SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Baixar para ler offline
Conceitos e termos das religiões de sociedades pequenas Docente Andreia Regina Moura Mendes Historiadora e antropóloga. atenasregina@yahoo.com.br
AMULETO ,[object Object],MANFRED, Lurker. Dicionário de Simbologia.
Tipos diferentes de amuletos
ANIMISMO ,[object Object],AZEVEDO, Antonio Carlos do Amaral. Dicionário Histórico de religiões.
TOTEMISMO A simbologia da maioria dos povos primitivos é fortemente influenciada pelo totemismo. Por totemismo (ototeman= parentesco, clã, entre os índios ojibwa, Canada) entende-se, de modo geral, a ligação da coletividade ou de uma pessoa a animal ou a vegetal, trazendo consigo determinados rituais e tabus. No âmbito africano e norte-americano, fenômenos d natureza (relâmpago, trovão, granizo e arco-íris) também se transformam em totens, freqüentemente simbolizados por animais. Dicionário de simbologia
Totem do povo haidaBritish Columbia. Canadá Museu de Londres
TABU Vocábulo de origem polinésia, usado pela primeira vez, ouvido e divulgado pelo navegante britânico James Cook (1728-1779) no decorrer de expedições feitas no oceano Pacífico, onde foi morto pelos indígenas nas ilhas Sandwich (Havaí). A palavra “tabu” significaa o “que é subtraído ao uso corrente”, “pôr de lado”, “afastar”; um animal, uma pessoa, ou qualquer objeto que não se deve ou não se pode abater ou tocar é tabu. Essa proibição não se baseia em justificações explicáveis; a violação do interdito não está inscrita em nenhum código ou lei mas apresenta características de uma calamidade. Nas religiões primitivas, o tabu exprime uma noção de pecado ou de medo; infringir o tabu significa  perturbar a ordem e se expor às piores punições. Em muitas civilizações, os cadáveres são tabu. Alguns antropólogos veem no tabu a origem da moral. Dicionário de religiões
FETICHE (por. Feitiço = bruxaria, magia). Na Idade Média, em Portugal este conceito era aplicado a objetos de devoção, usados como amuletos. Em antigos relatos de viagem portugueses, especialmente sobre a África, o fetiche é expressão usada para todos os objetos que poderiam ser associados pelos europeus com as assim chamadas “figuras de ídolos”. Os fetiches são geralmente representações de homens ou animais e obtêm o seu poder mágico das substâncias mágicas transmitidas por um feiticeiro (pedras, garras, dentes, pêlos, etc.), colocadas geralmente em recipiente fechado, diante da barriga ou sobre a cabeça. No Zaire meridional são muitas vezes pintados com tinta vermelha (símbolo do sangue e da força vital). Dicionário de simbologia
SACRIFÍCIO Oferta de um presente à divindade (ou – não tão relevante para a simbologia – aos antepassados), a forma principal de manifestação do Culto. Na crendice popular corresponde muitas vezes à idéia de do ut des (“dou para que dês”), mas é, para além disso, a entrega simbólica da própria pessoa por meio da oferenda do sacrifício, imaginando como detentora de força, acompanhada da esperança de início de uma profusão de bênçãos de Deus para o homem. Em seu sentido mais profundo, através do sacrifício o mundo é renovado ou salvo (pense no significado da morte de sacrifício de Jesus), assim, como se vê, em inúmeras mitologias, onde o mundo surgiu somente depois do sacrifício de um ser primordial (-> Homem Primordial).
RITOS DE PASSAGEM Termo cunhado em 1909 pelo etnólogo francês Arnold Van Gennep. Os ritos de passagem referem-se às analogias estruturais dos costumes em torno de nascimento -> Iniciação, casamento (->Noivado), morte, etc.; seu objetivo comum é assegurar a passagem de uma pessoa para um novo estágio na vida, associado à idéia da -> Purificação. Os ritos de passagem baseiam-se na concepção de que o homem precisa atravessar o estágio da morte para poder renascer de forma nova. Os vários estágios dos ritos mostram, em todos os lugares, uma semelhança notável: exclusão dos não-iniciados, isolamento do candidato, celebração de uma festa, vestidura e unção, atribuição de um novo nome, luta simbólica entre as forças da vida e da morte, etc.  Dicionário de simbologia
XAMÃ Um xamã é um homem dotado de poderes sobrenaturais, que pode entrar em contato com o mundo transcendental graças a capacidades especiais da alma e do espírito. Os principais portadores de símbolos são aves (sobretudo a águia), bem como o trovão, relâmpago e chuva. A associação entre águia e tempestade é muito freqüente. A ave, que se atira dos céus sobre a terra, traz o relâmpago, o trovão ou é ambas as coisas, como, o pássaro-trovão das tribos indígenas norte-americanas. Dicionário de simbologia
MÁSCARA O costume de usar máscaras, passível de comprovação desde a época das pinturas rupestres até o carnaval de hoje, baseia-se na tentativa de passar do mundo subjetivo para o mundo objetivo, apoderar-se das forças de determinados seres por meio de sua representação ou de proteger o próprio eu das forças ameaçadoras pelo ocultamento, disfarce ou intimidação. O ser humano esconde atrás da máscara sua impotência e espera, ao mesmo tempo, superar-se a si mesmo por meio dela. Freqüentemente a transformação exterior obtida pelo mascaramento objetiva uma mudança interior (na iniciação e nas sociedades secretas). Dicionário de simbologia
MAGIA É de interesse para a simbologia porque nela torna-se ativo um estilo de pensamento que vivencia uma ação metafórica como sendo eficaz sem mecanismo causal. Ela é a manifestação prática de uma postura espiritual, na qual um “como aqui, também lá” é sentido de modo suficientemente forçoso para não se deduzir apenas correspondências maiores a partir de detalhes observados no meio ambiente e com o auxílio das disciplinas da arte adivinhatória, mas que deve colocar o mágico na posição de poder interferir ativamente no ciclo universal e influenciar o natural e o sobrenatural com a ajuda de uma técnica tradicional. Dicionário de simbologia
O funcionamento destes procedimentos altamente irracionais jamais é questionado nas culturas primitivas, pois parte-se da premissa de que uma determinada ação provoca uma imitação no círculo maior do mágico: os ritos mágicos de imagens, que devem causar a morte de animais de caça, quando as suas imagens são transpassadas por flechas, ou que uma pessoa sofra quando sua imagem de cera é picada ou segurada sobre o fogo, com base numa Simpatia (literalmente “sofrer junto”) não passível de definição.
A natureza da magia difere basicamente daquela da religião, apesar de tanto numa como noutra ser vivenciado um âmbito sobrenatural como realidade (sendo que na prática, também nos atos religiosos, e nos ritos de sacrifícios, não é raro o intuito da realização e conseqüente dos desejos sem uma verdadeira postura devocional interior). Normalmente, o sentimento de uma pessoa que reza é diferente daquele do mágico, que procura manipular tanto a natureza como o sobrenatural.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (16)

