Norma regulamentadora nr 36

2.286 visualizações

Publicada em

NR 36

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.286
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
231
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Norma regulamentadora nr 36

  1. 1. Norma regulamentadora NR 36 Segurança e Saúde no Trabalho em Empresas de Abate e Processamento de Carnes e Derivados Thiago Martins
  2. 2. Histórico da Norma • Proposta da NR Frigoríficos : - 1ª Fase via GET – Construção do texto e consulta pública – 2010/2011; - 2ª Fase via GTT – Análise das propostas e construção detalhada do texto – 2011/2012; - 3ª Fase via CTPP – Validação e aprovação do texto - 2012 ; - Publicação da NR-36 Portaria nº 555 de 18/04/13 ; - 4º Fase via CNTT ( acompanhamento ) .
  3. 3. Construção da Norma • Participação efetiva do MPT em todas as reuniões ( GET,GTT e CTPP) ; • Mais de 200 horas de reuniões ; • Durante a construção da norma , houve intensa fiscalização nas empresas por parte do MTE e MPT ; • Houveram diversas publicações nas mídias nacionais e internacionais sob patrocínio do MPT e sindicatos laborais ; • Promoção de diversos seminários no âmbito dos fóruns do trabalho ; • Publicação da súmula acerca do ART.253 da CLT .
  4. 4. 36.1 Objetivos: • 36.1.1 O objetivo desta Norma é estabelecer os requisitos mínimos para a avaliação, controle e monitoração dos riscos existentes nas atividades , desenvolvidas na indústria de abate e processamento de carnes e derivados destinados ao consumo humano, de forma a garantir permanentemente a segurança, a saúde e a qualidade de vida no trabalho, sem prejuízo da observância do disposto nas demais Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e Emprego.
  5. 5. Métodos e procedimentos de trabalho . Métodos de abate Com prévia insensibilização: pistola, elétrica, CO2 Método de Kosher (judaico-degola) Insensibilização Cuidados: não matar o animal Razões: humanitária; facilita a sangria
  6. 6. Evisceração bovino Divisão da carcaça do bovino
  7. 7. Insensibilização: Pistola pneumática
  8. 8. Box para Atordoamento Bovino Box de atordoamento com piso móvel. A porta de entrada é tipo guilhotina e a porta lateral funciona por sistema de alavanca, conjugada com o piso inclinável, para permitir a saída do animal atordoado. Juntamente com o box é fornecido uma plataforma metálica para o operário, com corrimão de proteção e piso antiderrapante. Acabamento: fundo antioxidante e esmalte sintético
  9. 9. Área de vômito
  10. 10. O uso correto e os riscos associados à utilização de equipamentos e ferramentas . Serra de Carcaça Bovina Serra para cortes de carcaças bovinas por sistema de pistão pulsionado, trifásico, 220/380 volts. Equipado com motor elétrico de3cv, ou 4 cv, ou 5cv.
  11. 11. Esterilizador de facas, chairas e luvas
  12. 12. Serra elétrica de fita para separação de carcaças Usado para separação de carcaças de bovinos, suínos e equinos. Novo sistema interno de higienização da frente e traseira e guias da lâmina. Todas as serras são equipadas com sistema anti- enrosco e caixa de controle para início da operação.
  13. 13. As variações posturais e operações que ajudem a prevenir a sobrecarga osteomuscular e reduzir a fadiga . Adotar meios técnicos e organizacionais para reduzir os esforço nas atividades de manuseio de produtos Evidência: Análise Ergonômica -Analisar esforços -- Postura e movimentos exigidos na tarefa - Altura dos equipamentos - Repetitividade - Necessidade de rodízio
  14. 14. Riscos existentes e as medidas de controle
  15. 15. Uso de equipamentos corretamente para evitar acidentes .
  16. 16. Uso de EPI e suas limitações Eficácia com base na NR-06 e NR-09; Uso concomitante; Frio – Meias limpas e higienizadas diariamente; Qualidades das Luvas; Mãos totalmente molhadas – Rodízios. Dispor de mais de uma peça (sobreposta), a critério; Extremidades compatíveis; Substituição quando do comprometimento da eficácia Troca diária – higienização a cargo do empregador.
  17. 17. Gerenciamento de Riscos: Previsão de implementação de modelo de gestão; O empregador deve colocar em prática uma abordagem planejada, estruturada e global da prevenção, por meio do gerenciamento dos fatores de risco em Segurança e Saúde no Trabalho - SST, utilizando-se de todos os meios técnicos, organizacionais e administrativos para assegurar o bem estar dos trabalhadores e garantir que os ambientes e condições de trabalho sejam seguros e saudáveis . saudáveis.
  18. 18. As ações de emergência Tendo em vista que para se trabalhar , na admissão é necessário um treinamento de no mínimo quatro horas , e periódico anual de duas horas . Neste treinamento deve se levar em conta noções sobre fatores de risco , instruções para buscar atendimento informação sobre segurança no uso de produtos químicos .( 36.16.1.3)
  19. 19. Informações obtidas em : • Google • Slideshare.net • Abate bovinos e suínos • Abate animal

×