1
Rudolf Steiner
O CONHECIMENTO
DOS
MUNDOS SUPERIORES
( A INICIAÇÃO )
3ª EDIÇÃO REVISTA
TRADUÇÃO DE
ERIKA REIMANN
Título o...
2
SUMÁRIO
Prefácio à terceira edição alemã
Prefácio à quinta edição alemã
Prefácio à última edição do Autor
O conhecimento...
3
PREFÁCIO À TERCEIRA EDIÇÃO ALEMÃ
Com o presente volume aparecem, sob forma de livro, explanações
originalmente publicada...
4
atraído para os factos observados no mesmo e perguntar de que modo o clarividente
chega a esses factos. Para as pessoas ...
5
PREFÁCIO À QUINTA EDIÇÃO ALEMÃ
A nova edição desta obra exigiu uma revisão minuciosa do texto, escrito há mais de
dez an...
6
A esta primeira parte deve ser acrescentada uma segunda, com exposições sobre a
condição anímica que levará o homem à vi...
7
O CONHECIMENTO
DOS MUNDOS SUPERIORES
Condições
Em cada ser humano há faculdades latentes através das quais ele pode adqu...
8
Muitas pessoas acreditam que seria preciso procurar, em determinados lugares,
os mestres do saber superior para deles se...
9
iniciado só conquistou a força para alçar sua cabeça às alturas do conhecimento por ter
conduzido seu coração às profund...
10
reprimindo o julgamento condenável. Mas isto não deve permanecer como regra
exterior de vida e, sim, terá de apossar-se...
11
por nós, atraídas qualidades de seres que nos rodeiam, as quais, de outro modo,
permanecem ocultas.
Mais eficaz ainda s...
12
saber, somente para acumular tesouros em ti, desviar-te-á de teu caminho; toda
cognição, porém, que procuras para torna...
13
como se aquilo a que ele se dedica, nesse tempo de recolhimento, nada tenha a ver com
o conteúdo de seu trabalho quotid...
14
todos os que assim procederem, chegará o dia em que, ao seu redor, haverá uma luz
espiritual onde um mundo novo se desc...
15
espaço. Ao homem interior, nenhuma força exterior pode abrir espaço. Isto somente a
calma interior é capaz de fazer, ca...
16
elevado, mais real do que os objectos no espaço. Ele experimenta o facto de expressar-
se vida nesse mundo de pensament...
17
contemplação do eterno, do indestrutível cerne de seu ser. E somente através dela o ser
humano poderá chegar a tal cont...
18
A preparação
A preparação consiste no cultivo bem determinado da vida dos sentimentos e
dos pensamentos. Por meio desse...
19
que outrora deixavam impressões vagas; virão a formar, isto sim, linhas e figuras
espirituais de que ele antigamente na...
20
próprio íntimo. No lugar do sentimentalismo mesquinho e associações pueris de ideias,
surgirão sentimentos significativ...
21
desfavoráveis. Trata-se, graças a isso, de não apenas abster-se de qualquer julgamento
intelectual, mas também de qualq...
22
pedra com o animal, da seguinte forma: os pensamentos que para aí são dirigidos terão
de atravessar a alma acompanhados...
23
ainda com relação ao já dito, a melhor coisa será a observância de tal competente
direcção. Aliás, se o indivíduo encon...
24
desenvolverem nele forças espirituais e anímicas, não as percebe de imediato. Reside aí
a possibilidade de incorrer num...
25
meus olhos não poderem discerni-la de uma autêntica, não haveria força nem da terra
nem da luz que dela pudesse fazer s...
26
mais existirá daquilo que agora vejo diante de mim. Mas essa planta terá então
produzido, a partir de si, grãos de seme...
27
realidade criá-las em mim. Das profundezas de minha própria alma a verdade terá de
brotar; mas não é meu eu comum que, ...
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)

1.490 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.490
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
72
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O conhecimento dos mundos superiores (rudolf steiner)

  1. 1. 1 Rudolf Steiner O CONHECIMENTO DOS MUNDOS SUPERIORES ( A INICIAÇÃO ) 3ª EDIÇÃO REVISTA TRADUÇÃO DE ERIKA REIMANN Título original: WIE ERLANGT MAN ERKENNTNISSE DER HÖHEREN WELTEN? © 1961 Rudolf Steiner Verlag Dornach, Suíça GA-Nr. 10 – ISBN 5-7274-0100-1 Direitos desta tradução reservados à EDITORA ANTROPOSÓFICA (Associação Pedagógica Rudolf Steiner) R. São Benedito, 1525 – c/45 - 04735 São Paulo – SP Tel. (011) 247-9714 1ª edição: 1985 2ª edição: 1987 3ª edição – 1991 ISBN 85-7122-029-8
  2. 2. 2 SUMÁRIO Prefácio à terceira edição alemã Prefácio à quinta edição alemã Prefácio à última edição do Autor O conhecimento dos mundos superiores Condições Calma interior Os graus da iniciação A preparação A iluminação Controle dos pensamentos e sentimentos A iniciação Considerações de ordem prática As condições para a disciplina oculta Sobre alguns efeitos da iniciação Modificações na vida onírica do discípulo A aquisição da continuidade da consciência A cisão da personalidade durante a disciplina espiritual O guardião do limiar Vida e morte – O grande guardião do limiar Posfácio à última edição do Autor
  3. 3. 3 PREFÁCIO À TERCEIRA EDIÇÃO ALEMÃ Com o presente volume aparecem, sob forma de livro, explanações originalmente publicadas em artigos avulsos sob o titulo: Como se adquirem conhecimentos dos mundos superiores? Por ora este tomo apresentará a primeira parte; um segundo conterá a continuação. Não se poderá apresentar, sob sua nova forma, este trabalho sobre o desenvolvimento do indivíduo para a compreensão dos mundos supra- sensoriais sem prefaciá-lo com algumas palavras. As informações relativas ao desenvolvimento anímico do indivíduo, nele contidas, visam a satisfazer diversos objectivos. Em primeiro lugar, destinam-se àqueles que se sentem atraídos pelos resultados das investigações espirituais e que forçosamente farão a seguinte pergunta: ora, de onde extraem seus conhecimentos as pessoas que afirmam poder falar sobre as elevadas questões enigmáticas da vida? A Ciência Espiritual diz algo acerca desses enigmas. Quem desejar observar os factos que conduzem a essas afirmações terá de elevar-se aos conhecimentos supra-sensoriais e percorrer o caminho que se procurou descrever neste livro. Seria, porém, um erro considerar as afirmações da ciência oculta sem valor para aqueles que não tenham a inclinação ou a possibilidade de seguir por si esse caminho. Para investigar os factos é preciso ter a faculdade de penetrar nos mundos supra-sensoriais; sendo estes, porém, pesquisados e relatados, pode convencer- se da verdade dos relatos mesmo quem não percebe por si mesmo. Uma grande parte dos mesmos pode ser provada facilmente, desde que se aplique o juízo sadio de maneira realmente imparcial. Apenas a pessoa não deveria, nesta imparcialidade, deixar-se perturbar por quaisquer possíveis preconceitos, tão numerosos na vida humana. Encontrar-se-á facilmente, por exemplo, a opinião de que isso ou aquilo é incompatível com certos resultados alcançados pela ciência atual. Na verdade, não há resultado científico algum que contrarie a pesquisa espiritual. Realmente, se os resultados científicos não forem encarados de maneira imparcial sob todos os ângulos, chegar-se-á facilmente a crer que este ou aquele parecer cientifico discorda das informações sobre os mundos superiores. Concluir-se-á que, quanto mais se relacionar sem prevenções a Ciência Espiritual com as conquistas científicas positivas, mais se perceberá sua total concordância. Contudo, uma outra parte das informações da Ciência Espiritual escapa, de certa forma, a critérios meramente intelectuais. Isto se torna de fácil compreensão, no entanto, quando se verifica que não apenas o raciocínio pode ser um juiz da verdade, mas também o sentimento sadio. E quando esse sentimento não se deixa arrastar pela simpatia ou antipatia por esta ou aquela opinião, mas permite que os conhecimentos dos mundos supra-sensoriais atuem de maneira realmente imparcial, surgirá também um adequado critério de sentimento. Há ainda outros meios para confirmação desses conhecimentos, para as pessoas que não podem ou não querem trilhar o caminho que conduz aos mundos supra-sensoriais. Tais pessoas podem, porém, sentir o valor que esses conhecimentos têm para a vida, mesmo quando apenas obtidos das informações do pesquisador espiritual. Nem todos podem tornar-se logo clarividentes, mas os conhecimentos de um clarividente são um salutar alimento para a vida de qualquer pessoa. Pois cada um pode empregá-los na vida. E quem o faz logo verificará o quanto a vida se enriquece com eles em todos os domínios, devido aos novos conhecimentos, e o quanto se empobrece ao exclui-los. Os conhecimentos dos mundos supra-sensoriais, correctamente aplicados à vida, demonstram ter um carácter eminentemente prático. Mesmo quem não pretende trilhar o caminho superior do conhecimento pode sentir-se
  4. 4. 4 atraído para os factos observados no mesmo e perguntar de que modo o clarividente chega a esses factos. Para as pessoas interessadas nessa pergunta, este livro quer dar uma imagem do que é necessário empreender para realmente conhecer os mundos supra-sensoriais. Deseja descrever o caminho de tal maneira que mesmo quem não o siga confie nas narrações de quem já o percorreu. Pode-se estudar a natureza da actividade do investigador espiritual e, aprovando-a, concluir que a impressão causada pela descrição do caminho para os mundos superiores torna compreensível a plausibilidade dos factos comunicados. Assim, esta obra servirá a todos os que desejarem dar maior firmeza e segurança ao seu sentido e sentimento da verdade relativamente aos mundos superiores. Outrossim, quer ser útil aos que estão à procura, por si mesmos, do caminho dos conhecimentos supra-sensorìais. Experimentarão melhor a verdade do que aqui é apresentado as pessoas que o realizarem em si mesmas. Quem tiver tal propósito fará bem em repetir para si mesmo que, na descrição do desenvolvimento da alma, é necessário esforçar-se por conseguir mais que a familiarização com o conteúdo, como é o caso em outras explanações. É necessária uma íntima comunhão com a descrição; impõe-se o pressuposto de não se poder compreender uma coisa apenas pelo que se ouviu falar dela, mas através de informações sobre assuntos inteiramente diferentes. Verificar-se-á assim que o essencial não reside em uma só verdade, mas na univocidade de todas. Quem quiser exercitar-se precisará considerar isto muito seriamente. Um exercício bem compreendido e correctamente executado poderá, mesmo assim, actuar incorrectamente se o executante deixar de acrescentar outro, que compelirá a unilateralidade do primeiro a uma harmonia da alma. Quem ler este livro com profunda atenção, de modo que a leitura se torne uma vivência interior, não só se familiarizará com o conteúdo, mas chegará a sentir diferentes sentimentos, segundo as diversas passagens; reconhecerá, assim, que peso um ou outro representa para a evolução da alma. Descobrirá, ainda, o modo mais apropriado, em especial à sua individualidade, de executar este ou aquele exercício. Quando se trata, como nesta obra, de descrições de processos que devem ser vivenciados, é mister recorrer repetidamente ao conteúdo do livro; pois nos convenceremos de que existem muitas coisas que não podemos compreender satisfatoriamente sem pesquisá-las para, depois da pesquisa, perceber certas subtilezas que nos escapavam anteriormente. Também os leitores que não tencionam seguir o caminho indicado hão de encontrar no texto muita regra útil para a vida interior, sejam máximas de vida, sejam indicações de como esclarecer este ou aquele problema aparentemente enigmático, etc. E muitos que já passaram por muitas experiências no decorrer da existência, tendo assim experimentado de certo modo uma iniciação pela vida, hão de sentir certo contentamento ao encontrar aqui esclarecimentos para muita coisa que já pressentiam, que já sabiam sem ter talvez consciência nítida desse conhecimento. Berlim, 12 de outubro de 1909 Rudolf Steiner
  5. 5. 5 PREFÁCIO À QUINTA EDIÇÃO ALEMÃ A nova edição desta obra exigiu uma revisão minuciosa do texto, escrito há mais de dez anos, o que é natural quando se trata de informações tais como as descritas neste livro, sobre vivências e caminhos anímicos. Não há parte alguma destas informações que não esteja intimamente ligada à alma do autor e não contenha algo que nela trabalhe de maneira continua. Tampouco poderia deixar de unir-se a esse trabalho anímico o anseio de dar maior clareza e nitidez à explanação dada anos atrás. Esse anseio brotou naquilo que procurei fazer pelo livro nesta nova edição. Embora em todos os elementos essenciais das explicações todos os factos principais tenham permanecido, foram, no entanto, efectuadas algumas modificações importantes. Muito pude fazer, em várias passagens, por uma mais exacta caracterização em detalhes. Isto me pareceu importante. Se alguém quiser empregar na própria vida espiritual as informações deste livro, é importante que focalize do modo mais exacto possível os caminhos anímicos aqui referidos, pois os fenómenos espirituais interiores facilitam os mal-entendidos em escala muito maior que a descrição dos factos do mundo físico. A mobilidade da vida anímica, a necessidade de nunca perder da consciência, ao abordá-la, o quanto ela é diferente de toda a existência no mundo físico e muitos outros factores contribuem para a possibilidade de tais mal-entendidos. Cuidei, nesta nova edição, de descobrir as passagens do livro onde poderiam surgir, e esforcei-me por evitá-los no texto. Quando escrevi os artigos de que o livro se compõe, foi necessário explicar certas coisas de modo diferente do atual. Naquela época eu não podia fazer alusão a muita coisa contida em minhas publicações dos últimos dez anos sobre factos do processo de conhecimento dos mundos espirituais. Em A ciência oculta *, A direcção espiritual do homem e da Humanidade **, Ein Weg zur Selbster-kenntnis des Menchen *** (Um caminho para o autoconhecimento do homem) e, sobretudo, em O limiar do mundo espiritual**** e também em outros de meus livros, descrevi fenómenos espirituais a cuja existência o livro, há mais de dez anos, já devia fazer alusão, porém em termos diferentes daqueles que agora me parecem apropriados. Naquela ocasião tive de dizer, a respeito de muitas coisas ainda não descritas no livro, que poderiam vir a ser conhecidas por “informações verbais”. Actualmente, muito do que se subentendia com tais indicações já está publicado. Com essas indicações, no entanto, talvez não fossem totalmente evitadas as concepções erróneas pelos leitores. Poder-se-ia atribuir demasiada importância ao intercurso pessoal do discípulo do espiritual com este ou aquele instrutor. Espero ter conseguido acentuar mais nitidamente, nesta nova edição, pela forma de apresentação de certos pormenores, que importa muito mais, conforme as condições espirituais de nossos tempos, ter o discípulo relações directas com o mundo espiritual do que tê-las com a personalidade de um instrutor. Este ocupará, cada vez mais, no sentido espiritual, a posição de apenas auxiliar – tal como, de acordo com as ideias modernas, acontece com os professores de qualquer outro ramo da ciência. Creio ter insistido suficientemente no facto de que, no ensino espiritual, não se deverá atribuir maior importância à autoridade do instrutor e à fé em sua pessoa do que em qualquer outro domínio do saber ou da vida. Parece-me de grande importância o julgamento cada vez mais correcto que se deve fazer justamente a respeito das relações do investigador espiritual com pessoas que se interessam pelos resultados de suas pesquisas. Assim, creio ter melhorado o livro nas passagens nas quais, depois de dez anos, pude achar necessidade de correcção.