Bramanismo
BramanismoBramanismo
Bramanismo
 
Magia e religião levi strauss
Magia e religião levi straussMagia e religião levi strauss
Magia e religião levi strauss
 
Os Celtas e o Espiritismo
Os Celtas e o EspiritismoOs Celtas e o Espiritismo
Os Celtas e o Espiritismo
 
Animais tem espirito?
Animais tem espirito?Animais tem espirito?
Animais tem espirito?
 
A espiritualidade dos animais...
A espiritualidade dos animais...A espiritualidade dos animais...
A espiritualidade dos animais...
 
Aula 2 antropogenese
Aula 2   antropogeneseAula 2   antropogenese
Aula 2 antropogenese
 
Especismo e a percepção dos animais coltro
Especismo e a percepção dos animais   coltroEspecismo e a percepção dos animais   coltro
Especismo e a percepção dos animais coltro
 
Alma dos animais 1,5h
Alma dos animais   1,5hAlma dos animais   1,5h
Alma dos animais 1,5h
 
Animais no mundo espiritual
Animais no mundo espiritualAnimais no mundo espiritual
Animais no mundo espiritual
 
( Espiritismo) # - augusto oliveira - conheca o espiritismo
( Espiritismo)   # - augusto oliveira - conheca o espiritismo( Espiritismo)   # - augusto oliveira - conheca o espiritismo
( Espiritismo) # - augusto oliveira - conheca o espiritismo
 
Anjos
AnjosAnjos
Anjos
 
História das-religiões
História das-religiõesHistória das-religiões
História das-religiões
 
Religiões da humanidade.
Religiões da humanidade.Religiões da humanidade.
Religiões da humanidade.
 
