ESTRUTURALISMO
X
PÓS-ESTRUTURALISMO
Fundamentos da Linguística
Profª Drª Maria de Lourdes
LER
É

um processo cognitivo complexo das
informações que produz interacionalmente
conhecimentos novos para o leitor. (Si...
O ESTRUTURALISMO
Estruturalismo Europeu)



Estudo UNIDISCIPLINAR da
linguagem privilegiando a língua
para defini-la.


...




A língua é vista como um
sistema ideal e abstrato (langue)
ou como o conhecimento de
todas as regras gramaticais
(co...




Os níveis de descrição do
sistema da língua e os
componentes geradores
transformacionais e
supercializadores são
ord...
Síntese




O paradigma atual é pós-estruturalista e ao privilegiar
a produção textual e discursiva atribui à língua,
en...
Síntese




O paradigma atual é pós-estruturalista e ao privilegiar
a produção textual e discursiva atribui à língua,
en...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Estruturalismo xpós estruturalismo

126 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Estruturalismo xpós estruturalismo

  1. 1. ESTRUTURALISMO X PÓS-ESTRUTURALISMO Fundamentos da Linguística Profª Drª Maria de Lourdes
  2. 2. LER É um processo cognitivo complexo das informações que produz interacionalmente conhecimentos novos para o leitor. (Silveira, 1998:137)  Nesse sentido, o ato de ler é objeto de estudo de diferentes disciplinas, embora durante muito tempo, tenha sido considerado como a capacidade humana de decodificar letras e palavras, a partir do conhecimento linguístico que um usuário tem de sua língua.( Palma: 1998: 39)
  3. 3. O ESTRUTURALISMO Estruturalismo Europeu)  Estudo UNIDISCIPLINAR da linguagem privilegiando a língua para defini-la.  É o estudo da língua vista como uma estrutura, que se define por uma gramática, ou seja, um conjunto finito de regras capaz de dar conta da infinita combinatória existente na fala. PÓS-ESTRUTURALISMO  Estudo inter/multi/trans/disciplinar da linguagem, privilegiando a textualidade, a intertextualidade e a argumentatividade.  É o estudo da linguagem, enquanto processo de produção, no uso efetivo da interação do "eu" com o "tu" a respeito de um "ele" num "aqui/agora"
  4. 4.   A língua é vista como um sistema ideal e abstrato (langue) ou como o conhecimento de todas as regras gramaticais (competência) de um falante ideal e abstrato, portanto, a língua é. Com o método indutivo ou dedutivo, atinge-se a descrição de elementos da língua, generalizando-os por regras gramaticais  A linguagem é vista no seu uso efetivo de interação comunicativa, onde a língua está.  Com hipóteses interdisciplinares, deduz-se o processo de produção a partir de usos efetivos pragmáticos, construindo-se modelos de textos e de discursos. O texto é visto tanto como um produto manifestado oral ou escrito, quanto um processo cognitvo de produção de mensagens, que transmitem conhecimentos e intenções. O discurso é a prática social das relações humanas que requer uma visão política e cultural para a produção de sentidos.  
  5. 5.   Os níveis de descrição do sistema da língua e os componentes geradores transformacionais e supercializadores são ordenados de forma estanque, ou seja, ou o estudo é sintático ou é mórfico; ou é semântico ou é fonológico. Não há misturas. Cada disciplina se instaura em sua unidisciplinaridade, e ao signo linguístico atribui-se o significado lingüístico, ou seja, a verdade por definição.  A transdisciplinaridade impede uma visão estanque e a semântica está presente no texto em seu co-texto e em seu contexto. Os estudos são sintático/semântico/mórfico/fo nológico, postulando-se que mesmo o nível sonoro não é isolado, não existindo, portanto, níveis, pois cada elemento por menor que seja (vogal, silêncio, entonação...) só se explica por hierarquias mais altas relacionadas com propósitos e com intenções.
  6. 6. Síntese   O paradigma atual é pós-estruturalista e ao privilegiar a produção textual e discursiva atribui à língua, enquanto código, uma gramática, mas ao texto e ao discurso a produção de sentidos por estratégias e não por regras gramaticais. Todo texto deve ser lido em sua completude ainda que seu co-texto de produção oriente para um consenso, pois os sentidos ao serem produzidos explicitam por inferências (conhecimentos adquiridos), as implicaturas de língua ,que são características da língua (cada lexia é um recorte que designa um ângulo do conjunto referencial semântico), implicaturas do discurso (princípio da cooperação orientados por propósitos e intenções + o que se quis dizer com aquilo.)
  7. 7. Síntese   O paradigma atual é pós-estruturalista e ao privilegiar a produção textual e discursiva atribui à língua, enquanto código, uma gramática, mas ao texto e ao discurso a produção de sentidos por estratégias e não por regras gramaticais. Todo texto deve ser lido em sua completude ainda que seu co-texto de produção oriente para um consenso, pois os sentidos ao serem produzidos explicitam por inferências (conhecimentos adquiridos), as implicaturas de língua ,que são características da língua (cada lexia é um recorte que designa um ângulo do conjunto referencial semântico), implicaturas do discurso (princípio da cooperação orientados por propósitos e intenções + o que se quis dizer com aquilo.)

×