SlideShare uma empresa Scribd logo
Manual de Orientações para o Preparo e
Administração de Medicamento Injetáveis:
pacientes adultos e pediátricos
1. Autora: Raquel Sousa de Moraes
2. Revisores: Luana Galvão, Débora dos Santos Morais, Juliana Bicalho da Silva,
Thayane da Silva Roriz, Gabrielle Medeiros de Mendonça, Kassandra Costa e
Maria Grasiela de Paula
3. Tema: Valorização da Enfermagem
4. Subtema: Uso de Evidências
5. Período da Experiência: 2014-2019
Hospital Materno Infantil de Brasília – SES-DF
1. Hospital Escola, Amigo da Criança, 100 % SUS
252 leitos operacionais
16 leitos: 4 semi-intensivos
16 enfermeiros
67 técnicos de enfermagem
• Público alvo: enfermagem
(técnicos , enfermeiros e residentes em enfermagem)
• Apoio:
• Supervisora de enfermagem da UTI-PED
• Gerência de Enfermagem do HMIB
• Diretoria de Enfermagem da SES-DF (DiEnf)
• Articulações com a equipe interdisciplinar: farmacêuticos, técnicos em
enfermagem, enfermeiros, médicos.
Justificativa
Nossos Problemas
...
Justificativa
Terapia
Infusiona
l
Desconhecimento sobre os
medicamentos
Falta de material para
consulta (confiável)
Nossas
AçõesLocal
Adequado
ParaoPreparo
Protocolos
Treinamentos
Manualde
Orientações
Manual de Orientações Para o Preparo e
Administração de Medicamentos Injetáveis
1. Instrumento de trabalho, fonte de consulta rápida.
2. Objetivos:
 Subsidiar a enfermagem com informações concisas e confiáveis
durante o preparo e a administração de medicamentos.
 Promover melhorias na segurança do paciente.
 Fundamentar a terapia infusional/medicamentosa com práticas
baseadas em evidências.
Metodologia e Atividades Desenvolvidas
• Levantamento dos principais medicamentos injetáveis usados na unidade
• Estruturação dos tópicos a serem pesquisados
• Pesquisa Bibliográfica sistematizada em base de dados (Micromedex, Lexicomp)
• Tradução de referencias teóricos da língua inglesa (Trissel, Pediatric & Neonatal
Dosage Handbook)
• Consultas à bulas e fabricantes (através do apoio ao consumidor: 0800)
• Adequação das informações colhidas à pratica clínica
• 2 revisões ( farmacêuticos clínicos)
• Consulta pública
Tópicos da Pesquisa:
1. Apresentação do Medicamento
2. Como reconstituir (caso liófilo). Haverá expansão do volume?
3. Soluções adequadas para diluição
4. Como diluir (concentração mínima : acesso central? periférico? Restrição de
volume?
5. Via de administração
6. Tempo de Infusão
7. Estoque/estabilidade
8. Propriedades químicas (PH, osmolaridade)
9. Incompatibilidades em y
10. Reações adversas mais esperadas
11. Orientações gerais
Transformações por Meio da Experiência
• Diminuição das perdas de cateter por obstrução (cristalização de
medicamentos)
• Padronizações: diluições, conservação/ou descarte de medicamentos
• Uso racional de insumos (equipos fotossensíveis)
• Houve melhoria na segurança do paciente ( menor incidência de erros)
• Empoderamento da enfermagem
Desafios...
1. Dificuldade em encontrar algumas informações (medicamento não
padronizado nas bases de dados internacionais)
2. Dificuldade na interpretação e contextualização das informações
3. Trabalho extenso para ser conciliado com a carga horária
assistencial
Por o trabalho é que Inovador?
1. Um dos poucos materiais que contemplam a população neopediátrica.
2.Traz a visão clínica do enfermeiro para ser aplicada durante a prática
medicamentosa.
Obrigada

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanente
Gerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanenteGerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanente
Gerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanente
Aroldo Gavioli
 
Saúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagemSaúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagem
Centro Universitário Ages
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
Ghiordanno Bruno
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
resenfe2013
 
Centro cirurgico
Centro cirurgico Centro cirurgico
Centro cirurgico
Alexandre Reis
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Will Nunes
 
