O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Tcc Pedagogia Empresarial

3.263 visualizações

Publicada em

Com a era da informação, globalização, transformações no mercado e a ascensão do trabalhador do conhecimento, organizações cada vez mais buscam formas de manterem-se ativas. O capital humano é a principal ou maior fonte competitiva. A necessidade passou de comprometer-se não somente com capacitações técnicas, mas também com o desenvolvimento das pessoas em sua totalidade, de forma que depois de se deixarem transformar, transformem e melhorem a sociedade. Organização e pedagogia por possuírem um mesmo olhar sobre a pessoa na sua totalidade podem buscar meios para, juntas, atuarem como agentes da transformação humana. O presente artigo pretende demonstrar como a pedagogia empresarial pode contribuir com a transformação do homem nas organizações. A metodologia utilizada neste artigo foi de estudo de caso em uma organização sem fins lucrativos, localizada no vale do Paraíba, na qual foi aplicado um questionário com 48 colaboradoras que atuam no departamento de serviços gerais da empresa.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Tcc Pedagogia Empresarial

  1. 1. _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Curso de Administração – FCN 1 UM ESTUDO DE CASO SOBRE O PAPEL DA ORGANIZAÇÃO NA TRANSFORMAÇÃO DO HOMEM: CONTRIBUIÇÕES DA PEDAGOGIA EMPRESARIAL Maria Lanuza Caldas de Sousa Faculdade Canção Nova lanuzacaldas@gmail.com Orientador Prof. MS. André Alves Prado Faculdade Canção Nova pradousp@gmail.com Resumo Com a era da informação, globalização, transformações no mercado e a ascensão do trabalhador do conhecimento, organizações cada vez mais buscam formas de manterem-se ativas. O capital humano é a principal ou maior fonte competitiva. A necessidade passou de comprometer-se não somente com capacitações técnicas, mas também com o desenvolvimento das pessoas em sua totalidade, de forma que depois de se deixarem transformar, transformem e melhorem a sociedade. Organização e pedagogia por possuírem um mesmo olhar sobre a pessoa na sua totalidade podem buscar meios para, juntas, atuarem como agentes da transformação humana. O presente artigo pretende demonstrar como a pedagogia empresarial pode contribuir com a transformação do homem nas organizações. A metodologia utilizada neste artigo foi de estudo de caso em uma organização sem fins lucrativos, localizada no vale do Paraíba, na qual foi aplicado um questionário com 48 colaboradoras que atuam no departamento de serviços gerais da empresa. Palavras-chave: Organizações, Pessoas, Transformação, Pedagogia empresarial. Abstratc With the information age, globalization, changes in the market and the rise of the knowledge worker, organizations increasingly seek ways to keep themselves active. Human capital is the main or most competitive source. The need has to commit not only with technical skills but also with the development of the people in its entirety, so that after leaving transform, transform and improve society. Organization and pedagogy because they have the same look on the person as a whole can seek ways to jointly act as agents of human transformation. This article seeks to demonstrate how the business pedagogy can contribute to the transformation of man in organizations. The methodology used in this article was a case study in a non-profit organization, located in the Paraíba Valley, which was a questionnaire with 48 collaborators who work in the general services department of the company. Keywords: Organizations, People, Transformation, Corporate Education. Introdução Com a era da informação, globalização, transformações no mercado e a ascensão do trabalhador do conhecimento, organizações cada vez mais buscam formas de manterem-se ativas. Empresas estratégicas entendem que o capital humano é a principal ou maior fonte competitiva. A necessidade passou de comprometer-se não somente com capacitações técnicas, mas também com o desenvolvimento das pessoas em sua totalidade, de forma que depois de se deixarem transformar, transformem e melhorem a sociedade. Organizações diversas atuam constantemente em meio à sociedade. Existem desde
  2. 2. _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Curso de Administração – FCN 2 tempos antigos. Passaram por eras que no decorrer de sua história evoluíram no conceito sobre o seu próprio papel no mundo e do homem nas empresas. Ainda por várias concepções de Teorias Gerais da Administração que as ajudaram a perceber que o ambiente da sociedade é complexo, propenso a constantes avanços e mudanças, exigindo assim que a força de trabalho humana evolua da mesma forma. Empresas passam por todos os aspectos da modernidade e várias pessoas participam delas. Sofrem impactos do ambiente interno e externo, o que isto passa a ser um fator determinante na sua forma de gestão. Influenciam, marcam a vida das pessoas, quer seja positiva ou negativamente. Possuem forças poderosas quanto mais bem-sucedidas e mecanismos de interação constante com o ambiente em que estão inseridas. As organizações são