I borba

416 visualizações

Publicada em

trabalho com imagens

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
416
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

I borba

  1. 1. iBorba O projeto iBorba foi desenvolvido a partir de um briefing elaborado em uma etapa inicial de construção de um workshop do grupo de mestrandos em design estratégico da Unisinos. Sua concepção foi alinhada diretamente com a identidade do cliente, uma ONG voltada para melhorias no comportamento no traânsito. O briefing apontava para o seguinte problema: No Brasil constata-se que existem problemas comportamentais que provocam diversas situações indesejáveis como, por exemplo, no trânsito, objeto de estudo deste projeto. A ONG XYZ procurou o PPG de Design da UNISINOS no sentido de desenvolver um sistema-produto que trabalhe a seguinte questão: trânsito como veículo de contravenção. Ao final, esperavam-se proposições de concepts de projeto de design estratégico com o intuito de melhorar esta situação indesejável ligada aos comportamentos, priorizando o trânsito da cidade de Porto Alegre. O exemplo de Porto Alegre poderá, então, ser rebatido para todo o país. Com tal intenção, o grupo Alfaces, responsável pelo projeto “iBorba” passou a desenvolver pesquisas através de instrumentos do design estratégico com a intenção de ampliar a compreensão do tema e, desta forma, ter maiores subsídios para a concepção de um projeto mais completo e abrangente. Na primeira etapa de construção foi elaborada uma MATRIZ SWOT. Tal ferramenta, amplamente conhecida e utilizada em esferas de marketing e planejamento empresarial, permite aos projetistas identificar ameaças, oportunidades, forças e fraquezas não apenas do projeto, mas do contexto social, urbano e empresarial. Nesta etapa foram identificados os seguintes aspectos: SWOT
  2. 2. Fraquezas Conivência/ naturalização Jeitinho Indiferença Stress Inibição Machismo Forças Acesso à informação Conexão Conscientização Adaptabilidade Engajamento Oportunidades ONG Redes sociais Tecnologia Subvenção Leis Protestos públicos coletivos Sustentabilidade Ameaças Impunidade Infraestrutura deficiente Desigualdade Bairrismo Aceleração do tempo Censura Corrupção É essencial para a compreensão do projeto e de sua efetividade perceber que dentre as oportunidades as redes sociais, as leis e a mobilização pública surgem como um caminho para o projeto, vinculados diretamente com os aspectos de acesso à informação e engajamento destacados nas forças da matriz SWOT. Tais tópicos levantados na SWOT, permitiram a construção de um GRÁFICO DE POLARIDADES. Com este recurso tornam-se visíveis os conceitos que norteiam o projeto e cujos pólos comumente antagônicos podem sensivelmente definir opções de projeto na construção de concepts. INSERIR MATRIZ DE POLARIDADES
  3. 3. A definição de um cenário futuro contribui para a identificação de acontecimentos desejáveis, indesejáveis e dos possíveis comportamentos sociais perante tais mudanças. Com o intuito de enriquecer o concept, o instrumento de CONSTRUÇÃO DE CENÁRIOS foi utilizado na etapa seguinte do projeto. A construção partiu de um quadrante delimitado por eixos advindos das polaridades discutidas em etapa anterior. QUADRANTES DOS CENÁRIOS Em um primeiro momento, o cenário foi baseado na idéia de “Punição Severa” e uma pesquisa de imagens deu suporte à compreensão de como poderia ser este cenário futuro. Esta pesquisa de imagens e sua organização em grupos conceituais que orientaram a construção do cenário é chamada de MOODBOARD, também um instrumento metaprojetual do design estratégico.
  4. 4. MOODBOARDS
  5. 5. O resultado obtido foi explicitado através de uma breve narrativa e apresentado para o cliente da seguinte forma:
  6. 6. JORNAL Porém, projetar para um cenário de tamanho radicalismo não pareceu a solução que o grupo desejava, nem mesmo a ideal para a necessidade da ONG. Aspectos de organização e coesão do cenário foram mantidos e, como o
  7. 7. “engajamento” havia sido identificado como oportunidade anteriormente, o conceito de “recompensa” foi trazido para o desenvolvimento do c oncept. __________________________________________________________ O CONCEPT O iBorba foi idealizado para ser um sistema que dê suporte a legislação e a regulamentação de trânsito a partir do engajamento dos indivíduos que compartilham o espaço do trânsito. O conceito de comunidades criativas inspirou o grupo a buscar uma solução que alimentasse este sistema sem a intervenção de forças maiores (polícia ou justiça). O iBorba é um sistema que atrela um índice à placa de cada vaículo, identificando o comportamento do proprietário como sendo “do bem” ou “do mal”. O cidadão pode classificar qualquer veículo a partir de sua placa em um sistema disponível na internet e que funciona de forma semelhante a uma rede social. A campanha é realizada fora do contexto trânsito, porém com comportamentos gerados dentro dele. Tendo um índice positivo o proprietário e os motoristas de determinado veículo passam a gozar de vantagens como, por exemplo, prioridade em compra de ingressos para cinemas e espetáculos, acesso a área vip de aeroportos, acesso prioritário em estacionamentos de estádios, passe livre em pedágios e assistência mecânica 24 horas. Inúmeros outras vantagens são possíveis, bastando o acerto de parcerias com entidades que as proporcionem. Da mesma forma, o sistema aponta o mau motorista e, portanto, índices negativos enfrentariam barreiras na venda do automóvel, perda de descontos, entre outros. O grupo estabeleceu, apenas para efeitos de conceito de projeto, interfaces para o sistema na internet: INTERFACES INSERIR IMAGENS DO CR CODES, CAMPANHA, EXPLICAR...

×