Apostila da Andrews University - Escatologia Bíblica

10.285 visualizações

Publicada em

0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10.285
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.279
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
586
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apostila da Andrews University - Escatologia Bíblica

  1. 1. ESCATOLOGIA BÍBLICA (Clique na palavra ÍNDICE) Curso de Extensão da Andrews University 6-19/12/1976 - IPAECONTEÚDOI PARTE - A ORIGEM PROFÉTICA DA I.A.S.D.Do livro: Answers to Objections, Capítulo 10, pp. 575-594Autor: F. D. NicholEditora: Review and Herald Publishing AssociationTradução de: Siegfried KümpelII PARTE - A CONDIÇÃO HISTÓRICA DO MOVIMENTODO ADVENTODo Livro: Our Firm FoundationAutor: F. D. NicholTradução de: Siegfried KümpelIII PARTE - O PROPÓSITO MORAL DA PROFECIAAutor: L. F. WereTradução de: Siegfried KümpelIV PARTE - OS REIS QUE VÊM DO ORIENTEAutor: L. F. WereTradução de: Siegfried Kümpel
  2. 2. Escatologia Bíblica 2 ÍNDICE I – A ORIGEM PROFÉTICA DA IASD......................................5 Nenhuma Nova Atitude.................................................................6 Como Resolver o Dilema..............................................................7 Exame do Primeiro Ponto.............................................................8 Dirigentes Posteriores Falam......................................................10 Exame do Segundo Ponto...........................................................13 Certas Profecias Cumpridas........................................................14 Exame do Terceiro Ponto............................................................18 Sra. White Defende os Mileritas.................................................19 Exame do Quarto Ponto..............................................................21 A Essência do Milerismo............................................................22 Para Cima na Luz Crescente.......................................................23 Ficar Firmes no Registro.............................................................24 II – A CONDIÇÃO HISTÓRICA DO MOVIMENTO DO ADVENTO..............................................................................28 As Grande Revoluções do Décimo Sexto Século.......................28 O Décimo Oitavo Século Marcado pelo Racionalismo..............30 As Escrituras Sagradas Minadas pelo Racionalismo..................31 A Idéia do Progresso Mundial.....................................................32 A Reação Contra o Domínio da Razão.......................................33 O Teólogo Schleiermacher..........................................................34 Forças Operantes à Abertura do Século Dezenove.....................35 O Movimento Milerita................................................................36 Pregação da Primeira e Segunda Mensagem..............................37 O Surgimento dos Adventistas do Sétimo Dia............................38 Ponto de Vista Restrito no Início Com Respeito à Mensagem do Terceiro Anjo.....................................................................40 A Verdadeira Medida da Tríplice Mensagem.............................41 Doutrinas e Profecias Apresentadas na Tríplice Mensagem.......42
  3. 3. Escatologia Bíblica 3 A Mensagem do Segundo Anjo..................................................44 A Mensagem do Terceiro Anjo...................................................45 Tríplice Mensagem Muitas Vezes Pregada em Ambiente Limitado Demais..............................................47 Pregando a Tríplice Mensagem Mais Completamente..............48 1. A Tendência para a União das Igrejas.....................................48 O Concílio Mundial e o Segundo Advento.............................50 2. O Crescente Poderio de Roma................................................51 Conversões à Roma.................................................................52 As Palavras Proféticas da Sra. White......................................54 3. O Declínio da Liberdade.........................................................55 Nosso Exame Resumido.........................................................56 Os Dilemas dos Líderes Religiosos.........................................60 A Primeira Mensagem Angélica.............................................63 A Segunda Mensagem Angélica.............................................64 A Mensagem do Terceiro Anjo...............................................66 Proclamar o Sábado Mais Amplamente..................................68 III – O PROPÓSITO MORAL DA PROFECIA........................70 Introdução...................................................................................70 Prefácio.......................................................................................72 1 - As Escrituras Foram Dadas para Revelar a Jesus..................73 2 - Os Judeus Erraram Não Estudando As Escrituras Na Luz do Propósito Moral de Deus. Uma Advertência para Hoje.....75 2.1 - Os Judeus estudavam as Profecias, mas sem compreensão espiritual....................................................77 2.2 - Os Judeus eram literalistas rígidos..................................82 3 - A História se Repete..............................................................83 4 - Falácia Fundamental do Futurismo........................................92 5 - Mais Falhas Futurísticas........................................................94 6 - Futurismo e o Livro do Apocalipse.......................................95 7 - O Pentecostes trouxe luz sobre o propósito moral da profecia.....97
  4. 4. Escatologia Bíblica 4 8 - Jesus Está Reinando Agora....................................................99 9 - Todas As Escrituras Morais Vibrantes de um Salvador Vivo................................................................102 10 - A Aplicação Individual da História da Profecia..................110 11 - Aplicando O Princípio em Conexão Com o Estudo do “Armagedom”.................................................................112 12 - O Propósito Moral das Profecias de Daniel.........................120 13 - Realidades Cristãs Reveladas nos Quadros Proféticos do Apocalipse.......................................................................124 14 - "Cristo em Vós" - A Certeza da Vitória...............................135 IV – OS REIS QUE VÊM DO ORIENTE................................147 Introdução......................................................................................147 1. A Questão Oriental - Campo Fértil para Profecias Falsas........150 Origem do Armagedom Político-Militar...................................159 O Armagedom em Relação à Turquia.......................................160 O Armagedom se Torna um Conflito Entre o Oriente e o Ocidente...........................................................................162 A Tendência de Volta aos Pontos de Vista dos Pioneiros.............................................................................167 2. Haverá Guerra entre o Oriente e o Ocidente?...........................169 3. Satanás Instigará Guerras e Lutas para Eventualmente Unir o Mundo Contra a Igreja...........................................................173 4. "Os Reis que vêm do Lado do Nascimento do Sol" - Uma Mensagem Gloriosa para a Igreja.....................177 5. Torcendo os Fatos para Enquadrar a Interpretação...................184 6. Quando Todos os Olhos Serão Dirigidos ao Oriente................190 7. Os Reis do Oriente Especialmente Mencionados.....................192 8. Conclusões Baseadas Sobre Fundamentos Falhos....................194 9. Conclusões Baseadas em Fatos Positivos.................................201
  5. 5. Escatologia Bíblica 5 A ORIGEM PROFÉTICA DA IGREJA ADVENTISTA DO SÉTIMO DIA Os adventistas do sétimo dia declaram que este movimento deAdvento surgiu numa época especial da história para fazer um trabalhoespecífico para Deus em cumprimento de certas profecias. Estadeclaração é a base verdadeira e histórica do apelo que fazemos a todosos homens, nos termos da segunda mensagem angélica, para "sair" e sejuntar a este movimento. À vista disto nós precisamos nos familiarizar com a história docomeço do movimento. Já em 1849 James White compreendeu estanecessidade em relação das experiências históricas da principio de 1840,que viram o surgimento do movimento do advento. Disse ele: "A fim de demonstrarmos o cumprimento da profecia, nós temos quenos referir à história. Para mostrar o cumprimento da profecia relativa aosquatro reinos universais do segundo e sétimo capítulos de Daniel, nós temosque nos referir às histórias destes reinos. Negue a história, e a profecia nãotem valor. Justamente assim com as profecias relacionadas ao movimentodo segundo advento". – Present Truth, Dezembro, 1849, pág. 46. Nós não precisamos apenas conhecer a história do início de 1840como nós conhecemos um período da história secular mas ver também amovimento Adventista do Sétimo dia no ambiente daqueles tempos. Temhavido não somente muita ignorância entre nós com relação às raízeshistóricas do Adventismo do Sétimo Dia, mas também um desejo atuanteda parte de alguns de desassociaremos do movimento do Advento doinício de 1840, que é geralmente conhecido como Milerismo. Duas razões têm produzido este desejo: Primeiro, os Mileritasmarcavam uma data para o advento, que os lançou no escárnio naqueletempo e que os tornou o objeto de ridículo desde então. Naturalmentenós desejamos escapar do ridículo neste ponto, e nós somos enfáticos ecorretos, em nossa declaração que os adventistas do sétimo dia jamaismarcaram data. Segundo, ao redor dos Mileritas formou-se um fantástico
  6. 6. Escatologia Bíblica 6rol de histórias que os retrata como fanáticos loucos. E de fato nós nãoqueremos ser conhecidos como os filhos espirituais de fanáticos. Nenhuma Nova Atitude Não é somente interessante mas um fato despertador que o desejode ser desassociado do movimento de Miller que alcançou seu clímax em1844, não é nada novo. Já se manifestou quase imediatamente depois dodesapontamento de 22 de Outubro de 1844, e foi muito ativo no tempoem que Tiago White escrevia em Dezembro de 1849. O Senhor nãoviera, como esperavam, e portanto a profecia dos 2.300 diasaparentemente não se cumpriu. O resultado foi que muitos adventistasnominais começavam a negar que Deus estava ligado ao movimento de1844. Eles pois apostataram, alguns deles até aliviados por não seremmais conhecidos como pertencendo a um movimento que cometera umgrande engano teológico. Contra todos estes Tiago White trabalhou,como ele certamente tinha que fazer se ele cria que Deus inspirava omovimento do Advento. Hoje, a situação é um tanto diferente. Nós, como Adventistas doSétimo Dia, não desejamos questionar, por exemplo, a interpretaçãobásica da profecia usada pelos Mileritas em medir os limites da profeciados 2.300 dias. Nós não negamos a liderança de Deus no movimento de1844. Nós sentimos, embora alguns de nós não entendêssemosclaramente, que nós precisamos manter uma conexão precisa com omovimento de 1844 para provar que o Adventismo do Sétimo Dia surgiuem cumprimento da profecia. Mas nós muito freqüentementeprocuramos apagar, ou ao menos hesitamos em admitir, uma íntima econseqüente relação profética entre o movimento de 1844 conhecidocomo Milerismo e a Adventismo do Sétimo Dia conhecida hoje. Asrazões para isto, como já afirmamos, são o nosso embaraço pelamarcação da data dos Mileritas das histórias de atos fanáticos em queeles notoriamente caíram.
  7. 7. Escatologia Bíblica 7 Assim, embora passivamente estivéssemos dispostos a admitir quens Mileritas são nossos parentes, embora não muito chegados, nós fomoshabituadas a tratá-los como parentes pobres. Como Resolver o Dilema Este dilema infeliz desaparece, e a origem genuinamente proféticada Igreja Adventista do Sétimo Dia aparece marcada, ao estabelecermosos seguintes sete pontos: 1º - Que o movimento Adventista do Sétimo Dia é um filho diretodo movimento do Advento de Guilherme Miller, geralmente conhecidocomo Milerismo. 2º - Que é necessário crer nesta relação a fim de achar umaexplicação de certas profecias na Bíblia, e para provar que a IgrejaAdventista do Sétimo Dia é de fato o último movimento de Deus nomundo. 3º - Que um estudo do Milerismo abrilhantará nossa própria fé naorigem divina e na liderança do nosso movimento Adventista do SétimoDia, e que proverá uma resposta inteiramente satisfatória às acusaçõesdifamatórias feitas pelos inimigos da verdade por um século. 4º - Que o fato de sermos descendentes do movimento Milerita nãorequer que nós subscrevamos os pontos de vista individuais que podemter sido mantidos por qualquer pregador Milerita. Nem requer que nósminimizemos a qualquer grau a significação dos ensinos distintosdesenvolvidos sob a mensagem do terceiro anjo, mas sim o contrário. 5º - Que o fato dos Mileritas, geralmente, marcarem uma certa datapara a vinda do Senhor não precisa embaraçar os adventistas do sétimodia hoje. 6º - Que a história dos excessos fanáticos pelos Mileritas são emgrande parte uma mistura de falsidade, e que autoridades eminentes noterreno da história admitem.
