O verdadeiro sentido do amanhã

153 visualizações

Publicada em

Teoriza-se sobre o amanhã, diante de um quadro atual que em nada reforça a idéia de mudanças para melhor, nas questões ambientais.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
153
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O verdadeiro sentido do amanhã

  1. 1. O verdadeiro sentido do amanhã Eng° Antonio Fernando Navarro, M.Sc.1 O “amanhã” tem sido, ultimamente, motivo de muitas discussões, sejam elas técnicas, religiosas ou econômicas. Quase sempre, o foco principal das discussões não é o do futuro do planeta, relativamente jovem e com uma longa sobrevida pela frente. Também não se entra no mérito da sobrevivência da espécie humana. Mas então, por que há tantos questionamentos? Os questionamentos têm surgido, mais recentemente, de uns 30 anos para cá, em função de problemas pelos quais que passa o 3° Planeta do Sistema Solar, com uma população atual que beira 6 bilhões e trezentos milhões de pessoas. Somente a Ásia tem mais de 25% desse contingente de pessoas. Portanto, a distribuição dos nossos concidadãos é bastante desigual. O Banco Mundial e a FAO estimam que, no início dos anos 80, entre 700 milhões e um bilhão de pessoas viviam em absoluta pobreza ao redor do mundo. No continente africano, cerca de um em cada quatro seres humanos é subnutrido. Na Ásia e no Pacífico, 28% da população passa fome. No Oriente Próximo, um em cada dez são subnutridos. A fome crônica afeta mais do que 1,3 bilhões de pessoas, segundo a Organização Mundial da Saúde. Na América Latina, uma em cada oito pessoas vai para a cama com fome todas as noites. No Brasil mais de 30 milhões de pessoas são classificadas como indigentes pelas estatísticas oficiais. Em 1980, cerca de 44% da população vivia em estado de pobreza absoluta. Em 1992 cerca de 20.000.000 morreram de desnutrição ou fome. A cada dia morrem 38.000 crianças, vítimas de desnutrição ou fome. Há questionamentos envolvendo a fome, principalmente no continente africano, questionamentos também acerca da ocorrência dos fenômenos naturais que causam milhares de vítimas. São os vulcões ativos, terremotos e maremotos, furacões e tornados e, mais recentemente, um tsunami causado por um tremor de terra submarino, responsável pela morte de milhares de pessoas. O tremor de terra foi tão intenso e profundo que alterou em alguns minutos de grau, o eixo de rotação da Terra. Todas essas ocorrências naturais têm provocado um repensar sobre o amanhã. Além desses, a miséria extrema pela qual passam quase um bilhão de pessoas, que vivem com menos de 2 US dólar por dia, também é razão de muitos questionamentos. Enquanto esse largo contingente passa fome há desperdícios de alimentos em muitas partes do Globo, sejam esses pelo excesso de manipulação ou das condições das colheitas, perdas localizadas durante o transporte ou armazenagem, e outras. Em alguns momentos o percentual dessas perdas pode chegar a mais de 2% de tudo o quanto é colhido. As condições climáticas são desfavoráveis ao cultivo de alimentos para toda essa população, em muitas das regiões do nosso pequeno mundo. Os combustíveis fósseis estão com os seus dias contados, o efeito estufa prejudica-nos, o buraco de ozônio continua aí provocando transtornos, e, com todo esse cenário pessimista, ou muitas vezes alarmista, o Homem segue sem rumo navegando nesse mar de intranqüilidade e incertezas, sem saber o que será do próprio planeta e da raça humana no futuro. Isso sem falar no aquecimento global, com o desprendimento de icebergs maiores do que muitos países, errantes pelos mares, e o encolhimento da camada de gelo em muitos glaciares. A falta de conhecimento por parte da população tem provocado uma ressonância muito maior desse eco de reclamações. Quando nos referimos a cultivo de alimentos associamos a disponibilidade de terras, em condições de absorver as culturas e a existência de água para irrigar essas culturas. Somente observando o fator da disponibilidade de água, um estudo da Our Food Our World – The Realities of an Animal-Based Diet, Earth Save Foundation, Santa Cruz, de 1992, traça a seguinte relação, entre a produção de 1kg de alimento e a quantidade de água necessária para tal: Litros de água para cada 1kg de alimento 1 1. Antonio Fernando Navarro, professor, físico, engenheiro civil, mestre em saúde e meio ambiente, atua nas áreas de Qualidade, Segurança, Meio Ambiente e Saúde - afnavarro@terra.com.br