Assistência materno infantil
Assistência materno infantilAssistência materno infantil
Assistência materno infantil
Andrea Pereira
 
Faceta Aula 1 conforto do paciente . (2).pptx
Faceta Aula 1 conforto do paciente . (2).pptxFaceta Aula 1 conforto do paciente . (2).pptx
Faceta Aula 1 conforto do paciente . (2).pptx
CELEYCOELHODESOUZA
 
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdfPacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
ThiagosilvaDeoliveir6
 
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuroAssistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Juliana Maciel
 
Apresentacao anvisa
Apresentacao anvisaApresentacao anvisa
Apresentacao anvisa
07082001
 
SINAIS VITAIS pronta.pdf
SINAIS VITAIS pronta.pdfSINAIS VITAIS pronta.pdf
SINAIS VITAIS pronta.pdf
ssuseraad45d
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Jesiele Spindler
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Will Nunes
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Edison Santos
 
Aleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEF
Aleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEFAleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEF
Aleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEF
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERALNUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
Elyda Santos
 
Hospitalização infantil
Hospitalização infantilHospitalização infantil
Hospitalização infantil
WAGNER OLIVEIRA
 
Modelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemModelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagem
Raíssa Soeiro
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Karla Toledo
 

Mais procurados (20)

Gerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanente
Gerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanenteGerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanente
Gerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanente
 
Saúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagemSaúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagem
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Centro cirurgico
Centro cirurgico Centro cirurgico
Centro cirurgico
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Assistência materno infantil
Assistência materno infantilAssistência materno infantil
Assistência materno infantil
 
Faceta Aula 1 conforto do paciente . (2).pptx
Faceta Aula 1 conforto do paciente . (2).pptxFaceta Aula 1 conforto do paciente . (2).pptx
Faceta Aula 1 conforto do paciente . (2).pptx
 
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdfPacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
 
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuroAssistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
 
Apresentacao anvisa
Apresentacao anvisaApresentacao anvisa
Apresentacao anvisa
 
SINAIS VITAIS pronta.pdf
SINAIS VITAIS pronta.pdfSINAIS VITAIS pronta.pdf
SINAIS VITAIS pronta.pdf
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
 
Aleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEF
Aleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEFAleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEF
Aleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEF
 
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERALNUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
 
Hospitalização infantil
Hospitalização infantilHospitalização infantil
Hospitalização infantil
 
Modelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemModelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagem
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
 

Semelhante a Manual de Orientações para o Preparo e Administração de Medicamento Injetáveis: pacientes adultos e pediátricos

Módulo 3_Farmácia Hospitalar.pptx
Módulo 3_Farmácia Hospitalar.pptxMódulo 3_Farmácia Hospitalar.pptx
Módulo 3_Farmácia Hospitalar.pptx
WEINNYTALLINECAVALCA
 
Módulo 3_Farmácia Hospitalar.pptx
Módulo 3_Farmácia Hospitalar.pptxMódulo 3_Farmácia Hospitalar.pptx
Módulo 3_Farmácia Hospitalar.pptx
MarciaRodrigues615662
 
Atenção farmacêutica a grupos de risco
Atenção farmacêutica a grupos de riscoAtenção farmacêutica a grupos de risco
Atenção farmacêutica a grupos de risco
Nemesio Silva
 
Farmcia clnica.apostila pdf
Farmcia clnica.apostila pdfFarmcia clnica.apostila pdf
Farmcia clnica.apostila pdf
Daiane Santos
 
Exemplo de artigo de revisão revista de farmácia 2011
Exemplo de artigo de revisão revista de farmácia 2011Exemplo de artigo de revisão revista de farmácia 2011
Exemplo de artigo de revisão revista de farmácia 2011
Bernadete Aragao
 
metodo clinicopara atencao farmaceutica
 metodo clinicopara atencao farmaceutica metodo clinicopara atencao farmaceutica
metodo clinicopara atencao farmaceutica
ARNON ANDRADE
 
Método Clínico para Atenção Farmacêutica
Método Clínico para Atenção FarmacêuticaMétodo Clínico para Atenção Farmacêutica
Método Clínico para Atenção Farmacêutica
Bruna Bernardi
 
