Jornal Empyrius               Especial - Dia das Mães
Informativo do Colégio Empyrius                                     ...
Enriquecimento curricular e extra curricular
                                                                    Educação ...
Feriado do dia das Mães

                                        No início do século XVII, a Inglaterra começou a dedicar ...
ENTREVISTAS COM AS MÃES

            Para saber um pouquinho mais sobre as mães e as professoras do colégio, nossos alunos...
“Antes de o meu filho nascer, decidi fazer um parto            “Meu dia-a-dia é assim: eu acordo, preparo o café da
normal...
Mães na política

       Em todo o mundo, as mulheres têm enfrentado as dificuldades de acesso ao poder e estão contribuin...
A figura de Maria é uma representação da mãe?

                                                 A polêmica seria das maior...
Em homenagem as mães...

        Durante as aulas de Língua Portuguesa, foram elaborados alguns poemas e homenagem às mães...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Jornal[1]

1.892 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.892
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
24
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jornal[1]

  1. 1. Jornal Empyrius Especial - Dia das Mães Informativo do Colégio Empyrius ano I - nº 1 - Maio de 2010 Rua Carlos Escobar, 193 - Santana - São Paulo - SP - tel. 2950-3905 Editorial A edição número 1 de um jornal sempre dá um frio na barriga, afinal, escrever para pessoas diferentes é muito difícil, principalmente por não se saber exatamente em quais mãos o jornal irá parar. No caso do Colégio, difícil mesmo de imaginar, mas, jornal é jornal e ele anda por todos os lugares. Sempre que vejo um jornal e leio o que nele está contido fico pensando durante algum tempo de como as coisas no mundo são engraçadas, pois alguns pagam caro por assinaturas e o fazem por pensarem no conteúdo que nele consta; outros tantos passam por ele e tampouco entendem sua mecânica, para que serve, e lembram dele como papel para embrulho, unicamente. Diante de todo esse conceito, de que cada um usa o jornal como bem entende, é que está o fascínio de imaginar que palavras se juntam aos montes e se espalham por todos os lugares, graças ao laborioso trabalho de contar, narrar, opinar, delatar e entre tantos outros verbos capazes de dinamizarem um jornal. Nesta edição você encontrará um trabalho de pesquisa dos alunos do Colégio que homenageiam mães por meio de entrevistas, um informe sobre o surgimento do dia das mães, o comércio relacionado à data, o histórico de mulheres-mães que estão na política e a figura de mãe mais popular do mundo – e que em torno dela giram polêmicas que ascendem discussões entre religiões –: Maria. O espaço está aberto a todos e se fará publicar em períodos que irão variar de acordo com fatos, datas e interesses de nossa comunidade escolar. É um espaço democrático, livre e que pretende romper as fronteiras dos muros da escola e transcender o conceito de um jornal, tornando-se um meio de divulgação de ideais e de opiniões de nossos alunos. Boa Leitura! Leia também nesta edição Saiba um pouquinho sobre as mães dos alunos e as mães professoras. Você sabe como surgiu o feriado do dia das mães? A figura de Maria, mãe de Jesus. Mulheres na política. e muito mais...
  2. 2. Enriquecimento curricular e extra curricular Educação Infantil - Música - Educação Física - Dança Ensino Fundamental I - Música - Educação Física - Inglês - Dança - Educação Tecnológica COLÉGIO EMPYRIUS Ensino Fundamental II e Ensino Médio - Música Pueri Domus Escolas Associadas - Dança Educação Infantil - Educação Tecnológica Ensino Fundamental Ensino Médio Atendimento da Coordenação Das 09h00 as 11h00 e das 14h00 as 16h00 Horário de funcionamento Ed. Infantil e Ens. Fundamental I – das 13h00 as 17h30 Ens. Fundamental II e Ens. Médio – das 07h15 as 12h35 Integral – das 07h00 as 19h00 Atendimento da secretaria Das 08h00 as 12h00 e das 13h00 as 17h00 Diretora: Fátima Maria Lyder Savina Coordenadores: Hussein Said Chahrour e Geórgia de Oliveira Ribeiro Expediente Jornal Empyrius Coordenação: Professores Ariane Alves dos Santos, Hussein Said Chahrour, Isabel Cristina e Raquel Tenório. Revisão: Professoras Ariane e Isabel Cristina. Redação e pesquisa: alunos do 5º ano do Ens. Fundamental ao 2º ano do Ensino Médio. Fotos: Arquivo do Colégio Empyrius. Colaboradores: Geórgia de Oliveira Ribeiro, Monica Garcia, Lia Virginia Chesi Lage, Silvia Andreatta Guimarães e Neusa dos Santos 2 Jornal Empyrius Henriques.