  8. 8. Escatologia Bíblica 8 7º - Que o desapontamento de 22 de outubro de 1844, não provêbase para a acusação de que Deus daí em diante não estivesse nomovimento do Advento, e portanto não no movimento Adventista doSétimo Dia que surgiu do Despertamento do Advento de 1840. A seguinte discussão dos quatro primeiros pontos apareceuoriginalmente como um extra do The Ministry de setembro de 1944, quefoi impresso por resolução da Comissão da Conferência Geral. Exame do Primeiro Ponto Evidência suficiente para apoiar o primeiro ponto poderia seraduzido simplesmente por perguntar e responder algumas perguntassimples, como segue: - Que movimento religioso chegou ao seu clímax na América em1844? - O grande movimento da segunda vinda sob Guilherme Miller,geralmente conhecido como Milerismo. - Onde e quando o movimento Adventista do Sétimo Dia começou? - Na América em 1844. - Quem foram os primeiros adventistas observadores do sábado? - Uma companhia de Mileritas em Washington, New Hampshire. - Quem foram os primeiros dirigentes no movimento Adventista doSétimo Dia? - Sem dúvida foram James White, Sra. White e José Bates. - Qual foi o seu fundo religioso? - Tiago White fora um pregador Milerita. Ellen Harmon Whiteaceitou o Milerismo como moça, e ela, com seus pais, foi excluída daIgreja Metodista em Portland, Maine, por causa de suas convicçõesmileritas. José Bates foi um dirigente no movimento Milerita, ocupandovários cargos nas associações gerais dos Mileritas e tendo sidopresidente em uma das mais importantes destas associações.
  9. 9. Escatologia Bíblica 9 - Quais foram alguns outros dos pioneiros primitivos dosadventistas do sétimo dia? - Hirã Edson e Frederick Wheeler. - Quais foram suas conexões religiosas? - Ambos estes homens, eram Mileritas. Edson foi o homem que,passando pelo campo na manhã posterior ao desapontamento, recebeu aluz sobre o santuário que Cristo entrara no santíssimo no dia 22 deoutubro. Edson, com outro irmão Milerita, estava a caminho na manhãde 23 de outubro para "encorajar alguns de nossos irmãos" após odesapontamento. - Para quem os nossos primeiros dirigentes adventistas do sétimodia trabalharam quase exclusivamente por alguns anos depois de 1844? - Para os seus associados no movimenta Milerita. Os fatos incontestáveis precedentes da história parecem sersuficientes em si para liquidar a questão de nossa origem. Mas a casatorna-se consistente quando nós ouvimos o testemunho dos própriaspioneiros adventistas do sétimo dia. Procuraram eles apagar sua relaçãocom o Milerismo para posar como alguma causa nova e diferente? Não,eles afirmavam vigorosamente que eles eram os verdadeiros sucessoresespirituais daquele movimento do segundo Advento do início de 1840.Em 1850 nós publicamos o Advent Review, o predecessor do Review andHerald. O primeiro número começa assim: "Nosso desígnio nessa revista é de animar e refrescar a verdadeirocrente, mostrando o cumprimento da profecia no trabalho maravilhoso dopassado de Deus ao chamar e separar do mundo e da igreja nominal, umpovo que está olhando para o segundo advento do querido Salvador." –Advent Review, vol. 1, pág. 1. Em outras palavras, nossos pioneiros adventistas do sétimo dianeste Advent Review estavam elogiando o assim chamado movimentoMilerita. Eles então procederam a combater aqueles "adventistas" quenegavam a direção de Deus nele:
  10. 10. Escatologia Bíblica 10 "Ao recapitularmos a passado, nós citaremos muito dos escritos dosdirigentes na causa do advento (Milerismo) e demonstraremos que eles nopassado advogavam ousadamente e publicavam para a mundo, a mesmaposição, relativa ao cumprimento da profecia nos grandes movimentosdiretores do Advento em nossa experiência passada, que nós ocupamosagora; e que quando a hoste do advento esteve toda unida em 1844, elesolhavam sobre entes movimentos na mesma luz em que nós as vemos hoje,e assim demonstramos quem abandonou a fé original. – Ibid. (ênfase deles) Em vez dia procurarem apagar sua relação com o movimentoMilerita, nossos pioneiros ousadamente declaravam que eles eramaqueles que estavam mantendo a fé original. Este número da AdventReview está quase cheio com artigos de dirigentes Mileritas, reimpressosde Jornais Mileritas do começo de 1840. Dois membros da "comissãopublicadora" que publicou este Advent Review foram Tiago White e HirãEdson. A capa apresenta o que segue em tipos especiais: "O AdventReview, Contendo Testemunhos Excitantes, Escritos no Espírito Santo,por muitos das Dirigentes na causa do Segundo Advento, Mostrando SuaOrigem e Progresso Divinas". Abaixo estava uma linha da Escritura:"Chame à lembrança os Dias Passados". Dirigentes Posteriores Falam E qual é o testemunho de nossos pioneiros do Sétimo Dia nos anosque sucederam? É claro? Tiago White num editorial na Review andHerald de 1833 declarou: "Nós reconhecemos que estamos desapontados, e então nãoentendiam o evento a ocorrer no fim dos dias; porém, nós afirmamos queisto não afeta na mínima a evidência da vinda imediata de Cristo." – Reviewand Herald, 17 de fevereiro de 1853, p. 156. Nossos pioneiros jamais falavam de outros que estivessemdesapontados em 1844. Eles sempre diziam, "Nós ficamosdesapontados".
  11. 11. Escatologia Bíblica 11 Um editorial da mesma pena no Review and Herald de abril de1854, anunciou: “Nós declaramos que nos mantemos na fé do advento original....Quanto às grandes doutrinas fundamentais ensinadas por Guilherme Miller,nós não vemos nenhuma razão para mudar nossas concepções... "Enquanto o Advent Review ocupa sua presente posição, deve-seesperar que suas colunas serão enriquecidas com artigos inspirados sobre osegundo advento das penas de Guilherme Miller, Litch, Fitch, Hale, Storrs, eoutros escritos já a dez ou doze anos." – pág. 101. Em 1867 o Review and Herald continha um editorial de UriasSmith que descrevia um dos objetivos para a publicação desta revistasemanal da igreja: "Um de seus objetivos especiais é uma recapitulação do grandemovimento do advento passado, isto é, o movimento antes dodesapontamento em outubro de 18441. Que adventista que participoudaquele movimento pode olhar para trás não se rejubilará de alegria, e podesenão desejar por manifestação do Espírito de Deus, em poder igual, emconexão com o trabalho agora? E coma pode uma pessoa possivelmenteentrar com algum entusiasmo sobre as novas teorias e esquemasimaginados desde 1844, que o abrigam a abandonar todo o trabalha prévioàquele tempo, ou como errôneo ou prematuro? Se Deus não esteve notrabalho então dir-nos-á qualquer adventista em que tempo Ele esteve neledesde então?... "Nós não podemos ser agradecidos demais que nós não fomosabandonados para escorregarmos do fundamento tão solidamente posto em1844 para o movimento do advento destes últimos dias... Toda a teoria doadvento que foi imaginado, que ignore o trabalho passado, é um castelo noar, uma pirâmide sem uma base, um edifício sem um fundamento." Reviewand Herald, 17 de Dezembro de 1867, pág. 8. Em 1877 o livro de Urias Smith, O Santuário, foi publicado. Nesteele declarou: "A geração presente viu um movimento religioso tal como nenhumaoutra geração jamais testemunhou; uma agitação mundial do assunto dasegunda vinda de Cristo, chamando a centena de milhares de crentes na
  12. 12. Escatologia Bíblica 12doutrina. O tempo tem continuado; e sob o nome de Milerismo agora recebeo escárnio leviano das multidões descuidadas." – The Sanctuary, p. 13. "O grande movimento do advento de 1840-1844... fez parte da ordem epropósito de Deus. Ele portanto deve ainda ser um povo na terra comoresultado daquele movimento. Ele ainda deve ser uma verdade entre oshomens levando alguma relação daquele grande trabalho, e deve haveralguma explanação correta do grande desapontamento ligado com aquelemovimento". – Ibid., p. 21. Adiante na mesma obra existe um capítulo intitulado "A fé Originaldo Advento" que discute o ponto em estudo que fora debatido comintensidade entre adventistas do sétimo dia e adventistas do primeiro dia: "Os adventistas do sétimo dia são às vezes acusados como sendo ummero trato do movimento da advento, seguidores de conclusões laterais erecém-criadas pretensões. Nós declaramos, e o demonstraremos, que nóssomos os únicos que aderimos aos princípios originais de interpretaçãosobre os quais todo o movimento do advento se baseava, e que somos osúnicos que estamos seguindo aquele movimento a seus resultados econclusões lógicos". – Ibid., p. 1020. Em 1885 George I. Butler, então presidente da Associação Geral,escreveu uma série de artigos para o Review and Herald sob o títulogeral "Experiência do Advento"; Ele começou assim: "Os velhos Adventistas de 44 estão rapidamente desaparecendo. Sóum pequeno punhado permanece entre nós. A massa de nosso povo não épessoalmente conhecedor dos fatos relacionadas com o passar do tempo(em 22 de outubro de 1844). O curto período de confusão que seguiu antesdo surgimento da mensagem do terceiro anjo, e os eventos ligados com suahistória inicial. Não obstante existem fatos do mais profundo interesseligados com este período interessante, que tem uma conexão vital comnosso trabalho presente. Esta mensagem está ligada com toda aquelaexperiência por laços indissolúveis." No fim do ano de 1890 Urias Smith começou uma série deeditoriais no Review and Herald sob o título geral "A Origem e a
  13. 13. Escatologia Bíblica 13História da Mensagem do Terceiro Anjo". Ele falava do "grandemovimento do advento da presente geração" "movimento que temprogredido em mais de meio século". Ele declarou que um movimentoque mantém um tão importante lugar na obra de Deus, e está destinado ase fazer sentir tão profundamente no mundo religioso, deve ter muitosincidentes interessantes ligados com seu desenvolvimento e progresso".Então ele adiciona imediatamente: "Guilherme Miller, de Law Hampton, Nova York, foi o homem que naprovidência de Deus, foi provido para dirigir neste trabalho... Não foi senãoem 1831 que ele manifestou publicamente sua opinião.. O ano de 1831 podeportanto ser estabelecido como o ano quando a primeira mensagemangélica começou a ser proclamada." – Review and Herald, 16 de dezembrode 1890, p. 7760 Este é o testemunho dos pioneiros para o primeiro meio século denosso movimento, e pode alguém, estar melhor qualificado que eles?Aquele testemunho é claro e permite somente uma conclusão. Exame do Segundo Ponto A relação dos adventistas do sétimo dia para com o movimentoMilerita torna-se ainda mais evidente, se isto fosse possível, quando nósexaminamos o segundo ponto; isto é, que nós precisamos crer numaíntima relação entre nós mesmos e o Milerismo a fim de achar umaexplicação de certas declarações proféticas e a fim de provar que omovimento Adventista do Sétimo Dia é o último movimento de Deus nomundo. Logo após 1844 alguns Adventistas do Primeiro Dia começarama duvidar da genuinidade de sua "experiência" de 1844. Nossos pioneirosadventistas do sétimo dia argüiam que fazer isto importava em removeros fatos históricos sobre os quais certas profecias dependiam como provade seu cumprimento. Tiago White disse em 1849: "Se nós negarmos a nossa santa experiência nos grandes movimentosdirigentes, no passado, tal como a proclamação do tempo em 1843 e 1844,