  2. 2. Tomates Batata Cenoura Laranja Ovos Porco 39 l Alface 41 l 56 l 111 l 932 l 2.794 l Trigo Maçã Leite Galinha Gado 39 l 42 l 83 l 222 l 1.397 l 8.938 l O fator terra é outro que é preocupante. Se a terra não é adequada ao manejo de animais, às culturas ou à implantação de assentamentos urbanos as pessoas se deslocam de lá. Um dos fenômenos que preocupa a todos é o da desertificação. O estudo da Our Food Our World – The Realities of an Animal-Based Diet, Earth Save Foundation, Santa Cruz, de 1992 apresenta a seguinte situação: O uso intensivo da terra encorajado pela necessidade de produzir alimentos de origem animal de modo competitivo fez com que a desertificação se espalhasse amplamente em muitos países. Desertificação é o empobrecimento de ecossistemas áridos, semi-áridos e sub-áridos pelo impacto das atividades humanas. As regiões mais afetadas pela desertificação são as áreas produtoras de gado, inclusive o oeste americano, a América Central e do Sul, a Austrália e a África Subsaariana. A desertificação dos campos e florestas deslocou a maior massa migratória na história do mundo. Na virada do século, mais de metade da população viverá em áreas urbanas. A quantidade de terra tornada improdutiva pela desertificação anualmente no mundo é de aproximadamente 21 milhões de hectares. O percentual da terra no mundo que sofre desertificação é de cerca de 29%. As principais causas de desertificação são:       Pastoreio excessivo Cultivo intensivo da terra Técnicas impróprias de irrigação Desflorestamento Falta de reflorestamento Criação de gado O Portal do Meio Ambiente da Rede Brasileira de Informação Ambiental diz que a desertificação já afeta a 1,2 bilhão de pessoas em todo o mundo, Ainda segundo artigo publicado em seu site (http://www.portaldomeioambiente.org.br/jovens/13.asp), tem-se: As graves conseqüências da desertificação causada pela ação humana, colocando mais de 1,2 bilhão de pessoas em 100 países em risco, fez com que a ONU soasse o alarme no Dia Mundial da Luta contra a Desertificação, comemorado no dia 17 de junho de cada ano. Devido ao aquecimento global, espera-se que a quantidade de fenômenos meteorológicos extremos, como secas e chuvas intensas, continue aumentando, com um efeito grave em solos já danificados, afirma o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, em mensagem divulgada. A tendência "piorará a desertificação e aumentará a prevalência da pobreza, a migração forçada e a vulnerabilidade perante os conflitos nas regiões afetadas", diz Ban. Todas as agências da ONU e os governos de vários países admitem o retrocesso do desmatamento, das terras cultiváveis e das florestas, assim como a carência de água, problemas que já geraram mais pobreza, o avanço dos desertos e um número cada vez maior de refugiados por causa da fome. Em março, o secretárioexecutivo da Convenção da ONU Contra a Desertificação, Hama Arba Diallo, afirmou que este processo é um problema cujas conseqüências têm escala planetária. Além disso, o representante da ONU lembrou a meta mundial de reduzir a pobreza à metade até 2015, um dos Objetivos do Milênio, mas acrescentou que este propósito mal poderá ser cumprido "caso não se tomem medidas para abordar a conservação do principal instrumento de vida que os países em desenvolvimento têm, que é a terra". Por continentes, a África Subsaariana é a região "com o maior índice de desertificação do mundo", fenômeno que atinge ainda 25% da América Latina e do Caribe, entre outros lugares, segundo a 2 1. Antonio Fernando Navarro, professor, físico, engenheiro civil, mestre em saúde e meio ambiente, atua nas áreas de Qualidade, Segurança, Meio Ambiente e Saúde - afnavarro@terra.com.br