  3. 3. Feriado do dia das Mães No início do século XVII, a Inglaterra começou a dedicar o quarto Domingo da quaresma às mães das operárias inglesas. Nesse dia as trabalhadoras tinham folga para ficar em casa com as suas mães. Era chamado de “Mothering Day”. A americana Ana Jarvis, no Estado da Virgínia Ocidental, iniciou a campanha para instituir o Dia das Mães. Em 1905, Ana, filha de pastores, perdeu sua mãe e entrou em grande depressão. Preocupadas com aquele sofrimento, algumas amigas tiveram a idéia de perpetuar a memória de sua mãe com uma festa. Ana quis que a festa fosse estendida a todas as mães, vivas ou mortas, como um dia em que todas as crianças se lembrassem e homenageassem suas mães. A idéia era fortalecer os laços familiares e o respeito pelos pais. Durante três anos seguidos, Ana lutou para que fosse criado o Dia o Dia das Mães. A primeira celebração oficial aconteceu somente em 26 de abril de 1910, quando o governador de Virginia Ocidental, William E. Glasscock, incorporou o Dia das Mães ao calendário de datas comemorativas daquele estado. Rapidamente, outros estados norte americanos aderiram à comemoração. Finalmente, em 1914, o então presidente dos Estados Unidos, Woodrow Wilson, unificou a celebração em todos os estados, estabelecendo que o Dia Nacional das Mães deveria ser comemorado sempre no segundo domingo de maio.Asugestão foi da própriaAna Jarvis. Em breve tempo, mais de 40 países adotaram a data. Ana morreu em 1948, aos 84 anos, mas nunca chegou a ser mãe. No Brasil, Getúlio Vargas oficializou a data no segundo domingo de maio no ano de 1932. Em 1947, o Cardeal- Arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Jaime de Barros Câmara, determinou que essa data fizesse parte também no calendário oficial da Igreja Católica. Pesquisado por Gabriela Rangel – 7º ano DIA DAS MÃES NO MUNDO 2º Domingo de Maio – Estados Unidos, Brasil, Dinamarca, Finlândia, Japão, Turquia, Itália, Austrália e Bélgica. 2º Domingo de Fevereiro – Noruega 2º Domingo de Outubro – Argentina 2º dia da Primavera – Líbano 1º Domingo de Maio – Portugal 10 de Maio – México 8 de Dezembro – Espanha Último Domingo de Maio – Suécia 4º Domingo da Quaresma – Inglaterra Pesquisado por Davi Ribeiro de Souza – 7º ano. Vendas Em 1949, vários comerciantes das lojas de São Paulo lançaram uma grande propaganda incentivando a compra de presentes para as mães para comemorar seu dia. Com o passar dos anos, o dia das mães movimenta o comércio do mundo todo, pois os filhos sempre compram presentes para agradá-las e para agradecer pelo carinho e dedicação que recebem ao longo da vida. Os segmentos que mais lucram na data são os de perfumes e bijuterias. Em 2008, a venda de roupas em maio cresceu 42% em relação a abril. Pesquisado por Julia Carolina Tonn da Silva e Julia Domingues – 7º ano. Jornal Empyrius 3
  4. 4. ENTREVISTAS COM AS MÃES Para saber um pouquinho mais sobre as mães e as professoras do colégio, nossos alunos fizeram o papel de grandes repórteres. Confira! “Acordo 06 horas da manhã, espero o transporte “A parte mais difícil de ser mãe é ver meus filhos escolar para levar meus filhos mais velhos. Tomo doentes ou pedindo alguma coisa que eu não possa meu café da manhã, faço lição com os meus filhos dar.” menores e depois preparo o almoço ao meio dia. Laudenir Alves Feitosa – mãe de Luana Feitosa Rezende (5º ano) Espero o transporte escolar para os menores.As 14 e Caio Feitosa Rezende (2º ano) horas espero meus filhos retornarem do colégio e sempre a tarde procuro fazer meus “Eu quis ser mãe porque sabia que seria muito compromissos.” gratificante e poderia amar incondicionalmente.” Izabel