Insuficiência respiratoria

24.193 visualizações

Publicada em

Aula para o Núcleo de Educação Permanente, Hospital Meridional

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Insuficiência respiratoria

  1. 1. Diagnóstico e Manejo da Insuficiência Respiratória Aguda ® Pablo Braga Gusman, MD, MSc, PhD Núcleo de Educação Permanente Hospital Meridional
  2. 2. Objetivos <ul><li>Definir e classificar Ins Resp Aguda </li></ul><ul><li>Descrever patofisiologia da Ins Resp Aguda </li></ul><ul><li>Discustir manifestações clínicas </li></ul><ul><li>Revisar estratégias de suplementaçao de oxigênio </li></ul><ul><li>Discutir sobre ventilação não - invasiva sob pressão positiva </li></ul>®
  3. 3. Introdução <ul><li>Insuficiência Respiratória Grave </li></ul><ul><ul><ul><li>“ Falência de qualquer setor fisiológico responsável pela troca gasosa, oxigênio e gás carbônico, entre o meio ambiente e a intimidade tissular.” </li></ul></ul></ul><ul><li>Diagnóstico </li></ul><ul><ul><ul><li>PaO 2 < 5o mmHg com SatO 2 < 90% e/ou </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>PaCO 2 > 50 mmHg (com um pH < 7,35) </li></ul></ul></ul><ul><li>Estudos Clínicos (LPA/SDRA; DPOC e EAP) </li></ul><ul><li>Manifestações Clínicas </li></ul><ul><li>Classificação </li></ul><ul><li>Abordagem Terapêutica </li></ul>
  4. 4. Insuficiência Respiratória Aguda <ul><li>Hipoxêmica </li></ul><ul><ul><li>PaO 2  50 mmHg em ar ambiente </li></ul></ul><ul><li>Hipercapnia </li></ul><ul><ul><li>PaCO 2  50 mmHg </li></ul></ul><ul><li>Aguda vs crônica </li></ul>–
  5. 5. Fisiopatologia da Hipoxemia <ul><li>Alteração Ventilação / Perfussão </li></ul><ul><li>Efeito Shunt </li></ul><ul><li>Diminuição da difusão de O 2 </li></ul><ul><li>Hipoventilação Alveolar </li></ul><ul><li>Altas altitudes (No drink, no eat, no fuck) </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Diminuição do volume corrente e/ou frequência respiratória </li></ul><ul><li>Inabilidade para detecção de PaCO 2 elevado </li></ul><ul><li>Inabilidade para deflagrar mecanismos efetores </li></ul><ul><li>Inabilidade para desencadear respostas dos músculos respiratórios </li></ul>Fisiopatologia da Hipoxemia
  7. 7. Aumento do Espaço Morto <ul><li>Hipovolemia </li></ul><ul><li>Queda do Débito Cardíaco </li></ul><ul><li>Embolia pulmonar </li></ul><ul><li>Altas pressões das vias aéreas </li></ul>
  8. 8. Manifestações da Insuficiência Respiratória ®
  9. 9. Manifestações da Insuficiência Respiratória ®
  10. 10. Insuficiência Respiratória
  11. 12. Classificação Anatômica <ul><ul><li>SNC </li></ul></ul><ul><ul><li>Sistema Neuromuscular </li></ul></ul><ul><ul><li>Via Aérea Superior </li></ul></ul><ul><ul><li>Via Aérea Inferior </li></ul></ul><ul><ul><li>Pleura </li></ul></ul><ul><ul><li>Caixa Torácica </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Caixa Torácica </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Conteúdo Abdominal </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Parênquima </li></ul></ul>
  12. 13. Tratamento da I.R. Hipoxêmica <ul><li>Qual é o </li></ul><ul><li>principal </li></ul><ul><li>objetivo </li></ul><ul><li>terapêutico </li></ul><ul><li>na I.R. </li></ul><ul><li>Hipoxêmica? </li></ul>PaO2  PaCO2  ou normal IRpA com déficit de oxigenação Raio X Tórax Pneumonia Edema Normal Cardiogênico SDRA TEP? IOT + VM + PEEP
  13. 14. Tratamento da I.R. Hipercápnica <ul><li>Qual é o </li></ul><ul><li>principal </li></ul><ul><li>objetivo </li></ul><ul><li>terapêutico </li></ul><ul><li>na I.R. </li></ul><ul><li>Hipercápnica? </li></ul>PaO2  PaCO2  IRpA Ventilatória Doença neuromuscular DPOC Obstrução das vias aéreas Alterações da parede torácica VMNI BiPAP ou PSV com máscara IOT + VM
