SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Baixar para ler offline
11
MACROTENDÊNCIAS E REALIDADE DOS CURSOS
DE ADMINISTRAÇÃO
11
Luiz Roberto Liza CuriLuiz Roberto Liza Curi
Diretor Nacional de Educação SuperiorDiretor Nacional de Educação Superior
SEB SASEB SA
luiz.curi@sebsa.com.brluiz.curi@sebsa.com.br
2222
Luiz Roberto Liza CuriLuiz Roberto Liza Curi
SociólogoSociólogo
- ASSESSOR ESPECIAL DA PRESIDÊNCIA DO CNPq 1987-1989ASSESSOR ESPECIAL DA PRESIDÊNCIA DO CNPq 1987-1989
- DIRETOR EXECUTIVO DA REVISTA BRASIELIRA DE TECNOLOGIA 1987-1989DIRETOR EXECUTIVO DA REVISTA BRASIELIRA DE TECNOLOGIA 1987-1989
- DIRETOR GERAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESTADO DE SÃO PAULODIRETOR GERAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESTADO DE SÃO PAULO
1989-19911989-1991
- DIRETOR GERAL DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL DO ESTADO DE SÃODIRETOR GERAL DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL DO ESTADO DE SÃO
PAULO 1991-1993PAULO 1991-1993
- MEMBRO DO CONSELHO UNIVERSITARIO DA UNICAMP 1993-2000MEMBRO DO CONSELHO UNIVERSITARIO DA UNICAMP 1993-2000
- SECRETÁRIO DE CULTURA, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE CAMPINAS 1993-SECRETÁRIO DE CULTURA, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE CAMPINAS 1993-
19961996
- PRESIDENTE DO CONSELHO DO PATRIMONIO HISTÓRICO, ARTÍSTICO EPRESIDENTE DO CONSELHO DO PATRIMONIO HISTÓRICO, ARTÍSTICO E
ARQUITETONICO DE CAMPINAS 1993-1996ARQUITETONICO DE CAMPINAS 1993-1996
- PRESIDENTE DA CIA DO PÓLO DE ALTA TECNOLOGIA DE CAMPINAS 1995-PRESIDENTE DA CIA DO PÓLO DE ALTA TECNOLOGIA DE CAMPINAS 1995-
19961996
- DIRETOR NACIONAL DE POLÍTICAS, AVALIAÇÃO E SUPERVISÃO DADIRETOR NACIONAL DE POLÍTICAS, AVALIAÇÃO E SUPERVISÃO DA
EDUCAÇÃO SUPERIOR DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 1997-2002EDUCAÇÃO SUPERIOR DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 1997-2002
- ASSESSOR ESPECIAL DO CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOSASSESSOR ESPECIAL DO CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOS
DO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2002-2004DO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2002-2004
- REITOR DO UNIEURO – BRASILIA DF 2004-2008REITOR DO UNIEURO – BRASILIA DF 2004-2008
- MEMBRO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SEB SA desde 2007MEMBRO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SEB SA desde 2007
- DIRETOR NACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DA SEB SA desde 2008DIRETOR NACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DA SEB SA desde 2008
33
O ambienteO ambiente
44
Distribuição etária da população por sexoDistribuição etária da população por sexo
Brasil, 1992 e 2008Brasil, 1992 e 2008
55
Distribuição etária da população por sexoDistribuição etária da população por sexo
Brasil, 2000 e 2040Brasil, 2000 e 2040
66
POPULAÇÃO PROJETADA POR IDADEPOPULAÇÃO PROJETADA POR IDADE
Brasil (2010-2025)Brasil (2010-2025)
12.000.000
12.500.000
13.000.000
13.500.000
14.000.000
14.500.000
15.000.000
15.500.000
2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023 2024 2025
20-24 25-29
77
88
Matricula presencial total e das IES privadasMatricula presencial total e das IES privadas
por regiãopor região
20082008
Região Total Privadas
(a) (b) (b/a)
Nort e 323.190 186.671 57,8
Nordest e 912.693 529.154 58,0
Sudest e 2.512.560 2.117.657 84,3
Sul 887.182 649.798 73,2
Cent ro-Oest e 444.431 322.811 72,6
5.080.056 3.806.091 74,9
Font e: Censo da Educação Superior /INEP
99
Matricula total Graduação Presencial e aMatricula total Graduação Presencial e a
Distância das IES públicas e privadasDistância das IES públicas e privadas
20082008
1010
Tipo de Curso/ Variação
Região Mat rícula % Mat rícula % (2007/1996)
Mest rado
Brasil 41.928 100,0 91.996 100,0 119%
Pública 36.597 87,3 70.483 76,6 93%
Privada 5.331 12,7 21.513 23,4 304%
Regiões
Nort e 599 1,4 3.417 3,7 470%
Nordest e 4094 9,8 13.728 14,9 235%
Sudest e 28978 69,1 51.410 55,9 77%
Sul 6616 15,8 17.328 18,8 162%
Cent ro-Oest e 1641 3,9 6.113 6,6 273%
20071996
Matrícula no Mestrado nas IESMatrícula no Mestrado nas IES
1111
Matrícula no Doutorado nas IESMatrícula no Doutorado nas IES
Tipo de Curso/ Variação
Região Mat rícula % Mat rícula % (2007/1996)
Dout orado
Brasil 20.924 100,0 49.668 100,0 137%
Pública 18.947 90,6 44.992 90,6 137%
Privada 1.977 9,4 4.676 9,4 137%
Regiões
Nort e 84 0,4 768 1,5 814%
Nordest e 414 2,0 5.577 11,2 1247%
Sudest e 18253 87,2 33.454 67,4 83%
Sul 1867 8,9 7.850 15,8 320%
Cent ro-Oest e 306 1,5 2.019 4,1 560%
Font e: Capes/MEC.
20071996
1212
CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASILCURSOS DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL
cursos vagas candidatos ingressos Matriculas/concluin
tes
Gerenciamento 3207 555.724 838200 300330 863718/139989
Administração 1809 388804 607032 215213 714489/102344
1313
CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASILCURSOS DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL
1414
CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASILCURSOS DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL
1515
Aprendizado e GestãoAprendizado e Gestão
1616
ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTOESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO
INSTITUCIONAL: GOVERNANÇAINSTITUCIONAL: GOVERNANÇA
CORPORATIVACORPORATIVA
 QUALIDADE DO PROJETOQUALIDADE DO PROJETO
INSTITUCIONALINSTITUCIONAL
 QUALIDADE DE SUA TRANSFORMAÇÃOQUALIDADE DE SUA TRANSFORMAÇÃO
 A IES É UMA INSTITUIÇÃO FORMADORAA IES É UMA INSTITUIÇÃO FORMADORA
1717
ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTOESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO
INSTITUCIONAL: GOVERNANÇAINSTITUCIONAL: GOVERNANÇA
CORPORATIVACORPORATIVA
 ESTRATÉGIAS CORPORATIVASESTRATÉGIAS CORPORATIVAS
 PERFIL INSTITUCIONALPERFIL INSTITUCIONAL
 AVALIAÇÃOAVALIAÇÃO
 GESTÃO DO CONHECIMENTOGESTÃO DO CONHECIMENTO
1818