Astrologia karmica 2
Astrologia karmica 2Astrologia karmica 2
Astrologia karmica 2
 
Cap 21 religião, mitos e magias
Cap 21 religião, mitos e magiasCap 21 religião, mitos e magias
Cap 21 religião, mitos e magias
 
Monoteísmo e politeísmo
Monoteísmo e politeísmoMonoteísmo e politeísmo
Monoteísmo e politeísmo
 

Destaque

Avisos igreja 031216
Avisos igreja 031216Avisos igreja 031216
Avisos igreja 031216Fabrizio Fuga
 
A RESSURREIÇÃO DE JESUS CRISTO
A RESSURREIÇÃO DE JESUS CRISTOA RESSURREIÇÃO DE JESUS CRISTO
A RESSURREIÇÃO DE JESUS CRISTOCarlos Zimnerman
 
Ritos funebres
Ritos funebresRitos funebres
Ritos funebresChicielly
 
Aula a singularidade do ser humano - Prof. Noe Assunção
Aula   a singularidade do ser humano - Prof. Noe AssunçãoAula   a singularidade do ser humano - Prof. Noe Assunção
Aula a singularidade do ser humano - Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Diversidade religiosa parte 1
Diversidade religiosa parte 1Diversidade religiosa parte 1
Diversidade religiosa parte 1André Janzon
 
Quem crer na trindade crer na imortalidade da alma
Quem crer na trindade crer na imortalidade da almaQuem crer na trindade crer na imortalidade da alma
Quem crer na trindade crer na imortalidade da almaASD Remanescentes
 
Segundo Módulo - Aula 17 - Ressureição da carne
Segundo Módulo - Aula 17 - Ressureição da carneSegundo Módulo - Aula 17 - Ressureição da carne
Segundo Módulo - Aula 17 - Ressureição da carneCeiClarencio
 
Reencarnação - conceito presente em varias religiões bem como no espiritismo
Reencarnação - conceito presente em varias religiões bem como no espiritismoReencarnação - conceito presente em varias religiões bem como no espiritismo
Reencarnação - conceito presente em varias religiões bem como no espiritismoRoberto Camargo
 
Aula a singularidade do ser humano- Prof. Noe Assunção
Aula   a singularidade do ser humano- Prof. Noe AssunçãoAula   a singularidade do ser humano- Prof. Noe Assunção
Aula a singularidade do ser humano- Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Ensino Religioso Hinduísmo
Ensino Religioso HinduísmoEnsino Religioso Hinduísmo
Ensino Religioso Hinduísmoiraciva
 
Crenças Limitantes: ideias fixas que levam ao fracasso! - Agile Brazil 2014
Crenças Limitantes: ideias fixas que levam ao fracasso! - Agile Brazil 2014Crenças Limitantes: ideias fixas que levam ao fracasso! - Agile Brazil 2014
Crenças Limitantes: ideias fixas que levam ao fracasso! - Agile Brazil 2014Annelise Gripp
 

Destaque (20)

Mitos e-ritos
Mitos e-ritosMitos e-ritos
Mitos e-ritos
 
Avisos igreja 031216
Avisos igreja 031216Avisos igreja 031216
Avisos igreja 031216
 
Igrejas e Crenças
Igrejas e CrençasIgrejas e Crenças
Igrejas e Crenças
 
Ressurreição da carne
Ressurreição da carneRessurreição da carne
Ressurreição da carne
 
A RESSURREIÇÃO DE JESUS CRISTO
A RESSURREIÇÃO DE JESUS CRISTOA RESSURREIÇÃO DE JESUS CRISTO
A RESSURREIÇÃO DE JESUS CRISTO
 
Ritos funebres
Ritos funebresRitos funebres
Ritos funebres
 
Aula a singularidade do ser humano - Prof. Noe Assunção
Aula   a singularidade do ser humano - Prof. Noe AssunçãoAula   a singularidade do ser humano - Prof. Noe Assunção
Aula a singularidade do ser humano - Prof. Noe Assunção
 
Imortalidade da Alma
Imortalidade da AlmaImortalidade da Alma
Imortalidade da Alma
 
