PROJETO ALFATEC
Formação Continuada de Docentes Alfabetizadores Mediada
pelas Tecnologias da Informação e da Comunicação
C...
PROJETO ALFATEC
Formação Continuada de Docentes Alfabetizadores Mediada
pelas Tecnologias da Informação e da Comunicação
C...
PROJETO ALFATEC
Formação Continuada de Docentes Alfabetizadores Mediada
pelas Tecnologias da Informação e da Comunicação
C...
PROJETO ALFATEC
Formação Continuada de Docentes Alfabetizadores Mediada
pelas Tecnologias da Informação e da Comunicação
C...
PROJETO ALFATEC
Formação Continuada de Docentes Alfabetizadores Mediada
pelas Tecnologias da Informação e da Comunicação
C...
PROJETO ALFATEC
Formação Continuada de Docentes Alfabetizadores Mediada
pelas Tecnologias da Informação e da Comunicação
C...
PROJETO ALFATEC
Formação Continuada de Docentes Alfabetizadores Mediada
pelas Tecnologias da Informação e da Comunicação
C...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aquisicao da ortografia

1.641 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.641
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
86
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aquisicao da ortografia

  1. 1. PROJETO ALFATEC Formação Continuada de Docentes Alfabetizadores Mediada pelas Tecnologias da Informação e da Comunicação CURSO UPCA Uso Pedagógico do Computador na Alfabetização Angela Freire Aquisição da Ortografia Uma criança é considerada alfabética quando descobre que nossa escrita tem relação com a fala. Ela começa entender os princípios do sistema alfabético quando ela percebe que a escrita pode ser oralizada e que escrevemos “tudo” que oralizamos. A partir daí, a criança começa a tentar descobrir as regras do sistema e, inicialmente, tenta representar cada sílaba oralizada, percebendo depois que deve tentar apenas representar não apenas os segmentos silábicos, mas as unidades menores, os fonemas. Exemplo: ela ouve e fala gato e escreve gatu; ela ouve e fala casa e escreve caza. A ortografia cumpre a função de, através da normatização das formas gráficas, facilitar a comunicação entre as pessoas. As normas ortográficas não são naturais, mas estabelecidas por convenção social. Daí a grande dificuldade enfrentada pelos escritores iniciantes na composição de seus textos. A criança terá que, em seu aprendizado, reconstruir esta convenção. Todas as regras ortográficas são fruto de uma convenção social, de um acordo estabelecido pelos especialistas cujo objetivo é padronizar a escrita. O ensino da ortografia deve ter início assim que o aluno começa a entender o sistema de escrita alfabética - de preferência ainda no 1º ano do Ensino Fundamental. Isto é, quando tiver aprendido o valor sonoro das letras e já puder ler e escrever pequenos textos. Desta forma, o aprendizado da ortografia parece ocorrer de forma gradual, seguindo uma sequência evolutiva. Idéias sobre a aprendizagem da ortografia: 1. Aprende-se ortografia treinando as palavras corretas. Concepção: aprende-se ortografia através da memorização que se dá na repetição da grafia convencional das palavras. Foco: treinamento, memorização e repetição das palavras corretas.
