal do Paraná – Campus Palmas - IFPR Resumo Optamos por escrever sobre o tema A Ética e o Trabalho do Profissional Religioso por se tratar de um assunto talvez pouco analisado, principalmente em tempos onde notícias nos trazem informações de Pastores, Padres e diferentes líderes religiosos envolvidos em escândalos. Diante de tantos escândalos surge a pergunta: Existe uma Ética no trabalho do Religioso? E a resposta é sim, e sobre este tema trataremos neste artigo. Palavras Chaves: Deus, ética, Religioso, Bíblia. Abstract We chose to write on the subject Ethics and Religious Professional Labor because it is a subject may know little analyzed , especially in times where news bring us information Pastors, Priests and different religious leaders involved in scandals . Faced with so many scandals the question arises : Is there a Religious Ethics at work ? And the answer is yes, and on this subject we will deal in this article. Introdução Há de ser falar em Ética, pensar em Ética, pois vivemos em uma época em que as palavras caem na banalização, e muitos erram ao pensar que todos sabem o seu significado. Isso está muito longe de ser uma afirmação correta. Dentre algumas definições podemos citar a de que a ética é a norma das profissões e conforme (NALINI, pg. 26), “Ética é a ciência do comportamento moral dos homens em sociedade”. Para falar de Ética, é necessário também falar sobre moral, o que é a moral, qual a interligação entre moral e Ética? A ética reflete sobre a moralidade. Sócrates (470-399 a.C.) já discorria sobre a ética, em seus estudos e seus métodos, forneceram a Aristóteles e Platão material para desenvolverem suas doutrinas. Moral é o conjunto de regras adquiridas através da cultura, educação e do cotidiano que orientam o comportamento humano. Desenvolvimento
  2. 2. A Ética estuda o comportamento humano, e a ética profissional é o conjunto de ações que determinam a adequação no exercício de qualquer profissão. É através dela que se dão as relações interpessoais no trabalho, visando, especialmente, o respeito e o bem-estar no ambiente profissional. A Ética é importante para a vida diária. A todo instante tomamos decisões que afetam a nós e a outras pessoas. Cada profissão tem o seu código de ética, este pode variar dependendo da área de atuação. Mas é importante também destacar que existem normas da ética profissional que são universais, ou seja, valem para todas as profissões. Destacamos aqui a honestidade, a responsabilidade, o respeito para com as pessoas, sejam elas clientes ou parceiros e competência no desenvolvimento da profissão. Estas características devem estar presentes em todas as profissões, mas acreditamos que muito mais na vida do profissional religioso, dado a grande expectativa neles depositada. O código de ética é elaborado pelos conselhos que fiscalizam e representam as profissões. No caso do profissional religioso ainda existe a própria tradição histórica que impõe sobre este profissional um peso maior sobre a sua forma de agir, o que podemos chamar de Ética Ministerial. O Religioso é alguém que está presente em praticamente todas as fases da vida, desde o nascimento até o momento da morte. É alguém que celebra casamentos e também aconselha em momentos de crises nos relacionamentos. O profissional religioso tem como objetivo principal ajudar as pessoas a encarar seus valores e deveres de uma perspectiva cristã, ou como poderíamos dizer, a perspectiva de Deus. Ele deve orientar ao ser humano quando este está longe dos propósitos de Deus para sua vida e o ajudar a buscar este ideal. E neste mesmo pensamento ele deve orientar suas atitudes diante de sua profissão. Nas religiões chamadas cristãs, que é o foco de nosso artigo, existe o que é conhecido também como manual de regras e fé, chamado Bíblia Sagrada. Este livro traz orientações sobre como agir com as diferentes faixas etárias. Como o texto de I Timóteo 5:1-3 “Não repreendas asperamente o ancião, mas admoesta-o como a pai; aos moços como irmãos; As mulheres idosas, como a mães, às moças como irmãs...”