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...
angelitamelo
 
Estudo orientado na gestão da clínica -MFC
Estudo orientado na gestão da clínica -MFCEstudo orientado na gestão da clínica -MFC
Estudo orientado na gestão da clínica -MFC
José Victor Rabelo
 
Farmacoterapia pediátrica - 2010
Farmacoterapia pediátrica - 2010Farmacoterapia pediátrica - 2010
Farmacoterapia pediátrica - 2010
Sandra Brassica
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem
Sistematização da Assistência de EnfermagemSistematização da Assistência de Enfermagem
Sistematização da Assistência de Enfermagem
Whevergton Santos
 
Atuação de enfermagem em unidades de terapia intensiva, implicações para diss...
Atuação de enfermagem em unidades de terapia intensiva, implicações para diss...Atuação de enfermagem em unidades de terapia intensiva, implicações para diss...
Atuação de enfermagem em unidades de terapia intensiva, implicações para diss...
Letícia Spina Tapia
 
REVISTA DE ENFERNAGEM
REVISTA DE ENFERNAGEMREVISTA DE ENFERNAGEM
REVISTA DE ENFERNAGEM
warley Alisson
 
Terminologias em Saúde: ensino e aprendizagem
Terminologias em Saúde: ensino e aprendizagemTerminologias em Saúde: ensino e aprendizagem
Terminologias em Saúde: ensino e aprendizagem
http://bvsalud.org/
 
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
Guilherme Barcellos
 
Introdução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção FarmacêuticaIntrodução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção Farmacêutica
Cassyano Correr
 
Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...
Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...
Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...
Guilherme Barcellos
 
Apresentação - Uso Racional de Medicamentos e Educação Continuada Multiprofis...
Apresentação - Uso Racional de Medicamentos e Educação Continuada Multiprofis...Apresentação - Uso Racional de Medicamentos e Educação Continuada Multiprofis...
Apresentação - Uso Racional de Medicamentos e Educação Continuada Multiprofis...
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdfatencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
Naidilene Aguilar
 
Formação do farmacêutico para a atuação clínica
Formação do farmacêutico para a atuação clínicaFormação do farmacêutico para a atuação clínica
Formação do farmacêutico para a atuação clínica
angelitamelo
 

Semelhante a Manual de Orientações para o Preparo e Administração de Medicamento Injetáveis: pacientes adultos e pediátricos (20)

Módulo 3_Farmácia Hospitalar.pptx
Módulo 3_Farmácia Hospitalar.pptxMódulo 3_Farmácia Hospitalar.pptx
Módulo 3_Farmácia Hospitalar.pptx
 
Módulo 3_Farmácia Hospitalar.pptx
Módulo 3_Farmácia Hospitalar.pptxMódulo 3_Farmácia Hospitalar.pptx
Módulo 3_Farmácia Hospitalar.pptx
 
Atenção farmacêutica a grupos de risco
Atenção farmacêutica a grupos de riscoAtenção farmacêutica a grupos de risco
Atenção farmacêutica a grupos de risco
 
Farmcia clnica.apostila pdf
Farmcia clnica.apostila pdfFarmcia clnica.apostila pdf
Farmcia clnica.apostila pdf
 
Exemplo de artigo de revisão revista de farmácia 2011
Exemplo de artigo de revisão revista de farmácia 2011Exemplo de artigo de revisão revista de farmácia 2011
Exemplo de artigo de revisão revista de farmácia 2011
 
metodo clinicopara atencao farmaceutica
 metodo clinicopara atencao farmaceutica metodo clinicopara atencao farmaceutica
metodo clinicopara atencao farmaceutica
 
Método Clínico para Atenção Farmacêutica
Método Clínico para Atenção FarmacêuticaMétodo Clínico para Atenção Farmacêutica
Método Clínico para Atenção Farmacêutica
 
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...
 
