Métodos contraceptivos e rma

488 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
488
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Métodos contraceptivos e rma

  1. 1. Tabela p. 47 -
  2. 2. Tabela p. 47 -
  3. 3. P. 42 -
  4. 4. O que é o período fértil ? O período fértil é o intervalo de tempo, no ciclo menstrual, em que as mulheres têm maior probabilidade de engravidar. Uma das formas de calcular o período fértil é saber qual a duração dos ciclos menstruais. Método de cálculo Durante 6 meses a 1 ano, a mulher deve anotar todos os meses num calendário o dia em que aparece a menstruação, contando o tempo que dura cada ciclo entre uma menstruação e a seguinte. Uma vez feita esta contagem, subtrai-se ao ciclo mais curto, 18 dias, e ao ciclo mais longo, 11 dias. Ao serem encontrados os resultados, o intervalo entre ambos, do menor para o maior, indica o intervalo de tempo no qual a mulher se encontra no período mais fértil dos seus ciclos. Por exemplo: Imaginemos um ciclo mais curto de 26 dias e um ciclo mais longo de 30 dias, então: Ciclo mais curto: 26-18 = 8 Ciclo mais longo: 30-11 = 19 Este cálculo significa que os dias mais férteis neste ciclo situam-se entre o 8º e 19º dias. Quando se fala em 8º dia, fala-se do 8º dia a contar da data do 1º dia da menstruação. Ao longo da vida da mulher, esta situação vai acontecer todos os meses e só é interrompida no caso da mulher engravidar.
  5. 5. Ficha de trabalho p. 43 (consulta tabela p. 47)
  6. 6. Pílulas contracetivas - diferem na composição e dosagem Monofásicas (todos os comprimidos têm a mesma dosagem) ou Trifásicas (têm três doses diferentes). •Pílulas combinadas – Estroprogestativas Mecanismo de ação – Figura 44 - p. 45 As pílulas combinadas previnem a gravidez, inibindo a ovulação e diminuindo a espessura da camada de revestimento interna do útero (endométrio). •Pílulas microprogestativas (menor eficácia) Situações em que os estrogénios são contra-indicados. Não bloqueio da ovulação Muco cervical – manutenção das características da fase luteínica (impermeabilização do colo do útero aos espermatozóides)
  7. 7. Mecanismo de ação – Figura 44 - p. 45
  8. 8. Pílula do dia seguinte – efeito depende do momento da toma. •Pode impedir a ovulação, a fecundação ou a nidação
  9. 9. De acordo com a Lei 16/2007, a interrupção voluntária da gravidez é legal em Portugal desde: •Constitua o único meio de remover perigo de morte ou de grave e irreversível lesão para o corpo ou para a saúde física ou psíquica da mulher grávida; •Se mostre indicado para evitar perigo de morte ou de grave e duradoura lesão para o corpo ou para a saúde física ou psíquica da mulher grávida, e seja realizada nas primeiras 12 semanas de gravidez; •Haja seguros motivos para prever que o nascituro venha a sofrer, de forma incurável, de grave doença ou malformação congénita, e for realizada nas primeiras 24 semanas de gravidez, excepcionando-se as situações de fetos inviáveis, caso em que a interrupção poderá ser praticada a todo o tempo; •A gravidez tenha resultado de crime contra a liberdade e autodeterminação sexual e a interrupção for realizada nas primeiras 16 semanas de gravidez; •Por opção da mulher, nas primeiras 10 semanas de gravidez. http://www.apf.pt/
  10. 10. Conceito infertilidade (OMS) “Incapacidade de um casal para alcançar a concepção ou levar uma concepção a termo após um ano ou mais de relações sexuais regulares, sem protecção contraceptiva”. Condições necessárias à ocorrência de fertilidade •Produção e libertação de espermatozóides viáveis e em número suficiente •Produção e libertação de oócitos II viáveis •Capacidade dos espermatozóides fecundares os oócitos II •Existência de ovidutos onde possa ocorrer a fecundação •Existência de um endométrio normal onde possa ocorrer a nidação •Funcionamento do mecanismo de controlo hormonal
  11. 11. Tabela p. 48
  12. 12. Medicação Técnicas de tratamento Cirurgia Técnicas de reprodução assistida Auxiliam Infertilidade Técnicas laboratoriais Manipulação e seleção de gâmetas e embriões, bem como a sua conservação e implantação
  13. 13. Técnicas acessórias no campo da reprodução assistida Crioconservação Diagnóstico genético préimplantatório ou biópsia de embriões
  14. 14. Diagnóstico Genético pré-implantacional Amniocentese: pode ser realizada entre 15 e 16 semanas de gravidez, sendo resultado conhecido entre 2 e 3 semanas. Biópsia de vilo corial: realizável a partir da 10ª semana de gravidez, sendo o resultado conhecido em 1 semana . PGD: realizável cerca de 3 dias após a fertilização e o resultado conhecido no mesmo dia. O PGD é única alternativa que permite a transferência de embriões sadios que possibilita uma gravidez com nascimento de descendente normal. Para ser efetiva, essa técnica deve ser suficientemente específica e sensível para obter informação de um ou dois blastómeros ( células do embrião ) de cada embrião.
  15. 15. Diagnóstico Genético pré-implantacional
  16. 16. Biópsia de vilo corial Análise de uma amostra da placenta. A amniocentese pratica-se com o auxílio de uma agulha muito longa que perfura as paredes abdominais para recolher líquido amniótico
  17. 17. O método consiste na injeção de espermatozoides dentro do útero da mulher, no seu período fértil, ou seja, quando ela está ovulando, facilitando assim a união dos gametas para a formação do embrião. Os espermatozóides podem ser depositados no colo do útero, no processo chamado inseminação ultracervical, ou mais próximos às trompas, na inseminação intrauterina
  18. 18. FIV (Ficha de trabalho p. )50
  19. 19. http://www.cgrabarros.pt/alternativas.htm
  20. 20. Crioconservação de embriões
  21. 21. Crioconservação de espermatozóides em criotubos imersos a 196ºC em azoto líquido. Crioconservação (grau de complexidade) Espermatozóide Embriões A crioconservação de oócitos II é mais complexa devido à dificuldade de manutenção da integridade do fuso acromático (metafase II) Oócitos II

×