SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
PROCESSOS
MOTIVACIONAIS
Psicologia – Ensino Profissional
Professor: António Moreira
Motivação
Em psicologia, motivação é a força
propulsora (desejo) por trás de todas as
ações de um organismo.
Conjunto de impulsos que
orientam o comportamento
de uma pessoa em direção a
um fim ou objetivo.
Comportamento Motivado
 Comportamento orientado
para um objetivo;
 Ativado e controlado por
forças internas (biológicas)
ou externas (sociais).
 A fome e o sono são
desencadeadas por uma
força interna;
 O desejo de sucesso é
orientado por uma força
externa
Se o objetivo é alcançado, a
motivação desaparece.
O CICLO
MOTIVACIONAL
O ciclo motivacional é o processo desencadeado por uma necessidade
que gera um impulso que orienta e organiza a ação em direção ao
objetivo que faz desaparecer a necessidade inicial. O ciclo
motivacional é constituído pelas seguintes etapas:
1. A necessidade que resulta de um
desequilíbrio provocado por uma
carência, uma privação. A
necessidade dá origem a um
impulso; “exemplo: a SEDE”
2. O impulso ou pulsão é o estado
energético que ativa e orienta o
comportamento para uma meta, um
objetivo e organiza a ação, a
resposta. No caso da SEDE o
indivíduo é impelido a procurar uma
bebida.Os impulsos podem ser
conscientes ou inconscientes e
variam de pessoa para pessoa. Além
disso, na mesma pessoa variam
segundo a situação e o momento
em que ocorrem.
3.A resposta é constituída pelas
atividades desenvolvidas e
desencadeadas pelo impulso
para se obter o que se
necessita; “A pessoa procurará
a água.”
4.A saciedade ocorre se o
objetivo é atingido. O impulso
desaparece ou é reduzido. O
equilíbrio é restabelecido.
“Depois de beber o equilíbrio é
restabelecido.”
Saciedade
1 Necessidade
2 Impulso
3 Comportamento
Tipos de
motivação
Motivações inatas biológicas/ primárias
 As motivações inatas,
biológicas, fisiológicas ou
primárias são inerentes à
estrutura do organismo,
sendo, por isso, comuns a
todos os seres humanos.
 Visam a manutenção do
estado de equilíbrio interno -
homeostasia -, assegurando a
sobrevivência do organismo.
 Manifestam-se desde o nascimento,
independentemente de qualquer
aprendizagem – -não se aprende a
ter fome, sede ou sono.
 Contudo, a sua expressão e
satisfação são determinadas por
normas e regras sociais, por
padrões de cultura. Assim, as horas
a que comemos e dormimos são
reguladas socialmente. Por outro
lado, muitas vezes comemos e
bebemos sem ter fome ou sede só
para manter um convívio
Motivações aprendidas/sociais/secundárias
 As motivações aprendidas, sociais ou secundárias são adquiridas
no processo de socialização em diferentes contextos sociais e
culturais.
 Variam de pessoa para pessoa, porque são aprendidas no
contexto social, no contacto com os outros membros dos grupos
sociais a que a pessoa pertence.
 De entre os vários tipos de motivações sociais, podemos destacar
as necessidades de afiliação, de prestígio e de sucesso.
Motivações combinadas
 Apesar de dependerem de
mecanismos fisiológicos, as
motivações combinadas não são
homeostáticas, isto é, não visam a
manutenção do equilíbrio interno.
Apresentam características das
motivações biológicas e das
motivações sociais. Tal como as
motivações inatas têm uma base
fisiológica, mas a sua satisfação
não é decisiva para a sobrevivência
do organismo.
Assim como as motivações
sociais, a sua manifestação
depende da aprendizagem,
dos padrões de cultura
vigentes numa determinada
sociedade. Depende do
processo de socialização, do
modo como o indivíduo
integra, interioriza os
padrões culturais da
sociedade em que vive.
 As motivações combinadas dependem de
fatores biológicos e da aprendizagem.
 Combinam, portanto, características das
motivações fisiológicas e sociais.
 O comportamento sexual e o comportamento
maternal são dois exemplos de motivações
combinadas
Maslow:
a teoria da pirâmide das
necessidades
A teoria proposta por Maslow defende:
 Hierarquização de necessidades;
 Grau de importância
 Nível mais baixo: necessidades fisiológicas;
 Nível mais elevado: necessidades de auto-
realização
Pirâmide de Maslow
 Segundo Maslow, as necessidades humanas
estariam organizadas numa hierarquia.
 Representou esta concepção através de
uma pirâmide em que, na base, estariam as
necessidade fisiológicas e, no cume, as
necessidades mais elevadas: as da auto-
realização
As necessidades
fundamentais seriam as
básicas:
as fisiológicas e as de
segurança.
Só depois de estas
necessidades estarem
satisfeitas se ascende na
hierarquia para a
satisfação de outras mais
complexas e mais
elevadas. No decurso da
sua existência, se não
houvesse obstáculos o ser
humano progrediria na
hierarquia até ao topo.
MaslowMaslow: a teoria da pirâmide das necessidades.: a teoria da pirâmide das necessidades.
Necessidades fisiológicas
Necessidades Fisiológicas (fome, sede, sono, o evitamento da dor e o desejo sexual);
MaslowMaslow: a teoria da pirâmide das necessidades.: a teoria da pirâmide das necessidades.
Necessidades fisiológicas
Necessidades de Segurança
2- Necessidades de segurança (abrigo, vestuário);
MaslowMaslow: a teoria da pirâmide das necessidades.: a teoria da pirâmide das necessidades.
Necessidades de Afecto e de Pertença
Necessidades fisiológicas
Necessidades de Segurança
3- Necessidades de afecto e de pertença
(desejo de associação, participação e aceitação por parte dos outros)
MaslowMaslow: a teoria da pirâmide das necessidades.: a teoria da pirâmide das necessidades.
Necessidades de Estima
Necessidades Afecto e de Pertença
Necessidades fisiológicas
Necessidades de Segurança
Necessidades de Estima
( o desejo de realização e de competência e o estatuto e desejo de reconhecimento)
MaslowMaslow: a teoria da pirâmide das necessidades.: a teoria da pirâmide das necessidades.
Nec.
de auto-
realização
Necessidades de Estima
Necessidades de Afecto e de Pertença
Necessidades fisiológicas
Necessidades de Segurança
5- Necessidades de auto-realização
(concretização das capacidades pessoais)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os processos conativos
Os processos conativosOs processos conativos
Os processos conativos
Silvia Revez
 
