SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 39
Estresse no Trabalho
DR. ANTONIO RICARDO NAHAS
O que é o estresse?
 As primeiras referências à palavra “stress”, com significado de “aflição” e
“adversidade”, datam do século XIV.
 No século XVII, o vocábulo de origem latina passou a ser utilizado em
inglês para designar “opressão”, “desconforto” e “adversidade”.
O que estas imagens têm em comum?
A Borboleta
 Podemos evitar o estresse?
 “Não podemos e não devemos evitá-lo. Segundo os especialistas, ausência de estresse é morte.
Cientistas na França fizeram experimentos com lagartas de borboletas, retirando cuidadosamente
as camadas externas de seus casulos para ver se aceleravam o tempo até a borboleta emergir. Não
só as borboletas não saíam mais rapidamente, como elas jamais saíam. Morriam todas! Eles se
deram conta de que lutar para sair do casulo estimulava a secreção de certas enzimas no corpo da
lagarta para finalmente torná-la uma borboleta. Sabe-se também que estudantes cujo organismo
secreta mais adrenalina durante as provas obtêm melhores notas. Mas existe estresse bom e
estresse ruim. O que se busca é o bom.”
Susan Andrews
Tipos
 Estresse positivo (eustress): tensão com equilíbrio entre esforço, tempo,
realização e trabalho;
 Estresse negativo (distress): tensão com rompimento do equilíbrio
biopsicossocial por excesso ou falta de esforço, incompatível com tempo,
resultado e realização.
Como Transformar o estresse em algo
favorável?
 Segundo a neurociência, nossos estados emocionais são acompanhados por reações das
moléculas de emoção: os neurotransmissores e os hormônios.
 Em cada célula do corpo há inúmeros receptores para essas substâncias. Numa situação de curto
prazo, a adrenalina mobiliza a reação de lutar ou fugir. Ela gera uma disposição proativa, ajuda a
mente a ganhar foco e reforça o sistema imune.
 O estresse se torna ruim quando é de longo prazo e sem pausa para recuperação ou quando a
pessoa reage de forma hostil às situações. Nos dois casos, a adrenalina não é suficiente e o corpo
precisa secretar cortisol. Em excesso, ele é um veneno para o organismo, pois enfraquece o
sistema imunológico e causa a morte de células cerebrais.
 Está diretamente ligado à violência e num estado de raiva, o corpo libera 40 vezes mais cortisol
que o normal. Quem vive com altos níveis de cortisol tem cinco vezes mais chances de morrer
precocemente.
SAG: Síndrome Geral da Adaptação
 Hans Selye, médico endocrinologista, fez estudos sobre o estresse na
área da saúde;
 SAG é o conjunto de todas as reações gerais do organismo que
acompanham a exposição prolongada do estressor”.
Estágios:
 1ª- FASE DE ALARME:
 O organismo tem uma excitação de agressão ou de fuga ao estressor, que pode ser entendida
como um comportamento de adaptação.
 Nos dois casos, reconhece-se uma situação de reação saudável ao estresse, porquanto
possibilita o retorno à situação de equilíbrio após a experiência estressante.
 Essa fase é caracterizada por alguns sintomas:
 taquicardia, tensão crônica, dor de cabeça, sensação de esgotamento, pressão no peito,
extremidades frias, dentre outros.
 2ª- FASE DE RESISTÊNCIA:
 Havendo persistência da fase de alerta, o organismo altera seus parâmetros de
normalidade e concentra a reação interna em um determinado órgão-alvo,
desencadeando a Síndrome de Adaptação Local (SAL).
 Nessa fase, ocorre a manifestação de sintomas da esfera psicossocial como ansiedade,
medo, isolamento social, roer unhas, oscilação do apetite, impotência sexual e outros.
 3ª- FASE DE EXAUSTÃO: O organismo encontra –se extenuado pelo
excesso de atividades e pelo alto consumo de energia.
 Ocorre, então, a falência do órgão mobilizado na SAL, o que se manifesta
