Comportamento Organizacional

1.440 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.440
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Comportamento Organizacional

  1. 1. 1 ANGÉLICA CHRISTINE T. MCAFEE - RA 351043, DÉBORA CRISTINA ARAUJO SOUSA – RA 364449, ELLEN CRISTIANE COELHO LIMA – RA 377753, SHEYLA RODRIGUES MOURA – RA 364516, VALDÊNIA DOS SANTOS R. GOMES – RA 349375 UNIVERSIDADE ANHANGUERA - UNIDERP COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Prof.ª: MARIA CRISTIANE VINHOLI DE BRITO SOBRADINHO, DF 2012
  2. 2. 2 ANGÉLICA CHRISTINE T. MCAFEE - RA 351043, DÉBORA CRISTINA ARAUJO SOUSA – RA 364449, ELLEN CRISTIANE COELHO LIMA – RA 377753, SHEYLA RODRIGUES MOURA – RA 364516, VALDÊNIA DOS SANTOS R. GOMES – RA 349375 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Trabalho de Comportamento apresentado no curso de Administração, na Universidade Anhanguera- Uniderp, Campus Sobradinho. Orientador: Prof.ª Maria Cristiane Vinholi de Brito SOBRADINHO, DF 2012
  3. 3. 3 SUMÁRIO INTRODUÇÃO.................................................................................................................4 CAPÍTULO 1....................................................................................................................5 CAPÍTULO 2....................................................................................................................7 CAPÍTULO 3....................................................................................................................8 CAPÍTULO 4....................................................................................................................9 CONCLUSÃO.................................................................................................................11 ANEXOS.........................................................................................................................12 BIBLIOGRAFIA..............................................................................................................13
  4. 4. 4 INTRODUÇÃO No século XX, durante a revolução da sociedade industrial, notou-se a necessidade de estudar o comportamento humano, pois as atividades humanas passaram a envolver mais indivíduos e maiores volumes de recursos e as organizações passaram a oferecer novos e crescentes desafios. Frederick Winslow Taylor foi o primeiro a dar notação científica aos problemas referentes às organizações de trabalho tendo em vista 3 fatores principais: 1º a divisão de tarefas, 2º movimentação e tempo necessário para realização da tarefa e 3º o estudo das máquinas necessárias para o processo produtivo e sua localização correta, com o objetivo de obter o máximo rendimento. Praticamente na mesma época surgiram as análises de Henry Fayol, que teve um enfoque oposto ao de Taylor, dando assim ênfase à estrutura organizacional da empresa. As concepções de Taylor e Fayol, chamada a escola clássica de administração de empresas, tem um foco muito simples onde o comportamento do homem frente ao trabalho é guiado unicamente pelo interesse material. Ou seja, para que o trabalhador se adapte ao trabalho - é necessário dar-lhe um incentivo, mediante aumento dos salários ou melhoria das condições de trabalho, como por exemplo, a diminuição da jornada. Entre 1927 e 1932 Elton Mayo e seus colaboradores demonstraram que a produtividade não se devia a causas materiais, mas sim às relações sociais entre a direção da empresa e os trabalhadores e, em conseqüência, à mudança entre os próprios trabalhadores. Depois de longos estudos, Mayo e sua equipe chegaram às seguintes conclusões: - o comportamento do trabalhador não é simplesmente individual; - há outras formas de motivação para o trabalho, além daquelas reconhecidas pela escola clássica; - além da organização formal, estudada racionalmente pela escola clássica, existe uma organização informal - redes de amizade, liderança pessoal, etc. - que afeta o funcionamento do grupo. Sendo assim, depois dos longos estudos que foram feitos, em 1943 surgiu a Teoria de Motivação, de Maslow, que sugeria que os seres humanos são motivados por uma hierarquia de necessidades de diferentes tipos, a saber, fisiológicas, sociais e psicológicas. Com base nisso este trabalho tem o objetivo de definir o Comportamento Organizacional (CO), compreender o contexto em que apresentam suas dimensões, os efeitos das mudanças nas organizações, identificar as principais características de uma equipe, a importância da liderança para as organizações, entender as concepções de eficiência e eficácia e a importância da comunicação para o contexto organizacional.
