Método de alfabetização viviane haidê

64.311 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
3 comentários
36 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
64.311
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
363
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2.558
Comentários
3
Gostaram
36
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Método de alfabetização viviane haidê

  1. 1. Jornada pelaAlfabetização
  2. 2. MÉTODOS DE ALFABETIZAÇÃOArticuladoras: Viviana Alves Rodrigues Haidêe Luiza do Nascimento
  3. 3. ReflexõesA compreensão da leitura é um processo complexoem que o leitor lança mão de vários níveis deconhecimento linguísticos, extralinguísticos,textuais e outros. [...o leitor não entra no textosozinho e desprevenido: traz consigo não apenasseus conhecimentos da língua mas também seusvalores, visão de mundo e ideologia]. (KLEIMAN, 1989, apud CARVALHO, 2005)
  4. 4. A História dos Métodos de AlfabetizaçãoSegundo Mortatti (2006), a história da alfabetização temsua face mais visível na história dos métodos dealfabetização, que desde o final do séc. XIX busca umaexplicação para o problema: a dificuldade de nossascrianças em aprender a ler e escrever, especialmentena rede pública.Com a proclamação da República no final do séc.XIX, aeducação ganhou destaque como uma das utopias damodernidade. Saber ler e escrever se tornou instrumentoprivilegiado de aquisição de saber/esclarecimento eimperativo da modernização e desenvolvimento social.
  5. 5. A leitura e a escrita - que até então eram práticasculturais cuja aprendizagem se encontrava restrita apoucos e ocorria por meio de transmissãoassistemática de seus rudimentos no âmbito privadodo lar, ou de maneira menos informal, mas aindaprecária nas poucas “escolas” do Império (“aulasrégias”) – tornaram-se fundamentos da escolaobrigatória, leiga e gratuita e objeto de ensino eaprendizagem escolarizados, o ensino organizado,sistemático e intencional, demandando a preparaçãode profissionais especializados.
  6. 6.  As evidências que sustentam a associação entre escola e alfabetização vem sendo questionadas nas últimas décadas em decorrência das dificuldades na efetivação da ação da escola sobre o cidadão. Evidências explicadas como problemas decorrentes, ora do método de ensino, ora do aluno, ora do professor, ora do sistema escolar, ora das condições sociais, ora de políticas públicas.
  7. 7. A partir das duas últimas décadas, a questão dosmétodos passou a ser considerada tradicional, e osantigos e persistentes problemas da alfabetização vêmsendo pensados e praticados predominantemente , noâmbito das políticas públicas, a partir de outros pontosde vista, em especial a compreensão do processo deaprendizagem da criança, de acordo com a psicogêneseda língua escrita.
  8. 8. Para refletir... O que é tradicional? Quando e por quê se inicia um tipo de ensino de leitura e escrita que hoje chamamos de tradicional? Como podemos explicar sua insistente permanência na prática docente? Como dialogam entre si a tradição e os repetidos esforços de mudança em alfabetização?
  9. 9. Qual seria o melhor método para alfabetizar? Alice e o Gato - YouTube.mp4
  10. 10. O que é método? Caminho para se chegar a um fim; Modo ordenado de fazer as coisas; Conjunto de procedimentos técnicos e científicos.
  11. 11. MÉTODO DE ALFABETIZAÇÃOUm conjunto de saberes práticos ou de princípios organizadores do processo de alfabetização, (re)criados pelo professor em seu trabalho pedagógico.
  12. 12. ALFABETIZAR Ensinar a ler e escrever. Tornar o indivíduo capaz de ler e escrever alfabet + izar Alfa(primeira letra do alfabeto grego) Sufixo indica: Tornar, fazer com que. + Beta(segunda letra do alfabeto grego).
  13. 13. ALFABETIZAÇÃO Ação de alfabetizar, de tornar “alfabeto”. alfabet + iza + ção -ção: sufixo que forma substantivos indica: ação. Ex.: traição: ação de trair.
  14. 14. TEORIA CONDUTISTA PERSPECTIVA CONSTRUTIVISTAPERSPECTIVA SÓCIO-INTERACIONISTA
  15. 15. Teoria CondutistaSegundo a Teoria Condutista a melhor idade para secomeçar a instrução da leitura e da escrita seria aos 6/7anos.Seria necessário preparar a criança para aaprendizagem, exercitando-a em pré-requisitos –prontidão.A aprendizagem era vista como um sub-produto ou umresultado do método instrucional.
