Macrotendências e Realidades dos Cursos de Administração - Prof. Luiz Curi

1.410 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.410
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
70
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Macrotendências e Realidades dos Cursos de Administração - Prof. Luiz Curi

  1. 1. 11 MACROTENDÊNCIAS E REALIDADE DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO 11 Luiz Roberto Liza CuriLuiz Roberto Liza Curi Diretor Nacional de Educação SuperiorDiretor Nacional de Educação Superior SEB SASEB SA luiz.curi@sebsa.com.brluiz.curi@sebsa.com.br
  2. 2. 2222 Luiz Roberto Liza CuriLuiz Roberto Liza Curi SociólogoSociólogo - ASSESSOR ESPECIAL DA PRESIDÊNCIA DO CNPq 1987-1989ASSESSOR ESPECIAL DA PRESIDÊNCIA DO CNPq 1987-1989 - DIRETOR EXECUTIVO DA REVISTA BRASIELIRA DE TECNOLOGIA 1987-1989DIRETOR EXECUTIVO DA REVISTA BRASIELIRA DE TECNOLOGIA 1987-1989 - DIRETOR GERAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESTADO DE SÃO PAULODIRETOR GERAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESTADO DE SÃO PAULO 1989-19911989-1991 - DIRETOR GERAL DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL DO ESTADO DE SÃODIRETOR GERAL DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO 1991-1993PAULO 1991-1993 - MEMBRO DO CONSELHO UNIVERSITARIO DA UNICAMP 1993-2000MEMBRO DO CONSELHO UNIVERSITARIO DA UNICAMP 1993-2000 - SECRETÁRIO DE CULTURA, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE CAMPINAS 1993-SECRETÁRIO DE CULTURA, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE CAMPINAS 1993- 19961996 - PRESIDENTE DO CONSELHO DO PATRIMONIO HISTÓRICO, ARTÍSTICO EPRESIDENTE DO CONSELHO DO PATRIMONIO HISTÓRICO, ARTÍSTICO E ARQUITETONICO DE CAMPINAS 1993-1996ARQUITETONICO DE CAMPINAS 1993-1996 - PRESIDENTE DA CIA DO PÓLO DE ALTA TECNOLOGIA DE CAMPINAS 1995-PRESIDENTE DA CIA DO PÓLO DE ALTA TECNOLOGIA DE CAMPINAS 1995- 19961996 - DIRETOR NACIONAL DE POLÍTICAS, AVALIAÇÃO E SUPERVISÃO DADIRETOR NACIONAL DE POLÍTICAS, AVALIAÇÃO E SUPERVISÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 1997-2002EDUCAÇÃO SUPERIOR DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 1997-2002 - ASSESSOR ESPECIAL DO CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOSASSESSOR ESPECIAL DO CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOS DO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2002-2004DO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2002-2004 - REITOR DO UNIEURO – BRASILIA DF 2004-2008REITOR DO UNIEURO – BRASILIA DF 2004-2008 - MEMBRO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SEB SA desde 2007MEMBRO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SEB SA desde 2007 - DIRETOR NACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DA SEB SA desde 2008DIRETOR NACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DA SEB SA desde 2008
  3. 3. 33 O ambienteO ambiente
  4. 4. 44 Distribuição etária da população por sexoDistribuição etária da população por sexo Brasil, 1992 e 2008Brasil, 1992 e 2008
