Fundamentos das Máquinas de
Corrente Contínua
Uma simples espira girando entre faces de pólos curvos
Regra da Mão Direita
F q v B
 
Regra da Mão Direita
Espira Rotativa Entre dois Pólos Curvos
movimento
Mão Esquerda
MOTOR
primeiro vetor
= campo
movimento
primeiro vetor
= cam...
Linhas de Campo e Vista Superior
e v B l


Equações de Tensão Induzida (gerador)
F i l B
 
Tensão da Espira e Tensão Induzida
Tensão da Espira e Tensão Induzida
Obtendo uma Tensão CC da Espira Rotativa
e v B l


dc
e v B l
0ad
e
0cb
e
ba
e v B l
Tensão na Carga com Comutação
Torque Induzido em uma Espira Rotativa
0,5 m
0,3
120 V
1,0 m
0,25 T
B
r
R
V
l
B
F i l B
 
dc
F i l B

0ad
F

0cb
F

...
Ex 8-1 – Chapman 2005
A Figura mostra uma espira girando entre as faces de dois pólos curvos conectada a uma bateria
e um ...
Fundamentos das Máquinas de
Corrente Contínua
Comutação em uma máquina simples de 4 espiras
= 0o
e v B l


= 45o
e v B l


= 90o
e v B l


Diagrama dos Enrolamentos
Tensão Gerada 4 bobinas
Colocação das Bobinas do Rotor
Armaduras reais
Fundamentos das Máquinas de
Corrente Contínua
Comutação e construção da armadura em máquinas cc reais
Enrolamento Progressivo e Retrógrado
Inversão na rotação
Enrolamento Imbricado e Ondulado
Enrolamento Imbricado e Ondulado
Imbricado Simples e de Dupla Camada
Imbricado, simples, 2 pólos, progressivo
Imbricado, 4 pólos, progressivo
a m P
Imbricado, 4 pólos, progressivo [cont.]
Desgaste dos Rolamentos
Simulação
0V
V17
2.1Vdc
101.3A
V14
2.1Vdc
101.3A
R14
1m
101.3A
V24
2.1Vdc
101.3A
R27
1f
194.5A
R20
1m
101.3A
R26
1f
197.2A...
Barras de Equalização
Enrolamento Ondulado, 4 Pólos
2a m
Enrolamento Ondulado, 4 Pólos, Enrolamento
Progressivo [cont.]
2 1
C
C
y
P
Ex 2-1 – Kosow 2005
a. Uma armadura com um enrolamento tríplex é usada numa máquina com 14 pólos e 14
conjuntos de escovas...
Fundamentos das Máquinas de
Corrente Contínua
Problemas de comutação em máquinas CC reais
Problemas na Comutação
 Reação de Armadura
 Tensão de Reatância
Problemas na Comutacao (Reacao de Armadura)
Problemas na Comutação (Reação de Armadura)
 Faíscas nas
escovas e entre
segmentos dos
comutadores
 Enfraquecimento
do f...
Problemas na Comutação (Reação de Armadura)
Problemas na Comutação (Reação de Armadura)
Tensão de Reatância
 800 rpm
 50 segmentos
 0,0015 s
 667 segmentos/s
400 A kA266,66
s0,0015 s
di
dt
Tensão de Reatância
Tensão de Reatância
Tensão de Reatância
Problemas na Comutação (L di/dt)
Soluções!
 Deslocamento das Escovas
 Deslocamento do Plano Neutro depende da carga
 Aumenta (ainda mais) o Enfraquecime...
Deslocamento das Escovas
Interpólos
Qual a Polaridade que os Interpólos devem ter?
Enrolamentos de Compensação
Enrolamentos de Compensação
Fundamentos das Máquinas de
Corrente Contínua
Equações de tensão e torque induzidos em máquinas CC reais
Tensão Gerada em Máquinas CC Reais
ind
A
A
e v B l
Z v B l
E
a
Z r B l
E
a
2
2 2
P
P
P
B A
r l
A
P
B r l r l B
B A
P P
...
Torque Induzido em Máquinas CC Reais
A
cond
A
cond
A
ind
I
I
a
I
r l B
a
Z r l B I
a
2 2
2
P
ind A A
B r l r l B
B A
P P
Z...
Ex 8-3 – Chapman 2005
Uma armadura imbricada duplex é usada em uma máquina CC de 6 pólos, com seis
conjuntos de escovas, c...
Ex 8-4 – Chapman 2005
Um gerador CC de 12 polos tem enrolamento de armadura simplex ondulado
contendo 144 bobinas de 10 es...
Fundamentos das Máquinas de
Corrente Contínua
Construção das máquinas CC reais
Construção de uma Máquina CC
4000 hp, 700 V, 18 pólos, com Interpólos e
Enrolamentos de Compensação
Motor menor, 4 pólos, com Interpólos
Pólo de uma Máquina CC
Pontas dos Pólos
Chanfro ou excêntrico para
reduzir o efeito da reação de
armadura
Rotor de uma Grande Máquina CC
Detalhe do conjunto de Escovas
Fundamentos das Máquinas de
Corrente Contínua
Fluxo de potência e perdas em máquinas CC
Classes de Isolamento
0
20
40
60
80
100
120
140
160
180
A E B F H
40 40 40 40 40
60
75 80
105
1255
5
10
10
15
TemperaturaA...
Perdas em Máquinas CC
in app
P
in T L
P V I
out T L
P V I
out app
P
A A ind m
E I
ind m A A
E I
Dc machinary fundamentals
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Dc machinary fundamentals