Diversidade religiosa parte 1
Diversidade religiosa parte 1Diversidade religiosa parte 1
Diversidade religiosa parte 1
 
Quem crer na trindade crer na imortalidade da alma
Quem crer na trindade crer na imortalidade da almaQuem crer na trindade crer na imortalidade da alma
Quem crer na trindade crer na imortalidade da alma
 
Segundo Módulo - Aula 17 - Ressureição da carne
Segundo Módulo - Aula 17 - Ressureição da carneSegundo Módulo - Aula 17 - Ressureição da carne
Segundo Módulo - Aula 17 - Ressureição da carne
 
Slide Ancestralidade
Slide   AncestralidadeSlide   Ancestralidade
Slide Ancestralidade
 
Reencarnação - conceito presente em varias religiões bem como no espiritismo
Reencarnação - conceito presente em varias religiões bem como no espiritismoReencarnação - conceito presente em varias religiões bem como no espiritismo
Reencarnação - conceito presente em varias religiões bem como no espiritismo
 
Tipos de palco
Tipos de palcoTipos de palco
Tipos de palco
 
Crenças
 Crenças Crenças
Crenças
 
Significado da ressurreição de Jesus Cristo
Significado da ressurreição de Jesus CristoSignificado da ressurreição de Jesus Cristo
Significado da ressurreição de Jesus Cristo
 
Aula a singularidade do ser humano- Prof. Noe Assunção
Aula   a singularidade do ser humano- Prof. Noe AssunçãoAula   a singularidade do ser humano- Prof. Noe Assunção
Aula a singularidade do ser humano- Prof. Noe Assunção
 
Ensino Religioso Hinduísmo
Ensino Religioso HinduísmoEnsino Religioso Hinduísmo
Ensino Religioso Hinduísmo
 
Crenças Limitantes: ideias fixas que levam ao fracasso! - Agile Brazil 2014
Crenças Limitantes: ideias fixas que levam ao fracasso! - Agile Brazil 2014Crenças Limitantes: ideias fixas que levam ao fracasso! - Agile Brazil 2014
Crenças Limitantes: ideias fixas que levam ao fracasso! - Agile Brazil 2014
 
Jesus ressucitou
Jesus ressucitouJesus ressucitou
Jesus ressucitou
 

Semelhante a Conceitos religiosos de povos tradicionais

Capitulo 9 simbolos
Capitulo 9 simbolosCapitulo 9 simbolos
Capitulo 9 simbolosSergio Dias
 
3ª série 2º bimestre Filosofia e Religião
3ª série 2º bimestre   Filosofia e Religião3ª série 2º bimestre   Filosofia e Religião
3ª série 2º bimestre Filosofia e ReligiãoManoelito Filho Soares
 
MANIFESTAÇÕES MEDIÚNICAS NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE
MANIFESTAÇÕES MEDIÚNICAS NA HISTÓRIA DA HUMANIDADEMANIFESTAÇÕES MEDIÚNICAS NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE
MANIFESTAÇÕES MEDIÚNICAS NA HISTÓRIA DA HUMANIDADELuiz Henrique Faleiros
 
O luto em diferentes culturas
O luto em diferentes culturasO luto em diferentes culturas
O luto em diferentes culturasTeresa Andrade
 
Aula de Filosofia - 3ª Série do Ensino Médio
Aula de Filosofia - 3ª Série do Ensino MédioAula de Filosofia - 3ª Série do Ensino Médio
Aula de Filosofia - 3ª Série do Ensino MédioProfessor Liniker Santana
 
Mitologia celta e a psicologia
Mitologia celta e a psicologiaMitologia celta e a psicologia
Mitologia celta e a psicologiaDiego Nascimento
 
origem conceitos e caracteristicas das religiões
 origem conceitos e caracteristicas das religiões origem conceitos e caracteristicas das religiões
origem conceitos e caracteristicas das religiõesSerginho Lopes Ator
 
Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,
Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,
Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,Salomao Lucio Dos Santos
 

Semelhante a Conceitos religiosos de povos tradicionais (20)

