Introdução à literatura

708 visualizações

Publicada em

Literatura - Introdução, Definição e Conceitos.

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
708
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
69
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Introdução à literatura

  1. 1. LITERATURA Introdução à Literatura PROFª ANDRIANE
  2. 2. O QUE É LITERATURA? a. “Arte literária é mimese (imitação), é a arte que imita pela palavra” (Aristóteles) b. É saber usar a língua artisticamente, deixando transparecer a beleza, a harmonia e o estilo próprio dentro de cada autor. c. Escrever um texto em busca da beleza estética dentro de um contexto.
  3. 3. O QUE É LITERATURA? ANTIGUIDADE CLÁSSICA OU GRECO- LATINA Arte de escrever letras ERA MEDIEVAL Sinônimo de gramática = normas da linguagem RENASCIMENTO Conjunto de obras de literárias ERA CLÁSSICA Manifestação artística que busca expressar a realidade universal ERA CONTEMPORÂNEA Representação da realidade / Expressão artística
  4. 4. Alguns Conceitos sobre Literatura "A literatura é a expressão da sociedade, como a palavra é a expressão do homem." (Louis de Bonald, pensador e crítico do Romantismo francês, início do séc. XIX) "O poeta sente as palavras ou frases como coisas e não como sinais, e a sua obra como um fim e não como um meio; como uma arma de combate." (Jean-Paul Sartre, filósofo francês, séc. XX)
  5. 5. A IMPORTÂNCIA DA LITERATURA - Representação da realidade -> Representação da vida -> Representação da sociedade - Interpretação social -> Análise de uma sociedade e dos indivíduos - Potencial de construção de pensamento crítico
  6. 6. A OBRA LITERÁRIA - A obra literária é um documento social - Joaquim Manoel de Macedo (costumes da sociedade burguesa do século XIX) - Graciliano Ramos (dificuldades dos retirantes nordestinos) - Temas universais - Fonte inesgotável de manisfestação das emoções
  7. 7. O QUE É CÂNONE? Na literatura, é um conjunto de livros considerados como referência num determinado período, estilo ou cultura. "Macunaíma", de Mário de Andrade, ou "Grande Sertão: Veredas", de Guimarães Rosa, podem ser consideradas obras cânones da literatura brasileira.
  8. 8. LINGUAGEM LITERÁRIA NÃO LITERÁRIA Linguagem conotativa Linguagem denotativa Linguagem pessoal Linguagem impessoal Linguagem com sentimentos Linguagem informativa
  9. 9. GÊNEROS LITERÁRIOS Todos os gêneros, porém, partem de uma classificação padrão, adotada desde a Antiguidade: épico; lírico e dramático. Na contemporaneidade foi acrescentado o gênero narrativo. Deste tronco principal partem as ramificações menores, ou seja, os subgêneros.
  10. 10. Gênero lírico Na modalidade lírica o poeta exprime seus sentimentos mais íntimos, as emoções que povoam seu universo interior. A palavra “lírico” provém do latim e tem o sentido de “lira”, o instrumento mais comum na Grécia Antiga, com o qual se imprimia um tom melódico à poesia da época. O âmago deste gênero é a subjetividade do autor, melhor dizendo, do eu lírico. Ele se divide em:
  11. 11. Ode: poesia de exaltação. Ídilio e Écloga: são poemas breves com temática pastoril. A écloga, na maioria das vezes, apresenta diálogo. Elegia:vem do grego e significa “canto triste”; poesia lírica que expressa sentimentos tristes ou morte.
  12. 12. Autor x eu lírico Você sabe o que é eu lírico? Existem outras denominações, como eu poético e sujeito lírico, mas o termo mais conhecido e divulgado é este: eu lírico. Esse termo designa uma espécie de narrador do poema, e assim seria chamado se não estivéssemos falando dos textos literários, sobretudo do gênero lírico. Quando você lê um poema e percebe a manifestação de um “eu literário”, aquela voz, aquela personagem presente nos versos, não é necessariamente o autor real do poema. Podemos concluir que o eu lírico é a voz que fala no poema e nem sempre essa voz equivale à voz do autor, que pode vivenciar outras experiências, que não as do poeta.
