O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Tcc Gestão Ambiental

2.818 visualizações

Publicada em

A Gestão Ambiental é tema de grandes discussões mundiais envolvendo muitos países. Esse fato e as tecnologias atuais disponíveis, a globalização, as normas regulamentadoras e técnicas administrativas contribuem com o desenvolvimento sustentável. Acredita-se que tudo isso tornou-se praticamente uma cartilha com a finalidade de conscientizar a sociedade e direcionar as estratégias e planejamentos das organizações para a sustentabilidade. Com o crescimento econômico impactando diretamente no meio ambiente, principalmente no uso de recursos naturais para a produção, e com a sociedade mais consciente e exigente, entende-se que as organizações chegaram a conclusão que não basta somente a qualidade do produto, mas também precisavam melhorar os processos de produção com menos impacto possível. O artigo é fruto de pesquisas bibliográficas, consultas em revistas especializadas, em sites confiáveis da internet e um estudo de caso em uma Instituição de Ensino Superior no Vale do Paraíba, estado de São Paulo, destacando palestras e cursos destinados aos servidores, produção de bens duráveis, recolhimento de reciclados, praticas corretas de descarte, destinação e tratamento correto de resíduos. Desta forma conclui-se que a IES contribui com o meio ambiente que está cada vez mais sendo destruído, podendo ser exemplo a ser seguido por outras organizações.

Publicada em: Meio ambiente
  • Seja o primeiro a comentar

Tcc Gestão Ambiental

  1. 1. _______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________’ Curso de Administração – FCN 1 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO AMBIENTAL EM UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA DE ENSINO SUPERIOR PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Joel Quintanilha de Siqueira Faculdade Canção Nova jquinsiqueira@yahoo.com.br Orientador Prof. MS. André Alves Pardo Faculdade Canção Nova pradousp@gmail.com Resumo A Gestão Ambiental é tema de grandes discussões mundiais envolvendo muitos países. Esse fato e as tecnologias atuais disponíveis, a globalização, as normas regulamentadoras e técnicas administrativas contribuem com o desenvolvimento sustentável. Acredita-se que tudo isso tornou-se praticamente uma cartilha com a finalidade de conscientizar a sociedade e direcionar as estratégias e planejamentos das organizações para a sustentabilidade. Com o crescimento econômico impactando diretamente no meio ambiente, principalmente no uso de recursos naturais para a produção, e com a sociedade mais consciente e exigente, entende-se que as organizações chegaram a conclusão que não basta somente a qualidade do produto, mas também precisavam melhorar os processos de produção com menos impacto possível. O artigo é fruto de pesquisas bibliográficas, consultas em revistas especializadas, em sites confiáveis da internet e um estudo de caso em uma Instituição de Ensino Superior no Vale do Paraíba, estado de São Paulo, destacando palestras e cursos destinados aos servidores, produção de bens duráveis, recolhimento de reciclados, praticas corretas de descarte, destinação e tratamento correto de resíduos. Desta forma conclui-se que a IES contribui com o meio ambiente que está cada vez mais sendo destruído, podendo ser exemplo a ser seguido por outras organizações. Palavras-chaves: gestão ambiental, desenvolvimento sustentável, conscientização. Abstract The environmental management has been topic of great discussions involving many countries in the world. This fact and the available technology nowadays, the globalization, the regulatory rules and management techniques contribute to the sustainable development. It is believed that it was transformed in a booklet with the goal of aware the society and direct the strategies and plans of organizations to the sustainability. With economy grown affecting the environment, especially about the use of natural resources to the production, and with society more conscious and critical, the organizations came to the conclusion that is not important just the quality of the product, but it is still necessary to improve the production processes with the minimum impact. This article is based on literature searches, consultations in specialized magazines, in trusted sites on the internet and a case study in a higher education institution on Vale do Paraíba, state of São Paulo, highlighting lectures and courses for servers about durable goods production, collection of recycled materials, correct disposal practices, destination and correct treatment of waste. This way, it is shown that the higher education institution contributes with the environment, which has increasingly been destroyed, and this can be a example for other organizations. Key-words: environmental management, sustainable development, awareness.