Ppb aula 5_motivacao
Ppb aula 5_motivacaoPpb aula 5_motivacao
Ppb aula 5_motivacao
Lina Sue
 
Processos Emocionais E Processos Conativos
Processos Emocionais E Processos ConativosProcessos Emocionais E Processos Conativos
Processos Emocionais E Processos Conativos
Rolando Almeida
 
Hierarquia de necessidades de maslow
Hierarquia de necessidades de maslowHierarquia de necessidades de maslow
Hierarquia de necessidades de maslow
Ana Genesy
 
Ficha conação
Ficha conaçãoFicha conação
Ficha conação
AnaKlein1
 
1°et z, 8, 10, 39 (1)
1°et z, 8, 10, 39 (1)1°et z, 8, 10, 39 (1)
1°et z, 8, 10, 39 (1)
admetz01
 

Mais procurados (20)

TEORIA MASLOW
TEORIA MASLOWTEORIA MASLOW
TEORIA MASLOW
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
 
Motivação - Processos Psicológicos Básicos
Motivação - Processos Psicológicos BásicosMotivação - Processos Psicológicos Básicos
Motivação - Processos Psicológicos Básicos
 
Os processos conativos
Os processos conativosOs processos conativos
Os processos conativos
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
 
Ppb aula 5_motivacao
Ppb aula 5_motivacaoPpb aula 5_motivacao
Ppb aula 5_motivacao
 
6 a teoria de maslow sobre motivacao
6 a teoria de maslow sobre motivacao6 a teoria de maslow sobre motivacao
6 a teoria de maslow sobre motivacao
 
Processos Emocionais E Processos Conativos
Processos Emocionais E Processos ConativosProcessos Emocionais E Processos Conativos
Processos Emocionais E Processos Conativos
 
Processos Conativos
Processos ConativosProcessos Conativos
Processos Conativos
 
Apresentação de psicologia oganizacional (motivação intrínseca)
Apresentação de psicologia oganizacional (motivação intrínseca)Apresentação de psicologia oganizacional (motivação intrínseca)
Apresentação de psicologia oganizacional (motivação intrínseca)
 
Trabalho de psicologia motivação
Trabalho de psicologia motivaçãoTrabalho de psicologia motivação
Trabalho de psicologia motivação
 
Hierarquia de necessidades de maslow
Hierarquia de necessidades de maslowHierarquia de necessidades de maslow
Hierarquia de necessidades de maslow
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
 
