A leitura e a escrita na matemática

22.806 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
9 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Bem na hora estava exatamente trabalhando este tema .
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
22.806
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
466
Comentários
1
Gostaram
9
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A leitura e a escrita na matemática

  1. 1. Leitura e Escrita em MatemáticaProfessora Articuladora: Aparecida Dias Eliana Ao mestre com carinho.wmv
  2. 2. CRONOGRAMA DA SEMANA16/10 - Leitura e Escrita na Matemática Profª Maria Aparecida Marcolino de Paiva Dias E. E. Vale do Guaporé17/10 - Números e Sistema de Numeração Profª Renata Scarpassi Rodrigues E. E. Mário Spinelli18/10 - Espaço e Formas Profª Margarete March Libório Secretaria Municipal de Educação19/10 - Fração Profª Rosangela Vanderlei da Silva Cuba E . E. Deputado Dormevil Farias22/10 - Adição, Subtração e seus Problemas Profª Carmem Cruz Maciel E.E . Antônio Carlos de Brito23/10 - Multiplicação, Divisão e seus Problemas Profª Amira Amim da Silva Franco E. E. São José
  3. 3. Acolhida A matemática relacionada a nossa vida!.wmv
  4. 4. “As pessoas crescidas adoram os números. Quando você lhesfala de um novo amigo, elas nunca perguntam o essencial:‘Qual é o som de sua voz? Quais são seus brinquedospreferidos? Ele coleciona borboletas?’ Elas sempre perguntam:‘Qual é sua idade? Quantos irmãos ele tem? Quanto ele pesa?Quanto ganha seu pai?’ Somente então elas acreditam tê-loconhecido. Se você diz às pessoas crescidas: ‘Eu vi uma belacasa de tijolos cor-de-rosa, com gerânios nas janelas e pombosno telhado...’ elas não conseguem nem imaginar essa casa. Énecessário dizer-lhes – ‘eu vi uma casa de cem mil francos.’Então elas exclamam – ‘Como é bonita!’” (Antoine de Saint-Exupéry, em O pequeno Príncipe)
  5. 5. QUEM ESTÁ FELIZ, BATE PALMAS... Quem está feliz, bata palmas.wmv
  6. 6. OBJETIVO Refletir sobre o papel da oralidade, das representações pictóricas e da escrita como recursos de ensino que permite vislumbrar uma nova dimensão para a prática escolar em sintonia com as pesquisas sobre a aquisição do conhecimento e da aprendizagem
  7. 7. Comum:Acreditar que as dificuldades apresentadas por seus alunosem ler e interpretar problemas ou exercícios está associada a pouca habilidade que estes têm para a leitura. A concepção de que se o aluno tivesse mais fluência naleitura nas aulas da língua materna, ele seria melhor leitor de matemática.
  8. 8. ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO MATEMÁTICOSegundo o relatório do PISA, 2000 publicadopela OECD (Organization for Economic Co-operation and Development): “o domínio doletramento matemático diz respeito a capacidadedo aluno para analisar, julgar e comunicar ideiasefetivamente, propondo, formulando eresolvendo problemas matemáticos em diversassituações”.
  9. 9. OU SEJA:É a capacidade de um indivíduo para identificar eentender o papel que a matemática representano mundo, fazer julgamentos matemáticos bemfundamentados e empregar a matemática deformas que satisfaçam as necessidades geraisdo individuo e de sua vida futura como umcidadão construtivo, preocupado e reflexivo.
  10. 10. Desafio da escola: fazer com que os alunos sejamleitores fluentes (informações escritas).Metas: utilização da leitura para buscar informaçãoe para aprender. Por isto, a leitura deve ser objetode preocupação nas aulas de matemática.
  11. 11. A COMUNICAÇÃO EM MATEMÁTICATem um papel fundamental para ajudar osalunos a construírem um veículo entre suasnoções informais e intuitivas e a linguagemabstrata e simbólica da matemática.Aprender matemática exige comunicação, pois éatravés dos recursos de comunicação que asinformações, os conceitos e as representaçõessão vinculadas entre as pessoas.