  2. 2. _______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________’ Curso de Administração – FCN 2 1 Introdução Durante muito tempo a sociedade e principalmente as organizações culturalmente viam os danos ambientais como processos naturais e necessários para o desenvolvimento da economia e da sociedade. Mas a partir do século XX essa consciência veio se desfazendo pelo fato do tema Gestão Ambiental fazer parte das discussões mundiais em conferências, envolvendo muitos países desenvolvidos e outros em desenvolvimento. De forma geral, os países e organizações começaram a entender que as medidas de proteção ambiental não foram inventadas para impedir o desenvolvimento, mas sim para orientá-los, e que em seus estudos de desenvolvimento tecnológico criaram modelos de avaliação do impacto de custos e benefícios ambientais, e com isso tendo como ação novas diretrizes estratégicas, baseando-se nas normas regulamentadoras e leis de política ambiental, mantendo ou repondo os recursos naturais, buscando um modelo que atenda o desenvolvimento sustentável para se manter-se competitivo no atual mercado globalizado. Andrade; Tachizawa e Carvalho (2002, p. 2) comentam que: A preservação do meio ambiente nos dias de hoje é considerada uma das prioridades de qualquer organização, segundo a Carta Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável. Esse documento, preparado por uma comissão de representantes de empresas, foi desenvolvido no âmbito da Câmara de Comercio Internacional (1991), entidade esta instituída com o objetivo de ajudar organizações em todo o mundo a melhorar os resultados das suas ações sobre o ambiente. Entende-se que esse artigo possa contribuir com a conscientização da sociedade, que hoje esta cada vez mais exigente, e que a preocupação ecológica tem ganhado um destaque importante e significativo pela sua relevância na qualidade de vida da população mundial atual e para as gerações futuras. Acredita-se que a contribuição pode se estender para as organizações, por ter informações importantes e consideráveis para o planejamento estratégico, levando em consideração o meio ambiente onde estão inseridas, sabendo que essas, em seus processos produtivos, são as que mais degradam o meio ambiente, como cita Dias (2011, p. 64), As empresas que adotam estratégias proativas apresentam três possibilidades de inserção competitiva: a adoção de procedimentos além dos exigidos pela legislação; a busca pela excelência ambiental como componente do foco principal na qualidade; e tornar-se empresa líder no seu setor em termos ambientais, o que lhe garantirá melhor posicionamento no mercado em relação aos concorrentes. Nos dias atuais o governo e a sociedade estão cada vez mais sendo exigentes com as organizações, para que atuem no meio ambiente promovendo o desenvolvimento sustentável na sua finalidade de produção; por outro lado, as organizações têm consciência que para manter-se no mercado precisam atender essas exigências, e que as técnicas de
  3. 3. _______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________’ Curso de Administração – FCN 3 gestão ambiental e as normas regulamentadoras hoje se complementam formando uma cartilha com direcionamentos para estar à frente de seus concorrentes. Nesse cenário mercadológico mostra que o lucro ainda é o objetivo principal a ser alcançado, e com a globalização exige-se ainda mais que a imagem da organização apresente padrões éticos comportamentais, principalmente com relação à preservação do meio ambiente. Acredita-se que muitas organizações atuais sabem da importância da gestão ambiental e do desenvolvimento sustentável, porque são temas que estão cada vez mais sendo discutidos mundialmente, por esse fato elas se voltam a ter mais controle e ênfase nas suas ações. Dias (2011) complementa dizendo que com a evidente evolução tecnológica e os avanços da globalização, aumentaram a exigência do governo e também da sociedade para que