  14. 14. Escatologia Bíblica 14então nós não podemos demonstrar o cumprimento daquelas profeciasrelacionadas àqueles movimentos. Portanto, aqueles que negaram suaexperiência passada, enquanto seguiam a Deus e a Sua Santa Palavra,negaram ou mal aplicaram uma porção da Palavra segura." – Present Truth,Dezembro de 1849. Agora, não é possível para nós hoje "negar" uma "experiência" de1844. Nós ainda não tínhamos nascido. Mas quando nós procuramos nosdesassociar daquela."experiência" não vamos nós tão longe quanto épossível para não irmos negando a "experiência" e não enfraquecemosnós a conexão entre a profecia e seu cumprimento? É um fatointeressante que uma das primeiras produções da pena de um pioneiroadventista do Sétima Dia – Marcos Quilométricos e Altos Montões doSegundo Advento, escrito por José Bates em 1847 procurou estabelecer afé do "pequeno rebanho", por mostrar o cumprimento de certas profeciasem conexão com o movimento Milerita. Diz ele: "O desígnio do autor das seguintes páginas o de fortalecer e encorajaros sinceros de coração, ao humilde povo de Deus, que esteve e ainda estão,dispostos a guardar os mandamentos de Deus e o testemunho de Jesus, demanterem Sua experiência passada, na corrente conexa dos eventosmaravilhosos e o cumprimento da profecia, que foram se desenvolvendodurante as sete pragas." - pág. 2. Certas Profecias Cumpridas Desde aquele tempo em diante os pioneiros adventistas do sétimodia procuraram mostrar a direção divina no movimento Milerita e arelação dos Adventistas da Sétima Dia para com aquele movimento porse referirem a certas profecias. 1º - A Visão de Habacuque 2:2,3. Esta foi a ordem profética de"escrever a visão, grava-a sobre tábuas" cumulada à declaração que a"visão ainda está para cumprir no tempo determinado", que "se apressapara o fim, e não falhará; se tardar, espera-o". Os mileritas criam que a
  15. 15. Escatologia Bíblica 15publicação de seus mapas proféticos em 1842 cumpriram a primeiraparte deste texto. Eles criam que a passagem da primeira data marcadapara a Advento (o ano Judaico de 1843 que terminava na primavera deA.D, 1844) foi seguida pelo "tardar" da visão, e que a data final de 22 deoutubro de 1844, cumpriria a predição, "se apressa para a fim, e nãofalhará". Comentando esta profecia, Tiago White em 1850 declarou: "Se avisão não falou no outono de 1844, então ela jamais falou, e jamaisfalará". Ele firmemente acreditou que Habacuque 2:2,3 se cumpriu damaneira coma os Mileritas a pregavam. A Sra. White aplica a profecia damesma maneira. (veja Testimonies, vol. 1, p. 52; Primeiros Escritos, p.236.) 2º - A Parábola das Dez Virgens. os mileritas criam que estaparábola, que também é uma profecia, tinha a sua aplicação ecumprimento em 1844. A "demora" do noivo eles entendiam comosendo o tempo entre sua primeira expectativa da vinda de Crista (no fimdo ano Judaico de 1843, isto é, na primavera de 1844) e o verdadeirotempo do cumprimento da profecia dos 2.300 dias a 22 de Outubro de1844. Eles entenderam a declaração Escriturística, "A meia noite seouviu um clamar", de ser o sonido da verdadeira mensagem como o fimda profecia dos 2.300 dias, que começou a ser ouvida no verão de 1844.De fato as próprias palavras da parábola foram usadas: "Eis o noivo! Saíao seu encontro". Os pioneiros adventistas do sétimo dia continuavam a crer que estaparábola e profecia cumpriu-se em 1844 (veja por exemplo, O Conflitodos Séculos, pp. 393-398; Thoughts on Daniel and the Revelation, p.640.) Em sua primeira visão a Sra. White descreveu a "Luz brilhanteposta" na começo da vereda" rumo ao reino, como "o clamor da meia-noite". – Primeiros Escritos, p. 14.
  16. 16. Escatologia Bíblica 16 3º - A Profecia de Apocalipse 3:1-10. Os adventistas do sétimo diatêm consistentemente tomado a posição que o movimento Mileritapreenche o cumprimento desta profecia. A igreja de Filadélfia alcançouseu clímax mo grupo "que recebeu a mensagem do advento até outonode 1844, quando "todos os corações batiam em uníssono" e "egoísmo ecobiça, foram postos de lado" – Thoughts in Daniel and the Revelation,p. 395. A porta fechada e a porta aberta daquela profecia nós entendemosque signifiquem o fechamento da porta do primeiro compartimento e aabertura da porta do segundo compartimento no santuário celestial a 22de outubro de 1844. (veja Conflito dos Séculos, p. 430). Obviamente nósnão podemos aplicar esta profecia à igreja de Filadélfia a não ser quecreiamos que o movimento Milerita de fato era de Deus e apresentavaaquele estado de "amor fraternal" requerido pelo símbolo. 4º - A Profecia de Apocalipse 10: o anjo com um pequeno livro emsua mão. Esta profecia pode ser entendida somente em termos dodesapontamento Milerita. Nossa crença denominacional é a de que adoçura da Esperança em 1844, contrastada à amargura depois dodesapontamento, cumpriu a profecia a respeito do pequeno livro ser docena boca mas amargo no ventre. A declaração, "ainda profetizes arespeito", nós entendemos como predição da pregação da mensagem doterceiro anjo. (veja Thoughts in Daniel and the Revelation, pp. 527, 528). 5º - A seqüência das três Mensagens Angélicas de Apoc. 14:6-12.Esta profecia nos amarra ao movimento Milerita de uma maneira comonenhuma outra faz. Em primeiro lugar nós mantemos que o anjo deApocalipse 10 é idêntico com a do primeiro anjo de Apocalipse 14." –Ibidem pág. 521. Em seguida nós cremos que a mensagem do primeiroanjo de Apoc. 14 teve o seu mais completo cumprimento "na pregaçãode Miller e seus as associados. (Conflito, p. 368). Nós cremosigualmente que a segunda mensagem começou a ser ouvida quando os
  17. 17. Escatologia Bíblica 17pregadores Mileritas apelavam aos crentes do Advento de sair dasigrejas. (Ibid. p. 389). Nós cremos que a mensagem do terceiro anjo começou a ser ouvidalogo após o desapontamento em 1844 sob a pregação das pioneiros dosadventistas do sétimo dia. Mas nós também cremos que a terceira"seguiu-os, não para invalidá-las, mas somente para unir-se com elas". -Thoughts in Daniel and the Revelation, p. 664. Portanto nós temos realmente uma mensagem tríplice para omundo. Esta é uma só teologia Adventista do Sétimo Dia. Mas sendoque isto é assim, nós somos hoje, as pregadores de uma mensagem queconstitui o coração e a essência da pregação Milerita, adicionando-lheuma terceira mensagem e verdades relacionadas. Como poderíamos estarmais intimamente ligados com o Milerismo? Falando das três mensagensde Apocalipse 14, Tiago White disse: "A verdade e o trabalho de Deus neste movimento, começando com astrabalhos de Guilherme Miller, e alcançando a fim das provas, é ilustrado parestes três anjos... Estes anjos ilustram as três grandes divisões damovimento genuíno... "Os Adventistas da Sétimo Dia asseguram o grande movimento doAdvento (de 1844), portanto, têm utilidade para as mensagens. Eles nãopodem poupar estes elos na corrente dourada da verdade, que ligam opassado com o presente e o futuro, a mostram uma bela harmonia nogrande total. "Eu o repito. As três mensagens (angélicas) simbolizam as três partesdo movimenta genuíno." – Life Incidents, pp. 3fi6, 307. Isto está de acordo com a citação da Sra. White com respeito "astrês mensagens angélicas de Apocalipse 14. "Todos estão unidos.", eladeclara. (veja Testimonies, vol. 6, pág. 17). A inevitável conclusão disto é melhor expresso nas palavras deGeorge I. Butler. Comparando a experiência de 1844 com a nossa, elediz: "Se a experiência do advento não foi de Deus, isto não pode sar. Seaquilo foi um movimento fanático, este tem que sê-lo também. Mas se aprimeira mensagem foi um movimento profético verdadeiro, este certamente
  18. 18. Escatologia Bíblica 18o é também. A mensagem dos "três anjos" constitui apenas uma série. Elesse mantêm de pé ou caem juntos." – Review and Herald, 10 de fevereiro de1885, p. 89. (veja também sua declaração sobre a interligação das trêsmensagens em Review and Herald, 14 de abril de 1185, p. 233.) A luz das fatos históricas precedentes e as declarações proféticas,certamente sã uma conclusão é possível: os adventistas do sétimo dia sãouma extensão lógica e um desenvolvimento direto do movimentoprofético levantado por Deus na América nas primeiras décadas doséculo dezenove e conhecidos geralmente como Milerismo. Exame do Terceiro Ponto Nós chegamos agora ao terceiro ponto: Que o estuda do Milerismoiluminará nossa própria fé na imagem divina e liderança do movimentoadventista da Sétimo Dia e proverá uma resposta totalmente satisfatóriaàs acusações difamatórias feitas pelas inimigas da verdade por cem anos. Como já foi citado, o Pastor Butler declarou: "Se o movimentoMilerita foi um movimento fanático, este deve sê-lo também. Mas se aprimeira mensagem foi um movimento profético, este certamente o é."Esta declaração não somente nos liga ao Milerismo; torna imperativoque saibamos a verdade a respeito do movimento. Nossos pioneirossentiram isto completamente. Isto explica porque o Review and Heraldapresentou muitos artigos pelos anos em defesa de Miller e o movimentodo Advento dos inícios de 1840. Estes artigos são militantes eespecíficos. Veja esta declaração típica de George I. Butler: "Não houve "vestimentas de ascensão" ou quaisquer loucuras...Durante a noite quando a tempo passou houve reuniões durante toda anoite. Houve uns ajuntamentos de canalha embriagados uivando alto aoredor, tornando a noite horrível. Mas os crentes oravam muito seriamente aDeus para guardá-los, protegê-los e salvá-los". – Review and Herald, 17 defevereiro de 1885, pp, 105, 106.