  6. 6. 6 A esta primeira parte deve ser acrescentada uma segunda, com exposições sobre a condição anímica que levará o homem à vivência dos mundos superiores. Ao se ultimar a preparação da nova edição deste livro, teve inicio a grande conflagração que a Humanidade vivência actualmente.***** Escrevo este prefácio com a alma profundamente comovida pelos pressagos acontecimentos. Berlim, 7 de setembro de 1914 Rudolf Steiner ______________ * S. Paulo, Ed. Antroposófica, 3'. ed. 1991. ** S. Paulo, Ed. Antroposófica, 2'. ed. 1991. *** Rudolf Steiner Verlag Dornach, GA-Nr. 16. **** S. Paulo, Assoc. Ped. Rudolf Steiner, 1980 (apostilha). ***** Primeira Guerra Mundial. (N.T.) PREFÁCIO À ÚLTIMA EDIÇÃO DO AUTOR Para o conteúdo da nova edição do presente livro, pareceu-me necessário, na revisão, fazer apenas pequenas modificações. Em compensação, acrescentei a esta edição um epilogo, no qual me esforcei para exprimir-me de modo mais claro do que anteriormente sobre vários assuntos referentes aos fundamentos anímicos em que devem basear-se as informações dadas neste livro, a fim de serem recebidos sem equívocos. Creio que o conteúdo desse epílogo servirá também para elucidar, a muitos adversários da Ciência Espiritual Antroposófica, que eles só podem sustentar seu juízo por conceberem como ciência espiritual algo completamente diferente do que esta representa e que foge ao seu alcance. Maio de 1918 Rudolf Steiner
  7. 7. 7 O CONHECIMENTO DOS MUNDOS SUPERIORES Condições Em cada ser humano há faculdades latentes através das quais ele pode adquirir conhecimentos dos mundos superiores. O místico, o gnóstico, o teósofo, sempre falaram de um mundo das almas e de um mundo dos espíritos, para eles existentes com a mesma realidade daquilo que nossa vista física pode ver ou nossa mão física pode apalpar. Quem ouvir isto, pode pensar a qualquer momento: "Aquilo a que eles se referem posso também experimentar, caso desenvolva certas forças ainda adormecidas dentro de mim." A questão trata-se apenas de saber por onde começar para desenvolver em si tais faculdades. Somente aqueles que já possuem em si tais forças ou poderes, podem instruir. Desde que a humanidade existe, existiu sempre uma disciplina através da qual os dotados de faculdades superiores instruíam outros que aspiravam a possuí-las. Essa disciplina é chamada disciplina do oculto, e o ensino aí recebido chama-se ensino científico-espiritual ou oculto; tal denominação pode provocar mal-entendidos, levando facilmente a crer que os que se dedicam a tal disciplina nessas escolas queiram parecer seres privilegiados, recusando-se voluntariamente a comunicar a sua ciência a seus semelhantes. Somos tentados a crer que talvez nada exista de relevante por trás de tal saber, pois caso se tratasse de um verdadeiro saber não seria necessário fazer mistério poder-se-ia comunicá-lo abertamente, tornando suas vantagens acessíveis a todas as pessoas. Os iniciados na natureza da ciência esotérica não se admiram, de modo algum, que os leigos raciocinem assim. Só quem experimentou por si mesmo, até certo grau, essa iniciação nos mistérios superiores da existência pode compreender em que consiste o segredo da iniciação. Pode-se perguntar: em tais circunstâncias, como pode um não- iniciado chegar a ter qualquer interesse humano no assim chamado saber oculto? Como e por que procurar algo cuja natureza não pode imaginar? Tais perguntas baseiam-se numa ideia inteiramente errónea a respeito da essência do saber oculto. Em verdade, procede-se com o saber oculto da mesma forma que com todo o restante saber ou capacidade do ser humano. Esse saber oculto não oferece maior mistério ao indivíduo comum do que o escrever a quem não o aprendeu. E como todos podem aprender a escrever, bastando escolher os caminhos certos, todos podem tornar-se discípulos e até mestres de ocultismo, desde que procurem o caminho adequado. Apenas num ponto de vista as condições diferem aqui do saber e do "ser capaz" exteriores. Alguém pode estar impossibilitado de aprender a arte de escrever, em razão de sua pobreza ou das condições culturais em que nasceu; para o alcance do saber e do "ser capaz" nos mundos superiores não há obstáculos aos que seriamente o procuram.
  8. 8. 8 Muitas pessoas acreditam que seria preciso procurar, em determinados lugares, os mestres do saber superior para deles se obterem esclarecimentos. Dois pontos são correctos: em primeiro lugar, quem aspirar seriamente a esse saber superior não temerá esforço ou obstáculo algum na busca de um iniciado capaz de introduzi-lo nos mistérios superiores do mundo. Mas, por outro lado, cada um pode também estar certo de que a iniciação o encontrará infalivelmente, desde que haja uma séria e digna aspiração ao conhecimento - pois existe uma lei natural que leva todos os iniciados a jamais recusar a aspirante algum o saber a que este tem direito. Há, entretanto, outra lei igualmente natural, rezando que nada do saber oculto pode ser entregue a quem não esteja em condições de recebê-lo. E um iniciado é tanto mais perfeito quanto mais severamente observa estas duas leis. O laço espiritual que abrange todos os iniciados não é exterior, mas ambas as leis citadas formam elos fortes que asseguram a firmeza dessa ligação. Você pode viver em íntima amizade com um iniciado; mas estará separado de sua essência até que você mesmo se torne um iniciado. Pode desfrutar todo o seu coração, toda a sua afeição; ele só lhe confiará seu segredo quando você estiver maduro para recebê-lo. Nem a lisonja, nem a tortura, nada poderá obrigá-lo a uma revelação que não lhe deva fazer, pois o grau de sua evolução ainda não permite a você preparar o correcto acolhimento do mistério em sua alma. Os caminhos que amadurecem o indivíduo para o acolhimento de um mistério são precisamente determinados. Suas direcções estão traçadas com letras indeléveis e eternas nos mundos espirituais, onde os iniciados preservam os augustos mistérios. Em tempos remotos, situados antes da nossa "História", os templos do espírito eram visíveis também exteriormente. Hoje, quando nossa vida se tornou tão desespiritualizada, esses templos não existem mais no plano acessível aos olhos materiais. Mas existem espiritualmente por toda parte; e quem os procurar poderá encontrá-los. Só em sua própria alma é que o ser humano achará os meios para abrir os lábios dos iniciados. Ele deve desenvolver em si certas qualidades até um certo grau elevado; então os supremos tesouros espirituais poderão ser-lhe concedidos. Certa disposição fundamental da alma deve constituir o início. O investigador do oculto denomina-a a trilha da veneração, da devoção diante da verdade e do conhecimento. Só quem possui esta disposição fundamental pode tornar-se discípulo do oculto. Quem possui experiências nesse domínio sabe quais são as disposições, perceptíveis já na infância, nas pessoas que mais tarde serão discípulos do oculto. Há crianças que erguem os olhos com sagrada timidez para certas pessoas por elas veneradas. Têm-lhe uma veneração que as proíbe, no mais profundo do coração, de deixar surgir qualquer ideia de crítica ou oposição. Ao crescer, tais crianças tornam-se rapazes e moças que se sentem bem ao erguer os olhos para algo digno de veneração. Das fileiras desses seres humanos é que resultam muitos discípulos do oculto. Já não lhe ocorreu alguma vez parar diante da porta de uma pessoa venerada e, nessa sua primeira visita, sentir um sagrado acanhamento em pressionar a maçaneta para entrar num aposento que lhe parecia um santuário? Assim, manifestou-se em você um sentimento que pode ser o germe para o seu posterior aprendizado do oculto. É uma ventura para todo ser humano em desenvolvimento ter tais sentimentos latentes. Só não se deve imaginar que essa disposição seja o germe para formar a submissão e a escravidão. A veneração infantil diante do homem tornar-se-á mais tarde veneração diante da verdade e do conhecimento. A experiência nos ensina que as pessoas mais capacitadas a andar de cabeça erguida são as que aprenderam a venerar onde cabe a veneração. E ela é sempre cabível quando brota das profundezas do coração. Se não desenvolvermos em nós o profundo sentimento de que existe algo superior ao que somos, não acharemos forças para atingir um grau mais elevado. O
  9. 9. 9 iniciado só conquistou a força para alçar sua cabeça às alturas do conhecimento por ter conduzido seu coração às profundezas da veneração e da devoção. A elevação do espírito só pode ser alcançada quando se atravessa o portão da humildade. Você só poderá alcançar um correcto saber quando houver aprendido a respeitá-lo. O homem tem indubitavelmente o direito de defrontar a luz com seu olhar; porém, deve conquistar esse direito. Há leis, na vida espiritual, como as há na vida material. Friccionando-se um bastão de vidro com um material adequado, ele se torna eléctrico, ou seja, adquire a força para atrair pequenos corpos. Isto corresponde a uma lei da Natureza, como sabe quem aprendeu um pouco de física. Sabe-se igualmente, quando se conhecem os princípios da ciência oculta, que cada sentimento de verdadeira devoção desenvolvido na alma promove uma força que conduzirá - cedo ou tarde - ao conhecimento. Quem possuir em suas disposições os sentimentos devocionais, ou tiver a ventura de tê-los implantados através de uma educação adequada, levará muito consigo quando, na vida posterior, procurar o acesso aos conhecimentos superiores. Quem não trouxer tal preparação encontrará dificuldades já no primeiro grau da senda do conhecimento, a não ser que trate de desenvolver energicamente em si próprio, por meio de auto-educação, a disposição devocional. Em nossa época é particularmente importante voltar toda a atenção para esse ponto. Nossa civilização tende mais à crítica, a julgamentos e condenações, e pouco à devoção e à veneração abnegada. Já nossos filhos preferem muito mais a crítica à veneração abnegada. Mas cada crítica, cada julgamento reprovável expulsa da alma as forças para o conhecimento superior tanto quanto as devolve cada veneração abnegada. Com isto não se pretende atacar nossa civilização. Não se trata, de forma alguma, de aqui manifestar crítica a esta nossa civilização, já que devemos, justamente à crítica, ao autoconsciente julgamento humano, ao "examine tudo e guarde o melhor", a grandeza de nossa cultura. Jamais o ser humano teria alcançado a ciência, a indústria, as comunicações, as condições jurídicas de nossa época se não houvesse aplicado crítica a tudo, se não houvesse submetido tudo ao critério de seu julgamento. Mas o que assim conquistamos em cultura exterior, tivemos de pagá-lo através de correspondentes perdas de conhecimento superior, de vida espiritual. Convém frisar não tratar-se, na cognição superior, de veneração a pessoas, mas sim daquela veneração diante da verdade e da cognição. Uma coisa, porém, todos devem ter em mente: para o indivíduo integralmente submerso na civilização alheada de nossa época será bastante difícil avançar ao conhecimento dos mundos superiores. Ele só o conseguirá se energicamente se autodisciplinar. Numa época em que as condições da vida material eram simples, alcançava-se também mais facilmente uma elevação espiritual. Aquilo que merecia veneração, que era digno de manter-se sagrado, sobressaía-se mais das restantes condições mundiais. Os ideais são degradados numa época crítica. Outros sentimentos tomam lugar da devoção, do respeito, da adoração e da admiração. Nossa época faz recuar cada vez mais esses sentimentos, de modo que na vida quotidiana eles são levados ao ser humano apenas em níveis muito baixos. Quem procura o conhecimento superior terá de desenvolvê-lo em si. Ele mesmo deverá infundi-lo em sua alma. Isto não é possível através de estudos: só a vida poderá fazê-lo. Quem quiser tornar-se discípulo do oculto terá de educar-se energicamente, para desenvolver em si a disposição devocional. Terá de procurar, em seu ambiente e em suas vivências, o que lhe possa causar admiração e respeito. Se, ao encontrar uma pessoa, eu censurar suas fraquezas, privar-me-ei de força cognitiva superior; se tentar, com carinho, aprofundar- me em suas boas qualidades, estarei acumulando tal força. O discípulo terá de ponderar constantemente e seguir essa instrução. Os ocultistas experimentados sabem qual força devem à circunstância de, frente a todas as coisas, considerar sempre o lado bom,