as empresas possam produzir com menos impacto possível. O presente artigo tem como objetivo entender se a Gestão Ambiental nas organizações, além de estar regularmente perante as normas e contribuindo com o desenvolvimento sustentável, se faz parte do planejamento estratégico como um investimento rentável com retorno á longo prazo. Prado (2014, p. 53) relata que, “Cabe enfatizar que existe como manter o ciclo do crescimento humano e econômico, mas deve haver sustentabilidade ambiental neste processo”. Com base nessa citação, este estudo visa analisar a importância da gestão ambiental em uma organização publica de ensino superior com foco no desenvolvimento sustentável, entender como a mesma aplica esse conceito sabendo que o resultado pode beneficiar a empresa, sociedade e o mundo. A questão é, se a Responsabilidade Ambiental nas organizações além de obrigatória, pode se tornar um diferencial competitivo quando bem desenvolvidas? Acredita-se que o resultado possa contribuir com as organizações para terem uma nova visão de utilização dos recursos naturais, e que as ações realizadas possam contribuir com eficácia e eficiência nas suas atividades econômicas, mantendo a diversidade e estabilidade no meio ambiente, contribuindo assim com o desenvolvimento sustentável, tentando disponibilizar um melhor ambiente possível para essa e futuras gerações. Prado (2014, p. 53) enfatiza também que “Para isto, ações de educação ambiental são importantíssimas e vitais para que o crescimento ocorra de modo equilibrado e de forma sustentável”. A escolha do tema deu-se pelo fato da importância dele para a sociedade e organizações para a preservação do meio ambiente, que está cada vez mais sendo destruído, sendo que um dos principais motivos desta destruição são as produções em massa das empresas para atender o consumo desenfreado da humanidade, ou seja, pela
  4. 4. _______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________’ Curso de Administração – FCN 4 alta produção de produtos que de uma forma ou de outra poluem e prejudicam o meio ambiente. Esse artigo usou da metodologia um estudo de caso em uma Instituição pública de Ensino Superior, destacando a aplicação da gestão ambiental visando minimizar os impactos ambientais dentro da instituição e na sociedade em sua volta, tendo como principal objetivo a participação e construção de novas políticas ambientais da unidade, além de gerar sentimento de reflexão para possíveis mudanças de atitudes com relação a sustentabilidade. Segundo Silva e Menezes (2005) a revisão bibliográfica é resultado do processo de levantamento e análise do que já foi publicado sobre o tema, e o problema de pesquisa escolhido permitirá um mapeamento de quem já escreveu e o que já foi escrito sobre o tema, e que metodologia pode envolver Pesquisas Bibliográficas, Exploratórias, Descritivas, Explicativas, Documentais, Experimental, Estudo de caso, Pesquisas, etc. Segundo Marconi e Lakatos (2011) afirmam que: O estudo de caso refere-se ao levantamento com mais profundidade de determinado caso ou grupo humano sob todos os seus aspectos. Entretanto, é limitado, pois se restringe ao caso que estuda, ou seja, um único caso, não podendo ser generalizado. Por fim, como o tema atualmente esta em evidencia mundial, acredita-se que novas ferramentas e tecnologias serão desenvolvidas para contribuir com o desenvolvimento sustentável, com isso espera-se que o conteúdo desse artigo sirva de referência e contribua para futuras pesquisas sobre o tema. 2 Referencial teórico 2.1 Gestão Ambiental O conceito Gestão Ambiental é baseado na conscientização a partir da informação que é influenciada nas atitudes tomadas de acordo com a necessidade do meio ambiente. Dias (2001, p. 3) comenta que: Durante milhares de anos, esse processo de intensificação da capacidade humana de intervir no ambiente natural foi se desenvolvendo de forma gradativa e cumulativa, mas durante muito tempo as modificações provocadas, aparentemente, não foram significativas se comparadas ás dos dias atuais. Muito se fala que nos últimos dois séculos o desenvolvimento tecnológico da humanidade foi inigualável, e que nenhum outro período foram feitas tantas descobertas, com isso gerando uma capacidade incrível de produção e devastação do meio ambiente. Silva e Lima (2013, p. 1) falam que: Um dos maiores desafios da humanidade neste século XXI é o da problemática ambiental. O quadro sócio ambiental atual demonstra que , a cada dia, os impactos causados pela ação do homem no meio