sob a forma de doenças orgânicas.
 Os sinais e sintomas que ocorrem com maior frequência de nível físico são: aumento da sudorese,
tensão muscular, taquicardia, hipertensão, aperto da mandíbula, ranger de dentes, hiperatividade,
náuseas, mãos e pés frios.
 Em termos psicológicos, vários sintomas podem ocorrer tais como: ansiedade, tensão, angústia,
insônia, alienação, dificuldades interpessoais, dúvidas quanto a si próprio, preocupação excessiva,
inabilidade de concentrar-se em outros assuntos que não o relacionado ao estressor, dificuldade de
relaxar, ira e hipersensibilidade emotiva.
 Obs. Sete em cada dez brasileiros relatam estresse no trabalho. Destes, quatro desenvolvem a
síndrome de Burnout caracterizada por esgotamentos físico e mental.
Assédio Moral
Causas do estresse no trabalho
 Altas cargas de trabalho;
 Cargas de trabalho insuficientes. O colaborador se sente subutilizado;
 Falta de controle sobre as atividades;
 Bullying ou perseguição;
 Falta de ajuda interpessoal podendo levar a uma sensação de isolamento;
 Ambiente de trabalho com deficiências de iluminação, excessos de calor ou de frio,
barulho, assentos poucos confortáveis, equipamentos que não funcionam e etc.
 Obs. Ter que trabalhar sob pressão é a principal causa do estresse no trabalho.
Estresse Cibernético
“Technoestress”
O inimigo está dentro?
Atitude
 A velha noção de que situações específicas são estressantes por si mesmas tem
sido contrariada por novas pesquisas, que mostram que esse estresse não é algo
de fora.
 A reação do nosso corpo depende muito mais das avaliações que fazemos de um
determinado evento da vida.
 Tudo depende da maneira como interpretamos e nos relacionamos com o mundo
ao redor.
 Você é o tipo A?
Tipo A
 Sempre com pressa,
fazendo várias coisas ao
mesmo tempo;
 Altamente competitivo e
hostil.
 Propenso à ataques
cardíacos.
Personalidade Resistente ao Estresse
 As mudanças são desafios e não ameaças;
 Otimistas;
 Fracassos não , lições.
 Dedicação a uma meta maior;
Qual a diferença entre o carvão e o
diamante?
 O diamante foi mais pressionado!
 O problema não é o fato que causa o estresse, mas a maneira como nós
respondemos à ele.
As defesas do ego
 Que projeções eu faço?
 Que expectativas crio?
 O que idealizo?
 O que escondo de mim mesmo (sombra)?
É preciso ser uma pessoa zen para
não reagir as emoções negativas?
Precisamos treinar para não alimentar
essas emoções. O problema não é a
causa do estresse - colegas de trabalho
antipáticos, problemas em casa, falta
de dinheiro, mas a nossa reação a ela.
Simplesmente recordar durante cinco
minutos uma situação de raiva ou
hostilidade pode causar a secreção
excessiva de cortisol. Isso baixa o nosso
sistema imune por seis horas.
 E o que fazer para baixar as taxas de cortisol?
 Há técnicas naturais que ajudam a manter as suprarrenais sob controle, recondicionando-as
para que não secretem esse hormônio em excesso.
 SPA no trabalho:
Realizar, por alguns minutos e várias vezes ao dia, a técnica da respiração diafragmática.
Quando o diafragma é mobilizado na respiração, estimula o sistema nervoso parassimpático,
que produz a 'Resposta de Relaxamento', oposta à 'Resposta do Estresse'.
 Sugestões:
 A primeira é fazer pequenas pausas ao longo do dia para respiração diafragmática (pode ser
em qualquer lugar: na mesa de trabalho ou até parado no trânsito). É preciso imaginar que
ao inspirar absorvemos energia para as células e ao expirar liberamos o cansaço e as toxinas.
 A segunda é indicada para momentos de estresse ou conflito: devemos focar no coração e
respirar, sentindo a força do amor e da compreensão, que pode superar qualquer onda
negativa.