  5. 5. 5 CAPÍTULO 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL 1.0 Comportamento Organizacional: É um estudo influenciado por 4 (quatro) disciplinas: psicologia no âmbito individual de análise; sociologia no âmbito grupal de análise; antropologia no âmbito cultural de análise e ciência política no âmbito organizacional de análise. Esse estudo investiga o impacto que indivíduos, grupos e a estrutura têm sobre o comportamento dentro das organizações, com o propósito de utilizar esse conhecimento para promover a melhoria. O intuito desse estudo é prever, explicar e controlar o que pode acontecer em certas ocasiões. Instigando assim a criatividade e inovação e a mudança. A fim de diminuir a rotatividade, melhorar as habilidades humanas com a motivação, satisfação, aumentar a produtividade e a qualidade dos produtos e responde à globalização, ou seja, aprende/ensina a trabalhar com pessoas em diferentes culturas. Como que pessoas são identificadas? Elas são identificadas através das aptidões, interesses e personalidade. O ambiente físico precisa ser adaptado num contexto geral e é necessário respeito e confiança mútua. Com isso temos os 3 (três) fatores principais da adaptação: homem ao trabalho; trabalho ao homem e homem ao homem. O estudo do comportamento organizacional ajuda os funcionários a alcançar equilíbrio entre a vida pessoal e a profissional; ajuda a manter a competitividade global entre as organizações e melhorar o comportamento ético criando um clima agradável e saudável para que funcionários possam realizar o trabalho com eficácia e eficiência. De acordo com o estudo podemos dizer que as organizações exercem uma função considerável na vida do ser humano, pois modelam o comportamento dos respectivos membros e pode influenciar nas necessidades e motivos dos indivíduos. Elas incentivam a produtividade assim como respostas rápidas às estratégias administrativas variadas e procuram superar as pressões sociais, econômicas, culturais, tecnológicas e políticas. Mas o que seria um exemplo de estudo de comportamento organizacional? Para estudar o comportamento organizacional os administradores reúnem dados mediante observação direta, questionários, entrevistas e documentos escritos e realizam experiências de laboratórios, estudo de campo ou simulações com a finalidade de avaliar a relação entre diversos fenômenos. Exemplo: O Rapport que é a capacidade de entrar no mundo de alguém de forma que esse sinta um laço muito forte, que você o entende e assim se senti seguro. É a capacidade de sair do seu mundo e entrar no dele. O Rapport é um pré-requisito para a comunicação bem sucedida e efetiva em qualquer lugar e com qualquer um. O efeito que você cria com essa técnica precisa ser baseado em valores e princípios nobres. Cada um tem a liberdade de criar suas próprias técnicas. (RAPPORT – O ingrediente mágico por Penny Tompkins e James Lawley) 1.1 Comparação entre dois autores e suas definições de Co: De acordo com as definições dos autores: Andrew J. Dubrin (O livro comportamento humano no trabalho) e Dante Quadros E Rosi Mary Trevisan (Comportamento Organizacional) a compreensão do comportamento individual e dos grupos em situação de trabalho constitui o campo de estudo do comportamento organizacional. De modo particular investiga as questões relacionadas com liderança, poder, estrutura, processo de grupos, aprendizagem, percepção, atitude, processos de mudanças, conflito e dimensionamento de trabalho, entre outros temas que afetam os indivíduos e as equipes nas organizações.