Estudo orientado na gestão da clínica -MFC
Estudo orientado na gestão da clínica -MFCEstudo orientado na gestão da clínica -MFC
Estudo orientado na gestão da clínica -MFC
 
Farmacoterapia pediátrica - 2010
Farmacoterapia pediátrica - 2010Farmacoterapia pediátrica - 2010
Farmacoterapia pediátrica - 2010
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem
Sistematização da Assistência de EnfermagemSistematização da Assistência de Enfermagem
Sistematização da Assistência de Enfermagem
 
Atuação de enfermagem em unidades de terapia intensiva, implicações para diss...
Atuação de enfermagem em unidades de terapia intensiva, implicações para diss...Atuação de enfermagem em unidades de terapia intensiva, implicações para diss...
Atuação de enfermagem em unidades de terapia intensiva, implicações para diss...
 
REVISTA DE ENFERNAGEM
REVISTA DE ENFERNAGEMREVISTA DE ENFERNAGEM
REVISTA DE ENFERNAGEM
 
Terminologias em Saúde: ensino e aprendizagem
Terminologias em Saúde: ensino e aprendizagemTerminologias em Saúde: ensino e aprendizagem
Terminologias em Saúde: ensino e aprendizagem
 
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
 
Introdução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção FarmacêuticaIntrodução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção Farmacêutica
 
Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...
Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...
Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...
 
Apresentação - Uso Racional de Medicamentos e Educação Continuada Multiprofis...
Apresentação - Uso Racional de Medicamentos e Educação Continuada Multiprofis...Apresentação - Uso Racional de Medicamentos e Educação Continuada Multiprofis...
Apresentação - Uso Racional de Medicamentos e Educação Continuada Multiprofis...
 
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdfatencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
 
Formação do farmacêutico para a atuação clínica
Formação do farmacêutico para a atuação clínicaFormação do farmacêutico para a atuação clínica
Formação do farmacêutico para a atuação clínica
 

Mais de Portal da Inovação em Saúde

Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil: perspect...
Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil:  perspect...Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil:  perspect...
Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil: perspect...
Portal da Inovação em Saúde
 
Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil: perspect...
Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil:  perspect...Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil:  perspect...
Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil: perspect...
Portal da Inovação em Saúde
 
Caracterização dos casos de MPOX - IIER
Caracterização dos casos de  MPOX - IIERCaracterização dos casos de  MPOX - IIER
Caracterização dos casos de MPOX - IIER
Portal da Inovação em Saúde
 
Perfil clínico-epidemiológico dos casos de Mpox no Amazonas
Perfil clínico-epidemiológico dos casos de Mpox no AmazonasPerfil clínico-epidemiológico dos casos de Mpox no Amazonas
Perfil clínico-epidemiológico dos casos de Mpox no Amazonas
Portal da Inovação em Saúde
 
Resultados da Pesquisa Mpox da Plataforma Clínica Global OMS Goiânia-Goiás
Resultados da Pesquisa Mpox da Plataforma Clínica Global OMS  Goiânia-GoiásResultados da Pesquisa Mpox da Plataforma Clínica Global OMS  Goiânia-Goiás
Resultados da Pesquisa Mpox da Plataforma Clínica Global OMS Goiânia-Goiás
Portal da Inovação em Saúde
 
Hospital São José de Doenças Infecciosas – SES CE
Hospital São José de Doenças Infecciosas – SES CEHospital São José de Doenças Infecciosas – SES CE
Hospital São José de Doenças Infecciosas – SES CE
Portal da Inovação em Saúde
 
Surto de MPX – experiência do Município de Florianópolis.
Surto de MPX – experiência do Município de Florianópolis.Surto de MPX – experiência do Município de Florianópolis.
Surto de MPX – experiência do Município de Florianópolis.
Portal da Inovação em Saúde
 
Projeto Plataforma Clínica Global para Mpox da OMS: experiência do município ...
Projeto Plataforma Clínica Global para Mpox da OMS: experiência do município ...Projeto Plataforma Clínica Global para Mpox da OMS: experiência do município ...
Projeto Plataforma Clínica Global para Mpox da OMS: experiência do município ...
Portal da Inovação em Saúde
 
7 - APRESENTACAO MPOX_POA_Natália Aredes.pptx
7 - APRESENTACAO MPOX_POA_Natália Aredes.pptx7 - APRESENTACAO MPOX_POA_Natália Aredes.pptx
7 - APRESENTACAO MPOX_POA_Natália Aredes.pptx
Portal da Inovação em Saúde
 