administradas, coordenadas, movimentadas por pessoas que buscam atingir um objetivo definido. O indivíduo é seu maior potencial competitivo. As que são comprometidas assumem responsabilidades com desenvolvimento, aprendizado e ainda buscam tornar o capital humano existente no seu ambiente um cidadão melhor para a sociedade. Encontrar, desenvolver o potencial individual e transformá-lo requer tempo. A forma como se lidera esta força de trabalho contribui para a formação e transformação de uma pessoa. O tipo de liderança buscado por organizações em tempos de mudanças é a transformacional que poderá ser enriquecida com a pedagógica. Para Holtz (2006), a pedagogia como ciência que se preocupa em conduzir, provocar mudanças no comportamento humano, aplica ações para formação baseada em doutrinas e princípios, aperfeiçoa e estimula as faculdades da personalidade das pessoas. Desta forma, organização e pedagogia por possuírem um mesmo olhar sobre este protagonista em sua totalidade podem buscar meios para, juntas, atuarem como agentes da transformação humana. O presente artigo pretende demonstrar como a pedagogia empresarial pode contribuir com a transformação do homem nas organizações. Ao mesmo tempo em que organizações se destacam na sociedade, esperam-se delas que supram necessidades materiais e sociais das pessoas e promovam transformações em suas vidas. Espera-se que o indivíduo torne-se cidadão melhor e comprometido com a sociedade, que por sua vez transformado possa promover a transformação no meio em que estar inserido. É de suma importância escrever sobre a pedagogia empresarial que se insere nas organizações. É uma forma de suprir a necessidade urgente no ambiente das empresas de se olhar o homem em toda sua complexidade, de tal forma que possa ser estimulado, desenvolvido em suas competências e habilidades, ao mesmo tempo em que contribua com o desenvolvimento do negócio organizacional de forma efetiva e produtiva. Academicamente é relevante escrever sobre este tema dado sua importância para o momento presente que vive as organizações, pois o trabalhador do conhecimento é a fonte atual mais competitiva. Ao mesmo tempo desafiadora, uma vez que tem sido um campo relativamente
  3. 3. _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Curso de Administração – FCN 3 novo na área de atuação da pedagogia, que oferece várias possibilidades a serem aprofundadas e postas em prática. A metodologia utilizada neste artigo foi de uma pesquisa descritiva em que foi usado o método de estudo de caso em uma organização sem fins lucrativos, localizada no vale do Paraíba, na qual foi aplicado um questionário com 11 perguntas, sendo 5 em que se analisou a percepção quanto à organização, 5 quanto à liderança e 1 em que se levantou tempo de trabalho na organização, com 48 colaboradoras que atuam no departamento de serviços gerais da empresa. Segundo Rampazzo (2013), a pesquisa descritiva parte de dados coletados da própria realidade podendo assumir diversas formas como, por exemplo, um estudo de caso que pode utilizar-se de diversos instrumentos entre eles o questionário. Dalmario e Dalmario (2011, p. 217) definem questionário como um “recurso para obtenção de dados, largamente utilizado em pesquisas nas mais variadas áreas do conhecimento”. 1 Conceitos e contexto das organizações No mundo atual vive-se na sociedade das organizações, que existem desde os tempos antigos dos faraós e os imperadores na antiga China, segundo Chiaventato (2002). A princípio a humanidade se desenvolveu passando pela etapa da natureza em que era retirada toda subsistência dos homens, depois a do trabalho que passou a transformar os elementos da natureza. Por terceiro, a etapa do capital que se tornou um dos fatores básicos da vida social. Os três elementos - natureza, trabalho e capital - tornaram-se meios utilizados pelas empresas para atingirem seus objetivos. Motta e Vasconcelos (2006, p. 144) definem organização como “um sistema de jogos estruturados. As regras e estruturas organizacionais operam de modo indireto e não determinam o comportamento dos atores sociais, mas induzem jogos de poder e comportamentos”. Para Maximiniano (2004, p. 27), organizações são “grupos sociais deliberadamente orientados para a realização de objetivos, que, de forma geral, se traduzem no fornecimento de produtos ou serviços”. Na visão de Chiavenato (2010, p. 8), “organização é uma entidade social composta de pessoas que trabalham juntas e deliberadamente estruturadas e organizadas para atingir um objetivo comum”. Segundo Ribeiro (2010, p. 11), organização é “essencialmente um espaço educativo, estruturado como uma associação de pessoas em torno de uma atividade com objetivos específicos e, portanto, como um espaço também de aprendizagem”. As organizações passam por todos os aspectos da modernidade e várias pessoas participam delas. Para Chiavenato (2010), empresas surgiram com o propósito de prestar auxílio à humanidade através dos seus serviços, produtos ou benefícios de forma geral. São sistemas interdependentes da sociedade e de outras organizações. Através de recursos como conhecimento, dinheiro, tecnologia e informação desempenham atividades através da