Capitulo 9 simbolos
Capitulo 9 simbolosCapitulo 9 simbolos
Capitulo 9 simbolos
 
3ª série 2º bimestre Filosofia e Religião
3ª série 2º bimestre   Filosofia e Religião3ª série 2º bimestre   Filosofia e Religião
3ª série 2º bimestre Filosofia e Religião
 
MANIFESTAÇÕES MEDIÚNICAS NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE
MANIFESTAÇÕES MEDIÚNICAS NA HISTÓRIA DA HUMANIDADEMANIFESTAÇÕES MEDIÚNICAS NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE
MANIFESTAÇÕES MEDIÚNICAS NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE
 
Espiritismo lição 02
Espiritismo lição 02Espiritismo lição 02
Espiritismo lição 02
 
O luto em diferentes culturas
O luto em diferentes culturasO luto em diferentes culturas
O luto em diferentes culturas
 
Aula de Filosofia - 3ª Série do Ensino Médio
Aula de Filosofia - 3ª Série do Ensino MédioAula de Filosofia - 3ª Série do Ensino Médio
Aula de Filosofia - 3ª Série do Ensino Médio
 
Mitologia celta e a psicologia
Mitologia celta e a psicologiaMitologia celta e a psicologia
Mitologia celta e a psicologia
 
A árvore como símbolo e a dimensão vertical da existência
A árvore como símbolo e a dimensão vertical da existênciaA árvore como símbolo e a dimensão vertical da existência
A árvore como símbolo e a dimensão vertical da existência
 
MAGIA
MAGIAMAGIA
MAGIA
 
Mitologia celta
Mitologia celtaMitologia celta
Mitologia celta
 
origem conceitos e caracteristicas das religiões
 origem conceitos e caracteristicas das religiões origem conceitos e caracteristicas das religiões
origem conceitos e caracteristicas das religiões
 
Pentagrama 5
Pentagrama 5Pentagrama 5
Pentagrama 5
 
A Criança Sagrada
A  Criança  SagradaA  Criança  Sagrada
A Criança Sagrada
 
Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,
Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,
Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,
 
Símbolos da nova era e seus significados
Símbolos da nova era e seus significadosSímbolos da nova era e seus significados
Símbolos da nova era e seus significados
 
Mito e mitologia
Mito e mitologiaMito e mitologia
Mito e mitologia
 
Mito e mitologia
Mito e mitologiaMito e mitologia
Mito e mitologia
 
1ªaula
1ªaula1ªaula
1ªaula
 
1ªaula
1ªaula1ªaula
1ªaula
 
1ªaula
1ªaula1ªaula
1ªaula
 

Mais de Andreia Regina Moura Mendes

Aula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisa
Aula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisaAula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisa
Aula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisaAndreia Regina Moura Mendes
 
Módulo do curso de didática: A A função social da ensino
Módulo do curso de didática: A A função social da ensinoMódulo do curso de didática: A A função social da ensino
Módulo do curso de didática: A A função social da ensinoAndreia Regina Moura Mendes
 
Aula Os sete saberes necessários à educação do futuro
Aula Os sete saberes necessários à educação do futuroAula Os sete saberes necessários à educação do futuro
Aula Os sete saberes necessários à educação do futuroAndreia Regina Moura Mendes
 
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativasCibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativasAndreia Regina Moura Mendes
 

Mais de Andreia Regina Moura Mendes (20)

Os deuses gregos e a origem dos mitos
 Os deuses gregos e a origem dos mitos Os deuses gregos e a origem dos mitos
Os deuses gregos e a origem dos mitos
 
Aula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisa
Aula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisaAula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisa
Aula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisa
 
Módulo do curso de didática: A A função social da ensino
Módulo do curso de didática: A A função social da ensinoMódulo do curso de didática: A A função social da ensino
Módulo do curso de didática: A A função social da ensino
 
Aula Os sete saberes necessários à educação do futuro
Aula Os sete saberes necessários à educação do futuroAula Os sete saberes necessários à educação do futuro
Aula Os sete saberes necessários à educação do futuro
 
Palestra Competências para a cibercultura
Palestra Competências para a ciberculturaPalestra Competências para a cibercultura
Palestra Competências para a cibercultura
 
Aula Sociologia da educação
Aula Sociologia da educaçãoAula Sociologia da educação
Aula Sociologia da educação
 
Aula O nascimento da filosofia 2015
Aula  O nascimento da filosofia 2015Aula  O nascimento da filosofia 2015
Aula O nascimento da filosofia 2015
 
Aula A origem da filosofia
Aula  A origem da filosofia Aula  A origem da filosofia
Aula A origem da filosofia
 
Aula Para que serve a filosofia?
Aula  Para que serve a filosofia?Aula  Para que serve a filosofia?
Aula Para que serve a filosofia?
 