  10. 10. 10 reprimindo o julgamento condenável. Mas isto não deve permanecer como regra exterior de vida e, sim, terá de apossar-se do mais íntimo de nossa alma. Está nas mãos do ser humano aperfeiçoar-se, transformar-se inteiramente no decorrer do tempo. Mas essa transformação terá de realizar-se em seu mais íntimo, em sua vida mental. Não basta eu mostrar exteriormente, em meu comportamento, respeito perante um ser. Devo ter esse respeito em meus pensamentos. O discípulo deverá começar a assimilar a devoção em sua vida mental. Ele deverá atentar para os pensamentos de desprezo e de crítica negativa em sua consciência. E deverá procurar cultivar pensamentos de devoção. Cada momento em que nos sentamos para observar em nossa consciência o quanto existe em nós de crítica desdenhosa, desfavorável e negativa sobre o mundo e a vida, cada tal momento nos aproxima mais do conhecimento superior. E nos elevaremos rapidamente se em tais momentos preenchermos nossa consciência só com pensamentos que nos encham de admiração, respeito e devoção para com o mundo e a vida. Quem possui experiência nesse particular sabe que cada um de tais momentos faz despertar, no ser humano, forças que de outra forma permaneceriam adormecidas. É desse modo que ao ser humano são abertos os olhos espirituais. Ele começa, assim, a ver à sua volta objectos que antes não era capaz de ver. Ele começa a compreender que antes só via parte do mundo ao seu redor. A pessoa que se lhe defronta mostra agora uma figura totalmente diferente da anterior. É verdade que esta disciplina ainda não o habilitará a ver aquilo que, por exemplo, se pode descrever como a aura humana, já que para tanto é necessária uma disciplina ainda mais elevada. No entanto, ele poderá elevar-se a essa disciplina superior desde que, antes, se tenha exercitado numa enérgica disciplina da devoção. 1 A entrada do discípulo no "caminho da cognição" ocorre sem ruído e desapercebida pelo mundo exterior. Ninguém precisa notar nele uma mudança. Ele cumpre seus deveres como antes; ocupa-se de seus negócios como outrora. A transformação ocorre meramente no lado interior da alma, a salvo da vista exterior. Primeiramente, toda a vida anímica do indivíduo é alcançada por aquela disposição devocional para com tudo que é verdadeiramente digno de veneração. Neste sentimento fundamental toda a sua vida anímica encontra o ponto central. Como o Sol vivifica com seus raios tudo que tem vida, assim a veneração vivifica todas as sensações da alma no caso do discípulo. No início, não é fácil ao indivíduo crer que sentimentos tais como respeito, estima, etc. tenham algo a ver com seu conhecimento. Isto provém do hábito de considerar o conhecimento como uma faculdade em si, que não apresenta ligação alguma com o que ademais ocorre na alma. Com isso não se leva em conta, porém, que é precisamente a alma que conhece. E para a alma, sentimentos são o que para o corpo são as substâncias, constituindo seu alimento. Se, em lugar do pão, dermos pedras ao corpo, sua actividade se extinguirá. Algo semelhante acontece com a alma. Para ela, veneração, respeito e devoção são substâncias nutritivas que a tornam sadia e vigorosa - sobretudo vigorosa para a actividade do conhecimento. Desprezo, antipatia, depreciação dos valores que merecem conhecimento produzem paralisia e fenecimento da actividade cognitiva. Para o ocultista, tal facto é visível na aura. Uma alma que assimila sentimentos de veneração e devoção altera sua aura. Certos matizes espirituais de vermelho-amarelado, vermelho pardacento desaparecem, sendo substituídos por vermelho-azulado. Desse modo, porém, abre-se a faculdade cognitiva; ela passa a receber conhecimento de factos de seu ambiente, de cuja existência não tinha antes noção alguma. A veneração desperta uma força simpática na alma e através dela são,
  11. 11. 11 por nós, atraídas qualidades de seres que nos rodeiam, as quais, de outro modo, permanecem ocultas. Mais eficaz ainda se torna o que podemos conseguir através da devoção, quando se lhe acrescenta uma outra espécie de sentimentos. Consiste no facto de o indivíduo aprender a abandonar-se cada vez menos às impressões do mundo exterior, desenvolvendo, em compensação, uma vida interior activa. Uma pessoa que corre de uma impressão do mundo exterior a outra, constantemente em busca de "distracção", não encontrará o caminho da ciência oculta. O discípulo não deve desinteressar-se do mundo exterior, mas sua rica vida interior terá de indicar-lhe a direcção em que ele poderá entregar-se às suas impressões. Uma pessoa cuja alma esteja plena de sentimentos profundos terá, ao passar por uma bela paisagem montanhosa, vivências diferentes daquelas de uma pessoa apática. Só o que vivenciamos interiormente nos dá a chave para as belezas do mundo exterior. Um homem viaja pelo mar, mas apenas poucas vivências interiores lhe perpassam a alma; o outro percebe, nas mesmas circunstâncias, a linguagem eterna do Espírito Cósmico - se lhe desvendam enigmas secretos da Criação. Devemos ter aprendido a lidar com os próprios sentimentos e representações mentais se quisermos estabelecer uma relação substancial com o mundo exterior. O mundo exterior, em todos os seus fenómenos, transborda magnificência divina; no entanto, temos de primeiramente vivenciar o divino em nossa própria alma se quisermos encontrá-lo no meio ambiente. O discípulo é convidado a criar em sua vida momentos nos quais, silenciosa e solitariamente, se aprofunde em si próprio. Mas não deverá abandonar-se, em tais momentos, a questões de seu próprio "eu", pois isso resultaria no contrário daquilo que intenta. Ele deve, isso sim, deixar ressoar, no silêncio, o eco daquilo que tem vivenciado, que o mundo exterior lhe tem dito. Cada flor, cada animal, cada acção desvendar-lhe-á, em tais momentos silenciosos, segredos jamais imaginados. E desse modo ele é preparado para colher novas impressões do mundo exterior com uma visão totalmente diferente da anterior. Quem apenas pretende saborear uma impressão após outra verá embotar-se sua capacidade cognitiva. Quem, após o prazer, se permitir revelar algo desse prazer, cultivará e educará sua capacidade cognitiva. Apenas terá de acostumar-se a não somente deixar ressoar o eco do prazer, mas sim, por meio da renúncia a um novo prazer, elaborar a satisfação obtida mediante actividade interior. O "recife", representando perigo, aqui é muito grande. Ao invés de trabalhar em si própria, facilmente a pessoa poderá incorrer no contrário ao querer, posteriormente, esgotar o prazer na íntegra. Não se subestime a possibilidade de aqui se abrirem incalculáveis fontes de erros para o discípulo, uma vez que ele terá de passar pelo meio de um grupo de tentadores de sua alma. Todos eles querem endurecer seu "eu", encerrá-lo em si mesmo. Mas ele deve abrir-se ao mundo. Eis que deve procurar o prazer, já que somente através dele o mundo exterior se lhe aproxima. Tornando-se insensível ao prazer, virá a ser como uma planta incapaz de tirar de seu meio ambiente qualquer substância alimentar. Permanecendo, porém, no prazer, encerrar-se-á em si mesmo, vindo a ser algo para si mas nada significando para o mundo. Por mais intensamente que viva em si e por mais que cultive seu "eu", o mundo o eliminará; para este, ele está morto. O discípulo do oculto considera o prazer apenas como um meio de enobrecer-se para o mundo. O prazer é, para ele, um explorador que o ensina sobre o mundo. Mas após o ensino mediante o prazer ele caminha em direcção ao trabalho. Não aprende a fim de acumular o aprendido como seu tesouro de sabedoria, mas sim para colocar o aprendido a serviço do mundo. Em toda ciência oculta reside um princípio que não se deve infringir quando se quer alcançar um fim almejado. Toda disciplina oculta terá de imprimi-lo em seus discípulos. Ele diz: Toda cognição que procuras com o único fito de enriquecer teu