 A terceira é procurar qualquer oportunidade de servir alguém, porque esta é uma das
formas mais nobres de evolução pessoal e de saúde física.
Como ativar a resposta de relaxamento?
 Para aprender a ativar a "resposta de relaxamento", nós precisamos ser capazes
não apenas de ativar o sistema nervoso parassimpático, mas simultaneamente, de
diminuir o nível de hormônios de estresse que, em altas concentrações, são um
tipo de auto envenenamento.
 Indicações: yoga, acupuntura, relaxamento, meditação, atividades físicas e
psicoterapia.
 Uma das práticas mais eficazes para estimular a "resposta de relaxamento" e aliviar o estresse é o
relaxamento profundo, desenvolvido por antigos sábios ao observarem o sono restaurador dos
animais hibernantes.
 A meditação alivia o estresse e energiza porque ajuda no revigoramento do sistema nervoso,
diminuindo rapidamente a secreção dos hormônios do estresse.
 Finalmente, o alimento que ingerimos afeta tremendamente o nosso nível de estresse. Devemos
evitar uma dieta rica em gordura animal (carne, peixe, ovos).
 O excesso de colesterol desses alimentos, combinado com o excesso de colesterol liberado pelo
fígado [...] pode formar placas de gordura e provocar arteriosclerose, hipertensão e ataque
cardíaco.
As Patologias do Tempo: Cronos ou
Kairós?
 Cronos: o que se produz no tempo. É o tempo quantitativo, da produção, medido com as
batidas do relógio. Tempo sem experiência. Presente perpétuo carente de recordação.
Um presente vazio. Tempo linear e acelerado e vazio. O tempo vivido nas grandes
metrópoles.
 Kairós: o que se obtém do tempo. É o tempo qualitativo dos significados, dos valores e
sentidos, medido com as batidas do coração. O tempo das experiências (sair de um
perímetro) ou da ampliação da consciência (o tempo que pode nos transformar).
Atravessar o desconhecido para ampliar as percepções.
 Obs. Kairós é uma palavra de origem grega, que significa "momento certo" ou
"oportuno", relativo a uma antiga noção que os gregos tinham do tempo.
Patologias do tempo monótono e vazio:
 Tédio e monotonia;
 Vida mecânica sem sacralidade;
 A perda do otimismo;
 Melancolia (o tempo do luto, de onde surge a idéia de matar o tempo, de preenchê-lo com coisas vazias – o
tempo das distrações e não do lazer);
 Estresse;
 Drogas, obesidade, guerras;
 Depressão.
Obs. Precisamos resgatar a capacidade de dar sentido às ações.
A Melancolia é Alada?
Melancolia: o desinteresse pelo que explica o mundo e dá sentido para
as coisas.
O tédio como diminuição do sentido da vida e do sentido do mundo.
Mundo esvaziado.
Monotonia: tempo como inferno. O tempo das banalidades.
A Perda do Otimismo
 O Otimismo é a forma mais perfeita e generosa da inteligência” – Domenico de Masi;
 “Se teus olhos estiverem cheios de luz, todo o universo se iluminará” – Jesus Cristo;
 Como eu percebo mundo?
 Como vivo a temporalidade?
 O que faço com o tempo livre?
O estresse: falta ou excesso?
 A perda da capacidade de sacralizar a vida é o grande produtor de estresse;
 Precisamos resgatar a capacidade de sacralizar cada instante, executando tarefas preenchidas
de significados;
 A vida espiritual (não religiosa) enquanto vida dotada de significados mais profundos;
 Dar a cada ação um sentido maior (inteligência noética);
 Transformar o tempo livre em tempo criativo e não apenas no tempo da distração.
 No Cronos, o estresse é o efeito do excesso do tempo sem experiência;
 No Kairós, o estresse é o efeito da falta do tempo da experiência.
 A incapacidade de tolerar as frustrações vem da dificuldade de dotar a
vida de significados e valores mais profundos. Essas incompetências
podem ser as verdadeiras fontes internas do estresse.
Grato pela Atenção
Feliz Kairós

