SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
(Animador Sócio Cultural)
 
Os antecedentes da Animação Sociocultural, remontam ao inicio do século XX, oriundos dos países francófonos, e visavam dinamizar programas junto das populações.
Em Portugal, durante o Estado Novo a FNAT (Fundação Nacional para a Alegria no Trabalho), promoveu acções cujo objectivo era o entretenimento da população, para combater o desânimo reinante e tentar devolver dignidade às pessoas e consciencializa-las para os muitos problemas que existiam.
A institucionalização da Animação Sociocultural surgiu com o 25 de Abril de 1974. ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object]
 
Perfil de Competências: ,[object Object]
Perfil e Competências: ,[object Object],[object Object]
Perfil e Competências: ,[object Object],[object Object]
 
Áreas de intervenção Projecção social Centros e serviços de informação Meios de comunicação e tecnologias Espaços e recursos materiais Eventos socioculturais e actividades de férias Intervenções e programas Instituições globais de ASC ASC
 
Métodos e técnicas  Dinâmicas de Grupo Corpo  e movimento Artes Plásticas Música  Terapia Jogos
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conae eixo v apresentação power point
Conae eixo v   apresentação power pointConae eixo v   apresentação power point
Conae eixo v apresentação power point
beredacosta
 
Cidadania e profissionalidade
Cidadania e profissionalidadeCidadania e profissionalidade
Cidadania e profissionalidade
Carlotamanaia
 
Trabalho de sociologia
Trabalho de sociologiaTrabalho de sociologia
Trabalho de sociologia
ronualdo
 

Mais procurados (17)

ações culturais nas comunidades emergentes
ações culturais nas comunidades emergentesações culturais nas comunidades emergentes
ações culturais nas comunidades emergentes
 
Grupo v
Grupo vGrupo v
Grupo v
 
Animaçao para Idosos
Animaçao para IdososAnimaçao para Idosos
Animaçao para Idosos
 
Apresentação furg
Apresentação furgApresentação furg
Apresentação furg
 
A Construção do Público
A Construção do PúblicoA Construção do Público
A Construção do Público
 
Inovação Educativa
Inovação EducativaInovação Educativa
Inovação Educativa
 
Animacao idosos
Animacao idososAnimacao idosos
Animacao idosos
 
486
486486
486
 
Conae eixo v apresentação power point
Conae eixo v   apresentação power pointConae eixo v   apresentação power point
Conae eixo v apresentação power point
 
Apresentação educação fiscal 2014
Apresentação educação fiscal 2014Apresentação educação fiscal 2014
Apresentação educação fiscal 2014
 
Cidadania e profissionalidade
Cidadania e profissionalidadeCidadania e profissionalidade
Cidadania e profissionalidade
 
Diversidade, cidadania e direitos
Diversidade, cidadania e direitosDiversidade, cidadania e direitos
Diversidade, cidadania e direitos
 
Aula1- Participação Social
Aula1- Participação SocialAula1- Participação Social
Aula1- Participação Social
 
Projetos da animação sociocultural à economia criativa 1976 2016
Projetos da animação sociocultural à economia criativa 1976 2016Projetos da animação sociocultural à economia criativa 1976 2016
Projetos da animação sociocultural à economia criativa 1976 2016
 
ApresentaçãO Do Projeto Quilombola
ApresentaçãO Do Projeto QuilombolaApresentaçãO Do Projeto Quilombola
ApresentaçãO Do Projeto Quilombola
 
PROJETO BETINHO: EMPREENDEDORISMO SOCIAL E PROTAGONISMO JUVENIL
PROJETO BETINHO: EMPREENDEDORISMO SOCIAL E PROTAGONISMO JUVENILPROJETO BETINHO: EMPREENDEDORISMO SOCIAL E PROTAGONISMO JUVENIL
PROJETO BETINHO: EMPREENDEDORISMO SOCIAL E PROTAGONISMO JUVENIL
 
Trabalho de sociologia
Trabalho de sociologiaTrabalho de sociologia
Trabalho de sociologia
 

Destaque

Perfil do animador
Perfil do animadorPerfil do animador
Perfil do animador
Célia Pinho
 
Animação Sociocultural
Animação SocioculturalAnimação Sociocultural
Animação Sociocultural
Luisa Lamas
 
Técnicas do imaginário
Técnicas do imaginárioTécnicas do imaginário
Técnicas do imaginário
Suzaana
 