  12. 12. 12 saber, somente para acumular tesouros em ti, desviar-te-á de teu caminho; toda cognição, porém, que procuras para tornar-te mais maduro no caminho no enobrecimento humano e da evolução cósmica far-te-á avançar um passo. Essa lei deve ser inexoravelmente observada. Ninguém é discípulo antes de haver feito dessa lei a norma de vida. Pode-se resumir esta verdade da disciplina espiritual na curta frase seguinte: Toda ideia que, em ti, não se torna um ideal mata uma força em tua alma; toda ideia, porém, que se torna um ideal gera forças vitais em ti. Calma interior No início de sua disciplina, o discípulo do oculto é apresentado à senda da veneração e ao desenvolvimento da vida interior. Ora, a Ciência Espiritual também fornece regras práticas; mediante sua observância, pode-se entrar no caminho, pode-se desenvolver a vida interior. Essas regras práticas não descendem de nada arbitrário. Baseiam-se em antiquíssimas experiências e remotíssima sabedoria. Por toda parte onde se apontem os caminhos ao conhecimento, elas são dadas da mesma maneira. Todos os legítimos mestres da vida espiritual são unânimes quanto ao conteúdo dessas regras, mesmo que nem sempre as revistam com as mesmas palavras. A disparidade secundária e, no fundo, somente aparente provém de factos que não cabe abordar aqui. Nenhum mestre da vida espiritual tenciona, através de tais regras, exercer um domínio sobre outras pessoas. Não pretende limitar ninguém em sua independência. Ora, não há ninguém que saiba melhor estimar e proteger a independência humana que os pesquisadores do oculto. Na primeira parte deste texto foi dito que um laço espiritual abrange todos os iniciados, e que duas leis naturais representam os elos que asseguram a firmeza dessa ligação. Ora, se o iniciado sai de seu ambiente espiritual circunscrito para diante do público, tem de considerar imediatamente uma terceira lei. Ei-la: Governa cada um de teus actos, cada uma de tuas palavras de tal forma que através de ti não seja atingido o Livre arbítrio de ser humano algum. Quem compreendeu que um verdadeiro mestre da vida espiritual é totalmente compenetrado por essa maneira de pensar pode também saber que nada perderá de sua independência ao seguir as regras práticas que lhe são recomendadas. Uma das primeiras dentre essas regras pode ser revestida das seguintes palavras da nossa linguagem: "Reserva-te momentos de calma interior e aprende, em tais momentos, a discernir o essencial do não-essencial". Cite-se aqui que esta regra prática soa assim ao ser "expressa nas palavras de nossa linguagem". Originalmente, todas as regras e ensinamentos da Ciência Espiritual são dados numa linguagem simbólica de signos. E quem quiser conhecer todo o seu significado e alcance precisa, antes de mais nada, entender essa linguagem simbólica. Este entender pressupõe que a referida pessoa já tenha dado os primeiros passos na ciência do oculto. Ela poderá executar esses passos através da exacta observação das regras que aqui são dadas. O caminho está aberto a qualquer um, desde que compenetrado por uma vontade séria. Simples é a regra acima quanto aos momentos de calma interior. E igualmente simples é sua observância. Contudo, ela não conduz ao fim almejado senão quando praticada tão séria e rigorosamente quanto é simples. Sem rodeios deve, pois, ser exposto aqui como essa regra deve ser observada. O discípulo do oculto terá de recolher-se, por um certo espaço de tempo, de sua vida quotidiana para dedicar-se a algo inteiramente diferente dos objectos de sua ocupação diária. E também a natureza de sua ocupação terá de ser totalmente diferente daquela com que ele preenche o resto do dia. Isso, porém, não deverá ser entendido
  13. 13. 13 como se aquilo a que ele se dedica, nesse tempo de recolhimento, nada tenha a ver com o conteúdo de seu trabalho quotidiano. Pelo contrário: a pessoa que procura correctamente tais momentos de recolhimento logo perceberá que, justamente através deles, obterá toda a força para sua tarefa diária. Tampouco se deve imaginar que a observância desta regra possa, realmente, subtrair de alguém tempo do cumprimento de suas obrigações. Caso realmente alguém não disponha de mais tempo, cinco minutos diários serão suficientes. Tudo dependerá de como esses cinco minutos serão empregados. Nesse espaço de tempo, a pessoa terá de desprender-se completamente de sua vida quotidiana. Sua vida dos pensamentos, dos sentimentos deverá então receber matizes diferentes dos costumeiros. Ela deverá fazer com que suas alegrias, seus sofrimentos, suas preocupações, suas experiências, seus actos sejam passados em revista por sua alma. E deverá tomar, então, uma posição tal que tudo o que geralmente vivencia seja encarado de um ponto de vista superior. Pense-se apenas como, na vida comum, se encara de forma inteiramente diferente algo que um outro fez ou vivenciou, comparado com as próprias vivências e acções. Isto não pode ser diferente, pois no que a pessoa vivencia ou faz por si própria ela está entretecida; a experiência ou a acção de um outro ela apenas observa. O que devemos aspirar nos momentos de recolhimento é, pois, contemplar e julgar nossas próprias vivências e acções como se essas não houvessem sido vivenciadas ou feitas por nós próprios, mas por uma outra pessoa. Imagine-se que alguém tenha experimentado um grave golpe do destino. Quão diferentemente ele se coloca diante do facto do que diante de um idêntico golpe de destino sofrido por uma pessoa próxima! Ninguém deve considerar isto injusto, uma vez que está encerrado na natureza humana. E semelhantemente a tais casos extraordinários acontece nos assuntos quotidianos da vida. O discípulo terá de buscar a força para, em certos momentos, considerar-se a si próprio como um estranho. Com a calma interior do juiz, terá de defrontar-se consigo próprio. Se isto for alcançado, as próprias vivências apresentar-se-ão sob uma nova luz. Enquanto a pessoa está entretecida nelas, enquanto está dentro delas, está em relação tanto com o essencial quanto com o acessório. Ao se alcançar a calma interior da visão panorâmica, o essencial se separa do acessório. Desgosto e alegria, cada pensamento, cada decisão apresentam-se diferentes quando se está, desse modo, em autoconfronto. É como se houvéssemos permanecido o dia inteiro num povoado, vendo de perto as coisas grandes e os menores detalhes; e depois, ao entardecer, subíssemos a uma colina vizinha e observássemos o povoado todo num só golpe de vista. Então todas as partes desse povoado se apresentariam em proporções recíprocas diferentes de quando se está no meio delas. Com relação a golpes do destino vivenciados na mesma oportunidade, isto não será e nem precisa ser alcançado; com relação àqueles ocorridos há mais tempo, isto terá de ser almejado pelo discípulo. O valor de tal introspecção tranquila depende muito menos daquilo que se contempla e muito mais do facto de encontrarmos, em nós próprios, a força que tal calma interior desenvolve. Todo ser humano traz em seu interior, ao lado de seu - podemos denominá-lo assim - "homem quotidiano", ainda um homem superior. Este homem superior permanecerá oculto até ser despertado. E somente por si mesmo cada um poderá despertar esse homem superior dentro de si. Todavia, enquanto esse homem superior não for despertado, também permanecerão adormecidas as faculdades superiores latentes em cada um e que levam ao conhecimento supra-sensorial. Enquanto alguém não experimentar o fruto da calma interior, terá de dizer a si mesmo que deve perseverar na observação séria e rigorosa das citadas regras. Para
  14. 14. 14 todos os que assim procederem, chegará o dia em que, ao seu redor, haverá uma luz espiritual onde um mundo novo se descortinará a uma visão até então desconhecida. E nada precisa mudar na vida exterior do discípulo pelo facto de ele ter começado a observar essa regra. Ele se ocupa de suas obrigações como antes: suporta os mesmos sofrimentos e vivencia as mesmas alegrias de outrora. De forma alguma poderá tornar-se, por isso, alheio à "vida". Será, isso sim, capaz de ocupar-se mais intensamente dessa "vida" no resto do dia por haver adquirido, em seus momentos de recolhimento, uma "vida superior". E, pouco a pouco, essa "vida superior" exercerá uma influência sobre a vida comum. A calma dos momentos de seu recolhimento terá seu efeito também na vida quotidiana. O indivíduo tornar-se-á mais calmo, ganhará firmeza em todos os seus actos, não mais se deixando perturbar por quaisquer incidentes. Paulatinamente, tal aspirante do oculto guiar-se-á cada vez mais, por assim dizer, a si mesmo e cada vez menos pelas circunstâncias e influências exteriores. Tal indivíduo logo perceberá a fonte de energia que tais espaços de tempo significam para ele. Começará por não mais irritar-se com factos que antes o irritavam. Inúmeras coisas que antes o atemorizavam deixam de lhe causar medo. Ele adquire uma concepção de vida inteiramente nova. Antes ele abordava, talvez, uma ou outra tarefa hesitando. Dizia a si mesmo: "Oh! Minhas forças não são suficientes para executá-la como eu gostaria." Agora não mais lhe ocorre esse pensamento, e sim um completamente diferente. Eis que agora ele diz a si mesmo: "Concentrarei toda a força a fim de elaborar minha tarefa da melhor forma que me for possível." E reprime o pensamento que o possa tornar hesitante, uma vez cônscio de que justamente a hesitação poderá levá-lo a um mal desempenho e, em todo caso, essa hesitação não contribuirá para o que lhe cabe fazer. E, dessa forma, pensamento após pensamento tomarão conta da concepção de vida do discípulo, sendo fecundos e profícuos para sua vida e substituindo aqueles impeditivos e enfraquecedores. Ele começa a conduzir seu barco de vida num rumo seguro e firme em meio às ondas da vida, ao passo que antes era jogado por essas ondas de um lado para o outro. Tal calma e firmeza actuam retrospectivamente sobre todo o ser humano. O homem interior cresce, graças a isso. E com ele crescem as faculdades internas que conduzem aos conhecimentos superiores. Pois com os passos que dá nesse sentido o discípulo consegue pouco a pouco determinar, por si mesmo, como as impressões do mundo exterior podem influir sobre ele. Ele ouve, por exemplo, uma palavra com a qual um outro quer feri-lo ou irritá-lo. Antes de tornar-se discípulo, ter-se-ia magoado ou irritado. Desde que iniciou a senda do aprendizado do oculto, é capaz de tirar dessa palavra o ferrão ofensivo ou irritante antes de ela encontrar o caminho para o seu íntimo. Ou um outro exemplo: um homem impacienta-se facilmente quando obrigado a esperar. Ele entra na senda do discípulo ocultista. Compenetra-se tanto, em seus momentos de recolhimento, com o sentimento da futilidade de muitas situações de impaciência que, daí em diante, esse sentimento se apresentará imediatamente ao experimentar ele cada nova impaciência. A impaciência prestes a manifestar-se desaparece, e o tempo que de outra forma teria sido desperdiçado com a representação da impaciência talvez seja preenchido por observações úteis, que poderão ser feitas durante o tempo de espera. Conscientizemo-nos apenas do alcance de tudo isso, levando em consideração que o "homem superior", no indivíduo, está em constante evolução. Contudo, somente por meio da calma e da firmeza descritas lhe é permitida uma evolução regular. As ondas da vida exterior pressionam o homem interior de todos os lados, quando o indivíduo não domina essa vida mas é dominado por ela. Tal homem é como uma planta que tem de desenvolver-se na fenda de um rochedo: definha até que se lhe abra mais