Cultura um conceito antropológico
Cultura  um conceito antropológicoCultura  um conceito antropológico
Cultura um conceito antropológico
 
Diferentes modos de se viver a paixão
Diferentes modos de se viver a paixãoDiferentes modos de se viver a paixão
Diferentes modos de se viver a paixão
 
Malhação do Judas: rito e identidade
Malhação do Judas: rito e identidadeMalhação do Judas: rito e identidade
Malhação do Judas: rito e identidade
 
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativasCibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
 
O que é pós moderno
O que é pós modernoO que é pós moderno
O que é pós moderno
 
O conhecimento
O conhecimentoO conhecimento
O conhecimento
 
Ciência com consciência
Ciência com consciênciaCiência com consciência
Ciência com consciência
 
Faces da história
Faces da históriaFaces da história
Faces da história
 
O que é etnocentrismo
O que é etnocentrismoO que é etnocentrismo
O que é etnocentrismo
 
Democracia
DemocraciaDemocracia
Democracia
 
Aprender antropologia
Aprender antropologiaAprender antropologia
Aprender antropologia
 

Último

LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024SamiraMiresVieiradeM
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 

Último (20)

LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 

Conceitos religiosos de povos tradicionais

  • 1. Conceitos e termos das religiões de sociedades pequenas Docente Andreia Regina Moura Mendes Historiadora e antropóloga. atenasregina@yahoo.com.br
  • 2.
  • 4.
  • 5. TOTEMISMO A simbologia da maioria dos povos primitivos é fortemente influenciada pelo totemismo. Por totemismo (ototeman= parentesco, clã, entre os índios ojibwa, Canada) entende-se, de modo geral, a ligação da coletividade ou de uma pessoa a animal ou a vegetal, trazendo consigo determinados rituais e tabus. No âmbito africano e norte-americano, fenômenos d natureza (relâmpago, trovão, granizo e arco-íris) também se transformam em totens, freqüentemente simbolizados por animais. Dicionário de simbologia
  • 6. Totem do povo haidaBritish Columbia. Canadá Museu de Londres
  • 7. TABU Vocábulo de origem polinésia, usado pela primeira vez, ouvido e divulgado pelo navegante britânico James Cook (1728-1779) no decorrer de expedições feitas no oceano Pacífico, onde foi morto pelos indígenas nas ilhas Sandwich (Havaí). A palavra “tabu” significaa o “que é subtraído ao uso corrente”, “pôr de lado”, “afastar”; um animal, uma pessoa, ou qualquer objeto que não se deve ou não se pode abater ou tocar é tabu. Essa proibição não se baseia em justificações explicáveis; a violação do interdito não está inscrita em nenhum código ou lei mas apresenta características de uma calamidade. Nas religiões primitivas, o tabu exprime uma noção de pecado ou de medo; infringir o tabu significa perturbar a ordem e se expor às piores punições. Em muitas civilizações, os cadáveres são tabu. Alguns antropólogos veem no tabu a origem da moral. Dicionário de religiões
  • 8. FETICHE (por. Feitiço = bruxaria, magia). Na Idade Média, em Portugal este conceito era aplicado a objetos de devoção, usados como amuletos. Em antigos relatos de viagem portugueses, especialmente sobre a África, o fetiche é expressão usada para todos os objetos que poderiam ser associados pelos europeus com as assim chamadas “figuras de ídolos”. Os fetiches são geralmente representações de homens ou animais e obtêm o seu poder mágico das substâncias mágicas transmitidas por um feiticeiro (pedras, garras, dentes, pêlos, etc.), colocadas geralmente em recipiente fechado, diante da barriga ou sobre a cabeça. No Zaire meridional são muitas vezes pintados com tinta vermelha (símbolo do sangue e da força vital). Dicionário de simbologia
