Fenaseg: Avaliação de Riscos - um eficiente meio de prevenção de perdas

204 visualizações

Publicada em

Avaliação de Riscos - um eficiente meio de prevenção de perdas

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
204
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fenaseg: Avaliação de Riscos - um eficiente meio de prevenção de perdas

  1. 1. .. /' - - - - - - - - - ANOXVI RIO DE JANEIRO, 17 DE SETEMBRODE 1984 N9 780 o presidente da FENASEG,Sr. Victor Arthur Renault, encaminhouoficio ao 'Sena- 1 dor Nélson Carneiro formulando sugestões de emendas ao projeto-de-lei n9 643-W 75, aprovado pela Câmara dos Deputados, relativo ã reforma do Código Civil. Na quele projeto de código, o Capitulo XV é todo dedicado ao contrato de seguro. Nõ oficio, assinala o Presidente da FENASEGque lia entidade representativa da categoria economica tem o objetivo e o dever institucional de sempre contribuir para o aperfei çoamento das normas juridicas e legais que regem aquele contrato". Naseção FENASEG: publicamos a correspondência encaminhada ao relator do projeto e as sugestões de emendas. A carta sindical do SERJ (Sindicato das Empresas de Seguros Privados e Capita- 2 lização no Estadó do Rio de Janeiro) foi este mês apostilada pela Secretaria das Relações do Trabalho, em Brasilia. Segundoaapostil~ ficaram expressamente excluidas da representação daquele sindicato as categorias econômicas "caixas de pe- c~lio" e "montepios", para as quais foi reconhecido o Sindicato próprio e especifi - co, constituido no Estado do Rio de Janeiro. Promovido pela Associação Brasileira de Engenheiros de Seguros, realizou-se em ~ São_Paulo, dia 14 de setembro, o simpósio sobre liA Problemática da Fumaça do Incendio". O certame teve como expositor o Prof. e Eng9 Makoto Tsujimoto, da "Faculty of Engineering" - Nagoya University, do Japão. Estiveram presentes ao sim- pósio, engenheiros, técnicos do Mercado Segurador e especialistas em prevenção e se- gurança contra incêndio. 4 O Lloyd's de Londres acaba de anunciar os resultados do exerclcio de 1981 ( os balanços são encerrados ao fim do terceiro ano). Pela primeira vez nos ~lti - mos 15 anos, o Lloyd's acusou prejuizo de 43,5 milhões de libras (85 milhões de dólares ao câmbio da época), para uma receita de prêmios da ordem de 2,3 bilhões. Segundo revelou o "chairman" da entidade, Peter Miller, 1982 e 1983 também foram anos diflceis. Porta-voz do mercado segurador atribuiu a queda da receita de segu- ros ã ociosidade de navios, em conseqUência da recessão. Dia 18 (amanhã), terá inicio no Centro Empresarial de São Paulo, o 19 Seminá - 5 rio Latino-Americano de Segurança e Proteção a Bancos, que contará com a parti cipação de especialistas brasileiros e europeus em sistemas de segurança, dirT gentes de bancos, de empresas seguradoras, de computação e de telecomunicação. Estao previstas oito palestras, que abordarão, entre. outros, os seguintes temas: 1) a expe riência internacional em sistema de segurança; 2) o desenvolvimento ~ecnológico dõ setor; 3) os aspectos que envolvem as companhias seguradoras. O Banco Central ~o Brasil divulgou no "Diário Oficial" da União a Resolução n9 E)965, que introduz alterações na aplicação das r~servas técnicas das Sociedades Seguradoras. De acordo com a Resolução, as reservas técnicas não comprometi - das serão empregadas ao nivel de 35%, no minimo, em Letras do Tesouro Nacional e ORTNs, e 10%, também no minimo, em titulos da divida p~blica dos Estados. (ver seção PODEREXECUTIVO).
