Thereza e Tom

1.681 visualizações

Publicada em

Perfil biográfico do casal Thereza Regina de Barros Camargo Maia e Tom Maia, escrito por Anna Laura Barreto.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.681
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Thereza e Tom

  1. 1. Thereza e TomProjeto experimental de caráter profissional apresentado às Faculdades Integradas Teresa D’Ávila como requisitoparcial para obtenção do grau de Bacharel em Comunicação Social, habilitação em Jornalismo, sob orientação do prof.Francisco de Assis. Revisão: João Batista Teixeira da Silva Projeto Gráfico e Tratamento de imagens: Sebastião Assunção de Almeida Filho Capa: Sebastião Assunção de Almeida Filho sobre o desenho de Tom Maia Impressão: Tachion Gráfica Digital B273t Barreto, Anna Laura Thereza e Tom / Anna Laura Barreto. – Lorena, 2011. 152p. Projeto Experimental (Graduação em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo) – Faculdades Integradas Teresa D’Ávila, 2011. Orientador: Francisco de Assis 1. Livro-reportagem. 2. Perfil Jornalístico. 3. História. 4. Vale do Paraíba. 5. Thereza e Tom Maia. I. Título CDU-070
  2. 2. Anna Laura Barreto Lorena - SP 2011
  3. 3. D edico este livro a um herói que viveu para ensinar as mais bonitas lições de vida e para cercar de alegria todos os que o rodeavam: meu avô materno, Sebastião Assunção de Almeida. Infelizmente, Deus o levou para perto de si.Mas sei que ele está ao meu lado nos momentos em que preciso e que chamo por sua luz. Sempre o levo na memória, porque, assim, consigo ser uma pessoa melhor. E, com felicidade, também compartilho espiritualmente a realização de um sonho. Vô Tião, sua neta, agora, é jornalista! A todos os aspirantes a jornalista, que vivem contidos no desejo de se tornar escritores: acreditem, pois a vida é ainda melhor quando fazemos dela poesia.
  4. 4. Agradecimentos Aos meus pais, aos meus avós e ao meu irmão, com amor e muita gratidão. Ao prof. Francisco de Assis, por me confiar este trabalho,e me orientar com sua sabedoria e amizade. Sinto-me honrada por tê-lo em meu caminho. A Thereza e Tom Maia, por existirem e por compartilharem comigo as lembranças de uma vida.
  5. 5. Sumário Prefácio, 11 Prólogo, 13 Apresentação, 15 Nas paredes da memória, 17 Entre lembranças e risos, 33 As histórias por trás dos livros, 49 Mais produções, mais experiências, 70 Sobrinhos do santo, 93 A parceria de uma vida inteira, 111 Prêmios, honrarias e títulos recebidos por Thereza e Tom Maia, 133 Bibliografia de Thereza e Tom Maia, 141 Referências, 151
  6. 6. Prefácio Diego Amaro de Almeida Foi uma grande honra ser convidado para prefaciar esta obra de uma jovem autoraque trata da trajetória desses dois companheiros de Instituto de Estudos Valeparaibanos(IEV). Pessoalmente, estou envolvido pelo tema, tendo em vista que, muito antes domeu ingresso no curso de História, fui cativado por suas obras (nunca vou me esquecerdaquela Paraty: encantos e malassombros). Neste livro, podemos apreciar a história de Thereza e Tom Maia, célebres filhosde Guaratinguetá. De uma forma prazerosa, o texto, tão bem elaborado por Anna LauraBarreto, nos apresenta importantes momentos da vida e da obra desses dois grandesescritores que tanto fizeram e fazem pela preservação da cultura, da memória e da históriada nossa região. Uma história interessante, curiosa e divertida. Diversão que, aliás, é uma dasmarcas do bom humor de Tom Maia – sempre presente nos encontros do IEV –, aspectodevidamente retratado neste trabalho, por meio das histórias vividas por ele e por Thereza. Aqui, o leitor poderá conhecer o trabalho desenvolvido pelos dois, sempre commuito empenho e dedicação, junto de outros companheiros do IEV, como os professores Thereza e TomJosé Luiz Pasin, Francisco Sodero Toledo, Nelson Pesciotta, entre outros grandes nomes,sempre em busca da preservação do patrimônio histórico, cultural e ambiental. Um ricoexemplo que deve ser seguido por todos. O livro de Anna Laura Barreto tem relevância para a história valeparaibana, quecarece de estudos sobre escritores e pesquisadores da região. É necessário que sejam 11
  7. 7. conhecidos feitos como os de Thereza e Tom, e, assim, as novas gerações sejam motivadas a ingressar nessa luta em defesa da nossa região. Nesta obra tão bem elaborada e agradável, conheceremos sua história. Veremos o lado humano, a infância, a família, as decisões tomadas, as amizades, as aventuras, as lutas vividas, enfim, o caminho percorrido por esse casal que faz tanto por nossa cultura. Boa leitura! Diego Amaro de Almeida é pesquisador e membro do IEV.12
  8. 8. Prólogo Uma obra de interesse histórico e sociológico Nelson Pesciotta Concluinte do curso de Jornalismo, das Faculdades Integradas Teresa D’Ávila(Fatea), em Lorena, Anna Laura Barreto aventurou-se em superar as limitações de um TCC(Trabalho de Conclusão de Curso) para produzir um estudo mais profundo, e escolheu amemória de um casal de Guaratinguetá formado por Tom (José Carlos Ferreira) Maia eThereza Regina de Camargo Maia. Louvo-lhe a escolha por duas razões: a primeira, por permitir, com a possívelpublicação de seu trabalho, a perpetuação da memória de duas pessoas que muitobem representam a sociedade e o ideário guaratinguetaense, e a segunda por produzirum documento que certamente servirá de ponto de partida a tantos pesquisadoresque abraçaram a estrutura das instituições que, no estreito campo do mundo familiar,rompem barreiras para a identificação do pensamento e da ação vigentes na sociedade Thereza e Tomque sobrevive às transformações morais, econômicas, religiosas, educacionais e políticasdo nosso tempo. O jornalista, pela sua curiosidade em revelar o raro e o precioso, presta umrelevante serviço social, mostrando realidades e descobrindo valores humanos. Estetrabalho, assim, é essencialmente jornalístico. 13
  9. 9. Thereza e Tom, por sua importância na vida de Guaratinguetá e por sua projeção não só no Vale do Paraíba, conhecidos que são em todo o Brasil, pelas suas obras, merecem ser lembrados e louvados. O percurso que percorreram é o trajeto da nossa história regional. Nelson Pesciotta é presidente do IEV.14
  10. 10. Apresentação Eu tinha lá dois ou três diferentes temas em vista. Mas nada me satisfazia. Não conse-guia decidir que rumo daria ao meu Trabalho de Conclusão de Curso. Só tinha em mente umacerteza: queria ser orientada pelo professor Francisco de Assis. Foi quando comecei a persegui-lo com meus dilemas, que parecem muito grandes aosolhos de quem está na última etapa de se concluir um curso acadêmico. Francisco, que é depouca idade, mas de muito conhecimento, percebeu que minha vontade era mesmo escreverum livro, mas com um conteúdo pelo qual eu me apaixonasse. Não tardou, então, para me su-gerir que eu fizesse um livro-reportagem sobre a vida de Thereza e Tom Maia, os historiadores“advogados” de Frei Galvão. Interessei-me logo de cara, e corri para contar a ideia à minha mãe. Lembro-me do queela falou: “Faz isso, que Frei Galvão vai te ajudar!” Batia quinze horas quando cheguei, em 26 de março de 2011, ao número quarenta eoito, da estreita e histórica rua Frei Galvão, localizada discretamente no centro de Guaratingue-tá, interior de São Paulo. Lá, há um antigo casarão de esquina, grande e com requinte colonial,intimidante por fora e gracioso por dentro. Em sua famosa sala de visitas, conheci Thereza eTom. Do papel de parede às almofadas das poltronas, tudo naquele lugar parece combinar Thereza e Tomperfeitamente. A impressão que se tem é a de que os objetos, eles próprios, conseguem contarhistórias. Histórias que encantam os que se aventuram pelos cômodos da casa. E quanto mais euadentrava em suas vidas, mais eu tinha certeza de que jamais iria esquecer aquelas sinestesias. O casal, famoso em toda a região, parece viver em sintonia de gestos, de olhares e depalavras. Thereza fala, Tom sorri. Tom fala, Thereza completa. E as lembranças tomam o am- 15
  11. 11. biente, tornando alerta todos os possíveis sentidos. A cumplicidade é tamanha que quase pode ser tocada. Parece que não existem mais casais como Thereza e Tom. Thereza é fina de comportamento, tem sorriso singelo, é simpática e “extremamente pragmática”, segundo Tom. Ele, sempre a falar, é, para a mulher, “alegre e linguarudo”, e nun- ca se cansa de relembrar momentos que não se findam. Ela diz que se apaixonou por conta dessa alegria, porque gostava da conversa de Tom e adorava ouvi-lo cantarolar acompanhado de seu violão. Ele, por seu turno, diz que foi “fis- gado” pelo pragmatismo da mulher. Enfim, foram feitos um para o outro. Tom é artista nato. Mas também é um ótimo contador de histórias. Thereza firmou-se historiadora desde pequena, mostrando interesse por brincadeiras um tanto quanto peculiares. Ambos sempre foram visionários, de muitos sonhos e de muitos amigos, muitos dos quais foram ouvidos durante a produção deste livro-reportagem. Desvendar as aventuras de Thereza e Tom é um exercício que vale a pena.16
  12. 12. Nas paredes da memória
  13. 13. Arquivo PessoalCamargo, Angélica, Zizinha e Leonardo comemoram o casamento de Thereza e Tom;Guaratinguetá, 20 de dezembro de 1958
  14. 14. T hereza olha para os grandes janelões de suacasa, e se lembra de quando costumava observar as pessoas passarem pela rua. Tom fazo mesmo. O grande e redondo espelho, fixado no alto da parede e de frente para o sofá,reflete o casal marcado pela história. Confusos e ansiosos, vão narrando tudo de que selembram, saudosos do passado e orgulhosos do presente. A casa onde vivem possui até nome: “solar Rangel de Camargo” ou “solar dosCamargo”. Foi erguida em 1866, pelo Capitão João Baptista Rangel, tetravô de Thereza.É feita de taipa de pilão e pau a pique, e abrigou todas as gerações posteriores da família,já estando no sexto estágio de descendência. Conceituado local histórico, sob seu teto Thereza e Tomforam acolhidos príncipes, princesas, políticos, escritores, cineastas, artistas e músicos devárias partes do Brasil. Os pais de Thereza, o famoso político e advogado João Baptista Rangel de Ca-margo – a quem a cidade de Aparecida deve sua independência – e a paulistana MariaAngélica de Barros Rangel de Camargo, foram morar no casarão assim que se uniram em 19