MODELO DE GOVERNANÇAMODELO DE GOVERNANÇA
 GESTÃO BASEADA NO CONTROLE SOCIALGESTÃO BASEADA NO CONTROLE SOCIAL
 PLATAFORMAS CURRICULARES: NEGOCIOS/GESTÃOPLATAFORMAS CURRICULARES: NEGOCIOS/GESTÃO
 PESQUISA E EXTENSÃO INTEGRADAS AO ENSINOPESQUISA E EXTENSÃO INTEGRADAS AO ENSINO
 FOCO NO APRENDIZADOFOCO NO APRENDIZADO
 FORMAÇÃO COMPETITIVA ( NOVOS CURRICULOS)FORMAÇÃO COMPETITIVA ( NOVOS CURRICULOS)
 FORMAÇÃO CONTINUADAFORMAÇÃO CONTINUADA
 PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃOPROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO
 NUCLEOS ACADÊMICOSNUCLEOS ACADÊMICOS
 SERVIÇOS E CONSULTORIASSERVIÇOS E CONSULTORIAS
 COMPETITIVIDADE INSTITUCIONALCOMPETITIVIDADE INSTITUCIONAL
1919
ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTOESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO
INSTITUCIONALINSTITUCIONAL
POLÍTICAS DE APRENDIZADOPOLÍTICAS DE APRENDIZADO
OFERTAOFERTA
 GESTÃO CURRICULAR FLEXÍVEL E INTERDISCIPLINARGESTÃO CURRICULAR FLEXÍVEL E INTERDISCIPLINAR
 NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS AO APRENDIZADO ( I/C ENOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS AO APRENDIZADO ( I/C E
EAD)EAD)
 INTERAÇÃO ENTRE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO NAINTERAÇÃO ENTRE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO NA
TRANSMISSÃO DOS CONTEÚDOS DAS DISCIPLINASTRANSMISSÃO DOS CONTEÚDOS DAS DISCIPLINAS
 ORGANIZAÇÃO DE PESQUISA E ESTUDOS DIRIGIDOS POR TEMASORGANIZAÇÃO DE PESQUISA E ESTUDOS DIRIGIDOS POR TEMAS
DE INTERESSE CONJUNTURALDE INTERESSE CONJUNTURAL
 OBSERVATÓRIO CURRICULAR – ESTUDOS PROSPECTIVOS DEOBSERVATÓRIO CURRICULAR – ESTUDOS PROSPECTIVOS DE
FRONTEIRAS DO CONHECIMENTO APLICADOFRONTEIRAS DO CONHECIMENTO APLICADO
 MECANISMOS DE NIVELAMENTO E RECUPERAÇÃO PERIÓDICA DEMECANISMOS DE NIVELAMENTO E RECUPERAÇÃO PERIÓDICA DE
CONTEÚDOSCONTEÚDOS
2020
POLÍTICAS DE APRENDIZADOPOLÍTICAS DE APRENDIZADO
DEMANDADEMANDA
 ESPAÇOS COMPARTILHADOS COM EMPRESASESPAÇOS COMPARTILHADOS COM EMPRESAS
 DISCIPLINAS TRANSVERSAIS DESTINADAS A APROXIMAÇÃO AODISCIPLINAS TRANSVERSAIS DESTINADAS A APROXIMAÇÃO AO
AMBIENTE PROFISSIONALAMBIENTE PROFISSIONAL
 OBSERVATÓRIO DE COMPETITIVIDADE: NOVAS PROFISSÕES EOBSERVATÓRIO DE COMPETITIVIDADE: NOVAS PROFISSÕES E
REQUISITOS DOS PROFISSIONAIS DO FUTUROREQUISITOS DOS PROFISSIONAIS DO FUTURO
 LABORATÓRIOS DE SELEÇÃO DE RECURSOS HUMANOSLABORATÓRIOS DE SELEÇÃO DE RECURSOS HUMANOS
 NOVAS FORMAS DE INTERAÇÃO ENTRE A IES E AS EMPRESASNOVAS FORMAS DE INTERAÇÃO ENTRE A IES E AS EMPRESAS
ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTOESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO
INSTITUCIONALINSTITUCIONAL
2121
ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTOESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO
INSTITUCIONALINSTITUCIONAL
TEMAS TRANSVERSAIS DE APRENDIZADOTEMAS TRANSVERSAIS DE APRENDIZADO
 ESTUDOS JURÍDICOSESTUDOS JURÍDICOS
 ORGANIZAÇÃO E NOVOS ARRANJOS INSTITUCIONAISORGANIZAÇÃO E NOVOS ARRANJOS INSTITUCIONAIS
 RECURSOS HUMANOSPESQUISA E DESENVOLVIMENTORECURSOS HUMANOSPESQUISA E DESENVOLVIMENTO
 GESTÃO DE INOVAÇÃOGESTÃO DE INOVAÇÃO
 PRODUÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISASPRODUÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS
 NOVAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAISNOVAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS
 COOPERAÇÃO E INTERCÂMBIO INTERNACIONALCOOPERAÇÃO E INTERCÂMBIO INTERNACIONAL
 CULTURA, ESTUDOS DA SOCIEDADE E RESPONSABILIDADECULTURA, ESTUDOS DA SOCIEDADE E RESPONSABILIDADE
SOCIALSOCIAL
 LÍNGUAS, EXPRESSÃO E USO DE TECNOLOGIASLÍNGUAS, EXPRESSÃO E USO DE TECNOLOGIAS
2222
::
ENGENHARIASENGENHARIAS
 NUMERO DE CURSOS NO BRASIL: 2247NUMERO DE CURSOS NO BRASIL: 2247
 NÚMERO DE VAGAS: 198 MIL, SENDO 115 MIL OCIOSASNÚMERO DE VAGAS: 198 MIL, SENDO 115 MIL OCIOSAS
 EVASÃO: 60% IES PUB. E 75% IES PRIV.EVASÃO: 60% IES PUB. E 75% IES PRIV.
 QUALIDADE: 25% TOTAL COM 4 OU 5 NO ENADEQUALIDADE: 25% TOTAL COM 4 OU 5 NO ENADE
 EGRESSOS: 30 MIL COM ALTA POLIVALENCIAEGRESSOS: 30 MIL COM ALTA POLIVALENCIA
INDIA 220000
CHINA 650000
RUSSIA 190000
COREIA 80000
BRASIL 5%MATR
JAPÃO 27%MATR
COREIA 18%MATR
2323
RECURSOS HUMANOSRECURSOS HUMANOS
ESTRATÉGICOSESTRATÉGICOS
 BAIXA ATIVIDADE CIENTÍFICABAIXA ATIVIDADE CIENTÍFICA
2424
RECURSOS HUMANOSRECURSOS HUMANOS
ESTRATÉGICOSESTRATÉGICOS
BAIXA ATIVIDADE DE TRANSFERENCIA E INOVAÇÃOBAIXA ATIVIDADE DE TRANSFERENCIA E INOVAÇÃO
 WIPO Statistics DatabaseWIPO Statistics Database de 2008, o Brasil detinha, em 2007, o registrode 2008, o Brasil detinha, em 2007, o registro
de 397 patentes, contra 28.085 da Rússia, 5.206 da China2.8OOda Índiade 397 patentes, contra 28.085 da Rússia, 5.206 da China2.8OOda Índia
 Em relação aoEm relação ao Índice de Competitividade GlobalÍndice de Competitividade Global do Fórum Econômicodo Fórum Econômico
Mundial, revisto anualmente, a posição do Brasil vem se alterando daMundial, revisto anualmente, a posição do Brasil vem se alterando da
seguinte forma: 66° em 2006-2007 (entre 127 países), 72° 2007-2008seguinte forma: 66° em 2006-2007 (entre 127 países), 72° 2007-2008
(entre 131 países), 64° em 2008-2009 (em 131 países). Em sua última(entre 131 países), 64° em 2008-2009 (em 131 países). Em sua última
atualização, publicada em setembro de 2009, o Brasil melhorou para a 56°atualização, publicada em setembro de 2009, o Brasil melhorou para a 56°
posição devido ao forte impacto da crise mundial nos países mais expostosposição devido ao forte impacto da crise mundial nos países mais expostos
à competição global.à competição global.
 O BRASILTEC aponta ainda alguns dos piores indicadores como causa da
baixa prontidão tecnológica e competitividade brasileira: Qualidade do
Sistema Educacional (117° posição) e Qualidade da Educação em
Matemática e Ciência (114° posição).
2525
RECURSOS HUMANOSRECURSOS HUMANOS
ESTRATÉGICOSESTRATÉGICOS
NÃO SE MUDA O ROTEIRO SEM MUDAR OSNÃO SE MUDA O ROTEIRO SEM MUDAR OS
ATORESATORES

