O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
Estratégias Inovadoras para
Qualificação da Formação em
Enfermagem Obstétrica no
município do Rio de Janeiro
Tema: Valoriz...
Autores:
Ricardo José Oliveira Mouta
Adriana Lenho de Figueiredo Pereira
Edymara Tatagiba Medina
Sandra Cristina de Souza ...
Residência em Enfermagem Obstétrica
UERJ
Prof. Dr. Ricardo Mouta – Coordenador
Prof. Ms. Edymara Medina – Vice- Coordenado...
SMS-RJ
Pagamento das
bolsas para as residentes
(bolsas SMS)
Garantir os cenários de ensino em serviço
Designar a
preceptor...
Cadastro Número Nome
CNRMS/MEC 175 Enfermagem Obstétrica
SIG-RESIDÊNCIAS/MS 4138 Enfermagem Obstétrica
ENF-
UERJ
SM
S
Ministério
da Saúde
6 bolsas
UERJ
7
bolsas
SMS
10
bolsas
Instituição
Formadora
Docentes
Instituição
Executo...
Diretrizes pedagógicas das Residências em
Enfermagem Obstétrica UERJ
Práxis profissional:
autônoma e libertária
(consciênc...
Enfermeira especialista em enfermagem obstétrica
capacitada para prestar cuidado qualificado, humano,
sensível e ético à m...
1o ANO Base Legal
LEI N° 7.498/1986
Dispõe sobre a regulamentação do exercício
da enfermagem
DECRETO N° 94.406/1987
Regula...
NOSSOS CENÁRIOS LOTAÇÃO
NOSSOS CENÁRIOS REFERÊNCIA (Estratégicos)
NOSSOS CENÁRIOS COMPLEMENTARES
Nossa Motivação
• Inserção de Novos Docentes Concursadas
DOERJ 25/08/2015 pág 25
• Reavaliação das atividades de ensino e aprendizagem na
residência com vistas a atender às novas diretrizes
internacionai...
• Fortalecer a articulação entre o campo do ensino e os
campos de formação prática, transformar o processo de
avaliação so...
• Vislumbrar potencialidades de incorporar o tripé universitário da
articulação entre Ensino, Pesquisa e Extensão na Resid...
Objetivos
Objetivo Geral
Qualificar a formação em enfermagem obstétrica na modalidade
de residência a partir de estratégia...
Implementar estratégias didáticas fundamentadas na pedagogia
crítica por meio de simulações realísticas, dramatizações, of...
• Laboratórios de Simulação
• Oficinas e Workshops
• Dramatização , Discussão e Resolução de Problemas
• Método de Aprendizagem Baseado em Problemas
Contexto da
aprendizagem
ativa
“O que eu ouço, eu esqueço
O que eu ouço e ve...
Desenvolver novo processo de avaliação de forma participativa
com o envolvimento de residentes, preceptoria, docentes, tut...
Incorporar saberes e práticas de diferentes áreas de conhecimento
no programa de ensino teórico-prático
Partiu-se da premi...
Integrar a extensão universitária no processo de ensino-
aprendizagem para a melhoria da articulação ensino-serviço-
comun...
Impulsionar iniciativas de intercâmbio nacional e internacional
com outros programas de ensino de enfermagem avançada
Resultados
1) Resultados de Curto Prazo
1) Transformações no Processo de Avaliação
2)Contribuições para a educação permane...
Desafios
I- Incompatibilidade de agenda entre os
membros do NDAE para a realização das
“Oficinas de reconstrução conjunta ...
Conclusão
A experiência das estratégias inovadoras foram
importantes por sua inovação, sustentabilidade,
institucionalidad...