  15. 15. matrimônio, e ali permaneceram pelo resto de suas vidas. Viveram sempre rodeados de amigos, vizinhos e estudiosos, que promoviam um movimento constante no solar. Thereza Regina de Barros Camargo nasceu em Guaratinguetá, no dia 11 de abril de 1935. Ainda menina, já tinha comportamentos que direcionariam seu futuro: gostava de fazer bolinhos de terra, lia bastante e passava muito tempo sonhando com um mundo encantado, inspirado nas histórias de Monteiro Lobato, a quem deve as peripécias de sua infância. — A minha formação é toda de Monteiro Lobato. Li todos os seus livros, do começo ao fim. Só não gostei do Aritmética da Emília — conta Thereza, que também sonhava em ser arqueóloga no Egito, e costumava cavar o quintal de casa, na busca por cacos antigos. Durante as tardes, ela ocupava seu tempo apurando os acontecimentos locais. Apoiava os braços nos janelões, e passava horas vendo o movimento na rua. Ouvia as conversas e os causos, reparava nas roupas das senhoras e das senhoritas, espiava os na- moricos. Depois, ia contar para as tias, já que a mãe não costumava dar muita trela a essas conversas. Maria Angélica dedicava a maior parte de sua rotina às orações e à leitura. Não co- zinhava nem limpava, apenas cuidava dos empregados. Era de poucas amizades, tal como prezavam os modos franceses da época, nos quais havia sido criada. Aliás, até suas rezas eram feitas no idioma originário da França, fazendo com que Thereza achasse que a mãe pensava em francês. Antes do casamento, foi catequista no Colégio Des Oiseaux, onde estudara, em São Paulo. O educandário da elite paulistana, pela própria origem percebidaNas paredes da memória em seu nome, utilizava a língua de Molière em tudo, dos livros sobre o país às orações. Mas o que realmente diferenciava Angélica das outras mulheres eram suas roupas e seus refinados modos. Usava meias, sapatos de salto e conjuntos finos, cheios de baba- dos e de detalhes, o que não era costume na época. Chamava a atenção. Tanto ela quanto o marido se destacavam pela elegância. O bom gosto deveria ser de família. Afinal, ela era neta da Baronesa Maria Angélica de Souza Queiroz de Barros, a quem é dedicada a 20 avenida Angélica, na capital paulista.
  16. 16. Se sua mãe passava as tardes rezando, a menina Thereza, toda esperta, aproveitavao tempo livre para fazer suas brincadeiras e para ficar de butuca nas conversas do pai.Cravava os ouvidos atrás da grande porta de madeira do escritório, localizado na partebaixa da casa, e o escutava aconselhar clientes e políticos. Pouco entendia, mas permane-cia atenta e cautelosa para não ser pega. Enquanto Thereza enchia seu tempo prestando atenção no movimento do ladode fora do solar, Tom, já moço, a observava dos fundos do sobrado onde morava, quedava para a rua Frei Galvão, com frente para a rua Coronel Virgílio, enquanto brincava depatins e de patinete com seus irmãos. De tão alto e irritante, o barulho das rodinhas podiachegar aos ouvidos de Thereza, que mantinha a pose de indiferente, mas atraída pelasbrincadeiras ruidosas feitas no terreno de fundo do sobrado. Tom – aliás, José Carlos Ferreira Maia – nasceu em 16 de janeiro de 1929, em Guara-tinguetá. É o caçula dos seis filhos de Maria Rosa de França Cipolli Maia e Leonardo FerreiraMaia. Seus irmãos: Antônio Carlos, Maria Virgília, Maria José, Maria Isbela e Maria Isa. Maria Rosa é de 1892, natural de Guaratinguetá. Ainda com seis anos, foi internano Colégio do Carmo, na mesma cidade, saindo de lá anos depois, para cursar a escolanormal, no Colégio Conselheiro Rodrigues Alves, até hoje conhecido como Instituto. Aose formar professora, lecionou em Aparecida, até se casar com Leonardo, que ocupava ocargo de diretor regional dos correios, no Rio de Janeiro. O Dr. Camargo, pai de Thereza, e Maria Rosa, quando jovens, chegaram a ter umnamorico. Trocavam bilhetinhos, flertavam na igreja e se encontravam nas festas. Tudocomo mandava o figurino. Até que num certo Carnaval, quando era costume fazer diver-tidas “bolas de perfume” ou “limão de cheiro”, a mãe de Tom saiu para brincar e acabouacertando uma dessas bolas nas costas de Eduardo, avô de Thereza e pai do jovem por Thereza e Tomquem se interessava. A situação foi tão constrangedora que Maria Rosa saiu correndo. Eterminou a paquera. *** 21
  17. 17. Assim que se casou, Maria Rosa, mais conhecida por Zizinha, mudou-se para o Rio de Janeiro. A posição de Leonardo era conceituada, o que lhe rendia um bom ordena- do, mas que também exigia sua transferência, de tempos em tempos, para várias partes do Brasil. A família viveu, depois, em São Luís, no Maranhão, em Florianópolis, no Estado de Santa Catarina, e novamente no Rio. Por conta disso, os filhos desenvolveram um sotaque bem peculiar, difícil de ser identificado. Somente em 1937 é que a mãe de Tom resolveu voltar para Guaratinguetá. Ela, o marido e os filhos foram morar no sobrado da família, junto com o famoso Dr. Gastão de Meireles França, advogado e genealogista, que já havia sido prefeito da cidade. Era o tio solteiro e culto que acabou por proporcionar a Tom uma bela educação. Tom já estava com dez anos, e nunca havia acompanhado o curso primário. Seu conhecimento era adquirido dos costumes e dos locais por onde passou. Até aquela fase da vida, havia somente estudado em casa, lendo, em francês, o “Qui, pour quoi, com- ment” – semelhante à coleção “Tesouro da Juventude”, editada no Brasil – ou revistas como Cariocas e Vamos Ler, além de jornais da época. Ele conta: — Quando vim de Florianópolis, já tinha lido muitos livros, e sabia de muita coi- sa. Não era merecimento, era o que tinha pra fazer. O jovem era adepto de livros estrangeiros, que exerceram influência sobre seu pensamento e que, no futuro, acabaram lhe rendendo ilusões e sonhos. Cercado princi- palmente de literatura francesa, ganhou o apelido de Tom por causa de um personagem, Tom Pouce, o Pequeno Polegar, traduzido para o português. Anos mais tarde, o codinomeNas paredes da memória iria se tornar marca registrada. Tom vivia aprontando. Junto com os irmãos, fazia bolinhos de barro para jogar na casa habitada pela família de Frei Galvão e nos descuidados que desciam aquela rua, conhecida pelos antigos como “beco”. Quando foi fazer a primeira comunhão, não sabia nem como confessar, uma vez que nunca tivera aulas de catecismo. Como já era tempo, Tom precisava ingressar na escola, e conquistar um diploma. 22 Foi então que prestou seu primeiro exame de admissão na escola normal. Como resulta-
  18. 18. do da boa educação recebida em casa, conseguiu alcançar a nota oitenta e três, passandocomo primeiro colocado. Seu sotaque, no entanto, era bem diferente do habitual. Falava como carioca, masnão exatamente igual. Isso dificultava o entendimento de todos, principalmente de seusprofessores. Mas em ditados e em leituras de textos, o menino é quem se confundia. Al-guns mestres, confirmando a pronúncia local, trocavam o som da letra l pelo r. Diziam“porvilho”, em vez de polvilho; “vorta”, no lugar de volta, e assim por diante. E aí, comoescrever? Com l ou com r ? Tom ficava em dúvida. *** A rotina das famílias que moravam em Guaratinguetá era bastante parecida. Tododomingo, a missa celebrada na igreja de Nossa Senhora das Graças, às oito da manhã, eraum ponto de encontro. Nessas ocasiões, Thereza e Tom se viam e se cumprimentavam.Ela ficava animada em ir à missa porque, depois, podia passear na praça com os pais, quelhe compravam livros e sorvetes. E aquele costume não mudava com o passar dos tempos. Thereza, mesmo depoisde moça, não tinha o hábito de escrever em diários nem sonhava em ter filhos. Mas eravaidosa. Gostava de se arrumar, de tomar sol, de se bronzear. E queria usar justamenteas roupas que a mãe não gostava. Vestidos cavados e sem manga, modernos para época,eram os seus preferidos. Nessa época, acompanhava as novenas com Maria Angélica,para, depois da reza, continuar a dar suas voltas pela praça. Certa vez, ela resolveu vestir um bolero branco, de manga japonesa curta, para ir ànovena de Santa Teresinha, na matriz de Santo Antônio. Dentro da igreja, o padre, rígido Thereza e Tome conservador, caminhava pelos corredores, com um terço na mão, enquanto rezava alto,junto com os fiéis. Quando avistou Thereza, com um vestido que deixava seus braços defora, exclamou alto: — Quem estiver de manga curta ou sem manga, pode sair da igreja! Favor sair daigreja quem estiver de manga curta! 23
  19. 19. Thereza insistiu em permanecer no lugar onde estava, até todas as senhoras vol- tarem o olhar para ela. Sem opção, saiu da igreja, e foi para a casa reclamar ao pai. O Dr. Camargo sempre ficava ao seu lado, concedendo seus desejos. E a filha, por sua vez, possuía todas as características dele: era firme nas decisões e nas vontades, qualidades que perduram até hoje. Assim como o pai, ficou revoltada com o comportamento do vigário. A mãe, no entanto, continuou na novena. Anos depois, já na faculdade, ao estudar a Inquisição, Thereza percebeu o signi- ficado das acusações para a Igreja Católica, principalmente no período em que sequer as famílias ousavam defender seus parentes, aterrorizadas com fogueiras, castigos e persegui- ções. Analisando aquele cenário, lembrou-se do fato ocorrido com ela, na igreja de Santo Antônio, e narrou a ironia aos colegas. Ironia porque um de seus ascendentes, que foi vigário da mesma matriz, veio de Portugal justamente como representante da Santa Inqui- sição, no início do século 19. Era o Padre Manuel da Costa Moreira, que trouxe consigo dois “sobrinhos” – na realidade, seus filhos –, Madalena Thereza de Jesus e Francisco, sendo esse último o futuro padre fundador de Itajubá (MG). Mas os passeios depois das cerimônias religiosas não eram a única diversão de Thereza. Outro lugar que ela adorava frequentar era o Cine Urânio – localizado na Praça Conselheiro Rodrigues Alves –, ao qual as pessoas costumavam ir elegantes, para assistir aos filmes, aparecer em público e conversar. As películas ainda eram novidade no interior. E Thereza, como as moças da época, aguardava ansiosa a permissão para acompanhar as sessões, sempre com os pais. Mas, para a revolta da filha, Angélica permitia apenas asNas paredes da memória sessões liberadas pela cotação da Igreja, o que fazia a moça recorrer e choramingar ao pai, até conseguir o que queria. Na hora da entrada, as luzes do cinema haviam de estar acesas, pois só assim as pessoas podiam ser reparadas. Era como ir a um evento social. Thereza, sempre vaidosa, adorava. *** 24
