SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
Baixar para ler offline
1
ANDREIA PESSÔA
JULHO/2011
A ENTREVISTA
PSICANALÍTICA
Andreia Pessôa
psicopedagoga/cientista da religião
psicanalista e pedagoga em formação
www.psiquedavida.blogspot.com
(85) 88403456 / 99262411
2
3
A ENTREVISTA PSICANALÍTICA
 ESTRUTURA E OBJETIVOS:
4
DELIMITANDO
CONCEITO
PSICANALÍTICA PSIQUIÁTRICA PSICOLÓGICA
ENTREVISTA
5
PSICANALÍTICA
• Decidir se deve realizar terapia psicanalítica
• MUITO ESTREITO
PSIQUIÁTRICA
• Encameamento farmacológico ou tipos de
psicoterapia
• Definição limitada
PSICOLÓGICA
• Bleger “ diagnóstico da psique/ sadio ou não, para
possível tratamento
• Leva-nos a começar psicológica e terminar
psiquiátrica
CONCLUSÃO
 Optar por definição ampla: ENTREVISTA
 SE QUALIFICA por seus objetivos
 Realizada por um psicanalista e por métodos
psicanalíticos (entrevista psicanalítica)
 Decidir sobre a PROCEDÊNCIA de um
tratamento psicanalítico
6
ENTREVISTA - CARACTERÍSTICAS
Objetivos
explícitos ex:
seleção
Método –
definir fins
Investigação –
um
instrumento
Norma básica
Facilitar livre
expressão
processo
mental
Diferente do
enquadramento
formal
Como
funciona o
indivíduo
FREUD
“não há
informação
fidedigna de
si mesmo”
7
O campo da entrevista
 Bleger “entre
participantes
estrutura-se
uma relação
da qual
depende tudo
o que nela
acontece”
 Sentido
preciso, de
âmbito
adequado
p/entrevistado
fazer seu jogo
“dar espaço”
8
9
Sullivan “
OBSERVADOR
PARTICIPANTE
• Participa
• CONDICIONA
FENÔMENO q/
observa
Bleger “
máxima
objetividade /
incorporar o
sujeito
observador p/
se alcançar os
fins
ENVOLVIMENTO ALÉM DA POSIÇÃO
OBSERVADOR PARTICIPANTE
10
A ENTREVISTA PSICANALÍTICA:
ENQUADRE
 MARCADO POR SEU OBJETIVO
 VARIÁVEIS SÃO FIXAS COMO CONSTANTES
 TEMPO E LUGAR
 CONFIGURA-SE O CAMPO (tarefa cumprida/ chegar
aos fins)
 Resumo: definição de papéis
11
QUAIS AS NORMAS QUE REGULAM O
FUNCIONAMENTO DOS AGENTES DA ENTREVISTA?
INSTRUMENTO
: MENTE
EM VISTA
SOMOS NÓS/
RELAÇÃO
INTERATIVA
INVESTIGAR
FORMA QUE
ENTREVISTADO
CONDUZ-SE
FRENTE
SEMELHANTES
UM
MOSTRA-
SE e o outro
FACILITAA
TAREFA E
AVALIA
12
13
FRENTE A FRENTE
DIVÃ
FORMALMENTE
PROSCRITO
MESA /POLTRONAS
SIMÉTRICAS
OLHAR/DESVIAR
NATURAL/CONFOR
TÁVEL
DADOS
IDENTIDADE
DURAÇÃO E
POSSIBILIDADE DE
Ñ SER A ÚNICA
CONVITE A FALA/Ñ
ASSOC. LIVRE
ATITUDE
RESERVADA,
CORDIAL,
CONTIDA,
CONTINENTE
NÃO DISTANTE
TÉCNICA DA ENTREVISTA
 Própria e singular / diferente de psicanálise e
psicoterapia;
 Obter informes com técnica não-diretiva (ao entrevistado
a iniciativa/ajuda discreta/dificuldades);
 Utilizar mensagens não verbal: gestos,palavras,
comentários neutros (Ivan Stevenson - 1959);
EX: “As dificuldades, parece-me, começaram ali”.
(silêncio breve)
“Ali...”
“Sim, ali, doutor. Por que foi então que...” 14
DA INTERPRETAÇÃO NA
ENTREVISTA
15
LIBERMAM:
Setting não
autoriza o
emprego desse
instrumento/a
entrevista é uma
experiência
contrastante
BLEGER:
Considera que há
casos em que é
permitido e
necessária a
entrevista
operativa
(Pichon Riviére)
ENTÃO...
16
A ENTREVISTA PSICANALÍTICA:
DESENVOLVIMENTO
 ANSIEDADE
SULLIVAM (teoria da entrevista)
base das operações / dominar a ansiedade
ao limite aceitável/ para não se opor ao
processo livre e recíproco de comunicação
 Psicanalista exposto / conflitos passados assumem