  3. 3. Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). Estima-se que até 2020 cerca de 135 milhões de pessoas correrão risco de serem obrigadas a abandonar suas terras devido à contínua desertificação. Destas, 60 milhões serão da África Subsaariana. Já na Ásia, com 1,7 bilhão de hectares de terra árida, semi-árida e semi-úmida, as regiões prejudicadas incluem desertos crescentes na China, Índia, Irã, Mongólia e Paquistão; as dunas de areia da Síria; as montanhas erodidas do Nepal; e o desmatamento e pecuária extensiva das regiões montanhosas do Laos. Quanto ao número de pessoas afetadas pela desertificação e pela seca, a Ásia é o continente mais prejudicado, de acordo com a ONU. Na América Latina, apesar das florestas tropicais úmidas da região, a perda de terras de cultivo e de vegetação afeta 313 milhões de hectares na região e no Caribe (250 milhões na América do Sul e 63 milhões na América Central e no México). Diante deste problema, os países-membros do Mercosul, formado por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai, criaram em março, em conjunto com Bolívia e Chile, uma estratégia que busca uma alternativa econômica para as terras empobrecidas. Já na Europa, o chamado grupo do Mediterrâneo Norte, formado por Espanha, Portugal, Itália, Turquia e Grécia, é uma das quatro regiões que, segundo a convenção das Nações Unidas, é afetada pela desertificação. Um dos países nos quais é possível constatar uma maior desertificação é o Sudão, onde o problema afeta 13 das 15 províncias, o que representa uma superfície total de 414 mil quilômetros quadrados, segundo o governo sudanês. A desertificação também preocupa a China, onde avança a um ritmo de 1.283 quilômetros quadrados ao ano e já afeta 400 milhões de pessoas diretamente, de acordo com a Administração Estatal Florestal. Cerca de 18% do território chinês já é uma área desértica, principalmente a faixa norte e oeste, embora outros 14% sofram as conseqüências da desertificação, que se estende praticamente por todo o país, segundo o departamento oficial O aquecimento global é outro fenômeno climático de larga extensão, que vem acontecendo nos últimos 150 anos, ou pelo menos sendo registrado nesse período, causando o aumento da temperatura média da superficie da Terra. Variação da temperatura global e de concentração de dióxido de carbono presente no ar nos últimos 1000 anos. (Painel Intergovernamental para as Mudanças Climáticas, estabelecido pelas Nações Unidas e pela Organização Meteorológica Mundial em 1988) De acordo com as Nações Unidas (IPPC) a maioria do aquecimento observado durante os últimos 50 anos pode ser devido ao efeito estufa. Ainda segundo esse o efeito estufa pode provocar uma série de fenômenos como:  Elevação da temperatura média da superfície da Terra entre 2°C a 4,5°C, até o final deste século.  2.000 quilômetros quadrados de solo fértil sendo transformado em deserto devido à falta de chuvas, todo ano.  Desaparecimento de 40% das árvores da Amazônia, antes do final do século, se a temperatura subir de 2°C a 3°C graus Celsius.  Redução de 2.000 metros do comprimento que a geleira Gangotri no Himalaia (que tem agora 25 km), nos últimos 150 anos, com o rítmo de redução do tamanho ampliando-se. 3 1. Antonio Fernando Navarro, professor, físico, engenheiro civil, mestre em saúde e meio ambiente, atua nas áreas de Qualidade, Segurança, Meio Ambiente e Saúde - afnavarro@terra.com.br
  4. 4.  Emissão anual de 750 bilhões de toneladas de CO2 na atmosfera.  Desaparecimento completo da calota polar, dentro dos próximos 100 anos, de acordo com estudos publicados pela National Sachetimes de New York em julho de 2005, provocando o fim das correntes marítimas no Oceano Atlântico, fazendo com que o clima fique mais frio.  