  5. 5. _______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________’ Curso de Administração – FCN 5 ambiente e na sociedade são cada vez mais objetos de atenção, interesse e de cuidados. Durante muito tempo a sociedade e principalmente as organizações viam os danos ambientais como processos naturais e necessários para o desenvolvimento da economia e sociedade. Dias (2011) comenta que com o avanço da conscientização ecológica nos países do norte nas décadas de 70 e 80, tecnologias foram desenvolvidas para possibilitarem um melhor controle na degradação ambiental. Acredita-se que as organizações no cenário comercial atual enxergam o custo na gestão ambiental como investimento com retorno á longo prazo, a fim de evitar maiores danos causado ao meio ambiente e se manter no mercado competitivo, que também por sua vez, vem exigindo e selecionando cada vez mais empresas que se adéquam a essa realidade. Andrade; Tachizawa e Carvalho (2002) citam que, o Brasil a partir da segunda metade do século XX, vem sofrendo grandes transformações em função do crescimento demográfico, principalmente com o aumento da população em zonas urbanas, com a modernização de suas bases de desenvolvimento, passando de um estagio de economia predominante exportadora de produtos agrícolas para a industrialização considerável, e que o agravamento da questão ambiental começou a ser sentido em áreas industrializadas como Cubatão, Volta Redonda, ABC Paulista e nas grandes metrópoles. O crescimento industrial contribuiu muito com o desenvolvimento do país e abriu portas para grandes multinacionais se instalarem aqui, mas o reflexo desse crescimento impactou tanto no meio ambiente como na sociedade como um todo. Andrade; Tachizawa e Carvalho (2002) afirmam também que no principio as organizações se preocupavam com apenas com a eficiência produtiva, e que essa foi umas das mentalidades predominantes de administração nos anos 60, mas isso foi se desfazendo quando se percebeu que as atuações das empresas tornava cada dia mais complexas e que o processo decisório sofria restrições severas pelo fato do crescimento da consciência ecológica, e que a questão ambiental veio ter um destaque maior com uma conferencia sobre Biosfera realizada na França em 1968, que foi uma reunião de cientistas onde despertou uma consciência ecológica mundial. Albuquerque (2009) relata que em 1972, na Suécia, mais precisamente na cidade de Estocolmo, aconteceu a Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente, com participação de 113 países, nesse evento, representantes de governos se uniram para discutir a necessidade de tomar medidas efetivas de controles de fatores industriais que causam degradação ambiental, buscando mudar a visão sobre os processos através de
  6. 6. _______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________’ Curso de Administração – FCN 6 questionamentos sobre as tradicionais formas de produção, comportamento humano, organização e o funcionamento das cidades. Andrade; Tachizawa e Carvalho (2002) afirmam que foi nesse evento de 1972 que ficou popular uma frase da primeira ministra da Índia, Indira Gandhi (1917-1984), ela citou que: “A pobreza é a maior das poluições” e foi nesse contexto que os países sul-americanos afirmaram que a solução da poluição não era brecar o desenvolvimento, mas sim orientar o desenvolvimento para preservar o meio ambiente