vigência atual
17
Problemas que ocorrem na
entrevista
 TRANSFERÊNCIAS
informação da
estrutura mental
do entrevistado e
tipo de relação
que ele tem com
o outro
 CONTRATRANSFERÊNCIA
Pode distanciar-se
 objetividade de
postura
BLEGER:
 manejo,preparação,
experiência e
equilíbrio
18
EVOLUÇÃO DA ENTREVISTA
ALIOSAS
PREDIÇÕES –
FATOS
FUNDAMENTAIS
CRITÉRIO E
ANALISABILIDADE
DESSA PESSOA DE SI
MESMO
AVALIAR SOBRE SEU
POTENCIAL E
NECESSIDADE
UNIDADE FUNCIONAL –
TODAS AS QUE SE
FIZEREM NECESSÁRIAS
FAVORÁVEL –
recursos superar
situações críticas a
crises vitais.
NÃO FAVORÁVEL-
prognóstico não
otimista
19
20
INDICADORES PROSPECTIVOS DO
PAR ANALÍTICO
 Até que ponto a interação que se estabelece com o
entrevistado e entrevistador será:
21
entrevista
curativa
Assumir tarefa
Escolhe o
paciente
iatrogênica
Desqualificar-
se a tempo
22
Interação
estabelecida:
curativa ou
iatrogênica
Depende
Evolução na
entrevista/
favorável ou
não
Psicopatologia do
paciente/
qualidades do
analista
Não pelo feeling
É possível
verificar na
entrevista
Libermam;
SIM
Par analítico
Um caso clínico espinhoso
23
O caso
clínico
Tomar cuidado
com a
contratransferência
Analisar o
caso
Reconhecer
suas limitações
ou não;
Informar o
paciente/forma
segura e elucidada
a decisão
recomendar
outro analista
A entrevista de encaminhamento
 Mais complexa
 Obter informação suficiente; evitar q/ se
ligue a nós; prudência pois não será seu
cliente.
LIBERMAM: dar um só nome ao entrevistado,
para não reforçar a idéia de que é ele o
entrevistador.
 Lista de nomes corre o risco de ser uma
seleção de pessoal do analista
24
A devolução
 Aconselhar o entrevistado o tratamento
mais conveniente, a indicação com seus
fundamentos, sempre muito sucintos.
25
ANALISTAS
Preferem
ser parcos
Motivos para
indicação/não
necessário
paciente saber
Preferem
ser mais explícitos
Informe/mal
entendido/
racionalização
O CONTRATO PSICANALÍTICO.
Diz-se ao paciente: conveniência de por
o acordo sobre bases ou condições do
tratamento
Evitar empregar o termo erroneamente;
(deve ficar circunscrita ao jargão dos analistas)
Abordando o tema, resolvê-lo de
imediato; não elucidar ansiedade
26
27
Contrato deve ser pensado com
referência ao enquadre
Tratamento finaliza por acordo das
partes, caso contrário é interrupção
Implica direitos, obrigações e riscos
Convém formular o contrato pela regra
fundamental, o essencial.
Estar na observância de que esta regra
em alguns casos não pode ser fixa.
OS CONSELHOS DE FREUD
As cláusulas são antes sugestões, que ajustam-se ao
modo de ser
Surge então a diferença entre ESTILO (varia) e
TÉCNICA(universal)
Podemos escolher nosso estilo, mas as normas técnicas
nos vem da comunidade analítica (não varia)
Cláusulas fundamentais: uso do divã e a troca de
tempo e dinheiro
Ou melhor, freqüência, duração de sessões, ritmo
semanal e férias
28
29
CONTRATO
• Autoritário
• Democrático
• Demagógico
USOS
CULTURAIS
• Não se colocar
fora das Normas
Gerais da
sociedade;
• EQUANIMIDA
DE/bases do
respeito entre
ambas as partes
LIMITES
• Sobre o que
deve estar
no contrato e
o que
pertence ao
foro íntimo,
à liberdade
individual de
cada um
BIBLIOGRAFIA
ETCHEGOYEN, R. Horácio. Fundamentos
da Técnica Psicanalítica. 2º edição. Porto
Alegre: Artmed, 2008.
30