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Macrotendências e Realidades dos Cursos de Administração - Prof. Luiz Curi

Modulo 2 Gestion Publica Innovadora
Modulo 2 Gestion Publica InnovadoraModulo 2 Gestion Publica Innovadora
Modulo 2 Gestion Publica InnovadoraCarlos Yukimura
 
2008 09-05 - ufms - ciência, tecnologia e inovação
2008 09-05 - ufms - ciência, tecnologia e inovação2008 09-05 - ufms - ciência, tecnologia e inovação
2008 09-05 - ufms - ciência, tecnologia e inovaçãoDelcídio do Amaral
 
Relatório anual de indicadores 2012
Relatório anual de indicadores 2012Relatório anual de indicadores 2012
Relatório anual de indicadores 2012Jamildo Melo
 
Formação em Saúde Pública - BA
Formação em Saúde Pública - BAFormação em Saúde Pública - BA
Formação em Saúde Pública - BAREDESCOLA
 
Apresentação irece 05.06
Apresentação irece 05.06Apresentação irece 05.06
Apresentação irece 05.06Seplan_Bahia
 
Plano joaquim
Plano joaquimPlano joaquim
Plano joaquimheliane
 
Plano joaquim
Plano joaquimPlano joaquim
Plano joaquimheliane
 
Manual do Sistema de Gestão para Prevenção, Preparação e Resposta aos Acident...
Manual do Sistema de Gestão para Prevenção, Preparação e Resposta aos Acident...Manual do Sistema de Gestão para Prevenção, Preparação e Resposta aos Acident...
Manual do Sistema de Gestão para Prevenção, Preparação e Resposta aos Acident...Adeildo Caboclo
 