e os recursos não renováveis. Após essa reunião o tema ganhou uma importância muito grande no cenário mundial com importantes reuniões de líderes de estados em vários países. No Brasil a Constituição Brasileira, de 1988, em Art. 225, no Capítulo VI - Do Meio Ambiente, destaca que: Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações. As grandes organizações atuais têm como fator primordial atender as expectativas de seus clientes, e de uma forma ecologicamente correta satisfazer suas necessidades com agilidade nos processos, isso vem condizer com o que afirma Tachizawa (2007, p. 71) que: Os novos tempos caracterizam-se por uma rígida postura dos clientes, voltada a expectativa de interagir com as organizações que sejam éticas, com boa imagem institucional no mercado, e que atuem de forma ecologicamente responsável. A industrialização agravou o problema, contribuiu de forma bastante acentuada para a poluição do meio ambiente. Para controlar foram criadas normas regulamentadoras e certificações, como por exemplo, a ISO 14000, entre outros, também um trabalho forte de comunicação na conscientização das organizações e na sociedade como um todo. Dias (2011, p. 105) afirma que: “As normas da família da ISO 14000 são um conjunto de normas que buscam estabelecer ferramentas e sistemas que contribuem para administração ambiental de uma organização”. A sociedade contribui adquirindo, por exemplo, produtos que contém o selo ISO 14000, que atestam os cuidados com o meio ambiente. O quadro 1 apresenta as principais normas regulamentadoras ABNT da serie ISO 14000:
  7. 7. _______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________’ Curso de Administração – FCN 7 Quadro 1- Família de normas NBR ISO 14000 ISO 14001* Sistema de Gestão Ambiental (SGA) - Especificação para implantação e guia ISO 14004 Sistema de Gestão Ambiental - Diretrizes Gerais ISO 14010 Guias para Auditoria Ambiental - Diretrizes Gerais ISO 14011 Diretrizes para Auditoria Ambiental e Procedimentos para Auditorias ISO 14012 Diretrizes para Auditoria Ambiental - Critérios de Qualificação ISO 14020 Rotulagem Ambiental - Princípios Básicos ISO 14021 Rotulagem Ambiental - Termos e Definições ISO 14022 Rotulagem Ambiental - Simbologia para Rótulos ISO 14023 Rotulagem Ambiental - Testes e Metodologias de Verificação ISO 14024 Rotulagem Ambiental - Guia para Certificação com base em Análise Multicriterial ISO 14031 Avaliação da Performance Ambiental ISO 14032 Avaliação da Performance Ambiental dos Sistemas de Operadores ISO 14040* Análise do Ciclo de Vida - Princípios Gerais ISO 14041 Análise do Ciclo de Vida – Inventário ISO 14042 Análise do Ciclo de Vida - Análise dos Impactos ISO 14043 Análise do Ciclo de Vida - Migração dos Impactos Fonte: ABNT (apud DIAS 2011) As normas no quadro acima que contém asterisco (*) são normas passíveis de certificação. O SGA (Sistema de Gestão Ambiental) é um tema muito abordado nos dias atuais nas organizações. Oliveira e Pinheiro (2010) afirmam que o SGA é um dos modelos de gestão ambiental mais adotado em todo mundo, e pode ser personalizado para se adequar ás necessidade da empresa, porém a empresa precisa obter a certificação da ISO 14001, com ela é possível analisar os resultados com a implementação dos 4 Rs, que são, Reduzir, Reutilizar, Reciclar e Recuperar. Esse sistema, além de abordar os 4 Rs, pode envolver também técnicas inovadoras no processo produtivo, tais como:  Desenvolvimento de produtos que possam ser reciclados;  Pensar o descarte do produto após seu consumo;  Separação e classificação do lixo;  Adoção de técnicas limpas;  Programa de reciclagem e reaproveitamento de resíduos;  Medidas de economia de energia, água, entre outros materiais de consumo. Com essas ferramentas de gestão, as organizações buscam cada vez estar regularizadas, não apenas para estar conforme as regras estabelecidas, mas também preocupadas com sua reputação perante a sociedade e a concorrência.
