A Pré-História dos Corpos de Bombeiros
Cel. BM Asdrúbal da Silva Ortiz
Para se conhecer a história dos Corpos de Bombeiros...
HERONIS SPIRITALIA
Original em latim da primeira bomba portátil do mundo, inventada
por Ctesibius (250 a.C) e aperfeiçoada...
Registros de alguns fatos sobre a criação dos Corpos de Bombeiros
O MODELO ROMANO
3e
séc. a.C: Império Romano - Primeiros ...
O MODELO FRANCÊS
1763 — Paris — O general Pierre Morat cria os seis primeiros
grupos de bombeiros civis, não remunerados, ...
20 de marco de 1818 - (fogo e vinho - Sexta-Feira Santa) -
primeira grande prova de fogo para os novos bombeiros militares...
1940 - 2ª Guerra Mundial - Com a ofensiva alemã, Paris e
ocupada. Os alemães desmobilizam o Exercito francês, menos os Cor...
1797 - Rio de Janeiro - Através do Alvará Régio de 12 de agosto o
Arsenal de Marinha passou a ser o órgão publico responsá...
2 de julho de 1977 - Rio de Janeiro - Criado o primeiro Museu de
Bombeiros do Brasil.
1983 - Rio de Janeiro - Foi instituí...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Corpos de Bombeiros Historia

539 visualizações

Publicada em

HISTORIA CORPO DE BOMBEIROS

Publicada em: Mídias sociais
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
539
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Corpos de Bombeiros Historia

  1. 1. A Pré-História dos Corpos de Bombeiros Cel. BM Asdrúbal da Silva Ortiz Para se conhecer a história dos Corpos de Bombeiros mais antigos do Brasil e necessários primeiramente falar um pouco sobre os antecedentes de suas criações. Porém a história de nossos guerreiros sem armas da liberdade começou muitíssimo antes, primeiramente pela história do fogo, e pode ser contada em duas partes: os fatos mitológicos e os fatos comprovavam. Fato mitológico Conforme a mitologia grega, o herói e semideus Prometeus, um dos Titãs, irmão de Atlas, roubou o fogo do domínio dos deuses e entregou-o aos homens, sendo por isto punido pelo deus maior Zeus, que o condenou a ser atado a uma rocha, onde ficaria exposto aos ataques diários de um abutre que lhe devoraria eternamente o fígado, único órgão do corpo humano que, como todos sabemos, se regenera continuamente, tendo, em conseqüência disso, tal herói recebido um castigo teoricamente interminável. Como conseqüência para os mortais, conforme a lenda, hoje em dia, ainda por castigo, o fogo escapa ao domínio humano e, transformando-se no monstro dos incêndios, ceifa centenas de vidas e causa prejuízos imensos. Fato comprovava 500.000 a.C: O ser humanóide já utilizava o fogo, quando encontrado na natureza, para proteger-se de animais e/ou esquentar e iluminar suas cavernas; ainda não o produzia, mas conhecia seu poder; 130.000 a.C: Conservação e culto ao fogo; 10.000 a.C: Invenção dos primeiros equipamentos de ignição: isqueiro rudimentar (pedra de centelha), produção de fogo e chamas (tipo broca e fricção); 1.700 a.C: O imperador Hamurabi, da Babilônia, criou as primeiras regras de convivência comunitária que foram registradas pela história do mundo, o famoso Código de Hamurabi, onde, entre elas, estavam inseridas também as primeiras normas de prevenção contra incêndios. Código este do qual, ate os dias atuais, 282 artigos transformaram-se em jurisprudência. 850 a.C: - Mesopotâmia - Primeira representação pictórica de um combate a incêndio: Alto-relevo em alabastro. 564 a.C: - China - Registro escrito do que se pode dizer que foi o primeiro agrupamento de bombeiros civis oficialmente instalado.
  2. 2. HERONIS SPIRITALIA Original em latim da primeira bomba portátil do mundo, inventada por Ctesibius (250 a.C) e aperfeiçoada por Heron de Alexandria.