  20. 20. Guaratinguetá, 1954. Na praça central, durante as tardes, os rapazes faziam char-me – uns encostados nas árvores, outros sentados nos bancos, outros volteando o lugar,mais conhecido como “Largo”. Enquanto os cavalheiros permaneciam parados, as moçascaminhavam, para serem admiradas e para conquistar uma boa paquera. Tom era do gru-po da árvore. E, discretamente, era com quem a Thereza flertava. Mas os dois eram novos,tímidos, filhos de pais severos. Quase nunca se falavam. Era junho. Mês de São João, uma amiga de Thereza, Marli Alves, daria uma festajunina para comemorar seu aniversário, e pediu para Thereza sugestões de convidados.Thereza, direta, como de praxe, sugeriu o nome de Tom. Foi em clima de tradição, ao som de baiões, que no dia 16, do ameno mês de ju-nho, na primeira casa da Vila Alves, Thereza e Tom tiveram a conversa que deu início auma longa história. A partir daí, as boas prosas foram ficando cada vez mais extensas, ea missa das oito da manhã passou a ser frequentada semanalmente pelo casal. Na época,não existia namoro. O fato de conversar e, em algumas raras vezes, dar as mãos, já signifi-cava certo compromisso. Para irem além, precisava haver um noivado. A família de Thereza ficou enciumada, já que ela era a filha única do casal. Suastias ficavam vigiando-a pelas janelas. Já a família de Tom fez muito gosto do relaciona-mento, pois sua mãe tinha grande apreço pela moça. Os convites para Thereza tomar cafécom bolo na casa do futuro marido eram frequentes. Ambos eram um bom partido. Sete anos de diferença os separavam. Thereza estava, então, com dezoito anos,formando-se professora na escola normal. Tom já tinha vinte e cinco, e estava prestes aconcluir o curso de Direito, no Rio de Janeiro. Logo que começou a advogar em Aparecida e em Guaratinguetá, ele se decepcio-nou com a profissão. De bom coração, tentava ajudar seus clientes, e acabava perdendo Thereza e Tomdinheiro. Ajudava a quem precisava. Construía casas para aqueles que as haviam perdido, enão cobrava quando o cliente não tinha como pagar. Era um jovem advogado, de ilusões,preceitos e princípios. Até que infelizes episódios o fizeram pensar em tudo aquilo. Uma das casas que ele havia ajudado a construir, com a intenção de proporcionarum lar a uma pobre senhora, foi dada a um agiota para acerto de contas. E um advogado, 25
  21. 21. sem ter recebido por seu serviço, tomou um relógio do bolso de seu cliente para garantir o pagamento. Essas situações levaram Tom a refletir e a deixar a advocacia. Resultado: prestou concurso para delegado. 1956. Tom se torna delegado de polícia. O namoro com Thereza já durava dois anos, e ele, sonhador, aspirante a escritor, pensava em fugir para Paris. A ideia vinha dos livros estrangeiros, dos quais gostava desde pequeno e que lhe mostravam a cidade luz como a megalópole cultural do momento. Leitor assíduo dos livros e das histórias fran- cesas, Tom sempre cultivou uma idealização mágica da vida na capital da França. Com sua mente jovem e inquieta, queria viajar. Planejava ir para a Europa de navio, deixando tudo e todos para trás. Só que na pacata Guaratinguetá havia Thereza. Sua doce, pragmática, jovem, realista e decidida Thereza. Com o apoio de sua mãe, carregando o título de delegado e certo de que esse seria o melhor caminho a seguir, Tom foi pedir Thereza em casamento, antes de ser transferido para delegar em Herculândia, no interior de São Paulo. Era quase certo que o Dr. Camargo iria consentir. De terno marinho e gravata vermelha, ele foi sozinho até o solar da rua Frei Galvão, onde a família da moça o esperava. Thereza havia avisado à mãe, que preparou a sala de visitas para esperar o futuro genro. Para a satisfação dos dois jovens, o pedido foi aceito. Tom começou a delegar. Chamava a atenção por ser jovem e muito bem apessoa- do. Pelo aspecto físico e por ocupar um bom cargo, começou a ser assediado pelas moças de Herculândia. Um médico local chegou a ir até ele oferecer sua filha em casamento, prometendo-lhe uma casa. Obviamente, Tom não aceitou. Estava à espera de uma trans- ferência para o Vale do Paraíba, para poder se casar com Thereza. Resistindo às paqueras,Nas paredes da memória e firme de sua decisão, fez o caminho de volta assim que conseguiu uma vaga em Piquete. Dois anos após o noivado, o casamento foi marcado. A data foi agendada às pressas, por pura teimosia de Thereza. Não havia necessi- dade de ser tão próximo ao Natal. Mas Tom faz questão de lembrar: — Ela era muito firme e muito pragmática. O convite e o buquê foram feitos em São Paulo. A noiva queria as letras em alto 26 relevo, e as flores mais bonitas. A cerimônia não poderia ser realizada à noite, por conta
  22. 22. dos parentes que viriam da capital paulista. Entre os comes e bebes, dois grandes perusforam encomendados. Não faltaram os doces: gelatina recheada, doces de frutas, molda-dos em forma de coração, balas recheadas de coco e de licor feitas em Minas Gerais. Osparentes paulistanos foram embora mais do que satisfeitos. No dia 20 de dezembro de 1958, às dezessete horas, Thereza entra na igreja ma-triz de Santo Antônio para se casar. Com os cabelos curtos e enrolados, um tradicionalvestido de rendas brancas e segurando um grande buquê feito com lírios de São José, elacaminhou ao lado de seu pai, pelo corredor central. No altar, estava Tom, vestido em umterno cinza escuro, complementado por uma gravata prateada. As bodas foram celebradas pelo Padre Oswaldo de Barros Bindão, que futura-mente viria a batizar todos os filhos do casal. E a festa foi realizada na própria casa dosCamargo, onde também haviam se casado os pais e os avós de Thereza. Terminados os festejos, o casal partiu para Piquete, cidade próxima, onde iria fixarresidência. Como a casa já estava pronta e mobiliada, e estava bem próximo da comemoraçãodo Natal, a lua-de-mel foi adiada. Só em fevereiro de 1959 é que viajaram para Angra dos Reis. Meses depois, Tom foi transferido para a delegacia de Cunha, também na região.O casal ficou com medo. Na época, a cidade não tinha uma boa fama: era conhecida pe-las brigas e pelas mortes que aconteciam frequentemente. E Tom iria exercer um cargovulnerável às ameaças. Certa vez, o delegado recém-chegado ganhou um presente estranho, como era decostume de boas-vindas: uma grande cabeça de porco recheada. Thereza, com medo, pe-diu para o marido enterrar aquilo no quintal, quando fosse madrugada, para ninguém ver. A vida em Cunha era tranquila para Thereza, e agitada para Tom. Foi nesse períodoque ela teve tempo para conhecer a cultura local e para começar a se encantar pelos festejos Thereza e Tompopulares, do Jongo à Festa do Divino. Mas também foi quando ele se deparou com difíceissituações para um delegado. A cidade era famosa por conta da violência, e Tom tinha depensar muito bem para agir. Queria, acima de tudo, zelar pela segurança da família segura. *** 27
  23. 23. 28 de janeiro de 1960. Nasce Regina, a primeira filha. Thereza já havia engra- vidado quando morava em Piquete, mas sofreu um aborto, no segundo mês de gestação. Desta vez, finalmente, conseguiu dar à luz. O choro da menina era tão intenso que Thereza tinha de passar as noites em claro com a filha, que só dormia ao amanhecer. Mãe de primeira viagem, achava um problema as épocas de chuva e de frio, tudo porque as fraldas precisavam ser colocadas em varais na cozinha, próximo ao fogão a lenha, para secar. Em Cunha, curiosos casos sempre aconteciam. Crianças recém-nascidas morriam de tétano, porque o médico era chamado na última hora. Como o óbito ocorria sempre uma semana depois, a doença era conhecida como “mal de sete dias”. O problema, na verdade, é que os partos eram realizados em casa, com parteiras sem noções de higiene. A Santa Casa era o último recurso. Corria a notícia de que lá, às parturientes e aos doentes, era dado o “chá da meia noite”, uma espécie de veneno. Assim, poucos amanheciam vivos. Thereza consultava, em Guaratinguetá, o Dr. Rubens Nepomuceno, famoso mé- dico pediatra. Depois, repassava as informações para as mães que viviam em Cunha e que não podiam ir à outra cidade. Quase sempre, as receitas eram de antibióticos, como Tetrex e Quimicetina, muito em uso na época. Às vezes, ela receitava remédios homeopáticos, encontrados nos livros que haviam sido da avó. Também contava com a ajuda do livro A vida do Bebê, do Dr. Rinaldo De Lamare, que, em 1958, já estava na décima quinta edição. Era um grande apoio para Thereza, que nunca lidara com crianças. Em certo momento, ela chegou a pensar que havia herdado o gosto pelas receitas de um de seus ancestrais, o boticário João Gonçalves dos Santos Camargo, que se estabe-Nas paredes da memória lecera como farmacêutico em Cunha, após ter deixado Campinas, no início do século 19. Tom trabalhava enquanto a mulher tomava conta da casa. Isso durou até 1961, quando um triste episódio aconteceu. Aliás, a gota d’água para o delegado. Um preso ateou fogo na cadeia. Os moradores queriam deixar o culpado morrer queimado. Tom foi contra. Não permitiu que isso ocorresse, e ainda foi a Guaratinguetá pedir socorro à Aeronáutica, uma vez que não havia telefone em Cunha nem bombeiros na região. Mas 28 não foi possível salvar o antigo sobrado da câmara municipal nem a cadeia.