  8. 8. _______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________’ Curso de Administração – FCN 8 Donaire (1995) diz que o conceito de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável tem três vertentes importantes e principais: crescimento econômico; equidade social e equilíbrio ecológico, e que essas tem uma responsabilidade comum como processo de mudança na exploração de recursos materiais, e que os investimentos financeiros e as rotas dos desenvolvimentos tecnológicos devem ter sentido harmonioso, e nesse sentido o desenvolvimento tecnológico deverá ser orientado para as metas de equilíbrio com a natureza e de incremento da capacidade de inovação dos países em desenvolvimento, com isso o progresso será entendido como fruto de maior riqueza, maior beneficio social e equilíbrio ecológico. Tudo isso vem complementar com a citação de Dias (2011, p. 64) afirmando que: As empresas que adotam estratégias proativas apresentam três possibilidades de inserção competitiva: a adoção de procedimentos além dos exigidos pela legislação; a busca pela excelência ambiental como componente do foco principal na qualidade; e tornar-se empresa líder no seu setor em termos ambientais, o que lhe garantirá melhor posicionamento no mercado em relação aos concorrentes. Por isso gerenciar uma organização de modo ambientalmente correto pode resultar em benefícios consideráveis, por exemplo: redução de custos, menor índice de refugos na produção, incentivos para a inovação, oportunidades de novos negócios, melhorias na qualidade do produto, diminuições de pressões de normas regulamentadoras, etc. Andrade; Tachizawa e Carvalho (2002, p. 34) contextualizam que: “A Gestão Ambiental visa integrar plenamente, em cada empresa, essas políticas, programas e procedimentos como elemento essencial de gestão, em todos os seus domínios”. Nesse cenário é claro que a boa qualidade ecológica contribui com o desenvolvimento da sociedade e das organizações, e o que se realiza hoje é contribuir e se solidarizar com as futuras gerações. 2.2 Desenvolvimento Sustentável Segundo dados da Rio+20, em 1992 aconteceu a Conferencia das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, chamado de Rio-92, até então o maior evento realizado das Nações Unidas sobre o tema, e contou com representantes de 172 países e 108 chefes de estado, além de 10 mil jornalistas e representantes de 1.400 ONGs. Em seu contexto, estabeleceu a Convenção - Quadro das Nações Unidas sobre mudança no clima, temas importantes foram discutidos, tais como:  Convenção sobre diversidade Biológica;  Declaração de princípios sobre florestas;  Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento;  Agenda 21.
  9. 9. _______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________’ Curso de Administração – FCN 9 Segundo o Programa Nacional de Educação Ambiental – ProNEA. 3. Ed (2005), antes, em 1991, foi criado duas instâncias no Poder Executivo, destinadas a lidar exclusivamente com esse aspecto: o Grupo de Trabalho de Educação Ambiental do MEC, que em 1993 se transformou na Coordenação Geral de Educação Ambiental (COEA/MEC), e a Divisão de Educação Ambiental do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA). Andrade; Tachizawa e Carvalho (2002), explicam que Agenda 21 dedica-se aos problemas da atualidade e almeja preparar o mundo para os desafios do próximo século, reflete também o consenso global e compromisso político objetivando o desenvolvimento e compromisso ambiental, e é constituída com um plano de ação, que tem por objetivo colocar em prática os programas para frear o processo de degradação ambiental e transformar em realidade os princípios da Declaração do Rio, e que os programas são divididos em grupos e tratam de problemas como: atmosfera, recursos da terra, agricultura sustentável, florestas, mudanças climáticas, água potável, resíduos sólidos e tóxicos, entre outros, e logo em seguida, em 2002, as Nações Unidas decidiram realizar em Johanesburgo na África do Sul, uma conferência para analisar os resultados da Rio-92, nesse evento teve presença de mais de 100 chefes de estados, que reafirmaram metas relativas à erradicação da pobreza, a promoção da saúde, á expansão dos serviços de água e saneamento, á defesa da biodiversidade e á destinação de resíduos tóxicos e não tóxicos, relatam que na pauta também foi discutido a inclusão de energias renováveis e responsabilidade ambiental das empresas, intensificando a necessidade de todos para que somem esforços na promoção do desenvolvimento sustentável, e por fim citam que a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, que foi realizada em junho de 2012, na cidade do Rio de Janeiro, um dos temas abordados foi “A economia verde no contexto do desenvolvimento sustentável e da erradicação da pobreza”; esse tema abordou a conscientização e a necessidade de mudança dos países para uma “economia verde”, que prioriza o desenvolvimento econômico e social sem perda de serviços ecossistêmicos e com baixa emissão de gases poluente para o meio ambiente. Esse contexto afirma que economia verde pressupõe modos de produção com menos emissão de gases poluentes, aumento da eficiência energética e prevenção de perdas de biodiversidades e de serviços ecossistêmicos no meio ambiente. Na figura 1 abaixo, o INFAP (Instituto de formação e ação em políticas sociais) relata que o desenvolvimento sustentável pode ser dividido em três componentes: a Sustentabilidade Ambiental, Sustentabilidade Econômica e Sustentabilidade Sociopolítica.