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modulo 4 - Complexo de Édipo.pptx
Modulo 4 - Complexo de Édipo.pptxModulo 4 - Complexo de Édipo.pptx
Modulo 4 - Complexo de Édipo.pptxJulliane8
 
Psicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes AbordagensPsicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes AbordagensBruno Carrasco
 
Teorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptx
Teorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptxTeorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptx
Teorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptxJessicaDassi
 
Desenvolvimento Humano - Personalidade
Desenvolvimento Humano - PersonalidadeDesenvolvimento Humano - Personalidade
Desenvolvimento Humano - Personalidade100ideias
 
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudPsicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudIsabella Ruas
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaRita Cristiane Pavan
 
Mecanismos de defesa do ego c
Mecanismos de defesa do ego   cMecanismos de defesa do ego   c
Mecanismos de defesa do ego cLu1zFern4nando
 
Power point do Curso "Vida e Obra de Sigmund Freud"
Power point do Curso "Vida e Obra de Sigmund Freud"Power point do Curso "Vida e Obra de Sigmund Freud"
Power point do Curso "Vida e Obra de Sigmund Freud"Tacio Aguiar
 
Emoções básicas
Emoções básicasEmoções básicas
Emoções básicasDalila Melo
 
Identificando e mudando as crenças intermediárias - TCC
Identificando e mudando as crenças intermediárias - TCCIdentificando e mudando as crenças intermediárias - TCC
Identificando e mudando as crenças intermediárias - TCCSarah Karenina
 

Mais procurados (20)

Modulo 4 - Complexo de Édipo.pptx
Modulo 4 - Complexo de Édipo.pptxModulo 4 - Complexo de Édipo.pptx
Modulo 4 - Complexo de Édipo.pptx
 
Psicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes AbordagensPsicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes Abordagens
 
Personalidade - Teorias e Testes
Personalidade - Teorias e TestesPersonalidade - Teorias e Testes
Personalidade - Teorias e Testes
 
Teoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTicaTeoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTica
 
Carl Jung
Carl Jung Carl Jung
Carl Jung
 
Teorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptx
Teorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptxTeorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptx
Teorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptx
 
Sonhos
SonhosSonhos
Sonhos
 
Desenvolvimento Humano - Personalidade
Desenvolvimento Humano - PersonalidadeDesenvolvimento Humano - Personalidade
Desenvolvimento Humano - Personalidade
 
Psicanálise Sigmund Freud
Psicanálise Sigmund Freud Psicanálise Sigmund Freud
Psicanálise Sigmund Freud
 
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudPsicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
 
Mecanismos de defesa do ego c
Mecanismos de defesa do ego   cMecanismos de defesa do ego   c
Mecanismos de defesa do ego c
 