  24. 24. Depois de três anos morando em Cunha, Thereza, junto do marido, voltou para osolar dos Camargo, onde continuaria cuidando de Regina e onde também daria à luz suapróxima filha. Ela queria tanto ser mãe novamente que fez uma promessa para a SantoAntônio, pedindo uma gestação tranquila, sem risco de aborto. Em 5 de fevereiro de1962, nasceu Maria Antônia. Parto difícil, feito a fórceps. O apoio maior veio das pílulasde Frei Galvão, tomadas no final da gravidez. A moça que, antes, não sonhava em ter filhos, agora tinha duas meninas. Thereza e Tom 29
  25. 25. O sobrado da rua Coronel Virgílio, em Guaratinguetá, foi habitado pela Arquivo Pessoalfamília de Tom Maia
  26. 26. Arquivo PessoalNo baile de formatura da escola normal, Thereza não deixou de usar um vestido demangas cavadas; Guaratinguetá, 1950
  27. 27. Pessoal PessoalA jovem Thereza Antes de se casar era vaidosa e com Thereza, Tom gostava de trabalhou no acompanhar as interior paulista; sessões do jovem e bonito, Cine Urânio chamava a atenção em Herculândia Reprodução A catedral de Santo Antônio, ReproduçãoO solar dos Camargo foi desenhado por Tom Maia onde Tom se casou com Thereza, também foi registrada em seus traços
  28. 28. Entre lembranças e risos
  29. 29. Arquivo PessoalNa viagem que fez a Sergipe, em 1977, para desenhar aspectos do Estado, Tom foiacompanhado de Thereza e dos filhos
  30. 30. — A Thereza não gosta, mas euconto muita bobagem. E eu gosto é de contar bobagem mesmo — revela Tom Maia,ao se lembrar da vez em que visitou o alto do Rio Negro, em 2002, e foi à noite co-nhecer uma aldeia de índios da Amazônia, localizada próxima ao Hotel Ariau. Lá,dançou com várias índias, e só foi reparar que elas estavam nuas ao ver a foto, tiradacom flash. Das lembranças que ainda tem, Tom cultiva especial predileção pela época emque era esportista. Sempre jogou tênis como hobby, mas teve de parar os exercíciosdepois que sofreu com ancilostomose, em 2009. Doença chamada de “amarelão”, é Thereza e Tombastante conhecida no Vale do Paraíba, e ganhou desataque no Brasil após ter sidodescrita por Monteiro Lobato, no livro Urupês. Era o mal que assolava seu Jeca Tatu. Tom passou cerca de um ano doente. Ficava cada vez mais debilitado porconta da anemia, e os médicos não conseguiam curá-lo, por conta da dificuldade parafazer o diagnóstico. Com a ajuda das rezas das filhas e da esposa, o “amarelão” foi 35
  31. 31. descoberto, por meio de uma endoscopia do estômago, e foi tratado com um remédio chamado Zentel, um simples vermífugo. Mas a paixão pelo tênis ainda persiste: durante as tardes, a televisão da sala fica ligada nos jogos transmitidos pelos canais pagos. Aos oitenta e quatro anos, ele parece cultivar o mesmo espírito maroto que mar- cou sua infância e sua juventude, tempos que ele traz à tona, volta e meia, ao se lembrar de que, mesmo ocupando um cargo importante, costumava fazer caricaturas dos que estavam presentes para se distrair durante as audiências. Pouco antes de se casar com Thereza, Tom ainda se arriscou em outra carreira: a de professor. Foi dar aula na Escola de Comércio de Guaratinguerá, que funcionava na Faculdade Nogueira da Gama. Lecionando para uma turma de rapazes, não pegou gosto pela função, devido ao mau comportamento dos alunos, que, mesmo naquela época, não paravam dentro da sala. Por isso, deu preferência à advocacia. Em 1962, ele se tornou promotor público, aprovado em concurso. A mudança de Cunha para Guaratinguetá possibilitou que começasse a carreira cobrindo substituições, onde fosse requisitado, enquanto Thereza permanecia na casa dos pais, com as filhas pe- quenas. No ano seguinte, Tom conseguiu uma vaga fixa em Cachoeira Paulista, e se mu- dou para lá com a família. Foram morar em uma casa que ficava no alto da ladeira da igreja de Santo Antônio, a qual só era aberta em tempos de festa. Na casa onde residiam, havia uma placa, onde se podia ler: Vila Santa Teresinha. Sua extensão ia de uma rua até outra,Entre lembranças e risos e a vizinhança também era rodeada por outras dessas vilas. A casa do promotor sempre foi muito movimentada. O povo da cidade costu- mava bater em sua porta para pedir que resolvesse problemas rotineiros ou que prestasse algum tipo de ajuda. Sua generosidade o fez, por muitas vezes, ceder muito mais que a sua atenção, quando, por exemplo, passou anos doando leite a uma senhora, que dependia disso para alimentar seus filhos. 36 ***
  32. 32. Por essa época, Thereza voltou a ter abortos. Engravidava, mas não chegava acompletar três meses de gestação. Passou por isso cinco vezes, sofrendo com fortes he-morragias. Até que conheceu o Dr. Darwin Aymoré do Prado, médico que residia emCachoeira. Seu diferencial: era espírita e “gênio”, no dizer de Tom. — Ele era o melhor médico de lá — afirma Thereza. O médico descobriu que o aborto, nas primeiras semanas de gravidez, era provo-cado por má circulação. As veias de Thereza eram estreitas, e isso impossibilitava que aplacenta se firmasse para o desenvolvimento do bebê. O médico, então, receitou um re-médio para circulação, o que solucionou seu problema e lhe permitiu ter mais dois filhos. Maria Angélica, a terceira filha, nasceu em 9 de dezembro 1965. Apelidada deMarie, é a mais calma e a mais meiga. Passou a ser chamada de “toquinho” pelo pai, portambém ser a mais nova entre as mulheres. Três filhas, porém, ainda não era o suficiente. Como todo homem, Tom queria umfilho. E o Dr. Camargo, um neto. — Estava entrando no mercado a pílula anticoncepcional, só que eles ainda erammuito machistas. E essa coisa do machismo os fazia querer um herdeiro homem — recor-da-se Thereza. Então, em 24 de fevereiro 1970, foi a vez de Thereza dar à luz João Carlos, ocaçula da família. Dizem que seu gênio é muito parecido com o da mãe, enquanto as trêsmeninas puxaram ao pai. Sobre o nascimento do filho, Tom não hesita em esbravejar: — Eu caprichei! Regina, Maria Antônia e Maria Angélica nasceram na maternidade do HospitalFrei Galvão, em Guaratinguetá. Como era o costume da época, durante a primeira semanade vida das filhas, a mãe só as via na hora de amamenta-las. Thereza e Tom — E eu dou graças a Deus, pois só assim podia descansar — confessa Thereza,que conseguia dormir todas as noites, sem precisar fazer esforços com a criança recém-nascida. João Carlos, no entanto, só passou a primeira noite longe da mãe. Precisou ficarna incubadora até o pediatra chegar para lhe dar alta. Mas depois que foi liberado, não 37
  33. 33. saiu mais dos braços de Thereza. Tom acredita que, por causa da distância da mãe, nos primeiros dias de vida, as filhas tenham se apegado mais a ele, enquanto o filho, por ter sido cuidado por Thereza desde o começo, tenha puxado mais a ela. O fato de o menino ter sido o único a nascer na Santa Casa de Guaratinguetá também fez surgir na família o mito de que somente as mulheres nasciam na maternidade do Frei Galvão, enquanto os homens nasciam na maternidade da Santa Casa. Mas é tudo folclore. Naquela época, não havia recursos de ultrassonografia que permitissem desco- brir o sexo do bebê. Tom gostava de desempenhar o papel de pai, e muitas vezes tomava conta da situação: — A Thereza não sabe ninar criança. A criança abria a boca pra chorar, eu a pe- gava e ela parava na hora. E ela pegava as crianças do lado errado — reclama. Esse zelo teve início, na verdade, quando Regina nasceu. Tom foi dar banho na menina, e escutou um elogio da mulher: — Nossa, como você é jeitoso! Caiu na conversa, e acabou ganhando a vez de dar banho em todos os outros filhos. Thereza também se lembra que o marido costumava distrair as crianças durante as noites, narrando contos e causos. *** Entre lembranças e risos Em Cachoeira Paulista, a família fixou moradia por cerca de nove anos. Voltaram para Guaratinguetá em 1972, assim que Regina atingiu a idade para ingressar no Colégio do Carmo. Tom continuou trabalhando em Cachoeira, mas fazia, todos os dias, o percur- so entre uma cidade e a outra. — Os períodos mais felizes, para mim, foram aqueles em que morei fora de Gua- rá: em Piquete, em Cunha e em Cachoeira — confessa Tom. Mas, como as crianças precisavam de uma boa escola, o retorno a Guaratinguetá 38 era inevitável.