Extinção de 9% a 58% das espécies da terra e do mar nas próximas décadas. Saindo um pouco da linha mais acadêmica, a história antiga nos conta que, quando a população extrapolava os limites do respeito à Deus, uma desgraça caia sobre essa dizimando-a (vide Sodoma e Gomorra). Será que estamos assistindo o final dos tempos? Cremos que não. A Terra é um “Ser Vivo” e em perfeito equilíbrio. Quando uma parte desse equilíbrio é rompida há toda uma ação no sentido de se restabelecê-lo. Alguns chamam a isso de Lei da Ação e Reação. Assim, por exemplo, há vulcões que expelem magma. A expulsão do magma pode criar ilhas ou ampliá-las, como no caso da Islândia, que se situa ao norte do Oceano Atlântico, quase no meio do caminho entre a Europa e a América do Norte, como também pode destruí-las, que foi o que ocorreu com a ilha de Santorini, próximo à Grécia. Isso é uma incoerência? Não, é o Ser Vivo reajustando o seu equilíbrio. Há as correntes marinhas que regulam a temperatura dos mares. O degelo da Antártica reduz a temperatura do mar, e as correntes marinhas às distribuem por todo o oceano. Então, é natural que haja tremores de terra, vulcanismo, degelo e por aí vai. É o ciclo do Ser Vivo Terra funcionando. Todavia, há momentos em que o reequilíbrio da Terra se choca contra algo que foi produzido pelo homem. O resultado então é catastrófico. O Homem busca, antes de tudo, o crescimento da sua própria espécie. O crescimento, quase sempre desordenado, altera o equilíbrio da Terra, criando clareiras nas matas para assentamentos urbanos, desviando rios para a irrigação das lavouras, consumindo a água dos lençóis freáticos para o abastecimento das cidades, alterando as características dos climas com a construção de grandes represas, extraindo os recursos naturais de maneira descontrolada. Enfim, apronta com o Planeta Terra e depois se diz vítima do processo de reação. Mas então, o que fazer para que o nosso planeta continue nos sustentando e nós possamos vislumbrar o amanhã? Apenas a prevenção contra esses fenômenos bastará para o restabelecimento do equilíbrio? Nessa nossa introdução ao tema proposto levantamos algumas questões importantes, mais de cunho filosófico, para a compreensão do nosso tema. Falamos sobre o equilíbrio, o crescimento da população, geração de alimentos, efeito estufa, desmatamento, e sobre eles iremos fazer uma abordagem simples, apresentando o nosso ponto de vista. Para nós, a palavra chave será a prevenção, palavra essa bastante utilizada no mercado segurador. Não se deve buscar a prevenção para todos os problemas que vivenciamos ou que percebemos por ocorrer no mundo, no seu sentido mais puro, privando àqueles seres que nos sucedem, dos mesmos benefícios que um dia já tivemos. Seria a mesma coisa que eliminar os que estarão por vir, deixando somente para nós o que ainda resta. Com essa filosofia, como não haverá mais o crescimento da população, quando o último Ser Humano se for o Planeta Terra já terá iniciado a regeneração do seu sistema, ou não ........ A questão mais importante talvez esteja na lógica do saber empregar aquilo que nos foi disponibilizado pela natureza. Essa nos dá alimento para o sustento, remédio para nossos males, água para o nosso asseio, materiais para o nosso abrigo, beleza para o nosso deleite. Ou seja, nos dá tudo o que precisamos. Durante milhares de anos não havia remédios manipulados. Os alimentos eram orgânicos, os peixes eram pescados próximo das casas em rios limpos. O Homem gasta mais do que necessita, isso é facilmente comprovado. Muitas vezes, os recursos de que dispomos nos fazem naturalmente gastadores. Imprimimos folhas e folhas de papel só porque é mais prático tê-los na mão do que ler o texto na tela do computador. Imprimimos folhas de testes porque não queremos corrigir o texto enquanto o digitamos. Não parecendo “ecoxiitas” ou “biodesagradáveis”, será que não estamos colaborando para a derrubada de mais matas? 4 1. Antonio Fernando Navarro, professor, físico, engenheiro civil, mestre em saúde e meio ambiente, atua nas áreas de Qualidade, Segurança, Meio Ambiente e Saúde - afnavarro@terra.com.br