. (Bíblia, ACR). E ainda outros textos que falam sobre afastar-se de corrupção, não ser violento, ser trabalhador, honrar seus compromissos, etc. Pode-se dizer que para o Profissional Religioso cristão, a Bíblia é o Código de ética da sua profissão. O profissional religioso deve receber e tratar de forma igual a todas as pessoas, independente de raça, status social, condição financeira, profissão e sexo, sendo que este último é encarado por algumas instituições religiosas com mais cautela, onde um homem aconselha um homem e uma mulher aconselha uma mulher para evitar problemas afetivos. Em algumas instituições a questão financeira também é tratada de forma muito transparente, com profissionais na área financeira que cuidam das arrecadações, deixando o religioso apenas para assuntos espirituais. O Profissional religioso deve ser alguém que inspire confiança, sabendo guardar para si assuntos que são abertos em “confissões” por aqueles que os procuram. O Direito Canônico da Igreja Católica traz que a confissão é inviolável, mesmo que a pessoa revele algum crime. Essa norma também se estende as Igrejas evangélicas. Segundo o Art. 154 do Código Penal - Revelar
  3. 3. alguém, sem justa causa, segredo, de que tem ciência em razão de função, ministério, ofício ou profissão, e cuja revelação possa produzir dano a outrem:Pena - detenção, de três meses a um ano, ou multa do Código Penal, e ainda o Art. 229 Inciso I Ninguém pode ser obrigado a depor sobre fato: I - a cujo respeito, por estado ou profissão, deva guardar segredo; do Código Civil e Art. 207 do Código de Processo Penal: São proibidas de depor as pessoas que, em razão de função, ministério, ofício ou profissão, devam guardar segredo, salvo se, desobrigadas pela parte interessada, quiserem dar o seu testemunho., diz que padres e outros profissionais não podem ser obrigados a quebrar segredos de confissão. Concluímos que a ética se constrói aos poucos, todos os dias temos a oportunidade de pensar nossas ações e balizar nossos atos, buscando dessa forma desempenhar nossas atividades, da melhor maneira possível. A ética da conveniência deve ser refutada, pois o bom profissional, não pensa simplesmente no bem estar próprio, mas naqueles que são tocados como resultado do seu trabalho, isso é, todas as pessoas envolvidas no desempenhar de suas funções, e poderíamos dizer a própria sociedade como um todo. Os códigos de ética das profissões, não deveriam ser simplesmente um manual de regras, ou mandamentos, mas apenas uma forma de lembrar e orientar os egressos nas determinadas profissões. Mas essa ética deveria ser algo automático na vida do profissional, como se não pudesse agir de outra forma, algo natural, não uma regra imposta, que ao menor sinal de descuido, este a infringiria, agindo de forma conveniente. É necessário repensarmos nossas posturas, individualmente como profissionais, independente da área em que atuamos, mas especificamente no caso do profissional religioso, repensar suas práticas, de que forma tem contribuído para que tenhamos uma sociedade melhor, um lugar melhor para vivermos. Quais são nossas motivações? Temos paixão em desenvolver nossa profissão? A profissão do Religioso é muito mais do que um trabalho com uma remuneração, é uma vocação, é preciso paixão. Acreditamos que em tempos onde existem conflitos éticos, aqueles que desempenham suas profissões com paixão, irão sempre estar em destaque, nunca irão se dobrar diante de propostas daqueles que perderam a paixão e sucumbiram à ética da conveniência, mudando seus valores de acordo com padrões distorcidos. Para que o profissional religioso possa exercer sua função com lealdade, dedicação e honestidade, ele precisa constantemente reavaliar seus valores e sua escala de prioridades. Pois corremos o risco de no dia a dia nos envolvermos com tantas atividades e esquecermos daquilo que realmente é importante e necessário. Nada justifica na vida do profissional religioso o agir de uma forma a levantar suspeitas sobre seu carácter e sua ética. Não significa também que devemos viver buscando agradar as pessoas sem pensar no nosso bem estar, mas buscar um equilíbrio em seus objetivos.
  4. 4. BIBLIOGRAFIA BIBLIA SAGRADA, Verão Almeida Corrigida e Revisada Fiel. CP - Código Penal Brasileiro CC- Código Civil Brasileiro NALINI, José Renato. Ética Geral e Profissional. 4ª Edição, Editora Revista dos Tribunais. São Paulo, SP.

×