Manual cetesb outro
Manual cetesb outroManual cetesb outro
Manual cetesb outrocaslemos24
 
Agenda semanal da FGV-EAESP traz todos os eventos que acontecerão nos próximo...
Agenda semanal da FGV-EAESP traz todos os eventos que acontecerão nos próximo...Agenda semanal da FGV-EAESP traz todos os eventos que acontecerão nos próximo...
Agenda semanal da FGV-EAESP traz todos os eventos que acontecerão nos próximo...FGV-EAESP
 
Desafios da Educação no Brasil
Desafios da Educação no BrasilDesafios da Educação no Brasil
Desafios da Educação no BrasilLuciano Sathler
 
[Pesquisa] O profissional de inteligência de mídias sociais no Brasil (2016) ...
[Pesquisa] O profissional de inteligência de mídias sociais no Brasil (2016) ...[Pesquisa] O profissional de inteligência de mídias sociais no Brasil (2016) ...
[Pesquisa] O profissional de inteligência de mídias sociais no Brasil (2016) ...Ana Cláudia Zandavalle
 
Ricardo luiz
Ricardo luizRicardo luiz
Ricardo luizrederce
 

Semelhante a Macrotendências e Realidades dos Cursos de Administração - Prof. Luiz Curi (20)

Modulo 2 Gestion Publica Innovadora
Modulo 2 Gestion Publica InnovadoraModulo 2 Gestion Publica Innovadora
Modulo 2 Gestion Publica Innovadora
 
2008 09-05 - ufms - ciência, tecnologia e inovação
2008 09-05 - ufms - ciência, tecnologia e inovação2008 09-05 - ufms - ciência, tecnologia e inovação
2008 09-05 - ufms - ciência, tecnologia e inovação
 
Relatório anual de indicadores 2012
Relatório anual de indicadores 2012Relatório anual de indicadores 2012
Relatório anual de indicadores 2012
 
Formação em Saúde Pública - BA
Formação em Saúde Pública - BAFormação em Saúde Pública - BA
Formação em Saúde Pública - BA
 
Mestgt
MestgtMestgt
Mestgt
 
Apresentação irece 05.06
Apresentação irece 05.06Apresentação irece 05.06
Apresentação irece 05.06
 
Plano joaquim
Plano joaquimPlano joaquim
Plano joaquim
 
Plano
PlanoPlano
Plano
 
Plano joaquim
Plano joaquimPlano joaquim
Plano joaquim
 
1
11
1
 
Plano
PlanoPlano
Plano
 
Custo ViolêNcia
Custo ViolêNciaCusto ViolêNcia
Custo ViolêNcia
 
Ensino Superior e novas tecnologias: caminhos e desafios
Ensino Superior e novas tecnologias: caminhos e desafiosEnsino Superior e novas tecnologias: caminhos e desafios
Ensino Superior e novas tecnologias: caminhos e desafios
 
Manual do Sistema de Gestão para Prevenção, Preparação e Resposta aos Acident...
Manual do Sistema de Gestão para Prevenção, Preparação e Resposta aos Acident...Manual do Sistema de Gestão para Prevenção, Preparação e Resposta aos Acident...
Manual do Sistema de Gestão para Prevenção, Preparação e Resposta aos Acident...
 
Manual cetesb outro
Manual cetesb outroManual cetesb outro
Manual cetesb outro
 
Agenda semanal da FGV-EAESP traz todos os eventos que acontecerão nos próximo...
Agenda semanal da FGV-EAESP traz todos os eventos que acontecerão nos próximo...Agenda semanal da FGV-EAESP traz todos os eventos que acontecerão nos próximo...
Agenda semanal da FGV-EAESP traz todos os eventos que acontecerão nos próximo...
 
Desafios da Educação no Brasil
Desafios da Educação no BrasilDesafios da Educação no Brasil
Desafios da Educação no Brasil
 
141020 gestão ii-2
141020 gestão ii-2141020 gestão ii-2
141020 gestão ii-2
 
[Pesquisa] O profissional de inteligência de mídias sociais no Brasil (2016) ...
[Pesquisa] O profissional de inteligência de mídias sociais no Brasil (2016) ...[Pesquisa] O profissional de inteligência de mídias sociais no Brasil (2016) ...
[Pesquisa] O profissional de inteligência de mídias sociais no Brasil (2016) ...
 
Ricardo luiz
Ricardo luizRicardo luiz
Ricardo luiz
 

Mais de ANGRAD

Novas técnicas organizacionais e as tecnologias aceleradas
Novas técnicas organizacionais e as tecnologias aceleradasNovas técnicas organizacionais e as tecnologias aceleradas
Novas técnicas organizacionais e as tecnologias aceleradasANGRAD
 
Carreira e Pós-Graduação Stricto Sensu
Carreira e Pós-Graduação Stricto SensuCarreira e Pós-Graduação Stricto Sensu
Carreira e Pós-Graduação Stricto SensuANGRAD
 
ENANGRAD 2018 - ENADE
ENANGRAD 2018 - ENADEENANGRAD 2018 - ENADE
ENANGRAD 2018 - ENADEANGRAD
 
Como o poder da visão e inteligência artificial pode trazer inclusão ao ambie...
Como o poder da visão e inteligência artificial pode trazer inclusão ao ambie...Como o poder da visão e inteligência artificial pode trazer inclusão ao ambie...
Como o poder da visão e inteligência artificial pode trazer inclusão ao ambie...ANGRAD
 
Conduzindo pesquisa científica em jogos de empresas
Conduzindo pesquisa científica em jogos de empresasConduzindo pesquisa científica em jogos de empresas
Conduzindo pesquisa científica em jogos de empresasANGRAD
 