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra "Stress e Ansiedade: O Mal do Século?" Dra. Myrian Marino Martins So...
Palestra "Stress e Ansiedade: O Mal do Século?" Dra. Myrian Marino Martins So...Palestra "Stress e Ansiedade: O Mal do Século?" Dra. Myrian Marino Martins So...
Palestra "Stress e Ansiedade: O Mal do Século?" Dra. Myrian Marino Martins So...Dra. Myrian Marino
 
1191713343 1793.seminariostress
1191713343 1793.seminariostress1191713343 1793.seminariostress
1191713343 1793.seminariostressPelo Siro
 
Gestão do stress e ansiedade
Gestão do stress e ansiedadeGestão do stress e ansiedade
Gestão do stress e ansiedadeJuliana Costa
 
O modelo quadrifasico do stress - Lipp
O modelo quadrifasico do stress - LippO modelo quadrifasico do stress - Lipp
O modelo quadrifasico do stress - LippGitana Torres
 
Terapia ocupacional e o Estresse
Terapia ocupacional e o EstresseTerapia ocupacional e o Estresse
Terapia ocupacional e o EstresseMarciane Missio
 
Estresse no trabalho
Estresse no trabalhoEstresse no trabalho
Estresse no trabalhoJosiel Leite
 
Corporate Resource Management - CRM - Estresse
Corporate Resource Management - CRM - EstresseCorporate Resource Management - CRM - Estresse
Corporate Resource Management - CRM - EstresseColegioFenix
 
Stress ocupacional
Stress ocupacionalStress ocupacional
Stress ocupacionalSandro Sans
 

Mais procurados (19)

Palestra "Stress e Ansiedade: O Mal do Século?" Dra. Myrian Marino Martins So...
Palestra "Stress e Ansiedade: O Mal do Século?" Dra. Myrian Marino Martins So...Palestra "Stress e Ansiedade: O Mal do Século?" Dra. Myrian Marino Martins So...
Palestra "Stress e Ansiedade: O Mal do Século?" Dra. Myrian Marino Martins So...
 
Transtornos alimentares 2008
Transtornos alimentares 2008Transtornos alimentares 2008
Transtornos alimentares 2008
 
1191713343 1793.seminariostress
1191713343 1793.seminariostress1191713343 1793.seminariostress
1191713343 1793.seminariostress
 
Gestão do stress e ansiedade
Gestão do stress e ansiedadeGestão do stress e ansiedade
Gestão do stress e ansiedade
 
Gestão de Stress
Gestão de StressGestão de Stress
Gestão de Stress
 
O modelo quadrifasico do stress - Lipp
O modelo quadrifasico do stress - LippO modelo quadrifasico do stress - Lipp
O modelo quadrifasico do stress - Lipp
 
Stress No Trabalho
Stress No TrabalhoStress No Trabalho
Stress No Trabalho
 
Terapia ocupacional e o Estresse
Terapia ocupacional e o EstresseTerapia ocupacional e o Estresse
Terapia ocupacional e o Estresse
 
Estresse no trabalho
Estresse no trabalhoEstresse no trabalho
Estresse no trabalho
 
Como lidar estresse_cronico_enfermagem_enaf
Como lidar estresse_cronico_enfermagem_enafComo lidar estresse_cronico_enfermagem_enaf
Como lidar estresse_cronico_enfermagem_enaf
 
Padrões emocionais
Padrões emocionais Padrões emocionais
Padrões emocionais
 
Doenças da alma
Doenças da alma Doenças da alma
Doenças da alma
 
Ol pequeno-livro-do-stress
Ol pequeno-livro-do-stressOl pequeno-livro-do-stress
Ol pequeno-livro-do-stress
 
Corporate Resource Management - CRM - Estresse
Corporate Resource Management - CRM - EstresseCorporate Resource Management - CRM - Estresse
Corporate Resource Management - CRM - Estresse
 
Stress ocupacional
Stress ocupacionalStress ocupacional
Stress ocupacional
 
Lar florais de bach - fichários
Lar  florais de bach - ficháriosLar  florais de bach - fichários
Lar florais de bach - fichários
 
Estresse
EstresseEstresse
Estresse
 
Combate ao stress
Combate ao stressCombate ao stress
Combate ao stress
 
Conceito de Stress
Conceito de StressConceito de Stress
Conceito de Stress
 

Semelhante a Estresse no Trabalho: Causas e Como Transformá-lo em Algo Positivo

PSICOLOGIA_APLICADA_A_ESTETICA_APOSTILA.ppt
PSICOLOGIA_APLICADA_A_ESTETICA_APOSTILA.pptPSICOLOGIA_APLICADA_A_ESTETICA_APOSTILA.ppt
PSICOLOGIA_APLICADA_A_ESTETICA_APOSTILA.pptAndriellyFernanda1
 
Até que ponto tua ansiedade te paralisa
Até que ponto tua ansiedade te paralisaAté que ponto tua ansiedade te paralisa
Até que ponto tua ansiedade te paralisaNit Portal Social
 
A Arte de se relacionar e a Meditação
A Arte de se relacionar e a MeditaçãoA Arte de se relacionar e a Meditação
A Arte de se relacionar e a MeditaçãoJoão Siqueira da Mata
 
Doenças do mundo moderno!
Doenças do mundo moderno!Doenças do mundo moderno!
Doenças do mundo moderno!Leonardo Pereira
 
palestra estresse.pptx
palestra estresse.pptxpalestra estresse.pptx
palestra estresse.pptxErickSalesCuna
 