  • 9. SACRIFÍCIO Oferta de um presente à divindade (ou – não tão relevante para a simbologia – aos antepassados), a forma principal de manifestação do Culto. Na crendice popular corresponde muitas vezes à idéia de do ut des (“dou para que dês”), mas é, para além disso, a entrega simbólica da própria pessoa por meio da oferenda do sacrifício, imaginando como detentora de força, acompanhada da esperança de início de uma profusão de bênçãos de Deus para o homem. Em seu sentido mais profundo, através do sacrifício o mundo é renovado ou salvo (pense no significado da morte de sacrifício de Jesus), assim, como se vê, em inúmeras mitologias, onde o mundo surgiu somente depois do sacrifício de um ser primordial (-> Homem Primordial).
  • 10. RITOS DE PASSAGEM Termo cunhado em 1909 pelo etnólogo francês Arnold Van Gennep. Os ritos de passagem referem-se às analogias estruturais dos costumes em torno de nascimento -> Iniciação, casamento (->Noivado), morte, etc.; seu objetivo comum é assegurar a passagem de uma pessoa para um novo estágio na vida, associado à idéia da -> Purificação. Os ritos de passagem baseiam-se na concepção de que o homem precisa atravessar o estágio da morte para poder renascer de forma nova. Os vários estágios dos ritos mostram, em todos os lugares, uma semelhança notável: exclusão dos não-iniciados, isolamento do candidato, celebração de uma festa, vestidura e unção, atribuição de um novo nome, luta simbólica entre as forças da vida e da morte, etc. Dicionário de simbologia
  • 11. XAMÃ Um xamã é um homem dotado de poderes sobrenaturais, que pode entrar em contato com o mundo transcendental graças a capacidades especiais da alma e do espírito. Os principais portadores de símbolos são aves (sobretudo a águia), bem como o trovão, relâmpago e chuva. A associação entre águia e tempestade é muito freqüente. A ave, que se atira dos céus sobre a terra, traz o relâmpago, o trovão ou é ambas as coisas, como, o pássaro-trovão das tribos indígenas norte-americanas. Dicionário de simbologia
  • 12. MÁSCARA O costume de usar máscaras, passível de comprovação desde a época das pinturas rupestres até o carnaval de hoje, baseia-se na tentativa de passar do mundo subjetivo para o mundo objetivo, apoderar-se das forças de determinados seres por meio de sua representação ou de proteger o próprio eu das forças ameaçadoras pelo ocultamento, disfarce ou intimidação. O ser humano esconde atrás da máscara sua impotência e espera, ao mesmo tempo, superar-se a si mesmo por meio dela. Freqüentemente a transformação exterior obtida pelo mascaramento objetiva uma mudança interior (na iniciação e nas sociedades secretas). Dicionário de simbologia
  • 13. MAGIA É de interesse para a simbologia porque nela torna-se ativo um estilo de pensamento que vivencia uma ação metafórica como sendo eficaz sem mecanismo causal. Ela é a manifestação prática de uma postura espiritual, na qual um “como aqui, também lá” é sentido de modo suficientemente forçoso para não se deduzir apenas correspondências maiores a partir de detalhes observados no meio ambiente e com o auxílio das disciplinas da arte adivinhatória, mas que deve colocar o mágico na posição de poder interferir ativamente no ciclo universal e influenciar o natural e o sobrenatural com a ajuda de uma técnica tradicional. Dicionário de simbologia
  • 14. O funcionamento destes procedimentos altamente irracionais jamais é questionado nas culturas primitivas, pois parte-se da premissa de que uma determinada ação provoca uma imitação no círculo maior do mágico: os ritos mágicos de imagens, que devem causar a morte de animais de caça, quando as suas imagens são transpassadas por flechas, ou que uma pessoa sofra quando sua imagem de cera é picada ou segurada sobre o fogo, com base numa Simpatia (literalmente “sofrer junto”) não passível de definição.
  • 15. A natureza da magia difere basicamente daquela da religião, apesar de tanto numa como noutra ser vivenciado um âmbito sobrenatural como realidade (sendo que na prática, também nos atos religiosos, e nos ritos de sacrifícios, não é raro o intuito da realização e conseqüente dos desejos sem uma verdadeira postura devocional interior). Normalmente, o sentimento de uma pessoa que reza é diferente daquele do mágico, que procura manipular tanto a natureza como o sobrenatural.