Assurance of Learning - The ECU Story
Assurance of Learning - The ECU StoryAssurance of Learning - The ECU Story
Assurance of Learning - The ECU StoryANGRAD
 
Gestão da evasão na EAD: discussão a partir de um modelo preditivo
Gestão da evasão na EAD: discussão a partir de um modelo preditivoGestão da evasão na EAD: discussão a partir de um modelo preditivo
Gestão da evasão na EAD: discussão a partir de um modelo preditivoANGRAD
 
Estado da Arte da EAD
Estado da Arte da EADEstado da Arte da EAD
Estado da Arte da EADANGRAD
 
ENANGRAD 2018 - Acreditação Internacional
ENANGRAD 2018 - Acreditação InternacionalENANGRAD 2018 - Acreditação Internacional
ENANGRAD 2018 - Acreditação InternacionalANGRAD
 
ENANGRAD 2019 - Apresentação ANAMBA
ENANGRAD 2019 - Apresentação ANAMBAENANGRAD 2019 - Apresentação ANAMBA
ENANGRAD 2019 - Apresentação ANAMBAANGRAD
 
Oficina sobre os ODS
Oficina sobre os ODSOficina sobre os ODS
Oficina sobre os ODSANGRAD
 
Case prático: filiação e credenciamento da IMED
Case prático: filiação e credenciamento da IMEDCase prático: filiação e credenciamento da IMED
Case prático: filiação e credenciamento da IMEDANGRAD
 
Case: Saint Paul Escola de Negócios
Case: Saint Paul Escola de NegóciosCase: Saint Paul Escola de Negócios
Case: Saint Paul Escola de NegóciosANGRAD
 
Método do Caso como Recurso Pedagógico: Benefícios e Utilização
Método do Caso como Recurso Pedagógico: Benefícios e UtilizaçãoMétodo do Caso como Recurso Pedagógico: Benefícios e Utilização
Método do Caso como Recurso Pedagógico: Benefícios e UtilizaçãoANGRAD
 
O Estudante como protagonista do/no Processo de Aprendizagem
O Estudante como protagonista do/no Processo de AprendizagemO Estudante como protagonista do/no Processo de Aprendizagem
O Estudante como protagonista do/no Processo de AprendizagemANGRAD
 
Sinaes – INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO NAS MODALIDADES PRES...
Sinaes – INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO NAS MODALIDADES PRES...Sinaes – INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO NAS MODALIDADES PRES...
Sinaes – INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO NAS MODALIDADES PRES...ANGRAD
 
Iniciação Científica no Curso de Administração
Iniciação Científica no Curso de AdministraçãoIniciação Científica no Curso de Administração
Iniciação Científica no Curso de AdministraçãoANGRAD
 
Aprendizagem Significativa
Aprendizagem SignificativaAprendizagem Significativa
Aprendizagem SignificativaANGRAD
 
Aprendizagem Significativa em Administração
Aprendizagem Significativa em AdministraçãoAprendizagem Significativa em Administração
Aprendizagem Significativa em AdministraçãoANGRAD
 
5 - Novas Tecnologias e Inovação no Ensino da Administração
5 - Novas Tecnologias e Inovação no Ensino da Administração5 - Novas Tecnologias e Inovação no Ensino da Administração
5 - Novas Tecnologias e Inovação no Ensino da AdministraçãoANGRAD
 

Mais de ANGRAD (20)

Novas técnicas organizacionais e as tecnologias aceleradas
Novas técnicas organizacionais e as tecnologias aceleradasNovas técnicas organizacionais e as tecnologias aceleradas
Novas técnicas organizacionais e as tecnologias aceleradas
 
Carreira e Pós-Graduação Stricto Sensu
Carreira e Pós-Graduação Stricto SensuCarreira e Pós-Graduação Stricto Sensu
Carreira e Pós-Graduação Stricto Sensu
 
ENANGRAD 2018 - ENADE
ENANGRAD 2018 - ENADEENANGRAD 2018 - ENADE
ENANGRAD 2018 - ENADE
 
Como o poder da visão e inteligência artificial pode trazer inclusão ao ambie...
Como o poder da visão e inteligência artificial pode trazer inclusão ao ambie...Como o poder da visão e inteligência artificial pode trazer inclusão ao ambie...
Como o poder da visão e inteligência artificial pode trazer inclusão ao ambie...
 
Conduzindo pesquisa científica em jogos de empresas
Conduzindo pesquisa científica em jogos de empresasConduzindo pesquisa científica em jogos de empresas
Conduzindo pesquisa científica em jogos de empresas
 
Assurance of Learning - The ECU Story
Assurance of Learning - The ECU StoryAssurance of Learning - The ECU Story
Assurance of Learning - The ECU Story
 
Gestão da evasão na EAD: discussão a partir de um modelo preditivo
Gestão da evasão na EAD: discussão a partir de um modelo preditivoGestão da evasão na EAD: discussão a partir de um modelo preditivo
Gestão da evasão na EAD: discussão a partir de um modelo preditivo
 
Estado da Arte da EAD
Estado da Arte da EADEstado da Arte da EAD
Estado da Arte da EAD
 
ENANGRAD 2018 - Acreditação Internacional
ENANGRAD 2018 - Acreditação InternacionalENANGRAD 2018 - Acreditação Internacional
ENANGRAD 2018 - Acreditação Internacional
 
ENANGRAD 2019 - Apresentação ANAMBA
ENANGRAD 2019 - Apresentação ANAMBAENANGRAD 2019 - Apresentação ANAMBA
ENANGRAD 2019 - Apresentação ANAMBA
 
Oficina sobre os ODS
Oficina sobre os ODSOficina sobre os ODS
Oficina sobre os ODS
 
Case prático: filiação e credenciamento da IMED
Case prático: filiação e credenciamento da IMEDCase prático: filiação e credenciamento da IMED
Case prático: filiação e credenciamento da IMED
 