M 9 Escravidao Marco
M 9 Escravidao MarcoM 9 Escravidao Marco
M 9 Escravidao Marco
mega
 
ReflexãO Marco AraúJo
ReflexãO Marco AraúJoReflexãO Marco AraúJo
ReflexãO Marco AraúJo
guestaa9878
 
M17 Marco Projecto Natal Solidario[1]
M17 Marco Projecto Natal Solidario[1]M17 Marco Projecto Natal Solidario[1]
M17 Marco Projecto Natal Solidario[1]
mega
 
Fotos Instrumentos Reciclados marco araújo
Fotos Instrumentos Reciclados marco araújoFotos Instrumentos Reciclados marco araújo
Fotos Instrumentos Reciclados marco araújo
guestaa9878
 
marco Oficio Natal Solidario
marco Oficio Natal Solidariomarco Oficio Natal Solidario
marco Oficio Natal Solidario
mega
 
Kuduro M27 – Corpo e simbolismo Marco
Kuduro M27 – Corpo e simbolismo MarcoKuduro M27 – Corpo e simbolismo Marco
Kuduro M27 – Corpo e simbolismo Marco
mega
 
Reflexão 2011 Marco
Reflexão 2011 MarcoReflexão 2011 Marco
Reflexão 2011 Marco
mega
 
ReflexãO Marco AraúJo
ReflexãO Marco AraúJoReflexãO Marco AraúJo
ReflexãO Marco AraúJo
mega
 
M 17 Texto De Teatro Natal SolidáRio
M 17 Texto De Teatro Natal SolidáRioM 17 Texto De Teatro Natal SolidáRio
M 17 Texto De Teatro Natal SolidáRio
mega
 
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escritoComo redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Biblioteca Escolar Ourique
 

Destaque (19)

Perfil do animador
Perfil do animadorPerfil do animador
Perfil do animador
 
Animação Sociocultural
Animação SocioculturalAnimação Sociocultural
Animação Sociocultural
 
Animação sociocultural
Animação socioculturalAnimação sociocultural
Animação sociocultural
 
Técnicas do imaginário
Técnicas do imaginárioTécnicas do imaginário
Técnicas do imaginário
 
M 9 Escravidao Marco
M 9 Escravidao MarcoM 9 Escravidao Marco
M 9 Escravidao Marco
 
ReflexãO Marco AraúJo
ReflexãO Marco AraúJoReflexãO Marco AraúJo
ReflexãO Marco AraúJo
 
M17 Marco Projecto Natal Solidario[1]
M17 Marco Projecto Natal Solidario[1]M17 Marco Projecto Natal Solidario[1]
M17 Marco Projecto Natal Solidario[1]
 
Fotos Instrumentos Reciclados marco araújo
Fotos Instrumentos Reciclados marco araújoFotos Instrumentos Reciclados marco araújo
Fotos Instrumentos Reciclados marco araújo
 
marco Oficio Natal Solidario
marco Oficio Natal Solidariomarco Oficio Natal Solidario
marco Oficio Natal Solidario
 
Kuduro M27 – Corpo e simbolismo Marco
Kuduro M27 – Corpo e simbolismo MarcoKuduro M27 – Corpo e simbolismo Marco
Kuduro M27 – Corpo e simbolismo Marco
 
Animador de Rádio
Animador de RádioAnimador de Rádio
Animador de Rádio
 
Reflexão 2011 Marco
Reflexão 2011 MarcoReflexão 2011 Marco
Reflexão 2011 Marco
 
ReflexãO Marco AraúJo
ReflexãO Marco AraúJoReflexãO Marco AraúJo
ReflexãO Marco AraúJo
 
M 17 Texto De Teatro Natal SolidáRio
M 17 Texto De Teatro Natal SolidáRioM 17 Texto De Teatro Natal SolidáRio
M 17 Texto De Teatro Natal SolidáRio
 
Animaçao cultural
Animaçao culturalAnimaçao cultural
Animaçao cultural
 
Animação de Idosos no Domicílio
Animação de Idosos no DomicílioAnimação de Idosos no Domicílio
Animação de Idosos no Domicílio
 
Plano actividades2010 idosos
Plano actividades2010 idososPlano actividades2010 idosos
Plano actividades2010 idosos
 
Estimulação cognitiva memória
Estimulação cognitiva memóriaEstimulação cognitiva memória
Estimulação cognitiva memória
 
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escritoComo redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
 