  6. 6. 6 1.2 Sistemas Aberto E Fechado CO: SISTEMA ABERTO SISTEMA FECHADO Associação de classe Ampulheta As organizações em geral Folha de papel Horta Furador de papel Religiões (ex.: Maçons)* Aparelho de telefone Processos de avaliações Roupas Sistemas de tráfego Lápis Quadro comparativo entre sistemas Aberto e Fechado. Sistemas abertos: São os sistemas que apresentam relações de intercâmbio com o ambiente, através de entradas e saídas. Os sistemas abertos trocam matéria e energia regularmente com o meio ambiente. São eminentemente adaptativos, isto é, para sobreviverem devem reajustar-se constantemente às condições do meio. Mantêm um jogo recíproco com as forças do ambiente e a qualidade de sua estrutura é otimizada quando o conjunto de elementos do sistema se organiza, aproximando-se de uma operação adaptativa. A adaptabilidade é um contínuo processo de aprendizagem e de auto-organização. Os sistemas abertos não podem viver em isolamento. Sistemas fechados: São os sistemas que estão isolados de seu meio ambiente – cumprem o segundo princípio da termodinâmica que diz que “certa quantidade, chamada entropia, tende a aumentar a um máximo”. A conclusão é que existe uma “tendência geral dos eventos na natureza física em direção a um estado de máxima desordem”. * Considerado um sistema aberto, pois com as mudanças mundiais passaram a aceitar a participação de mulheres em seus rituais.
  7. 7. 7 CAPÍTULO 2 INOVAÇÃO 2.0 Pesquisa sobre inovação: Uma pesquisa sobre inovação foi aplicada a 20 (vinte) pessoas. Com as respostas constatamos que: - 35% das pessoas acham que o Brasil é inovador; - 5% acham que pessoas inovadoras ou idéias inovadoras são adquiridas naturalmente e 30% por ensinos, os 65% restantes acham que é aprendido por ensinos e naturalmente; - 95% acreditam que existem vários tipos de inovação; - 100% acham que a inovação tem impacto positivo sobre uma organização; - 95% acham que tem impacto positivo sobre o produto; - 100% das pessoas acreditam que inovação é importante, pois trás competitividade, qualidade, adequação ao mercado, desenvolvimento dos produtos e economicidade dos custos operacionais, qualificação de mão-de-obra, retorno lucrativo e pode criar novos empregos. Para finalizar a pesquisa perguntamos a opinião das pessoas sobre a inovação nas organizações. As respostas obtidas foram que: - O Brasil ainda precisa melhorar, pois tudo o que vivemos hoje é a prova de que o que era pensado ser impossível no passado, tratando-se de investimentos torna-se uma realidade possível; - a inovação vem se superando, trazendo grandes sucessos; - é importante, pois quanto mais inovação melhor será para as empresas para atrair novos clientes e ter boa competitividade; - é necessário para o crescimento e desenvolvimento econômico e comercial de qualquer organização; - é um grande passo para a evolução no ambiente de trabalho facilitando assim o trabalho e aumentando a satisfação do empregador; - é a inovação que faz com que o cliente goste do produto ou serviço. 2.1 Inovações Organizacionais e a falta de condição para a inovação tecnológica no Brasil: Inovação do produto é a introdução de um bem ou serviço, por um melhor em relação à suas características iniciais. Inovações afetam a forma de fazer ou de organizar, tanto do processo produtivo como das atividades complementares. Pode ser efetuado através da renovação das máquinas e equipamentos para aumentar o desempenho, podendo também passar pela reorganização da cadeia produtiva, a descentralização e subcontratação de algumas tarefas do processo produtivo. A Inovação organizacional aplica-se ao desenvolvimento de novas tecnologias para a criação de novos produtos e serviços. As inovações garantem constante mudança, servindo igualmente como forma competitiva, benefícios para a empresa, como exemplo a satisfação de clientes e empregados, capacidade de transferir conhecimentos e solucionar problemas de forma criativa e inovadora.
