Acordo ortográfico

145 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
145
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Acordo ortográfico

  1. 1. Acordo Ortográfico A ortografia da língua portuguesa é determinada por normas legais. No início do século XX Portugal estabeleceu pela primeira vez um modelo ortográfico de referência para as publicações oficiais e para o ensino. No entanto, as normas desse primeiro Formulário Ortográfico não foram adotadas pelo Brasil. Desde então, a ortografia da língua portuguesa foi alvo um longo processo de discussão e negociação, com o objetivo de instituir, através de um único tratado internacional, normas comuns que rejam a ortografia oficial de todos os países de língua portuguesa. As tentativas iniciais materializaram-se num primeiro acordo, assinado em 1931, que, no entanto, viria a ser interpretado de forma diferente nos vocabulários ortográficos nacionais entretanto produzidos: em Portugal, o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, de 1940; no Brasil, o Pequeno Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, de 1943, acompanhado de um Formulário Ortográfico. A fim de eliminar estas divergências, foi assinado por ambos os países um novo acordo ortográfico, em 1945, mas este apenas foi aplicado por Portugal, continuando o Brasil a seguir o disposto no Formulário Ortográfico de 1943. Nas décadas seguintes, houve várias tentativas de chegar a novo consenso, mas, embora no início da década de 1970 tenha havido revisões que aproximaram as duas variedades escritas, não foi aprovada oficialmente uma reforma que instituísse um documento normativo comum. Fruto de um longo trabalho da Academia Brasileira de Letras e da Academia das Ciências de Lisboa, os representantes oficiais dos então sete países de língua oficial portuguesa (além do Brasil e de Portugal, também Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe) assinaram em 1990 o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, ratificado também, depois da sua independência em 2004, por Timor-Leste. O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (1990) entrou em vigor no início de 2009 no Brasil e em 13 de maio de 2009 em Portugal. Em ambos os países foi estabelecido um período de transição em que tanto as normas anteriormente em vigor como a introduzida por esta nova reforma são válidas: esse período é de três anos no Brasil e de seis anos em Portugal. Com exceção de Angola e de Moçambique, todos os restantes países da CPLP já ratificaram todos os documentos conducentes à aplicação desta reforma. O Novo Acordo Ortográfico e suas principais regras O Novo Acordo Ortográfico está em vigor no Brasil desde 1º de janeiro de 2009, o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa foi proposto inicialmente em 1990, quando foi assinado em Lisboa (Portugal) e só aprovado em 1995, mas entrou em vigor 14 anos depois, em 2009 porque aguardava a ratificação de Portugal, o que ocorreu em 2008. Embora a grafia passe a ser unificada, a pronúncia e o vocabulário não mudarão. Foi determinado prazo até 2013 para que os brasileiros absorvessem todas as mudanças que, enfim, tornariam-se normas obrigatórias a partir deste ano. Mas este prazo foi estendido pelo governo brasileiro até 2016.
  2. 2. Veja no link abaixo uma lista de corretores ortográficos: • Corretores ortográficos Por meio deste Acordo busca-se a unificação do idioma na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa , formada por Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor Leste (último país a aderir). >> Aprenda português definitivamente! É possível? << Principais mudanças do Novo Acordo Ortográfico TREMA O trema deixou de existir em todas as palavras da língua portuguesa, se antes você escrevia conseqüência,cinqüenta, freqüência, agora passe a escrever sem o trema - aquele dois pontos em cima do u- ACENTUAÇÃO 1.Ditongos de palavras paroxítonas - ei e -oi Deixaram de existir os acentos nos ditongos - o encontro de duas vogais pronunciadas em uma só sílaba, como por exemplo ideia (EI é um ditongo) - abertos de palavras paroxítonas (que possuem acentuação na penúltima sílaba) como: moreia, europeia, paranoia, centopeia e onomatopeia, joia, estreia. 2. Hiato
  3. 3. Deixaram de existir os acentos circunflexos nos hiatos - uma repetição de vogais que pertencem a sílabas diferentes, como por exemplo enjoo (as sílabas da palavra são en/jo/o) - nos seguinte casos: Exemplos: oo - entoo, perdoo e abençoo ee - creem, releem e preveem Antes: Vôo - Enjôo - Vêem - Lêem Agora: Voo - Enjoo - Veem - Leem 3. A letra U e I tônico A letra U e I tonca deixa de ser acentuada nas sílabas que, qui, gue e gui de verbos como apaziguar, averiguar e obliquar. Também perdem os acentos as palavras paroxítonas que têm a letra I ou U tônicos precedidos por ditongos, como a palavra feiura, baiuca, cheiinho. Antes: Feiúra - Baiúca - Cheiínha Agora: Feiura - Baiuca - Cheinha 4. Acento diferencial Os acentos diferenciais, que são usados para distinguir duas palavras iguais com significados diferentes, como por exemplo pára (do verbo parar) e para (preposição) deixa de existir nos seguintes casos: Para (verbo) Pelo (substantivo) - que se diferencia da preposição pelo Antes: Pára - Pêlo - Pólo - Pêra Depois Para - Pelo - Polo - Pera
  4. 4. *Exceção Como toda regra há exceção, o acento diferencia permanece: * Pôde (do verbo poder no passado), que mantém o acento para se distinguir de pode, o uso do verbo no presente; * Pôr (verbo), que mantém o acento para se diferenciar da preposição por.

×