  4. 4. _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Curso de Administração – FCN 4 coletividade. Neste ambiente o homem vive, sobrevive, trabalha, depende em tudo que se faça quer seja na área de lazer, educação, saúde e outros. Certo et al. (2005) afirmam que organizações possuem forças poderosas quanto mais bem-sucedidas. Podem tornar melhor a sociedade, protegê-la, sem deixar de atender seus próprios interesses econômicos e técnicos. À medida que evoluíram, passaram a ter mais responsabilidade com o ambiente em que estão inseridas e de alguma forma podem interferir na vida das pessoas. Não podem se esquivar de alguns problemas sociais como cidadãs. Devem compartilhar com todos do dever pela melhoria do sistema que faz parte. Chiavenato (2010) relata que antigamente as organizações faziam registros de suas atividades comerciais através da escrita. A grande mudança ocorreu após a Revolução Industrial, que alterou a figura do mundo e substituiu a Era da Agricultura. Taylor em 1903 escreveu o primeiro livro sobre a teoria administrativa. O desenvolvimento da administração nas organizações passa então por três eras até o momento: Era Industrial Clássica, Era Industrial Neoclássica e Era da Informação. Para uma melhor compreensão das organizações serão abordados no quadro a seguir os principais pontos das eras da administração, como: as fontes de riquezas, evolução do ambiente organizacional, concepções sobre o homem e as teorias que surgiram: As principais Eras da Administração Clássica Neo Clássica Da informação (1900 - 1950) (1950 - 1990) (a partir de 1990) Fonte de riqueza Capital financeiro Humano Conhecimento Ambiente organizacional Estável, previsível, Transição, Global, Virtual, rápida comunicação, Tranquilo Avanço tecnológico Informação, tecnologia como instrumento de trabalho Homem Previsível, egoísta Necessidades, Trabalhador do conhecimento, Homo Economicus Imprevisível, Potencial competitivo Envolvido com os objetivos organizacionais Homo Complexus Teorias Clássica, Neo Clássica, Modelo Burocrático, Estruturalista, Relações Humanas Comportamental, Sistemas, Contingências Fonte: adaptado de MOTTA (2006); CHIAVENATO (2010); DRUCKER (2002). Para Drucker (2002), com a ascensão do trabalhador do conhecimento, que atualmente representa uma minoria da força de trabalho total de uma organização, empresas ficam cada vez mais dependentes do desempenho deste tipo de profissional. É ele de forma individual que garante uma maior produtividade. Antes servia ao sistema, agora o sistema o serve. Deixou de ser
  5. 5. _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Curso de Administração – FCN 5 um passivo da organização e passou a ser a maior oportunidade que uma organização tem de ser bem-sucedida. A receita do crescimento organizacional é buscar o potencial dessas pessoas, dedicar tempo e desenvolvê-las. Hitt, Ireland e Hoskisson (2011) afirmam que o indivíduo é fonte essencial na sobrevivência de uma organização. A chave do sucesso é a utilização total da força de trabalho humano. À medida que a concorrência acelera possivelmente a única fonte de vantagem competitiva na era da informação são as pessoas. A forma como uma organização gesta as pessoas no seu ambiente organizacional pode torná-la mais competitiva e causar impactos positivos ou negativos em suas vidas. 2 Formas de gestão e alguns impactos na vida das pessoas Para Ferreira et al. (2006), à medida que as organizações passam por um processo de evolução, evoluem também os modelos de gestão. Para que seja alcançada eficiência, eficácia e efetividade organizacional é imprescindível coerência e compatibilidade no modelo a ser adotado de acordo com a natureza da organização e a relação que possui com o ambiente. O trabalhador atual é cada vez menos subordinado e sim associado. Após passarem pelo aprendizado, precisam ter mais conhecimento que seu chefe, desta forma não são desnecessários. O que caracteriza um trabalhador do conhecimento é o mesmo saber mais do que faz na organização do que sua liderança. No entanto, possuem mobilidade e saem quando acham que outro ambiente profissional lhe é mais interessante. São pessoas diferentes, precisam ser geridas de formas diferentes e em ocasiões diferentes. O segredo é não lhes dar ordens, mas usar de persuasão. Drucker (2007, p. 28) afirma que “não se gerencia pessoas. A tarefa é liderar pessoas. A meta é tornar produtivas as forças e o conhecimento específicos de cada pessoa”. Pessoas possuem valores individuais que podem ter nascido com elas, como uma herança genética ou ainda adquiridas com o decorrer da vida, por meio da educação que se recebe seja formal ou informal e ainda como o mundo é percebido, segundo Ferreira et al. (2006). A interação desses valores formará uma base de ação do comportamento da pessoa na busca da realização de seus anseios. É necessária a compreensão da liderança a respeito da singularidade de cada indivíduo, dos valores inerentes, a forma como interagem e se externam, levando-se em conta não somente a realidade presente, mas o passado, tradição e cultura. O ser humano deverá ser respeitado em sua singularidade, o que se torna um desafio organizacional, pois não há um modelo pronto de gestão eficaz que possa ser copiado e reproduzido de forma uniforme. Uma organização se torna singular com a interação dos valores individuais e organizacionais. Drucker (2002, p. 98) afirma que organizações estratégicas encontram e trabalham as potencialidades pessoais e individuais das pessoas dentro da organização e “a única maneira de uma empresa baseada no conhecimento tornar-se líder é dedicar tempo aos profissionais do conhecimento mais promissores: conhecê-los e ser por eles conhecido; orientá-los e ouvi-los;