  5. 5. Parece-nos uma medida tola ou primária, mas se levarmos em conta que não só nós fazemos isso, como também milhares de outras pessoas também o fazem em igual medida, começaremos a repensar conceitos. O mesmo ocorre com a luz deixada acesa no cômodo vazio da casa, o vidro de compota que jogamos no lixo ao invés de destiná-lo à reciclagem e etecetere e tal. Muitas são as campanhas existentes sobre essas questões, quase sempre comandadas por agências não governamentais. A primeira tendência nossa é a do descrédito das medidas, por acreditarmos que os recursos naturais que estão ao nosso redor são inesgotáveis. Será que despejar o óleo usado na fritura dentro do vaso sanitário irá causar algum tipo de degradação ambiental? Talvez muita gente acredite que não, já que não joga fora o óleo todos os dias, mas isso é um dos grandes fatores causadores da poluição dos rios. Há alguns anos atrás uma empresa da cidade do Rio de Janeiro contratou especialistas para verificar se era mais barato desligarem-se todas as luzes do prédio ao final do expediente do que mantê-las acesas à noite toda. Na época os experts entenderam que era melhor deixá-las acesas porque os reatores de partida das lâmpadas, todas às vezes em que eram acionados, aumentavam o consumo de energia em mais 40%. Enquanto isso o tal prédio de muitos andares ficava com as suas luzes acesas a noite toda, gerando um desperdício de energia elétrica, fazendo com que as hidroelétricas ou termoelétricas trabalhassem mais. Um outro prédio, também da mesma cidade, inovou a quase vinte anos atrás, instalando uma “fábrica de gelo” no alto do prédio. Após o expediente normal a “fábrica” entrava em operação, produzindo o gelo que ao derreter-se no dia seguinte era transformado em água gelada no sistema de ar condicionado do prédio, gerando uma redução do consumo de energia. Outro prédio resolveu inovar alterando as fachadas de vidro, ampliando a entrada de luz natural e reduzindo o consumo de energia elétrica na iluminação interior. Se formos buscar em nossas memórias muitas são as idéias criativas que não prosperaram por várias razões. Teve até o prédio giratório em Curitiba, onde, de acordo com a hora do dia, cada parte do apartamento era iluminado pelos raios de sol. Mas, o que tudo isso a ver com a nossa questão principal levantada aqui: O verdadeiro sentido do amanhã? Novas doenças, com perfil de epidemias ou de pandemias desafiam a ciência, que busca correr à frente delas atrás da prevenção. Novos alimentos são lançados, sem que tenhamos a certeza de que estamos ingerindo algo bom para o nosso organismo. A população fica cada dia mais obesa porque busca o alimento fácil, a ingestão dos mesmos acompanhada pelo stress cada vez maior e tudo isso, em um tempo mais curto. O alimento saudável feito em casa na hora do almoço, seguido por um cochilo rápido não existe mais, já que o trânsito não deixa, os atropelos do dia-a-dia exigem mais e mais a nossa presença contínua, a disputa pela nossa vaga de trabalho nos obriga a “suar a camisa” mais e mais. Ou seja, tudo conspira para que terminemos por fazer o nosso lanche na própria mesa do trabalho enquanto estamos à frente do computador. O Homem deixa de ser o Ser Humano e passa a ser uma Engrenagem da grande máquina empresarial, suscetível de ser substituído a qualquer momento. Em resumo, nos alimentamos mal, trazendo conseqüências para o nosso corpo, com o aumento de doenças provocadas por carências de vitaminas e de sais minerais, o aumento da obesidade e outros fatores mais. E o verdadeiro sentido do amanhã? Amanhã, e amanhã, e amanhã Arrasta-se neste passo sorrateiro dia após dia Até a última sílaba de tempo, E todos os nossos dias passados mostraram-se tolos Caminho direto para a morte sombria. Fora, fora breve vela! A vida não é mais do que uma sombra errante, um pobre jogador Que caminha e incomoda durante seus momentos sobre o tabuleiro E então dele nada mais se ouve. É um conto 5 1. Antonio Fernando Navarro, professor, físico, engenheiro civil, mestre em saúde e meio ambiente, atua nas áreas de Qualidade, Segurança, Meio Ambiente e Saúde - afnavarro@terra.com.br