  8. 8. 8 CAPÍTULO 3 EQUIPE 3.0 Grupos e Equipes: Um grupo é formado por pessoas que se consideram integrantes de uma determinada unidade, que se relacionam e comungam das mesmas disposições e valores, possuindo uma identidade coletiva compartilhada. Na equipe as coisas são um tanto diferentes, os membros estão voltados para os mesmos objetivos com papéis e funções bem definidas, existe uma transparência muito grande entre todos. Cada um sabe o que o outro pensa e sente sobre os assuntos do trabalho, mas tudo de forma muito construtiva! Além disso, o nível de colaboração é ótimo, trabalham realmente em um time. Cada um pode contar com o outro que espontaneamente e com prazer se dispõe a dar o apoio e ajuda quando necessário. Ou seja, toda equipe é um grupo, mas nem todo grupo é uma equipe. E é exatamente que fala o texto “Trabalho em equipe uma vantagem competitiva”. Toda equipe precisa de um líder para orientar, mostrar os caminhos e gerar os resultados. Ele não deve ter apenas conhecimento técnico, mas também, ter carisma, humildade, sinceridade, ser preocupado e compreensivo. O líder deve ser um modelo. Equipes vencedoras são formadas por pessoas que não pensam somente em sua vitória pessoal, mas sim, no todo: são envolvidas na equipe, resgatam valores como união, respeito, cooperação, participação, envolvimento e comprometimento. Numa equipe todos entendem que os resultados são mérito de todos. A sobrevivência de uma empresa depende do conceito que cada organização tem de união e como ela vai passar isso aos seus colaboradores. As mudanças são necessárias para revitalizar a gestão da liderança e o comportamento humano no ambiente de trabalho. Saber lidar com as ocorrências emergenciais e imprevisíveis que geram instabilidade ao plano de mudança é a chave para atingir bons resultados nas tentativas de adequar o comportamento humano aos grandes desafios organizacionais. Sendo assim, podemos entender pela imagem disponibilizada nos anexos que as pessoas ali reunidas não trabalhavam necessariamente como uma equipe, e sim como um grupo pois não tinha desde o início do trabalho a mesma visão e perspectiva.
  9. 9. 9 CAPÍTULO 4 EFICIÊNCIA, EFICÁCIA E A COMUNICAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES 4.0 Comunicações Empresariais e Organizacionais: A Comunicação é um fato nas Organizações, ou seja, não existe nenhuma organização sem uma prática comunicativa, ainda que os processos comunicativos não sejam institucionalizados, eles são essenciais para a operação da entidade. Compreender o comportamento de uma organização é um desafio necessário nos dias atuais. Da mesma forma que cada ser humano tem uma personalidade que se forma ao longo do seu desenvolvimento e que se expressa através de seus comportamentos. Muitas são as variáveis que se trabalhadas garantem diferenciação à empresa duas delas é a capacidade empresarial de mudanças e a capacidade lógica e racional de planejamento estratégico, onde se inclui atividade, produtos, serviços e pessoa, evidentemente. Uma empresa não se constrói apenas de números, produção balanços e patrimônio, são dados tangíveis, mais do que isso uma organização se forma a partir dos líderes que a conduzem, das pessoas que lá trabalham, dos comportamentos explícitos, e implícitos, das normas, políticas, missão, visão, valores e princípios organizacionais, que representam os fatores intangíveis. Entender essas dinâmicas requer percepção, visão, e sagacidade. Percepção: De acordo com Geraldo R. Caravantes, Cláudia B. Caravantes e Mônica C. Kloeckner percepção nada mais é que as imagens, as descrições interiores, a nossa maneira de “fotografar” e interpretar mundo que nos cerca. A percepção não é obtida a partir das coisas que nos cercam e sim vêm de nós mesmos. È a forma de perceber de acordo com as nossas experiências já vividas, nossos pressupostos, e nossos fins, ou seja, da nossa necessidade. A percepção não é algo que muda simplesmente porque alguém nos diz ser errada, a percepção só é mudada quando a própria pessoa acha interessante. Sendo assim a percepção de cada indivíduo é diferente e a comunicação só será possível a partir do momento que dois indivíduos, ou mais, têm aspectos e percepções parecidas, ou ao menos alguns em comum. Na