Case: Saint Paul Escola de Negócios
Case: Saint Paul Escola de NegóciosCase: Saint Paul Escola de Negócios
Case: Saint Paul Escola de Negócios
 
Método do Caso como Recurso Pedagógico: Benefícios e Utilização
Método do Caso como Recurso Pedagógico: Benefícios e UtilizaçãoMétodo do Caso como Recurso Pedagógico: Benefícios e Utilização
Método do Caso como Recurso Pedagógico: Benefícios e Utilização
 
O Estudante como protagonista do/no Processo de Aprendizagem
O Estudante como protagonista do/no Processo de AprendizagemO Estudante como protagonista do/no Processo de Aprendizagem
O Estudante como protagonista do/no Processo de Aprendizagem
 
Sinaes – INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO NAS MODALIDADES PRES...
Sinaes – INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO NAS MODALIDADES PRES...Sinaes – INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO NAS MODALIDADES PRES...
Sinaes – INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO NAS MODALIDADES PRES...
 
Iniciação Científica no Curso de Administração
Iniciação Científica no Curso de AdministraçãoIniciação Científica no Curso de Administração
Iniciação Científica no Curso de Administração
 
Aprendizagem Significativa
Aprendizagem SignificativaAprendizagem Significativa
Aprendizagem Significativa
 
Aprendizagem Significativa em Administração
Aprendizagem Significativa em AdministraçãoAprendizagem Significativa em Administração
Aprendizagem Significativa em Administração
 
5 - Novas Tecnologias e Inovação no Ensino da Administração
5 - Novas Tecnologias e Inovação no Ensino da Administração5 - Novas Tecnologias e Inovação no Ensino da Administração
5 - Novas Tecnologias e Inovação no Ensino da Administração
 

Último

As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 

Último (20)