  34. 34. A rotina da família permaneceu assim até 1978, quando Tom recebeu uma ligaçãodo presidente da estatal Empresa Brasileira de Turismo (Embratur), Said Farah. Assimque atendeu ao telefone, escutou: — Quero que você desenhe o Brasil para mim. Tom Maia sempre teve aptidão para o desenho. Por essa época, seus trabalhosfeitos com bico de pena já haviam ganhado fama, por conta dos cinco livros lançadospela Editora da Universidade de São Paulo (EDUSP), nos quais retratou a realidade dasconstruções históricas do Vale do Paraíba, de Paraty e de Santos. Com o susto provocado pelo telefonema repentino, Tom hesitou, alegando queera promotor público e que não poderia deixar seu posto. Mas, assim que se inteirou daproposta, largou a promotoria pública rapidamente. Ele iria ganhar o mesmo salário, sóque para viajar pelo Brasil, desenhando cidades históricas. Em menos de três meses, já havia acertado tudo para dar início à nova jor-nada. A primeira viagem foi para Minas Gerais, mais precisamente para São Joãodel Rei e para Tiradentes. A família, claro, o acompanhou. Nessa turnê, Tom teve apossibilidade de desenhar o sobrado de Tancredo Neves, que mais tarde seria eleitogovernador de Minas e presidente do Brasil, embora tenha falecido antes de assumireste último cargo. A história começou quando, em São João del Rei, o casal estava procurando umbom imóvel para Tom desenhar seu interior. Pediram, então, informações a um farmacêu-tico, que logo indicou: — Vão ao sobrado do meu irmão Tancredo, que possui uma bela mobília na salade visitas. Por coincidência, o farmacêutico era irmão de Tancredo Neves. Thereza e Tom Thereza deixou as crianças em uma praça, localizada em frente ao casarão, e foiaté lá. Junto do marido, tocou a campainha. Foram recebidos com gentileza. EnquantoTom fazia seu trabalho, Thereza permaneceu conversando o político, que mandou umempregado servir guaraná para ela e para seus filhos, que os aguardavam do lado de fora. — Ele foi muito simpático e receptivo — recorda Thereza. 39
  35. 35. Durante a conversa, Thereza também descobriu que Tancredo era devoto de São Francisco de Assis, e que possuía uma coleção de imagens antigas do santo. Ele pertencia à Ordem Terceira, e não deixava de acompanhar as procissões realizadas na cidade. Sempre que Tom acabava de desenhar uma região, retornava à casa, juntava todos os originais dos desenhos e ia de ônibus, com Thereza, até o Rio de Janeiro, para entregar o material. Logo no primeiro ano em que começaram a fazer esse trabalho, conseguiram o lançar o livro São João del Rei e Tiradentes, com nanquins de Tom e pequenos textos de Thereza. Pelos caminhos, a família Maia vivia aventuras, mas também passava por dificul- dades. Foram muitas as experiências, as amizades feitas e as cidades desbravadas. — Para chegar até Alcântara, no Maranhão, ou íamos de avião, ou íamos de velei- ro. Fomos de avião, e o João foi conosco. Foi lindo! — afirma Tom. — Ao descermos do avião, que era um daqueles teco-tecos, um caminhão foi pegar a gente. Não tinha nada na cidade, nem luz. O gerador havia estourado — comple- menta Thereza. Em Alcântara, cidade onde as crianças brincavam ao som das cantigas de roda, não era possível trabalhar no período da tarde. O calor era muito forte. No café da manhã, não havia nada para comer que lembrasse os costumes do Vale do Paraíba. Só comidas típicas, como o camarão frito. O pão vinha de São Luís, mas só quando as condições do mar eram favoráveis. E como também por lá não tinha moeda por conta dos poucos ha- bitantes e da falta de comércio e de progresso, Thereza tinha de conseguir o que queria aEntre lembranças e risos base do escambo: — O João Carlos não comia nada. Então, trocávamos seus shortinhos e camisetas por pencas de bananas — conta. Nessa empreitada, o casal viajava de ônibus, de avião ou no antigo carro da marca Ford, Rural Willys, de cor verde e branca, que pertencia a Tom e que está até hoje com a família. O automóvel foi adquirido em 1970, ano de sua fabricação e também do nasci- mento de João Carlos. Por isso, foi prometido ao caçula, que receberia o presente quando 40 completasse dezoito anos.
  36. 36. A promessa foi cumprida. Ajudado pelo filho, Tom ainda reformou o carro, queaté hoje chama a atenção, por onde passa. *** 1979 foi um ano produtivo. O casal conseguiu lançar mais cinco livros, emparceria com outros cinco escritores: Tijuco e Diamantina, com Ayres da Matta Macha-do Filho; Vila Boa de Goiás, com Bernardo Ellis; Sergipe del Rei, com José Anderson doNascimento; Serro do Frio: vila do Príncipe, com Miguel Lins, e Grão Pará, com LeandroTocantins. Mesmo após encerrar o trabalho para a Embratur, em 1979, Thereza e Tom con-tinuaram explorando o Brasil, e já se sentiam em casa quando chegavam ao Maranhão. Ocasal tinha a sorte de poder contar com os pais de Thereza, que olhavam os netos duranteas longas viagens. As crianças ficavam alegres com a volta dos pais. Talvez nem tanto pela saudade,mas pela ansiedade de ganhar um presente. Maria Antônia conta que, durante essas via-gens, o dia a dia na casa dos avós era normal. Todos estavam bem acostumados. — A gente nem ligava muito. Ficávamos com o vovô e com a vovó, e a casa sem-pre foi assim, movimentada — lembra. Thereza era a responsável por separar o material utilizado por Tom na hora de de-senhar. Se deixasse por conta dele, certamente ele iria esquecer os itens principais, comoaconteceu em algumas ocasiões. A memória de Tom era mesmo atrapalhada. — Ele esquecia tudo — diz Thereza, num tom de exclamação. Thereza e Tom Houve uma vez em que os dois foram de ônibus ao Rio de Janeiro, para lá embar-car num avião. Passando por um viaduto, na entrada de Cachoeira Paulista, cidade onde oônibus, obrigatoriamente, teria de parar, avistaram João Carlos, com um paletó na mão, àespera dos pais. No bolso do paletó, estavam as passagens de avião que Tom esqueceu emcasa. Se não fosse o filho, teriam perdido a viagem. 41
  37. 37. A dedicação pelo trabalho fez com que nunca fossem intimidados pelas dificulda- des. Quando foram desenhar a Bahia, souberam que ninguém visitava o Pelourinho após as quatorze horas. — Era suicídio — diz Tom. Na época, o Pelourinho era considerado muito perigoso e mal frequentado. Mas Tom precisava cumprir sua tarefa. Foi até lá com Thereza, acomodou-se na sombra, atrás de uma caçamba de lixo, e começou a desenhar. O cheiro era horrível. Depois, ainda tive- ram de ir até uma casa de prostituição, e alugar um quarto, para que Tom conseguisse o melhor ângulo para seus desenhos. Por sorte, não tiveram nenhum problema.Entre lembranças e risos 42
  38. 38. Arquivo PessoalEm visita à Amazônia, em 2002, Tom conheceu uma aldeia indígena, no alto do Rio Negro
  39. 39. Arquivo PessoalO sobrado de Tancredo Neves, desenhado por Tom, em 1977, entroupara o livro São João del Rei e Tiradentes
  40. 40. Arquivo Pessoal“Simpático e receptivo”: é assim que Thereza descreve Tancredo Neves
  41. 41. Arquivo PessoalO carro Rural Willys, da marca Ford, foi passado de pai para filho
  42. 42. Arquivo PessoalO livro Sergipe del Rei foi lançado em Aracaju, em 1979
  43. 43. As histórias por trás dos livros
  44. 44. Arquivo PessoalParaty foi cenário de muitas histórias vividas por Thereza, Tome seus quatro filhos
  45. 45. U m ano de grandes mudanças na vida deThereza e Tom Maia foi 1972. Mudanças que iriam trazer bons ares e novos amigos. Thereza acabara de regressar a Guaratinguetá, para colocar os filhos na escola.Apoiada pelo marido, decidiu voltar a estudar. Em 1952, ela havia integrado a primeiraturma de Pedagogia das Faculdades Integradas Teresa D’Ávila (Fatea), em Lorena, masdeixou o curso no último ano, sem concluí-lo, porque se desencantou com a disciplina demetodologia. Passadas duas décadas, o momento, agora, era propício para o reencontrocom o ensino superior. Foi assim que, com trinta e sete anos, quatro filhos e nenhuma grande intenção, Thereza e Tomela decidiu cursar Estudos Sociais, nome dado, no período de repressão ditatorial, aoantigo curso de História. E, nada mais justo, voltou à Fatea. Para facilitar seu ingresso nafaculdade, pôde fazer uma complementação de currículo, aproveitando muito do que ha-via cumprido na passagem anterior pela instituição. Assim, conseguiu não apenas retomaros estudos, como também pôde concluir os dois cursos. 51
  46. 46. Tom, muito companheiro, era quem levava a mulher todas as noites para a facul- dade, enquanto os filhos ficavam com os sogros. À época, Lorena era famosa por abrigar um grande núcleo intelectual da região. Ali, grandes ideias e velhos pensamentos eram transformados. Dentre seus professores, constavam os nomes de Maria de Lourdes Bor- ges Ribeiro – folclorista nacionalmente reconhecida – e Francisco Sodero Toledo, que viriam a ser grandes colaboradores do casal, em momentos posteriores. Naquele ano, foi realizada a primeira edição do Simpósio de História do Vale do Paraíba, no qual estudiosos da área se reuniram para discutir assuntos de interesses regionais e para promover uma maior valorização dos patrimônios. Foi quando o amigo de Thereza e pesquisador aparecidense, José Luiz Pasin, com apenas vinte e cinco anos, teve a grande ideia de criar um instituto de intelectuais, que assumisse o compromisso de preservar a história do Vale do Paraíba e seu meio ambiente. Thereza e Tom logo aderiram a esse movimento. Assim, em 1973, na sede do Mu- seu Frei Galvão, em Guaratinguetá, foi fundado o Instituto de Estudos Valeparaibanos, identificado pela sigla IEV. Assinada por Pasin, a ata de fundação registra o seguinte: Aos trinta dias do mês de junho do ano de hum mil novecentos e setenta e três, na sede do Museu “Frei Galvão”, à Praça Conselheiro Rodrigues Alves, número quarenta e oito, às vinte horas, reuniram-se professores, his- toriadores, pesquisadores e sociólogos, com a finalidade de fundarem o Insti-As histórias por trás dos livros tuto de Estudos Valeparaibanos, entidade cultural, em nível superior, sem finalidade de lucro, com sede e foro judiciário nesta cidade de Guaratinguetá, Estado de São Paulo. Iniciando a reunião, o professor José Luiz Pasin expôs as finalidades principais do Instituto de Estudos Valeparaibanos, destinado a centralizar os estudos e pesquisas sobre a região valeparaibana, congregar os estudio- sos e pesquisadores, manter uma biblioteca, arquivo, filmoteca, hemeroteca e mapoteca e promover simpósios, congressos, seminários, cursos, pesquisas e 52 outras promoções relacionadas com o Vale do Paraíba.