Ficha conação
Ficha conaçãoFicha conação
Ficha conação
 
Maslow - A Hierarquia das Necessidades
Maslow - A Hierarquia das NecessidadesMaslow - A Hierarquia das Necessidades
Maslow - A Hierarquia das Necessidades
 
Pirâmide de maslow
Pirâmide de maslowPirâmide de maslow
Pirâmide de maslow
 
1°et z, 8, 10, 39 (1)
1°et z, 8, 10, 39 (1)1°et z, 8, 10, 39 (1)
1°et z, 8, 10, 39 (1)
 
Motivação..
Motivação..Motivação..
Motivação..
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
Slide motivaçaõ
Slide motivaçaõSlide motivaçaõ
Slide motivaçaõ
 

Semelhante a Amotivao

O Consumidor No Diva Estudo Do Consumidor
O Consumidor No Diva   Estudo Do ConsumidorO Consumidor No Diva   Estudo Do Consumidor
O Consumidor No Diva Estudo Do Consumidor
Fabiano Damiati
 
Necessidades Humanas Básicas (1).pdf
Necessidades Humanas Básicas (1).pdfNecessidades Humanas Básicas (1).pdf
Necessidades Humanas Básicas (1).pdf
MuryelleBatista1
 
processos psicológicos MOTIVAÇÃO E VIDA AFETIVA.pdf
processos psicológicos MOTIVAÇÃO E VIDA AFETIVA.pdfprocessos psicológicos MOTIVAÇÃO E VIDA AFETIVA.pdf
processos psicológicos MOTIVAÇÃO E VIDA AFETIVA.pdf
vilcielepazebem
 
Teorias da motivação
Teorias da motivaçãoTeorias da motivação
Teorias da motivação
Marcelo Anjos
 
Motivação teorias de conteúdo
Motivação teorias de conteúdoMotivação teorias de conteúdo
Motivação teorias de conteúdo
Fábio Costa
 

Semelhante a Amotivao (20)

Curso de chefia e liderança parte 4/6
Curso de chefia e liderança   parte 4/6Curso de chefia e liderança   parte 4/6
Curso de chefia e liderança parte 4/6
 
Sandra Godoi - BM04 - 6 semana
Sandra Godoi - BM04 -  6 semanaSandra Godoi - BM04 -  6 semana
Sandra Godoi - BM04 - 6 semana
 
PPB - Motivação.ppsx
PPB - Motivação.ppsxPPB - Motivação.ppsx
PPB - Motivação.ppsx
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
06p motivacao -
06p   motivacao -06p   motivacao -
06p motivacao -
 
O Consumidor No Diva Estudo Do Consumidor
O Consumidor No Diva   Estudo Do ConsumidorO Consumidor No Diva   Estudo Do Consumidor
O Consumidor No Diva Estudo Do Consumidor
 
Apresewedwenta.
Apresewedwenta.Apresewedwenta.
Apresewedwenta.
 
Introducao
IntroducaoIntroducao
Introducao
 
Necessidades Humanas Básicas (1).pdf
Necessidades Humanas Básicas (1).pdfNecessidades Humanas Básicas (1).pdf
Necessidades Humanas Básicas (1).pdf
 
Teoria motivacional
Teoria motivacionalTeoria motivacional
Teoria motivacional
 
Pirâmide das necessidades de Maslow.pdf
Pirâmide das necessidades de Maslow.pdfPirâmide das necessidades de Maslow.pdf
Pirâmide das necessidades de Maslow.pdf
 
Atividade 10
Atividade 10Atividade 10
Atividade 10
 
processos psicológicos MOTIVAÇÃO E VIDA AFETIVA.pdf
processos psicológicos MOTIVAÇÃO E VIDA AFETIVA.pdfprocessos psicológicos MOTIVAÇÃO E VIDA AFETIVA.pdf
processos psicológicos MOTIVAÇÃO E VIDA AFETIVA.pdf
 
Voce_quer_ter_motivacao.docx.pdf
Voce_quer_ter_motivacao.docx.pdfVoce_quer_ter_motivacao.docx.pdf
Voce_quer_ter_motivacao.docx.pdf
 
Teorias da motivação
Teorias da motivaçãoTeorias da motivação
Teorias da motivação
 
Conceito motivaçao
Conceito motivaçaoConceito motivaçao
Conceito motivaçao
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Motivação teorias de conteúdo
Motivação teorias de conteúdoMotivação teorias de conteúdo
Motivação teorias de conteúdo
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
 

