Case Maria Lúcia

485 visualizações

Publicada em

Apresentação de case da novela virtual Maria Lúcia, a primeira realizada utilizando o Facebook.

Publicada em: Marketing
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
485
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
44
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Case Maria Lúcia

  1. 1.  Para  levar  a  realidade  das  mulheres  em  situação  de  violência  ao   público-­‐alvo,  foi  criada  a  personagem  Maria  Lúcia,  que  narrou  sua  história   de  superação  vivenciada  durante  12  anos.  A  narraDva  aconteceu  de  forma   não-­‐linear,  no  período  de  30  dias  e  ambientada  na  plataforma  Facebook,   uma  iniciaDva  inédita  dentro  da  rede  social.  
  2. 2.  O  objeDvo  foi  criar  idenDficação  com  outras  mulheres  que  são   agredidas,  de  forma  que  tomassem  parDdo  do  que  leram  no  perfil  da   personagem.    
  3. 3.  A  ideia  foi  mostrar  alternaDvas  oferecidas  pelo  Governo  Estadual  para   ajudar  a  acabar  com  a  cultura  de  violência  e  conscienDzar  toda  a   sociedade  sobre  a  gravidade  do  tema.    
  4. 4.  A  escolha  do  Facebook  se  deu  pelo  alcance  de  público  e  pela  forma  de   interação,  simples  e  rápida.  Foi  criado  um  “perfil  fake”  onde  foram   abordados  assuntos  relacionados  a  violência  contra  a  mulher.  A   personagem,  narrou  as  agressões  psicológicas  e  Usicas  sofridas  como  um   diário.  A  ação  aconteceu  com  número  variado  de  postagens  ao  dia,  que   foram  equivalentes  a  anos  da  vida  dela,  uDlizando  marcos  para  definir  os   ciclos  da  violência.    
  5. 5.  Foi  realizado  um  trabalho  de  pesquisa  junto  à  Secretaria  Estadual  de   Mulheres  e  Diversidade  Humana  (SEMDH),  entrevistas  com  pessoas   responsáveis  pelo  atendimento,  além  de  conversas  com  mulheres  que   passaram  por  experiências  de  agressão.      
  6. 6.  Além  das  postagens  da  personagem,  a  página  da  Secretaria  Estadual  de   Mulheres  e  Diversidade  Humana  também  serviu  de  suporte  para   divulgação  do  perfil,  publicando  flyers  em  sua  página  e  uDlizando  a  hastag   #violênciadegênero  como  agluDnadora  das  discussões  levantadas  ao  redor   do  tema.  
  7. 7. Os  servidores  do  Governo  Estadual  também  foram  convidados  a   adicionarem  a  personagem  como  sua  amiga  no  Facebook,  para  isso,  foi   enviado  um  e-­‐mail  markeDng  para  todos  os  servidores.  
  8. 8. O  perfil  no  Facebook  da  personagem  recebeu  mais  de  800  solicitações  de   amizade  em  apenas  5  dias,  de  forma  orgânica,  sem  intervenção  de  mídia   paga,  SEO  e  SEM.    
  9. 9. Os  “amigos”  da  protagonista  se  apropriaram  rapidamente  da  história,   passando  a  chamar  a  personagem  de  “Malu”  e  dando  conselhos  para  que   ela  não  se  relacionasse  com  seu  futuro  agressor.       E  no  decorrer  da  história,  conDnuaram  apoiando  para  que  ela  tomasse   uma  decisão  e  resolvesse  mudar  de  vida,  longe  das  agressões  e  do   companheiro.  