1.106 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.106
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
44
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dc machinary fundamentals

  1. 1. Fundamentos das Máquinas de Corrente Contínua Uma simples espira girando entre faces de pólos curvos
  2. 2. Regra da Mão Direita F q v B  
  3. 3. Regra da Mão Direita
  4. 4. Espira Rotativa Entre dois Pólos Curvos movimento Mão Esquerda MOTOR primeiro vetor = campo movimento primeiro vetor = campo segundo vetor = corrente segundo vetor = corrente Mão Direita GERADOR e v B l  F i l B  
  5. 5. Linhas de Campo e Vista Superior e v B l  
  6. 6. Equações de Tensão Induzida (gerador) F i l B  
  7. 7. Tensão da Espira e Tensão Induzida
  8. 8. Tensão da Espira e Tensão Induzida
  9. 9. Obtendo uma Tensão CC da Espira Rotativa e v B l   dc e v B l 0ad e 0cb e ba e v B l
  10. 10. Tensão na Carga com Comutação
  11. 11. Torque Induzido em uma Espira Rotativa 0,5 m 0,3 120 V 1,0 m 0,25 T B r R V l B F i l B   dc F i l B  0ad F  0cb F  ba F i l B 
  12. 12. Ex 8-1 – Chapman 2005 A Figura mostra uma espira girando entre as faces de dois pólos curvos conectada a uma bateria e um resistor através de uma chave. O resistor mostrado modela a resistência da bateria e dos condutores da máquina. As dimensões físicas e características desta máquina são: a. O que acontece quando a chave é fechada? b. Qual é a corrente máxima de partida da máquina? Qual a sua velocidade sem carga? c. Suponha que uma carga seja adicionada na espira e que o torque desta carga seja 10 N-m. Qual a nova velocidade de estado estacionário? Qual a potência fornecida ao eixo desta máquina? Quanta potência está sendo fornecida pela bateria? Esta máquina é um motor ou um gerador? d. Tudo de novo com 7,5 Nm no mesmo sentido do movimento da máquina. e. Suponha agora que a máquina seja descarregada. Qual a velocidade de estado estacionário se a densidade de fluxo é reduzida para 0,20 T? r = 0,5 m L=1,0 m R = 0,3 B=0,25 T VB = 120 V
  13. 13. Fundamentos das Máquinas de Corrente Contínua Comutação em uma máquina simples de 4 espiras
  14. 14. = 0o e v B l  
  15. 15. = 45o e v B l  
  16. 16. = 90o e v B l  
  17. 17. Diagrama dos Enrolamentos
  18. 18. Tensão Gerada 4 bobinas
  19. 19. Colocação das Bobinas do Rotor
  20. 20. Armaduras reais
  21. 21. Fundamentos das Máquinas de Corrente Contínua Comutação e construção da armadura em máquinas cc reais
  22. 22. Enrolamento Progressivo e Retrógrado Inversão na rotação
  23. 23. Enrolamento Imbricado e Ondulado
  24. 24. Enrolamento Imbricado e Ondulado