  47. 47. Em seguida foram lidos e aprovados os Estatutos do Instituto de Es-tudos Valeparaibanos, sendo eleita por aclamação a primeira diretoria eConselho Administrativo para o triênio 1973-1976, assim constituídos:Diretor: Professor José Luiz Pasin; Vice-Diretor: Professor Francisco So-dero Toledo; Secretário: Professora Thereza Regina de Camargo Maia; Te-soureiro: Professora Catarina Aparecida Vieira Vilela. Conselho Admi-nistrativo: Professora Maria de Lourdes Borges Ribeiro, Doutor José CarlosFerreira Maia, Professora Mariza de Souza Menezes, Professor BeneditoCarlos Marcondes Coelho, Professora Terezinha Paiva de Faria, Doutor F.A. Lacaz Netto, Professora Wania Aparecida Nogueira, Professor PauloPereira dos Reis e Doutor Francisco de Assis Barbosa. Deliberou-se, a seguir, que a sede oficial do Instituto de Estudos Valepa-raibanos será no edifício do Centro Social de Guaratinguetá, praça Conse-lheiro Rodrigues Alves, número quarenta e oito, segundo andar. A instalação oficial do Instituto de Estudos Valeparaibanos será reali-zada no próximo mês de outubro, em data a ser marcada. Como primeirarealização oficial, o Instituto de Estudos Valeparaibanos promoverá emGuaratinguetá, em julho de hum mil novecentos e setenta e quatro, o II Sim-pósio de História do Vale do Paraíba, relacionado com o tema “O Desbra-vamento e o Povoamento do Vale do Paraíba – Séculos XVII e XVIII”. Nada mais havendo a tratar, foi encerrada a reunião de fundação doInstituto de Estudos Valeparaibanos, da qual, para constar, foi lavrada apresente Ata de Fundação, a qual, vai pelos presentes assinada: José Luiz Thereza e TomPasin, Maria de Lourdes Borges Ribeiro, Thereza Regina de CamargoMaia, Catarina A. Vieira Vilela, Francisco Sodero Toledo, José CarlosFerreira Maia, Terezinha Paiva de Faria, Mariza de Souza Menezes, Wa-nia Aparecida Nogueira, Benedito Carlos Marcondes Coelho, Francisco deAssis Barbosa, Paulo Pereira dos Reis. 53
  48. 48. O IEV representa, de fato, um marco na história do Vale do Paraíba. Seu cres- cimento e a adesão de novos pesquisadores fazem com que se mantenha em constante atividade, estando próximo de completar quarenta anos. — O ponto forte hoje do Instituto são os simpósios que antes aconteciam de dois em dois anos, mas que agora são promovidos anualmente — explica Nelson Pesciotta, atual presidente do IEV, que também reforça o fato de o Instituto ter antecedido muitas das ONGs ambientalistas espalhadas pelo mundo; afinal, já em 1973, o meio ambiente era pauta de extrema importância nas discussões promovidas por aquele grupo. Thereza, assim como o marido, exerceu diversas funções dentro do Instituto. Muitas das principais atas, aliás, foram elaboradas por ela, como a do dia 29 de outubro de 1977, na qual escreveu sobre a importância da conscientização e da valorização dos bens culturais da região, por meio de Cartas de Defesa: Ata comemorativa do aniversário de fundação do Instituto de Estudos Valeparaibanos. Aos vinte e nove dias do mês de outubro de hum mil e novecentos e setenta e sete, no Salão Nobre do Museu “Frei Galvão” de Guaratinguetá, realizou-se sessão solene de quarto aniversário de fundação do Instituto de Estudo Valeparaibanos e posse de seus novos membros efeti- vos e associados. A sessão teve início às dezenove horas, aberta pelo Presidente do Insti-As histórias por trás dos livros tuto de Estudos Valeparaibanos, que falou sobre o significado da Carta de Defesa do Patrimônio Cultural do Vale do Paraíba e Paraty, e da respon- sabilidade de cada membro do Instituto no Ano de Defesa do Patrimônio Cultural de ambos, no ano de 1978, onde a ação de todos deveria ser mais intensa e significativa, dentro do plano de valorização de nossa terra, nossa gente. Em 11 de novembro de 1978, em outra reunião, Thereza, ainda como secretária, 54 deixou o seguinte registro:
  49. 49. A profª. Thereza Regina de Camargo Maia propôs que a meta da pró- xima diretoria deve ser a oficialização do Instituto junto aos órgãos estaduais e federais, afim de que possa atingir inteiramente seus objetivos. Assim foi encerrada a última sessão ordinária da primeira diretoria do Instituto de Estudos Valeparaibanos, da qual eu, Thereza Regina de Camargo Maia, secretária, lavrei a presente ata. Guaratinguetá, em onze de novembro de 1978. O trabalho que Thereza e Tom desenvolveram junto ao IEV é visto, pelos novospesquisadores, como incentivo, um exemplo de como é possível fazer a diferença quandohá propósito e paixão por determinada causa. — A gente nunca pode esquecer o trabalho que esses primeiros historiadores tive-ram para organizar e formar a nossa historia. Tom foi o primeiro responsável pela defesado patrimônio como representante IEV — diz Diego Amaro, de vinte e cinco anos, omembro mais novo do Instituto. *** Na Fatea, em 1972, Lourdes Borges, responsável pela cátedra de Folclore, solici-tou aos alunos um trabalho sobre irmandades de negros. Como seus colegas já haviamescolhido a maioria das irmandades espalhadas pelo Vale do Paraíba, Thereza optou pelosgrupos da pacata Paraty, no litoral fluminense. Foi seu ponto de partida para os estudosregionais. Como foco, ela elegeu as irmandades de São Benedito e de Nossa Senhora do Thereza e TomRosário. Para entender as manifestações daquele povo, foi preciso passar dias fazendoentrevistas e pesquisas de campo, tipo de trabalho que os antropólogos chamam de etno-grafia. Lá, escutou histórias, conheceu personalidades e desbravou uma nova cultura. Quando o texto ficou pronto, Thereza sentiu a necessidade de imagens para ilus-trá-lo, para dar vida à sua pesquisa. Fotografar estava fora de questão, pois era um material 55
  50. 50. caro, e demandava de muito trabalho para ficar pronto. Como gostava de desenhar, Tom decidiu oferecer ajuda: pegou um bico de pena e começou a traçar as ruas, as construções, os personagens e tudo o mais que fazia parte daquele cenário. Foi aí, também, que veio a descoberta de seu verdadeiro talento. O trabalho foi entregue. Ao recebê-lo, a professora folheou por inteiro. E sua primeira manifestação foi: — Nossa! Mas quem fez esses desenhos? Surpresa com a qualidade do material, ela sugeriu que o inscrevessem no “Prêmio Silvio Romero” de 1973, da Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro do Ministério da Educação e Cultura. Foi uma boa aposta. Além de conquistar o primeiro lugar naquele evento, o trabalho deu origem ao livro Paraty: religião e folclore, publicado no ano seguinte, em 1974. O livro fez alarde. Conscientizou muitas pessoas sobre a cultura local, mostrando quão ricas eram as tradições daquele povo. Revelou que a região, marcada como sede do porto mais importante para a exportação do ouro no Brasil, abrigou famílias, escravos e índios no período colonial, desenvolvendo hábitos e costumes incomuns a outros perío- dos e a outros lugares. Uma das descobertas mais curiosas feitas por Thereza foi a de que há, em Paraty, quatro igrejas: a dos brancos, a dos mulatos, a dos negros e a da elite. Todas elas resistiram ao tempo e às mudanças ocorridas nos últimos séculos.As histórias por trás dos livros Pelos feitos de Thereza e de Tom, o perfil da região começou a ser identificado e traçado. Com isso, eles também passaram a criar raízes por aqueles lados, e a conquistar novos amigos, como o historiador Diuner Mello. Diuner, que em 2011 ocupa o cargo de Secretário de Cultura de Paraty e coordena os principais núcleos culturais da cidade, foi parceiro do casal na fundação do Instituto Artístico e Histórico de Paraty (IAHP). Ele é um dos que reconhecem a importância do casal para a cidade: — A fundação do IHAP, acredito que foi o maior trabalho, uma vez que a insti- 56 tuição vários desenvolveu trabalhos na preservação da cultura, sobre costumes, dança e
