Aula ciclo de krebs

3.962 visualizações

Publicada em

Ciclo de Krebs

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.962
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
75
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula ciclo de krebs

  1. 1. Ciclo do ácido cítrico –Ciclo de Krebs Professora: Andreza Martins
  2. 2. Ciclo do ácido cítrico • Onde paramos? Ah... o piruvato!! • Em situações anaeróbicas, a oxidação é incompleta e o piruvato sofre... • Fermentação alcoólica • Fermentação láctica Ocorre em leveduras e vários microorganismos Ocorre em vários microorganismos e em células de organismos superiores quando a quantidade de oxigênio é limitante
  3. 3. Ciclo do ácido cítrico • O processamento da glicose começa com a oxidação de derivados da glicose até o dióxido de carbono; • O Ciclo de Krebs é a via final comum para a oxidação de aminoácidos, carboidratos e ácidos graxos; • Entram no ciclo principalmente como acetil coenzima A (acetil CoA); • Ele ocorre na matriz mitocondrial; • O piruvato é internalizado por um transportador de membrana; • Lá ele é transformado em acetil- CoA, a molécula que interconecta a glicólise e o Ciclo de Krebs.
  4. 4. Ciclo do ácido cítrico • O complexo enzimático piruvato desidrogenase é formado por 3 enzimas; • Juntas catalizam a descarboxilação do piruvato e ligação de uma coenzima A; • Formação de acetil-CoA, com conseqüente liberação de 1 hidrogênio; •A oxidação dos ácidos tricarboxílicos no Ciclo de Krebs rende muito mais ATP do que a glicólise.
  5. 5. • Cada piruvato tem 3 carbonos, certo? • Mitocôndria – 1 carbono retirado – sai na forma de CO2 – restando o radical acetil • Este por sua vez e unido a Coenzima A – formando acetil coenzima A – Acetil CoA • Acetil foi oxidado – liberou eletrons que foram utilizados para produzir o NADH • Liberado um Co2 e um NADH • Continua o processo de obtenção de eletrons ricos em energia! • Isto será muito importante na última etapa da respiração celular! • Isto mostra que a mólecula de glicose vem sendo quebrada continuamente desde a glicólise, onde esta tinha 6 carbonos, foi quebrada em dois componentes com 3 carbonos(piruvato) que por sua vez perdeu mais um carbono para formar acetil coA e liberação de gás carbônico. • Agora o Acetil coA entra no ciclo de Krebs propriamente dito!
  6. 6. Ciclo do ácido cítrico Uma visão geral das etapas do Ciclo do Ácido Cítrico
  7. 7. • O mais importante a notar neste ciclo é que o Acetil-CoA não é um intermediário dele, mas apenas um ponto de entrada. • Só são intermediárias aquelas moléculas sintetizadas no próprio ciclo e continuamente regeneradas com o seu andamento.
  8. 8. Ciclo do ácido cítrico • Assim como com a glicólise, vamos passo a passo.... • Condensação. Produção do primeiro ácido tricarboxílico;
  9. 9. • Um composto de 4C (oxaloacetato) se condensa com um acetil, com 2C, originando um ácido tricarboxílico de 6C (citrato); • Um isômero do citrato é a seguir descarboxilado; • O composto resultante, com 5C (alfa-cetoglutarato) também sofre descarboxilação oxidativa, originando um composto de 4C; • O oxaloacetato é então regenerado a partir do succinato.
  10. 10. Ciclo do ácido cítrico • Irreversível. O alfa-cetoglutarato tem vários outros destinos.
  11. 11. Ciclo do ácido cítrico • •Equilíbrio é determinado pela disponibilidade de acetil-CoA
  12. 12. Ciclo do ácido cítrico • 2 átomos de carbono entram no ciclo como um acetil; • 2 átomos de carbono deixam o ciclo na forma de dióxido de carbono; OPS! os dois ultimos carbonos que restaram da glicose! • 8 elétrons e 8 prótons são transferidos para NAD+ (3) e FAD (1). 3NADH e 1 FADH2 •Saída de GTP- a célula troca rapidamente a Guanina por adenina- ATP!!!
  13. 13. Relembrando... • O dinucleótido de flavina e adenina (FAD), também conhecido como flavina-adenina dinucleótido e dinucleótido de flavina-adenina, é um cofator capaz de sofrer ação redox, presente em diversas reações importantes no metabolismo. • O FAD pode existir em dois estados de oxidação e o seu papel bioquímico envolve frequentemente alternância entre esses dois estados. • O FAD é capaz de se reduzir a FADH2, estado em que aceita dois átomos de hidrogênio • Mesma função do NAD- carregar elétrons ricos em energia para a última etapa de respiração- cadeia respiratória!
  14. 14. • Além da produção de energia, este ciclo tem grande importância evolutiva para os animais que o desenvolveram pelo grande número de intermediários, que são utilizados em diversas outras reações. • Os principais desvios são: • -Utilização do citrato na síntese de ácidos graxos e esteróis; • -Desvio do a-cetoglutarato para formação de aminoácidos ou bases nitrogenadas; • -Utilização do succinil-coA na síntese de porfirinas; • -Formação de pirimidinas a partir de oxaloacetato via aspartato e asparagina; • -Neoglicogênese e síntese de aminoácidos a partir do oxaloacetato via piruvato.
  15. 15. • Há vantagem ainda porque aumentam as possibilidades de aproveitamento para diversas moléculas, que não precisam sempre ser degradadas totalmente a CO2 ou a compostos de excreção. • Muitas terminam sua via com a formação de um intermediário do ciclo, auxiliando ainda no número de ciclos funcionantes (disponibiliza material para o ciclo) e portanto, no aproveitamento de energia. • As reações que produzem intermediários do Ciclo do Ácido Cítrico são ditas anapleróticas.
  16. 16. • São importantes tanto na reposição do ciclo - dado o grande número de desvios citados - como no aumento do número de ciclos funcionantes na alta demanda de energia. • Além disso, quando se tratam de processos metabólicos, interessa ao organismo um grande número de passos para que a liberação de energia se dê gradualmente. • Com a oxidação direta de toda a molécula, a energia produzida seria muito grande, causando danos à célula e/ou prejudicando o aproveitamento eficaz da energia liberada.
  17. 17. Ciclo do ácido cítrico • Balanço do Ciclo de Krebs: Acetil-CoA + 3 NAD+ + FAD + GDP + Pi + 2 H2O ↔ 3 CO2 + 3 NADH + FADH2 + GTP + 2 H+ + CoA • Indiretamente: Ops! 2 ATP- tudo em dobro
  18. 18. • Pronto! A glicose foi toda ela degradada desde a glicólise até a liberação dos ultimos 2 C na forma de Co2, mas este não tem hidrogênio nenhum...mas a glicose não é C6H12O6, logo todos os H da glicose fora retirados? Sim! • Pq até o final do ciclo de Krebs terá havido uma oxidação completa da glicose – oxida quem perde elétrons! Perdeu hidrogênio= oxidou • Sinal de que grande parte do que comemos sai do nosso corpo pelos pulmões... • Pq então atividade física emagrece?
  19. 19. • Vc precisa gerar mais energia para o músculo, respiração acelera, glicólise...ciclo de Krebs...precisamos de mais energia, a respiração celular se torna mais intensa! • E o que a respiração faz? Pega compostos orgânicos e oxida..até converte-los em Co2 • Daí a gordura corporal é continuamente oxidada a co2 – então emagrece não pq transformamos gordura em energia

×