Semelhante a Perfil Do Asc

20042010 grupo 04 tr17 ronaldo gardinal concepto, instrumentos y_desafios_de_...
20042010 grupo 04 tr17 ronaldo gardinal concepto, instrumentos y_desafios_de_...20042010 grupo 04 tr17 ronaldo gardinal concepto, instrumentos y_desafios_de_...
20042010 grupo 04 tr17 ronaldo gardinal concepto, instrumentos y_desafios_de_...
guestd384f64
 
Educomunicação é tudo de bom!
Educomunicação é tudo de bom!Educomunicação é tudo de bom!
Educomunicação é tudo de bom!
videoparatodos
 
Politicasparaasartes completo web-2
Politicasparaasartes completo web-2Politicasparaasartes completo web-2
Politicasparaasartes completo web-2
Pedro da Silva
 
CST EM PROCESSOS GERENCIAIS
CST EM PROCESSOS GERENCIAISCST EM PROCESSOS GERENCIAIS
CST EM PROCESSOS GERENCIAIS
xiaowu8637
 
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADOPROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
Colaborar Educacional
 
O papel dos agentes sociais
O papel dos agentes sociaisO papel dos agentes sociais
O papel dos agentes sociais
Luciene Gomes
 
O papel dos Agentes Sociais
O papel dos Agentes SociaisO papel dos Agentes Sociais
O papel dos Agentes Sociais
Luciene Gomes
 

Semelhante a Perfil Do Asc (20)

O PRINCÍPIO DA DIVERSIDADE CULTURAL NA CRIAÇÃO DE PERSONAGENS ANIMADOS PARA A...
O PRINCÍPIO DA DIVERSIDADE CULTURAL NA CRIAÇÃO DE PERSONAGENS ANIMADOS PARA A...O PRINCÍPIO DA DIVERSIDADE CULTURAL NA CRIAÇÃO DE PERSONAGENS ANIMADOS PARA A...
O PRINCÍPIO DA DIVERSIDADE CULTURAL NA CRIAÇÃO DE PERSONAGENS ANIMADOS PARA A...
 
Cultura Viva - Pontos de Cultura Socioambiental
Cultura Viva - Pontos de Cultura SocioambientalCultura Viva - Pontos de Cultura Socioambiental
Cultura Viva - Pontos de Cultura Socioambiental
 
20042010 grupo 04 tr17 ronaldo gardinal concepto, instrumentos y_desafios_de_...
20042010 grupo 04 tr17 ronaldo gardinal concepto, instrumentos y_desafios_de_...20042010 grupo 04 tr17 ronaldo gardinal concepto, instrumentos y_desafios_de_...
20042010 grupo 04 tr17 ronaldo gardinal concepto, instrumentos y_desafios_de_...
 
Cartilha do Sistema Nacional de Cultura
Cartilha do Sistema Nacional de CulturaCartilha do Sistema Nacional de Cultura
Cartilha do Sistema Nacional de Cultura
 
A necessidade de um centro cultural à população de Maringá.
A necessidade de um centro cultural à população de Maringá.A necessidade de um centro cultural à população de Maringá.
A necessidade de um centro cultural à população de Maringá.
 
Nocoes de cidadania
Nocoes de cidadaniaNocoes de cidadania
Nocoes de cidadania
 
Educomunicação é tudo de bom!
Educomunicação é tudo de bom!Educomunicação é tudo de bom!
Educomunicação é tudo de bom!
 
CULINARIA AFETIVA POWERPOINT.pptx
CULINARIA AFETIVA POWERPOINT.pptxCULINARIA AFETIVA POWERPOINT.pptx
CULINARIA AFETIVA POWERPOINT.pptx
 
Paper projetos da asc à economia criativa 1976 até 2016 final_luis matos martins
Paper projetos da asc à economia criativa 1976 até 2016 final_luis matos martinsPaper projetos da asc à economia criativa 1976 até 2016 final_luis matos martins
Paper projetos da asc à economia criativa 1976 até 2016 final_luis matos martins
 
Politicasparaasartes completo web-2
Politicasparaasartes completo web-2Politicasparaasartes completo web-2
Politicasparaasartes completo web-2
 
Trabalho ameixoeira criativa
Trabalho ameixoeira criativa   Trabalho ameixoeira criativa
Trabalho ameixoeira criativa
 