Power point do Curso "Vida e Obra de Sigmund Freud"
Power point do Curso "Vida e Obra de Sigmund Freud"Power point do Curso "Vida e Obra de Sigmund Freud"
Power point do Curso "Vida e Obra de Sigmund Freud"
 
Emoções básicas
Emoções básicasEmoções básicas
Emoções básicas
 
Introdução À Psicanálise
Introdução À PsicanáliseIntrodução À Psicanálise
Introdução À Psicanálise
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Testes projetivos
Testes projetivosTestes projetivos
Testes projetivos
 
Identificando e mudando as crenças intermediárias - TCC
Identificando e mudando as crenças intermediárias - TCCIdentificando e mudando as crenças intermediárias - TCC
Identificando e mudando as crenças intermediárias - TCC
 
O que é a psicologia
O que é a psicologiaO que é a psicologia
O que é a psicologia
 
Emoções
EmoçõesEmoções
Emoções
 

Destaque

A Biblioteca Universitária Frente aos Desafios Atuais - Maria Imaculada Cardo...
A Biblioteca Universitária Frente aos Desafios Atuais - Maria Imaculada Cardo...A Biblioteca Universitária Frente aos Desafios Atuais - Maria Imaculada Cardo...
A Biblioteca Universitária Frente aos Desafios Atuais - Maria Imaculada Cardo...Semana Biblioteconomia
 
Reforma psiquiátrica e política de saúde mental
Reforma psiquiátrica e  política de saúde mentalReforma psiquiátrica e  política de saúde mental
Reforma psiquiátrica e política de saúde mentalmulticentrica
 
Psicanálise II- Aula 3 : Transferência (parte II)
Psicanálise II- Aula 3 : Transferência (parte II)Psicanálise II- Aula 3 : Transferência (parte II)
Psicanálise II- Aula 3 : Transferência (parte II)Alexandre Simoes
 
Reforma Psiquiatrica
Reforma PsiquiatricaReforma Psiquiatrica
Reforma Psiquiatricafabiolarrossa
 
Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do TratamentoPsicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do TratamentoAlexandre Simoes
 
História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1Eduardo Gomes da Silva
 
Aula 03 - Funções psíquicas
Aula 03 - Funções psíquicasAula 03 - Funções psíquicas
Aula 03 - Funções psíquicasLampsi
 
Aula 02
Aula 02Aula 02
Aula 02Lampsi
 
Alterações psiquicas - Psicopatologia
Alterações psiquicas - PsicopatologiaAlterações psiquicas - Psicopatologia
Alterações psiquicas - PsicopatologiaSamara Amaral
 
roteiro-de-entrevista-anamnese-para-avaliacao-psicologica-l
roteiro-de-entrevista-anamnese-para-avaliacao-psicologica-lroteiro-de-entrevista-anamnese-para-avaliacao-psicologica-l
roteiro-de-entrevista-anamnese-para-avaliacao-psicologica-lMarcelo Borges
 

Destaque (12)

A Biblioteca Universitária Frente aos Desafios Atuais - Maria Imaculada Cardo...
A Biblioteca Universitária Frente aos Desafios Atuais - Maria Imaculada Cardo...A Biblioteca Universitária Frente aos Desafios Atuais - Maria Imaculada Cardo...
A Biblioteca Universitária Frente aos Desafios Atuais - Maria Imaculada Cardo...
 
Higiene Hospitalar
Higiene HospitalarHigiene Hospitalar
Higiene Hospitalar
 
Reforma psiquiátrica e política de saúde mental
Reforma psiquiátrica e  política de saúde mentalReforma psiquiátrica e  política de saúde mental
Reforma psiquiátrica e política de saúde mental
 
Psicanálise II- Aula 3 : Transferência (parte II)
Psicanálise II- Aula 3 : Transferência (parte II)Psicanálise II- Aula 3 : Transferência (parte II)
Psicanálise II- Aula 3 : Transferência (parte II)
 