Estresse e Ansiedade - Marisa Lobo.pdf
Estresse e Ansiedade - Marisa Lobo.pdfEstresse e Ansiedade - Marisa Lobo.pdf
Estresse e Ansiedade - Marisa Lobo.pdfFbioMoraes47
 
O estresse eutresse e distresse
O estresse    eutresse e distresseO estresse    eutresse e distresse
O estresse eutresse e distresseSimoneHelenDrumond
 
62 emoções que curam (quimica do bem)
62 emoções que curam (quimica do bem)62 emoções que curam (quimica do bem)
62 emoções que curam (quimica do bem)Antonio SSantos
 

Semelhante a Estresse no Trabalho: Causas e Como Transformá-lo em Algo Positivo (20)

PSICOLOGIA_APLICADA_A_ESTETICA_APOSTILA.ppt
PSICOLOGIA_APLICADA_A_ESTETICA_APOSTILA.pptPSICOLOGIA_APLICADA_A_ESTETICA_APOSTILA.ppt
PSICOLOGIA_APLICADA_A_ESTETICA_APOSTILA.ppt
 
Stress
StressStress
Stress
 
ESTRESSE OU STRESS
ESTRESSE OU STRESSESTRESSE OU STRESS
ESTRESSE OU STRESS
 
Estresse ou ansiedade
Estresse ou ansiedadeEstresse ou ansiedade
Estresse ou ansiedade
 
51409872 cartilha-stress
51409872 cartilha-stress51409872 cartilha-stress
51409872 cartilha-stress
 
51409872 cartilha-stress
51409872 cartilha-stress51409872 cartilha-stress
51409872 cartilha-stress
 
Estresse: excesso de presente
Estresse: excesso de presenteEstresse: excesso de presente
Estresse: excesso de presente
 
Até que ponto tua ansiedade te paralisa
Até que ponto tua ansiedade te paralisaAté que ponto tua ansiedade te paralisa
Até que ponto tua ansiedade te paralisa
 
Evite o estresse
Evite o estresseEvite o estresse
Evite o estresse
 
A Arte de se relacionar e a Meditação
A Arte de se relacionar e a MeditaçãoA Arte de se relacionar e a Meditação
A Arte de se relacionar e a Meditação
 
PSICOLOGIA PASTORAL (AULA 02 MEDIO CETADEB )
PSICOLOGIA PASTORAL (AULA 02 MEDIO CETADEB  ) PSICOLOGIA PASTORAL (AULA 02 MEDIO CETADEB  )
PSICOLOGIA PASTORAL (AULA 02 MEDIO CETADEB )
 
Doenças do mundo moderno!
Doenças do mundo moderno!Doenças do mundo moderno!
Doenças do mundo moderno!
 
STRESSE
STRESSESTRESSE
STRESSE
 
palestra estresse.pptx
palestra estresse.pptxpalestra estresse.pptx
palestra estresse.pptx
 
Estresse e Ansiedade - Marisa Lobo.pdf
Estresse e Ansiedade - Marisa Lobo.pdfEstresse e Ansiedade - Marisa Lobo.pdf
Estresse e Ansiedade - Marisa Lobo.pdf
 
Sensorimonitor ocd slide
Sensorimonitor ocd slideSensorimonitor ocd slide
Sensorimonitor ocd slide
 
Stress e saúde
Stress e saúdeStress e saúde
Stress e saúde
 
Leigos Slides Estresse[1]
Leigos Slides Estresse[1]Leigos Slides Estresse[1]
Leigos Slides Estresse[1]
 
O estresse eutresse e distresse
O estresse    eutresse e distresseO estresse    eutresse e distresse
O estresse eutresse e distresse
 
62 emoções que curam (quimica do bem)
62 emoções que curam (quimica do bem)62 emoções que curam (quimica do bem)
62 emoções que curam (quimica do bem)
 

Último

Aula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdf
Aula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdfAula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdf
Aula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdfGiza Carla Nitz
 
Primeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoPrimeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoDjalmadeAndrade2
 
Guia alimentar para a população brasileira .pdf
Guia alimentar para a população brasileira  .pdfGuia alimentar para a população brasileira  .pdf
Guia alimentar para a população brasileira .pdfThiagoAlmeida458596
 
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfAula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfGiza Carla Nitz
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfThiagoAlmeida458596
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfGiza Carla Nitz
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxEnfaVivianeCampos
 
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdfAula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdfGiza Carla Nitz
 
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfAula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfmarrudo64
 