  19. 19. Escatologia Bíblica 19 As mais ridículas e tolas histórias a respeito dos adventistas foramdisseminadas, e narradas tão confidencialmente que muitos creram nelas.Foi aí que surgiu e se originou a história das "vestimentas deascensão".... Jamais houve uma mentira mais ridícula e vergonhosa". –Ibid, 24 de fevereiro de 1885, p. 1210. A Sra. White defende os Mileritas A Sra. White freqüentemente se referiu ao reavivamento do espíritoque procedia de lembrar os dias passados do movimento do advento.Mas ela escreveu mais especificamente em defesa dos Mileritas contra asacusações de fanatismo. Ela mesmo sofrera sob estas acusações, pois elafoi uma Milerita. No Grande Conflito, começando com o capítulo 18,"Luz Para os Nossos Dias", ela devota vários capítulos à discussão deMiller e o despertamento do Advento no século 19, particularmente amovimento na América. Não há nada vago em seus escritos. Foi oseguinte que ela disse, em parte, para enfrentar a acusação de fanatismolançado contra Miller e seus associados: “Nos dias da Reforma, os inimigos desta atribuíam todos os males dofanatismo aos mesmos que estavam a trabalhar com todo o afã paracombatê-lo. Idêntico proceder adotaram os oponentes do movimentoadventista. E não contentes com torcer e exagerar os erros dos extremistase fanáticos, faziam circular boatos desfavoráveis que não tinham os maisleves traços de verdade. ... “De todos os grandes movimentos religiosos desde os dias dosapóstolos, nenhum foi mais livre de imperfeições humanas e dos enganos deSatanás do que o do outono de 1844. Mesmo hoje, depois de transcorridosmuitos anos, todos os que participaram do movimento e que permanecemfirmes na plataforma da verdade, ainda sentem a santa influência daquelaobra abençoada, e dão testemunho de que ela foi de Deus. “Miller e seus companheiros cumpriram a profecia e proclamaram amensagem que a Inspiração predissera, mas não o teriam feito se tivessemcompreendido completamente as profecias que indicavam o seu
  20. 20. Escatologia Bíblica 20desapontamento e outra mensagem a ser pregada a todas as nações antesque o Senhor viesse.” – O Grande Conflito, pág. 397, 402, 405. A negativa vigorosa da Sra. White contra falsas acusações contra osMileritas está em completa harmonia com o testemunho unido de todosos pioneiros. Ela sentiu muita claramente que seria uma tolice elogiarMiller e seu trabalho como de Deus, e de afirmar que os adventistas dosétimo dia surgiram do Milerismo, sem procurar libertar a mente doleitor das loucas acusações contra os Mileritas. O que a Sra. White da experiência pessoal e através de inspiraçãopodia dizer categoricamente negando as acusações de fanatismo, nóshoje podemos dizer se quisermos tornar o tempo para examinar as fonteshistóricas. Nenhuma declaração mais certa jamais foi feita de que muitashistórias circulavam sobre Mileritas "que não tinham a mais levesemelhança da verdade". Ninguém precisa ler muito nos relatóriosoriginais sem chegar à conclusão que a mais inconsciente companhia decalúnia e engano foi feita contra os crentes do advento. Nós devíamos tersabido de antemão que havia pouca verdade nas histórias fanáticas, poisaí está a declaração devastadora da Sra. White. Mas quase dominador é opoder das rumores, insinuações, e das falsas histórias. Parecem ser tãoplausíveis. A mera repetição delas parece dar-lhes o que lhes faltavaoriginalmente, a indicação de autoridade. E, podemos muito bemconfessar – eles quase enganaram a alguns dos eleitos. Sem dúvida é conveniente que tenhamos uma resposta pronta paraestas falsas histórias. Cada enciclopédia, de fato quase cada obra dereferência, declara que nós saímos do movimento do Advento de Millerde 1840, e por inferência, se não diretamente, liga-nas com o alegadofanatismo do movimento. Mas apropriado como possa ser para nóstermos uma resposta pronta, esta não é a razão porque os Adventistasdeviam conhecer a verdade sobre o Milerismo. Existe uma razão maisimportante. Nós precisamos conhecer a verdade a respeito daquelemovimento para conservar nossos próprios pensamentos limpos e nossa
  21. 21. Escatologia Bíblica 21própria fé firme na origem divina do presente movimenta do qual somosuma parte. Exame do Quarto Ponto Nós chegamos agora ao ponto quatro: o fato de sermos oriundos domovimento Milerita não requer que nós subscrevamos os pontos de vistaindividuais que podem ter sido mantidos por qualquer Milerita. Nemsequer que nós minimizamos em qualquer grau a significação dosensinos distintos desenvolvidos sob a mensagem do terceiro anjo, masantes o contrário. Seria muito errado pensar dos adventistas do sétimo dia comoestando limitados em sua ordem de doutrinas por causa de sua relaçãocom o Milerismo. Nem se exige qualquer conclusão tal pelo fato denossa conexão histórica. Um editorial no Review em 1854 torna istoclaro: “Nós não temos nenhuma idéia que Guilherme Miller possuía toda a luzem cada ponto. A vereda do justo devia brilhar mais e mais até que o diaperfeito viesse. Ele lançou torrente de luz sobre as profecias; mas o assuntodo santuário devia ser revelado ao rebanho que aguardava, no período daterceira mensagem... "Quanto às grandes doutrinas fundamentais ensinadas por GuilhermeMiller, nós não vemos razão para mudarmos nossa concepção. Nósreivindicamos toda a luz do tempo passado sobre este tema glorioso, eachamos que seja o céu. E nós alegres permitimos a providência de Deus, eao claro testemunho da Bíblia corrigir a nossa concepção sobre o santuário,e dar-nas um mais harmonioso sistema de verdades, e uma base mais firmede fé." – Review and Herald, 18 de abril, 1854, pp. 100, 101. Devia ser lembrado que Miller jantais procurou criar uma novadenominação com uma declaração de credo em toda doutrina. Antes, eleconsiderava o movimento do Advento como um apelo para estudar e crera grande verdade, a volta pessoal e breve de Cristo, no ambiente decertas profecias. O milerismo não fui uma denominação, não era
  22. 22. Escatologia Bíblica 22sinônimo de um credo. O fato precisa ser conservado claro em nossasmentes. As crenças individuais dos diversos pregadores ou leigos – eleseram virtualmente de todas as persuasões religiosas – podem ter coloridoo pensar de tais pessoas, mas estas não davam ao movimento sua correal. A verdadeira cor do movimento foi a do dourado alarido da manhãdo Advento Foi um movimento do Advento – um movimento cujocaráter distinto resultava do seu ambiente profético. Nós nunca devíamosesquecer que o próprio Milerismo estava preocupado primeiro com opropósito, maneira, e tempo do advento. A Essência do Milerismo Quando o movimento chegou ao seu clímax em 1844, o chamadopara sair das igrejas tornou-se forte e claro. Este chamado serviu parafazer o Milerismo aparecer mais claramente dos outros grupos religiosos.Assim o movimento chegou a seu clímax no dia 22 de outubro de 1844,com uma grande verdade distinguindo-o, a hora do juízo de Deus àsmãos, a primeira mensagem angélica; e com um chamado separador desair da Babilônia, a segunda mensagem angélica. Qualquer coisa alémdisto não é da essência do Milerismo. Por exemplo, quando umpreeminente Milerita, George Storrs, Apresentou seu ponto de vistasobre a natureza do homem – pontos estes que tanto nós e os dirigentesdo Adventismo do primeiro dia cremos hoje – Miller e a maioria de seusassociados se opôs à doutrina tanto por serem estranhos ao singelopropósito do movimento como por serem, como pensavam, errôneos. Se mantivermos na mente este fato histórico facilmenteestabelecido que o movimento de Miller foi um grande despertamentosobre uma verdade central no ambiente de certas profecias, e portantoem cumprimento da profecia, não temos nenhuma dificuldade emcompreender como os pioneiros dos adventistas do sétimo dia podiamescrever tão claramente como o fizeram com relação de nossa conexãocom eles, enquanto ao mesmo tempo mantendo que Deus dera aos
  23. 23. Escatologia Bíblica 23adventistas do sétimo dia certas verdades não entendidas nem pregadasno movimento Milerita. Nossos pioneiros adventistas do sétimo dia viamum significado no trabalho que se formava sob suas humildes pregaçõesdepois de 1844, primeiro e principalmente porque eles criam que era ocumprimento da terceira mensagem angélica – a terceira numa sérieligada divinamente. Eles viam a muito distinta doutrina do sábado dosétimo dia, por exemplo, no ambiente daquela terceira mensagemangélica, e declararam que somente naquele ambiente podia a força realda doutrina ser compreendida nestes últimos dias. Para Cima na Luz Crescente A mensagem tríplice, que começou como uma pregação fervorosadaquela única verdade central do Segundo Advento pessoal, e que emseguida chamou os homens a sair de Babilônia, assumiu sua completadimensão sob a mensagem do terceiro anjo, coma uma reforma em todosos assuntos de doutrina e vida na preparação para o Advento. Istoconcorda com o plano que Deus seguiu em todos os tempos, dirigindohomens â frente em luz crescente. O interesse despertado no estudo da Bíblia, particularmente dasprofecias, sob a mensagem do primeiro anjo, colocou os homens em umaposição ideal para Deus lhes dar iluminação. A separação das igrejas oslivrou do empecilho que tantas vezes impede os homens de aceitar novaluz, o temor do que os seus associados na igreja pensariam. Destamaneira Deus preparou homens para a mensagem do terceiro anjo.Examinando fervorosamente as Escrituras, certos que Deus os dirigia atéaí, e desejando seguir adiante em novas verdades, nossos pioneirosadventistas do sétimo dia procuraram a Deus com alto clamor e lágrimas.A Sra. White conta das muitas vezes que se reuniam para estudar aBíblia e para orar. "Às vezes toda a noite era despendida em soleneinvestigação das Escrituras, para que pudéssemos compreender a verdadepara nosso tempo". – Christian Experience and Teachings, p. 193.