  3. 3. Registros de alguns fatos sobre a criação dos Corpos de Bombeiros O MODELO ROMANO 3e séc. a.C: Império Romano - Primeiros grupos de escravos bombeiros comunitários, bem como a criação de primeiras guarnições de escravos particulares para combate a incêndios; 250 a.C.: Alexandria - O engenheiro Ctesibius inventa, no Egito, a primeira bomba manual portátil de pistão (com um cilindro, tipo ampola injetora) para combate a incêndios, sendo aperfeiçoada posteriormente (com dois pistões) pelo matemático e mecânico grego Heron (séc. I d.C.). Cópia de sua descrição original, em latim, feita por Vitruvius, matemático e mecânico romano, em seu tratado de arquitetura, mais de 150 anos apos sua invenção (24 a.C.), encontra-se junto a um espécime similar, advinda do Arsenal de Marinha de D. Pedro II, em 1856, que foi a primeira bomba manual de nosso Corpo de Bombeiros, atualmente existente no Centre Cultural e Histórico do Corpo de Bombeiros. 1º séc. a.C.: Primeiros bombeiros militares recrutados entre legionários aposentados. 70 a.C.: Roma - Primeira brigada particular para combate a incêndios (cônsul Crassus). 24 a.C.: Roma - Brigadas de escravos particulares para combate a incêndios (diretor de policia Rufus); 21 a.C.: Roma - Guarnição de 600 escravos para defender a cidade de Roma (Imperador Augustus). 1 a.C.: Roma - Orbe - Primeiros legionários bombeiros nas províncias romanas. 6 d.C.: Roma - Urbe - Primeiro Corpo de Bombeiros Militar do mundo oficialmente constituído, composto de 7 mil legionários bombeiros, divididos em sete coortes, só para defender a cidade de Roma: as Cohortes Vigilum. O MODELO PORTUGUÊS 1395 - (Lisboa) - Primeira brigada de incêndio de cidadãos, por Carta Régia de D. João I. 1886 - Lisboa - Surge oficialmente à primeira Associação de Bombeiros Voluntários. 1930 - Lisboa - E criada a Liga dos Bombeiros Portugueses. 1979 - Lisboa - Foi instituído o Serviço Nacional de Bombeiros, congregando bombeiros civis e militares, profissionais ou voluntaries.
  4. 4. O MODELO FRANCÊS 1763 — Paris — O general Pierre Morat cria os seis primeiros grupos de bombeiros civis, não remunerados, cognominados de Gardes Pompes. 1792 - O general Napoleão Bonaparte, percebendo que os Gardes Pompes não funcionavam, semimilitarizou-os sob o nome de Compagnie de Pompes Publiques. Eram três companhias (oito chefes e 270 homens) com a obrigação de usar um sabre-briquet como distinção. Desfilaram pela primeira vez em uniformes em 1795. Por problemas financeiros, relaxaram a disciplina. Ainda não eram militares de verdade. 1810 - Aconteceu o grande incêndio da Embaixada da Áustria, durante uma festa em homenagem a Napoleão, agora Imperador da Franca, quando morreram muitos membros da realeza. Por causa disso, o Imperador descobriu que os bombeiros não eram confiáveis e eram incapazes de cumprir ordens. 18 de setembro de 1811 - Napoleão militariza definitivamente o Corpo de Bombeiros. Cria o Bataillon des Sapeurs Pompiers, sob o controle direto do ministro do Interior, com leis militares e com direito a um soldo. Eram 576 homens divididos em quatro companhias, todos usando obrigatoriamente fuzil-baioneta, comandados pelo chefe de Policia.