  12. 12. A ORALIDADE EM MATEMÁTICA
  13. 13. SEMPRE QUE PEDIMOS A UMA CRIANÇA OU AUM GRUPO PARA DIZER: O que fizeram e por que o fizeram, Quando solicitamos que verbalizem os procedimentos que adotaram, justificando-os, Comentem o que escreveram, representaram ou esquematizaram, relatando as etapas de sua pesquisa...Estamos permitindo que modifiquemconhecimentos prévios e construam novossignificados para as ideias matemáticas.
  14. 14. MÚSICAAQUARELA TOQUINHO
  15. 15. RELACIONANDO O MATEMÁTICO E O PICTÓRICOATRAVÉS DO DESENHO COMO UMA FORMA DE COMUNICAÇÃO
  16. 16. O desenho pode ser proposto pelo professor após a realização de uma atividade como forma de: registrarem o que fizeram; refletirem sobre suas ações; mostrarem se observaram, aprenderam e assimilaram os aspectos mais relevantes que foram estabelecidos como objetivo da tarefa.
  17. 17. APÓS A REALIZAÇÃO DE UM JOGO OU BRINCADEIRA DESENHAR OSPARTICIPANTES, AS CARTAS, QUEM GANHOU, O ESPAÇO NO QUAL O JOGO ACONTECEU.
  18. 18.  Diferentes resoluções para o problema:Na semana passadadona Gema fez 15 docese distribuiu igualmentepara cinco crianças.Quantos doces cadacriança recebeu?Desenhos, esquemas esímbolos matemáticoscomplementam-seapoiando o pensamentoda criança e dandomaior significado àsideias envolvidas.
  19. 19.  Desenhos representando atividades feitascom o corpo paradescrever ângulos a partir de movimentos de giro.
  20. 20. É importante exporessas produções no ambiente escolar,oportunizando que as crianças socializem suas percepções.
  21. 21. Em que essesregistros podemcontribuir para o conhecimento matemático?
  22. 22. ESSES REGISTROS SERVEM PARA OPROFESSOR Como pistas de como cada aluno percebeu o que fez; Como ele expressa suas reflexões pessoais; Que interferências poderão ser feitas em outras situações para ampliar o conhecimento matemático envolvidos em uma dada atividade.
  23. 23. Escrever nas aulas de Matemática Características
  24. 24. RECURSO DE REPRESENTAÇÃO DE IDEIAS. Oral Desenho Escrita
  25. 25. ENQUANTO...A oralidade e o desenho restringem-se àaquelas pessoas que estavam presentes nomomento da atividade, ou que tiveramacesso ao autor de um desenho paraelucidar incompreensões de interpretação,o texto escrito amplia o número de leitorespara a produção feita.
  26. 26. TEXTO COLETIVO PRODUZIDO PELA TURMA DDA /1ª FASE DO 2º CICLO
  27. 27. TEXTOS EM MATEMÁTICA: POR QUE NÃO? A produção de textos nas aulas de matemática cumpre um papel importante para a aprendizagem do aluno e favorece a avaliação dessa aprendizagem em processo. Organizar o trabalho em matemática de modo a garantir a aproximação dessa área do conhecimento e da língua materna, além de ser uma proposta interdisciplinar, favorece a valorização de diferentes capacidades que compõem a realidade complexa de qualquer sala de aula.
  28. 28. ANÚNCIO CLASSIFICADO, PRODUZIDO POR ALUNOSDO 3ª FASE DO 1º CICLO DURANTE A REALIZAÇÃODE UM PROJETO ENVOLVENDO MATEMÁTICA ELITERATURA INFANTIL.
  29. 29. Produzir texto de uma noticia maior, para registrar uma descoberta, umaatividade realizada ou expressaropinião, conforme é mostrado ao lado.Outra possibilidadeé de produzir textos para colocar em uma página da/na internet, caso a escola tenha uma.
  30. 30. ESCREVER PARA EVOLUIR: FAZENDOINTERVENÇÕES Escrita espontânea produzida por uma aluna do 2ª fase do 1º ciclo após um jogo de dados.
  31. 31. NO TEXTO SOBRE O JOGO DE DADOS, APROFESSORA PODERIA QUESTIONAR: Como escrevemos gente? E Chateada? Como é o jogo? Como se faz para ganhar? O que usamos para jogar? Que tal escrevermos juntos algumas regras importantes? Jéssica, como você percebeu que seu amigo roubou no jogo? Você gostaria de escrever isso no texto?