  10. 10. Ideia:     Será  criado  um  “perfil  fake”  em  que  serão  abordados  assuntos  relacionados  ao  tema,  onde  a   personagem  que  é  víDma  de  violência  narra  às  agressões  (psicológicas  e  Usicas)  sofridas  como   um  diário.  A  ação  acontecerá  durante  um  mês  aproximadamente,  com  postagens  diárias,   equivalentes  há  anos  da  vida  dela.       A  personagem  vai  postando  sua  história  à  medida  que  o  tempo  vai  passando  e  ela  vai   envelhecendo    e  se  vendo  naquela  situação  sem  saber  como  sair.  Em  alguns  dias  ela  vive  com   esperança  jusDficando  com  desculpas  os  atos  do  agressor.  Em  outros,  se  mostra   desesperançada,  até  chegar  o  momento  em  que  cansa  e  resolve  dar  uma  basta  na  situação.     Resolve  buscar  ajuda  no  Centro  de  Referência  da  Mulher,  onde  se  senDrá  amparada.     Com  a  história  da  personagem  pretendemos  criar  idenDficação  com  outras  mulheres  que  são   agredidas,  de  forma  que  tomem  parDdo  do  que  leem  ali,  se  senDndo  próximas,  contando  suas   histórias  e  tomando  consciência  que  não  precisam  passar  por  agressões,  nem  esperar  muito   tempo  para  denunciar  o  agressor.    A  ação  aDngirá  o  público-­‐alvo,  divulgando  um  tema  tão   presente,  mas  ainda  ignorado  por  muitos,  mostrando  que  a  mulheres  víDmas  de  violência   possuem  alternaDvas  oferecidas  pelo  Governo  para  ajudá-­‐las  a  acabar  com  essa  cultura  de   violência  arraigada  há  tempos  na  nossa  sociedade.       .      
  11. 11. Canais  a  serem  u.lizados:     •  PORTAIS    -­‐  Portal  Correio  da  Paraíba    -­‐  Portal  G1  Paraíba    -­‐  Portal  Tambaú  247     •  FACEBOOK   •  TWITTER    -­‐  Eixo:  Perfil  Fake  Real  "Maria  Lúcia"    -­‐  Campanha:  Página  da    Secretaria  da  Mulher  e  da  Diversidade  Humana    -­‐  Sustentação:  Páginas  da    Secretaria  da  Mulher  e  da  Diversidade  Humana      e  demais  páginas  do  Governo.     Hastag:     A  campanha  usará  a  hastag  #violenciadegenero  pois  já  estáo  sendo  usada     mundialmente  e  conta  com  grande  movimentação  sobre  o  assunto.  Nela  é  possível     encontrar  diversas  campanha  e  depoimentos.  
  12. 12. Além  das  mensagens  em  comentários,  a  personagem  também  recebeu   testemunhos  via  mensagem  privada  do  Facebook.  Mulheres  que  passaram   ou  na  ocasião  estavam  passando  por  situação  de  violência,  encontraram   em  Maria  Lúcia  uma  amiga  para  quem  poderiam  contar  sua  realidade.       Observou-­‐se  também  que  a  ferramenta,  por  ser  digital,  facilitou  o  contato   dessas  mulheres  que  acabaram  procurando  ajuda,  fazendo  com  que  a   novela  fosse  um  meio  de  orientação,  se  tornando  um  serviço  de   atendimento  às  mulheres.  Muitas  delas  foram  atendidas  e  aconselhadas  a   procurarem  a  Delegacia  da  Mulher  mais  próxima  ou  a  Defensoria  Pública.  
  13. 13. A  novela  digital  rompeu  as  barreiras  do  local,  sendo  elogiada  durante   reunião  das  Secretarias  de  Mulheres  de  todo  o  país,  em  Brasília.  Se   tornando  um  exemplo  de  combate  à  violência  contra  a  mulher  e  também   de  aproximação  entre  Governo  e  população.     Houve  grande  repercussão  na  imprensa  paraibana,  destacando  o   inediDsmo  da  campanha  e  a  resposta  do  público  ao  personagem.  
  14. 14. A  Antares  Comunicação  recebeu  convite  da  Faculdade  de  Ciências   Médicas  para  falar  aos  alunos  do  curso  de  Medicina  sobre  a  ação  e   informá-­‐los  de  como  atender  e  orientar  as  mulheres,  além  de  colocar  o   tema  em  debate  dentro  da  sala  de  aula.     A  novela  também  se  tornou  objeto  de  estudo  acadêmico  no  Mestrado  em   Comunicação  Social  da  Universidade  Federal  da  Paraíba  (UFPB),   abordando  a  repercussão  de  personagens  fake  em  plataformas  de  redes   sociais.    

×