  24. 24. Escatologia Bíblica 24 A luz veio, a verdade desdobrou-se com tal estudo e também sob oímpeto do Espírito de Profecia, um dom dado em cumprimento daprofecia. Em breve o completo significado da mensagem do terceiro anjorompeu sabre os nossos pioneiros, e juntamente com isto veia umacompreensão de outras verdades que tinham sido ou negligenciadas oudistorcidas pelos séculos. O movimento do Advento assim desenvolveuem sua forma final para preparar um povo preparada a encontrar seuDeus. Mas, como as declarações de nossos pioneiros tornamtransparentemente claro, esta fase final do movimento do Advento paraos últimos dias foi sempre vista por eles como o desenvolvimento lógicoe profético de um trabalho começado por Deus quando Ele despertouhomens para pregar a primeira mensagem angélica. Ficai Firmes no Registro O registro histórico e o testemunho de nossos pioneiros adventistasdo sétimo dia não deixam margem a uma possível dúvida concernente anossa origem e a honorabilidade e significação profética desta origem.Nós precisamos firmarmo-nos por esse registro e testemunho. Para agirde outra maneira – dar crédito a histórias tolas sobre os Mileritas, e entãoprocurar de separar nosso movimento do Milerismo para escapar àsmanchas das histórias – desmentiria o testemunho de nossos própriospioneiros, sem dizer nada dos fatos evidentes da história. Ainda maisimportante, isto removeria dos adventistas do sétimo dia sua validaçãoprofética. É – marcar isto bem – também sujaria os bons nomes denossos pioneiros adventistas do sétimo dia – pois eles foram Mileritas,como George I. Butler disse bem: "Se aquele (movimento de Miller) foium movimento fanático esse deve sê-lo também". – Review and Herald,10 de fevereiro de 1885, p. 89. E como Urias Smith declarouenfaticamente: "Toda a teoria do Advento que foi preparada, que ignoreo trabalho passado" (do então harmonioso corpo de crentes Adventistas)"antes de 22 de outubro de 1844), é um castelo no ar, uma pirâmide sem
  25. 25. Escatologia Bíblica 25base, um edifício sem um fundamento". – Ibid, 17 de Dezembro de 1867,p. 8. E o que seria senão ignorar "o trabalho passado" se procurarmosnos desassociar dele? Certamente aqui se aplica a admoestação da mensageira de Deus,que, depois de "rever nossa história passada" dos dias mileritas emdiante, declarou: "Nada temos que temer do futuro, exceto que nosesqueçamos da maneira que o Senhor nos guiou, e seus ensinos em nossahistória passada." – Life Sketches, p, 196. (Prova para apoiar os pontos cinco, seis e sete é oferecida sob"Second Advent" Objections, pp. 261-275.) Nota: Os Adventistas do Sétimo Dia e o Despertamento do Advento em Outros Países Alguém poderá perguntar: Não é verdade que o despertamento doAdvento era muito mais vasto do que o Milerismo na América, e nãodeveríamos nós colocar antes os adventistas do sétimo dia no ambientedaquele movimenta maior? Inquestionavelmente, o despertamento não seconfinou a um país. A sra. White explica isto em O Grande Conflito. Eladescreve o interesse no Advento que se desenvolveu em vários países,em maior ou menor grau, e provavelmente mais na Inglaterra que emoutros países continentais. Mas deste trabalho na Inglaterra ela escreve: “O movimento ali não tomou forma definida como na América doNorte; o tempo exato do advento não era geralmente tão ensinado.” – OGrande Conflito, p. 362. Ela acrescenta que a data de 1844 para oAdvento foi ensinado, explicando que um inglês, Robert Winter, "querecebera na América do Norte a fé do advento, voltou a seu país natalpara anunciar a vinda do Senhor", os Mileritas muitas vezes falavam dadisseminação de sua convicção profética aos vastos cantos da Terra,especialmente pela literatura. Depois de descrever a pregação doAdvento em outros países, a Sra. White continua: “A Guilherme Miller e seus cooperadores coube a pregação destaadvertência na América do Norte. Este país se tornou o centro da grande
  26. 26. Escatologia Bíblica 26obra do advento. Foi aqui que a profecia da mensagem do primeiro anjo teveo cumprimento mais direto. Os escritos de Miller e seus companheiros foramlevados a países distantes.” “A mensagem do segundo anjo de Apocalipse, capítulo 14, foiprimeiramente pregada no verão de 1844, e teve naquele tempo umaaplicação mais direta às igrejas dos Estados Unidos, onde a advertência dojuízo tinha sido mais amplamente proclamada.” – Idem, 368, 389. Ainda mais, e muito importante, a pregação em outros países nãotem os detalhes históricos que calham especificamente na maioria dasdeclarações proféticas que estivemos considerando. Por exemplo, aprofecia de Habacuque 2:2,3 encontrou seu cumprimento exato somentenos eventos do movimento Milerita. O mesmo é verdadeiro da parábolae da profecia das dez virgens, o tempo da demora, o clamor da meia-noite. O focalizarem a data de 22 de outubro de 1844, como o fim daprofecia dos 2.300 dias, pertenciam ao movimento de Miller. A profeciado livro pequeno, primeiro doce depois amargo, aplica-seespecificamente ao movimento do Advento como encontrado naAmérica. Finalmente, como a Sra. White afirma, a primeira e segundamensagens angélicas encontraram seu mais completo "cumprimento" eaplicação na América. É absolutamente apropriada para nós de vermos o adventismo dosétimo dia no molde geral do despertamento do advento em váriospaíses. Se Deus é a fonte do despertamento espiritual, porque nãodeveríamos nós aguardar que Ele despertaria corações individuais emmuitos países como o fim de todo o tempo profético se aproximasse?Mas, o fato de que existe propriamente um ambiente geral para osurgimento dos adventistas do sétimo dia não diminui de qualquermaneira o fato que existe um ambiente específico para o nossosurgimento, e este ambiente é o movimento do Advento na Américachamado Milerismo. Nós sempre cremos e pregamos, como vitais para asignificação profética de nosso movimento, que ele apareceu no tempoespecífico em cumprimento de profecias específicas. Somente no
  27. 27. Escatologia Bíblica 27Milerismo estão especificações precisas e completamente cumpridas.Este é o testemunho unido de nossos pioneiros adventistas do sétimo dia.
  28. 28. Escatologia Bíblica 28 A CONDIÇÃO HISTÓRICA DO MOVIMENTO DO ADVENTO Através de toda a nossa história as três mensagens angélicas têmsido o centro de nossas pregações. Como Tiago White declarou: "A Verdade e o Trabalho de Deus neste movimento, começando comos trabalhos de Guilherme Miller, e alcançando o fim do período deprovação, é ilustraria por estes três anjos.... Estes anjos ilustram as trêsdivisões do movimento genuíno... "Os adventistas do sétimo dia mantêm o grande movimento do Advento(de 1844), portanto têm utilidade nas mensagens.... Eles não podem deixarde usar estes anéis na corrente dourada da cidade, que une o passado como presente e o futuro, e mostram uma linda harmonia no conjunto total. "Eu o repito, as três mensagens (angélicas), simbolizam as três fontesdo movimento genuíno." Para compreender corretamente e avaliar o movimento do Adventoe sua distinta mensagem tríplice, nós devemos estudá-la não somenteem sua relação para com o mundo todo em nosso redor mas também emrelação à espécie de mundo que o precedeu. Portanto esta referência seinicia com um relatório do período precedente ao movimento doAdventismo. As Grandes Revoluções do Décimo Sexto Século A linha divisória entre o mundo medieval e o moderno, sob o efeitoreligioso, foi a Reforma Protestante do décimo sexto século. É oacontecimento mais importante (Ellen. G. White, 55, Life Incidents,(1868, ed.), pp. 306, 307), que sem dúvida, foi a nova compreensãosobre a fonte de autoridade religiosa. Os Reformadores Protestantesdisseram que as Escrituras, não a igreja, são a fonte verdadeira. Naqueles anos de início do século ocorreu também uma revoluçãocientífica. Copérnico, conhecido como o pai da moderna astronomia, foi
  29. 29. Escatologia Bíblica 29um contemporâneo de Lutero. Foi ele o primeiro homem que começouclaramente a formular a verdadeira teoria da operação dos corposcelestiais. Até aí a Terra tinha sido considerada como o centro douniverso, os homens criam que o sol, a lua e as estrelas se moviam aoredor da Terra. A primeira relação para com a teoria de Copérnico, foique ela faz com que este mundo, e o homem, parecessem muito semimportância. Os historiadores da ciência falam da revolução deCopérnico, tão grande foi o transtorno causado pelas novas idéiascientíficas. Nós veremos imediatamente que o pensamento científico,começou a influir sobre o pensamento religioso, no princípio colorindo-oe então dominando-o. Ao se iniciar o décimo sétimo século, ouviu-se a voz de Galileu, umdos fundadores da moderna ciência experimental. A idéia da experiêncianos parece tão comum, mas em seus dias era nova e revolucionária. Ométodo de estabelecer a verdade de qualquer ponto de vista, tinhaanteriormente sido por um exame de proposições filosóficas e pordeduções lógicas. Mas Galileu partiu da teoria de que o único meio deter a certeza de que uma proposição é carta, foi a de verificá-la contra asevidências dos nossos cinco sentidos . esta base primária do mundocientífico moderno aqui nos interessa porque ela gradualmente tambémveio a ser usada no âmbito religioso. A revolução religiosa não ficou confinada ao campo religioso ecientífico. Na primeira parte do décimo sétimo século viveu Descartes,pai da filosofia moderna, que rompeu com a filosofia da Idade Média,começando com a premissa maior da dúvida, em vez da fé e da crença.Desta maneira o ceticismo tornou-se dominante no campo da filosofia.Quando nos lembramos que através de todas as filosofias e da teologiado período medieval tinham estado interligadas, bem como ainda estãoentrelaçadas no pensamento católico nós podemos ver quão grande foi arevolução no mundo filosófico.
  30. 30. Escatologia Bíblica 30 O Décimo Oitavo Século Marcado pelo Racionalismo A próxima grande figura que desponta na área do pensamentocientífico, foi Sir Isaac Newton, que morreu em 1727. Cabe-lhe o créditopela formulação detalhada das leis da mecânica celeste. Pela primeiravez apresentou-se em maneira formal não somente as moções de todosos corpos celestes mas também as leis para explicar estas moções. Todoo universo ficou parecido com uma vasta maquina que operasseritmicamente, nunca falhando, cada parte movendo-se em relação aoutras partes como umas rodas e eixos de uma grande máquina. Naturalmente, este quadro do universo começou imediatamente aatingir os pensamentos dos homens em toda a parte. Para os de mentecéptica, a compreensão newtoniana do universo foi usada para apoiar umuniverso sem Deus, de teoria mecânica. O décimo oitavo século viu um rápido desenvolvimento no campoda ciência experimental. Uma das marcas distintas daquele século foi oseu desencantamento do dogma e da tradição e sua exaltação da naturezae da razão humanas. Na França o Racionalismo levou os homens ao ateísmo e ao cultoda Razão, tão dramaticamente ilustrado na Revolução Francesa. Do outro lado do Canal, na Inglaterra, e mais longe ainda, naAmérica, esta luz da falsa razão não brilhou tão encantadoramente. Nospaíses de fala inglesa os homens não se tornaram ateus, mas antesdeístas. Os deístas criam que Deus era a base da origem desta terra, e detodos sobre ela. Mas eles tão completamente criam na idéia de leisnaturais irrompíveis, que eles não podiam encontrar lugar para Deus,desde que o mundo foi posto em movimento. De maneira queinventaram a idéia de um tipo de Deus dominador ausente. Deus criara omundo e então se ausentou aos recessos turvos da eternidade paracomungar consigo, deixando o mundo correr como um relógio de corda.