  15. 15. 15 espaço. Ao homem interior, nenhuma força exterior pode abrir espaço. Isto somente a calma interior é capaz de fazer, calma essa que ele cria para sua alma. Circunstâncias exteriores somente podem mudar sua situação exterior, sendo que jamais serão capazes de despertar o "homem espiritual" dentro dele. O discípulo terá de gerar, dentro de si próprio, um novo homem, mais elevado. Esse "homem superior" tornar-se-á então o "soberano interior" que, com mão firme, dirigirá as condições do homem exterior. Enquanto o homem exterior tiver autoridade e direcção, esse "interior" será seu escravo e não poderá, portanto, desenvolver suas forças. Se depende de outra coisa que não de mim o facto de eu me irritar ou não, então não sou meu próprio senhor - ou, melhor dito: ainda não encontrei o "soberano em mim". Terei de desenvolver, em mim, a faculdade de fazer com que as impressões do mundo exterior só me cheguem de uma forma por mim determinada; somente então poderei tornar-me discípulo. E somente na medida em que procurar de forma séria por essa força é que o discípulo poderá atingir o objectivo. Não importa o quanto ele tenha progredido num determinado espaço de tempo; importa apenas o facto de ele se empenhar seriamente na busca. Já houve muitos que, anos a fio, esforçaram-se sem notar em si progresso sensível; no entanto, muitos dentre os que não se afligiram com isso, perseverando inabaláveis, subitamente alcançaram a "vitória interior". Em muitas situações da vida será, sem dúvida, necessário um grande esforço para criar momentos de calma interior. Mas quanto maior for o esforço necessário, mais significativo também será o que se alcança. No aprendizado do oculto, tudo depende de alguém poder confrontar-se energicamente consigo mesmo, com veracidade interior e irrestrita sinceridade, com todos os seus actos e acções, qual alguém totalmente estranho. Mas apenas um lado da actividade interior do discípulo é assinalado por esse nascimento do homem superior próprio. É preciso ser acrescentado algo mais. Ainda que se confronte consigo mesmo como se fora um estranho, o indivíduo não deixa de contemplar somente a si mesmo; ele voltará os olhos para aquelas vivências e actos com os quais está emaranhado por sua particular situação de vida. Ele deve ir além disso: deve elevar-se ao puramente humano, que nada mais tem a ver com sua particular situação. Terá de partir para uma consideração daquelas coisas que o interessam como ser humano, ainda que vivesse sob condições totalmente diferentes, numa situação inteiramente outra. Isto faz com que nele surja algo que transcende o pessoal. Ele dirige, com isto, seu olhar a mundos mais elevados que aqueles com os quais o dia-a-dia o reúne. E com isto o ser humano começa a sentir, a perceber que faz parte de tais mundos mais elevados. São mundos sobre os quais seus sentimentos, suas ocupações quotidianas nada lhe podem dizer. É somente aí que ele transfere o ponto central de seu ser para o seu interior. Ele escuta em seu interior as vozes que lhe falam nos momentos da calma interna, cultivando no íntimo um relacionamento com o mundo espiritual. Está libertado do dia-a-dia. O ruído desse dia-a-dia para ele cessou; fez-se silêncio à sua volta. Ele rejeita tudo o que lhe recorda tais impressões de fora. A tranquila contemplação no interior, o colóquio com o mundo puramente espiritual, preenchem toda a sua alma. Tal tranquila contemplação deve tornar-se uma necessidade natural para o discípulo. Primeiramente ele está de todo submerso num mundo de pensamentos. Terá de desenvolver um vivo sentimento para com essa tranquila actividade de pensamentos. Deve aprender a amar o que aí o espírito lhe faz afluir. Logo deixará de sentir esse mundo dos pensamentos como algo menos real do que as coisas do dia-a-dia que o circundam. Começa a lidar com seus pensamentos tal qual com os objectos no espaço. E então aproxima-se também o momento em que começará a vivenciar aquilo que se lhe revela na tranquilidade do trabalho mental interior como sendo muito mais
  16. 16. 16 elevado, mais real do que os objectos no espaço. Ele experimenta o facto de expressar- se vida nesse mundo de pensamentos. Reconhece que nos pensamentos não apenas vivem meras imagens sombrias, mas que através deles lhe falam entidades ocultas. Algo começa, a partir do silêncio, a falar-lhe. Antes, só lhe ressoava através de seus ouvidos; agora, ressoa através de sua alma. Descortina-se uma língua interior - um verbo interior. O discípulo sente-se enlevado ao máximo quando, pela primeira vez, vivencia esse momento. Sobre todo o seu mundo exterior derrama-se uma luz interior. Uma segunda existência começa para ele. A corrente de um mundo divino, divinamente sublime, derrama-se através dele. Tal vida da alma em pensamentos, que cada vez mais se amplia para uma vida em essência espiritual, denomina-se na gnose, na ciência do oculto, meditação (reflexão contemplativa). Essa meditação é o meio para a cognição supra-sensorial. Mas o discípulo não deve, em tais momentos, entregar-se a um enlevo sentimental. Não deve ter sentimentos indefinidos em sua alma. Isto somente o impediria de alcançar o verdadeiro conhecimento espiritual. Claros, nítidos, precisos terão de formar-se seus pensamentos. Para tanto ele encontrará um esteio não se entregando cegamente aos pensamentos que lhe surgem. Ele deve, muito mais, permear-se com os pensamentos elevados que pessoas mais avançadas, já compenetradas pelo espírito, pensaram em tais momentos. O discípulo deve tomar como ponto de partida os textos que por si brotaram de tal revelação na meditação. Na literatura mística, na gnóstica, na científico-espiritual, encontrará tais textos. Aí se lhe apresentam os assuntos para sua meditação. Os próprios pesquisadores espirituais registraram pensamentos da ciência divina em tais textos; o Espírito, através de seus mensageiros, fê-los anunciar ao mundo. Tal meditação produz uma transformação completa no discípulo. Ele começa a formar ideias inteiramente novas sobre a realidade. Todas as coisas ganham um outro valor para ele. É preciso sempre repetir: tal transformação não fará com que o discípulo se torne alheio ao mundo. De forma alguma ele ficará alheio às suas responsabilidades quotidianas, pois aprenderá a verificar que a mais insignificante acção que tenha de executar, a mais insignificante experiência que se lhe apresente está em conexão com as grandes entidades do Cosmo e os acontecimentos do Universo. Uma vez que essa relação se lhe torne clara por seus momentos contemplativos, ele se entregará a seu campo de acção quotidiano com uma nova força mais poderosa. Pois agora sabe: seu trabalho, seu sofrimento cabem-lhe por motivos que tocam as grandes leis espirituais do Universo. Vigor para a vida - e não desleixo - brota da meditação. O discípulo atravessa a vida com passos mais firmes. Haja o que houver, manter- se-á íntegro. Antes não sabia por que trabalhava, por que sofria; agora o sabe. Deve-se reconhecer que tal actividade de meditação conduz melhor ao objectivo quando executada sob a orientação de pessoas competentes, de pessoas que saibam, por si, como proceder em tudo da melhor maneira. Consideremos, portanto, o conselho, a orientação de tais pessoas. Com isto não se perde a liberdade. O que, de outra forma, só pode ser um andar inseguro, às apalpadelas, tornar-se-á, sob tal orientação, um trabalho preciso. Quem se preocupa por aqueles que possuem o saber e a experiência nesse rumo jamais baterá debalde às portas. Conscientiza-se, porém, de que buscará nada mais senão o conselho de um amigo, e não a prepotência de alguém que queira dominar. Sempre veremos que os que realmente sabem são os homens mais modestos, e que nada lhes é mais desinteressante do que o que as pessoas chamam de ânsia de poder. Quem se eleva, pela meditação, àquilo que une o ser humano ao espírito começa a vivificar em si o que nele é eterno, o que não é delimitado pelo nascimento e pela morte. Só podem duvidar de tal eterno os que não o vivenciaram por si próprios. Assim, a meditação é o caminho que conduzirá o ser humano também à cognição, à
  17. 17. 17 contemplação do eterno, do indestrutível cerne de seu ser. E somente através dela o ser humano poderá chegar a tal contemplação. A gnose, a ciência do oculto falam da eternidade desse cerne do ser, de sua reencarnação. Muitas vezes se pergunta por que o ser humano nada sabe de suas vivências situadas além do nascimento e da morte. Mas não é assim que se deveria formular a pergunta; esta deveria ser, muito mais: como se chega a tal conhecimento? Na meditação correcta se abre o caminho. Por ele é reactivada a recordação de vivências que se situam além do nascimento e da morte. Cada um pode adquirir esse conhecimento; em cada um jazem as faculdades para conhecer e ver, por si, o que ensinam a mística, a ciência espiritual, a Antroposofia e a gnose autênticas. Basta escolher os meios correctos. Somente um ser dotado de ouvidos e de olhos pode perceber sons e cores. Tampouco o olho poderá perceber coisa alguma na falta de luz que torne visíveis os objectos. Na ciência do oculto são fornecidos os meios para desenvolver os ouvidos e olhos espirituais e acender a luz espiritual. Pode-se designar como sendo de três graus os meios da disciplina espiritual: 1. A preparação. Desenvolve os sentidos espirituais. 2. A iluminação. Acende a luz espiritual. 3. A iniciação. Inaugura o relacionamento com entidades superiores do espírito. _____________________ 1 No último capítulo de meu livro Teosofia [S. Paulo, Editora Antroposófica, 5ª edição 1988], encontra- se claramente descrita a "senda do conhecimento". Ali são dados pontos de vista práticos em pormenores. OS GRAUS DA INICIAÇÃO As informações seguintes são elementos de uma disciplina espiritual cujo nome e natureza se evidenciarão a todo aquele que os empregar correctamente. Eles se referem aos três graus através dos quais a disciplina da vida espiritual conduz a certo nível da iniciação. Mas desse conteúdo se encontrará aqui somente o quanto pode ser dito publicamente. São alusões extraídas de uma doutrina ainda muito mais profunda e íntima. Na própria disciplina do oculto segue-se um roteiro bem determinado. Certos exercícios visam a levar a alma do ser humano a um relacionamento consciente com o mundo espiritual. Esses exercícios relacionam-se com o que será exposto mais adiante, mais ou menos como o ensino ministrado numa escola superior de regulamento severo, comparado com a instrução proporcionada numa escola preparatória. Mas a observação séria e perseverante daquilo que aqui se encontra indicado pode conduzir à verdadeira disciplina do oculto. É óbvio que um experimentar impaciente, sem sinceridade e perseverança, não poderá senão levar a absolutamente nada. O estudo do oculto só será coroado de êxito se primeiramente for observado o que já foi dito e se forem feitos avanços sobre essa base. Os graus indicados pela referida tradição são os três seguintes: 1. A preparação. 2. A iluminação. 3. A iniciação. Não é absolutamente necessário que essas três etapas sejam sucessivas no sentido de se ter passado completamente pela primeira antes de passar para a segunda e por esta antes de iniciar a terceira. Pode-se, relativamente a certas coisas, já estar partilhando da iluminação e até mesmo da iniciação, enquanto relativamente a outras ainda se está em fase de preparação. Todavia, ter-se-ia de despender um certo espaço de tempo na preparação antes de se poder iniciar uma iluminação. E, pelo menos com relação a alguns pontos, dever-se-á estar iluminado ao se fazer o começo da iniciação. Na descrição, porém, as três etapas terão de ser abordadas sequencialmente, por questão de simplicidade.