Contato:
ricardomouta@hotmail.com
Estratégias Inovadoras para Qualificação da Formação em Enfermagem Obstétrica no município do Rio de Janeiro
Estratégias Inovadoras para Qualificação da Formação em Enfermagem Obstétrica no município do Rio de Janeiro
Estratégias Inovadoras para Qualificação da Formação em Enfermagem Obstétrica no município do Rio de Janeiro
Estratégias Inovadoras para Qualificação da Formação em Enfermagem Obstétrica no município do Rio de Janeiro
Estratégias Inovadoras para Qualificação da Formação em Enfermagem Obstétrica no município do Rio de Janeiro
Estratégias Inovadoras para Qualificação da Formação em Enfermagem Obstétrica no município do Rio de Janeiro
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Estratégias Inovadoras para Qualificação da Formação em Enfermagem Obstétrica no município do Rio de Janeiro

114 visualizações

Publicada em

Estratégias Inovadoras para
Qualificação da Formação em
Enfermagem Obstétrica no
município do Rio de Janeiro

Publicada em: Notícias e política
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Estratégias Inovadoras para Qualificação da Formação em Enfermagem Obstétrica no município do Rio de Janeiro

  1. 1. Estratégias Inovadoras para Qualificação da Formação em Enfermagem Obstétrica no município do Rio de Janeiro Tema: Valorização da Enfermagem e Inovação Formação Profissional
  2. 2. Autores: Ricardo José Oliveira Mouta Adriana Lenho de Figueiredo Pereira Edymara Tatagiba Medina Sandra Cristina de Souza Borges da Silva Juliana Amaral Prata
  3. 3. Residência em Enfermagem Obstétrica UERJ Prof. Dr. Ricardo Mouta – Coordenador Prof. Ms. Edymara Medina – Vice- Coordenador Departamento de Enfermagem Materno-Infantil Faculdade de Enfermagem
  4. 4. SMS-RJ Pagamento das bolsas para as residentes (bolsas SMS) Garantir os cenários de ensino em serviço Designar a preceptoria responsável pela formação em serviço HUPE-UERJ e MS Pagamento das bolsas para as residentes UERJ Gestão pedagógica (participativa - NDAE) Disponibilizar docentes responsáveis pelas disciplinas curriculares e orientação dos Trabalhos de Conclusão de Curso Disponibilizar às residentes o acesso às bibliotecas da universidade. Certificar as enfermeiras supervisores/preceptores. Realizar o processo seletivo (CEPUERJ) Cursos de Especialização em Enfermagem Obstétrica na Modalidade de Residência Deliberação da UERJ nº008/06 Deliberação UERJ nº 26/2012 Deliberação UERJ nº 34/2019 Convênios formais SMS-UERJ-MS
  5. 5. Cadastro Número Nome CNRMS/MEC 175 Enfermagem Obstétrica SIG-RESIDÊNCIAS/MS 4138 Enfermagem Obstétrica
  6. 6. ENF- UERJ SM S Ministério da Saúde 6 bolsas UERJ 7 bolsas SMS 10 bolsas Instituição Formadora Docentes Instituição Executora Preceptoria Instituições Financiadoras Gestão TRÍADE ORGANIZACIONAL E POLÍTICOPEDAGÓGICA
  7. 7. Diretrizes pedagógicas das Residências em Enfermagem Obstétrica UERJ Práxis profissional: autônoma e libertária (consciência e ação transformadora) Conhecimentos, habilidades e atitudes: Técnicas, Organizacionais, Relacionais e Sociopolíticas Gênero e Cultura -Gestação e Parto como eventos fisiológicos - Desmedicalização - Humanização - Direitos da mulher -Direitos sexuais e reprodutivos
  8. 8. Enfermeira especialista em enfermagem obstétrica capacitada para prestar cuidado qualificado, humano, sensível e ético à mulher e família no período reprodutivo, bem como nas fases da gestação, parto, puerpério e nascimento. Perfil profissional das egressas Gestão pedagógica participativa Parceria entre os docentes e preceptores no serviço Compartilhamento de princípios profissionais