As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 

Macrotendências e Realidades dos Cursos de Administração - Prof. Luiz Curi

  • 1. 11 MACROTENDÊNCIAS E REALIDADE DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO 11 Luiz Roberto Liza CuriLuiz Roberto Liza Curi Diretor Nacional de Educação SuperiorDiretor Nacional de Educação Superior SEB SASEB SA luiz.curi@sebsa.com.brluiz.curi@sebsa.com.br
  • 2. 2222 Luiz Roberto Liza CuriLuiz Roberto Liza Curi SociólogoSociólogo - ASSESSOR ESPECIAL DA PRESIDÊNCIA DO CNPq 1987-1989ASSESSOR ESPECIAL DA PRESIDÊNCIA DO CNPq 1987-1989 - DIRETOR EXECUTIVO DA REVISTA BRASIELIRA DE TECNOLOGIA 1987-1989DIRETOR EXECUTIVO DA REVISTA BRASIELIRA DE TECNOLOGIA 1987-1989 - DIRETOR GERAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESTADO DE SÃO PAULODIRETOR GERAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESTADO DE SÃO PAULO 1989-19911989-1991 - DIRETOR GERAL DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL DO ESTADO DE SÃODIRETOR GERAL DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO 1991-1993PAULO 1991-1993 - MEMBRO DO CONSELHO UNIVERSITARIO DA UNICAMP 1993-2000MEMBRO DO CONSELHO UNIVERSITARIO DA UNICAMP 1993-2000 - SECRETÁRIO DE CULTURA, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE CAMPINAS 1993-SECRETÁRIO DE CULTURA, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE CAMPINAS 1993- 19961996 - PRESIDENTE DO CONSELHO DO PATRIMONIO HISTÓRICO, ARTÍSTICO EPRESIDENTE DO CONSELHO DO PATRIMONIO HISTÓRICO, ARTÍSTICO E ARQUITETONICO DE CAMPINAS 1993-1996ARQUITETONICO DE CAMPINAS 1993-1996 - PRESIDENTE DA CIA DO PÓLO DE ALTA TECNOLOGIA DE CAMPINAS 1995-PRESIDENTE DA CIA DO PÓLO DE ALTA TECNOLOGIA DE CAMPINAS 1995- 19961996 - DIRETOR NACIONAL DE POLÍTICAS, AVALIAÇÃO E SUPERVISÃO DADIRETOR NACIONAL DE POLÍTICAS, AVALIAÇÃO E SUPERVISÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 1997-2002EDUCAÇÃO SUPERIOR DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 1997-2002 - ASSESSOR ESPECIAL DO CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOSASSESSOR ESPECIAL DO CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOS DO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2002-2004DO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2002-2004 - REITOR DO UNIEURO – BRASILIA DF 2004-2008REITOR DO UNIEURO – BRASILIA DF 2004-2008 - MEMBRO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SEB SA desde 2007MEMBRO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SEB SA desde 2007 - DIRETOR NACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DA SEB SA desde 2008DIRETOR NACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DA SEB SA desde 2008
  • 4. 44 Distribuição etária da população por sexoDistribuição etária da população por sexo Brasil, 1992 e 2008Brasil, 1992 e 2008
  • 5. 55 Distribuição etária da população por sexoDistribuição etária da população por sexo Brasil, 2000 e 2040Brasil, 2000 e 2040
  • 6. 66 POPULAÇÃO PROJETADA POR IDADEPOPULAÇÃO PROJETADA POR IDADE Brasil (2010-2025)Brasil (2010-2025) 12.000.000 12.500.000 13.000.000 13.500.000 14.000.000 14.500.000 15.000.000 15.500.000 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023 2024 2025 20-24 25-29
  • 7. 77
  • 8. 88 Matricula presencial total e das IES privadasMatricula presencial total e das IES privadas por regiãopor região 20082008 Região Total Privadas (a) (b) (b/a) Nort e 323.190 186.671 57,8 Nordest e 912.693 529.154 58,0 Sudest e 2.512.560 2.117.657 84,3 Sul 887.182 649.798 73,2 Cent ro-Oest e 444.431 322.811 72,6 5.080.056 3.806.091 74,9 Font e: Censo da Educação Superior /INEP
  • 9. 99 Matricula total Graduação Presencial e aMatricula total Graduação Presencial e a Distância das IES públicas e privadasDistância das IES públicas e privadas 20082008
  • 10. 1010 Tipo de Curso/ Variação Região Mat rícula % Mat rícula % (2007/1996) Mest rado Brasil 41.928 100,0 91.996 100,0 119% Pública 36.597 87,3 70.483 76,6 93% Privada 5.331 12,7 21.513 23,4 304% Regiões Nort e 599 1,4 3.417 3,7 470% Nordest e 4094 9,8 13.728 14,9 235% Sudest e 28978 69,1 51.410 55,9 77% Sul 6616 15,8 17.328 18,8 162% Cent ro-Oest e 1641 3,9 6.113 6,6 273% 20071996 Matrícula no Mestrado nas IESMatrícula no Mestrado nas IES
  • 11. 1111 Matrícula no Doutorado nas IESMatrícula no Doutorado nas IES Tipo de Curso/ Variação Região Mat rícula % Mat rícula % (2007/1996) Dout orado Brasil 20.924 100,0 49.668 100,0 137% Pública 18.947 90,6 44.992 90,6 137% Privada 1.977 9,4 4.676 9,4 137% Regiões Nort e 84 0,4 768 1,5 814% Nordest e 414 2,0 5.577 11,2 1247% Sudest e 18253 87,2 33.454 67,4 83% Sul 1867 8,9 7.850 15,8 320% Cent ro-Oest e 306 1,5 2.019 4,1 560% Font e: Capes/MEC. 20071996
  • 12. 1212 CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASILCURSOS DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL cursos vagas candidatos ingressos Matriculas/concluin tes Gerenciamento 3207 555.724 838200 300330 863718/139989 Administração 1809 388804 607032 215213 714489/102344
  • 13. 1313 CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASILCURSOS DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL
  • 14. 1414 CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASILCURSOS DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL
  • 16. 1616 ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTOESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL: GOVERNANÇAINSTITUCIONAL: GOVERNANÇA CORPORATIVACORPORATIVA  QUALIDADE DO PROJETOQUALIDADE DO PROJETO INSTITUCIONALINSTITUCIONAL  QUALIDADE DE SUA TRANSFORMAÇÃOQUALIDADE DE SUA TRANSFORMAÇÃO  A IES É UMA INSTITUIÇÃO FORMADORAA IES É UMA INSTITUIÇÃO FORMADORA
  • 17. 1717 ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTOESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL: GOVERNANÇAINSTITUCIONAL: GOVERNANÇA CORPORATIVACORPORATIVA  ESTRATÉGIAS CORPORATIVASESTRATÉGIAS CORPORATIVAS  PERFIL INSTITUCIONALPERFIL INSTITUCIONAL  AVALIAÇÃOAVALIAÇÃO  GESTÃO DO CONHECIMENTOGESTÃO DO CONHECIMENTO