  6. 6. _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Curso de Administração – FCN 6 desafiá-los e encorajá-los”. A forma como se lidera afeta a produtividade das pessoas. Atualmente tem surgido a liderança transformacional, adotada por líderes estratégicos. Para Certo et al. (2005) é um estilo de liderança em que se espera um desempenho maior que o esperado por parte de seus seguidores, de forma que enriqueça suas habilidades e os interesses da empresa fiquem acima de seus próprios interesses particulares. Estes líderes transformacionais são responsáveis por conscientizar as pessoas da necessidade de se obter resultados organizacionais de valor, ainda encorajar para que busquem a autorrealização. Possuem inteligência emocional, compreendem a si mesmos, são motivadores, empáticos e tem habilidades interpessoais. A gestão transformadora tem a capacidade de transformar o indivíduo que faz parte da organização. O processo de transformação de uma pessoa parte primeiro do comprometimento pessoal e nem sempre ocorre como se deseja. Covey (1996) esclarece que não basta tentar transformá-la em sua cultura, estilo, sem buscar transformar seus padrões de hábitos. Pessoas insatisfeitas reclamam, sentem-se oprimidas, vítimas, organizam manifestação como uma forma de se satisfazerem socialmente. Para elas a organização pode se tornar um ambiente em quem manda é a política. Famílias, organizações, mundo não se transformam até que as pessoas por primeiro passem pelo processo da transformação pessoal. Holtz (2006) defende que na atualidade os líderes que mais conseguem resultados positivos são os educadores e este tipo de talento tem como ser cultivado e treinado em meio aos gestores. Com sua conduta, modo que se tem autoridade, conduz o comportamento das pessoas, não emprega a discussão ou a pressão, estimula o treinamento e a imitação, é respeitado e admirado por suas ideias, coerência de atitudes e palavras. Ainda, sabe estimular as qualidades das pessoas, incentiva positivamente, influencia e convence com facilidade, de forma que vivam o conhecimento adquirido através do seu jeito de ser, relaciona-se com facilidade, promove oportunidades que prepara e treina para uma vida produtiva de forma mais realizadora. Para Nichetti e Gonçalves (2007, p. 919), um gestor educador entende que “a sociedade só poderá ser transformada à medida que os que fazem parte dela mudarem sua forma de pensar e ver o mundo e essa transformação pode acontecer tanto na escola como na empresa”. Paulo Freire (1967) afirma que não há uma educação neutra. Para alguns pode ser desumana quando o homem é visto de forma mecanicista, como “coisa” que possa ser domesticada. Ainda, quando submetido às condições que o transformam de um ser para outra pessoa. Neste contexto a criatividade humana é negada, é submetida a pensamentos rígidos. Para outros pode humanizar quando entende que o homem é um ser que transforma o mundo, o conscientiza de que ele é o próprio sujeito que realiza, não pode fazer isto sozinho e por esta razão possui uma busca constante. O ponto de partida estar em suas relações com o mundo e com os outros. Igualmente não há forma de gestão que seja neutra. Ela pode ser causa de sofrimento
  7. 7. _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Curso de Administração – FCN 7 para alguns trabalhadores. O psicanalista Dejours (2007) retrata que quando houve uma reorganização do trabalho, foram criadas condições lamentáveis que dissesse respeito aos valores do trabalho bem executado, quanto ao sentido de se ter responsabilidade e sobre a ética profissional. O peso de concluir determinada tarefa, mentir sobre o assunto, acaba por se tornar uma forma de se ter sofrimento no trabalho. Isto se encontra presente na indústria, como também na área de serviços e na administração. Ainda, outra forma de sofrimento, segundo o mesmo autor, acontece quando o trabalhador se esforça, coloca energia, paixão em tudo que faz e não há reconhecimento. Reconhecer sua contribuição o faz uma pessoa diferente do que era antes de ser reconhecido. Assim, pode se transferir essa distinção do trabalho para um registro que construirá sua própria identidade. Promover satisfação, estimular o relacionamento entre as pessoas, proporcionar integração entre os membros, conseguir passar prazer pelo trabalho, tornar o ambiente agradável, oferecer oportunidade para que o trabalhador demonstre sua potencialidade, para Almeida e Costa (2012), é uma questão de gestão pedagógica que preza pela autorrealização da pessoa e ajuda a encontrar sentido na sua forma de contribuição com a organização. Para Holtz (2006) a liderança educadora pode ser treinada e formada para seu bom desempenho com o corpo de trabalho. Quem deseja ser educador, conseguirá atingir este objetivo com conhecimento dos conceitos da pedagogia, seus ensinamentos e métodos de forma aplicada, assim, ser capaz de fornecer suporte na construção de uma forma de gestão que promova transformação na organização e na vida das pessoas. Desde o século XX os conceitos acerca da pedagogia têm sido utilizados no mundo corporativo, como um instrumento de uma gestão mais eficaz e transformadora. 