  9. 9. 1o ANO Base Legal LEI N° 7.498/1986 Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem DECRETO N° 94.406/1987 Regulamenta a Lei nº 7.498 Resolução COFEN N.º 159/1993 Dispõe sobre a consulta de Enfermagem Decisão COREN-RJ 1161/1998 Atuação do Enfermeiro em Cardiotocografia Resolução COFEN N.º 223/1999 Dispõe sobre a atuação de Enfermeiros na Assistência à Mulher no Ciclo Gravídico- Puerperal Resolução COFEN N.º 308/2006 “Dispõe sobre a Regulamentação e Responsabilidades do Enfermeiro em Centros de Parto Normal e/ou Casas de Parto Resolução COFEN N.º 381/2011 Normatiza a execução, pelo Enfermeiro, da coleta de material para colpocitologia oncótica pelo método de Papanicolaou 1.ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL 2.PLANEJAMENTO FAMILIAR 3. CONSULTA GINECOLÓGICA À MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA SEXUAL 4. ASSISTÊNCIA À GESTANTE HOSPITALIZADA 5. ASSISTÊNCIA AO TRABALHO DE PARTO E PARTO 6. ALOJAMENTO CONJUNTO E PÓS-NATAL 2o ANO 1.ASSISTÊNCIA AO PARTO E NASCIMENTO 2.EMERGÊNCIAS OBSTÉTRICAS Conhecimentos e práticas esperadas Atenção Primária Atenção Secundária Atenção Terciária
  10. 10. NOSSOS CENÁRIOS LOTAÇÃO
  11. 11. NOSSOS CENÁRIOS REFERÊNCIA (Estratégicos)
  12. 12. NOSSOS CENÁRIOS COMPLEMENTARES
  13. 13. Nossa Motivação • Inserção de Novos Docentes Concursadas DOERJ 25/08/2015 pág 25
  14. 14. • Reavaliação das atividades de ensino e aprendizagem na residência com vistas a atender às novas diretrizes internacionais para formação de enfermeiras obstétricas, às normativas regulamentadoras do exercício profissional destas especialistas, à ampliação do escopo da prática assistencial e gerencial das enfermeiras obstétricas no do Sistema Único de Saúde (SUS), bem como às novas politicas públicas de saúde, tais como: Rede Cegonha, Programa Nacional de Segurança do Paciente, Politica Nacional de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde, dentre outras.
  15. 15. • Fortalecer a articulação entre o campo do ensino e os campos de formação prática, transformar o processo de avaliação sob uma perspectiva dinâmica e colaborativa, bem como de incorporar abordagens mais participativas e problematizadoras nas aulas para despertar reflexões acerca dos comportamentos das residentes e de suas relações com o processo de trabalho em saúde, a fim de proporcionar as mediações necessárias para constituir enfermeiras obstétricas protagonistas de mudanças, afiançadoras dos direitos humanos das mulheres e comprometidas com a efetivação dos princípios do SUS.
  16. 16. • Vislumbrar potencialidades de incorporar o tripé universitário da articulação entre Ensino, Pesquisa e Extensão na Residência em Enfermagem Obstétrica da ENF/UERJ para, a partir desta formação profissional, criar uma rede solidária de troca de conhecimentos que oportunize a problematização, reflexão, conscientização e intervenção na realidade entre os diferentes agentes da comunidade fluminense.
  17. 17. Objetivos Objetivo Geral Qualificar a formação em enfermagem obstétrica na modalidade de residência a partir de estratégias inovadoras para o fortalecimento da articulação ensino-serviço-comunidade. Objetivos Específicos • Implementar estratégias didáticas fundamentadas na pedagogia crítica por meio de simulações realísticas, dramatizações, oficinas, seminários e outras metodologias ativas; • Desenvolver novo processo de avaliação de forma participativa com o envolvimento de residentes, preceptoria, docentes, tutoria, coordenações de programa e dos serviços de saúde, bem como as representações das secretarias estadual e municipal de saúde; • Incorporar saberes e práticas de diferentes áreas de conhecimento no programa de ensino teórico-prático; • Integrar a extensão universitária no processo de ensino-aprendizagem para a melhoria da articulação ensino-serviço-comunidade; • Impulsionar iniciativas de intercâmbio nacional e internacional com outros programas de ensino de enfermagem avançada.
  18. 18. Implementar estratégias didáticas fundamentadas na pedagogia crítica por meio de simulações realísticas, dramatizações, oficinas, seminários e outras metodologias ativas • Metodologias Ativas
  19. 19. • Laboratórios de Simulação
  20. 20. • Oficinas e Workshops
  21. 21. • Dramatização , Discussão e Resolução de Problemas
  22. 22. • Método de Aprendizagem Baseado em Problemas Contexto da aprendizagem ativa “O que eu ouço, eu esqueço O que eu ouço e vejo, eu me lembro O que eu ouço, vejo e discuto, eu compreendo O que eu ouço, vejo, discuto e faço, eu adquiro conhecimento e habilidade O que eu ensino para alguém, eu domino com maestria” SILBERMAN, Mel. Active learning: 101 strategies do teach any subject. Massachusetts: Allynand Bacon, 1996.