  31. 31. Escatologia Bíblica 31 Em seus anos jovens Guilherme Miller foi afetado pelo deísmocético, até que, como ele confessou não estar bem certo se existia Deusou se existia qualquer plano ou propósito para o mundo. As Escrituras Minadas pelo Racionalismo A. exaltação da razão humana e a glorificação da natureza e das leisnaturais, que podem ser entendidas, ao menos em parte, pelaexperimentação, levou a questionar da necessidade da revelação.Certamente o Deus do deísmo não Se preocuparia em prover umarevelação. Ainda mais, é fácil de ver como homens que vieram a exaltara razão concluíram que a validade de qualquer revelação alegada devesseser medida em termos de se é razoável crer. Não há nada mais distinto na revelação das Escrituras do que aprofecia e os milagres. Ambos naturalmente foram duramente atingidospelos racionalistas. O ataque, plausível e militante, foi simplesmente deque é pouco razoável crer que eventos podiam ser preditos ou de quemilagres da Escritura podem ter ocorrido. Para os racionalistas dodécimo oitavo século o relatório bíblico dos milagres pareciam-se àshistórias maravilhosas encontradas em religiões não cristãs. Portanto,por que deviam crer os milagres relatados na Bíblia? Mantende emmente este argumento pois nós o encontraremos básico no pensar delíderes nominalmente cristãos, uns cem, ou mais anos depois. O próprio fato que a profecia e os milagres são dois dos pilaresprincipais que mantêm a doutrina da inspiração da Bíblia, significa queos racionalistas depunham uma estima baixa nas Escrituras quando elesnão a desprezavam totalmente. A principal das doutrinas bíblicas descontadas foi a de que ohomem está perdido em pecado sem esperança. Ao mesmo tempo osracionalistas começaram a concluir que nas descobertas que se fazia noambiente científico se encontrava a esperança para um mundo melhor.
  32. 32. Escatologia Bíblica 32 A Idéia do Progresso Mundial Aqui nós achamos as raízes da teoria da perfectibilidade do homeme do progresso inevitável do mundo que finalmente dominaria todos oscampos de pensamento. Neste ponto o filósofo francês Rousseau,aparece, declarando que o homem é intrinsecamente bom, embora mauatualmente, e que o paradoxo se explica pelo preparo errado que amaioria dos homens recebe, e o mau ambiente em que a maior parte doshomens têm que viver. Se isto fosse a verdade, então está dentro dacapacidade do homem de soltar o bem crescente que há nele e assimproduzir para si uma salvação secular própria, através da educaçãoprópria e ambiente apropriado. Os pensamentos de Rousseau entoavam com as premissas básicasdo pensamento do século dezoito, isto é, o avanço se pode encontrarexplorando a natureza e educando a mente. Enquanto tudo isto ocorria no mundo do pensamento secular, umaidéia começou a ser promovida no mundo religioso protestante que iriafinalmente colorir todo o pensamento religioso do século posterior. Umteólogo chamado Daniel Whitby, no começo do século dezoito,estabeleceu a idéia que o mundo devia se converter antes do fim dotempo, de que haveria um milênio de crescente santidade antes doAdvento. Não levou muito tempo que esta déia da conversão do mundo eum milênio de justiça precedente ao Advento foi vastamente aceito. A doutrina de Whitby foi em muitos aspectos a contraparteespiritual da idéia secular da perfectibilidade do homem e o inevitávelprogresso do mundo. Sua doutrina também marcava uma intensaseparação do princípio protestante da interpretação literal da Bíblia, eassim preparou o caminho para maiores livres manejos das Escrituras –posteriores desatenções no manejo das Escrituras.
  33. 33. Escatologia Bíblica 33 A Reação Contra o Domínio da Razão Contra o uso céptico da razão no terreno secular, e no quase igual edespido escolasticismo nas grandes igrejas do Estado, veio uma reação.No mundo religioso a reação se revelou no movimento pietista. No mundo filosófico levantou-se uma escola de pensamento quetinha seu objetivo em derrubar a supremacia da razão, que pretendia quepode ser conhecido com certeza mas o que pode ser observado eobjetivamente verificado pelos cinco sentidos. Deste desafio filosófico àrazão um escritor observou: "Agora confrontamos o novo grande clamor do idealismofilosófico, e uma de suas mais evidentes formas, que marcou a passagemde um século para outro, (do décimo oitavo ao décimo nono), e à luz doqual somente a história teológica de nosso período se torna inteligível." Este desafio ao mau domínio da razão cética foi, ao menos em parteuma tentativa de defender a religião. De fato, alguns destes filósofoseram teólogos. Mas a cura para o racionalismo que ofereciamdemonstrou ser quase tão má como a própria enfermidade, porque elapopularizou a idéia que até aí fora anátema em todos os círculosreligiosos, a idéia panteísta de Deus. Os racionalistas tinham afastado aDeus nos distantes arcanos da eternidade, quando não O aboliram. Osfilósofos procuravam trazê-Lo para perto entra vez., Mas na procura detrazê-Lo para perto eles foram ao outro extremo e fizeram-nO uma partede toda a natureza, da montanha, árvore, vale e rio. É verdade que a palavra panteísmo não é usada por esses filósofos,ou pelos teólogos que vieram gradualmente a aceitar este conceito deDeus. Em vez disso, eles falavam de um "Deus imanente." Um escritorbem descreveu a doutrina de um Deus imanente como simples "altoPanteísmo", o que significava que o Deus pessoal da Bíblia foievaporado no espírito movente e essência de toda a criação.
  34. 34. Escatologia Bíblica 34 O mesmo escritor que fala deste "mais alto Panteísmo", da seguintemaneira conclui seu exame da filosofia de Immanuel Kant e dos outrosfilósofos idealistas que o seguiram: "Nós temos que perguntar se dentro desta grande, ou ao menosimponente conjuntura de idéias se possa achar lugar para o ser pessoal deDeus e o homem que contém um lugar central através do ambienteinteiro do pensamento bíblico, e sem o qual a religião cristã poderá nemexistir nem ser concebida." Esta escola filosófica não podia deixar de influir no pensamentoteológico, porque a teologia e a filosofia tinham se relacionadotradicionalmente bem, e, como já foi dito, alguns destes filósofos eramde fato teólogos. Ainda mais, os líderes nesta escola de filosofia eramalemães, e a Alemanha já era um reconhecido centro de pensamentofilosófico. Aquele país devia tomar mais e mais a liderança no campo dateologia ao iniciar-se o século dezenove. (2. H. R. Mackintosh, Types ofModern Theology, p. 19. 3. Ibid, p. 30). O Teólogo Schleiermacher Nós não podemos terminar a discussão das forças que operaram namudança dos pensamentos religiosos dos homens no século dezoito semmencionarmos mais um nome, o do teólogo alemão Schleiermacher.Dele um escritor registra bem: “Seu trabalho no fim do décimo oitavo século abriu uma nova eranão somente em teologia como um todo, mas ainda mais claramente nainterpretação científica da religião.” Ele preocupava-se em proteger a religião do racionalismo, mas elecaiu na mesma cova como os filósofos idealistas, se de fato não foipuxado para a cova para lê-los. "A luta entre o Panteísmo e crença cristãherdada durante toda a sua vida" "Nós somos deixados mais que ametade em dúvida se ele por Deus quer dizer um ser de caráterespecífico."
  35. 35. Escatologia Bíblica 35 O escritor de quem acabamos de citar conta como as proposiçõespanteístas de Schleiermacher o levaram a manchar a doutrina bíblica dacriação. "As idéias assumidas do imanentismo, que dirigem sua mente...tornavam difícil para ele encontrar até um meio de valor em tais idéiascomo "criação do nada", ou a absoluta liberdade de Deus em chamar ouniverso à existência. A razão de fato é de que a doutrina da Criação,compreendida como a Bíblia a compreende, salienta aquela diferençaprecisa e a distância entre Deus e o homem que e o alvo do panteísmomístico ou especulativo abolir." Tão influente foi o pensamento deSchleiermacher que nós o encontramos afetando definidamente opensamento religioso aqui na América, um século depois, comodescobrirmos em tempo próprio. (4. Ibid, p. 31, 5: Ibid, p. 51, 6. Ibid, p.59, 7. Ibid, p. 81). Somemos agora as forçar; operantes ao mudarmos do décimooitavo ao décimo nono século: Forças Operantes à Abertura do Século Dezenove A investigação e descoberta científica foi gradualmente criado umaimpressão entre os intelectuais, e até certa parte entre o público em geral,que a ciência tem a chave para o futuro e tem a fórmula para determinaro que é a verdade. A idéia do valor e respeitabilidade inerente e potencial do homem,conjugada com a idéia filosófica do progresso mundial, estavavagarosamente tomando conta das mentes dos homens. Um exame crítico de todos os relatórios anteriores, conhecidospopularmente como alta crítica quando aplicados ao relatório bíblico,estava em caminho, embora tal crítica até aí tinha sido escassamenteaplicada às Escrituras. Em círculos religiosos e filosóficos umacompreensão imanente e mística de Deus e assim de todo o mundosobrenatural, estava começando a infetar o Cristianismo.
  36. 36. Escatologia Bíblica 36 Não obstante, nenhum destes pontos de vista, tinha lá pelos 1840,mudado de qualquer maneira a compreensão de Deus e da teologia cristãque o Protestantismo em geral trouxera dos tempos da Reforma. Éverdade que o Cristianismo em geral aceitara então a idéia pós-Reformada conversão do mundo, com o seu milênio de santidade terrestreprecedente ao Advento. Sem dúvida, também, as igrejas se tornaraminconscientemente manchadas com a visão mística de Deus e osobrenatural que era mantido pelos filósofos e outros. Mas, devia-serepetir, que existe um entendimento em geral entre os historiadoreseclesiásticos que até mais ou menos a metade do século dezenove, ateologia Protestante estava essencialmente sem mudança. Isto foi porduas razões: Primeiro, leva tempo para o fermento de novas idéias de mudar aforma e o caráter de alguma cousa tão grande como o Protestantismo. Segundo, a teoria darwiniana da evolução, que parecia valorizar,coordenar, e dar significação adicional a muitas das novas idéias naciência e na filosofia, não fora ainda proclamada. O Movimento Milerita Neste momento histórico tão espiritual e intelectual significativo, omovimento do Advento começou sob a pregação de Guilherme Miller, àconsideração do que nós agora nos dedicamos. Para evitar confusão, nósdenominaremos estes primeiros poucos anos do movimento do AdventoMilerismo, para o distinguir do movimento adventista do sétimo dia,que emergiu como uma entidade distinta depois de 1844. O Movimento Milerita, embora começasse com a pregação deMiller em 1831, não se tornou um movimento bem definido até 1840.Foi então que um número de outros ministros se uniram com Miller paralevar avante um trabalho conjugado. De então até 22 de outubro de 1844,o movimento cresceu intensivamente em força, até que sua mensagemfoi ouvida através de toda a América e em terras longínquas.