3 Contextualização da pedagogia nas organizaçõese suas contribuições Segundo Pires e Moura (2013), “o termo pedagogia empresarial foi criado pela Profa. Maria Luiza Marins Holtz na década de 70 para designar as atividades de incentivo ao desenvolvimento profissional e pessoal que ocorre dentro das organizações”. A pedagogia foi inserida nas organizações com o propósito de suprir uma necessidade de acelerar o desenvolvimento econômico e progresso social. O trabalhador estava despreparado para trabalhar no campo da indústria e as escolas não ofereciam a profissionalização necessária, segundo Ribeiro (2010). O governo brasileiro por meio de incentivos fiscais pela lei 6297/75, deu apoio às empresas para que preparassem seus trabalhadores dentro do seu próprio ambiente organizacional. O pedagogo atuou no treinamento, levantando as necessidades, ministrou e fez avaliação e ainda conduziu os processos de escolarização. Em meados dos anos 80 os incentivos foram retirados e a partir de então mudou o perfil da atuação do pedagogo nas empresas que passou a ser um gestor do conhecimento. Nichetti e Gonçalves (2007) afirmam que as organizações passaram a perceber que o sucesso não era
  8. 8. _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Curso de Administração – FCN 8 gerado somente pelo esforço braçal e mãos do trabalhador, mas sim pela sua capacidade de inventar, deduzir, habilidade para aprender e colocar em prática o aprendizado. O papel da pedagogia nas organizações passa a ser o de buscar uma estratégia mais eficaz, metodologia adequada que possa garantir o aprendizado, para que informações e conhecimentos sejam apropriados para a realização de objetivos definidos, conforme Ribeiro (2010). A finalidade é promover mudanças no comportamento humano, ao ponto que a qualidade do desempenho das pessoas melhore tanto de forma profissional quanto pessoal, proporcionando uma melhor qualidade de vida e ampliação de sua capacidade no trabalho. A pedagogia é definida por Libâneo (2001) como um campo do conhecimento que estuda a problemática educativa em toda sua totalidade e história e ao mesmo tempo fornece direções que orientam ações educativas. Ou seja, ações não somente restritas a espaços escolares, mas que corresponde a um grande conjunto de outras práticas. O mesmo autor cita na p. 156 que “o campo educativo é bastante vasto, uma vez que a educação ocorre em muitos lugares e sob variadas modalidades: na família, no trabalho, na rua, na fábrica, nos meios de comunicação, na política, na escola”. Sendo assim, ações pedagógicas estão sempre presentes na sociedade. É quase unânime entre os estudiosos hoje, o entendimento de que as práticas educativas estendem-se às mais variadas instâncias da vida social, não se restringindo, portanto, à escola e muito menos à docência, embora estas devam ser referência da formação do pedagogo escolar. Sendo assim, o campo de atuação profissional formado em pedagogia é tão vasto quanto são as práticas educativas na sociedade. Em todo lugar onde houver prática educativa com caráter de intencionalidade, há aí uma pedagogia. (FERNANDES e PAREDES, 2014 apud LIBÂNEO, 1999, p. 116). O pedagogo francês Morin (2003, p. 65) afirma que “a educação deve contribuir para a transformação da pessoa (ensinar a assumir a condição humana, ensinar a viver) e ensinar como se tornar cidadão”. Organizações podem se utilizar de meios adequados aos objetivos e ideais estabelecidos e por meio de ações pedagógicas conduzirem o relacionamento humano, podendo assim garantir a manutenção de um ambiente positivo e estimular as pessoas serem produtivas. Holtz (2006) assegura que o processo a ser realizado é o educativo e não apenas instrutivo. A mesma autora descreve a diferença de instrução da educação. Na instrução as informações são passadas de fora para dentro, apenas provocam acúmulos, explica ou demonstra apenas de forma teórica, instrui uma pessoa inexperiente em determinada profissão, em formas elevadas sem necessidade alguma de experiência. Na educação, o desenvolvimento acontece de dentro para fora por meios de experiências vividas. As necessidades pessoais e sociais são integradas, provoca a mente para que se desenvolva, sugere e convence. Princípios e regras morais são aplicados, proporcionando formação integral, envolvendo aspectos da personalidade, espiritual, mental, físicos. Sendo assim, o processo educativo é uma atribuição do profissional da