  23. 23. Desenvolver novo processo de avaliação de forma participativa com o envolvimento de residentes, preceptoria, docentes, tutoria, coordenações de programa e dos serviços de saúde, bem como as representações das secretarias estadual e municipal de saúde • Diretrizes da formação nacionais da formação e normativas regulamentadoras do exercício profissional em enfermagem no Brasil, bem como nas competências essenciais para o exercício da obstetrícia e propostas pela International Confederation of Midwives (ICM) e na DIRECTIVA 2005/36/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, relativa ao reconhecimento das qualificações profissionais na comunidade europeia, especificamente enfermeira e parteira. • Criação de sete instrumentos avaliativos da aprendizagem discente que apresentam duas dimensões da formação comuns à todos os campos de formação prática – “Atitudes profissionais” e “Domínio Cognitivo e Afetivo” – e uma dimensão "Domínio Psicomotor” que discrimina as habilidades e atitudes esperadas para a assistência e gerência em enfermagem obstétrica
  24. 24. Incorporar saberes e práticas de diferentes áreas de conhecimento no programa de ensino teórico-prático Partiu-se da premissa que a perspectiva interdisciplinar é necessária para área da saúde e enfermagem obstétrica por meio da articulação dos campos de conhecimento humano para compressão da complexidade humana, do cuidado às pessoas e do processo saúde-doença.
  25. 25. Integrar a extensão universitária no processo de ensino- aprendizagem para a melhoria da articulação ensino-serviço- comunidade
  26. 26. Impulsionar iniciativas de intercâmbio nacional e internacional com outros programas de ensino de enfermagem avançada
  27. 27. Resultados 1) Resultados de Curto Prazo 1) Transformações no Processo de Avaliação 2)Contribuições para a educação permanente e para a produção científica a partir da inserção nos campos de prática 3) Contribuições para a prática da enfermeira obstétrica no âmbito da gerência, planejamento e vigilância em saúde 4) Estabelecimento de parcerias acadêmicas interinstitucionais 2) Resultados de Médio e Longo Prazos 2.1) Impacto da formação profissional em enfermagem obstétrica na modalidade de residência na qualificação da prática assistencial e no campo acadêmico
  28. 28. Desafios I- Incompatibilidade de agenda entre os membros do NDAE para a realização das “Oficinas de reconstrução conjunta do impresso de avaliação”, principalmente por limitações do contexto laboral das enfermeiras preceptoras, o que resultou em morosidade para a finalização da construção dos novos instrumentos. Além disso, apesar dos novos instrumentos de avaliação serem fruto de uma construção coletiva, a sua utilização unânime entre as preceptoras ainda maior parte o tenha adotado. Em não é que a alguns campos de formação prática, ainda persiste a utilização do instrumento antigo. II-Introdução de metodologias e materiais com melhor manejo e adaptação ao desenvolvimento das atividades teóricas e teórico-praticas. III-Aplicação das Práticas Integrativas e Complementares em Saúde em unidades de atenção ao alto risco obstétrico; IV-Tramitação administrativa do Termo de Cooperação no âmbito universitário e custos implicados com a visita técnico-científica à Escola Superior de Enfermagem do Porto- Portugal. Desafios Superados - Reuniões periódicas do NDAE Desafio permanece e acredita-se que a sua superação só será possível meio de investimentos na capacitação pedagógica da preceptoria, que se constituirá um novo projeto de ação. Desenvolvimento de tecnologias educacionais para as oficinas supracitadas e qualificação dos docentes Desenvolvimento das atividades de Educação Permanente em PICS Prontamente superados por meio do assessoramento do Departamento de fomento ao ensino para graduados da Sub-Reitoria de Pós- graduação e Pesquisa da UERJ Parcial
  29. 29. Conclusão A experiência das estratégias inovadoras foram importantes por sua inovação, sustentabilidade, institucionalidade, ampliação do acesso aos cuidados de saúde desenvolvidos pelas residentes, bem como sua replicabilidade. Essa experiência contribuiu para a qualificação da formação em enfermagem obstétrica na modalidade de residência e o fortalecimento da articulação ensino-serviço-comunidade, tendo efeitos positivos para a melhoria do campo profissional e da assistência à saúde das mulheres e dos recém- nascidos no SUS.
  30. 30. Contato: ricardomouta@hotmail.com

×