  37. 37. Escatologia Bíblica 37 Os oponentes teológicos do Milerismo estavam dispostos aconcordar que certas profecias bíblicas grandes se acabavam de cumprirou estavam por se cumprir, e de que uma mudança momentosa nosnegócios que o evento principal, pendente, era a vinda literal, pessoal, deCristo com juízos de fogo, pois eles criam na conversão do mundo. Omundo secular tinha de maneira mais evidente vindo a crer naperfectibilidade do homem e do progresso geral do mundo, e portantoestavam indispostos de dar ouvidos às pregações mileritas. Ainda mais, adoutrina da vinda pessoal e literal de Cristo era contrária à mística epanteísta idéia de Deus, que já ganhava um ambiente definido emcírculos intelectuais; embora não esteja claro até que ponto afetava opensamento do clero em 1940. Portanto, não é difícil ver por que apregação milerita enfrentou uma oposição tão generalizada. Pregação da Primeira e Segunda Mensagem Os Mileritas jamais deixaram de salientar o fato de que nãopregavam uma doutrina nova nem estranha, que em vez disso elesestavam recebendo a esperança e o ensino dos apóstolos e, por sua vez,dos Reformadores do décimo sexto século. Eles também declaravam quecumpriam Apoc. 4:6 e 7. Damos em seguida as palavras de um de seusmais preeminentes oradores: “Nós vemos a proclamação que foi feita, como sendo a do anjo queproclamou, „é vinda a hora de seu juízo.‟ (Apoc. 1:6 e 7). É um clamorque deve alcançar toda,s as nações; é a proclamação do „evangelhoeterno‟ ou „este evangelho do reino‟. De uma outra maneira, este clamortem ido adiante pela terra onde quer que seres humanos se encontrem, enós tivemos a oportunidade de ouvir do fato.” (itálicos supridos). Quando as igrejas quase uniformes zombavam de suas pregações,ridicularizando até a idéia da vinda literal e pessoal de Cristo, osMileritas então proclamaram: "Caída é Babilônia." Eles geralmentedeclaravam isto em termos da linguagem de Apoc. 18, e desta maneira
  38. 38. Escatologia Bíblica 38foram capazes de não somente fazer um anúncio mas de transmitir umaordem: "Sai dela, povo Meu." Porém, embora fizessem a proclamação,primeiro nos termos de Apoc. 18, eles chamaram a atenção ao fato deque a mesma mensagem em essência é encontrada em Apoc. 14:8, e queé uma mensagem que segue em seguida à de Apoc. 14: 6 e 7. Em outraspalavras, eles creram que estavam proclamando o que nós descrevemoscomo a primeira e segunda mensagens angélicas. Em sua denúncia dasigrejas como Babilônia, elas tornaram central na acusação o fato de queao igrejas assumiram uma visão espiritualizada das Escrituras, e destamaneira vaporizavam a grande verdade da vinda literal de Cristo. Na controvérsia Milerita com as igrejas com respeito àespiritualização, nós encontramos em embrião, toda a controvérsiaadventista com as igrejas sobre sua espiritualização das mais literaispassagens da Escritura. Depois de 22 de outubro de 1844, o movimento próprio de Miller sedissolveu antes que qualquer questão séria fosse levantada sobre aterceira mensagem de Apocalipse 14. O Surgimento dos Adventistas do Sétimo Dia Entre os grupos mileritas divergentes e perplexos no princípio de1845, encontrava-se alguns que estavam completamente persuadidos quenão havia engano na interpretação básica da profecia, de que 1844 era ogrande ano, e que eles apenas se apegassem à sua fé e pedissem aoSenhor por luz, eles em breve veriam onde o engano particular seencontrava e poderiam continuar dali, construindo sobre os fundamentosjá postos. Este pequeno grupo, pequeno e mal definido, foi o núcleo doMovimento Adventista do Sétimo Dia. (8. Josias, Litch em AdventShield, nº 1, (1844), págs. 86 e 87). Como este pequeno grupo foi corrigido em sua compreensão dosignificado do santuário é tão bem conhecido dos Adventistas para serdiscutido aqui. Bem conhecida era também a história de como a verdade
  39. 39. Escatologia Bíblica 39do sábado, o sétimo dia, foi levada ao grupo de crentes adventistas, emWashington, New Hampshire, por uma Batista do Sétimo Dia, RachelPreston. Mas o que parece não ser tão bem conhecido é de como averdade do sábado se ancorou na mensagem do terceiro anjo, e por suavez, se tornou central à pregação profética dos adventistas do sétimo dia. Em poucas palavras a história é a seguinte: Em 1846, José Bates,um dos pertencentes ao pequeno grupo original que constituía nossospais espirituais, escreveu um folheto a favor do sábado, o sétimo dia.Naquele folheto ele usa o simples e elementar argumento em favor dosábado, isto é, de que fora estabelecido na Criação, e reafirmado no Sinaipor ser incluído nos Dez Mandamentos, que são o código moral paratodos os homens em todos os tempos. Naquele mesmo folheto ele serefere rapidamente à ponta pequena de Daniel 7, que pensaria em mudaros tempos e as leis, especialmente a lei do sábado. Ele pergunta aoscrentes do Segundo Advento, o grupo para quem o folheto foipreparado, porque eles não duvidariam desta parte da profecia de Daniel,sendo que tinham tão grande confiança em todas as visões de Daniel. Na segunda edição deste folheto, publicada em janeiro de 1847,Bates expande o argumento profético pelo sábado unindo a citação deDaniel à declaração de João em Apoc. 14:9-11. Ao fazê-lo ele conseguiuduas coisas: proveu um novo argumento pelo sábado e um novoargumento contra o domingo. Ele realmente fez muito mais do que isto,quando ele e seus associados na observância do sábado logocompreenderam. Ele deu uma interpretação às palavras de João emApocalipse 14:9-11, que qualificou os remanescentes observadores dosábado do Milerismo de sair a outros crentes do Advento com o apeloque era mais ou menos assim: Todos nós durante o movimento Mileritacríamos que Deus nos proveu para pregar a mensagem do anjo de Apoc.14: 6 e 7. Todos nós oramos que Deus nos chamou também para pregar amensagem de Apocalipse 14:8. Mas por que devíamos nós estacionarcom estas duas passagens quando a Bíblia revela claramente que umaterceira seguirá? Não é esta terceira uma verdade presente e sensível para
  40. 40. Escatologia Bíblica 40estes dias que seguem imediatamente a 1844, e não deveríamos crer nelae em seguida proclamá-la? Assim José Bates e seus associados apelavam aos Adventistasobservadores do domingo. Em geral suas respostas eram que nãoestavam mais certos das mensagens do primeiro e segundo anjos, eportanto como poderiam eles esperar de ter certeza sobre a terceira? Foi esta crescente atitude de descrença da parte de outrosadventistas que levaram Tiago White a afirmar: "Nós pretendemos estarna fé adventista original." Naturalmente, nossos pioneiros declaravamque outras pessoas adventistas, por causa de suas dúvidas quanto àprimeira e segunda mensagem, se não sua renúncia delas, tinham"abandonado a fé original." (No The Advent Review aquelas quatropalavras estão em grandes letras maiúsculas). É evidente, portanto, que desde o começo este movimentoadventista do sétimo dia considerou como básico e central suas crenças eas suas pregações da terceira mensagem dos anjos de Apoc. 14:6-11. Ponto de Vista Restrito no Início Com Respeito à Mensagem do Terceiro Anjo Para manter claro o relatório histórico, deveria ser lembrado depassagem que no princípio nossos antepassados espirituais consideravama primeira e a segunda mensagens como tendo sido dadas, no sentido queelas tinham sido completamente cumpridas, e assim não deviam mais seruma parte da pregação Adventista. Este ponto de vista é compreensívelao nos lembrarmos o que criam sobre três fatos importantes. 1. Eles criam que a fase investigativa do juízo, que precede oadvento de Cristo, era a fase do juízo executivo, e seria excessivamentebreve. Assim, a "hora do Seu juízo" poderia ser considerado comodescrevendo primeiro a vinda de Cristo em glória. Esta mensagem oshomens tiveram ampla oportunidade de ouvir e agir. Se não tivesse sidopregada em toda a extensão da América e nos países distantes?
  41. 41. Escatologia Bíblica 41 2. A mensagem do segundo anjo era considerada como de um fatototalmente cumprido, que Babilônia caíra, e num determinado ponto dahistória, em 1844. 3. O mundo em geral tinha passado seu dia de graça, misericórdia –a porta da oportunidade estava fechada. Daí nossos antepassados espirituais criem que eles deviam focalizara terceira mensagem, e consistentemente eles criam bem no própriocomeço que eles deviam proclamar esta mensagem aos companheirosadventistas, que não estavam sob a condenação do segundo anjo, e queeram inteiramente conhecedores com o relato, alcance da primeiramensagem angélica. (9. Review and Herald, April, 18, 1844, p. 101. 10.Ibid., Aug. 1850, nº 1, p. 1). A Verdadeira Medida da Tríplice Mensagem Mas o valor e a importância da tríplice mensagem não deve sermedido apenas da parte de nossos pais, mas por um estudo das própriasmensagens, e então, por sua vez, por uma comparação das declaraçõesproféticas destas mensagens com os eventos decorridos. Não nosesqueçamos que nós cremos que as três mensagens angélicas sãodeclarações proféticas relacionadas com os eventos dos últimos dias.Portanto, os anos que decorressem proveriam prova maior oudesaprovariam as declarações que os adventistas tinham sempre feito,que as mensagens são aquelas mais necessitadas pelo mundo nos últimosdias. Em outras palavras, a pretensão do movimento adventista que foiiniciado por Deus para pregar uma mensagem diferente e muitoapropriada para as últimas horas da história terrena devia encontrar suavalidez nos eventos da história que deviam ocorrer desde o dia de nossaprimeira pregação em 1840 até a última hora da história terrestre. Deus jamais é surpreendido. Ele não espera pôr em andamento ummovimento ou a mensagem longamente após o tempo em que é preciso;antes Ele o põe em movimento para antecipar uma necessidade. Desta
  42. 42. Escatologia Bíblica 42maneira, os desencadeantes eventos da história, como se enquadram namensagem profética de Deus provêem de uma validez convincente, poiseles revelam a previsão divina dAquele que deu a mensagem. Têm oseventos que se transformam desde 1844, até ao nosso tempo providoapoio às nossas predições proféticas baseadas em Apocalipse 14, e nossadeclaração que a nossa mensagem, portanto, é mais apropriada everdadeira hoje do que jamais poderia ter sido antes? Esta é plenamentea questão diante de nós, e é por isto que eu intitulei meus estudos, "ACrescente Propriedade de Tempo da Tríplice Mensagem." Doutrinas e Profecias Apresentadas na Tríplice Mensagem Não obstante, antes de eu apresentar um esboço dos anos de 1844ao presente, me permitam apresentar as doutrinas e predições proféticasque são ou explícitas ou implícitas na tríplice mensagem: 1º - Deve-se proclamar uma mensagem nos últimos dias da históriaterrestre, mensagens que não é um evangelho novo, nem uma fórmulapara salvação, mas "o evangelho eterno". Evidentemente será necessáriosalientar muito especificamente este evangelho eterno, a fim deencontrar algum item que deve se desenrolar nos últimos dias da históriaterrestre. 2º - Existe um chamado aos homens para que adorem, não a umDeus panteísta, nem um Deus evolucionista, nem um Deus místico, maso Deus Criador, os homens devam "temer a Deus... e adorar Aquele quefez os céus e a terra." Evidentemente existe a necessidade nos últimosdias para salientar uma grande verdade elementar, com respeito ànatureza, o caráter e a autoridade de Deus. 3º - Uma mensagem deve ser dada anunciando um clímax à históriada terra, e isto sem demora. Mas o clímax deve ser em juízo, rápido edecisivo, não em transição imperceptível de santidade pela conversãouniversal. Nós podemos corretamente aqui unir os juízos investigativo eexecutivo, ao considerarmos a última importância desta mensagem do
  43. 43. Escatologia Bíblica 43juízo. Em outras palavras, deve haver uma grande necessidade de pregaruma verdade particular com respeito ao caráter dos eventos que estão nofim do caminho, que os homens podem saber definitivamente o que estáÀ FRENTE. Existe a necessidade de apresentar o que teólogosdescreveriam como uma escatologia finamente preparada, uma doutrinadas últimas coisas, uma doutrina do juízo e do Advento. 4º - Esta mensagem de que a hora do juízo de Deus é vinda, temimplícita em si, a mensagem que Cristo vem a segunda vez,pessoalmente, externamente e em breve. Foi somente quando homenscomeçaram a aceitar a doutrina da conversão do mundo e um milênioterrestre que eles permitiram que a doutrina da vinda literal de Cristo seapegasse em suas mentes. As Escrituras sempre uniram conjuntamente ofato de final juízo de Deus com a vinda pessoal de Cristo. Não é umaextensão sem garantia do texto dizer que a mensagem da hora do juízo étambém a mensagem da vinda literal de Cristo pela segunda vez. 5º - Mas esta mensagem do juízo que focaliza nossas mentes noclímax da história da terra também leva o nosso olhar diretamente aosantuário nos altos céus, para verificar a maneira em que o trabalhoexpiador de Cristo pelo pecado é executado. Evidentemente deve haveruma necessidade grande e crescente nos últimos dias da história da terrade trazer aos homens uma clara compreensão da realidade do pecado emostrar que nós podemos ser purificados dele. A mensagem conta com ofator tempo; ela começa em 1844. 6º - Está implicado nesta tríplice mensagem um chamado paraguardar a santa lei de Deus, pois o chamado de "temer a Deus", à vistado juízo, pode apropriadamente ser relatado em termos de Ecl. 12:13 e14: "De tudo o que se tem ouvido, a suma é: Teme a Deus, e guarda osSeus mandamentos; porque este é o dever de todo o homem. PorqueDeus há de trazer a juízo todas as obras até as que estão escondidas, quersejam boas, quer sejam más." Aqui temos uma mensagem de explícitaobediência a uma norma moral claramente definida.