  9. 9. _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Curso de Administração – FCN 9 pedagogia empresarial. As organizações têm ciência de que precisam assegurar o aprendizado em suas diversas áreas, mas acabam por se frustrarem em obter os resultados esperados, tanto do ponto de vista da real aprendizagem de seus trabalhadores quanto dos resultados organizacionais, que deveriam estar ligados aos aprendizados transmitidos, segundo Bonfim (2004). A aprendizagem precisa ser algo incorporado aos processos da empresa e agregar valor de fato à vida das pessoas. A parceria entre organização e pedagogia, implica no envolvimento do aperfeiçoamento do que se realiza, numa forma de criar o futuro, promover uma transformação e melhoria da sociedade através das pessoas. Na atual oportunidade de preparar o indivíduo, transformá-lo, o foco precisa se centrar no caráter educativo em sua totalidade e não se limitando a níveis de treinamento ou desenvolvimento. Para Bonfim (2004, p. 58), os que estão sendo educados precisam ser tratados como pessoas, “tendo em vista os paradigmas emergentes e em construção e reconstrução nas novas relações do capital-trabalho-conhecimento”. 4 Análise dos resultados Fonte: elaborado pela própria autora Para 54% das entrevistadas a organização da qual fazem parte sempre está comprometida com seu desenvolvimento pessoal e profissional e para isto estimula e investe. 29% responderam que quase sempre, 13% às vezes, 2% nunca e 2% não responderam. Para 83% há um comprometimento da organização com ações de desenvolvimento englobando o aspecto pessoal e profissional de suas colaboradoras.
  10. 10. _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Curso de Administração – FCN 10 Fonte: elaborado pela própria autora. De acordo com 31% do grupo pesquisado a organização sempre valoriza suas ideias, para 32% quase sempre, 31% às vezes, 4% nunca e 2% não responderam. Para 63% das entrevistadas há uma percepção positiva quanto ao reconhecimento e valorização pelo que é realizado. Fonte: elaborado pela própria autora.
  11. 11. _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Curso de Administração – FCN 11 Dentro as respondentes, 52% percebem que sempre são influenciadas de forma positiva na forma de pensar e agir pela organização da qual fazem parte. 27% quase sempre e 21% às vezes. Nesta organização a percepção de influência sobre a vida das pessoas é de 79%, o que caracteriza a força que tem sobre a vida dos colaboradores respondentes. Fonte: elaborado pela própria autora. Para 71% das respondentes a organização em que trabalham sempre consegue torná-las melhor profissionalmente, para 13% quase sempre, 15% às vezes e 2% não responderam. Neste aspecto para 84% a organização estudada consegue promover ações que formam profissionais melhores para a sociedade.
  12. 12. _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Curso de Administração – FCN 12 Fonte: elaborado pela própria autora. Do público pesquisado, 83% sempre se sentem bem trabalhando na organização da qual fazem parte, 13% quase sempre e 4% às vezes. Para 96% a forma de gestão da organização é um aspecto positivo. Fonte: elaborado pela própria autora. Para 56% das respondentes, há sempre estimulo por parte da liderança para que pensem
  13. 13. _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Curso de Administração – FCN 13 e tomem atitudes quando há algum problema, 17% quase sempre e apenas 2% responderam que nunca. De acordo com 73%, a liderança estimula à solução de problemas que atendam aos objetivos organizacionais de valor. Fonte: elaborado pela própria autora. De acordo com 67% das respondentes, sempre são estimuladas no desenvolvimento pela busca da realização de seus afazeres de forma nova o que sempre fazem. 23% quase sempre, 8% às vezes e 2% não responderam. Para 90%, a liderança que possuem contato é motivadora que estimula à criatividade.
  14. 14. _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Curso de Administração – FCN 14 Fonte: elaborado pela própria autora. Do grupo pesquisado, 62% responderam que sempre percebem influência positiva por parte do líder na sua forma de agir. 19% quase sempre, 15% às vezes e 4% não responderam. De acordo com 81%, a liderança é vista como alguém que consegue conduzir o comportamento das pessoas e as estimula a imitação. Fonte: elaborado pela própria autora.
  15. 15. _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Curso de Administração – FCN 15 Para 79% das pesquisadas sentem que sempre são tratadas como uma pessoa que contribui com os objetivos da organização. 13% quase sempre, 6% às vezes e 2% não responderam. Para 92% existe uma percepção de sentido na forma como contribui com os objetivos da organização. Fonte: elaborado pela própria autora. De acordo com 69% das respondentes, sempre há coerência da liderança no falar e agir. Para 19% quase sempre, 8% às vezes e 4% não responderam. 88% do grupo pesquisado vê a liderança da qual tem contato como alguém confiável por sua coerência no falar e agir.