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfControle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfRodrigoSimonato2
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAndersonMoreira538200
 
Aula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdfAula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdfGiza Carla Nitz
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfGlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfamaroalmeida74
 
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfGiza Carla Nitz
 
Slide sobre Estruturalismo - Disponível para Download
Slide sobre Estruturalismo - Disponível para DownloadSlide sobre Estruturalismo - Disponível para Download
Slide sobre Estruturalismo - Disponível para DownloadJordanPrazeresFreita1
 
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIASAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIAArtthurPereira2
 

Último (17)

Aula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdf
Aula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdfAula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdf
Aula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdf
 
Primeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoPrimeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalho
 
Guia alimentar para a população brasileira .pdf
Guia alimentar para a população brasileira  .pdfGuia alimentar para a população brasileira  .pdf
Guia alimentar para a população brasileira .pdf
 
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfAula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
 
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdfAula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
 
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfAula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
 
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfControle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
 
Aula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdfAula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdf
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfGlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
 
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
 
Slide sobre Estruturalismo - Disponível para Download
Slide sobre Estruturalismo - Disponível para DownloadSlide sobre Estruturalismo - Disponível para Download
Slide sobre Estruturalismo - Disponível para Download
 
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIASAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
 

Estresse no Trabalho: Causas e Como Transformá-lo em Algo Positivo

  • 1. Estresse no Trabalho DR. ANTONIO RICARDO NAHAS
  • 2. O que é o estresse?  As primeiras referências à palavra “stress”, com significado de “aflição” e “adversidade”, datam do século XIV.  No século XVII, o vocábulo de origem latina passou a ser utilizado em inglês para designar “opressão”, “desconforto” e “adversidade”.
  • 3. O que estas imagens têm em comum?
  • 4. A Borboleta  Podemos evitar o estresse?  “Não podemos e não devemos evitá-lo. Segundo os especialistas, ausência de estresse é morte. Cientistas na França fizeram experimentos com lagartas de borboletas, retirando cuidadosamente as camadas externas de seus casulos para ver se aceleravam o tempo até a borboleta emergir. Não só as borboletas não saíam mais rapidamente, como elas jamais saíam. Morriam todas! Eles se deram conta de que lutar para sair do casulo estimulava a secreção de certas enzimas no corpo da lagarta para finalmente torná-la uma borboleta. Sabe-se também que estudantes cujo organismo secreta mais adrenalina durante as provas obtêm melhores notas. Mas existe estresse bom e estresse ruim. O que se busca é o bom.” Susan Andrews
  • 5. Tipos  Estresse positivo (eustress): tensão com equilíbrio entre esforço, tempo, realização e trabalho;  Estresse negativo (distress): tensão com rompimento do equilíbrio biopsicossocial por excesso ou falta de esforço, incompatível com tempo, resultado e realização.
  • 6. Como Transformar o estresse em algo favorável?  Segundo a neurociência, nossos estados emocionais são acompanhados por reações das moléculas de emoção: os neurotransmissores e os hormônios.  Em cada célula do corpo há inúmeros receptores para essas substâncias. Numa situação de curto prazo, a adrenalina mobiliza a reação de lutar ou fugir. Ela gera uma disposição proativa, ajuda a mente a ganhar foco e reforça o sistema imune.  O estresse se torna ruim quando é de longo prazo e sem pausa para recuperação ou quando a pessoa reage de forma hostil às situações. Nos dois casos, a adrenalina não é suficiente e o corpo precisa secretar cortisol. Em excesso, ele é um veneno para o organismo, pois enfraquece o sistema imunológico e causa a morte de células cerebrais.  Está diretamente ligado à violência e num estado de raiva, o corpo libera 40 vezes mais cortisol que o normal. Quem vive com altos níveis de cortisol tem cinco vezes mais chances de morrer precocemente.