Revista do MinC - Cultura Viva 10 Anos
Revista do MinC - Cultura Viva 10 AnosRevista do MinC - Cultura Viva 10 Anos
Revista do MinC - Cultura Viva 10 Anos
 
Metas do Plano Nacional de Cultura
Metas do Plano Nacional de CulturaMetas do Plano Nacional de Cultura
Metas do Plano Nacional de Cultura
 
CST EM PROCESSOS GERENCIAIS
CST EM PROCESSOS GERENCIAISCST EM PROCESSOS GERENCIAIS
CST EM PROCESSOS GERENCIAIS
 
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADOPROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
 
Dossier Conecta Cultura 2010-2016_português
Dossier Conecta Cultura 2010-2016_portuguêsDossier Conecta Cultura 2010-2016_português
Dossier Conecta Cultura 2010-2016_português
 
O papel dos agentes sociais
O papel dos agentes sociaisO papel dos agentes sociais
O papel dos agentes sociais
 
O papel dos Agentes Sociais
O papel dos Agentes SociaisO papel dos Agentes Sociais
O papel dos Agentes Sociais
 
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalhoLaboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
 
Pág 6
Pág 6Pág 6
Pág 6
 

Mais de mega

Deasafio contame uma história
Deasafio contame uma históriaDeasafio contame uma história
Deasafio contame uma história
mega
 
Reflexão
ReflexãoReflexão
Reflexão
mega
 
Reflexão 13 Meses
Reflexão 13 MesesReflexão 13 Meses
Reflexão 13 Meses
mega
 
Logótipo escolhas 10 anos
Logótipo escolhas 10 anosLogótipo escolhas 10 anos
Logótipo escolhas 10 anos
mega
 
Logótipo escolhas 10 anos
Logótipo escolhas 10 anosLogótipo escolhas 10 anos
Logótipo escolhas 10 anos
mega
 
M 37 Anima Tu
M 37 Anima TuM 37 Anima Tu
M 37 Anima Tu
mega
 
Ng5 Dr3 Marco
Ng5 Dr3 MarcoNg5 Dr3 Marco
Ng5 Dr3 Marco
mega
 
Cartaz As..Mudanca CLC Dr4Marco
Cartaz As..Mudanca CLC Dr4MarcoCartaz As..Mudanca CLC Dr4Marco
Cartaz As..Mudanca CLC Dr4Marco
mega
 
Mudam Se Os Tempos Dr4 Marco AraúJo
Mudam Se Os Tempos Dr4 Marco AraúJoMudam Se Os Tempos Dr4 Marco AraúJo
Mudam Se Os Tempos Dr4 Marco AraúJo
mega
 
Decalogo M 32
Decalogo M 32Decalogo M 32
Decalogo M 32
mega
 
Ritmos & Blues
Ritmos & BluesRitmos & Blues
Ritmos & Blues
mega
 
Origem Blues
Origem BluesOrigem Blues
Origem Blues
mega
 
ReflexãO Tic ingles marco
ReflexãO Tic ingles marcoReflexãO Tic ingles marco
ReflexãO Tic ingles marco
mega
 
Cv Template En Gb Marco
Cv Template En Gb MarcoCv Template En Gb Marco
Cv Template En Gb Marco
mega
 
RelatóRio Casa Da MúSica M40
RelatóRio Casa Da MúSica M40RelatóRio Casa Da MúSica M40
RelatóRio Casa Da MúSica M40
mega
 
CP-Convicção e Firmeza Ética-Dr4 Marco, Rosa, Vanessa E Carmo H
CP-Convicção e Firmeza Ética-Dr4  Marco, Rosa, Vanessa E Carmo HCP-Convicção e Firmeza Ética-Dr4  Marco, Rosa, Vanessa E Carmo H
CP-Convicção e Firmeza Ética-Dr4 Marco, Rosa, Vanessa E Carmo H
mega
 
Reflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza Ética
Reflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza ÉticaReflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza Ética
Reflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza Ética
mega
 
Reflexao Dr2 CP CFE
Reflexao Dr2 CP CFEReflexao Dr2 CP CFE
Reflexao Dr2 CP CFE
mega
 
Ficha De Trabalho Dr2 CFE Marco
Ficha De Trabalho Dr2  CFE MarcoFicha De Trabalho Dr2  CFE Marco
Ficha De Trabalho Dr2 CFE Marco
mega
 
Guiao Filme Marco CP CFE Marco
Guiao Filme Marco CP CFE MarcoGuiao Filme Marco CP CFE Marco
Guiao Filme Marco CP CFE Marco
mega
 