percepção o indivíduo é levado, de uma forma natural, a organizar ou a estruturar os diferentes elementos que aparecem no seu campo de estimulações. Eficiência e Eficácia: Conceitos distintos, porém interligados Na Administração, existem dois conceitos que são considerados iguais para maioria das pessoas, mas que possuem significados completamente distintos: eficiência e eficácia. São através dessas definições que podemos concluir se uma determinada organização está desempenhando seu papel com sucesso ou se há algo que deve ser transformado. Um gerente eficiente é aquele que realiza uma tarefa da melhor forma possível. Já a eficácia é a capacidade de fazer aquilo que é preciso, que é certo para se alcançar determinado objetivo. A eficiência envolve a forma com que uma atividade é feita, enquanto a eficácia se refere ao resultado da mesma. Uma atividade pode ser desempenhada com eficácia, porém sem eficiência, e vice-versa. Uma organização consegue atingir plenamente seus objetivos quando as tarefas que a mesma tem a desempenhar são realizadas com eficiência. Fazer a coisa certa de forma certa é a melhor definição de trabalho eficiente e eficaz. O ser humano é, em essência, o determinante do sucesso ou fracasso organizacional, pois é através de sua competência e suas atitudes que as empresas criam diferenciais que lhes concede vantagem competitiva. É o homem que com seu talento e potencial sua diversidade e sua motivação faz com que as empresas desenvolvam seus planejamentos, programem suas estratégias e consiga atingir seus objetivos. Para compreender as pessoas, primeiro precisamos entender a
  10. 10. 10 formação da personalidade de cada indivíduo. A personalidade do indivíduo é o resultante de sua formação e história e isto nos permite concluir que não existem duas pessoas iguais, pois não existem duas trajetórias idênticas, por isso, cada um é único, indivisível e singular, desde sua concepção.
  11. 11. 11 CONCLUSÃO O Brasil é um país de empreendedores, porem vários fatores fazem com que a maioria das empresas durem menos de 5 (cinco) anos. Um dos fatores responsáveis pela falência das organizações é a burocracia. De acordo com a pesquisa sobre inovação concluiu-se que o impacto nas organizações pode ser positivo trazendo assim mais clientes, harmonia no ambiente de trabalho, maior produção e também competitividade. Em um contexto geral pode-se perceber que todos acham a inovação importante, pois é um sinal de crescimento. Porem, segundo Collins (2011) a inovação pode ser fator destrutivo das organizações, pois ela não caminha sozinha. Para realmente ter fazer a diferença é necessária a combinação de disciplina e criatividade. Sendo assim a inovação caminha junto com a arte de liderar, e liderar o processo de inovação é o uso da capacidade de adaptação do contexto ao ambiente externo à organização. Essas adaptações precisam manter-se de acordo com as mudanças que surgem durante as gerações. Peter Drucker, considerado o pai da administração moderna disse que o bom líder não é aquele que passa horas em seu gabinete tratando de papéis e sim aquele que separa um tempo para visitar outras organizações para saber o que está acontecendo fora do seu ambiente. Sendo assim percebe-se que alguns dos erros, freqüentemente, acometidos no planejamento da mudança relacionam-se com a capacidade do líder de influenciar as pessoas, suas competências nas negociações e a sua capacidade pró-ativa em antecipar possíveis ameaças na mudança. Na formação de liderança nos grupos organizados, os líderes devem facilitar o caminho para que os objetivos comuns sejam atingidos de forma eficiente. A liderança é uma capacidade que pode ser desenvolvida pelas pessoas. Concluímos então que, precisa-se avaliar o ramo que deseja seguir no empreendedorismo, planejar, inovar, ter disciplina, criatividade, ética nos relacionamentos, tanto organizacional quanto com clientes e funcionários, é preciso moral, no sentido de acompanhar os tempos históricos e saber mudar de acordo e claro inovar. Mas há a necessidade de ter um equilíbrio entre a vida pessoal e profissional para que uma não afete a outra de formas negativas. Até mesmo na hora da inovação é necessário equilíbrio, pois com excesso pode não triunfar.