ESTUDO DE CoORTE RETROSPECTIVO PÓS-COVID UBS SANTA CECÍLIA / HCPA
ESTUDO DE CoORTE RETROSPECTIVO PÓS-COVID UBS SANTA CECÍLIA / HCPAESTUDO DE CoORTE RETROSPECTIVO PÓS-COVID UBS SANTA CECÍLIA / HCPA
ESTUDO DE CoORTE RETROSPECTIVO PÓS-COVID UBS SANTA CECÍLIA / HCPA
Portal da Inovação em Saúde
 
Hospital da Criança de Brasília José Alencar
Hospital da Criança de Brasília José AlencarHospital da Criança de Brasília José Alencar
Hospital da Criança de Brasília José Alencar
Portal da Inovação em Saúde
 
Identificação de casos de Pós-Covid em Florianópolis-SC: resultados da cooper...
Identificação de casos de Pós-Covid em Florianópolis-SC: resultados da cooper...Identificação de casos de Pós-Covid em Florianópolis-SC: resultados da cooper...
Identificação de casos de Pós-Covid em Florianópolis-SC: resultados da cooper...
Portal da Inovação em Saúde
 
Compartilhando experiências da Rede Colaborativa Brasil - Pesquisa Pós-Covid ...
Compartilhando experiências da Rede Colaborativa Brasil - Pesquisa Pós-Covid ...Compartilhando experiências da Rede Colaborativa Brasil - Pesquisa Pós-Covid ...
Compartilhando experiências da Rede Colaborativa Brasil - Pesquisa Pós-Covid ...
Portal da Inovação em Saúde
 
Pós-Covid no âmbito da Plataforma Clínica Global OMS
Pós-Covid no âmbito da Plataforma Clínica Global OMSPós-Covid no âmbito da Plataforma Clínica Global OMS
Pós-Covid no âmbito da Plataforma Clínica Global OMS
Portal da Inovação em Saúde
 
Estratégia digital para a identificação de casos Pós-Covid
Estratégia digital para a identificação de casos Pós-CovidEstratégia digital para a identificação de casos Pós-Covid
Estratégia digital para a identificação de casos Pós-Covid
Portal da Inovação em Saúde
 
Leitura em voz alta passo a passo
Leitura em voz alta passo a passoLeitura em voz alta passo a passo
Leitura em voz alta passo a passo
Portal da Inovação em Saúde
 
Projeto Epa de Saúde Mental na Atenção Primária em Saúde
Projeto Epa de Saúde Mental na Atenção Primária em SaúdeProjeto Epa de Saúde Mental na Atenção Primária em Saúde
Projeto Epa de Saúde Mental na Atenção Primária em Saúde
Portal da Inovação em Saúde
 
Comunidade de Fala
Comunidade de FalaComunidade de Fala
Comunidade de Fala
Portal da Inovação em Saúde
 
Pré-conferências de caráter territorial como proposta estratégica para potenc...
Pré-conferências de caráter territorial como proposta estratégica para potenc...Pré-conferências de caráter territorial como proposta estratégica para potenc...
Pré-conferências de caráter territorial como proposta estratégica para potenc...
Portal da Inovação em Saúde
 
APRESENTAÇÃO PAULO.pptx
APRESENTAÇÃO PAULO.pptxAPRESENTAÇÃO PAULO.pptx
APRESENTAÇÃO PAULO.pptx
Portal da Inovação em Saúde
 

Mais de Portal da Inovação em Saúde (20)

Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil: perspect...
Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil:  perspect...Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil:  perspect...
Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil: perspect...
 
Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil: perspect...
Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil:  perspect...Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil:  perspect...
Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil: perspect...
 