Aparecida de Souza – mãe de Gabriel Souza Ferreira de Rucaia Miranda – mãe de Jawad, Bianca (3º ano), Nayara Oliveira (5º ano) e Felipe Souza Ferreira de Oliveira (8º ano) (5º ano), Munir (8º ano) e Nadin Miranda (2º ano - Ens. Médio) “A parte mais difícil de ser mãe é quando você vê o “A parte mais difícil de ser mãe é educar e orientá- médico “carcando” a agulha no joelho do seu “bebê” los, mas esta parte eu consegui e estou realizada. (Marina, com 15 anos) e percebe que seu filho está Agora ser avó é a coisa mais deliciosa do mundo!” sentindo dor.Amãe quer que a dor seja nela própria.” Neusa dos Santos Henriques – Professora do 5º ano do Monica Garcia – mãe de Marina Garcia de Matos (2º ano – Colégio Empyrius Ensino Médio) e Professora de Matemática do Colégio Empyrius “A parte mais difícil de ser mãe é a preocupação “Difícil é educar e orientar com princípios, caráter e constante. Você dificilmente consegue se desligar humildade nos dias em que vivemos hoje.” por completo. Estamos constantemente Roberta Paoletti Magrini Domingues – mãe de Gabriela Magrini Ranieri (5º ano) preocupadas com alguma coisa em relação à saúde ou ao bem estar. Enfim, ficamos neuróticas, às “Aparte mais difícil de ser mãe é compreender o filho.” vezes dá vontade de colocá-los numa redoma, Cinira Abel - Murillo Abel Costa e Silva (5º ano) e Diogo Abel dando a impressão de que só nós temos a Costa e Silva (2º ano – EM) competência de fazer tudo certo para eles, o que é pura ilusão.” “A parte mais difícil de ser mãe é quando um filho está Silvia Andreatta Guimarães – Professora de Educação doente ou está triste.” Física do Colégio Empyrius Elizangela Maria de Oliveira Costa – mãe de Ellizammy de Oliveira Costa (9º ano) Curiosidade “O meu nome, Ellizammy, foi a minha avó que criou com a junção do nome dos meus pais, pois pegou “Elliza”do nome da minha mãe, Elizangela, e “mmy”do final do nome do meu pai, Josemir. Ela gostou do nome e colocaram em mim.” “Uma situação interessante que tenho com “Meu dia-a-dia é corrido, acordo cedo, cuido da Laura minha filha são nossas brigas! É interessante que até a senhora que cuida dela chegar. Trabalho o dia todo sempre que brigamos, no final tudo acaba muito e quando chego, cuido das meninas, ajudo na lição de bem, o clima fica até melhor que antes entre nós casa, preparo o jantar, banho e as coloco na cama depois duas e também parece que, depois desses da novela das 20h.” momentos difíceis, nossa relação fica muito mais Roberta Paoletti Magrini Domingues – mãe de Gabriela Magrini forte.” Ranieri (5º ano) Silésia Alves Andrade – mãe de Yana Alves Andrade (9º ano) “Aparte mais difícil de ser mãe é cuidar, educar, criar um ser humano. Formar uma pessoa, caráter e tudo isso que envolve, porque você tem a responsabilidade de formar uma vida.” Lia Virginia Chesi Lage – Professora de Artes do Colégio Empyrius 4 Jornal Empyrius
  5. 5. “Antes de o meu filho nascer, decidi fazer um parto “Meu dia-a-dia é assim: eu acordo, preparo o café da normal, porém meu médico disse que eu só poderia manhã, já deixo pronto o almoço, pois passo o dia fazer Cesariana. Já fiquei um pouco frustrada, pois trabalhando. Ao voltar, por volta das 19 horas, queria muito fazer parto normal. Meu médico converso com meu filho e fazemos alguma atividade convocou sua equipe médica e cada um estava em como assistir TV, jantar fora, etc.” um local diferente. Fiquei 4h30 em trabalho de Priscila Zampar de Pauli – mãe de Isaac Ivanoff Junior (9º parto, com minha mãe, meu marido e conhecidos ano) esperando o nascimento, que, para mim, foi algo incrível!” “Mesmo com a alta carga horária de meu