Teste baseado em modelos

586 visualizações

Publicada em

Apresentação sobre o desenvolvimento de testes baseado em modelos

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
586
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Teste baseado em modelos

  1. 1. Testes baseados em modelos Andreza Pollyana e Ana Karina
  2. 2. ● aumento da complexidade dos sistemas. ● dificuldade da equipe de testes entender o sistema. ● Modelos ajudam a especificar e melhor entender as características e funcionamento do sistema. ● são econômicos. Porque usar modelos?
  3. 3. Definição e características ● “Testes baseados em modelos é uma técnica de testes em que um modelo do sistema sendo testado, ou de parte dele, é construído e a partir dele é derivado um conjunto de casos de testes.” ● São considerados testes de caixa preta ● Em vez de escrevermos os testes manualmente baseados no documento de requisitos, criamos um modelo do comportamento esperado do sistema que captura os requisitos a serem testados, então ferramentas são utilizadas para gerar, automaticamente, testes a partir desse modelo
  4. 4. Vantagens ● A geração de testes começa mais cedo no ciclo do desenvolvimento ● Evita ambiguidade que pode estar presente na documentação dos requisitos ● Reduz o tempo dos testes ● Possibilita a construção de várias suites de testes a partir do mesmo modelo mudando apenas o critério de testes. ● Reduz custos ● Não é necessário conhecimento em programação
  5. 5. O Processo 5 Etapas : 1.Modelagem do sistema 2.Geração de testes abstratos 3.Concretização dos testes 4.Execução dos testes 5.Análise de resultados
  6. 6. 5.1 Modelagem do sistema ● Criação do modelo, que será chamado de modelo abstrato pois deve ser menor e mais simples que o próprio sistema ● Omitir detalhes do sistema ● Conter as saídas esperadas ● Usar ferramentas para verificar a sua consistência
  7. 7. Tipos de modelos UML - diagrama de atividades Máquina de estados para máquina de vender refrigerantes
  8. 8. 5.2 Geração de testes abstratos ● Derivados do modelo ● escolher o critério de seleção de testes que determina que testes deverão ser gerados a partir do modelo. ● Geração de um conjunto de testes abstratos que não são diretamente executáveis devido a simplicidade do modelo ● A maioria das ferramentas também gera uma matriz de rastreamento de requisitos e outros relatórios de cobertura. o A matriz de rastreamento rastreia a ligação entre os requisitos funcionais e os testes gerados o Os relatórios de cobertura indicam o quanto do modelo os testes gerados estão, de fato, testando e podem ser utilizados.
  9. 9. 5.3 Concretização dos testes ● Transformar os testes abstratos em testes executáveis, ● Feito por uma ferramenta de transformação que utiliza vários templates e mapeamentos que traduzem cada caso de testes abstratos em um script de testes executáveis ou escrevendo-se um código adaptador que realiza esta função. ● O objetivo desta fase é construir uma ligação entre os testes abstratos criados na fase anterior e o sistema sendo testado.
  10. 10. 5.4 Execução dos testes Os testes podem ser realizados, basicamente de duas maneiras: ● Online ○ As ferramentas de testes se conectam diretamente ao sistema e ○ Testes são feitos dinamicamente, isto é, os testes são executados a medida em que são produzidos ○ A ferramenta de testes gerencia a execução e a gravação dos resultados ● Offline ○ As ferramentas geram casos de testes que podem ser lidos pelo computador e executados automaticamente depois, o que permite que eles sejam realizados por uma outra plataforma de testes.
  11. 11. 5.5 Análise de resultados ● Analisar e realizar as correções se necessárias. ● Para cada falha relatada deve-se determinar a sua causa, que pode se encontrar no sistema, nos casos de testes aplicados, no modelo ou no adaptado
  12. 12. Exemplo de ferramenta - MaTeLo ● Realiza testes offlines e só funciona no windows ● Adicionar bibliotecas de entrada (resultados das transações) e definir distribuições para essas entradas. ● Adicionar bibliotecas de saída (verificação) ● Simular ações de usuários (transições de estados) ● Verificar se o resultado obtido é igual ao esperado. (pode-se usar funções para sistemas mais complexos) ● Gerenciar requisitos (criando ou exportando) e liga-los aos casos de testes gerados. ● Criar perfies de Testes ● Checar modelos ● Verificar o caminho de um caso de teste ● Escolher que tipo de algortimo será usado para a geração de testes ● Gerar os casos de testes

×