  • 7. SAG: Síndrome Geral da Adaptação  Hans Selye, médico endocrinologista, fez estudos sobre o estresse na área da saúde;  SAG é o conjunto de todas as reações gerais do organismo que acompanham a exposição prolongada do estressor”.
  • 8. Estágios:  1ª- FASE DE ALARME:  O organismo tem uma excitação de agressão ou de fuga ao estressor, que pode ser entendida como um comportamento de adaptação.  Nos dois casos, reconhece-se uma situação de reação saudável ao estresse, porquanto possibilita o retorno à situação de equilíbrio após a experiência estressante.  Essa fase é caracterizada por alguns sintomas:  taquicardia, tensão crônica, dor de cabeça, sensação de esgotamento, pressão no peito, extremidades frias, dentre outros.
  • 9.  2ª- FASE DE RESISTÊNCIA:  Havendo persistência da fase de alerta, o organismo altera seus parâmetros de normalidade e concentra a reação interna em um determinado órgão-alvo, desencadeando a Síndrome de Adaptação Local (SAL).  Nessa fase, ocorre a manifestação de sintomas da esfera psicossocial como ansiedade, medo, isolamento social, roer unhas, oscilação do apetite, impotência sexual e outros.
  • 10.  3ª- FASE DE EXAUSTÃO: O organismo encontra –se extenuado pelo excesso de atividades e pelo alto consumo de energia.  Ocorre, então, a falência do órgão mobilizado na SAL, o que se manifesta sob a forma de doenças orgânicas.
  • 11.  Os sinais e sintomas que ocorrem com maior frequência de nível físico são: aumento da sudorese, tensão muscular, taquicardia, hipertensão, aperto da mandíbula, ranger de dentes, hiperatividade, náuseas, mãos e pés frios.  Em termos psicológicos, vários sintomas podem ocorrer tais como: ansiedade, tensão, angústia, insônia, alienação, dificuldades interpessoais, dúvidas quanto a si próprio, preocupação excessiva, inabilidade de concentrar-se em outros assuntos que não o relacionado ao estressor, dificuldade de relaxar, ira e hipersensibilidade emotiva.  Obs. Sete em cada dez brasileiros relatam estresse no trabalho. Destes, quatro desenvolvem a síndrome de Burnout caracterizada por esgotamentos físico e mental.
  • 12.
  • 13.
  • 15.
  • 16. Causas do estresse no trabalho  Altas cargas de trabalho;  Cargas de trabalho insuficientes. O colaborador se sente subutilizado;  Falta de controle sobre as atividades;  Bullying ou perseguição;  Falta de ajuda interpessoal podendo levar a uma sensação de isolamento;  Ambiente de trabalho com deficiências de iluminação, excessos de calor ou de frio, barulho, assentos poucos confortáveis, equipamentos que não funcionam e etc.  Obs. Ter que trabalhar sob pressão é a principal causa do estresse no trabalho.
  • 17.
  • 20.
  • 21. O inimigo está dentro?
  • 22. Atitude  A velha noção de que situações específicas são estressantes por si mesmas tem sido contrariada por novas pesquisas, que mostram que esse estresse não é algo de fora.  A reação do nosso corpo depende muito mais das avaliações que fazemos de um determinado evento da vida.  Tudo depende da maneira como interpretamos e nos relacionamos com o mundo ao redor.  Você é o tipo A?
  • 23. Tipo A  Sempre com pressa, fazendo várias coisas ao mesmo tempo;  Altamente competitivo e hostil.  Propenso à ataques cardíacos.
  • 24. Personalidade Resistente ao Estresse  As mudanças são desafios e não ameaças;  Otimistas;  Fracassos não , lições.  Dedicação a uma meta maior;
  • 25. Qual a diferença entre o carvão e o diamante?  O diamante foi mais pressionado!  O problema não é o fato que causa o estresse, mas a maneira como nós respondemos à ele.
  • 26. As defesas do ego  Que projeções eu faço?  Que expectativas crio?  O que idealizo?  O que escondo de mim mesmo (sombra)?
  • 27. É preciso ser uma pessoa zen para não reagir as emoções negativas? Precisamos treinar para não alimentar essas emoções. O problema não é a causa do estresse - colegas de trabalho antipáticos, problemas em casa, falta de dinheiro, mas a nossa reação a ela. Simplesmente recordar durante cinco minutos uma situação de raiva ou hostilidade pode causar a secreção excessiva de cortisol. Isso baixa o nosso sistema imune por seis horas.
