(31/10/2012) A administração e o programa ciência sem fronteiras - Prof. Edson Kenji Kondo

2.722 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.722
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
213
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

(31/10/2012) A administração e o programa ciência sem fronteiras - Prof. Edson Kenji Kondo

  1. 1. XXIII ENANGRADAVALIAÇÃO E GESTÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO: REALIDADES E PERSPECTIVAS A ADMINISTRAÇÃO E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS ©Edson Kenji Kondo, PhD kondo@ucb.br Bento Gonçalves, 31 de outubro de 2012
  2. 2. Temas e áreas de interesse1. Engenharias e demais áreas 9. Energias Renováveis; tecnológicas; 10. Tecnologia Mineral;2. Ciências Exatas e da Terra: 11. Biotecnologia; Física, Química, Biologia e 12. Nanotecnologia e Novos Geociências materiais;3. Ciências Biomédicas e da Saúde 13. Tecnologias de Prevenção e4. Computação e tecnologias da Mitigação de Desastres informação; Naturais;5. Tecnologia Aeroespacial; 14. Biodiversidade e Bioprospecção;6. Fármacos; 15. Ciências do Mar;7. Produção Agrícola Sustentável; 16. Indústria criativa;8. Petróleo, Gás e Carvão Mineral; 17. Novas Tecnologias de Engenharia Construtiva 18. Formação de Tecnólogos.
  3. 3. Quantas bolsas?• 75000 bolsas em 4 anos• Em 2010 tínhamos quanto? –Cerca de 5000
  4. 4. O que queremos atingir aqui?• Garantir que os elementos essenciais para o desenvolvimento da competitividade brasileira estejam inseridos no maior programa internacional de aperfeiçoamento de recursos humanos do Brasil.
  5. 5. Qual é um desses elementos essenciais?• A CIÊNCIA DA ADMINISTRAÇÃO
  6. 6. Por que a Administração não está no Ciência Sem Fronteiras?• Há uma história da ciência no País onde físicos tomaram o papel de liderança.• As ciências duras (física, química, engenharias, ciências da saúde) favorecidos por um paradigma experimental e exato passaram a ser sinônimos de ciência e tecnoolgia.
  7. 7. Mútua dependência• O Brasil precisa da área de administração para aumentar sua capacidade de competir e produzir riquezas• Os cursos de administração precisam do Ciência Sem Fronteiras para se transformarem, transformar seus estudantes, docentes e pesquisadores e mudar o País
  8. 8. INOVAÇÃO• O que é: – Principal motor do progresso econômico da atualidade.• Quem faz: – Empresas• Quem toca as empresas: – Administradores e administradoras
  9. 9. INDICADOR INTERNACIONAL 1
  10. 10. Insumos para a inovação (Economist Intelligence Unit, 2009)• P&D em % do PIB • Ambiente político• Qualidade da infraestrutura • Oportunidades de mercado de pesquisa • Políticas favoráveis à• Nível de formação do iniciativa privada trabalhador • Políticas favoráveis à vinda• Habilidades técnicas do de investimentos externos trabalhador • Barreiras alfandegárias e• Qualidade da infraestrutura controle de câmbio de TIC • Impostos, financiamentos,• Penetração de banda larga mercado de emprego, infraestrutura
  11. 11. Quem são os mais inovadores?Economist Intelligence Unit. A new ranking of the world’s most innovative countries. Ney York:The Economist, 2009.
  12. 12. Os mais inovadores (The Economist Intelligence Unit, 2009)1. Japão2. Suíça3. Finlândia4. Estados Unidos5. Suécia6. Alemanha7. Taiwan
  13. 13. Ranking dos emergentes previsão 2006 2008 2013Rússia 37 39 39Brasil 48 49 49Índia 58 56 54China 59 54 46
  14. 14. INDICADOR INTERNACIONAL 2
  15. 15. O que é a nova economia?“A maior parte dos produtos modernos exige maisconhecimento do que uma única pessoa consegueguardar. ..., mesmo o mais inteligente excêntrico ou omais competente empreendedor não sabe como fazerum computador. Ele depende de outros que entendamda tecnologia de baterias, cristais líquidos, projeto demicroprocessadores, desenvolvimento de software,metalurgia, polimento, manufatura enxuta,administração de pessoas dentre várias outrashabilidades.” (HAUSMANN et al., 2011, p. ii)
  16. 16. Quem são os principais atores na nova economia?“Empreendedores, investidores e gestores públicos desempenham um papel fundamental…” na construção de economias de maior complexidade e competitividade (HAUSMANN et al., 2011, p. iii)
  17. 17. Ranking dos melhores 2Indicadores de complexidade econômica 1. Japão 2. Alemanha 3. Suíça 4. Suécia 5. Áustria 6. Finlândia 7. Singapura
  18. 18. ICE- Ranking dos emergentes 2008 México 20 China 29 Rússia 46 Índia 51 Brasil 52
  19. 19. Ranking da Expectativa deCrescimento PIB per capita até 2020 China 1 India 2 ... México 10 ... Brasil 48 Rússia 59 Finlândia 88
  20. 20. O QUE É PRECISO FAZER?
  21. 21. FinlândiaInveste na interdisciplinaridade – Aalto University (fusão das Universidades Politécnica, de Economia e Negócios e Artes)
  22. 22. BRASILInvestir na interdisciplinaridade – Internacionalizar a formação de gestores (em temas relevantes para a inovação e competitividade) – Trabalhar as fortalezas da cultura brasileira (grande desafio da gestão) • Criatividade • Habilidade de improvisar • Habilidade de se ajustar continuamente a condições de incerteza • Alegria contagiante
  23. 23. CRIATIVIDADE DA CRIANÇA BRASILEIRA• Encontrar letras• Capacidade de comunicação
  24. 24. Que as luzes do alvorecer de uma nova erapossam alcançar aqueles que precisam nos guiarcom firmeza na construção de um País melhor.
  25. 25. Por que a Administração não está no Ciência Sem Fronteiras?• Na virada do século XIX para o XX o paradigma mudou, graças às descobertas da física quântica e seus princípios como os da incerteza de Heisenberg, ou o do entanglement, assim batizado por Schrodinger.• Nas décadas de 60, 70 e 80, a teoria do caos e da complexidade se desenvolve e áreas como a da educação começam a adotar os princípios da física quântica, da complexidade e da transdisciplinaridade (Edgar Morin; Maria Cândida Moraes; Francisco Gutierrez; Saturnino de La Torre).
  26. 26. Dependência mútua• Áreas prioritárias de C&T do governo federal não mudam há décadas• A área de administração não muda há décadas. Não incorporou os princípios da moderna teoria da complexidade, da transdisciplinaridade• Um Brasil competitivo só será atingido com cursos de administração que incorporem esses novos princípios
  27. 27. Referências• HAUSMANN, R. et al. The atlas of economic complexity: mapping the paths to prosperity. New Hampshire: Puritan Press, 2011

×