  6. 6. Contado por um idiota, cheio de barulho e fúria, Significando nada. Macbeth, Ato 5, Cena 5, linhas 22-31 Nossas atividades são válidas por elas mesmas, e não porque elas atendem a algum desconhecido propósito transcendental. Estas considerações mostram que nós devemos criar nosso próprio sentido para nossas vidas independentemente de se nossas vidas servirem ou não a um propósito maior. Se nossas vidas têm ou não sentido para nós depende de como as julgamos. Nós atribuímos valores para coisas na vida ao invés de descobrí-los. Não pode haver sentido na vida fora o sentido que criamos para nós mesmos porque o universo não é um ser consciente que pode atribuir valores para as coisas. Mesmo se um deus consciente existisse, o valor que ele iria atribuir a nossas vidas não seria o mesmo que nós teríamos e portanto seria irrelevante. (Keith Augustine, Universidade de Maryland, College Park). As Nações Unidas, em Assembléia Geral de 22 de dezembro de 1989, através da Resolução 44/228, definiram uma pauta estratégica, mais tarde denominada de Agenda 21, sobre a necessidade de se adotar uma abordagem equilibrada e integrada das questões relativas a meio ambiente e desenvolvimento, em todo o Mundo. Muitos dos países que têm maior peso nas Nações Unidas postergaram a adoção imediata do conteúdo da Agenda, sob a alegação de que essas medidas poderiam conter o desenvolvimento econômico, em seus próprios países. Quase que na mesma época houve outra reunião com o propósito semelhante, rechaçada pelos mesmos países, denominado de Protocolo de Kyoto. Essa foi uma natural conseqüência de uma série de eventos iniciados com a Toronto Conference on the Changing Atmosphere, em outubro de 1988, seguida pelo IPCC's (First Assessment Report em Sundsvall) realizado na Suécia em agosto de 1990, e que culminou com a Convenção Marco das Nações Unidas sobre a Mudança Climática (UNFCCC) na ECO-92 no Rio de Janeiro, em junho de 1992. O protocolo estimula os países signatários a cooperarem entre si, através de algumas ações básicas:      Reformar os setores de energia e transportes; Promover o uso de fontes energéticas renováveis; Eliminar mecanismos financeiros e de mercado inapropriados aos fins da Convenção; Limitar as emissões de metano no gerenciamento de resíduos e dos sistemas energéticos; Proteger florestas e outros sumidouros de carbono. O Protocolo de Kioto constitui-se em um tratado internacional com compromissos mais rígidos para a redução da emissão dos gases que provocam o efeito estufa, considerados, de acordo com a maioria das investigações científicas, como causa do aquecimento global. Oficialmente entrou em vigor em 16 de fevereiro de 2005, depois que a Rússia o ratificou em Novembro de 2004. Por ele se propõe um calendário pelo qual os países desenvolvidos têm a obrigação de reduzir a quantidade de gases poluentes em, pelo menos, 5,2% até 2012, em relação aos níveis de 1990. Os países signatários terão que colocar em prática planos para reduzir a emissão desses gases entre 2008 e 2012. Em uma medida paralela foi estabelecida a Agenda 21, que passou a ser um marco divisório nas questões ambientais, sendo adotado por quase todas as grandes empresas e agora, sendo apresentado ao Mercado Segurador Brasileiro. A Agenda 21 é uma “carta de intenções”, onde deve ficar demonstrado o compromisso das instituições, públicas e privadas e do estado para com as questões de sustentabilidade de nosso Planeta. Deve ficar claro que, nessa Nau que navega pelo Universo, chamada Terra, a sorte de um está intimamente relacionada à sorte do seu companheiro de viagem. Os destinos de todos estão intimamente entrelaçados. Não podemos nos dar ao luxo de ignorar o que os outros deixam de fazer. Até por isso, e com base na responsabilidade social de todos, essa Agenda deve ser cumprida. 6 1. Antonio Fernando Navarro, professor, físico, engenheiro civil, mestre em saúde e meio ambiente, atua nas áreas de Qualidade, Segurança, Meio Ambiente e Saúde - afnavarro@terra.com.br
  7. 7. O slogan da Agenda 21 Global é: pense globalmente, aja localmente. O objetivo principal da Agenda 21 é a mudança do padrão de desenvolvimento, a ser praticado pela humanidade no século XXI. A este novo padrão, que concilia justiça social, eficiência econômica e equilíbrio ambiental, convencionou-se chamar de Desenvolvimento Sustentável. Portanto, a Agenda 21 não visa somente objetivos ambientais, tampouco é um processo de elaboração de um documento de governo. É um pacto ético entre os três principais setores da sociedade- governamental, civil e produtivo - com o futuro. Assim, há a Agenda Nacional, A Agenda Regional e a Agenda estadual. Cada empresa ou instituição pode e deve compor sua agenda. Uma das molas mestra do processo é a questão da sustentabilidade. Isto porque, só colhermos ou coletarmos adequadamente os recursos que a natureza nos oferece não significa que estejamos agindo corretamente. Para que exploremos temos que pensar na sustentabilidade. O conceito de desenvolvimento sustentável ganhou múltiplas dimensões, na medida em que os estudiosos passaram a incorporar outros aspectos das relações sociais e dos indivíduos com a natureza:  Sustentabilidade ecológica: refere-se à base física do processo de crescimento e tem como objetivo a manutenção de estoques de capital natural incorporados às atividades produtivas.  