  • 28.  E o que fazer para baixar as taxas de cortisol?  Há técnicas naturais que ajudam a manter as suprarrenais sob controle, recondicionando-as para que não secretem esse hormônio em excesso.  SPA no trabalho: Realizar, por alguns minutos e várias vezes ao dia, a técnica da respiração diafragmática. Quando o diafragma é mobilizado na respiração, estimula o sistema nervoso parassimpático, que produz a 'Resposta de Relaxamento', oposta à 'Resposta do Estresse'.
  • 29.  Sugestões:  A primeira é fazer pequenas pausas ao longo do dia para respiração diafragmática (pode ser em qualquer lugar: na mesa de trabalho ou até parado no trânsito). É preciso imaginar que ao inspirar absorvemos energia para as células e ao expirar liberamos o cansaço e as toxinas.  A segunda é indicada para momentos de estresse ou conflito: devemos focar no coração e respirar, sentindo a força do amor e da compreensão, que pode superar qualquer onda negativa.  A terceira é procurar qualquer oportunidade de servir alguém, porque esta é uma das formas mais nobres de evolução pessoal e de saúde física.
  • 30. Como ativar a resposta de relaxamento?  Para aprender a ativar a "resposta de relaxamento", nós precisamos ser capazes não apenas de ativar o sistema nervoso parassimpático, mas simultaneamente, de diminuir o nível de hormônios de estresse que, em altas concentrações, são um tipo de auto envenenamento.  Indicações: yoga, acupuntura, relaxamento, meditação, atividades físicas e psicoterapia.
  • 31.  Uma das práticas mais eficazes para estimular a "resposta de relaxamento" e aliviar o estresse é o relaxamento profundo, desenvolvido por antigos sábios ao observarem o sono restaurador dos animais hibernantes.  A meditação alivia o estresse e energiza porque ajuda no revigoramento do sistema nervoso, diminuindo rapidamente a secreção dos hormônios do estresse.  Finalmente, o alimento que ingerimos afeta tremendamente o nosso nível de estresse. Devemos evitar uma dieta rica em gordura animal (carne, peixe, ovos).  O excesso de colesterol desses alimentos, combinado com o excesso de colesterol liberado pelo fígado [...] pode formar placas de gordura e provocar arteriosclerose, hipertensão e ataque cardíaco.
  • 32. As Patologias do Tempo: Cronos ou Kairós?  Cronos: o que se produz no tempo. É o tempo quantitativo, da produção, medido com as batidas do relógio. Tempo sem experiência. Presente perpétuo carente de recordação. Um presente vazio. Tempo linear e acelerado e vazio. O tempo vivido nas grandes metrópoles.  Kairós: o que se obtém do tempo. É o tempo qualitativo dos significados, dos valores e sentidos, medido com as batidas do coração. O tempo das experiências (sair de um perímetro) ou da ampliação da consciência (o tempo que pode nos transformar). Atravessar o desconhecido para ampliar as percepções.  Obs. Kairós é uma palavra de origem grega, que significa "momento certo" ou "oportuno", relativo a uma antiga noção que os gregos tinham do tempo.
  • 33. Patologias do tempo monótono e vazio:  Tédio e monotonia;  Vida mecânica sem sacralidade;  A perda do otimismo;  Melancolia (o tempo do luto, de onde surge a idéia de matar o tempo, de preenchê-lo com coisas vazias – o tempo das distrações e não do lazer);  Estresse;  Drogas, obesidade, guerras;  Depressão. Obs. Precisamos resgatar a capacidade de dar sentido às ações.
  • 34.
  • 35. A Melancolia é Alada? Melancolia: o desinteresse pelo que explica o mundo e dá sentido para as coisas. O tédio como diminuição do sentido da vida e do sentido do mundo. Mundo esvaziado. Monotonia: tempo como inferno. O tempo das banalidades.
  • 36. A Perda do Otimismo  O Otimismo é a forma mais perfeita e generosa da inteligência” – Domenico de Masi;  “Se teus olhos estiverem cheios de luz, todo o universo se iluminará” – Jesus Cristo;  Como eu percebo mundo?  Como vivo a temporalidade?  O que faço com o tempo livre?
  • 37. O estresse: falta ou excesso?  A perda da capacidade de sacralizar a vida é o grande produtor de estresse;  Precisamos resgatar a capacidade de sacralizar cada instante, executando tarefas preenchidas de significados;  A vida espiritual (não religiosa) enquanto vida dotada de significados mais profundos;  Dar a cada ação um sentido maior (inteligência noética);  Transformar o tempo livre em tempo criativo e não apenas no tempo da distração.
  • 38.  No Cronos, o estresse é o efeito do excesso do tempo sem experiência;  No Kairós, o estresse é o efeito da falta do tempo da experiência.  A incapacidade de tolerar as frustrações vem da dificuldade de dotar a vida de significados e valores mais profundos. Essas incompetências podem ser as verdadeiras fontes internas do estresse.