  18. 18. 18 A preparação A preparação consiste no cultivo bem determinado da vida dos sentimentos e dos pensamentos. Por meio desse cultivo, os corpos anímico e espiritual serão dotados de instrumentos sensoriais e órgãos de actividade mais elevados, tal como, a partir de indeterminada matéria viva, as forças da Natureza dotaram de órgãos o corpo físico. O início deve consistir em se dirigir a atenção da alma para certos fenómenos no mundo em nosso derredor. Tais fenómenos são, de um lado, o germinar, o crescer e o vicejar da vida e, de outro lado, todos os fenómenos relacionados com o murchar, o declinar e o perecer. Em toda parte para onde quer que o ser humano dirija seu olhar, tais fenómenos existem simultaneamente. E em toda parte também provocam, de forma natural, sentimentos e pensamentos no ser humano. Mas o ser humano, sob condições normais, não se entrega o suficiente a esses sentimentos e pensamentos, já que corre rápido demais de uma impressão a outra. Trata-se de ele, intensamente e de forma bem consciente, dirigir a atenção a esses factos. Ao perceber o florescer e o vicejar de uma certa espécie, terá de banir todo o demais de sua alma e abandonar-se, por curto tempo, somente a essa impressão única. E logo se convencerá de que um sentimento, que outrora, em tal caso, apenas passava rapidamente por sua alma, cresce e reveste-se de uma forma vigorosa e enérgica. Esta forma de sentimento ele terá de deixar ressoar calmamente dentro de si. Neste caso terá de acalmar-se por completo em seu íntimo. Terá de fechar-se ao restante do inundo exterior e só seguir aquilo que sua alma diz do florescer e vicejar. Neste caso não se deve, de forma alguma, acreditar que se possa ir muito longe fazendo embotar os sentidos em relação ao mundo. Deve-se, primeiro, observar os objectos tão intensa e exactamente quanto possível, para só então entregar-se aos sentimentos que revivem e aos pensamentos que emergem na alma. Trata-se de dirigir a atenção para ambos, com perfeito equilíbrio interior. Ao encontrar a necessária calma e se abandonar àquilo que revive na alma, a pessoa vivenciará, ao cabo de algum tempo, o seguinte: verá emergirem, no intimo, novas espécies de sentimentos e pensamentos até então desconhecidos. Quanto mais frequentemente se dirigir a atenção dessa maneira a algo em processo de crescer, florescer e vicejar e, alternadamente, a algo em processo de murchar, perecer, tanto mais vivos se tornarão esses sentimentos. E a partir dos sentimentos e pensamentos que assim surgem, formar-se-ão os órgãos de clarividência tal qual se formam olhos e ouvidos do corpo físico, a partir de matéria vivificada, sob a acção de forças da Natureza. Uma forma bem definida de sentimentos é ligada ao crescer e ao vir-a-ser; uma outra, bem definida, ao murchar e perecer. Mas somente quando o cultivo desses sentimentos for almejado da maneira descrita. É possível descrever, de forma aproximadamente exacta, como são esses sentimentos. Ao atravessar essas vivências interiores, cada qual é capaz de proporcionar a si mesmo uma representação mental completa. Quem frequentemente dirigiu a atenção aos processos de germinar, vicejar e florescer sentirá algo que se assemelha, remotamente, às impressões ao raiar do Sol. E, a partir do processo do murchar e perecer, surgir-lhe-á uma vivência que da mesma forma poderá ser comparada à lenta ascensão da Lua no horizonte. Esses dois sentimentos são duas forças que, por meio do devido cultivo, ao cabo do desenvolvimento cada vez mais vivo levam a efeitos espirituais dos mais significantes. A quem sempre de novo, sistemática e premeditadamente se entregar a tais sentimentos, descortinar-se-á um novo mundo. O mundo anímico, o assim chamado plano astral, começará a raiar diante dele. Crescer e perecer não mais constituirão factos
  19. 19. 19 que outrora deixavam impressões vagas; virão a formar, isto sim, linhas e figuras espirituais de que ele antigamente nada suspeitava. E essas linhas e figuras possuem diversas formas, de acordo com as diversas aparições. Uma flor desabrochada traça uma linha toda especial diante de sua alma, da mesma forma como o faz um animal em crescimento ou uma árvore em vias de morrer. O mundo anímico (o plano astral) desfraldar-se-á paulatinamente diante dele. Nada há de arbitrário nessas linhas e figuras. Dois discípulos do oculto, encontrando-se no mesmo grau de disciplina, sempre visualizarão, face a idêntico fenómeno, as mesmas linhas e figuras. Tão indubitavelmente como dois indivíduos de vista normal enxergam redonda uma mesa redonda - e não redonda um e quadrada o outro -, tão indubitavelmente surgirá, diante de duas almas, a mesma configuração espiritual ao contemplarem uma flor desabrochada. Assim como as configurações de plantas e animais são descritas na História Natural comum, da mesma maneira o conhecedor da Ciência Espiritual descreve ou desenha as configurações espirituais dos processos de crescimento e perecimento segundo classes e espécies. Quando o discípulo estiver suficientemente adiantado para ver tais configurações em fenómenos que também se lhe apresentam fisicamente ao olho, também não estará longe daquele grau de ver coisas que não possuem existência física e que, portanto, têm de permanecer ocultas àquele carente de qualquer ensinamento da doutrina esotérica. É necessário enfatizar que o pesquisador do oculto não se deverá perder em reflexões sobre o significado de uma ou outra coisa. Tal trabalho racional só o levará a afastar-se do caminho certo. Ele terá de olhar o mundo sensorial sem prevenções, com um senso sadio, com senso agudo de observação e, em seguida, entregar-se a seus sentimentos. Não deve querer tirar conclusões sobre o significado das coisas, especulando por meio da razão, mas, sim, deve deixar que as próprias coisas se lhe revelem. 1 Outro ponto importante é o que a ciência oculta chama de orientação nos mundos superiores. A pessoa chega a isso ao compenetrar-se por completo com a consciência de que sentimentos e pensamentos são factos reais, exactamente como o são mesas e cadeiras no mundo físico-sensorial. No mundo anímico e no mental, sentimentos e pensamentos actuam uns sobre os outros tal qual no físico as coisas sensoriais. Enquanto alguém não estiver vivamente compenetrado por essa consciência, não acreditará que um pensamento errado que esteja nutrindo possa actuar sobre outros pensamentos que vivificam o espaço mental, de maneira tão devastadora quanto um projéctil disparado às cegas para objectos físicos, ao atingi-los. Tal indivíduo talvez jamais venha a permitir-se cometer uma acção física visível que considere absurda. Ele não recuará, porém, de nutrir pensamentos ou sentimentos desarrazoados, pois estes lhe parecem inofensivos para o restante do mundo. Todavia, na ciência do oculto só se progredirá atentando-se tanto aos próprios pensamentos e sentimentos quanto se atenta aos passos no mundo físico. Quando alguém depara com uma parede, certamente não tenta passar através dela; dirige seus passos de forma a contorná-la. Orienta-se, pois, pelas leis do mundo físico. Tais leis também existem para o mundo dos sentimentos e dos pensamentos. Só que não podem impor-se de fora ao ser humano. Terão de fluir a partir da vida de sua própria alma. Isto se consegue ao proibir, a toda hora, a si mesmo de fomentar sentimentos e pensamentos impróprios. É preciso proibir a si próprio, durante esse espaço de tempo, tudo que sejam divagações arbitrárias e pretensiosas, toda fantasia indisciplinada, todo fortuito fluir e reflectir de sentimentos. Longe de se perder com isso a sensibilidade, constatar-se-á, dentro em breve, que só se vem a ser rico em sentimentos e criador de autêntica fantasia quando se ordena, dessa forma, o
  20. 20. 20 próprio íntimo. No lugar do sentimentalismo mesquinho e associações pueris de ideias, surgirão sentimentos significativos e pensamentos fecundos. E esses sentimentos e pensamentos levam o ser humano a orientar-se no mundo espiritual e a estabelecer relações correctas com as coisas desse mundo. Um efeito todo especial lhe ocorre. Assim como ele, na qualidade de homem físico, encontra seu caminho entre coisas físicas, assim sua trilha agora o leva através do crescimento e do perecimento, que ele conheceu no caminho acima descrito. Ele acompanhará, então, tudo quanto cresce e viceja, como também, por outro lado, tudo quanto murcha e perece, tal como é indispensável ao seu vicejar e ao Universo. O discípulo terá de dedicar um outro cuidado ao mundo dos sons. Aí terá de distinguir entre o som produzido pelo assim chamado inanimado (um corpo que cai, um sino ou um instrumento musical) e aquele proveniente de seres animados (animal ou homem). Quem ouve um sino perceberá o som associando-lhe um sentimento agradável; quem escuta um grito de um animal sentirá, além desse sentimento do som, ainda a revelação de uma vivência interior do animal: prazer ou dor. O discípulo do oculto terá de dedicar-se a esta última espécie de sons. Deverá concentrar toda a sua atenção no facto de que o som lhe anuncia algo situado fora da própria alma. E deverá submergir nesse elemento estranho. Deverá ligar intimamente seu sentimento com a dor ou com o prazer que lhe são anunciados através do som. Terá de colocar-se acima do que o som lhe significa - se lhe é agradável ou desagradável, afável ou reprovável; só lhe poderá preencher a alma aquilo que se passa no ser do qual provém o som. Quem praticar sistemática e premeditadamente tais exercícios adquirirá, por esse meio, a faculdade de confluir, por assim dizer, com o ser do qual provém o som. Um indivíduo com sensibilidade musical experimentará tal cultivo de sua vida emotiva com mais facilidade que um outro sem pendores musicais. Todavia, ninguém deverá acreditar que o dom musical por si só já possa substituir esse cultivo. Na qualidade de discípulo do oculto, o indivíduo tem de aprender a sentir-se dessa forma perante toda a Natureza. E, por meio disso, descerá para seu mundo anímico e mental uma nova disposição. Toda a Natureza começará a sussurrar segredos ao indivíduo através de seu ressoar. O que outrora parecia ressonância incompreensível à sua alma torna-se, graças a isso, uma coerente linguagem da Natureza. E onde outrora ouvia apenas som, ao ressoar o assim chamado inanimado, ele ouve agora uma nova linguagem da alma. Progredindo em tal cultivo de seus sentimentos, dentro em breve descobrirá ser capaz de ouvir aquilo de que antes nada suspeitava. Ele começará a ouvir com a alma. Para se alcançar o mais alto ponto acessível nesse campo, algo mais terá de ser acrescentado. De especial importância para a formação do discípulo é a maneira como ele escuta outras pessoas enquanto falam. Ele deverá acostumar-se a fazê-lo de tal for- ma que seu próprio íntimo fique absolutamente calado. Quando alguém manifesta uma opinião enquanto um outro escuta, geralmente se faz sentir no íntimo deste último uma concordância ou um desacordo. Muitas pessoas também se vêem certamente impelidas a, de imediato, manifestar sua opinião de concordância e, sobretudo, suas ideias discordantes. O discípulo terá de levar ao emudecimento toda essa concordância e todo esse desacordo. Não se trata de ele repentinamente mudar sua maneira de viver para procurar alcançar continuamente tal silêncio interior. Ele deverá começar a exercitar-se nisso ao praticá-lo em casos isolados, por ele premeditadamente escolhidos. Então, muito lenta e paulatinamente, como que por si, essa maneira totalmente nova de escutar insinuar-se-á em seus hábitos. Na pesquisa espiritual costuma-se treinar tais exercícios metodicamente. Os discípulos, a título de exercitar-se, sentem-se obrigados a escutar, por um espaço de tempo, os pensamentos mais adversos, ao mesmo tempo levando ao silêncio absoluto todas as concordâncias e, principalmente, todos os julgamentos