  • 18. 1818 MODELO DE GOVERNANÇAMODELO DE GOVERNANÇA  GESTÃO BASEADA NO CONTROLE SOCIALGESTÃO BASEADA NO CONTROLE SOCIAL  PLATAFORMAS CURRICULARES: NEGOCIOS/GESTÃOPLATAFORMAS CURRICULARES: NEGOCIOS/GESTÃO  PESQUISA E EXTENSÃO INTEGRADAS AO ENSINOPESQUISA E EXTENSÃO INTEGRADAS AO ENSINO  FOCO NO APRENDIZADOFOCO NO APRENDIZADO  FORMAÇÃO COMPETITIVA ( NOVOS CURRICULOS)FORMAÇÃO COMPETITIVA ( NOVOS CURRICULOS)  FORMAÇÃO CONTINUADAFORMAÇÃO CONTINUADA  PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃOPROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO  NUCLEOS ACADÊMICOSNUCLEOS ACADÊMICOS  SERVIÇOS E CONSULTORIASSERVIÇOS E CONSULTORIAS  COMPETITIVIDADE INSTITUCIONALCOMPETITIVIDADE INSTITUCIONAL
  • 19. 1919 ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTOESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONALINSTITUCIONAL POLÍTICAS DE APRENDIZADOPOLÍTICAS DE APRENDIZADO OFERTAOFERTA  GESTÃO CURRICULAR FLEXÍVEL E INTERDISCIPLINARGESTÃO CURRICULAR FLEXÍVEL E INTERDISCIPLINAR  NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS AO APRENDIZADO ( I/C ENOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS AO APRENDIZADO ( I/C E EAD)EAD)  INTERAÇÃO ENTRE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO NAINTERAÇÃO ENTRE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO NA TRANSMISSÃO DOS CONTEÚDOS DAS DISCIPLINASTRANSMISSÃO DOS CONTEÚDOS DAS DISCIPLINAS  ORGANIZAÇÃO DE PESQUISA E ESTUDOS DIRIGIDOS POR TEMASORGANIZAÇÃO DE PESQUISA E ESTUDOS DIRIGIDOS POR TEMAS DE INTERESSE CONJUNTURALDE INTERESSE CONJUNTURAL  OBSERVATÓRIO CURRICULAR – ESTUDOS PROSPECTIVOS DEOBSERVATÓRIO CURRICULAR – ESTUDOS PROSPECTIVOS DE FRONTEIRAS DO CONHECIMENTO APLICADOFRONTEIRAS DO CONHECIMENTO APLICADO  MECANISMOS DE NIVELAMENTO E RECUPERAÇÃO PERIÓDICA DEMECANISMOS DE NIVELAMENTO E RECUPERAÇÃO PERIÓDICA DE CONTEÚDOSCONTEÚDOS
  • 20. 2020 POLÍTICAS DE APRENDIZADOPOLÍTICAS DE APRENDIZADO DEMANDADEMANDA  ESPAÇOS COMPARTILHADOS COM EMPRESASESPAÇOS COMPARTILHADOS COM EMPRESAS  DISCIPLINAS TRANSVERSAIS DESTINADAS A APROXIMAÇÃO AODISCIPLINAS TRANSVERSAIS DESTINADAS A APROXIMAÇÃO AO AMBIENTE PROFISSIONALAMBIENTE PROFISSIONAL  OBSERVATÓRIO DE COMPETITIVIDADE: NOVAS PROFISSÕES EOBSERVATÓRIO DE COMPETITIVIDADE: NOVAS PROFISSÕES E REQUISITOS DOS PROFISSIONAIS DO FUTUROREQUISITOS DOS PROFISSIONAIS DO FUTURO  LABORATÓRIOS DE SELEÇÃO DE RECURSOS HUMANOSLABORATÓRIOS DE SELEÇÃO DE RECURSOS HUMANOS  NOVAS FORMAS DE INTERAÇÃO ENTRE A IES E AS EMPRESASNOVAS FORMAS DE INTERAÇÃO ENTRE A IES E AS EMPRESAS ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTOESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONALINSTITUCIONAL
  • 21. 2121 ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTOESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONALINSTITUCIONAL TEMAS TRANSVERSAIS DE APRENDIZADOTEMAS TRANSVERSAIS DE APRENDIZADO  ESTUDOS JURÍDICOSESTUDOS JURÍDICOS  ORGANIZAÇÃO E NOVOS ARRANJOS INSTITUCIONAISORGANIZAÇÃO E NOVOS ARRANJOS INSTITUCIONAIS  RECURSOS HUMANOSPESQUISA E DESENVOLVIMENTORECURSOS HUMANOSPESQUISA E DESENVOLVIMENTO  GESTÃO DE INOVAÇÃOGESTÃO DE INOVAÇÃO  PRODUÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISASPRODUÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS  NOVAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAISNOVAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS  COOPERAÇÃO E INTERCÂMBIO INTERNACIONALCOOPERAÇÃO E INTERCÂMBIO INTERNACIONAL  CULTURA, ESTUDOS DA SOCIEDADE E RESPONSABILIDADECULTURA, ESTUDOS DA SOCIEDADE E RESPONSABILIDADE SOCIALSOCIAL  LÍNGUAS, EXPRESSÃO E USO DE TECNOLOGIASLÍNGUAS, EXPRESSÃO E USO DE TECNOLOGIAS
  • 22. 2222 :: ENGENHARIASENGENHARIAS  NUMERO DE CURSOS NO BRASIL: 2247NUMERO DE CURSOS NO BRASIL: 2247  NÚMERO DE VAGAS: 198 MIL, SENDO 115 MIL OCIOSASNÚMERO DE VAGAS: 198 MIL, SENDO 115 MIL OCIOSAS  EVASÃO: 60% IES PUB. E 75% IES PRIV.EVASÃO: 60% IES PUB. E 75% IES PRIV.  QUALIDADE: 25% TOTAL COM 4 OU 5 NO ENADEQUALIDADE: 25% TOTAL COM 4 OU 5 NO ENADE  EGRESSOS: 30 MIL COM ALTA POLIVALENCIAEGRESSOS: 30 MIL COM ALTA POLIVALENCIA INDIA 220000 CHINA 650000 RUSSIA 190000 COREIA 80000 BRASIL 5%MATR JAPÃO 27%MATR COREIA 18%MATR
  • 23. 2323 RECURSOS HUMANOSRECURSOS HUMANOS ESTRATÉGICOSESTRATÉGICOS  BAIXA ATIVIDADE CIENTÍFICABAIXA ATIVIDADE CIENTÍFICA
  • 24. 2424 RECURSOS HUMANOSRECURSOS HUMANOS ESTRATÉGICOSESTRATÉGICOS BAIXA ATIVIDADE DE TRANSFERENCIA E INOVAÇÃOBAIXA ATIVIDADE DE TRANSFERENCIA E INOVAÇÃO  WIPO Statistics DatabaseWIPO Statistics Database de 2008, o Brasil detinha, em 2007, o registrode 2008, o Brasil detinha, em 2007, o registro de 397 patentes, contra 28.085 da Rússia, 5.206 da China2.8OOda Índiade 397 patentes, contra 28.085 da Rússia, 5.206 da China2.8OOda Índia  Em relação aoEm relação ao Índice de Competitividade GlobalÍndice de Competitividade Global do Fórum Econômicodo Fórum Econômico Mundial, revisto anualmente, a posição do Brasil vem se alterando daMundial, revisto anualmente, a posição do Brasil vem se alterando da seguinte forma: 66° em 2006-2007 (entre 127 países), 72° 2007-2008seguinte forma: 66° em 2006-2007 (entre 127 países), 72° 2007-2008 (entre 131 países), 64° em 2008-2009 (em 131 países). Em sua última(entre 131 países), 64° em 2008-2009 (em 131 países). Em sua última atualização, publicada em setembro de 2009, o Brasil melhorou para a 56°atualização, publicada em setembro de 2009, o Brasil melhorou para a 56° posição devido ao forte impacto da crise mundial nos países mais expostosposição devido ao forte impacto da crise mundial nos países mais expostos à competição global.à competição global.  O BRASILTEC aponta ainda alguns dos piores indicadores como causa da baixa prontidão tecnológica e competitividade brasileira: Qualidade do Sistema Educacional (117° posição) e Qualidade da Educação em Matemática e Ciência (114° posição).
  • 25. 2525 RECURSOS HUMANOSRECURSOS HUMANOS ESTRATÉGICOSESTRATÉGICOS NÃO SE MUDA O ROTEIRO SEM MUDAR OSNÃO SE MUDA O ROTEIRO SEM MUDAR OS ATORESATORES