  16. 16. _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Curso de Administração – FCN 16 Fonte: elaborado pela própria autora. Dentro as que responderam o questionário, 31% trabalham de 3 a 5 anos na organização, 29% tem 2 anos, 27% de 6 a 10 anos e 13% mais de 11 anos. Considerações Finais Frente às mudanças no mercado, alta competitividade em que as pessoas são fontes estratégicas para que organizações estejam presentes de forma ativa na sociedade, ações pedagógicas podem ajudar a suprir uma necessidade atual da organização de olhar o ser humano na sua totalidade e não apenas olhá-lo como uma fonte lucrativa. É possível ter um retorno do indivíduo tanto no âmbito profissional como pessoal e proporcionar uma influência positiva que possa ser disseminado no meio que se encontra inserido. A forma de gestão da organização pode afetar o pensar e agir da pessoa positivamente, tanto quanto a forma como se apresenta a liderança. O importante é entender de pessoas e saber influenciá-las, conseguir alterar seu comportamento. Ações pedagógicas podem ser ensinadas dentro das organizações como ferramenta na transformação humana. A pedagogia como ciência tem como fornecer auxílio no treinamento de líderes transformacionais e educadores. De acordo com o estudo realizado através de questionário aplicado em 48 colaboradoras dos serviços gerais de uma empresa sem fins lucrativos, foi possível identificar como a forma de gestão da empresa e liderança influencia positivamente na forma de pensar e agir da maioria. Identificou-se que no grupo há aplicação de ações pedagógicas. O conceito da pedagogia é aplicado na forma como há comprometimento no desenvolvimento pessoal e profissional, como há valorização das ideias e do que se pensa, como se sentem trabalhando na organização, são
  17. 17. _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Curso de Administração – FCN 17 estimuladas a pensarem e tomarem atitudes diante de um problema, ainda o sentimento é de quem são tratadas como quem contribui com os objetivos organizacionais. Embora os resultados tenham sido positivos com o grupo estudado, ainda há um trabalho a ser realizado com o restante do grupo. O resultado não representa que toda organização tenha o mesmo tipo de ação pedagógica em todos os níveis de liderança e departamentos. Ainda há muito a ser aprofundado e estudado. O conceito da pedagogia ainda não está aplicado em sua totalidade. O tema em face de sua complexidade e ser relativamente novo a atuação da pedagogia nas organizações são ainda grandes as possibilidades de estudo. A organização pode proporcionar para a sociedade um cidadão transformado dentro do seu ambiente capaz de transformar com sua influência o meio que se encontra inserido. Referências ALMEIDA, Luciana Inez Seehaber; COSTA, Gisele Maria Tonin da. Pedagogia empresarial: a importância da valorização humana na empresa. REI – Revista de educação do Ideau. V. 7 n. 15. Janeiro/Junho de 2012. Disponível em: <http://www.ideau.com.br/getulio/restrito/upload/revistasartigos/47_1.pdf>. Acesso em: 01/12/2014. BONFIM, David F. Pedagogia no treinamento: correntes pedagógicas no ambiente de aprendizagem nas organizações. 2. ed. ver. e ampl. Rio de Janeiro: Qualymark, 2004. CERTO, Samuel C.; PETER, J. Paul; MARCONDES, Reynaldo Cavalheiro; CESAR, Ana Maria Roux. Administração estratégica: planejamento e implantação da estratégia. 2. ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2005. CHIAVENATO, Idalberto. Teoria geral da administração. Vol. 2. 6. ed. rev. e atualizada. Rio de Janeiro: Elsevier, 2002. 9. reimpressão. ----------------------------------Administração nos novos tempos. 2. ed. 7. reimpressão. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010. CLARO, José Alberto Carvlho dos Santos; TORRES, Mariana de Oliveira Fernandes. Pedagogia empresarial: a atuação dos profissionais da educação na gestão de pessoas. Revista Contrapontos – Eletrônica, vol. 12, n. 2 – p. 207-216 / mai/ago/2012. Disponível em: http://www6.univali.br/seer/index.php/rc/article/view/2214. Acesso em 25/11/2014. COVEY, Stephen. As dez chaves para uma era de mudanças. Exame, 8 de abril de 1996. Disponível em: <http://exame.abril.com.br/revista-exame/noticias/as-dez-chaves-para-uma-era-de- mudancas-m0054147>. Acesso em: 02/11/2014. DALBERIO, Osvaldo; DALBERIO, Maria Célia Borges. Metodologia científica: desafios e caminhos. 2. ed. São Paulo: Paulus, 2011. DEJOURS, Christophe. A banalização da injustiça social. Tradução de Luiz Alberto Monjardim. 7. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2007. ------------------------------- A loucura do trabalho. Tradução de Ana Isabel Paraguay e Lúcia Leal Ferreira. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2015.