  21. 21. 21 desfavoráveis. Trata-se, graças a isso, de não apenas abster-se de qualquer julgamento intelectual, mas também de qualquer sentimento de desagrado, de desaprovação ou ainda de consentimento. O discípulo terá especialmente de observar em si mesmo, sempre e cuidadosamente, se tais sentimentos existem, não só na superfície, mas ainda no mais íntimo de sua alma. Ele terá, por exemplo, de escutar as palavras de pessoas que de alguma forma lhe são muito inferiores e, nessa ocasião, reprimir cada sentimento de melhor conhecimento ou de superioridade. É proveitoso para cada um escutar crianças de tal maneira. Até mesmo o mais sábio poderá aprender imensamente de crianças. Assim, o indivíduo conseguirá escutar as palavras de outro de forma inteiramente altruísta, fazendo abstracção absoluta de sua própria pessoa, de sua opinião e maneira de sentir. Se ele se exercitar dessa forma a ouvir sem espírito crítico, mesmo face a opiniões completamente opostas, quando o "mais absurdo" se desenrola diante dele, aprenderá pouco a pouco a amalgamar-se por completo à essência do outro, a nela integrar-se. Escutará então, de permeio às palavras, o interior da alma do outro. Só por meio de constantes exercícios desse tipo é que o som se torna o meio correcto para a percepção da alma e do espírito. Sobretudo, isso pressupõe a mais severa autodisciplina. Esta, porém, conduzirá a um elevado fim. Ora, se esses exercícios forem efectuados em conjunto com os outros indicados, relativos ao soar na Natureza, surgirá uma nova faculdade auditiva na alma, capacitando-a a captar manifestações do mundo espiritual não expressas em sons exteriores, perceptíveis ao ouvido físico. Despertará a percepção do "verbo interior". Ao discípulo desvendam-se, gradualmente, verdades do mundo espiritual. Ele escuta uma linguagem espiritual.2 Todas as verdades superiores são alcançadas através de tal "fala interior". E o que se pode ouvir pela boca de um autêntico pesquisador do oculto, ele o aprende dessa forma. Isso não quer dizer, em absoluto, que seja desnecessário dedicar-se a textos científico-espirituais antes de, dessa maneira, conseguir perceber a "fala interior". Pelo contrário: o estudo de tais textos, a escuta dos ensinamentos de pesquisadores do oculto também são, por si, meios capazes de proporcionar o autoconhecimento. Cada frase que o indivíduo ouve da ciência oculta é capaz de levar o sentido aonde este tem de chegar, se a alma tiver de experimentar verdadeiro progresso. A tudo que foi exposto deverá ser acrescentado muito mais estudo zeloso daquilo que os pesquisadores do oculto vêm comunicando ao mundo. Tal estudo faz parte da preparação de toda disciplina oculta. E quem quisesse aplicar todos os demais meios não alcançaria fim algum se não assimilasse os ensinamentos dos pesquisadores do oculto. Ora, uma vez que emanaram do "verbo interior" vivo, da "fala interior viva", esses ensinamentos possuem, por si, vida espiritual. Não são meras palavras. São forças vivas. E enquanto você acompanha as palavras de um experimentado ocultista, enquanto lê um livro proveniente de uma verdadeira vivência interior, em sua alma actuam forças que o tornam igualmente clarividente, tal qual as forças da Natureza plasmaram seus olhos e ouvidos a partir de matéria viva. A iluminação A iluminação parte de processos muito simples. Também aqui se trata de desenvolver certos sentimentos e pensamentos latentes em cada ser humano e que precisam despertar. Estes só poderão conduzir à percepção das aparências luminosas interiores quem executar com toda a paciência, rigor e continuidade os processos simples. O início se fará com a contemplação, de uma determinada maneira, de diversos seres da Natureza - por exemplo, uma transparente e bem-formada pedra (cristal), uma planta e um animal. Procure-se inicialmente dirigir toda a atenção à comparação da
  22. 22. 22 pedra com o animal, da seguinte forma: os pensamentos que para aí são dirigidos terão de atravessar a alma acompanhados de sentimentos vivos. E nenhum outro pensamento, nenhum outro sentimento poderão intrometer-se e perturbar a contemplação intensiva e compenetrada. Diga o discípulo a si mesmo: "A pedra possui uma figura; o animal também possui uma figura. A pedra permanece quieta em seu lugar. O animal muda seu lugar. É o instinto (o apetite) que faz o animal mudar de lugar. E é também aos apetites que serve a figura do animal. Seus órgãos, seus instrumentos são plasmados de conformidade com esses instintos. A figura da pedra não é formada de acordo com apetites, mas sim por uma força livre de apetites." 3 Se nos aprofundarmos intensamente nesses pensamentos e, ao cabo disso, observarmos pedra e animal com compenetrada atenção, viverão então na alma duas espécies de sentimentos inteiramente distintos. Da pedra fluirá uma espécie de sentimento e do animal outra espécie, dentro de nossa alma. De início a coisa provavelmente não terá êxito, mas pouco a pouco, mediante exercícios verdadeiramente pacientes, esses sentimentos aparecerão. Basta apenas exercitar continuamente. Primeiro, os sentimentos existirão apenas enquanto durar a contemplação; mais tarde, terão efeito prolongado. E finalmente virão a ser algo que permanecerá vivo na alma. Bastará o indivíduo recordar-se, e ambos os sentimentos emergirão, mesmo sem contemplação de um objecto exterior. A partir desses sentimentos e dos pensamentos a eles ligados, formam-se órgãos de clarividência. Se depois se acrescentar à contemplação ainda a planta, notar-se-á que o sentimento emanado dela situa-se no meio dos que fluem da pedra e do animal, tanto no que se refere à sua natureza como também ao seu grau. Os órgãos que de tal maneira se plasmam são olhos espirituais. Aprende-se a enxergar paulatinamente, através deles, algo como cores anímicas e espirituais. Enquanto se aprendeu somente o que foi descrito como "preparação", o mundo espiritual, com suas linhas e figuras, permanece escuro; através da iluminação se torna claro. Também aqui é de se frisar que as palavras "escuro" e "claro", assim como as outras expressões usadas, exprimem apenas aproximadamente o que se pretende dizer. Se quisermos servir-nos dos recursos da linguagem comum, não haverá outra alternativa. Essa linguagem foi criada somente para as condições físicas. A ciência oculta denomina o que para o órgão de clarividência flui da pedra por "azul" ou "vermelho-azulado". Aquilo que é percebido do animal, por "vermelho" ou "amarelo-avermelhado". De facto, são cores de "ordem espiritual" que aí são visualizadas. A cor que emana da planta é "verde" que, pouco a pouco, tende para o rosa claro etérico. Dentre os seres da Natureza, é a planta que, nos mundos superiores, de certa forma tem qualidades semelhantes às que possui no mundo físico. Não é o mesmo, no entanto, o caso da pedra ou do animal. É preciso ter em mente que, com as cores acima citadas, apenas se indicaram os matizes principais dos reinos mineral, vegetal e animal. Na realidade, existem todos os matizes intermediários possíveis. Cada mineral, cada planta, cada animal possui sua nuança particular de cor. Ademais, há ainda as entidades dos mundos superiores que jamais se incorporam fisicamente, com suas cores muitas vezes encantadoras, mas muitas vezes também horripilantes. De facto, a riqueza cromática nesses mundos superiores é infinitamente maior que no mundo físico. Uma vez havendo adquirido a faculdade de enxergar com "olhos espirituais", o indivíduo deparará também, dentro de um prazo curto ou longo, com os mencionados seres superiores e, em parte, também inferiores a ele, os quais jamais penetram na realidade física. Uma vez que o indivíduo tenha progredido até o ponto aqui descrito, muitos caminhos lhe estarão abertos. Mas não se aconselha a ninguém prosseguir ainda mais sem a cuidadosa observação do já dito ou comunicado pelo pesquisador do oculto. E,
  23. 23. 23 ainda com relação ao já dito, a melhor coisa será a observância de tal competente direcção. Aliás, se o indivíduo encontrar em si a força e a perseverança para alcançar o correspondente aos referidos graus elementares da iluminação, certamente procurará e encontrará a direcção correcta. Uma preocupação, no entanto, se fará necessária em quaisquer circunstâncias, e quem não quiser assumi-la fará melhor abstendo-se de todos os passos na ciência do oculto. É preciso que quem se torna discípulo nada perca de suas qualidades de nobreza, bondade e sensibilidade de pessoa acessível a toda realidade física. No decorrer do aprendizado, ele terá, pelo contrário, de aumentar constantemente sua força moral, sua integridade interior, sua capacidade de observação. Para citar um detalhe: durante os exercícios elementares de iluminação, o discípulo terá de cuidar para que sua compaixão para com os mundos humano e animal, seu sentido para com a beleza da Natureza, sejam continuamente aumentados. Caso ele não se preocupe com isso, aquele sentimento e este sentido embotar-se-ão em função de tais exercícios. O coração tornar- se-á endurecido e o sentido, apático. E isto levará a resultados perigosos. Nos próximos capítulos se abordará, dentro do possível, como a iluminação se configura quando, no sentido dos exercícios acima, relativos a pedra, planta e animal, se ascende ao ser humano, e como, após a iluminação, a fusão da alma com o mundo espiritual sucederá algum dia sob quaisquer circunstâncias e conduzirá à iniciação. Em nossa época, o caminho à ciência oculta vem sendo procurado por muitas pessoas. De várias maneiras isso está sendo feito, experimentando-se muitos procedimentos perigosos e até condenáveis. Por isso, aqueles que acreditam saber algo verdadeiro dessas coisas devem proporcionar a outros a possibilidade de conhecer um pouco da disciplina do oculto. Aqui, nada foi comunicado além daquilo que corresponde a tal possibilidade. É necessário que algo de verdadeiro se torne público, a fim de que o erróneo não cause grandes danos. Através dos caminhos aqui traçados ninguém poderá sofrer danos, desde que nada seja forçado. Ter-se-á apenas de considerar isto: ninguém deverá dedicar a tais exercícios mais tempo e força do que sua situação de vida e suas obrigações lhe permitem. Ninguém deverá, através da trilha do oculto, mudar de repente algo em suas condições de vida exterior. Se a pessoa almejar resultados verdadeiros, deverá munir-se de paciência; deverá ser capaz de, após poucos minutos de exercício, cessá-los para retomar calmamente o trabalho diário. E nada dos pensamentos relativos aos exercícios deverá misturar-se às actividades quotidianas. Quem não aprendeu a saber esperar, no mais elevado e melhor sentido, não serve para discípulo nem jamais alcançará resultados de valor relevante. Controle dos pensamentos e sentimentos Quando alguém procura os caminhos para a ciência do oculto pela forma descrita no capítulo precedente não pode deixar, no decurso de todo o trabalho, de fortalecer-se pela acção contínua de um pensamento. Deverá ter sempre em mente que após algum tempo pode ter realizado consideráveis progressos, sem que estes se lhe evidenciem sob a forma que talvez tenha imaginado. Quem não levar isso em conta facilmente perderá a perseverança e, depois de pouco tempo, renunciará a todas tentativas. As forças e as faculdades que terão de desenvolver para esse fim são, inicialmente, de espécie muito delicada. E sua essência é algo totalmente diverso daquilo que o indivíduo imaginou anteriormente. É que ele apenas estava acostumado a ocupar-se com o mundo físico. O espiritual e o anímico subtraíam-se ao seu olhar e também à sua concepção. Portanto, ele não deve admirar-se quando agora, ao se
  24. 24. 24 desenvolverem nele forças espirituais e anímicas, não as percebe de imediato. Reside aí a possibilidade de incorrer num equívoco quem se dirige à trilha do oculto sem orientar- se pelos resultados coletados por experimentados pesquisadores. O pesquisador do oculto conhece os progressos alcançados pelo discípulo muito antes de este próprio ter consciência disso. Ele sabe como os delicados olhos espirituais se formam, antes que o discípulo saiba algo a respeito. E uma grande parte das instruções desse pesquisador do oculto consiste justamente em expressar aquilo que faz com que o discípulo não perca a confiança, a paciência e a perseverança antes de chegar ao próprio conhecimento de seu progresso. É que o perito não pode dar a seu discípulo nada senão o que neste já exista em estado latente. Ele só pode conduzir ao desenvolvimento das faculdades adormecidas. Mas o que comunica a partir de suas experiências torna-se um esteio para quem quer atravessar as trevas rumo à luz. Muitos abandonam a trilha para a ciência oculta logo depois de nela haverem entrado, porque seus progressos não se lhes tornam perceptíveis de imediato. E mesmo quando as primeiras experiências superiores se apresentam ao discípulo, muitas vezes este as julgará ilusórias porque formava ideias completamente diferentes daquilo que terá de vivenciar. Ele perde a coragem, seja porque julga as primeiras experiências destituídas de valor ou porque as considera tão modestas que não crê serem capazes de, dentro de um prazo previsível, conduzi-lo a algo relevante. Coragem e autoconfiança são, porém, duas luzes que, no caminho para a ciência do oculto, não se devem apagar. Quem não for capaz de sempre recomeçar pacientemente um exercício em que aparentemente malogrou inúmeras vezes não poderá ir longe. Bem antes de uma nítida percepção dos progressos, surge um vago sentimento de que se está no caminho correcto. E este sentimento terá de ser nutrido e cultivado, pois poderá tornar-se um guia seguro. Antes de tudo, deve-se extirpar a crença de que teria de ser por actividades totalmente estranhas e misteriosas que se alcançariam conhecimentos superiores. É preciso ter em mente que se terá de partir de sentimentos e pensamentos com os quais se convive continuamente, tendo-se apenas de dar a esses sentimentos e pensamentos uma direcção diferente da costumeira. De início, cada um diga a si mesmo: “Em meu próprio mundo de sentimentos e pensamentos acham-se latentes os mais elevados mistérios; só que eu não os percebi até agora.” Tudo repousa, por fim, no facto de o ser humano trazer constantemente consigo corpo, alma e espírito e, no entanto, ter consciência precisa só de seu corpo, e não de sua alma e de seu espírito. E o discípulo do oculto conscientiza-se da alma e do espírito tal qual o indivíduo comum tem consciência de seu corpo. Daí decorre a importância de dar aos sentimentos e pensamentos a direcção correcta. Desenvolvem-se, então, as percepções daquilo que para a vida comum é invisível. Pretende-se aqui indicar um dos caminhos pelos quais isto é feito. Trata-se, novamente, de uma coisa simples, como quase tudo até aqui exposto. Mas ela produzirá os maiores efeitos se for realizada com perseverança, se o indivíduo for capaz de dedicar-se a ela com a necessária disposição íntima. Observemos uma pequena semente de uma planta. Convém, diante dessa coisa insignificante, intensificar os pensamentos correctos e, através desses pensamentos, desenvolver determinados sentimentos. Em primeiro lugar, conscientizemos o que se vê realmente. Descrevamos a nós mesmos forma, cor, todos os demais atributos da semente. Depois, reflictamos sobre o seguinte: dessa semente nascerá uma planta multiforme se for plantada na terra. Conscientizemos essa planta, estruturando-a a seguir na fantasia. E, então, imaginemos: “O que agora represento em minha fantasia as forças da terra e da luz mais tarde farão realmente sair da semente. Se eu tivesse à minha frente uma coisa artificial, imitando de forma ilusória essa semente a ponto de