  51. 51. história. O Instituto passou a ser o depositário de publicações e ações de preservação damemória local. O IHAP foi criado em 1976, baseado no IEV e adaptado a Paraty. Os trabalhospara sua fundação foram realizados, efetivamente, por Thereza e Tom Maia, juntamentecom os paratienses Diuner Mello e Annazitha de Alvarenga Corrêa. Ao nascer, o Insti-tuto passou a ser um depositário de documentos, atuando em favor da preservação damemória local. — Os trabalhos de Thereza preservaram a história e o folclore, enquanto os deTom registraram a iconografia arquitetônica de Paraty. Ambos são de vital importânciapara estudos atuais e futuros — defende Mello. Mas a história da família Maia, em Paraty, teve início algum tempo antes. Em 1970,Maria Antônia tinha fortes crises de bronquite. Seguindo os conselhos do Dr. RubensNepomuceno, pediatra, a menina deveria passar uma boa temporada na praia, respirandoar puro, descalça, sem fugir da chuva. Foi aí que Tom comprou uma casa em Paraty, na ruaDona Geralda, no centro da cidade, por onde passam procissões e festas populares. Paraadquiri-la, teve de vender um carro. Naquela época, as idas até a cidade passaram a ser frequentes. A família toda viaja-va no Rural Willys, o automóvel que, assim que comprado, fora prometido ao caçula JoãoCarlos. E com todas as realizações que a cidade permitia, o casal foi fazendo cada vez maisparte daquela terra. Certa vez, tempos após o lançamento de Paraty: religião e folclore, Thereza viajou atélá para participar da tradicional Festa do Divino. Quando chegou à igreja, disseram-lheque não havia papel vermelho para fazer as flores e enfeitar o altar. Então, ela logo sugeriuque as fizessem com plástico. Mas ouviu uma resposta não muito amigável: Thereza e Tom — Imagina! No livro diz que é com papel! Mal sabiam que era ela quem havia escrito o livro. — As novas gerações não os conhecem e não sabem do importante papel queThereza e Tom desempenharam na preservação de Paraty. Mas Paraty é assim, meio ico-noclasta. Não cultua ídolos, e isso não acontece somente com eles. A cidade não exibe em 57
  52. 52. seus logradouros públicos nenhuma estátua ou busto de personalidade local ou nacional — argumenta Diuner Mello. *** O ano era 1974. A segunda edição do Simpósio de História do Vale do Paraíba propunha, como tema para discussão, a decadência das antigas fazendas que cultivavam o café, as quais, por muito tempo, seguraram a economia do Brasil, resgatando o povo da crise da mineração e proporcionando prosperidade para o Vale. Thereza e Tom participaram do Simpósio, cujas atividades incorporavam uma ex- cursão a tradicionais fazendas, que, abandonadas, estavam sendo destruídas pelo próprio tempo. Foi quando Tom, literalmente, entrou para a história. Em meio àquelas discussões, e por conta do passeio, despertou nele o interesse em preservar um patrimônio merecedor de valorização. Decidido a fazer o seu papel da maneira que lhe cabia, disse a Thereza que gostaria de desenhar as velhas construções. Assim, durante os finais de semana, o casal passou a preparar lanches e equipa- mentos, para ir de cidade em cidade, de fazenda em fazenda. Thereza, sempre compa- nheira e entusiasta, o acompanhava para fazer as pesquisas e as entrevistas, conhecendo as festas populares e a cultura local. Quando Tom juntou centenas de desenhos das fazendas, o amigo e professorAs histórias por trás dos livros da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP), Eduardo de Oliveira França, os recolheu para mandá-los a São Paulo, e tentar um apoio da Universidade para a publicação. Meses se passaram, e nada de Eduardo dar resposta ou mandar notícias. Interessado, o casal foi à capital atrás dos de- senhos, quando descobriu que o professor havia sido cassado, por repressão do regime militar, e as obras estavam todas na EDUSP, onde queriam lançar um livro usando-as como ilustração para os textos de Sérgio Buarque de Hollanda. Como o material não estava assinado, a própria editora não sabia quem era o autor daqueles documentos 58 iconográficos.
  53. 53. A empolgação foi imediata, e a proposta foi aceita. Reuniões foram marcadas paraacertar os detalhes. Apenas sessenta, dos duzentos desenhos mandados por Tom, iriamentrar no novo livro. Porém, com a audácia de Thereza, cento e vinte fazendas acabaramilustrando as páginas. E assim foi publicado, em 1975, o aclamado Vale do Paraíba: velhasfazendas, fruto da parceria entre Sérgio Buarque de Holanda e Tom Maia. No Vale, o primeiro lançamento do livro foi realizado na Fazenda Boa Vista, emRoseira, propriedade de José Luiz Pasin. Sérgio e Tom fizeram uma noite de autógrafos naantiga senzala daquele lugar, iluminado pela luz de velas. Os convidados puderam, ainda,saborear uma famosa canja temperada com hortelã. Os anfitriões não esperavam a quantidade de pessoas que prestigiaram o evento.Como a fazenda é distante de Guaratinguetá, acreditavam que seriam poucos os presen-tes. Perceberam que estavam enganados quando boa parte dos convidados começou achegar, seguidos de Dom Pedro Henrique de Orléans e Bragança – membro da famíliareal brasileira, residente em Vassouras (RJ) –, que também fez questão de festejar os auto-res, junto com seus familiares. Porém, para susto e espanto de todos, a lua cheia que embelezava o céu daquelanoite, em meados de junho 1975, deu vez a uma forte chuva. — Deu um estrondo no céu, e bateu uma tempestade. Era impossível prever chu-va naquele tempo frio, mas deu um toró violento. Foi a nossa sorte! — lembra Tom. Sorte, sim. Como não calcularam a quantidade de gente, eles se preocuparam se acanja seria suficiente para todos. A chuva, foi até providencial. A tempestade passou, a lua reapareceu. Na porta da senzala, alguém gritou: — Houve um dilúvio no morro! Rapidamente, Sérgio Buarque de Hollanda revidou: Thereza e Tom — Paulo Florençano! Taubateano, historiador e grande amigo de Sérgio e de Tom, Paulo Camilher Floren-çano era um convidado bastante esperado. Foi ele quem gritou lá do portão. E foi quem ins-pirou Tom a desenhar com bico de pena, já que também era desenhista e ilustrador da antigarevista Paulistania, além de ter usado a mesma técnica para registrar vários cenários de Taubaté. 59
  54. 54. A amizade de Thereza e de Tom com Sérgio Buarque de Holanda perdurou du- rante anos, até sua morte, em 1982. Residente em São Paulo, ele sempre ia ao Rio de Janeiro, para visitar o filho, um certo Francisco, de apelido Chico. Nessas ocasiões, parada obrigatória era Guaratinguetá. Sérgio não dirigia. Quem fazia as vezes de motorista era sua esposa, Maria Amélia. Em Guará, costumavam pousar no Kafé Hotel, no centro da cidade, bem próximo ao solar dos Camargo, onde jantavam e ficavam proseando durante horas. — Aqui em casa era ponto de descanso do Sérgio. Ele era de ótima prosa, porém só ele podia falar. Ele falava mais do que eu — assegura Tom. — E ele me pediu para comprar o whisky Queen Anne. Toda vez que chegava em casa, sentava-se à mesa da sala de jantar, para beber, de costas para as janelas e ao lado de sua esposa, que ia completando o copo dele com água mineral. Quando percebia isso, ele cuspia pela janela e voltava a colocar o whisky. Por essa época, Chico Buarque ainda estava no começo do sucesso de sua carreira, e sua firmação artística fazia Sérgio Buarque brincar, muitas vezes: — Eu sou pai do Chico. O nome do filho tornou-se uma identificação para ele, já que os mais jovens não conheciam sua obra. Numa das vezes em que o escritor estava em Guaratinguetá, funcionários do Kafé Hotel foram chamar Tom Maia para acudir o amigo, que tinha caído e cortado a cabeça.As histórias por trás dos livros Tom correu para levá-lo até a Santa Casa. Quando chegou lá, viu que não havia médicos, somente um jovem residente. Sem poder optar, Tom alertou ao residente: — Cuidado com esse homem, porque ele é o pai do Chico Buarque. O atendimento foi tão bom que, tempos depois, Sérgio mandou uma carta de São Paulo, agradecendo pelo socorro. A parceria na produção de Vale do Paraíba: velhas fazendas rende frutos até hoje, em- bora não para os autores ou para seus descendentes. Ocorre que, das estâncias que ainda restam no Vale do Paraíba, aquelas que foram desenhadas pelas mãos de Tom e que constam 60 naquele livro são as mais valorizadas. Chegam a valer em dobro, na hora da venda.