  5. 5. 20 de marco de 1818 - (fogo e vinho - Sexta-Feira Santa) - primeira grande prova de fogo para os novos bombeiros militares. Durante o combate ao incêndio na Comedie Francaise, falta água e, graças à engenhosidade e autoridade militar dos bombeiros, o fogo foi apagado com vinho, "cedido graciosamente" pelos comerciantes e moradores locais mais abastados, diretamente de seus tonéis particulares, para os carros-pipa do Corpo de Bombeiros. 7 de novembro de 1821 - O Corpo de Bombeiros e integrado definitivamente as Forças Armadas, porém ainda sob o comando do chefe de Polícia. 1822 - O Corpo de Bombeiros recebe, agora em definitivo, o comando de um coronel do Exército e passa a ser considerado uma força auxiliar do Exército, podendo atuar tanto na paz como nas frentes de batalha, porque os sapadores bombeiros eram os principais homens encarregados de, com suas ferramentas de sapa, desmontar bombas ou minas, plantadas ou caídas, explodidas ou não, deixadas pelo inimigo, e assim até os dias atuais, apesar de agora já existir um Grupo Especial Antibombas da Polícia para casos de terrorismo. Atuou nas 1ª e 2ª Grandes Guerras Mundiais. 1830 - Nova revolução francesa. O Corpo de Bombeiros e ainda mais militarizado. A partir desse ano os integrantes são todos obrigados a aprender a ler e escrever, bem como fazer ginástica pesada, diurna e noturna.
  6. 6. 1940 - 2ª Guerra Mundial - Com a ofensiva alemã, Paris e ocupada. Os alemães desmobilizam o Exercito francês, menos os Corpos de Bombeiros, que continuarão militares, porem agora sob o comando alemão do Regimento Sachsen de Engenharia. Os alemães têm consciência de que somente a disciplina militar faz funcionar os Corpos de Bombeiros. Os bombeiros continuam a participar de todas as atividades de defesa civil, incluindo-se agora o transporte de refugiados, feridos, distribuição de rações, controle de arquivos militares etc. 1944 - Incêndio no Grand Palais - Os bombeiros ficam entre dois fogos. Os alemães cercam os maquisards no Grand Palais e ateiam fogo no prédio. São necessárias três horas de negociações para que os alemães permitissem aos bombeiros apagar o incêndio. Dois dias depois, em outro grande incêndio, os bombeiros entram em choque com os alemães e são presos e maltratados. 1965 - O Batalhão de Sapadores Bombeiros e integrado a Arma de Engenharia do Exercito. 1967 — Pela sua eficiência, importância e competência, o Bataillon des Sapeurs Pompiers e agora transformado em Brigada do Exercito: La Brigade de Sapeurs Pompiers, tendo pela primeira vez o comando de um general (6 mil homens divididos em 78 centros de socorro). Ainda neste ano criou-se então, no seio da Brigada, a Defesa Civil (Corps de Defense) com 462 homens. São criadas as Colunas Moveis de Socorro para casos de emergências diversas, incêndios em florestas, auxílios humanitários no pais e no estrangeiro, calamidades publicas em quaisquer partes do mundo etc. 1968 - Criada a primeira Unidade de Instrução de Segurança Civil (UISC-1), encarregada de dar instruções para o publico e da formação de novos voluntários de defesa civil. 1981 - E criação um quartel só para a Defesa Civil, porem sempre administrado pela Brigada. A Direção Nacional de Defesa Civil continua sob a supervisão geral do ministro do Interior (desde 1811), porem sob o controle e a organização diretos dos bombeiros militares. 2000 - O Corpo de Bombeiros Militar possui agora, só para Paris, 7 mil homens, fora os bombeiros voluntários. Em toda a Franca, os Corpos de Bombeiros Voluntários permanecem organizados, instruídos e controlados pelos bombeiros militares. A formação de oficiais e praças e similar a do Exercito. Os oficiais podem advir da Academia de Bombeiros ou da tropa BM, porem cerca de 75% provêem da Arma de Engenharia do Exercito, com reciclagem na Brigada de Sapadores Bombeiros. O MODELO BRASILEIRO 1789 - Rio de Janeiro - A bomba manual de dois cilindros e utilizada oficialmente no grande incêndio que destruiu o Recolhimento de Nossa Senhora do Parto, que existia próximo a Praça XV (duas pinturas retratando o fato existem no Museu do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro).