  25. 25. 25 meus olhos não poderem discerni-la de uma autêntica, não haveria força nem da terra nem da luz que dela pudesse fazer sair uma planta. Quem conceber esse pensamento com nitidez, quem o vivenciar interiormente, será capaz de formular também o seguinte, com o sentimento correcto, dizendo a si mesmo: “Na semente jaz, de forma latente – como força da planta toda –, aquilo que mais tarde brotará dela. Na imitação artificial, essa força não existe. E ainda assim ambas são iguais aos meus olhos.” Na verdadeira semente está, pois, contido algo invisível, que não existe na imitação. Dirijamos, então, sentimentos e pensamentos a esse invisível. 4 Imaginemos: “Esse invisível transformar- se-á, mais tarde, na planta visível que terei diante de mim em forma e cor.” Abandonemo-nos ao seguinte pensamento: “O invisível tornar-se-á visível. Se eu não fosse capaz de pensar, não se me poderia anunciar, desde já, o que só mais tarde virá a ser visível.” Deixe-se especialmente claro: o que então se pensa deverá também ser sentido intensamente. Deve-se, com calma, sem interferência de outros pensamentos, vivenciar, em si mesmo, o que foi indicado acima. E é preciso dar tempo para que o pensamento e o sentimento ligados a isso cheguem a encravar-se, por assim dizer, na alma. Se isto for alcançado da maneira correcta, perceber-se-á após algum tempo – talvez após muitas tentativas – uma força interior. E essa força gerará uma nova visão. A semente aparecerá como que envolta em uma pequena nuvem luminosa. Será experimentada, de forma sensorial-espiritual, como uma espécie de chama. O centro dessa chama, causar- nos-á uma sensação semelhante à impressão da cor lilás; e as bordas, uma sensação semelhante à cor azulada. Agora surge o que não se via antes e o que a força dos pensamentos e dos sentimentos criou, força essa que se suscitou interiormente. O que sensorialmente era invisível – a planta que virá a tornar-se visível mais tarde – revela-se aí de forma espiritual-visível. É compreensível que algumas pessoas considerem isso ilusão. Muitas dirão: “De que me servem tais visões, tais quimeras?” E alguns desistirão e deixarão de prosseguir na trilha. Mas trata-se, justamente nesses difíceis pontos da evolução humana, de evitar que fantasia e realidade espiritual sejam confundidas. E, além do mais, de ter a coragem de avançar e não tornar-se medroso e desalentado. Por outro lado, é preciso sublinhar que o bom-senso que distingue a verdade da ilusão deve ser cultivado continuamente. Durante todos esses exercícios, o indivíduo nunca poderá perder o pleno e consciente domínio de si mesmo. Tão seguramente como pensa sobre coisas e processos da vida quotidiana, também terá de pensar aqui. Seria grave entregar-se a quimeras. A cada momento ele terá de manter-se com juízo claro, para não dizer sóbrio. E cometeria o maior erro se, através de tais exercícios, perdesse seu equilíbrio, se fosse impedido de julgar tão sadia e claramente sobre coisas da vida quotidiana como o fazia anteriormente. O discípulo deve, portanto, verificar sempre de novo se acaso saiu de seu equilíbrio ou se continua o mesmo dentro das condições em que vive. Apoio firme em si próprio, bom-senso para tudo, eis o que precisa guardar para si. Contudo, cumpre atentar rigorosamente para o facto de que não deve entregar-se a quimeras de qualquer maneira, não deve abandonar-se a toda sorte de exercícios. As direcções de pensamento aqui indicadas têm sido experimentadas e praticadas desde tempos remotos nas escolas do oculto. E unicamente essas são indicadas aqui. Quem quisesse praticar algumas de outra natureza, inventadas por si próprio ou das quais tivesse ouvido falar ou lido aqui ou ali, cairia em erro e dentro em breve encontrar-se-ia numa trilha de ilimitadas fantasmagorias. Um outro exercício que deverá seguir o já descrito é o seguinte: Coloquemo-nos frente a uma planta em estado de pleno desenvolvimento. Aí compenetremo-nos do pensamento de que virá o tempo de essa planta perecer. Nada
  26. 26. 26 mais existirá daquilo que agora vejo diante de mim. Mas essa planta terá então produzido, a partir de si, grãos de sementes que virão a ser novas plantas. Outra vez perceberei que naquilo que enxergo jaz algo oculto não visto por mim. Compenetro-me inteiramente do seguinte pensamento: esta forma de planta, com suas cores, futuramente não mais existirá. Mas a ideia de que produz sementes ensina-me que não desaparecerá no nada. O que a livra do desaparecimento é algo que agora posso ver tão pouco com os olhos quanto, anteriormente, pude visualizar a planta no grão de semente. Nela existe algo que não posso enxergar com os olhos. Se deixo esse pensamento viver em mim, e o respectivo sentimento em mim liga-se a ele, desenvolver-se-á depois de algum tempo uma força em minha alma que virá a ser uma nova visão. Da planta novamente emanará uma espécie de formação espiritual flamejante. Esta, naturalmente, é proporcionalmente maior que a anteriormente descrita. A chama, em sua parte central, poderá ser percebida aproximadamente como sendo azul-esverdeada e, em suas bordas exteriores, vermelho- amarelada. Acentuemos expressamente: o que aqui é denominado “cores” não se vê da mesma forma como olhos físicos vêem as cores, mas a percepção espiritual experimenta algo parecido, como ao se obter uma impressão colorida. Perceber espiritualmente o “azul” equivale a vivenciar ou experimentar algo parecido com o que se sente quando o olhar físico pousa na cor “azul”. Isso terá de levar em consideração quem, paulatina e realmente, quiser ascender a percepções espirituais. Se, do contrário, espera encontrar no plano espiritual apenas uma repetição do físico, isso lhe causaria as mais amargas desilusões. Quem consegue visualizar espiritualmente tais fenómenos ganhou muito, pois as coisas se lhe desvendam não apenas na presente existência, mas também em seu surgimento e em seu perecimento. Ele começa a ver em toda parte o espírito, do qual os olhos físicos nada podem saber. E, com isto, deu os primeiros passos para, paulatinamente e por concepção própria, desvendar o mistério de nascimento e morte. Para os sentidos exteriores, um ser surge pelo nascimento e perece na morte. Mas isto somente porque os sentidos não percebem o espírito oculto do ser. Para o espírito, nascimento e morte são apenas uma transformação, tal qual o desabrochar da flor a partir do botão é uma transformação que se desenrola diante dos olhos físicos. Mas ao se querer conhecê-lo por meio da própria visão, ter-se-á primeiro de despertar, pela maneira indicada, os sentidos espirituais para tal. Para antecipar desde já mais uma objecção que poderiam fazer pessoas com alguma experiência anímica (psíquica), seja dito o seguinte: não se pretende contestar a existência de caminhos mais curtos e mais simples, nem o facto de um ou outro, a partir de visão própria, ter chegado a conhecer os fenómenos de nascimento e morte sem, primeiro, percorrer tudo o que aqui está descrito. Com efeito, há pessoas, dotadas de importantes disposições psíquicas, que apenas carecem de um pequeno impulso para desenvolver-se. Mas essas pessoas são excepções. O caminho aqui indicado, no entanto, é convencional e seguro. Ora, é possível adquirir alguns conhecimentos químicos por um caminho excepcional; mas ao se pretender ser um químico, ter-se-á de trilhar o caminho convencional e seguro. Surgiria um grave equívoco se alguém acreditasse poder alcançar de forma mais cómoda o fim almejado contentando-se com a mera representação do referido grão de semente ou da planta e simplesmente representando-os na fantasia. Quem faz isso poderá, eventualmente, atingir também o fim – não tão seguramente, porém, como pela maneira descrita. A visão à qual se chegará será, na maioria das vezes, uma fantasmagoria. Nesse caso ter-se-ia de aguardar primeiro a transformação em visão espiritual. Pois trata-se de eu não criar arbitrariamente visões em mim, mas sim de a
  27. 27. 27 realidade criá-las em mim. Das profundezas de minha própria alma a verdade terá de brotar; mas não é meu eu comum que, por si, pode ser o mágico querendo atrair a verdade; devem sê-lo aqueles seres cuja verdade espiritual pretendo contemplar. Quando o indivíduo, por meio de tais exercícios, tiver encontrado em si os primeiros rudimentos da percepção espiritual, poderá então ascender à contemplação do próprio ser humano. Por ora, ter-se-ão de escolher manifestações simples da vida humana. Antes de ser passar a isso, é necessário que se trabalhe especialmente a sério na íntegra purificação do carácter moral. Ter-se-á de banir todos os pensamentos no sentido de que o conhecimento alcançável dessa maneira possa ser aplicado na satisfação dos interesses pessoais. A pessoa terá de entrar num acordo consigo mesma para jamais utilizar no mau sentido, sobre os semelhantes, um poder que porventura venha a adquirir. Portanto, cada um que procura os mistérios da natureza humana através da própria visão terá de obedecer à regra de ouro das autênticas ciências espirituais. E esta regra é a seguinte: se você tenta avançar um passo na cognição de verdades ocultas, faça, então, ao mesmo tempo, três para diante no aperfeiçoamento de seu carácter rumo ao bem. Quem observar esta regra estará em condições de executar exercícios tais como o que passa a ser descrito: Evoque-se a imagem de uma pessoa da qual se observou, em alguma ocasião, o modo como desejou qualquer coisa. A atenção terá de ser focalizada no apetite. O melhor seria fazer recordar, na memória, aquele momento em que o apetite alcançou maior intensidade, mas quando ainda não se podia julgar se a pessoa obteria ou não o que desejava. E, agora, entregue-se o exercitante inteiramente à representação daquilo que observa na recordação. Estabeleça na própria alma a maior calma interior imaginável. Esforce-se, tanto quanto possível, para tornar-se cego e surdo a tudo o mais que se passa ao seu redor. E atente especialmente para o facto de que, por meio da representação estimulada, desperta um sentimento na alma. Deixe esse sentimento ascender em si qual uma nuvem elevando-se no horizonte inteiramente vazio. É, natural que, via de regra, a observação seja interrompida pelo facto de não se ter observado a pessoa em questão o tempo suficiente no referido estado de alma. Provavelmente será preciso fazer cem, até centenas de tentativas inúteis. Não se pode, pois, perder a paciência. Após muitas tentativas, chegar-se-á a vivenciar, na própria alma um sentimento correspondente ao estado de alma da pessoa observada. Então se notará também, após algum tempo, que por meio desse sentimento surgirá uma força que na própria alma se converterá em visão espiritual do estado anímico do outro. No campo da visão apresenta-se uma imagem que se experimentará como algo luminoso. E essa luminosa imagem espiritual é a assim chamada incorporação astral do observado estado anímico do apetite. Pode-se novamente descrever essa imagem como semelhante a uma chama. Ela será percebida, no centro, como vermelho-amarelado e nas bordas como azul-avermelhado ou lilás. Muito depende de que se aja com delicadeza em relação a tais visões espirituais. O melhor será, de início, não comentá-las com ninguém, a não ser com o guia, caso a pessoa o tenha. Pois ao tentar descrever tal aparência por meio de palavras inadequadas poderá tornar-se, muitas vezes, vitima de graves ilusões. Empregam-se palavras triviais que, no entanto, não se destinam a tais coisas, sendo por isso grosseiras e pesadas demais para elas. A consequência disso é o indivíduo ver-se tentado, por meio do próprio esforço em expressar o fenómeno em palavras, a entremear à verdadeira visão toda espécie de quimeras. Novamente, eis uma importante regra para o discípulo: Sabe guardar silêncio acerca de tuas visões espirituais. Sim – cala-te até ante ti mesmo. Não tentes expressar em palavras ou meditar pelo raciocínio desajeitado o que vês no espírito. Abandona-te despreconcebidamente à tua contemplação espiritual e não a perturbes por meio de muita reflexão a respeito. Pois

×