  13. 13. Gênero dramático A modalidade dramática teve início na Grécia Antiga, possivelmente em festas realizadas em honra de Dionísio, deus do vinho. As obras que se filiam a este gênero são especialmente criadas para serem exibidas em montagens teatrais. Hoje é mais complicado distinguir um drama de outro gênero da literatura, pois se generalizou a prática de converter qualquer produção literária em roteiro para apresentação nos palcos.
  14. 14. Tragédia: Reproduz um evento trágico e tem por fim suscitar piedade e horror. Comédia: representação de um fato cômico, que causa riso. Tragicomédia: é a mistura de elementos trágicos e cômicos. Auto: têm elementos cômicos ou intenção moralizadora. Suas personagens simbolizam as virtudes, os pecados, ou representam anjos,demônios e santos. Farsa: peça teatral de caráter puramente caricatural, de crítica à sociedade, porém, sem preocupação de questionamento de valores.
  15. 15. Gênero épico Vem do grego “épos” (verso) + “poieô” (faço), e faz referência à narrativa feita em forma de versos. Geralmente conta histórias de fatos grandiosos e heróicos sobre a história de um povo (epopeia). 1. Proposição: introdução em que heroi e tema são apresentados. 2. Invocação: momento em que o poeta pede ajuda ou inspiração a divindades. 3. Dedicatória: o poema é dedicado a alguém. 4. Narração: parte mais ampla da epopeia, onde os feitos heroicos são narrados. 5. Epílogo: encerramento da epopeia.
  16. 16. Gênero narrativo No gênero narrativo o autor estrutura uma história, quase sempre em prosa, que pode se inspirar em eventos reais ou ser apenas de natureza fictícia. Nessa modalidade as cenas se desenrolam de forma consecutiva no espaço e no tempo. Ele pode ser classificado nos subgêneros romance, conto, crônicas, novelas, entre outros. Esta modalidade se distingue, estruturalmente, por apresentar uma trama com início, um clímax e uma conclusão.
  17. 17. Romance: é uma narrativa longa, geralmente dividida em capítulos, possui personagens variadas em torno das quais acontece a história principal e também histórias paralelas a essa, pode apresentar espaço e tempo variados. Novela: é um módulo mais compilado do romance e também mais dinâmico, é dividida em episódios, são contínuos e não têm interrupções. Conto: é uma narrativa curta que gira em torno de um só conflito, com poucos personagens. Crônica: Texto isento de qualquer formalidade; traduz acontecimentos do dia a dia com uma linguagem informal, sucinta. Apresenta pitadas de humor e de crítica. Está na fronteira entre o jornalismo e a literatura. Fábula: Criação no estilo fantástico, comprometida apenas com a esfera imaginária. Os personagens que desfilam por estas histórias são normalmente animais ou artefatos; a intenção é difundir, por meio da história, mensagens de cunho moral.
  18. 18. Subgrupos narrativos Autobiografia; Biografia; Chick-Lit; Ficção Científica Horror; Literatura Fantástica; Literatura Infantojuvenil; Literatura YA – Young Adult – Jovem Adulto; Novelas de Cavalaria; Paródia; Suspense; Literatura Gótica; Literatura Esotérica; Romances Espíritas; Literatura de Auto-Ajuda; Literatura de Negócios; Literatura Espiritualista; Literatura de Aventura; Literatura de Guerra; ... entre outros. Hoje também são muito comuns as trilogias e sagas
  19. 19. ESCOLAS/PERÍODOS LITERÁRIOS 1º) Literatura do Período Colonial (1500-1836) Período em que a cultura portuguesa se impôs. - Quinhentismo (literatura informativa) (séc. XVI) - Barroco (séc. XVII) - Arcadismo (séc. XVIII)
  20. 20. ESCOLAS/PERÍODOS LITERÁRIOS 2º) Literatura do Período Nacional (1836 até os nossos dias) Marcado pelo esforço em alcançar uma autonomia cultural mais vigorosa. - Romantismo (séc. XIX - 1ª metade) - Realismo / Naturalismo (séc. XIX - 2ª metade) - Parnasianismo (séc. XIX - 2ª metade) - Simbolismo (séc. XIX - 2ª metade) - Pré-Modernismo (1900-1922) - Modernismo (até 1960) - Pós-Modernismo ou Contemporâneo (atualidade)

×