trabalho, Geórgia de Oliveira Ribeiro mãe de Davi Ribeiro de Souza (7º procuro, nas horas vagas e nas poucas oportunidades ano) e Coordenadora Pedagógica do Colégio Empyrius que possuo, aproveitar para conversar. Apesar de que, muitas vezes a gente chama mais atenção do que “Eu quis ser mãe pela necessidade que muitas conversa, não é!” mulheres têm quando chega uma certa idade. Acho Monica Garcia – mãe de Marina Garcia de Matos (2º ano – que é o instinto materno que muitas mulheres Ensino Médio) e Professora de Matemática do Colégio afloram em certa fase de nossas vidas. A Aimée é Empyrius uma menina muito responsável, aplicada e carinhosa. O Erick tem três anos e é um menino “Ser mãe para mim é tudo, é a bênção mais valiosa muito agitado, mas também muito carinhoso. É que Deus me deu, por isso sou mãe de cinco muito ciumento. É só a Aimée me abraçar para ele filhos.” querer o meu colo.” Rucaia Miranda – mãe de Jawad, Bianca (3º ano), Nayara (5º ano), Munir (8º ano) e Nadin Miranda (2º ano - Ens. Edna Satsuki Ueda – mãe de Aimée Ueda Cavalcante (9º ano) Médio) e Erick Ueda Cavalcante (Maternal) Diferença entre as mães ''Acho que diferente de muitas mães, a minha é mais que mãe, é amiga MESMO. E ela faz coisas por mim que pouquíssimas mães fazem. É meio suspeito eu responder isso, mas ela é uma ótima e maravilhosa mãe.'' Yana Alves Andrade (9º ano) DESTAQUES DE 2009 O ano de 2009 foi um grande sucesso para o Colégio Empyrius, mas ninguém se faz sozinho ou a empresa é sucesso por si só. Para tanto, é preciso contar com a participação efetiva de todos. No ano passado, algumas pessoas foram homenageadas e representaram a equipe como um todo ao serem escolhidas para tal feito. No Ensino Fundamental, a homenagem e o destaque foram para a Professora Geórgia, que com dedicação abrilhantou o trabalho de educadora e de parceira do Colégio. Para representar o Ensino Médio, as homenagens e destaques recaíram sobre a professora Raquel, dedicada, aplicada e extremamente pontual com seus compromissos. Não se deve imaginar que os outros professores não mereçam homenagens, ou ficam aquém das expectativas, pois todos devem se sentir homenageados da mesma forma, afinal, o sucesso é global. O ano letivo de 2009 teve muita coisa interessante para comemorar, entre elas os destaques e as pessoas que fizeram a diferença. No caso dos alunos, o destaque foi para Gustavo Henrique Soares Brandão, pois no decorrer do ano ele mostrou a que veio, deu a volta por cima em muitos aspectos, destacou-se pela participatividade, carisma, amizade e por não ter tido medo de ser ele mesmo quando preciso. Jornal Empyrius 5
  6. 6. Mães na política Em todo o mundo, as mulheres têm enfrentado as dificuldades de acesso ao poder e estão contribuindo para mudar suas comunidades, seus países e o mundo. Contudo, ainda que se esteja avançando na conquista da igualdade entre mulheres e homens no acesso de cargos de decisão, ainda há muito que fazer. As mulheres continuam sub-representadas em todos os níveis de poder.Além de aumentar a participação das mulheres nos órgãos oficiais de tomada de decisões, é preciso também aumentar seu impacto no processo de tomada de decisão. A União Interparlamentar (IPU, sigla em inglês) aponta uma tendência de crescimento da participação feminina no Legislativo. Em 2005, a cada cinco parlamentares eleitos, um era mulher. Embora destaque que as mulheres já ocupam mais de 30% das cadeiras em 20 Câmaras de Deputados no mundo, o relatório da IPU reconhece que ainda falta muito para se atingir um mínimo de 30% de legisladoras em todos os Parlamentos, meta definida na Conferência sobre a Mulher