  12. 12. 12 ANEXO 1 - PESQUISA SOBRE INOVAÇÃO NOME: ____________________ IDADE:____________________ PROFISSÃO:________________ 1. Você acha que o Brasil é um país inovador? ( ) SIM ( ) NÃO 2. Como uma pessoa ou idéia inovadora aparece? ( ) NATURALMENTE ( ) POR ENSINOS ( ) AS DUAS ALTERNATIVAS ACIMA 3. Você concorda que podem existir vários tipos de inovação? ( ) SIM ( ) Não 4. Você acredita que a inovação tem impacto positivo sobre uma organização? ( ) SIM ( ) Não 5. E sobre o produto? ( ) SIM ( ) NÃO 6. Você acredita que inovação é importante? ( ) SIM ( ) NÃO ( )Por quê? __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ 7. Qual a sua opinião sobre a inovação nas organizações? __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________
  13. 13. 13 BIBLIOGRAFIA Caravantes G., Caravantes C. e Kloeckner M. (Comunicação e Comportamento Organizacional) – 3ª Edição, 7ª Impressão, Porto Alegre, 2012 Sampaio K. (Comportamento Organizacional- Princípios) – disponível em <http://www.administradores.com.br/informe- se/artigos/comportamentoorganizacionalprincipios/13911/>. Acesso em: 19 set. 2011. ___. Inovação Organizacional - Disponível em: <http://www.administradores.com.br/informe-se/artigos/inovacao organizacional/24882/>. Acesso em: 19 set. 2011 ___. Faltam condições para inovação tecnológica nas empresas Brasileiras - Disponível em: <http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=010175070518> Acesso em: 19 set. 2011. ___. Trabalho em Equipe: Uma Vantagem Competitiva - Disponível em: <http://www.supertextos.com/texto/Trabalho_Em_Equipe_Uma_Vantagem_Competitiva/ 4484>. Acessado em: 19 set. 2011. ___. A liderança no meio ambiente de trabalho: por que fracassam os planos de mudança? - Disponível em: <http://www.rh.com.br/Portal/Lideranca/Artigo/4430/a-lideranca-no-ambiente-detrabalhopor- que-fracassam-os-planos-de-mudanca.html>. Acesso em: 19 set. 2011. ___. Leis da Percepção - Disponível em: <http://www.notapositiva.com/trab_professores/textos_apoio/psicologia/leispercepcao.html>. Acesso em: 19 set. 2011 ___. Comunicação Empresarial versus comunicação organizacional: novos desafios teóricos - Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rap/v40n6/10.pdf>. Acesso em: 19 set. 2011. ___. Comunicação Empresarial, uma ferramenta estratégica. – Disponível em: <http://www.bocc.uff.br/pag/pessoa-sonia-comunicacao-empresarial-estrategica.pdf> Acesso em: 19 set. 2011 ___. Elementos da Comunicação e suas formas de planejamento - Disponível em: <http://sare.unianhanguera.edu.br/index.php/anudo/article/view/1594/754>. Acesso em: 19 set. 2011. ___. Eficiência e Eficácia: conceitos distintos, porém interligados - Disponível em: <http://www.administradores.com.br/informe-se/artigos/eficiencia-e- eficaciaconceitosdistintos-porem-interligados/11978/>. Acesso em: 19 set. 2011. ___. Comportamento Organizacional - Disponível em: <http://www.fae.edu/publicacoes/pdf/cap_humano/1.pdf>. Acesso em: 19 set. 2011 ___. Comportamento Organizacional - Disponível em: <http://www.webartigos.com/articles/44374/1/ComportamentoOrganizacional/pagina1.html>. Acesso em: 19 set. 2011.

×