  7. 7. 1797 - Rio de Janeiro - Através do Alvará Régio de 12 de agosto o Arsenal de Marinha passou a ser o órgão publico responsável pela extinção de incêndios na cidade. 1856 - Rio de Janeiro - Baseado nos modelos militar francês e civil português, porem ainda com resquícios das influencias inglesa e alemã, surge no Brasil o primeiro serviço publico de combate a incêndios, fundado pelo imperador D. Pedro II, através do decreto imperial n- 1.775 do dia 2 de julho, que começou seus trabalhos utilizando bombas manuais e a vapor francesas, inglesas e brasileiras, respectivamente dos Arsenais de Guerra e Marinha, Repartição de Obras Publicas e Casa de Correção, todos agora reunidos numa só órgão: o Corpo de Bombeiros Provisório da Corte (CBPC). 1860 - Rio de Janeiro - E regulamentado definitivamente o Corpo de Bombeiros da Corte (CBC), sob a jurisdição do ministro da Justiça, recebendo graduações militares. 1880 - Rio de Janeiro - O Decreto imperial 7.766, de 19 de julho de 1880, militariza definitivamente o Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro, concedendo graduações militares a seus oficiais com o grau Maximo de tenente-coronel. 1892 — Joinville (SC) - Surge o primeiro Corpo de Bombeiros Voluntário do Brasil. 1908 - Rio de Janeiro (DF) - Inaugurado o novo e definitivo Quartel Central do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal, obra do coronel do Exercito, engenheiro Francisco Marcelino de Souza Aguiar, ex- Comandante-Geral do Corpo de Bombeiros da Corte Imperial de Dom Pedro II. 2 de julho de 1941 - Rio de Janeiro (DF) - Na Praça da Republica 35, Centro, RJ, ao lado do QCG, foi inaugurada a Capela Católica do Corpo de Bombeiros, que leva o nome do primeiro padroeiro dos bombeiros do Brasil: São João de Deus.
  8. 8. 2 de julho de 1977 - Rio de Janeiro - Criado o primeiro Museu de Bombeiros do Brasil. 1983 - Rio de Janeiro - Foi instituída, pela primeira vez no Brasil, a Secretaria de Defesa Civil do Estado do Rio de Janeiro, ficando o Corpo de Bombeiros sob sua direta subordinação. 1992 -Joinville - Criado o primeiro Museu Nacional de Bombeiros. 1997 — Rio de Janeiro - Criado o primeiro Corpo de Bombeiros Voluntários do Rio de Janeiro. 2003 - O Museu Histórico do Corpo de Bombeiros foi rebatizado com o nome de Centro Histórico e Cultural do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro, estando nele inclusa a Banda Sinfônica da Corporação. Nota: Os fatos narrados neste resumo histórico foram compilados dos arquivos do Corpo de Bombeiros, de algumas publicações brasileiras confiáveis e/ou traduzidos dos seguintes livros estrangeiros da Franca - Esprit de feu, Manuel du Sapeur-pompier e Sauver ou perir; da Alemanha - Manner ohne Waffen; da Suíça - Die Feuerwehren der Welt; da Áustria -Das Grosseoberösterreichische Feuerwehrbuch; da Itália - Pompieri (Vigilli del Fuoco); dos Estados Unidos - Discovering Américas'Fire Museums; de Portugal - Do Exercício do Fogo e de diversos outros escritos de origem brasileira ou ultramarina. *Asdrúbal da Silva Ortiz e coronel bombeiro militar da reserva remunerada e pesquisador autodidata. Ex- diretor do Museu Histórico do CBMERJ recebeu o titulo de acadêmico da Cadeira Especial 16 da Academia de História Militar Terrestre do Brasil, em 26 de novembro de 2003. E-mail: cbvrj@ig.com.br

×