promovida pelas Nações Unidas em 1995. O Brasil é o pior colocado, dos países da América do Sul, na lista dos países com maior participação da mulher no Legislativo. Nosso país ficou em 107° lugar. Mulheres, lutadoras, mães... Walquíria, Helena, Gardênia e Eliziane. Quatro mulheres, três delas com assento na Assembléia Legislativa e uma que opina sobre a forma que é representada no parlamento. Walquíria Soares é uma das muitas eleitoras maranhenses que mora em Camboa, em São Luís. Além de sustentar sozinha os três filhos, cuida da casa e luta contra o câncer. Com muita força de vontade e persistência, ela se dedica a tudo ao mesmo tempo: ser mãe, dona-de-casa, mulher e também não deixa de ser uma eleitora assídua. Por quinze anos, ela acompanha o trabalho legislativo e afirma que as mulheres parlamentares deveriam colocar mais programas de proteção à mulher. Walquíria critica o posicionamento de Lula, pois só após Maria da Penha ter ficado tetraplégica, foi sancionada a Lei com o mesmo nome. "Quando se vem tomar alguma providência, muitos fatos e barbaridades já aconteceram" - desabafou. Walquíria afirma que existem parlamentares que são dignas de admiração pela luta, tais como: Helena Heluy, Eliziane Gama e a ex-deputada Maura Jorge. As parlamentares sabem que existe ainda preconceito e falta de credibilidade por parte de políticos e da sociedade. A mais experiente das parlamentares, Helena Heluy (PT) revela que apesar das intensas lutas em defesa da mulher, do meio ambiente, dos direitos humanos e segurança pública, é perfeitamente possível conciliar a vida política com as atividades de mãe, mulher e esposa. Helena revela: "Não é difícil, é cansativo. Você tem que queimar todos os seus neurônios em várias atividades, às vezes complexas. Tenho que estar na tribuna e, ao mesmo tempo, tentando resolver problemas que podem parecer insignificantes, como o gás de cozinha de casa que acabou". A deputada Gardênia Castelo (PSDB) se diz muito feliz em ser mulher e estar na política. Ela comenta: "Eu me sinto muito feliz, pois a presença da mulher na política é muito importante. Nós lutamos para que as mulheres tenham os mesmos direitos dos homens no mercado de trabalho. Ao longo de muitos anos, estamos conseguindo muitas conquistas". A mais jovem deputada da casa, Eliziane Gama (PPS), acredita que a presença feminina faz diferença até mesmo nos discursos, que não são tão agressivos. "Eu acho que você não deve brigar com palavras, você deve brigar com ações. Isso é sensibilidade, é feminilidade. A mulher resolve diferente, resolve no diálogo"- finalizou a deputada. A Assembléia Legislativa do Maranhão se destaca no cenário nacional em número de representantes. As mulheres têm 19% do número de representantes na casa. Esse número é superior se comparado ao cenário nacional. Por Matheus Henrique (2° ano – Ens. Médio) Bibliografia: http://www.jusbrasil.com.br/4616040/no-imparcial-eliziane-gama-fala-dos-desafios-da-mulher-na-politica. http://www.adital.com.br/site/ 6 Jornal Empyrius
  7. 7. A figura de Maria é uma representação da mãe? A polêmica seria das maiores se fosse proposto discutir tal tema, mas, como nosso Colégio segue os princípios educacionais brasileiros, o assunto é apenas uma abordagem histórica de um país que tem predominância católica e que deve, por respeito às religiões, mostrar os dois lados desse conceito. Os alunos Andres Scavone Silva Datti, Gustavo Henrique Soares Brandão e José Adilson da Cruz Junior, do 1º ano do Ensino Médio, fizeram uma pesquisa sobre a visão das religiões no que diz respeito à figura de Maria e concluíram que, para católicos, Maria é a