  5. 5. 55 Distribuição etária da população por sexoDistribuição etária da população por sexo Brasil, 2000 e 2040Brasil, 2000 e 2040
  6. 6. 66 POPULAÇÃO PROJETADA POR IDADEPOPULAÇÃO PROJETADA POR IDADE Brasil (2010-2025)Brasil (2010-2025) 12.000.000 12.500.000 13.000.000 13.500.000 14.000.000 14.500.000 15.000.000 15.500.000 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023 2024 2025 20-24 25-29
  7. 7. 77
  8. 8. 88 Matricula presencial total e das IES privadasMatricula presencial total e das IES privadas por regiãopor região 20082008 Região Total Privadas (a) (b) (b/a) Nort e 323.190 186.671 57,8 Nordest e 912.693 529.154 58,0 Sudest e 2.512.560 2.117.657 84,3 Sul 887.182 649.798 73,2 Cent ro-Oest e 444.431 322.811 72,6 5.080.056 3.806.091 74,9 Font e: Censo da Educação Superior /INEP
  9. 9. 99 Matricula total Graduação Presencial e aMatricula total Graduação Presencial e a Distância das IES públicas e privadasDistância das IES públicas e privadas 20082008
  10. 10. 1010 Tipo de Curso/ Variação Região Mat rícula % Mat rícula % (2007/1996) Mest rado Brasil 41.928 100,0 91.996 100,0 119% Pública 36.597 87,3 70.483 76,6 93% Privada 5.331 12,7 21.513 23,4 304% Regiões Nort e 599 1,4 3.417 3,7 470% Nordest e 4094 9,8 13.728 14,9 235% Sudest e 28978 69,1 51.410 55,9 77% Sul 6616 15,8 17.328 18,8 162% Cent ro-Oest e 1641 3,9 6.113 6,6 273% 20071996 Matrícula no Mestrado nas IESMatrícula no Mestrado nas IES
  11. 11. 1111 Matrícula no Doutorado nas IESMatrícula no Doutorado nas IES Tipo de Curso/ Variação Região Mat rícula % Mat rícula % (2007/1996) Dout orado Brasil 20.924 100,0 49.668 100,0 137% Pública 18.947 90,6 44.992 90,6 137% Privada 1.977 9,4 4.676 9,4 137% Regiões Nort e 84 0,4 768 1,5 814% Nordest e 414 2,0 5.577 11,2 1247% Sudest e 18253 87,2 33.454 67,4 83% Sul 1867 8,9 7.850 15,8 320% Cent ro-Oest e 306 1,5 2.019 4,1 560% Font e: Capes/MEC. 20071996
  12. 12. 1212 CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASILCURSOS DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL cursos vagas candidatos ingressos Matriculas/concluin tes Gerenciamento 3207 555.724 838200 300330 863718/139989 Administração 1809 388804 607032 215213 714489/102344
  13. 13. 1313 CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASILCURSOS DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL
  14. 14. 1414 CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASILCURSOS DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL
  15. 15. 1515 Aprendizado e GestãoAprendizado e Gestão
  16. 16. 1616 ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTOESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL: GOVERNANÇAINSTITUCIONAL: GOVERNANÇA CORPORATIVACORPORATIVA  QUALIDADE DO PROJETOQUALIDADE DO PROJETO INSTITUCIONALINSTITUCIONAL  QUALIDADE DE SUA TRANSFORMAÇÃOQUALIDADE DE SUA TRANSFORMAÇÃO  A IES É UMA INSTITUIÇÃO FORMADORAA IES É UMA INSTITUIÇÃO FORMADORA
  17. 17. 1717 ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTOESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL: GOVERNANÇAINSTITUCIONAL: GOVERNANÇA CORPORATIVACORPORATIVA  ESTRATÉGIAS CORPORATIVASESTRATÉGIAS CORPORATIVAS  PERFIL INSTITUCIONALPERFIL INSTITUCIONAL  AVALIAÇÃOAVALIAÇÃO  GESTÃO DO CONHECIMENTOGESTÃO DO CONHECIMENTO