  2. 2. PROJETO ALFATEC Formação Continuada de Docentes Alfabetizadores Mediada pelas Tecnologias da Informação e da Comunicação CURSO UPCA Uso Pedagógico do Computador na Alfabetização Angela Freire 2. Aprende-se ortografia lendo muito. Concepção: aprende-se ortografia através da exposição repetida da grafia correta, essa exposição se dá naturalmente em atividades contínuas de leitura. Foco: repetição e exposição contínua de leitura. Exemplo: estudo de listas de palavras para ditado ou cópia correta dos erros cometidos. Erro: algo que precisa ser rapidamente superado. Nesta atividade: a criança não é solicitada a pensar o porquê da grafia correta. 3. Aprende-se ortografia analisando os tipos de erros, neste sentido, a criança se apóia em informações e hipóteses. Tais erros refletem a lógica por ela utilizada e o desconhecimento de princípios ortográficos específicos. Nesta atividade: a criança é solicitada a pensar o porquê da grafia correta. Erro: são reflexos não apenas do que a criança não sabe, mas também do ela já sabe sobre o sistema utilizado; fonte importante de conhecimento dos processos de aquisição da língua escrita. Foco: reflexão das atividades e tomada de consciência dos princípios básicos do sistema. A convenção que unifica a escrita das palavras em Língua Portuguesa exige algum esforço para ser compreendida. Observe abaixo os casos mais frequentes, seguidos de exemplos práticos. Regulares — São as palavras cuja grafia podemos prever e escrever, mesmo sem conhecê-las, porque existe um "princípio gerativo", regra que se aplica à maioria das palavras da nossa língua. As correspondências regulares podem ser de três tipos: 1) Diretas — Inclui a grafia de palavras com p, b, t, d, f e v (exemplo: pato, bode ou fivela). Não há outra letra competindo com elas, mas é comum a criança ter dificuldade para usá-las por causa do pouco conhecimento da pronúncia. 2) Contextuais — A "disputa" entre o r e o rr é o melhor exemplo desse tipo de correspondência. A grafia que devemos memorizar varia em função do som da letra. Por exemplo: para o som do "r forte", usamos r tanto no início da palavra
  3. 3. PROJETO ALFATEC Formação Continuada de Docentes Alfabetizadores Mediada pelas Tecnologias da Informação e da Comunicação CURSO UPCA Uso Pedagógico do Computador na Alfabetização Angela Freire (risada), como no começo de sílabas precedidas de consoante (genro). Quando o mesmo som de "r forte" aparece entre vogais, sabemos que temos que usar rr (carro, serrote). E, quando queremos registrar o outro som do r, que alguns chamam de "brando", usamos só um r, como em careca e braço. Essa variedade explica por que, a princípio, as crianças têm tanta dificuldade. 3) Morfológico-gramaticais — Nesse caso são os aspectos ligados à categoria gramatical da palavra que estabelecem a regra com base na qual ela será escrita. Por exemplo: adjetivos que indicam o lugar onde a pessoa nasceu se escrevem com esa (francesa, portuguesa), enquanto substantivos derivados se escrevem com eza (certeza, de certo; avareza, de avaro). Na maioria dos casos essas regras envolvem morfemas (partes internas que compõem a palavra), sobretudo sufixos que indicam a família gramatical. Irregulares — Não há regras que ajudem o estudante a escrever corretamente. A única saída é memorizar a grafia ou recorrer ao dicionário. Elas se concentram principalmente na escrita: • do som do s (seguro, cidade, auxílio); • do som do j (girafa, jiló); • do som do z (zebu, casa); • do som do x (enxada, enchente); • o emprego do h inicial (hora, harpa); • a disputa entre e, i , o e u em sílabas átonas que não estão no final de palavras (seguro, tamborim); • ditongos que têm pronúncia "reduzida" (caixa, madeira, vassoura etc.). Os erros ortográficos que aparecem comumente no texto das crianças principalmente nas primeiras séries do Ensino Fundamental, onde as crianças se encontram numa fase de transição da escrita alfabética para uma escrita ortográfica, podem ser assim classificados: a) Troca entre letras com sons foneticamente semelhantes – a criança troca letras que possuem alguma semelhança fonética. As trocas mais comuns são os fonemas sonoros (/b/,/d/,/g/,/v/) pelos surdos (/p/,/t/,/k/,/f/). Exs: chocolade (chocolate), era uma fez (era uma vez), laco (lago).