  32. 32. FRAGMENTO DE UMA HISTÓRIA EM QUADRINHOSPRODUZIDA POR ALUNOS DA 1ª FASE DO 2º CICLO
  33. 33. Fragmento deum dicionárioelaborado por alunos da 2ª fase do 2 º ciclo.
  34. 34. LER PARA APRENDER MATEMÁTICA: Matemática: sinais, letras e palavras que se organizam segundo certas regras para expressar ideias. Além dos termos e sinais específicos, existe na linguagem matemática uma organização de escrita nem sempre similar àquela que encontramos nos textos de língua materna, o que exige um processo particular de leitura.
  35. 35.  Estas características levam-nos a considerar que os alunos devem aprender a ler matemática e ler para aprender matemática durante as aulas dessa disciplina, pois para interpretar um texto matemático, o leitor precisa familiarizar-se com a linguagem e os símbolos próprios desse componente curricular, encontrando sentido no que lê, compreendendo o significado das formas escritas que são inerentes ao texto matemático, percebendo como se articula e expressa conhecimentos.
  36. 36.  Formar um leitor não é uma tarefa simples e envolve uma série de processos cognitivos, e por que não dizer afetivos e sociais, que permitirão uma aprendizagem mais ou menos significativa, dependendo de quanto o professor valoriza as leituras nas aulas de matemática.
  37. 37.  Há muitas maneiras de cuidarmos das leituras em aulas de matemática e de variarmos seus objetivos: ler para aprender, ler para obter uma informação, ler para seguir instruções, ler por prazer, ler para comunicar um texto a outras pessoas (Solé, 1998). Criar uma rotina que articule: momentos de leitura individual, oral, silenciosa ou compartilhada.
  38. 38.  Os textos a ser lidos devem ser adequados aos objetivos que o professor pretende alcançar e diversificados: problemas, textos variados, textos de jornais, regras de jogos...
  39. 39. EM SÍNTESE, PODE-SE DIZER QUE: • a leitura de um texto nunca deve estar desvinculada de seu contexto; • o leitor deixa de assumir uma posição de passividade perante o texto e começa a interagir com ele, criando o sentido do texto, com base em sua intenção de leitura; • há várias maneiras de interpretar um texto, pois a interpretação depende dos conhecimentos do leitor, da sua intenção e dos outros elementos do contexto.
  40. 40. TRABALHANDO A LEITURA NAS AULAS DE MATEMÁTICA:Um dos cuidados que devemos ter é a motivação do aluno antes de iniciar o processo de leitura. Alguns elementos que contribuem para que a motivação ocorra são: O trabalho Os alunos deve ser devem ter a O ato de lerOs objetivos planejado de ajuda de que A leitura deve constituir-se da leitura modo que as necessitarem oferecer em uma estarem leituras ea alguns tarefaclaros para escolhidas possibilidade desafios possível para todos tenham os de os alunos alunos como perceberem referência seus avanços
  41. 41. APRENDENDO A LER PROBLEMAS Dificuldades enfrentadas = ausência de um trabalho específico com o texto do problema (estilo; termos específicos da matemática; palavras que possuem diferentes significado do usual, na matemática – total, diferença, ímpar, média, volume, produto...).
  42. 42.  Desde a alfabetização: cuidado com a leitura que o professor faz do problema, cuidados em propor tarefas específicas de interpretação do texto de problemas, enfim, um projeto de intervenções didáticas destinado exclusivamente a propiciar aos alunos a lerem problemas de matemática com autonomia e compreensão.
  43. 43.  Antes dos alunos aprenderem a ler, o professor pode ler todo o problema para eles, cuidando de não enfatizar a leitura das palavras-chave nem usar qualquer recurso que lhes impeça de buscar a solução por si mesmos.
  44. 44. ALGUNS RECURSOS PARA EXPLORAR A ALFABETIZAÇÃO EMATEMÁTICA QUANDO OS ALUNOS APRESENTAM DIFICULDADESNA INTERPRETAÇÃO DOS TEXTOS DE PROBLEMAS: Escrever a cópia do problema no quadro ou projetá-la em uma tela, e fazer com os alunos uma leitura cuidadosa. Primeiro do problema todo, depois mais vagarosamente.
  45. 45. •Quem pode me contar o problema Propor o novamente?problema escrito •Há uma palavra nova e fazer ou desconhecida?questionamentos orais: •Do que trata o problema? •Qual é a pergunta?