  2. 2. -= DIVERSOS - - AVALIAÇÃO DE RISCOS UM EFICIENTE MEIO DE PREVENÇÃO DE PERDAS .-. Eng9 Antonio Fernando de A. Navarro Pereira (***) o;: - A idéia da AvaLiação de Riscos (Loss Prevention) foi in- troduzida na Europa entre o finaL do sécuLo passado e o inicio deste, ten do a partir dai se difundido aos demais continentes. Com a impLantação desse conceito, mais técnico do que fiLosófico, notou-se que houve uma ni tida tendência de redução dos sinistros previsiveis, isto é, dos sinis- tros que peLas suas caracteristicas e conseqüências poderiam ser até mes mo aguardados. Umdos exempLos que poderiamos dar de sinistros previsi - veis é o ocasionado por faLta de manutenção. Umamáquina ou um equipame~ to sem manutenção, com quase toda a certeza será uma fonte inesgotáveL de sinistros, dai o fato de serem sinistros previsiveis. = - - - - A partir desse ponto, os critérios e conceitos da Avalia ção de Riscos, ou Avaliação de Perdas, foram sendo ampUados, no tocante as suas áreas de abrangência. Entretanto, em nosso Pais, esses conceitos reLacionados à Engenharia de Perdas, ainda não foram suficientemente as simiLados e desenvoLvidos. pouquissimas são as empresas que possuem q~ dros técnicos com funções prectpuas de operarem com engenharia de perdas. Muitas vezes essas funções tomam a denominação de Segurança Industrial. - O Mercado Segurador, em 1978, através da CircuLar 119/78, que instituia a obrigatoriedade da reaLização de Gerenciamentos de Riscos (Risk Management), esteve bem próximo das idéias desposadas na Engenharia de Perdas. Através do trabaLho de Gerenciamento de Riscos, seguindo a orientação de roteiros pré-estabeLecidos, a Seguradora LideI' e o Insti- BI.780*pãg.01*17.09.84 = """ Rr' í1I - - n& ,-J "I(). - r,J 1-4.'1.. ....1.""'Ii..
  3. 3. tuto dB Resseguros do fr>asil ti'.!ham melhores condições técnicas dB avaU- ar os riscos segurados. Infe Uzmente, devido a condições técnicas de treinamento básico aos elementos que reaUzariam essas tarefas , bem como a outros fatores não de todo divulgados, essa obrigatoriedade da reaUza- ção de Gerenciamentos em Riscos Incêndio-VuZt08ns foi relaxada, e final - mente revogada. - .... - o movimento não foi de todo em vão, -porque graças a ele criou-se um campo novo de trabalho aos Engenheiros, Arquitetos, Quimicos, e demais categorias profissionais correLatas, que a partir dessa época passaram a engrossar os quadros funcionais das Seg~adoras e Corretoras . - - Apesar disto tudo cabem algumas perguntas: Será que a experiência não foi váUda? Há possibiUdade de retorno à obrigatorieda- dB do Gel'enciamento dB Riscos, também conhecido como Administração de Ris cos? - ..... Somos de opinião, como agentes reaLizadores desse traba- Lho pioneiro, que as experiências reco lhidas ao longo de toda uma seqüê?!:. cia de trabalho foram muito váUdas. Pudemos observar também que esse ti po de assistência, promovida peLas Seguradoras, sempre teve boa acolhida por parte dos Segurados. Foi também bastante váUdo o conhecimento mais profundo de instaLações seguradas, já que esse nos propiciou a elaboração de seguros mais técnicos e com maiores e meLhores coberturas. Ainda assim nos perguntamos o porque da não continuidade desses trabalhos, sob a orientação do Instituto de Resseguros do BrasiL. ...... Acreditamos que a AvaUação de Riscos seja um eficiente meio de prevenção de perdas, a qual realizada com técnica e quaUdade é um eficiente instrumento de controLe e assistência aos segurados, podendo reduzir em muito as inspeções roti~eiras executadas peLo Instituto de Res sugos do Brasi l. - - .... *** Engenh~o C~V~ e de Seg~ça do T4abatho,p406~ ~04 de e~o~ de SegU4ança IndUót41al e Engenh~ de ~eo~ de Compan~a SegU4ado4a. ... ... w. BI.780*Pág.02*17.09.84 -

×