  4. 4. PROJETO ALFATEC Formação Continuada de Docentes Alfabetizadores Mediada pelas Tecnologias da Informação e da Comunicação CURSO UPCA Uso Pedagógico do Computador na Alfabetização Angela Freire b) Dificuldade no uso de marcadores de nasalização – a criança pode omitir, trocar ou usar de modo não-convencional os marcadores da nasalização. Exs: criaças (crianças), bamho (banho), demte (dente). c) Dificuldade com as regularidades contextuais – a criança ao escrever não leva em consideração o contexto, ou seja, a posição da letra na palavra, para escolher a letra ou dígrafo que representem o fonema que quer escrever. Exs: coragosa (corajosa), pasear (passear), serreias (sereias). d) Dificuldade na escrita das regularidades morfossintáticas – a criança erra por não levar em consideração os aspectos morfossintáticos da língua que regem a grafia da palavra. Exs: acharão (acharam), falace (falasse). e) Dificuldade na marcação de acentos gráficos – a criança omite o acento gráfico ou acentua a palavra de forma indevida. Exs: nao (não), la (lá), historia (história). f) Dificuldade na escrita de sílabas complexas – a criança encontra dificuldade na escrita de mais sílabas complexas, ou seja, daquelas que fogem do padrão consoante-vogal (CV). Esta dificuldade pode aumentar no caso de encontros consonantais, dígrafos ou sílabas travadas. Exs: sempe (sempre), bincando (brincando), melor (melhor). g) Erros de Segmentação – A criança pode agrupar as palavras indevidamente (hipossegmentação) ou desmembrar as palavras em dois ou mais segmentos (hipersegmentação). Exs: sichamava (se chamava), em controu (encontrou), nafloresta (na floresta). h) Modificações na palavra – a criança omite, adiciona ou desloca letras, dificultando a compreensão da palavra. Exs: espe (sempre), emtarro (entraram). i) Erros por referência à fala – nas hipóteses iniciais da criança acerca da relação entre a língua falada e a língua escrita, as relações entre as letras e fonemas são concebidas de maneira biunívoca. Sendo assim, a criança erra ao tentar reproduzir em sua escrita a palavra da mesma forma como esta é pronunciada, fazendo uso da hipótese da regularidade de natureza biunívoca entre fonemas e letras. Ex: veis (vez), mininas (meninas), ispanto (espanto).
  5. 5. PROJETO ALFATEC Formação Continuada de Docentes Alfabetizadores Mediada pelas Tecnologias da Informação e da Comunicação CURSO UPCA Uso Pedagógico do Computador na Alfabetização Angela Freire j) Dificuldade na escrita das irregularidades da língua - a motivação para a escrita destas palavras está ligada à sua origem, envolvendo, portanto alguma forma de memorização. A criança erra por optar por uma letra que não é a forma convencional de grafar a palavra, embora seja uma escolha possível entre as representações disponíveis na língua para o fonema que pretende grafar. Exs: ora (hora), comesou (começou). l) Erros por hipercorreção – ao compreender cada vez mais a distinção entre língua falada e língua escrita bem como abandona o ideal de uma regularidade absoluta na correspondência entre letra e som, a criança começa a se corrigir. Neste processo, a criança pode fazer generalizações indevidas para contextos onde certa regra não deveria ser empregada. Exs: resistio (resistiu), paes (pais), does (dois). m) Troca de letras por semelhanças na grafia – a criança troca uma letra por outra que possui semelhança na grafia. Exs: mome (nome), geriam (queria). n) Omissão de letra – a criança omite uma letra, sem motivo aparente. Exs: dis (disse), digitalido (digitalizado). É papel do professor ajudar a criança refletir sobre os erros ortográficos. Só assim ela internaliza as regras, que, por serem aparentemente complexas, vão desafiá-la por toda a vida. Quem não cria oportunidades de reflexão sobre as dificuldades ortográficas do idioma não pode nunca exigir que o aluno escreva certo. O desafio maior do professor é elaborar situações didáticas que permitam à turma compreender as conexões entre a língua e a ortografia. COMO TRABALHAR ORTOGRAFIA NOS PRIMEIROS ANOS DE ESCOLARIDADE • Proponha a observação de um grupo de palavras - em atividades diversas - para que os alunos observem se há regularidades em sua escrita. • Depois, a turma discute o que observou e encontra uma maneira de explicá-las. • Com a explicitação das regras feita coletivamente, é hora de registrá-las por escrito, para que todos possam consultá-las quando necessário.