  55. 55. Para além desse volume, a parceria com a EDUSP ainda rendeu o lançamentode mais quatro valiosas obras produzidas por Thereza e Tom Maia: Paraty (1975), Vale doParaíba: velhas cidades (1977), Do Rio a Santos (1977) e Recife e Olinda (1978). O acesso a esses livros, hoje, não é muito fácil. Todos esgotados, estão disponí-veis em algumas bibliotecas públicas e preservados em acervos particulares. Quando sãocomercializados, possuem um alto valor. Em agosto de 2011, o site de compras e leilõesMercado Livre disponibilizava um volume de Paraty, lançado em 1975, para quem se inte-ressasse. O preço: R$ 450,00. *** Thereza e Tom conheceram até Juscelino Kubitschek, responsável pela constru-ção de Brasília e autor do ousado projeto “Cinquenta anos em cinco”. O encontro entreos três ocorreu em 1976. Naquela ocasião, o historiador e jornalista Francisco de Assis Barbosa – tambémmembro da Academia Brasileira de Letras (ABL) –, que tinha laços de amizade com ocasal e com o político, iria celebrar seu segundo casamento. Então, convidou Tom e suaesposa para assistirem ao matrimônio, com o seguinte pedido: levar um exemplar do livroVale do Paraíba: velhas fazendas para entregar pessoalmente a JK, que seria padrinho docasamento. A celebração aconteceu na Fazenda Engenho D’Água, em Guaratinguetá, terranatal do acadêmico. Tom foi acompanhado de Thereza, com o livro debaixo do braço,especialmente dedicado ao ex-presidente, que, na mesma hora em que recebeu o agrado,parou para apreciar o trabalho do desenhista. Thereza e Tom Como aquela fazenda está registrada no livro, a intenção de Francisco de AssisBarbosa, na qualidade de amigo íntimo do político, era a de entregar a JK uma recordaçãodo local e da ocasião. Mesmo com o movimento da festa e com a dificuldade de manter longas conver-sas, Tom se recorda que Juscelino, ao ver os desenhos, chegou a fazer uma recomendação: 61
  56. 56. — Você precisa fazer um livro sobre Diamantina. — Mas eu já fiz! — retrucou Tom. Mineiro nascido naquela cidade, Juscelino logo imaginou sua terra sendo registra- da pelos traços de Tom. *** Thereza não tem dúvidas de que faz suas pesquisas muito mais por amor do que por qualquer outro motivo. E, ao longo dos anos, sempre procurou dar valor ao que real- mente precisava ser valorizado. Tom também tem uma certeza: escolheu desenhar com bico de pena por inspira- ção e por dom. E até hoje mostra o quão habilidoso é com sua técnica. — Quanto mais eu desenho, melhor fica. Depois, eu fico bobo de ver o resultado. Acho que não fui eu que fiz — afirma ele, em tom irônico. Muitas vezes, seus desenhos são feitos, na rua, com lápis. Só depois, em casa, é que ele faz o contorno e o acabamento. No estojo de couro caramelo que o acompanha, há itens dos mais variados: lápis-borracha, lapiseiras, borracha comum e canetas especiais para desenho. Quem aponta seus lápis é sempre a esposa.As histórias por trás dos livros 62
  57. 57. Arquivo PessoalO 1º Simpósio de História do Vale do Paraíba foi realizado em Lorena, em 1972
  58. 58. Arquivo PessoalAuditório cheio, no simpósio que daria origem ao IEV
  59. 59. Arquivo PessoalA reunião que oficializou o IEV foi realizada no Museu Frei Galvão, em 30 de junho de 1973
  60. 60. Arquivo PessoalNo segundo casamento de Francisco de Assis Barbosa, em 1976, Juscelino Kubitschek foipresenteado por Tom Maia, com um de seus livros
  61. 61. ReproduçãoA Fazenda Engenho D’Água, onde Francisco de Assis Barbosa se casou pela segunda vez,foi desenhada por Tom Maia
  62. 62. Arquivo PessoalQuando Vale do Paraíba: velhas fazendas foi lançado em São Paulo, Sérgio Buarque de Hollandase reuniu, mais uma vez, com os amigos Tom e Thereza
  63. 63. Arquivo PessoalNo Itaguará Country Club, em 1977, José Luiz Pasin discursoudurante o lançamento do livro Vale do Paraíba: velhas cidades;Guaratinguetá, 1977
  64. 64. ReproduçãoParaty, na “versão” de Tom Maia
  65. 65. Mais produções,mais experiências
  66. 66. Anna LAura BarretoThereza e Tom passam muitas tardes ao lado das filhas Regina, Maria Angélica e Maria Antônia
  67. 67. N uma tarde fria de setembro, sentados àgrande mesa de madeira, no centro da sala de jantar, Thereza e Tom desfrutam da compa-nhia das filhas, que se lembram da juventude e das viagens ao lado da mãe historiadora edo pai desenhista. Soltam risadas, contam peripécias e se emocionam. Tudo acompanha-do de xícaras e xícaras de café. O sol reluz o claro cabelo de Maria Antônia – discreta, mas sempre atenta –, en-quanto o ambiente é tomado pela personalidade efusiva de Regina, que não mede elogios: — Crescer com esses dois foi muito bom! Aos poucos, vários momentos vão sendo lembrados e revelados. Thereza e Tom — Minha mãe nunca me deixava chegar tarde em casa. Eu podia fazer o quequisesse, qualquer curso, qualquer viagem. Mas tinha de estar em casa até às vinte e umahoras — conta Regina, na tentativa de explicar como Thereza era rígida com horários. Nas viagens em família, motivadas pelo trabalho do casal, enquanto Tom ficavasentado numa cadeira de praia, com seus papeis e seu bico de pena, os filhos passeavam 73
  68. 68. pelas redondezas. Muitas vezes, Thereza dava um gravador na mão de uma das meninas, e as levava para ajudar no trabalho de campo. Thereza e Tom levaram os filhos para conhecer várias partes do Brasil. Proporcio- naram a eles, portanto, uma infância de muitas descobertas. Em 1982, a família viajava pela Bahia. Saíram todos de Rio das Contas para ir até Mucugê, localizada numa altitude de mil metros acima do nível do mar, com clima serrano. Cidade pacata, detém até cinquenta e dois por cento da área do Parque da Chapada Diamantina. Para chegar até lá, era previsto, em média, dois dias. No meio do caminho, Tom avistou uma fazenda. Não resistiu, e parou para desenhá-la. Atrasou a viagem, e fez com que ficassem no escuro, em meio a uma estrada de terra deserta, sem ninguém para dar informações ou para ajudar. O solo estava tão seco, que era possível o carro atolar na poeira. Não havia nem comida nem água para as crianças, que, de tanta sede, tiveram que tomar da garrafa reservada para completar o carburador do automóvel. Sem saber onde estava e qual caminho tomar, Tom decidiu seguir as estrelas. Pediu para João Carlos ir vigiando a que mais brilhava, enquanto calculava a sua direção. Com o conhecimento de Tom e com a concentração do filho, a família conseguiu chegar até o destino antes que o esperado. Em Mucugê, encontraram uma pequena sociedade cheia de costumes e deMais produções, mais experiências tradições, como o licor de jenipapo, a “jenipapança”, neologismo criado por Dias Gomes, nascido na região, e apresentado a todo o país na novela “O Bem Amado”. Na dramaturgia ou na vida real, a bebida ficou famosa pelo seu poder de tornar os homens mais viris. De lá, a família seguiu viagem para Xique-Xique de Andaraí. Todas essas cidade- zinhas pertencem ao rico coração da Chapada Diamantina. Chegando a Xique-Xique, as crianças se encantaram. As construções de toda a cidade eram de pedras. O lugar dava a impressão de estar abandonado. Apenas um casal morava ali, em um antigo sobrado. Havia um tanque d’água, também de pedra, mais parecido com uma caverna, que, quando 74 chovia, acumulava e filtrava a água, restrita no local.
  69. 69. Mas essa realidade nem sempre foi assim. Por conta da extração de pedras pre-ciosas, houve tempos em que aquelas casas ostentavam muitos sinais de riqueza. Foramabandonadas quando acabou a mineração. — Em Xique-Xique e em Mucugê, as mulheres chegavam a ir à missa de chapéue luva, tamanho o luxo que tinham — explica Thereza. Ao sul da Bahia, outra cidade curiosa visitada pela família foi Cairu. Lá, eles nãotinham onde se hospedar, pois não havia hotel. E também não havia onde comer. O padreé que costumava receber os turistas em seu convento, mas justo naqueles dias estava fora,tratando de problemas de saúde. A família ficou sem abrigo. Uma senhora, vendo a situação,ofereceu-lhes o porão de sua casa e alguns colchões velhos. Assim, tiveram onde dormir,durante os dois dias em que permaneceram no lugar, com direito a tomar banho frio debalde – uma novidade para as crianças – e a boas comidas oferecidas pela vizinhança. *** Tom voltou a exercer seu cargo de promotor público – do qual se afastou a pedidoda Embratur, em 1978 – a partir de 1980, permanecendo no posto até 1993, quando seaposentou. Já Thereza, por ser aluna destaque do curso de Estudos Sociais, assim que se for-mou foi chamada para substituir a professora Lourdes Borges. Durante aproximadamentecinco anos, lecionou na Fatea. Em 1973, ainda fez pós-graduação em Metodologia da Pes-quisa Histórica, na Faculdade Salesiana de Lorena – atual Universidade Salesiana (Unisal)–, para complementar o conhecimento em sua área de atuação. O professor Francisco Sodero, que convive com Thereza há mais de três décadas, Thereza e Tomdesde que foi seu professor na Fatea, reconhece, na ex-aluna, um dom natural para a pro-fissão de historiadora. — A Thereza se destacava como aluna. Ela tinha um diferencial, tanto que, no fi-nal do curso, já havia publicado um livro — diz Sodero, referindo-se ao livro Paraty: religiãoe folclore, que deu início a outras publicações. 75

×