  16. 16. Métodos de Alfabetização SINTÉTICOS  ANALÍTICOS Método Alfabético  Palavração (Soletração)  Sentenciação Método Fônico  Global de Método Silábico Contos/Textos
  17. 17. MÉTODOS SINTÉTICOS Partem de elementos menores que a palavra. Insistem na correspondência entre o oral e o escrito. Entre o som e a grafia. Estabelecem correspondência a partir dos elementos mínimos, num processo que consiste ir das partes para o todo. A leitura é mecânica (decodificação do texto) Estratégia perceptiva utilizada: Audição
  18. 18. Exemplos:• Juntando as letras: Soletração – Carta do ABC• Ba-be-bi-bo-bu: Silabação – Cartilha da Infância• Métodos Fônicos: A Abelhinha; A Casinha Feliz
  19. 19. Método Castilho -1853
  20. 20. 1876
  21. 21. 1890 – 1ª ed.; Este exemplar é de1924
  22. 22. 1895 – 1ª ed.1945- 48 ed.
  23. 23. 1911- 1ª ed.1938 – 49 ed.
  24. 24. Você sabia??? Essa cartilha representa o método mais tradicional e antigo de alfabetização, conhecido como método sintético. Apresenta primeiro as letras do Alfabeto (maiúsculas e minúsculas ); (de imprensa e manuscritas). Depois apresenta segmentos de um, dois e três caracteres em ordem alfabética: a,e,i,o,u ba,be,bi,bo,bu, ai,ei oi,ui, - bai,bei,boi,bui.
  25. 25. MÉTODO ALFABÉTICO (SINTÉTICO) 1º Passo: Memorização do nome das letras; 2º Passo: Representação gráfica; 3º Passo: Representação famílias silábicas (b+a=ba; b+e=be, b+i=bi) 4º Passo: Monossílabos, dissílabos, trissílabos e sílabas não canônicas. 5º Passo: Textos segmentados (a ca sa a ma re la na flo res ta)
  26. 26. MÉTODO FÔNICO (SINTÉTICO) 1º passo: Vogais: nome e som das letras são iguais; 2º passo: palavras formadas apenas por vogais; 3º passo: apresentação os fonemas regulares (d, b, f, j,m,n...) de forma isolada e, processualmente, os irregulares; 4º passo: junção dos fonemas regulares e, processualmente os irregulares, com as vogais, formando sílabas; 5º passo: formação de palavras; 6º passo: formação de frases; 7º passo: formação de textos.
  27. 27. MÉTODO SILÁBICO (SINTÉTICO) 1º passo: Apresenta-se as vogais, com ajuda de ilustrações e palavras como “o” de OVO; “e” de ELEFANTE; 2º passo: Apresentam-se as sílabas simples, utilizando palavras e ilustrações e destacando a sílaba na palavra: “ma” de macaco, “na” de navio, “pa” de panela; 3º passo: Famílias silábicas da sílaba em destaque na palavra; 4º passo: Formação de palavras; 5º passo: Formação de frases; 6º passo: Formação de pequenos textos.
  28. 28. MÉTODOS SINTÉTICOS (alfabético, silábico, fônico)A PROPOSTA ENFOQUE VANTAGENS LIMITAÇÕES Possibilita a análise Desconsidera os usos Progressão de Processos de das relações entre e funções sociais da fonemas (sons ou escrita. unidades menores decodificação, (letra, fonema, análise fonológica, unidades sonoras) e Em algum momento, o sílaba) a unidades relações entre grafemas (letras ou aprendiz tem que se mais complexas fonemas (sons) e grupo de letras) desvincular da fala (palavra, frase, grafemas (letras). para codificar texto). Promove o (escrever) e desenvolvimento da decodificar (ler) consciência palavras, frases e fonológica e os textos, já que em alguns casos a escrita processos de não representa os codificação e sons da fala. decodificação.
  29. 29. Métodos Sintéticos Partem de elementos menores que a palavra. Insistem na correspondência entre o oral e o escrito. Entre o som e a grafia. Estabelecem correspondência a partir dos elementos mínimos, num processo que consiste ir das partes para o todo. 1º Passo: a leitura mecânica (decodificação do texto) Estratégia perceptiva utilizada: Audição
  30. 30. MÉTODOS ANALÍTICOS Partem de unidades maiores (palavra) para unidades menores; A leitura é um ato global e ideovisual; Reconhecimento global das palavras e das frases; Estratégia perceptiva: visual.
  31. 31. 1909 – 1 ed. 1955 – 63 1916 – 1ª ed. 1955 – 185 eded.
