Aula8 8 mitos sobre a língua portuguesa

3.288 visualizações

Publicada em

Aula8 8 mitos sobre a língua portuguesa

PRONATEC METROCAMP

Fonte: Preconceito Linguístico: Como é, como se faz. Autor: Marcos Bagno.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.288
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
45
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula8 8 mitos sobre a língua portuguesa

  1. 1. Língua Portuguesa Prof. André Luiz Contatos: andrezinhofigundio@gmail.com Facebook: andre figundio
  2. 2. Aula 8: 8 Mitos sobre a língua portuguesa
  3. 3. Fonte: Livro Preconceito lingüístico: o que é, como se faz. Marcos Bagno
  4. 4. Mito n° 1 “A língua portuguesa falada no Brasil apresenta uma unidade surpreendente”
  5. 5. Mito n° 1 “A língua portuguesa falada no Brasil apresenta uma unidade surpreendente” ___________________________________________________________  Este é o maior e o mais sério dos mitos que compõem a mitologia do preconceito lingüístico no Brasil. Ele está tão arraigado em nossa cultura que até mesmo intelectuais de renome, pessoas de visão crítica e geralmente boas observadoras dos fenômenos sociais brasileiros, se deixam enganar por ele.  Esse mito e muito prejudicial a educacão porque, ao não reconhecer a verdadeira diversidade do português falado no Brasil, a escola tenta impor sua norma linguistica como se ela fosse, de fato, a lingua comum a todos os mais de 200 milhões de brasileiros, independentemente de sua idade, de sua origem geográfica, de sua situação socioeconomica, de seu grau de escolarização etc.
  6. 6. Mito n° 1 “A língua portuguesa falada no Brasil apresenta uma unidade surpreendente” ___________________________________________________________  Ora, a verdade é que no Brasil, embora a língua falada pela grande maioria da população seja o português, esse português apresenta um alto grau de diversidade e de variabilidade, não só por causa da grande extensão territorial do país — que gera as diferenças regionais.  Como a educação ainda é privilégio de muito pouca gente em nosso país, uma quantidade gigantesca de brasileiros permanece à margem do domínio de uma norma culta. Assim, da mesma forma como existem milhões de brasileiros sem terra, sem escola, sem teto, sem trabalho, sem saúde, também existem milhões de brasileiros sem acesso a essa língua, que é a norma literária, culta.
  7. 7. Mito n° 2 “Brasileiro não sabe português / Só em Portugal se fala bem português”
  8. 8.  É a mesma concepção torpe segundo a qual o Brasil é um país subdesenvolvido porque sua população não é uma raça “pura”, mas sim o resultado de uma mistura — negativa — de raças, sendo que duas delas, a negra e a indígena, são “inferiores” à do branco europeu, por isso nosso “povinho” só pode ser o que é. Ora, há muito tempo a ciência destruiu o mito da raça pura, que é um conceito absurdo, sem nenhuma possibilidade de verificação na realidade de nenhum povo, por mais isolado que seja. Assim, uma raça que não é “pura” não poderia falar uma língua “pura”. Mito n° 2 “Brasileiro não sabe português / Só em Portugal se fala bem português” __________________________________________________________
  9. 9. Mito n° 2 “Brasileiro não sabe português / Só em Portugal se fala bem português” __________________________________________________________  O brasileiro sabe português, sim. O que acontece é que nosso português é diferente do português falado em Portugal.  O único nível em que ainda é possível uma compreensão quase total entre brasileiros e portugueses é o da língua escrita formal, porque a ortografia é praticamente a mesma, com poucas diferenças. Mas um mesmo texto lido em voz alta por um brasileiro e por um português vai soar completamente diferente.
  10. 10.  Nosso país é 92 vezes e meia maior que Portugal, e nossa população é quase 20 vezes superior! Quando se trata de língua, temos de levar em conta a quantidade: só na cidade de São Paulo vivem mais falantes de português do que em toda a Europa! Além disso, o papel do Brasil no cenário político-econômico mundial é, de longe, muito mais importante que o de Portugal. Não tem sentido nenhum, portanto, continuar alimentando essa fantasia de que os portugueses são os verdadeiros “donos” da língua, enquanto nós a utilizamos (e mal!) apenas por “empréstimo”. Mito n° 2 “Brasileiro não sabe português / Só em Portugal se fala bem português” __________________________________________________________
  11. 11. Mito n° 3 “Português é muito difícil”
  12. 12. Mito n° 3: “Português é muito difícil” __________________________________________________________  Como o nosso ensino da língua sempre se baseou na norma gramatical de Portugal, as regras que aprendemos na escola em boa parte não correspondem à língua que realmente falamos e escrevemos no Brasil. Por isso achamos que “português é uma língua difícil”: porque temos de decorar conceitos e fixar regras que não significam nada para nós. No dia em que nosso ensino de português se concentrar no uso real, vivo e verdadeiro da língua portuguesa do Brasil é bem provável que ninguém mais continue a repetir essa bobagem.