Sustentabilidade ambiental: refere-se à manutenção da capacidade de sustentação dos ecossistemas, o que implica a capacidade de absorção e recomposição dos ecossistemas em face das interferências antrópicas.  Sustentabilidade social: tem como referência o desenvolvimento e como objeto a melhoria da qualidade de vida da população. Em países com desigualdades, implica a adoção de políticas distributivas e/ou redistributivas e a universalização do atendimento na área social, principalmente na saúde, educação, habitação e seguridade social.  Sustentabilidade política: refere-se ao processo de construção da cidadania, em seus vários ângulos, e visa garantir a plena incorporação dos indivíduos ao processo de desenvolvimento.  Sustentabilidade econômica: implica uma gestão eficiente dos recursos em geral e caracteriza-se pela regularidade de fluxos do investimento público e privado – o que quer dizer que a eficiência pode e precisa ser avaliada por processos macrossociais.  Sustentabilidade demográfica: revela os limites da capacidade de suporte de determinado território e de sua base de recursos; implica cotejar os cenários ou tendências de crescimento econômico com as taxas demográficas, sua composição etária e contingentes de população economicamente ativa.  Sustentabilidade cultural: relaciona-se com a capacidade de manter a diversidade de culturas, valores e práticas no planeta, no país e/ou numa região, que compõem ao longo do tempo a identidade dos povos.  Sustentabilidade institucional: trata de criar e fortalecer engenharias institucionais e/ou instituições que considerem critérios de sustentabilidade.  Sustentabilidade espacial: norteada pela busca de maior eqüidade nas relações interregionais. Na pesquisa nacional O Que o Brasileiro Pensa do Meio Ambiente, do Desenvolvimento e da Sustentabilidade (Ministério do Meio Ambiente/ISER, 1997), ficou demonstrado que há forte empatia da população com os temas da sustentabilidade. Existe uma elite multissetorial – empresários, cientistas, parlamentares, líderes de movimentos sociais, dirigentes de ONGs ambientalistas e civis – que já opera com razoável desenvoltura o conceito e nele identifica pelo menos quatro dimensões básicas:  uma dimensão ética, onde se destaca o reconhecimento de que no almejado equilíbrio ecológico está em jogo mais que um padrão duradouro de organização da sociedade – está em jogo a vida dos demais seres e da própria espécie humana (gerações futuras); 7 1. Antonio Fernando Navarro, professor, físico, engenheiro civil, mestre em saúde e meio ambiente, atua nas áreas de Qualidade, Segurança, Meio Ambiente e Saúde - afnavarro@terra.com.br
  8. 8.  uma dimensão temporal, que rompe com a lógica do curto prazo e estabelece o princípio da precaução (adotado em várias convenções internacionais de que o Brasil é signatário e que têm internamente, com a ratificação pelo Congresso, força de lei), bem como a necessidade de planejar a longo prazo;  uma dimensão social, que expressa o consenso de que só uma sociedade sustentável – menos desigual e com pluralismo político – pode produzir o desenvolvimento sustentável;  uma dimensão prática, que reconhece como necessária a mudança de hábitos de consumo e de comportamentos. Essas quatro dimensões complementam a dimensão econômica, que foi a mais destacada nas primeiras discussões a partir dos enunciados do Relatório Brundtland. Em última análise, o conceito de desenvolvimento sustentável está em processo de construção. É e será ainda motivo de intensa disputa teórico-política