mãe de Jesus e o concebeu por inspiração do Espírito Santo. Ela é Imaculada por ser, segundo a visão Católica, a mãe do Filho de Deus. Há nas celebrações religiosas, cultos voltados para a figura de Maria e no mundo a Igreja propaga as aparições da Santa. Para provar o conceito de Maria como sendo Santa e mãe de Deus, os católicos se pegam em passagens bíblicas e são pregadores de que a religião deles é a primeira, única e verdadeira. No entanto, existe uma tese luterana de que católicos não adoram a figura de Maria (latri), e sim, veneram (dulia), o que, segundo eles, não coloca Jesus à sombra, mas o enaltece pela figura Imaculada da Mãe. Alguns protestantes contestam esses argumentos, bem como os da Igreja católica, pois “há um só medianeiro entre Deus e os homens, o homem Jesus Cristo, que Se deu a Si mesmo em redenção por todos”. (1Tm 2,5-6) A polêmica se estabelece e gera um conflito de ideais desnecessários, contudo, deve-se, antes de qualquer conflito, pensar que a fé é o pilar de suporte na vida do crente, seja ele seguidor de qualquer religião. O importante para nós, alunos, professores, coordenação e direção do Colégio, é que se estabeleçam debates em torno de assuntos como esse, para que nossos alunos apreendam a essência do debate, da exposição de ideias em seus seminários e construam pontos de vista, argumentação, além de, fundamentalmente, respeito mútuo, entre todas as crenças. Afinal, somos um povo ordeiro, crente na boa educação, na paz, e não importam religiões, crendices, filosofias ou qualquer outra manifestação de crença. O que realmente preza-se é que se construa a cada dia o conhecimento gerado por debates, conceitos e discussões importantes para a formação humana e intelectual do aluno, seja pela benção de Deus, dos Santos, dos monges, dos anjos ou de Marias e Joões, mas que sejamos todos brasileiros, guerreiros e unidos por uma fé única e que seja Maria o nome comum suficiente para representar cada mãe trabalhadeira que forma uma nação de venturadas mulheres e mães. Jornal Empyrius 7
  8. 8. Em homenagem as mães... Durante as aulas de Língua Portuguesa, foram elaborados alguns poemas e homenagem às mães. Antes, os alunos estudaram a composição e criação do sentido poético, assim como a forma específica da poesia, que inclui versos, rimas, sonoridades e ritmo. Você é tudo para mim Você é como uma flor Se não estivesses no mundo Deixa meu campo Eu não teria um respiro profundo Cheio de carinho É delicada Te amo Muito cheirosa Você é estrela Mãe, você é bonita E também sol Como um vale Uma melodia Cheio de amor Que sempre traz alegria Rosas vermelhas E nenhuma tristeza Criou minha felicidade Você é a celebridade Você na minha vida Uma mãe de fé Ensinou a honestidade Que sempre me faz um cafuné. A sempre buscar a felicidade Antonio Carlos Domingues Filho – 6º ano Quando estou triste Você transmite aconchego É sempre companheira Nas horas de desespero. Luiz Henrique Buonodono Lamunier – 6º ano Abraço de mãe O sol ilumina tudo É você quem chega Traz esperança Onde não há chance Mãe, você é a estrela Do meu luar Você é inteligente Minha vida, esperança Me deixa contente A paz e a temperança Transmite paz Me enche de calma Quero tê-la sempre por perto Sem você Borboleta que voa de dia O dia é cheio de tristeza Estrela que ilumina a noite Pois por onde passa Quando há desespero Transmite a beleza Você dá aconchego Com seu carinho Não há nada para me chatear Não existe deserto. Tenho você para me acalentar E muita sorte nesse mundo Jéssica Pereira dos Santos – 6º ano Pois posso dizer Que te amo muito. Caroline Figueiredo Rota – 6º ano 8 Jornal Empyrius

×