  13. 13.  Se tanta gente continua a repetir que “português é difícil” é porque o ensino tradicional da língua no Brasil não leva em conta o uso brasileiro do português. Um caso típico é o da regência verbal. O professor pode mandar o aluno copiar quinhentas mil vezes a frase: “Assisti ao filme”. Quando esse mesmo aluno puser o pé fora da sala de aula, ele vai dizer ao colega: “Ainda não assisti o filme do Zorro!” Porque a gramática brasileira não sente a necessidade daquela preposição a, que era exigida na norma clássica literária, 100 anos atrás, e que ainda está em vigor no português falado em Portugal, a dez mil quilômetros daqui! É um esforço árduo e Inútil tentar impor uma regra que não encontra justificativa na gramática intuitiva do falante. Mito n° 3: “Português é muito difícil” __________________________________________________________
  14. 14. Mito n° 4 “As pessoas sem instrução falam tudo errado”
  15. 15. Mito n° 4: “As pessoas sem instrução falam tudo errado” _________________________________________________________  Se dizer Cráudia, praca, pranta é considerado “errado”, e, por outro lado, dizer frouxo, escravo, branco, praga é considerado “certo”, isso se deve simplesmente a uma questão que não é lingüística, mas social e política — as' pessoas que dizem Cráudia, praca, pranta pertencem a uma classe social desprestigiada, marginalizada, que não tem acesso à educação formal e aos bens culturais da elite, e por isso a língua que elas falam sofre o mesmo preconceito que pesa sobre elas mesmas, ou seja, sua língua é considerada “feia”,”pobre”,”carente”, quando na verdade é apenas diferente da língua ensinada na escola.
  16. 16. Mito n°5 “O lugar onde melhor se fala português no Brasil é o Maranhão”
  17. 17.  Não sei quem foi a primeira pessoa que proferiu essa grande bobagem, mas a realidade é que até hoje ela continua sendo repetida por muita gente por aí, inclusive gente culta, que não sabe que isso é apenas um mito sem nenhuma fundamentação científica.  O que acontece com o português do Maranhão em relação ao português do resto do país é o mesmo que acontece com o português de Portugal em relação ao português do Brasil: não existe nenhuma variedade nacional, regional ou local que seja intrinsecamente “melhor”, “mais pura”, “mais bonita”, “mais correta” que outra. Mito n°5: “O lugar onde melhor se fala português no Brasil é o Maranhão” _________________________________________________________
  18. 18. Mito n° 6 “O certo é falar assim porque se escreve assim”
  19. 19. Mito n° 6: “O certo é falar assim porque se escreve assim” ____________________________________________________________  Diante de uma tabuleta escrita COLÉGIO é provável que um pernambucano, lendo-a em voz alta, diga CÒlégio, que um carioca diga CUlégio, que um paulistano diga CÔlégio. E agora? Quem está certo? Ora, todos estão igualmente certos. O que acontece é que em toda língua do mundo existe um fenômeno chamado variação, isto é, nenhuma língua é falada do mesmo jeito em todos os lugares, assim como nem todas as pessoas falam a própria língua de modo idêntico. Infelizmente, existe uma tendência (mais um preconceito!) muito forte no ensino da língua de querer obrigar o aluno a pronunciar “do jeito que se escreve”, como se essa fosse a única maneira “certa” de falar português.
  20. 20. Mito n° 7 “É preciso saber gramática para falar e escrever bem”
  21. 21. Mito n° 7: “É preciso saber gramática para falar e escrever bem” ________________________________________________________  É difícil encontrar alguém que não concorde com a declaração acima. Ela vive na ponta da língua da grande maioria dos professores de português e está formulada em muitos compêndios gramaticais. Se fosse assim, todos os gramáticos seriam grandes escritores (o que está longe de ser verdade), e os bons escritores seriam especialistas em gramática. Ora, os escritores são os primeiros a dizer que gramática não é com eles!
  22. 22. Mito n°8 “O domínio da norma culta é um instrumento de ascensão social”
  23. 23. Mito n°8: “O domínio da norma culta é um instrumento de ascensão social” ___________________________________________________________  Ora, se o domínio da norma culta fosse realmente um instrumento de ascensão na sociedade, os professores de português ocupariam o topo da pirâmide social, econômica e política do país, não é mesmo? Afinal, supostamente, ninguém melhor do que eles domina a norma culta. Só que a verdade está muito longe disso como bem sabemos nós, professores, a quem são pagos alguns dos salários mais obscenos de nossa sociedade. Achar que basta ensinar a norma culta a uma criança pobre para que ela “suba na vida” é o mesmo que achar que é preciso aumentar o número de policiais na rua e de vagas nas penitenciárias para resolver o problema da violência urbana.

×