Mais de António Moreira

Mais de António Moreira (20)

5_Dierenças_em_funcao_do_genero.ppt
5_Dierenças_em_funcao_do_genero.ppt5_Dierenças_em_funcao_do_genero.ppt
5_Dierenças_em_funcao_do_genero.ppt
 
1_ser_diferente.ppt
1_ser_diferente.ppt1_ser_diferente.ppt
1_ser_diferente.ppt
 
2_ a inevitabilidade das diferenças.ppt
2_ a inevitabilidade das diferenças.ppt2_ a inevitabilidade das diferenças.ppt
2_ a inevitabilidade das diferenças.ppt
 
1_ser_diferente.ppt
1_ser_diferente.ppt1_ser_diferente.ppt
1_ser_diferente.ppt
 
1_introducao_ao_estudo_da_psicologia _ descobrindo a psicologia.pptx
1_introducao_ao_estudo_da_psicologia _ descobrindo a psicologia.pptx1_introducao_ao_estudo_da_psicologia _ descobrindo a psicologia.pptx
1_introducao_ao_estudo_da_psicologia _ descobrindo a psicologia.pptx
 
Tf03991830 win32
Tf03991830 win32Tf03991830 win32
Tf03991830 win32
 
Inteligencias multiplas
Inteligencias multiplasInteligencias multiplas
Inteligencias multiplas
 
Inteligencia emocional
Inteligencia emocionalInteligencia emocional
Inteligencia emocional
 
Mente asemcoes
Mente asemcoesMente asemcoes
Mente asemcoes
 
Emocoes
EmocoesEmocoes
Emocoes
 
Escolamod3
Escolamod3Escolamod3
Escolamod3
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
Emocoes
EmocoesEmocoes
Emocoes
 
Ainstituiofamiliar
AinstituiofamiliarAinstituiofamiliar
Ainstituiofamiliar
 
A familia-sociologia-power-point
A familia-sociologia-power-pointA familia-sociologia-power-point
A familia-sociologia-power-point
 
Donaldsupereodesenvolvimentoprofissional
DonaldsupereodesenvolvimentoprofissionalDonaldsupereodesenvolvimentoprofissional
Donaldsupereodesenvolvimentoprofissional
 
Eriksoneodesenvolvimentopsicossocial
EriksoneodesenvolvimentopsicossocialEriksoneodesenvolvimentopsicossocial
Eriksoneodesenvolvimentopsicossocial
 
Freudeodesenvolvimento
FreudeodesenvolvimentoFreudeodesenvolvimento
Freudeodesenvolvimento
 
Life spanpiaget
Life spanpiagetLife spanpiaget
Life spanpiaget
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 

Último

Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
LindinhaSilva1
 

Último (20)

FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 

Amotivao

  • 1. PROCESSOS MOTIVACIONAIS Psicologia – Ensino Profissional Professor: António Moreira
  • 2. Motivação Em psicologia, motivação é a força propulsora (desejo) por trás de todas as ações de um organismo. Conjunto de impulsos que orientam o comportamento de uma pessoa em direção a um fim ou objetivo.
  • 3. Comportamento Motivado  Comportamento orientado para um objetivo;  Ativado e controlado por forças internas (biológicas) ou externas (sociais).  A fome e o sono são desencadeadas por uma força interna;  O desejo de sucesso é orientado por uma força externa Se o objetivo é alcançado, a motivação desaparece.
  • 5. O ciclo motivacional é o processo desencadeado por uma necessidade que gera um impulso que orienta e organiza a ação em direção ao objetivo que faz desaparecer a necessidade inicial. O ciclo motivacional é constituído pelas seguintes etapas: 1. A necessidade que resulta de um desequilíbrio provocado por uma carência, uma privação. A necessidade dá origem a um impulso; “exemplo: a SEDE” 2. O impulso ou pulsão é o estado energético que ativa e orienta o comportamento para uma meta, um objetivo e organiza a ação, a resposta. No caso da SEDE o indivíduo é impelido a procurar uma bebida.Os impulsos podem ser conscientes ou inconscientes e variam de pessoa para pessoa. Além disso, na mesma pessoa variam segundo a situação e o momento em que ocorrem. 3.A resposta é constituída pelas atividades desenvolvidas e desencadeadas pelo impulso para se obter o que se necessita; “A pessoa procurará a água.” 4.A saciedade ocorre se o objetivo é atingido. O impulso desaparece ou é reduzido. O equilíbrio é restabelecido. “Depois de beber o equilíbrio é restabelecido.”
  • 8. Motivações inatas biológicas/ primárias  As motivações inatas, biológicas, fisiológicas ou primárias são inerentes à estrutura do organismo, sendo, por isso, comuns a todos os seres humanos.  Visam a manutenção do estado de equilíbrio interno - homeostasia -, assegurando a sobrevivência do organismo.  Manifestam-se desde o nascimento, independentemente de qualquer aprendizagem – -não se aprende a ter fome, sede ou sono.  Contudo, a sua expressão e satisfação são determinadas por normas e regras sociais, por padrões de cultura. Assim, as horas a que comemos e dormimos são reguladas socialmente. Por outro lado, muitas vezes comemos e bebemos sem ter fome ou sede só para manter um convívio
  • 9. Motivações aprendidas/sociais/secundárias  As motivações aprendidas, sociais ou secundárias são adquiridas no processo de socialização em diferentes contextos sociais e culturais.  Variam de pessoa para pessoa, porque são aprendidas no contexto social, no contacto com os outros membros dos grupos sociais a que a pessoa pertence.  De entre os vários tipos de motivações sociais, podemos destacar as necessidades de afiliação, de prestígio e de sucesso.
  • 10. Motivações combinadas  Apesar de dependerem de mecanismos fisiológicos, as motivações combinadas não são homeostáticas, isto é, não visam a manutenção do equilíbrio interno. Apresentam características das motivações biológicas e das motivações sociais. Tal como as motivações inatas têm uma base fisiológica, mas a sua satisfação não é decisiva para a sobrevivência do organismo. Assim como as motivações sociais, a sua manifestação depende da aprendizagem, dos padrões de cultura vigentes numa determinada sociedade. Depende do processo de socialização, do modo como o indivíduo integra, interioriza os padrões culturais da sociedade em que vive.
  • 11.  As motivações combinadas dependem de fatores biológicos e da aprendizagem.  Combinam, portanto, características das motivações fisiológicas e sociais.  O comportamento sexual e o comportamento maternal são dois exemplos de motivações combinadas
  • 12.
  • 13. Maslow: a teoria da pirâmide das necessidades
  • 14. A teoria proposta por Maslow defende:  Hierarquização de necessidades;  Grau de importância  Nível mais baixo: necessidades fisiológicas;  Nível mais elevado: necessidades de auto- realização
  • 15. Pirâmide de Maslow  Segundo Maslow, as necessidades humanas estariam organizadas numa hierarquia.  Representou esta concepção através de uma pirâmide em que, na base, estariam as necessidade fisiológicas e, no cume, as necessidades mais elevadas: as da auto- realização
  • 16. As necessidades fundamentais seriam as básicas: as fisiológicas e as de segurança. Só depois de estas necessidades estarem satisfeitas se ascende na hierarquia para a satisfação de outras mais complexas e mais elevadas. No decurso da sua existência, se não houvesse obstáculos o ser humano progrediria na hierarquia até ao topo.
  • 17. MaslowMaslow: a teoria da pirâmide das necessidades.: a teoria da pirâmide das necessidades. Necessidades fisiológicas Necessidades Fisiológicas (fome, sede, sono, o evitamento da dor e o desejo sexual);
  • 18. MaslowMaslow: a teoria da pirâmide das necessidades.: a teoria da pirâmide das necessidades. Necessidades fisiológicas Necessidades de Segurança 2- Necessidades de segurança (abrigo, vestuário);
  • 19. MaslowMaslow: a teoria da pirâmide das necessidades.: a teoria da pirâmide das necessidades. Necessidades de Afecto e de Pertença Necessidades fisiológicas Necessidades de Segurança 3- Necessidades de afecto e de pertença (desejo de associação, participação e aceitação por parte dos outros)
  • 20. MaslowMaslow: a teoria da pirâmide das necessidades.: a teoria da pirâmide das necessidades. Necessidades de Estima Necessidades Afecto e de Pertença Necessidades fisiológicas Necessidades de Segurança Necessidades de Estima ( o desejo de realização e de competência e o estatuto e desejo de reconhecimento)
  • 21. MaslowMaslow: a teoria da pirâmide das necessidades.: a teoria da pirâmide das necessidades. Nec. de auto- realização Necessidades de Estima Necessidades de Afecto e de Pertença Necessidades fisiológicas Necessidades de Segurança 5- Necessidades de auto-realização (concretização das capacidades pessoais)