Mais de mega (20)

Deasafio contame uma história
Deasafio contame uma históriaDeasafio contame uma história
Deasafio contame uma história
 
Reflexão
ReflexãoReflexão
Reflexão
 
Reflexão 13 Meses
Reflexão 13 MesesReflexão 13 Meses
Reflexão 13 Meses
 
Logótipo escolhas 10 anos
Logótipo escolhas 10 anosLogótipo escolhas 10 anos
Logótipo escolhas 10 anos
 
Logótipo escolhas 10 anos
Logótipo escolhas 10 anosLogótipo escolhas 10 anos
Logótipo escolhas 10 anos
 
M 37 Anima Tu
M 37 Anima TuM 37 Anima Tu
M 37 Anima Tu
 
Ng5 Dr3 Marco
Ng5 Dr3 MarcoNg5 Dr3 Marco
Ng5 Dr3 Marco
 
Cartaz As..Mudanca CLC Dr4Marco
Cartaz As..Mudanca CLC Dr4MarcoCartaz As..Mudanca CLC Dr4Marco
Cartaz As..Mudanca CLC Dr4Marco
 
Mudam Se Os Tempos Dr4 Marco AraúJo
Mudam Se Os Tempos Dr4 Marco AraúJoMudam Se Os Tempos Dr4 Marco AraúJo
Mudam Se Os Tempos Dr4 Marco AraúJo
 
Decalogo M 32
Decalogo M 32Decalogo M 32
Decalogo M 32
 
Ritmos & Blues
Ritmos & BluesRitmos & Blues
Ritmos & Blues
 
Origem Blues
Origem BluesOrigem Blues
Origem Blues
 
ReflexãO Tic ingles marco
ReflexãO Tic ingles marcoReflexãO Tic ingles marco
ReflexãO Tic ingles marco
 
Cv Template En Gb Marco
Cv Template En Gb MarcoCv Template En Gb Marco
Cv Template En Gb Marco
 
RelatóRio Casa Da MúSica M40
RelatóRio Casa Da MúSica M40RelatóRio Casa Da MúSica M40
RelatóRio Casa Da MúSica M40
 
CP-Convicção e Firmeza Ética-Dr4 Marco, Rosa, Vanessa E Carmo H
CP-Convicção e Firmeza Ética-Dr4  Marco, Rosa, Vanessa E Carmo HCP-Convicção e Firmeza Ética-Dr4  Marco, Rosa, Vanessa E Carmo H
CP-Convicção e Firmeza Ética-Dr4 Marco, Rosa, Vanessa E Carmo H
 
Reflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza Ética
Reflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza ÉticaReflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza Ética
Reflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza Ética
 
Reflexao Dr2 CP CFE
Reflexao Dr2 CP CFEReflexao Dr2 CP CFE
Reflexao Dr2 CP CFE
 
Ficha De Trabalho Dr2 CFE Marco
Ficha De Trabalho Dr2  CFE MarcoFicha De Trabalho Dr2  CFE Marco
Ficha De Trabalho Dr2 CFE Marco
 
Guiao Filme Marco CP CFE Marco
Guiao Filme Marco CP CFE MarcoGuiao Filme Marco CP CFE Marco
Guiao Filme Marco CP CFE Marco
 

Último

Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
MayaraStefanydaSilva1
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (8)

Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptxDOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfTabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
 
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdfAULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
 

Perfil Do Asc

  • 2.  
  • 3. Os antecedentes da Animação Sociocultural, remontam ao inicio do século XX, oriundos dos países francófonos, e visavam dinamizar programas junto das populações.
  • 4. Em Portugal, durante o Estado Novo a FNAT (Fundação Nacional para a Alegria no Trabalho), promoveu acções cujo objectivo era o entretenimento da população, para combater o desânimo reinante e tentar devolver dignidade às pessoas e consciencializa-las para os muitos problemas que existiam.
  • 5.
  • 6.
  • 7.  
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.  
  • 12. Áreas de intervenção Projecção social Centros e serviços de informação Meios de comunicação e tecnologias Espaços e recursos materiais Eventos socioculturais e actividades de férias Intervenções e programas Instituições globais de ASC ASC
  • 13.  
  • 14. Métodos e técnicas Dinâmicas de Grupo Corpo e movimento Artes Plásticas Música Terapia Jogos
  • 15.