  25. 25. Imbricado Simples e de Dupla Camada
  26. 26. Imbricado, simples, 2 pólos, progressivo
  27. 27. Imbricado, 4 pólos, progressivo a m P
  28. 28. Imbricado, 4 pólos, progressivo [cont.]
  29. 29. Desgaste dos Rolamentos
  30. 30. Simulação 0V V17 2.1Vdc 101.3A V14 2.1Vdc 101.3A R14 1m 101.3A V24 2.1Vdc 101.3A R27 1f 194.5A R20 1m 101.3A R26 1f 197.2A R15 1m 101.3A R9 1m 98.67A R5 1m 98.67A V10 1.9Vdc 98.67A R22 1m 101.3A V12 1.9Vdc 98.67A R17 1m 101.3A V7 1.9Vdc 98.67A R10 1m 98.67A 0 7.995V V21 2.1Vdc 101.3A R1 1m 98.67A V16 2.1Vdc 101.3A V4 1.9Vdc 98.67A R25 1 7.995AV19 2.1Vdc 101.3A V11 1.9Vdc 98.67A V23 2.1Vdc 101.3A V1 1.9Vdc 98.67A R16 1m 101.3A 7.995V V22 2.1Vdc 101.3A V5 1.9Vdc 98.67A R8 1m 98.67A R6 1m 98.67A R12 1m 98.67A R2 1m 98.67A 0V V3 1.9Vdc 98.67A V20 2.1Vdc 101.3A V6 1.9Vdc 98.67A R13 1m 101.3A R3 1m 98.67A R23 1m 101.3A R19 1m 101.3A V8 1.9Vdc 98.67A 7.995V R7 1m 98.67A V18 2.1Vdc 101.3A R21 1m 101.3A 7.995V R28 1f 8.882A V2 1.9Vdc 98.67A R11 1m 98.67A 0V V15 2.1Vdc 101.3A V9 1.9Vdc 98.67A V13 2.1Vdc 101.3A R4 1m 98.67A R24 1m 101.3A R18 1m 101.3A
  31. 31. Barras de Equalização
  32. 32. Enrolamento Ondulado, 4 Pólos 2a m
  33. 33. Enrolamento Ondulado, 4 Pólos, Enrolamento Progressivo [cont.] 2 1 C C y P
  34. 34. Ex 2-1 – Kosow 2005 a. Uma armadura com um enrolamento tríplex é usada numa máquina com 14 pólos e 14 conjuntos de escovas, cada uma abraçando três barras do comutador. Calcule o número de caminhos na armadura (42 caminhos). b. Repita a parte (a) para um enrolamento ondulado tríplex, tendo dois conjuntos de escovas e 14 pólos (6 caminhos). a m P 2a m
  35. 35. Fundamentos das Máquinas de Corrente Contínua Problemas de comutação em máquinas CC reais
  36. 36. Problemas na Comutação  Reação de Armadura  Tensão de Reatância
  37. 37. Problemas na Comutacao (Reacao de Armadura)
  38. 38. Problemas na Comutação (Reação de Armadura)  Faíscas nas escovas e entre segmentos dos comutadores  Enfraquecimento do fluxo gerador  subtensão motor  sobrevelocidade
  39. 39. Problemas na Comutação (Reação de Armadura)
  40. 40. Problemas na Comutação (Reação de Armadura)
  41. 41. Tensão de Reatância  800 rpm  50 segmentos  0,0015 s  667 segmentos/s 400 A kA266,66 s0,0015 s di dt
  42. 42. Tensão de Reatância
  43. 43. Tensão de Reatância
  44. 44. Tensão de Reatância
  45. 45. Problemas na Comutação (L di/dt)
  46. 46. Soluções!  Deslocamento das Escovas  Deslocamento do Plano Neutro depende da carga  Aumenta (ainda mais) o Enfraquecimento do Fluxo  Usada até 1910  Interpólos  São colocados diretamente sobre os condutores a serem comutados  A Reação de armadura não é afetada  Enrolamentos de Compensação