  18. 18. _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Curso de Administração – FCN 18 DRUCKER, Peter Ferdinand. A administração na próxima sociedade. Tradução de Nivaldo Montingelli Jr.. São Paulo: Nobel, 2002. -------------------------------- Desafios gerenciais para o século XXI. Tradução de Nivaldo Montingelli Jr. São Paulo: Thomson Learning, 2007. Revisão Janice Yunes. FERNANDES, João André Tavares; PAREDES, Kamila Batista. A importância do pedagogo em ambientes corporativos. Obeservatorio de la economia latino-americana, n. 201, 2014. Dsiponível em: http://www.eumed.net/cursecon/ecolat/br/14/pedagogia-empresarial.html. Acesso em 03/03/2015. -----------------------------; FRANCO, Keli Roberta.O papel do pedagogo empresarial e a educação corporativa. Obeservatorio de la economia latino-americana, n. 201, 2014. Dsiponível em: http://www.eumed.net/cursecon/ecolat/br/14/educazao-corporativa.html. Acesso em 03/03/2015. FERREIRA, Victor Cláudio Paradela; CARDOSO, Antonio Semeraro Rito; CORRÊA, Carlos José; FRANÇA, Célio Francisco. Modelos de gestão. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006. FREIRE, Paulo. Papel da educação na humanização. Disponível em: <http://acervo.paulofreire.org:8080/xmlui/handle/7891/1128#page/1/mode/1up>. Acesso em: 20/11/2014. HITT, Michael A; IRELAND, R. Duane; HOSKISSON, Robert E. Administração estratégica: competitividade e globalização. Tradução All Tasks. 2. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2011. HOLTZ, Maria Luiza Marins. Lições de pedagogia empresarial. MH Assessoria Empresarial Ltda. Sorocaba,SP. Disponível em: <http://www.mh.etc.br/documentos/licoes_de_pedagogia_empresarial.pdf>. Acesso em: 30/11/2014. LIBÂNEO, José Carlos. Pedagogia e pedagogos: inquietações e buscas. Educar, Curitiba, n. 17, p. 153-176. 2001. Editora da UFRP. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/er/n17/n17a12.pdf>. Acesso em: 03/03/2015. MAXIMINIANO, Antonio Cesar Amaru. Introdução à administração. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2004. MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Tradução Eloá Jacobina. 8 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003. MOTTA, Fernando C. Prestes; VASCONCELOS, Isabella F. Gouveia de. Teoria geral da administração. 3. ed. rev. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2006. NICHETTI, Maria Aparecida Martins de Oliveira; GONÇALVES, Josiane Peres. Pedagogia empresarial: uma perspectiva de transformação social. Disponível em: <http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2007/anaisEvento/arquivos/CI-099-05.pdf>. Acesso em: 01/12/2014. PIRES, Mirele dos Santos; MOURA, Graziella Ribeiro Soares. Pedagogia empresarial: uma perspectiva educacional. Revista de Humanidades, Tecnologia e Cultura Rehutec. ISSN 2238- 3948. Faculdade de Teconologia de Bauru – FATEC, v. 3, n. 1, pág. 389-407, dezembro/2013. Disponível em: www.fatecbauru.edu.br/ojs/index.php/rehutec/article/download/98/91. Acesso em 03/03/2015.
  19. 19. _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Curso de Administração – FCN 19 PIROZZI, Giani Peres. Pedagogia em espaços não escolares: qual é o papel do pedagogo? Revista Educare CEUNSP. N.2, vol. 1, 2014. Disponível em: http://educareceunsp.net/revista/artigos/no2/artigo_4.pdf. Acesso em 03/03/2015. RAMPAZZO, Lino. Metodologia científica: para alunos dos cursos de graduação e pós- graduação. 7. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2013. RIBEIRO, Amélia Escotto do Amaral. Pedagogia empresarial: atuação do pedagogo na empresa. 6. ed.. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2010. VIEIRA, Sebatião Gândara; GRANETTO, Suellen cereda. A pedagogia empresarial e a gestão do conhecimento como fatores de desenvolvimento organizacional. VII Worskshop de pós graduação e pesquisa do cnetro Paula Souza. Sistemas produtivos: da inovação à sustentabilidade. ISSN: 2175-1897. São Paulo, 09 e 10 de outubro de 2013. Disponível em: http://www.centropaulasouza.sp.gov.br/pos-graduacao/workshop-de-pos-graduacao-e-pesquisa/ 008-workshop-2013/trabalhos/educacao_corporativa/120514_167_179_FINAL.pdf. Acesso em 25/11/2014.

×