Reforma Psiquiatrica
Reforma PsiquiatricaReforma Psiquiatrica
Reforma Psiquiatrica
 
Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do TratamentoPsicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
 
História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1
 
Aula 03 - Funções psíquicas
Aula 03 - Funções psíquicasAula 03 - Funções psíquicas
Aula 03 - Funções psíquicas
 
Aula 02
Aula 02Aula 02
Aula 02
 
História da psiquiatria aula 1
História da psiquiatria   aula 1História da psiquiatria   aula 1
História da psiquiatria aula 1
 
Alterações psiquicas - Psicopatologia
Alterações psiquicas - PsicopatologiaAlterações psiquicas - Psicopatologia
Alterações psiquicas - Psicopatologia
 
roteiro-de-entrevista-anamnese-para-avaliacao-psicologica-l
roteiro-de-entrevista-anamnese-para-avaliacao-psicologica-lroteiro-de-entrevista-anamnese-para-avaliacao-psicologica-l
roteiro-de-entrevista-anamnese-para-avaliacao-psicologica-l
 

Semelhante a Seminário Entrevista Psicanalítica

Aula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptx
Aula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptxAula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptx
Aula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptxCarlaNishimura3
 
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutasPsicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutasMarcelo da Rocha Carvalho
 
Alves: Entrevista motivacional
Alves: Entrevista motivacionalAlves: Entrevista motivacional
Alves: Entrevista motivacionalFlora Couto
 
1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia
1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia
1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapianarasc
 
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_12016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1Flora Couto
 
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátrica
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátricaAula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátrica
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátricaClaudio Viegas
 
e-book cognitivo.pdf
e-book cognitivo.pdfe-book cognitivo.pdf
e-book cognitivo.pdfMarcio Amoedo
 
Conhecendo a psicoterapia
Conhecendo a psicoterapiaConhecendo a psicoterapia
Conhecendo a psicoterapiaGeazi San
 
Giovanetti. supervisão clínica na perspectiva fenomenológico existencial
Giovanetti. supervisão clínica na perspectiva fenomenológico existencialGiovanetti. supervisão clínica na perspectiva fenomenológico existencial
Giovanetti. supervisão clínica na perspectiva fenomenológico existencialÉrika Renata
 
Jungerman & Laranjeira: Entrevista motivacional - bases teóricas e práticas
Jungerman & Laranjeira: Entrevista motivacional - bases teóricas e práticasJungerman & Laranjeira: Entrevista motivacional - bases teóricas e práticas
Jungerman & Laranjeira: Entrevista motivacional - bases teóricas e práticasFlora Couto
 
Diferenças de abordagens
Diferenças de abordagensDiferenças de abordagens
Diferenças de abordagensLuciana Freitas
 
Principais Técnicas - TCC.pdf
Principais Técnicas - TCC.pdfPrincipais Técnicas - TCC.pdf
Principais Técnicas - TCC.pdfssmxmnx8gj
 

Semelhante a Seminário Entrevista Psicanalítica (20)

Aula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptx
Aula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptxAula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptx
Aula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptx
 
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutasPsicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
 
Alves: Entrevista motivacional
Alves: Entrevista motivacionalAlves: Entrevista motivacional
Alves: Entrevista motivacional
 
1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia
1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia
1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia
 
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva ComportamentalTCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
 
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_12016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
 
TCC - Terapia Cognitivo Comportamental
TCC - Terapia Cognitivo ComportamentalTCC - Terapia Cognitivo Comportamental
TCC - Terapia Cognitivo Comportamental
 
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátrica
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátricaAula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátrica
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátrica
 
e-book cognitivo.pdf
e-book cognitivo.pdfe-book cognitivo.pdf
e-book cognitivo.pdf
 
Módulo 1
Módulo 1Módulo 1
Módulo 1
 
Conhecendo a psicoterapia
Conhecendo a psicoterapiaConhecendo a psicoterapia
Conhecendo a psicoterapia
 
Texto 10 -
Texto 10 - Texto 10 -
Texto 10 -
 
Diálogos socráticos: qual a aplicação prática na Terapia Cognitivo-Comportame...
Diálogos socráticos: qual a aplicação prática na Terapia Cognitivo-Comportame...Diálogos socráticos: qual a aplicação prática na Terapia Cognitivo-Comportame...
Diálogos socráticos: qual a aplicação prática na Terapia Cognitivo-Comportame...
 