  32. 32. 1917 – 1ª ed. 1955 – 196 ed. 1996 – 2230 ed. 1908 – 1ª ed. 1919 - 9 ed.
  33. 33. 1924 – 2ª ed. 1926 – 1ªed.Primeira cartilha dirigida para adultos
  34. 34. 1932 – 1ª ed.1928 – 1ª ed. 1957 – 40 ed1939 – 116 ed.
  35. 35. 1939 – 1ª ed. 1940 – 1ª ed.1978 – 39 ed. 1989 – 273 ed.
  36. 36. 1948 – 1ª ed.1965 – 68 ed.1980 foi modificadaFenômeno de vendas no Brasil –40 milhões de exemplares
  37. 37. PALAVRAÇÃO (ANALÍTICO) 1º passo: Apresentação de palavras ilustradas que fazem parte do universo infantil; 2º passo: Memorização (leitura e escrita da palavra); 3º passo: divisão silábica das palavras; 4º passo: formação de novas palavras com as sílabas estudadas; 5º passo: estudo e análise de grafemas/fonemas; 6º passo: formação de frases; 7º passo: formação de textos.
  38. 38. SENTENCIAÇÃO (ANALÍTICO) 1º passo: Apresentação de frases que fazem parte do universo infantil; 2º passo: Memorização (leitura e escrita da frase); 3º passo: Observação de palavras semelhantes dentro da sentença; 4º passo: Formação de grupo de palavras; 5º passo: Isolamento de elementos conhecidos dentro da palavra (sílaba); 6º passo: Estudo e análise de grafemas/fonemas.
  39. 39. GLOBAL /TEXTOS/CONTOS (ANALÍTICO) 1º passo: Apresentação de partes do texto com sentido completo, em cartazes; 2º passo: Memorização - leitura e escrita do texto; 3º passo: Decomposição do texto estudado em frases, (iniciando-se o estudo do 2º cartaz); 4º passo: Decomposição das frases em palavras; 5º passo: Decomposição das palavras em sílabas; 6º passo: Formação de novas palavras com as sílabas estudadas; 7º passo: Estudo e análise de grafemas/fonemas.
  40. 40. MÉTODOS ANALÍTICOS(palavração, sentenciação, global contos/textos) VANTAGENS LIMITAÇÕESPROPOSTA ENFOQUEProgressão de Compreensão de Reconhecimento Se não houver umaunidades de sentido sentidos e correta orientação do global e mais rápidomais amplas (palavra, aprendizagem professor: das palavras,frase, texto) a ideovisual Pode dificultar a leitura possibilitando a leituraunidades menores (reconhecimento com sentido quando o de unidades com(sílabas). global pela silhueta da texto apre-sentar sentido desde o início palavra, frase ou palavras completamente da escolarização. novas. texto). Se não houver uma orientação correta para a decodificação, corre-se o risco do aluno utilizar do recurso da memorização sem observar que as palavras são compostas de unidades menores.
  41. 41. Equilibrio e Articulação princípios de decodificação e de organização do sistema alfabético-ortográfico da escrita; princípios de compreensão, reconhecimento global e construção de sentidos em contextos de usos sociais da escrita e da leitura; princípios pertinentes à progressão das capacidades das crianças, com ênfase em intervenções para avanços.
  42. 42. Perspectiva Construtivista/Sócio Interacionista Apresenta uma nova visão da aprendizagem, entendendo-a como um processo contínuo de desenvolvimento. As aprendizagens dadas durante o período dos três aos seis anos fazem parte do processo de alfabetização.
  43. 43.  A escrita, a leitura e a linguagem oral não se desenvolvem separadamente, mas atuam de maneira interdependente. A alfabetização inicial não é um processo abstrato, mas ocorre em contextos culturais e sociais determinados.
  44. 44. Dois tipos de conhecimento interativo fazem parte das primeirasexperiências com a linguagem escrita por natureza:  Os conhecimentos elaborados pela criança a partir da interação com os leitores e o material escrito.  Os conhecimentos socialmente transmitidos pelos adultos e assimilados pela criança.
  45. 45. Emília Ferreiro e Ana Teberosky“Mais do que pensar em métodos, é preciso compreender os processos de aprendizagem da criança ao tentar reconstruir a representação do sistema alfabético”.
  46. 46.  Estudo Errado Gabriel, O Pensador Adail, O Ilustrador.avi O sucesso da alfabetização.pptx
  47. 47. OBRIGADA!!!!!!!!! BOA JORNADA ATOD@S... ‘

×