  44. 44. Escatologia Bíblica 44 Esta conclusão razoável que um chamado para guardar a lei deDeus é implícita na tríplice mensagem, é reforçada pela descrição dossantos de Deus que é apresentada imediatamente seguido o anúncio datríplice mensagem: "Aqui está a perseverança dos santos, os queguardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus." Apoc. 14:12. A Mensagem do Segundo Anjo 7º - Uma mensagem deve ser dada de que as organizações religiosascaíram espiritualmente, caíram do alto nível espiritual no qual deviamandar, caíram das grandes verdades cardeais que deviam distinguir osseguidores de Cristo. Vai além dos limites desta preleção apresentar aevidência que Babilônia descreve as igrejas caídas. Este ponto eu possote como certo ao dirigir-me a um auditório adventista. Que esta queda de Babilônia é progressiva pode ser concluído dofato que a mensagem é repetida em Apoc. 18, mas com ênfase elevada enovos detalhes. Embora o primeiro e o terceiro anjo de Apoc. 14, sãomencionados como clamando em uma "alta voz", o segundo anjo não éassim descrito. Eu não salientaria este ponto, embora seja um fatointeressante que os nossos pioneiros fizeram. E, por contraste, elestambém salientaram o fato que o anjo de Apocalipse 118, tinha "grandepoder", e a terra é "iluminada por sua glória", e "ele clamou fortementecom uma voz alta." Embora Babilônia tenha caído, ela contém muitos do povo de Deus.A tarefa dos que proclamam a segunda mensagem, é a tarefa de chamarhomens para fora. Evidentemente as condições no mundo religiosodevem se desenvolver para que haja a necessidade de ressoar nos dias àfrente, um novo e mais alto clamor que nunca tenha sido feito antes:"Caiu, caiu Babilônia," "Sai dela, povo Meu."
  45. 45. Escatologia Bíblica 45 A Mensagem do Terceiro Anjo 8º - Existe explícita uma advertência contra o culto dominical.Outra vez posso dizer, parenteticamente, que vai além do ambientedestas conferências mostrar que a marca da besta é o culto ao domingo.Isto eu devo poder considerar entendido ao dirigir-me a uma conferênciade ministros adventistas. 9º - Existe implícito na tríplice mensagem um chamado paraguardar o santo sábado de Deus, o que é evidente por duas razões: (1)Nós já descobrimos que existe implícito o chamado para guardar a santalei de Deus, que inclui o sábado; e, (2) se devemos advertir os homenscontra a observância do sábado errado, é evidente que a nossa mensagemnão está completa até que tenhamos apresentado a mensagem doverdadeiro sábado. 10º - A Tríplice Mensagem apresenta cinco profecias: a) Que Roma e os Estados Unidos estarão dominando. Não nosesqueçamos que em toda a discussão da terceira mensagem nós devemospensar dela em relação ao décimo terceiro capítulo de Apocalipse, pois abesta, e a imagem da besta, mencionados em Apocalipse 14:9,encontram a sua explicação no décimo terceiro capítulo. De fato, é noverso 16 daquele capítulo que nós primeiro achamos uma referência damarca da besta. Portanto, vendo a terceira mensagem angélica nofraseado do décimo terceiro capítulo, nós estamos certos ao declarar quea terceira mensagem contém uma profecia que nos últimos dias Roma eos Estados Unidos estarão dominando nos negócios mundiais. b) Que o Protestantismo estará dominando nos negócios dosEstados Unidos. c) Que o Protestantismo estará, de alguma maneira ao menos,unido. Obviamente, se o Protestantismo deve adquirir uma posiçãodominante nos negócios da nação, ele deve apresentar uma frente bemmais unida do que foi a de 1844. Naquele tempo o marco de destaque do
  46. 46. Escatologia Bíblica 46Protestantismo nos Estados Unidos, como em outra parte, foi a suaqualidade divisória e guerreira. d) Que haverá uma cooperação unida entre Roma e os EstadosUnidos. Como poderia a segunda besta de Apocalipse 13 chamar oshomens a fazer uma imagem à primeira besta, que recebeu e serecuperou da ferida mortal, a não ser que houvesse um entendimentoúnico entre eles? E é da besta e de sua imagem que o terceiro anjo fala. e) Que nos últimos dias o Sábado do Sétimo Dia terá umsignificado como um sinal de aliança com Deus. O contexto claramenteo implica. Eu não creio ter passado os limites da dedução razoável daspalavras da Escritura, no que eu aqui tenho dito à medida que asdoutrinas e declarações proféticas, ou explícitas ou implícitas na tríplicemensagem. De fato, creio que estou apenas relatando a posiçãoadventista há muito tempo estabelecida e a interpretação destasmensagens. Nossos pioneiros brevemente compreenderam que a tríplicemensagem contém as proposições aqui enumeradas, o que significa queeles rapidamente que a sua primeira vaga concepção da primeira esegunda mensagem angélica como estando no passado, estava errada, aque em vez disto, o primeiro anjo é seguido pelo segundo e então peloterceiro, não no sentido mensagens completas separadas, mas antes nosentido de uma mensagem que aumenta, crescendo em volume etornando-se tríplice em caráter. Assim eles rapidamente viram que todasas três mensagens têm significado e tempo determinado até o fim dahistória da terra. Muito particularmente, eles vieram com o tempo aentender que a queda de Babilônia é progressiva, o que importava emcolocar no futuro o dia de sua completa queda ou apostasia total.
  47. 47. Escatologia Bíblica 47 Tríplice Mensagem Muitas Vezes Pregada em Ambiente Limitado Demais Que esta tem sido nossa crença desde os mais primitivos temposé evidente de nossa literatura. Porém, um exame daquela literaturaatravés dos longos anos até agora, revelará, eu creio, essencialmente istocom respeito a nossas pregações das três mensagens: 1º - Nós geralmente apresentamos a mensagem do primeiro anjo emuma maneira um tanto restrita, isto é, simplesmente em apoio da doutrinado juízo investigativo, que devia começar no fim do período dos 2.300dias. 2º - Nós apresentamos a mensagem do segundo ano especialmenteem termos de queda das igrejas em 1844, e em termos de certas provasde apatia espiritual imediatamente subseqüente a isto. E eu poderiaadicionar que estas provas de apatia espiritual nos anos subseqüentes a1844, têm muitas vezes sido de um caráter vago e geral; em outraspalavras, uma espécie de acusação geral das igrejas como faltandovitalidade e vigor espiritual. De fato, nossa literatura, particularmente emdécadas recentes, parece conter relativamente pouco sobre a mensagemdo segundo anjo, comparado com o primeiro e o terceiro. Um exame dosassuntos titulares de muitos evangelistas por um número de anos temimpressionado em mim a mesma conclusão. 3º - Através dos anos nós temos apresentado inquestionavelmente aterceira mensagem angélica de maneira militante e diretamente. Porém, amaior parte de nós apresentavam-na quase exclusivamente em termossimplesmente de guardar o "sétimo dia", como a Lei de Deus manda emvez de guardar o dia como o papado manda. Agora tudo isto é bom até o ponto que alcançou, mas nestas trêsmensagens estão predições proféticas para os últimos dias, e se apregação adventista com Apoc. 14:6-11 como apoio deve tornar-se cadavez mais apropriada a nosso tempo, do que os anos que passam deviamter nos levado a dar força aumentada e largura e exatidão a nossas
  48. 48. Escatologia Bíblica 48pregações destas três mensagens angélicas. Não posso escapar daconvicção, que nós não temos exposto a tríplice mensagem com aamplitude crescente que os eventos que mudam nos anos garantem. O que estes eventos que mudam têm sido, e como estãorelacionados às mensagens tríplices, eu agora vou procurar expor. Pregando a Tríplice Mensagem Mais Completamente A fim de apresentar um ambiente histórico adequado para umaavaliação da tríplice mensagem, é necessário adicionar à nossainvestigação da apostasia religiosa uma investigação de certosdesenvolvimentos dos tempos modernos. Eu penso em três que implicamno aspecto profético da tríplice mensagem: 1) a tendência para a uniãoda igreja, 2) o poder crescente Roma, 3) o declínio da liberdade nomundo. Consideremo-los em ordem: 1) A Tendência para a União da Igreja: Primeiro, a tendência para a união da igreja. As diferenças empontos de vista doutrinários eram em grande parte responsáveis pelascorporações religiosas separadas do Protestantismo. Mas quando a Bíbliacomeçou a perder seu status único como um livro inteiramente inspirado,as igrejas começaram a perder o interesse nas doutrinas. E ao diminuirtal interesse, resultou um certo tipo de tolerância entre as igrejas, umatolerância que surgiu do sentimento que não havia nada realmentemerecedor de lutas no terreno doutrinário. Com os muros doutrinárioscaindo entre as denominações, o maior dos obstáculos à união dasigrejas, caiu. Então veio a grande depressão, com dias mais escuros a seguir, paraapressar a tendência a favor da união das igrejas. Os eclesiásticoscomeçaram a apelar pela união visando assegurar para a cristandade umaforça adicional para encontrar os males ameaçadores do que começarama descrever como uma nova Idade Escura.

×