Giovanetti. supervisão clínica na perspectiva fenomenológico existencial
Giovanetti. supervisão clínica na perspectiva fenomenológico existencialGiovanetti. supervisão clínica na perspectiva fenomenológico existencial
Giovanetti. supervisão clínica na perspectiva fenomenológico existencial
 
Jungerman & Laranjeira: Entrevista motivacional - bases teóricas e práticas
Jungerman & Laranjeira: Entrevista motivacional - bases teóricas e práticasJungerman & Laranjeira: Entrevista motivacional - bases teóricas e práticas
Jungerman & Laranjeira: Entrevista motivacional - bases teóricas e práticas
 
Pit
PitPit
Pit
 
Diferenças de abordagens
Diferenças de abordagensDiferenças de abordagens
Diferenças de abordagens
 
Entrevista motivacional
Entrevista motivacionalEntrevista motivacional
Entrevista motivacional
 
Principais Técnicas - TCC.pdf
Principais Técnicas - TCC.pdfPrincipais Técnicas - TCC.pdf
Principais Técnicas - TCC.pdf
 
Principais técnicas cognitivo
Principais técnicas cognitivoPrincipais técnicas cognitivo
Principais técnicas cognitivo
 

Mais de Andreia Pessôa de Oliveira

Mais de Andreia Pessôa de Oliveira (8)

Formação Continuada de professores - Estudo de grupo 2013
Formação Continuada de professores - Estudo de grupo 2013Formação Continuada de professores - Estudo de grupo 2013
Formação Continuada de professores - Estudo de grupo 2013
 
Foldem encontro de pais
Foldem encontro de paisFoldem encontro de pais
Foldem encontro de pais
 
Seminário 1 Ceuc
Seminário 1 CeucSeminário 1 Ceuc
Seminário 1 Ceuc
 
Abordagem integrativo interdisciplinar
Abordagem integrativo interdisciplinarAbordagem integrativo interdisciplinar
Abordagem integrativo interdisciplinar
 
Slide pra palestra problemas sociais
Slide pra palestra problemas sociaisSlide pra palestra problemas sociais
Slide pra palestra problemas sociais
 
Educação tecnologias contemporanea
Educação tecnologias contemporaneaEducação tecnologias contemporanea
Educação tecnologias contemporanea
 
Aprendizagem organizacional coordenadores 2
Aprendizagem organizacional coordenadores 2Aprendizagem organizacional coordenadores 2
Aprendizagem organizacional coordenadores 2
 
Projeto generosidade em sala de aula 2014_Autora: Andreia Pessoa
Projeto generosidade em sala de aula 2014_Autora: Andreia PessoaProjeto generosidade em sala de aula 2014_Autora: Andreia Pessoa
Projeto generosidade em sala de aula 2014_Autora: Andreia Pessoa
 