entre os atores que participam de sua construção – governos nacionais, organizações internacionais, organizações não-governamentais, empresários, cientistas, ambientalistas etc. Agora, voltando à nossa primeira questão, que deu o título desse artigo: O verdadeiro sentido do amanhã; chegamos à conclusão que o sentido passa necessariamente por corrigir-se os erros do passado, enquanto ainda temos tempo, bem como estabelecermos regras que nos assegurem, ou que assegurem às próximas gerações que os recursos que estaremos deixando como herança, mesmo não sendo efetivamente nossos, já que são naturais, estarão em condições de serem utilizados e usufruídos por eles. O presente questionamento sobre alguns pequenos fatores que podem por em risco o equilíbrio de nosso Planeta, serve para demonstrar o estado de fragilidade em que esse se encontra. Parte do processo, é claro, é devido às próprias conturbações do planeta, como os terremotos, erupções vulcânicas, ciclones e tornados, e parte pela ação depredatória causada pelo Homem. Há ainda mecanismos para frear a ação incessante do ser humano sobre a natureza. As nações reunidas elaboraram o Protocolo de Kyoto. Há a Agenda 21, constituída por princípios norteadores de nossas ações. Há ações pontuais de alguns países. Todavia, a maior ação será aquela com a mobilização de todos em uma só direção e sentido. Há muitos anos atrás eu ministrava uma aula para uma turma de 3° ano colegial, abordando uma questão de Física. Disse-lhes na época que poderíamos assistir a uma partida de futebol no Maracanã com um palito de fósforo aceso em nossas mãos, e sem a iluminação do estádio. Houve um questionamento até que lhes disse que se todos estivessem com os seus palitos de fósforos acesos teríamos luz suficiente naquele local, principalmente se o estádio estivesse lotado. Ou seja, ações isoladas são importantes mas não o suficiente. Estamos em uma fase onde as empresas devem se questionar se estão fazendo a sua parte de maneira eficaz e consciente. Como já tivemos a oportunidade de dizer, nosso Planeta é uma Nau que vagueia pelo espaço e que precisa de todos para concluir a sua jornada, pois tem um espaço limitado, uma carência de recursos para continuar a viagem, uma trajetória conturbada e cheia de obstáculos e, para piorar a situação, muitos comandantes e timoneiros que a desviam da rota a todo instante. Se alguém não fizer a sua parte irá, com certeza prejudicará os outros. Ações aparentemente simples como: segregar o lixo caseiro e industrial, economizar a água de casa enquanto tomamos banho e escovamos os dentes, dispor para a reciclagem embalagens de metal, plástico e vidro, reciclar o papel do escritório, desenvolver projetos que levem em consideração uma maior insolação associada a uma ventilação natural adequada, e outras mais, são importantes. As Seguradoras, como parte desse universo de empresas do Planeta Terra, através de sua Federação, também devem estar engajadas no processo, que pode se dar por intermédio de ações simples e objetivas, seja elaborando e implementando suas Agendas, divulgando ações específicas que beneficiem o Meio Ambiente e a Sustentabilidade Ambiental, reavaliando as taxas de seguros com o objetivo de beneficiar ações ou projetos que contribuam menos para a poluição de nosso Planeta, como por exemplo, reduzindo as taxas para os automóveis elétricos, 8 1. Antonio Fernando Navarro, professor, físico, engenheiro civil, mestre em saúde e meio ambiente, atua nas áreas de Qualidade, Segurança, Meio Ambiente e Saúde - afnavarro@terra.com.br
  9. 9. beneficiando as indústrias que poluam menos ou aquelas que causem menos problemas ao meio ambiente, dando um tratamento diferenciado às empresas que atuam fortemente com a questão da Responsabilidade Social. Enfim, essas questões somente as próprias empresas devem responder. Se a resposta for favorável o Planeta Terra com certeza irá agradecer e os próximos seres a chegar a essa Nau também. 9 1. Antonio Fernando Navarro, professor, físico, engenheiro civil, mestre em saúde e meio ambiente, atua nas áreas de Qualidade, Segurança, Meio Ambiente e Saúde - afnavarro@terra.com.br

×