Caracterização dos casos de MPOX - IIER
Caracterização dos casos de  MPOX - IIERCaracterização dos casos de  MPOX - IIER
Caracterização dos casos de MPOX - IIER
 
Perfil clínico-epidemiológico dos casos de Mpox no Amazonas
Perfil clínico-epidemiológico dos casos de Mpox no AmazonasPerfil clínico-epidemiológico dos casos de Mpox no Amazonas
Perfil clínico-epidemiológico dos casos de Mpox no Amazonas
 
Resultados da Pesquisa Mpox da Plataforma Clínica Global OMS Goiânia-Goiás
Resultados da Pesquisa Mpox da Plataforma Clínica Global OMS  Goiânia-GoiásResultados da Pesquisa Mpox da Plataforma Clínica Global OMS  Goiânia-Goiás
Resultados da Pesquisa Mpox da Plataforma Clínica Global OMS Goiânia-Goiás
 
Hospital São José de Doenças Infecciosas – SES CE
Hospital São José de Doenças Infecciosas – SES CEHospital São José de Doenças Infecciosas – SES CE
Hospital São José de Doenças Infecciosas – SES CE
 
Surto de MPX – experiência do Município de Florianópolis.
Surto de MPX – experiência do Município de Florianópolis.Surto de MPX – experiência do Município de Florianópolis.
Surto de MPX – experiência do Município de Florianópolis.
 
Projeto Plataforma Clínica Global para Mpox da OMS: experiência do município ...
Projeto Plataforma Clínica Global para Mpox da OMS: experiência do município ...Projeto Plataforma Clínica Global para Mpox da OMS: experiência do município ...
Projeto Plataforma Clínica Global para Mpox da OMS: experiência do município ...
 
7 - APRESENTACAO MPOX_POA_Natália Aredes.pptx
7 - APRESENTACAO MPOX_POA_Natália Aredes.pptx7 - APRESENTACAO MPOX_POA_Natália Aredes.pptx
7 - APRESENTACAO MPOX_POA_Natália Aredes.pptx
 
ESTUDO DE CoORTE RETROSPECTIVO PÓS-COVID UBS SANTA CECÍLIA / HCPA
ESTUDO DE CoORTE RETROSPECTIVO PÓS-COVID UBS SANTA CECÍLIA / HCPAESTUDO DE CoORTE RETROSPECTIVO PÓS-COVID UBS SANTA CECÍLIA / HCPA
ESTUDO DE CoORTE RETROSPECTIVO PÓS-COVID UBS SANTA CECÍLIA / HCPA
 
Hospital da Criança de Brasília José Alencar
Hospital da Criança de Brasília José AlencarHospital da Criança de Brasília José Alencar
Hospital da Criança de Brasília José Alencar
 
Identificação de casos de Pós-Covid em Florianópolis-SC: resultados da cooper...
Identificação de casos de Pós-Covid em Florianópolis-SC: resultados da cooper...Identificação de casos de Pós-Covid em Florianópolis-SC: resultados da cooper...
Identificação de casos de Pós-Covid em Florianópolis-SC: resultados da cooper...
 
Compartilhando experiências da Rede Colaborativa Brasil - Pesquisa Pós-Covid ...
Compartilhando experiências da Rede Colaborativa Brasil - Pesquisa Pós-Covid ...Compartilhando experiências da Rede Colaborativa Brasil - Pesquisa Pós-Covid ...
Compartilhando experiências da Rede Colaborativa Brasil - Pesquisa Pós-Covid ...
 
Pós-Covid no âmbito da Plataforma Clínica Global OMS
Pós-Covid no âmbito da Plataforma Clínica Global OMSPós-Covid no âmbito da Plataforma Clínica Global OMS
Pós-Covid no âmbito da Plataforma Clínica Global OMS
 
Estratégia digital para a identificação de casos Pós-Covid
Estratégia digital para a identificação de casos Pós-CovidEstratégia digital para a identificação de casos Pós-Covid
Estratégia digital para a identificação de casos Pós-Covid
 
Leitura em voz alta passo a passo
Leitura em voz alta passo a passoLeitura em voz alta passo a passo
Leitura em voz alta passo a passo
 
Projeto Epa de Saúde Mental na Atenção Primária em Saúde
Projeto Epa de Saúde Mental na Atenção Primária em SaúdeProjeto Epa de Saúde Mental na Atenção Primária em Saúde
Projeto Epa de Saúde Mental na Atenção Primária em Saúde
 
Comunidade de Fala
Comunidade de FalaComunidade de Fala
Comunidade de Fala
 
Pré-conferências de caráter territorial como proposta estratégica para potenc...
Pré-conferências de caráter territorial como proposta estratégica para potenc...Pré-conferências de caráter territorial como proposta estratégica para potenc...
Pré-conferências de caráter territorial como proposta estratégica para potenc...
 