Seminário Entrevista Psicanalítica

  • 2. A ENTREVISTA PSICANALÍTICA Andreia Pessôa psicopedagoga/cientista da religião psicanalista e pedagoga em formação www.psiquedavida.blogspot.com (85) 88403456 / 99262411 2
  • 3. 3
  • 4. A ENTREVISTA PSICANALÍTICA  ESTRUTURA E OBJETIVOS: 4 DELIMITANDO CONCEITO PSICANALÍTICA PSIQUIÁTRICA PSICOLÓGICA ENTREVISTA
  • 5. 5 PSICANALÍTICA • Decidir se deve realizar terapia psicanalítica • MUITO ESTREITO PSIQUIÁTRICA • Encameamento farmacológico ou tipos de psicoterapia • Definição limitada PSICOLÓGICA • Bleger “ diagnóstico da psique/ sadio ou não, para possível tratamento • Leva-nos a começar psicológica e terminar psiquiátrica
  • 6. CONCLUSÃO  Optar por definição ampla: ENTREVISTA  SE QUALIFICA por seus objetivos  Realizada por um psicanalista e por métodos psicanalíticos (entrevista psicanalítica)  Decidir sobre a PROCEDÊNCIA de um tratamento psicanalítico 6
  • 7. ENTREVISTA - CARACTERÍSTICAS Objetivos explícitos ex: seleção Método – definir fins Investigação – um instrumento Norma básica Facilitar livre expressão processo mental Diferente do enquadramento formal Como funciona o indivíduo FREUD “não há informação fidedigna de si mesmo” 7
  • 8. O campo da entrevista  Bleger “entre participantes estrutura-se uma relação da qual depende tudo o que nela acontece”  Sentido preciso, de âmbito adequado p/entrevistado fazer seu jogo “dar espaço” 8
  • 9. 9 Sullivan “ OBSERVADOR PARTICIPANTE • Participa • CONDICIONA FENÔMENO q/ observa Bleger “ máxima objetividade / incorporar o sujeito observador p/ se alcançar os fins
  • 10. ENVOLVIMENTO ALÉM DA POSIÇÃO OBSERVADOR PARTICIPANTE 10
  • 11. A ENTREVISTA PSICANALÍTICA: ENQUADRE  MARCADO POR SEU OBJETIVO  VARIÁVEIS SÃO FIXAS COMO CONSTANTES  TEMPO E LUGAR  CONFIGURA-SE O CAMPO (tarefa cumprida/ chegar aos fins)  Resumo: definição de papéis 11
  • 12. QUAIS AS NORMAS QUE REGULAM O FUNCIONAMENTO DOS AGENTES DA ENTREVISTA? INSTRUMENTO : MENTE EM VISTA SOMOS NÓS/ RELAÇÃO INTERATIVA INVESTIGAR FORMA QUE ENTREVISTADO CONDUZ-SE FRENTE SEMELHANTES UM MOSTRA- SE e o outro FACILITAA TAREFA E AVALIA 12
  • 13. 13 FRENTE A FRENTE DIVÃ FORMALMENTE PROSCRITO MESA /POLTRONAS SIMÉTRICAS OLHAR/DESVIAR NATURAL/CONFOR TÁVEL DADOS IDENTIDADE DURAÇÃO E POSSIBILIDADE DE Ñ SER A ÚNICA CONVITE A FALA/Ñ ASSOC. LIVRE ATITUDE RESERVADA, CORDIAL, CONTIDA, CONTINENTE NÃO DISTANTE
  • 14. TÉCNICA DA ENTREVISTA  Própria e singular / diferente de psicanálise e psicoterapia;  Obter informes com técnica não-diretiva (ao entrevistado a iniciativa/ajuda discreta/dificuldades);  Utilizar mensagens não verbal: gestos,palavras, comentários neutros (Ivan Stevenson - 1959); EX: “As dificuldades, parece-me, começaram ali”. (silêncio breve) “Ali...” “Sim, ali, doutor. Por que foi então que...” 14
  • 15. DA INTERPRETAÇÃO NA ENTREVISTA 15 LIBERMAM: Setting não autoriza o emprego desse instrumento/a entrevista é uma experiência contrastante BLEGER: Considera que há casos em que é permitido e necessária a entrevista operativa (Pichon Riviére)
  • 17. A ENTREVISTA PSICANALÍTICA: DESENVOLVIMENTO  ANSIEDADE SULLIVAM (teoria da entrevista) base das operações / dominar a ansiedade ao limite aceitável/ para não se opor ao processo livre e recíproco de comunicação  Psicanalista exposto / conflitos passados assumem vigência atual 17