  46. 46. APRENDENDO A LER O LIVRO DIDÁTICO A partir do segundo ano o professor pode introduzir os alunos na leitura do livro didático de matemática, selecionando alguns trechos do livro, os quais estejam de acordo com os conceitos que estiver explorando no momento. Os alunos, orientados pelo professor, devem prestar atenção a determinados aspectos do texto matemático: títulos, exemplos, palavras especiais, uso de letras diferentes, ilustrações, etc. Para auxiliar podem usar o dicionário.
  47. 47.  Outra possibilidade é perguntar aos alunos o que sabem sobre um determinado tema e depois buscar na leitura as informações sobre este assunto e compará-las com seus conhecimentos anteriores.
  48. 48. formular previsões sobre o que será lido, Outra, é fazer leitura formular perguntascompartilhada, que pode sobre o que se leu,ser organizada em torno de quatro modalidades básicas (Solé, 1998; Kleiman, esclarecer dúvidas de 1993): leitura e recapitular ou resumir o texto em suas ideias centrais (feito em forma oral).
  49. 49.  Lendo um Poema e Fazendo um Mural Poema de Fernando Paixão (1996) Realizado por alunos da 1ª fase do 2 ° ciclo.
  50. 50. OBSERVE O GRÁFICO QUE COMPARA O TEMPO DEDURAÇÃO DE UM SABONETE USADO POR UMA PESSOAEM DIVERSOS PAÍSES E RESPONDA:a) Em que país o sabonete dura mais?Como você descobriu?b) Quantos dias o sabonete na Alemanha dura mais que no Brasil?c) Qual a durabilidade do sabonete na Argentina? Como podemos interpretar o valor 49,5 dias?d) Que explicação você pode encontrar para a duração do sabonete ser diferente de um país para outro?
  51. 51.  Não basta a leitura de gráficos e tabelas; Também é necessário a aquisição desse tipo de textos escritos Por exemplo a tabela ao lado foi adaptada de uma notícia, e representada de forma pictórica.
  52. 52. Música: Matemática Pra chegar no resultado queRestart não pode ser mudadoVou começar por um, mas É fazer você felizsempre preferi o dois Eu vou mostrar tudo o queO melhor entre nós dois eu pudemos somarquero algo a mais E ai de você pensar que eu vouE menos que isso eu deixo pra dividirdepois Pois hoje é só o teu sorrisoE três, eu não vou pensar mais que me faz sorrirem vocêsSe for pra ser eu quero par, eu E as contas são só pra tequero te mostrar mostrarTudo aquilo que eu ainda Que o que conta é a soma dosposso te ensinar sorrisos e da paixãoE as contas são só pra te A matemática do teu coraçãomostrarQue o que conta é a soma dos Então deixa eu te mostrarsorrisos e da paixão Que mesmo sendo difícil deA matemática do teu coração explicar Eu sei que você pode, podeEntão deixa eu te mostrar me amarQue mesmo sendo difícil de Assim como eu te amoexplicarEu sei que você pode, pode Então deixa eu te mostrarme amar Que mesmo sendo difícil deAssim como eu te amo explicar Eu sei que você pode, podeEntão deixa eu te mostrar me amarQue mesmo sendo difícil de Assim como eu, eu te amo...explicar [2x]Eu sei que você pode, podeme amar Iê ê êAssim como eu, eu te amo Assim como eu, eu te amo Iê ê êEu vou pegar tudo o que você Assim como eu, eu te amome derE multiplicar como eu quiser 06 Matematica.mp3
  53. 53. VIVENCIA1-PRIMEIRO MOMENTO: DINÂMICA: O PRESENTE TRABALHOS EM GRUPO: DIVIDIR EM 09 GRUPOS DE ACORDO COM AS FORMA GEOMETRIAS RECEBIDAS; ATIVIDADES COM JOGOS POR 10 MIM, APÓS ESTE MOMENTO OS GRUPOS DEVERÃO TROCAR AS ATIVIDADES COM OUTROS GRUPOS;2-SEGUNDO MOMENTO: OS GRUPOS RETORNAM PARA SEUS LUGARES PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE ENSINO DE ACORDO COM AS ORIENTAÇÕES CURRICULARES E O SIGA; SOCIALIZAÇÃO DOS TRABALHOS.
  54. 54. Para Refletir...

×