APRESENTAÇÃO PAULO.pptx
APRESENTAÇÃO PAULO.pptxAPRESENTAÇÃO PAULO.pptx
APRESENTAÇÃO PAULO.pptx
 

Manual de Orientações para o Preparo e Administração de Medicamento Injetáveis: pacientes adultos e pediátricos

  • 1. Manual de Orientações para o Preparo e Administração de Medicamento Injetáveis: pacientes adultos e pediátricos
  • 2. 1. Autora: Raquel Sousa de Moraes 2. Revisores: Luana Galvão, Débora dos Santos Morais, Juliana Bicalho da Silva, Thayane da Silva Roriz, Gabrielle Medeiros de Mendonça, Kassandra Costa e Maria Grasiela de Paula 3. Tema: Valorização da Enfermagem 4. Subtema: Uso de Evidências 5. Período da Experiência: 2014-2019
  • 3. Hospital Materno Infantil de Brasília – SES-DF 1. Hospital Escola, Amigo da Criança, 100 % SUS 252 leitos operacionais
  • 4. 16 leitos: 4 semi-intensivos 16 enfermeiros 67 técnicos de enfermagem
  • 5. • Público alvo: enfermagem (técnicos , enfermeiros e residentes em enfermagem) • Apoio: • Supervisora de enfermagem da UTI-PED • Gerência de Enfermagem do HMIB • Diretoria de Enfermagem da SES-DF (DiEnf) • Articulações com a equipe interdisciplinar: farmacêuticos, técnicos em enfermagem, enfermeiros, médicos.
  • 7.
  • 8.
  • 9. Nossos Problemas ... Justificativa Terapia Infusiona l Desconhecimento sobre os medicamentos Falta de material para consulta (confiável)
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19. Manual de Orientações Para o Preparo e Administração de Medicamentos Injetáveis 1. Instrumento de trabalho, fonte de consulta rápida. 2. Objetivos:  Subsidiar a enfermagem com informações concisas e confiáveis durante o preparo e a administração de medicamentos.  Promover melhorias na segurança do paciente.  Fundamentar a terapia infusional/medicamentosa com práticas baseadas em evidências.
  • 20. Metodologia e Atividades Desenvolvidas • Levantamento dos principais medicamentos injetáveis usados na unidade • Estruturação dos tópicos a serem pesquisados • Pesquisa Bibliográfica sistematizada em base de dados (Micromedex, Lexicomp) • Tradução de referencias teóricos da língua inglesa (Trissel, Pediatric & Neonatal Dosage Handbook) • Consultas à bulas e fabricantes (através do apoio ao consumidor: 0800) • Adequação das informações colhidas à pratica clínica • 2 revisões ( farmacêuticos clínicos) • Consulta pública
  • 21. Tópicos da Pesquisa: 1. Apresentação do Medicamento 2. Como reconstituir (caso liófilo). Haverá expansão do volume? 3. Soluções adequadas para diluição 4. Como diluir (concentração mínima : acesso central? periférico? Restrição de volume? 5. Via de administração 6. Tempo de Infusão 7. Estoque/estabilidade 8. Propriedades químicas (PH, osmolaridade) 9. Incompatibilidades em y 10. Reações adversas mais esperadas 11. Orientações gerais
  • 22. Transformações por Meio da Experiência • Diminuição das perdas de cateter por obstrução (cristalização de medicamentos) • Padronizações: diluições, conservação/ou descarte de medicamentos • Uso racional de insumos (equipos fotossensíveis) • Houve melhoria na segurança do paciente ( menor incidência de erros) • Empoderamento da enfermagem
  • 23. Desafios... 1. Dificuldade em encontrar algumas informações (medicamento não padronizado nas bases de dados internacionais) 2. Dificuldade na interpretação e contextualização das informações 3. Trabalho extenso para ser conciliado com a carga horária assistencial
  • 24. Por o trabalho é que Inovador? 1. Um dos poucos materiais que contemplam a população neopediátrica. 2.Traz a visão clínica do enfermeiro para ser aplicada durante a prática medicamentosa.
  • 25.
  • 26.