  47. 47. Deslocamento das Escovas
  48. 48. Interpólos
  49. 49. Qual a Polaridade que os Interpólos devem ter?
  50. 50. Enrolamentos de Compensação
  51. 51. Enrolamentos de Compensação
  52. 52. Fundamentos das Máquinas de Corrente Contínua Equações de tensão e torque induzidos em máquinas CC reais
  53. 53. Tensão Gerada em Máquinas CC Reais ind A A e v B l Z v B l E a Z r B l E a 2 2 2 P P P B A r l A P B r l r l B B A P P   2 2A K Z r B l Z r l B E K a a P P
  54. 54. Torque Induzido em Máquinas CC Reais A cond A cond A ind I I a I r l B a Z r l B I a 2 2 2 P ind A A B r l r l B B A P P Z P I K I a
  55. 55. Ex 8-3 – Chapman 2005 Uma armadura imbricada duplex é usada em uma máquina CC de 6 pólos, com seis conjuntos de escovas, cada uma deslizado sobre dois segmentos de comutador. Há 72 bobinas na armadura, cada uma contendo 12 espiras. O fluxo por pólo na máquina é de 0,039 Wb, a máquina rotaciona a 400 rpm. a. Quantos caminhos de corrente existem nesta máquina? (12 caminhos) b. Qual a tensão induzida na armadura? (224,6 V)
  56. 56. Ex 8-4 – Chapman 2005 Um gerador CC de 12 polos tem enrolamento de armadura simplex ondulado contendo 144 bobinas de 10 espiras cada. A resistência de cada espira é 0,011 . Seu fluxo por pólo é de 0,05 Wb e sua rotação de 200 rpm. a. Quantos caminhos de corrente existem nesta máquina? b. Qual a tensão induzida na armadura? c. Qual a resistência de armadura efetiva? d. Se um resistor de 1 k for conectado aos terminais deste gerador, qual o contra- torque induzido no eixo desta máquina?
  57. 57. Fundamentos das Máquinas de Corrente Contínua Construção das máquinas CC reais
  58. 58. Construção de uma Máquina CC
  59. 59. 4000 hp, 700 V, 18 pólos, com Interpólos e Enrolamentos de Compensação
  60. 60. Motor menor, 4 pólos, com Interpólos
  61. 61. Pólo de uma Máquina CC
  62. 62. Pontas dos Pólos Chanfro ou excêntrico para reduzir o efeito da reação de armadura
  63. 63. Rotor de uma Grande Máquina CC
  64. 64. Detalhe do conjunto de Escovas
  65. 65. Fundamentos das Máquinas de Corrente Contínua Fluxo de potência e perdas em máquinas CC
  66. 66. Classes de Isolamento 0 20 40 60 80 100 120 140 160 180 A E B F H 40 40 40 40 40 60 75 80 105 1255 5 10 10 15 TemperaturaAdmissível Classe de Isolamento Diferençaentre o ponto mais qunte e a temperatura média Elevação de Temperatura Temperatura Ambiente
  67. 67. Perdas em Máquinas CC in app P in T L P V I out T L P V I out app P A A ind m E I ind m A A E I

×