  • 18. Problemas que ocorrem na entrevista  TRANSFERÊNCIAS informação da estrutura mental do entrevistado e tipo de relação que ele tem com o outro  CONTRATRANSFERÊNCIA Pode distanciar-se  objetividade de postura BLEGER:  manejo,preparação, experiência e equilíbrio 18
  • 19. EVOLUÇÃO DA ENTREVISTA ALIOSAS PREDIÇÕES – FATOS FUNDAMENTAIS CRITÉRIO E ANALISABILIDADE DESSA PESSOA DE SI MESMO AVALIAR SOBRE SEU POTENCIAL E NECESSIDADE UNIDADE FUNCIONAL – TODAS AS QUE SE FIZEREM NECESSÁRIAS FAVORÁVEL – recursos superar situações críticas a crises vitais. NÃO FAVORÁVEL- prognóstico não otimista 19
  • 20. 20
  • 21. INDICADORES PROSPECTIVOS DO PAR ANALÍTICO  Até que ponto a interação que se estabelece com o entrevistado e entrevistador será: 21 entrevista curativa Assumir tarefa Escolhe o paciente iatrogênica Desqualificar- se a tempo
  • 22. 22 Interação estabelecida: curativa ou iatrogênica Depende Evolução na entrevista/ favorável ou não Psicopatologia do paciente/ qualidades do analista Não pelo feeling É possível verificar na entrevista Libermam; SIM Par analítico
  • 23. Um caso clínico espinhoso 23 O caso clínico Tomar cuidado com a contratransferência Analisar o caso Reconhecer suas limitações ou não; Informar o paciente/forma segura e elucidada a decisão recomendar outro analista
  • 24. A entrevista de encaminhamento  Mais complexa  Obter informação suficiente; evitar q/ se ligue a nós; prudência pois não será seu cliente. LIBERMAM: dar um só nome ao entrevistado, para não reforçar a idéia de que é ele o entrevistador.  Lista de nomes corre o risco de ser uma seleção de pessoal do analista 24
  • 25. A devolução  Aconselhar o entrevistado o tratamento mais conveniente, a indicação com seus fundamentos, sempre muito sucintos. 25 ANALISTAS Preferem ser parcos Motivos para indicação/não necessário paciente saber Preferem ser mais explícitos Informe/mal entendido/ racionalização
  • 26. O CONTRATO PSICANALÍTICO. Diz-se ao paciente: conveniência de por o acordo sobre bases ou condições do tratamento Evitar empregar o termo erroneamente; (deve ficar circunscrita ao jargão dos analistas) Abordando o tema, resolvê-lo de imediato; não elucidar ansiedade 26
  • 27. 27 Contrato deve ser pensado com referência ao enquadre Tratamento finaliza por acordo das partes, caso contrário é interrupção Implica direitos, obrigações e riscos Convém formular o contrato pela regra fundamental, o essencial. Estar na observância de que esta regra em alguns casos não pode ser fixa.
  • 28. OS CONSELHOS DE FREUD As cláusulas são antes sugestões, que ajustam-se ao modo de ser Surge então a diferença entre ESTILO (varia) e TÉCNICA(universal) Podemos escolher nosso estilo, mas as normas técnicas nos vem da comunidade analítica (não varia) Cláusulas fundamentais: uso do divã e a troca de tempo e dinheiro Ou melhor, freqüência, duração de sessões, ritmo semanal e férias 28
  • 29. 29 CONTRATO • Autoritário • Democrático • Demagógico USOS CULTURAIS • Não se colocar fora das Normas Gerais da sociedade; • EQUANIMIDA DE/bases do respeito entre ambas as partes LIMITES • Sobre o que deve estar no contrato e o que pertence ao foro íntimo, à liberdade individual de cada um
  • 30. BIBLIOGRAFIA ETCHEGOYEN, R. Horácio. Fundamentos da Técnica Psicanalítica. 2º edição. Porto Alegre: Artmed, 2008. 30