  6. 6. PROJETO ALFATEC Formação Continuada de Docentes Alfabetizadores Mediada pelas Tecnologias da Informação e da Comunicação CURSO UPCA Uso Pedagógico do Computador na Alfabetização Angela Freire • Nessa perspectiva, as regras ortográficas são “elaboradas” pela própria turma, já que é ela que determina o que há de comum entre as palavras observadas e de que maneira transformar o observado em uma sentença a ser registrada. • Em ditados, releituras ou reescritas, a ideia é que o professor chame a atenção dos alunos para as palavras que julga constituir “desafios ortográficos”, interrompendo a atividade para discussões coletivas sobre a grafia dessas palavras. • Encontrar em revistas e jornais palavras que se encaixem em grupos com uma determinada característica ortográfica. • Propostas jogos em que as crianças devem relacionar cartelas com palavras que sigam a mesma regra ortográfica (“carro”, “sorriso” e “espirro”, ou “careta” e “clarão”). • Propor a escrita propositalmente errada de palavras cuja ortografia siga uma regularidade: para fazê-lo, a criança precisa conhecer a grafia correta. • No ensino das palavras irregulares, o princípio é diferente, já que sua grafia não se orienta por regra alguma. Nesses casos, não há muito o que compreender, é preciso memorizar. • Consultar modelos - locais onde sabemos que determinada palavra está escrita da maneira correta - e usar o dicionário (que envolve conhecer a forma como as palavras estão nele organizadas e como procurar um termo flexionado, por exemplo). • Combinar com a turma a produção de uma pequena lista de palavras de uso frequente que eles devem memorizar para não mais errar. • Estimular o uso de dicionário como material de consulta. O aluno poderá tirar suas dúvidas ortográficas de uma forma mais autônoma. Promover o estudo da ortografia é muito mais do que ensinar um conjunto de regras que visam à descrição da língua de acordo com a norma-padrão. As tarefas voltadas para a compreensão da ortografia devem ser, antes de tudo, atividades de reflexão sobre a língua em suas duas modalidades: escrita e falada. É no estudo sobre as relações entre o "como se fala" e o "como se escreve" que o aluno percebe as diferenças entre os dois códigos, compreende as convenções do registro escrito. Os especialistas são unânimes em dizer que é desnecessário separar um tempo específico para trabalhar a ortografia na escola, mesmo em turmas já alfabetizadas.
  7. 7. PROJETO ALFATEC Formação Continuada de Docentes Alfabetizadores Mediada pelas Tecnologias da Informação e da Comunicação CURSO UPCA Uso Pedagógico do Computador na Alfabetização Angela Freire As regras devem ser objeto de reflexão e discussão somente durante atividades de reescrita e de revisão de texto que estarão previstas no planejamento. A criança ao aprender a escrever terá que refletir sobre a língua escrita a fim de compreender seus diferentes aspectos: fonológicos, morfológicos, sintáticos, semânticos e pragmáticos. Aos poucos a criança irá perceber que não podemos escrever exatamente da mesma forma que as palavras são pronunciadas, o que a fará refletir sobre as irregularidades da Língua Portuguesa. Ainda existem várias dúvidas a respeito de como tratar o ensino e a aprendizagem da ortografia da Língua Portuguesa. Porém, é importante ressaltar que o ensino da ortografia não deve estar dissociado da leitura e produção de textos. Isto porque ao ler e ao escrever seus textos, a criança estará utilizando de forma significativa a ortografia e compreendendo claramente uma das principais funções da ortografia: facilitar a comunicação por meio da normatização da grafia. Este ensino também precisa ser sistematizado de acordo com os objetivos que se deseja alcançar com determinado grupo de alunos. Portanto, um maior conhecimento sobre como se estrutura o sistema ortográfico da Língua Portuguesa se faz necessário, a fim de entender melhor os progressos e dificuldades que as crianças enfrentam nessa fase. Referência MORAIS, Arthur Gomes. Ortografia: Ensinar e Aprender. São Paulo: Ática, 1998.

×