  18. 18. 1818 MODELO DE GOVERNANÇAMODELO DE GOVERNANÇA  GESTÃO BASEADA NO CONTROLE SOCIALGESTÃO BASEADA NO CONTROLE SOCIAL  PLATAFORMAS CURRICULARES: NEGOCIOS/GESTÃOPLATAFORMAS CURRICULARES: NEGOCIOS/GESTÃO  PESQUISA E EXTENSÃO INTEGRADAS AO ENSINOPESQUISA E EXTENSÃO INTEGRADAS AO ENSINO  FOCO NO APRENDIZADOFOCO NO APRENDIZADO  FORMAÇÃO COMPETITIVA ( NOVOS CURRICULOS)FORMAÇÃO COMPETITIVA ( NOVOS CURRICULOS)  FORMAÇÃO CONTINUADAFORMAÇÃO CONTINUADA  PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃOPROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO  NUCLEOS ACADÊMICOSNUCLEOS ACADÊMICOS  SERVIÇOS E CONSULTORIASSERVIÇOS E CONSULTORIAS  COMPETITIVIDADE INSTITUCIONALCOMPETITIVIDADE INSTITUCIONAL
  19. 19. 1919 ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTOESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONALINSTITUCIONAL POLÍTICAS DE APRENDIZADOPOLÍTICAS DE APRENDIZADO OFERTAOFERTA  GESTÃO CURRICULAR FLEXÍVEL E INTERDISCIPLINARGESTÃO CURRICULAR FLEXÍVEL E INTERDISCIPLINAR  NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS AO APRENDIZADO ( I/C ENOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS AO APRENDIZADO ( I/C E EAD)EAD)  INTERAÇÃO ENTRE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO NAINTERAÇÃO ENTRE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO NA TRANSMISSÃO DOS CONTEÚDOS DAS DISCIPLINASTRANSMISSÃO DOS CONTEÚDOS DAS DISCIPLINAS  ORGANIZAÇÃO DE PESQUISA E ESTUDOS DIRIGIDOS POR TEMASORGANIZAÇÃO DE PESQUISA E ESTUDOS DIRIGIDOS POR TEMAS DE INTERESSE CONJUNTURALDE INTERESSE CONJUNTURAL  OBSERVATÓRIO CURRICULAR – ESTUDOS PROSPECTIVOS DEOBSERVATÓRIO CURRICULAR – ESTUDOS PROSPECTIVOS DE FRONTEIRAS DO CONHECIMENTO APLICADOFRONTEIRAS DO CONHECIMENTO APLICADO  MECANISMOS DE NIVELAMENTO E RECUPERAÇÃO PERIÓDICA DEMECANISMOS DE NIVELAMENTO E RECUPERAÇÃO PERIÓDICA DE CONTEÚDOSCONTEÚDOS
  20. 20. 2020 POLÍTICAS DE APRENDIZADOPOLÍTICAS DE APRENDIZADO DEMANDADEMANDA  ESPAÇOS COMPARTILHADOS COM EMPRESASESPAÇOS COMPARTILHADOS COM EMPRESAS  DISCIPLINAS TRANSVERSAIS DESTINADAS A APROXIMAÇÃO AODISCIPLINAS TRANSVERSAIS DESTINADAS A APROXIMAÇÃO AO AMBIENTE PROFISSIONALAMBIENTE PROFISSIONAL  OBSERVATÓRIO DE COMPETITIVIDADE: NOVAS PROFISSÕES EOBSERVATÓRIO DE COMPETITIVIDADE: NOVAS PROFISSÕES E REQUISITOS DOS PROFISSIONAIS DO FUTUROREQUISITOS DOS PROFISSIONAIS DO FUTURO  LABORATÓRIOS DE SELEÇÃO DE RECURSOS HUMANOSLABORATÓRIOS DE SELEÇÃO DE RECURSOS HUMANOS  NOVAS FORMAS DE INTERAÇÃO ENTRE A IES E AS EMPRESASNOVAS FORMAS DE INTERAÇÃO ENTRE A IES E AS EMPRESAS ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTOESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONALINSTITUCIONAL
  21. 21. 2121 ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTOESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONALINSTITUCIONAL TEMAS TRANSVERSAIS DE APRENDIZADOTEMAS TRANSVERSAIS DE APRENDIZADO  ESTUDOS JURÍDICOSESTUDOS JURÍDICOS  ORGANIZAÇÃO E NOVOS ARRANJOS INSTITUCIONAISORGANIZAÇÃO E NOVOS ARRANJOS INSTITUCIONAIS  RECURSOS HUMANOSPESQUISA E DESENVOLVIMENTORECURSOS HUMANOSPESQUISA E DESENVOLVIMENTO  GESTÃO DE INOVAÇÃOGESTÃO DE INOVAÇÃO  PRODUÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISASPRODUÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS  NOVAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAISNOVAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS  COOPERAÇÃO E INTERCÂMBIO INTERNACIONALCOOPERAÇÃO E INTERCÂMBIO INTERNACIONAL  CULTURA, ESTUDOS DA SOCIEDADE E RESPONSABILIDADECULTURA, ESTUDOS DA SOCIEDADE E RESPONSABILIDADE SOCIALSOCIAL  LÍNGUAS, EXPRESSÃO E USO DE TECNOLOGIASLÍNGUAS, EXPRESSÃO E USO DE TECNOLOGIAS
  22. 22. 2222 :: ENGENHARIASENGENHARIAS  NUMERO DE CURSOS NO BRASIL: 2247NUMERO DE CURSOS NO BRASIL: 2247  NÚMERO DE VAGAS: 198 MIL, SENDO 115 MIL OCIOSASNÚMERO DE VAGAS: 198 MIL, SENDO 115 MIL OCIOSAS  EVASÃO: 60% IES PUB. E 75% IES PRIV.EVASÃO: 60% IES PUB. E 75% IES PRIV.  QUALIDADE: 25% TOTAL COM 4 OU 5 NO ENADEQUALIDADE: 25% TOTAL COM 4 OU 5 NO ENADE  EGRESSOS: 30 MIL COM ALTA POLIVALENCIAEGRESSOS: 30 MIL COM ALTA POLIVALENCIA INDIA 220000 CHINA 650000 RUSSIA 190000 COREIA 80000 BRASIL 5%MATR JAPÃO 27%MATR COREIA 18%MATR
  23. 23. 2323 RECURSOS HUMANOSRECURSOS HUMANOS ESTRATÉGICOSESTRATÉGICOS  BAIXA ATIVIDADE CIENTÍFICABAIXA ATIVIDADE CIENTÍFICA
  24. 24. 2424 RECURSOS HUMANOSRECURSOS HUMANOS ESTRATÉGICOSESTRATÉGICOS BAIXA ATIVIDADE DE TRANSFERENCIA E INOVAÇÃOBAIXA ATIVIDADE DE TRANSFERENCIA E INOVAÇÃO  WIPO Statistics DatabaseWIPO Statistics Database de 2008, o Brasil detinha, em 2007, o registrode 2008, o Brasil detinha, em 2007, o registro de 397 patentes, contra 28.085 da Rússia, 5.206 da China2.8OOda Índiade 397 patentes, contra 28.085 da Rússia, 5.206 da China2.8OOda Índia  Em relação aoEm relação ao Índice de Competitividade GlobalÍndice de Competitividade Global do Fórum Econômicodo Fórum Econômico Mundial, revisto anualmente, a posição do Brasil vem se alterando daMundial, revisto anualmente, a posição do Brasil vem se alterando da seguinte forma: 66° em 2006-2007 (entre 127 países), 72° 2007-2008seguinte forma: 66° em 2006-2007 (entre 127 países), 72° 2007-2008 (entre 131 países), 64° em 2008-2009 (em 131 países). Em sua última(entre 131 países), 64° em 2008-2009 (em 131 países). Em sua última atualização, publicada em setembro de 2009, o Brasil melhorou para a 56°atualização, publicada em setembro de 2009, o Brasil melhorou para a 56° posição devido ao forte impacto da crise mundial nos países mais expostosposição devido ao forte impacto da crise mundial nos países mais expostos à competição global.à competição global.  O BRASILTEC aponta ainda alguns dos piores indicadores como causa da baixa prontidão tecnológica e competitividade brasileira: Qualidade do Sistema Educacional (117° posição) e Qualidade da Educação em Matemática e Ciência (114° posição).
  25. 25. 2525 RECURSOS HUMANOSRECURSOS HUMANOS ESTRATÉGICOSESTRATÉGICOS NÃO SE MUDA O ROTEIRO SEM MUDAR OSNÃO SE MUDA O ROTEIRO SEM MUDAR OS ATORESATORES

×