  14. 15. Manejo da Ins Resp Aguda <ul><li>Suplementação com Oxigênio </li></ul><ul><ul><li>Aumento da F IO 2 </li></ul></ul><ul><ul><li>Concordância entre fluxo ofertado e demanda inspiratória </li></ul></ul><ul><ul><li>Sistemas de alta vs. baixa oferta de oxigênio </li></ul></ul><ul><ul><li>Sistemas de alto vs. baixo fluxo </li></ul></ul>®
  15. 16. Cânula Nasal <ul><li>Oferta de 100% oxigênio </li></ul><ul><li>Baixo fluxo </li></ul><ul><ul><li><0.5–5.0 L/min </li></ul></ul><ul><li>Baixo oxigênio </li></ul><ul><ul><li>F IO 2 <0.4–0.5 </li></ul></ul>
  16. 17. Máscara facial com controle de fornecimento de oxigênio <ul><li>Oferta de 100% de O 2 </li></ul><ul><li>Alto fluxo </li></ul><ul><li>Oxigênio variável </li></ul><ul><ul><li>F IO 2 0.24–0.5 </li></ul></ul>
  17. 18. Máscara facial aerosol <ul><li>Oferta de 100% O 2 em tubo corrugado </li></ul><ul><li>Blender com nebulizador / O 2 </li></ul><ul><li>Fluxo variável </li></ul><ul><ul><li>Se mistura disaparece na inspiração, ar insuficiente </li></ul></ul><ul><li>Fluxo Moderado, F IO 2 variável </li></ul>
  18. 19. Máscara facial com reservatório <ul><li>Reservatório bag preenchido com 100% O 2 </li></ul><ul><li>Alto oxigênio </li></ul><ul><li>Alto fluxo </li></ul>
  19. 20. Dispositivo de Ressuscitação Máscara-Bag-Válvula <ul><li>100% O 2 </li></ul><ul><li>Alto fluxo (> 15 L/min) </li></ul><ul><li>Equipamento de Emergência </li></ul><ul><li>Pequena ou nenhuma entrada de ar à adequada posição </li></ul>
  20. 21. Ventilação e Oxigenação PROCEDIMENTO DISPOSITIVO FLUXO de O 2 L / min CONCENTRAÇÃO DE OXIGENIO Sem oxigênio suplementar Boca a boca N/A 16% Boca - máscara N/A 16% Bolsa / válvula / máscara N/A 16%
  21. 22. PROCEDIMENTO DISPOSITIVO FLUXO de O 2 L / min CONCENTRAÇÃO DE OXIGENIO Com oxigênio suplementar Cánula nasal 1-5 40-50% Boca – máscara 10 50% Máscara facial simples 8-10 24-50% AMBU sem reservatório 8-10 40-60% Máscara simples com reservatório 6 40-50%
  22. 23. PROCEDIMENTO DISPOSITIVO FLUXO de O 2 L / min CONCENTRAÇÃO DE OXIGENIO Com oxigênio suplementar AMBU com reservatório 10-15 90-100% Máscara com reservatório sem recirculação 10-15 90-100% Com válvula de demanda De acordo com a fonte 90-100%
  23. 24. Ver Ouvir Sentir
  24. 25. Torpor Agitação (procurar por hipercarbia) Cianose Retração torácica e uso de músculos acessórios Movimento simétrico de caixa torácica Ver
  25. 26. Roncos Estridor Crepitações Disfonia Taquipnéia Sons respiratórios anormais Ouvir
  26. 27. Sentir Desvio de traquéia Enfisema subcutâneo
  27. 28. Ventilaçao por pressão-positiva não-invasiva (NPPV) <ul><li>Assistência ventilatória com F IO 2 controlada </li></ul><ul><li>Suporte pressórico com um (CPAP) ou dois (BIPAP) níveis de pressão </li></ul><ul><li>Máscara Nasal ou Facial </li></ul><ul><li>Ventilador ciclado a Volume ou Pressão </li></ul><ul><li>Mais efetiva com paciente alerta, orientado e cooperativo </li></ul><ul><li>Sucesso na falência por hipoxia ou hipercapnia </li></ul>®
  28. 29. Contraindicações relativas para NPPV <ul><li>Rebaixamento do nível de consciência </li></ul><ul><li>Diminuição de reflexos para proteção das vias aéreas </li></ul><ul><li>Hipersecreção </li></ul><ul><li>Instabiliade hemodinâmica </li></ul><ul><li>Descompensação pulonar progressiva </li></ul><ul><li>Hemorragia digestiva alta </li></ul> ®
  29. 30. Apnéia Glasgow < 9 ou convulsões sustentadas Trauma de hemiface instável Lesões das vias aéreas Insuficiência respiratória Alto risco de aspiração pulmonar Incapacidade de manutenção Sat O2 > 90% Requerem proteção das vias aéreas...
  30. 31. Blog do AnestesiaDor http://www.anestesiador.com

×