  10. 10. _______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________’ Curso de Administração – FCN 10 Figura 1 – Componentes do desenvolvimento sustentável. Fonte: INFAP. Albuquerque (2009, p.15) enfatiza que: O crescimento sem precedentes do consumo a que o desenvolvimento econômico através da ideologia tecnológica pretende satisfazer (e ao mesmo tempo instigar) vem submetendo o meio ambiente e os ecossistemas a uma pressão incessante que está provocando seu declínio, comprometendo a sustentabilidade da vida. Com o crescimento populacional desenfreado, associado a um sistema que não visa à manutenção e consumo de recursos naturais com controle, degradamos cada vez mais o meio-ambiente e acabamos com os recursos naturais do planeta. Dias (2011, p. 173) cita que: Um dos aspectos mais visíveis do movimento gerado em torno da questão ambiental nos últimos anos é a responsabilidade social tanto indivíduos quanto de organizações, sejam elas do setor privado, sejam do setor publico, sejam do terceiro setor. A responsabilidade social em questões ambientais tem-se traduzido em adoção de práticas que extrapolam os deveres básicos tanto do cidadão quanto das organizações. Com a necessidade de se adequar aos novos processos produtivos e à preservação ambiental, as empresas estão sendo forçadas a procurarem utilizar-se de processos menos impactantes sobre o meio ambiente, ou seja, que busquem a redução de resíduos emitidos nos processos produtivos, passando a necessidade de produzir bem e melhor e se possível renovando e reutilizando os resíduos que impactam no meio ambiente se exposto. Dias (2011, p. 43) aponta que “Embora haja um crescimento perceptível da mobilização em torno da sustentabilidade, ela ainda está focada no ambiente interno das organizações, voltada prioritariamente para os processos e produtos”.
  11. 11. _______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________’ Curso de Administração – FCN 11 Com a crise hídrica e energética que vivemos nos dias de hoje, se essas empresas tiverem consciência do impacto que pode ter no ambiente externo onde estão inseridas e que esse reflexo pode impactar também internamente, com certeza isso já será um grande passo para que se tornem agentes de desenvolvimento sustentável, socialmente justo, economicamente viável e ambientalmente correto. E isso vem ser complementado com Prado (2014, p. 19) onde ele cita que, “A conservação de energia é extramente importante para um crescimento e desenvolvimento sustentável”. Albuquerque (2009, p. 18) afirma que: A maioria dos impactos ambientais é decorrente da aceleração do desenvolvimento com ênfase apenas no resultado econômico, conforme defendem alguns ecologistas, sem o devido controle e preocupação com a preservação dos recursos naturais. Em outras palavras, sem os cuidados com a utilização responsável e sustentável dos recursos da natureza. A consequência em geral é a poluição ambiental abusivo e incontrolado de insumos como água, energia e outros recursos renováveis e não renováveis. Assume-se então que as reservas naturais são finitas, e que as soluções ocorrem através de tecnologias mais adequadas ao meio ambiente, e que todos devem ter consciência às necessidades básicas usando o princípio da reciclagem, e que investimentos sejam realizados para manter esses recursos naturais instáveis, Prado (2014, p. 53) cita que: É necessário investir no desenvolvimento de novas tecnologias que reduzam os impactos ambientais, minimizar o volume de emissões de poluentes, bem como implantar estações de tratamento de efluentes em organizações e municípios entre outros. A Figura 2 abaixo relaciona as iniciativas com as etapas de implantação de um sistema de gestão ambiental utilizando o ciclo PDCA:
  12. 12. _______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________’ Curso de Administração – FCN 12 Figura 2 – PDCA com etapas para implantação do SGA. Fonte: Adaptado de Tauchen e Brandli (2006) Tauchen e Brandli (2006) comentam que o ciclo PDCA pode ser brevemente descrito da seguinte forma:  Planejar - envolve o estabelecimento dos objetivos e processos necessários para atingir os resultados, de acordo com a política ambiental da organização;  Executar - envolve a implantação dos processos;  Verificar - envolve o monitoramento e medição dos processos em conformidade com a política ambiental, objetivos, metas, requisitos legais e outros, e relatar os resultados;  Agir - envolve a execução de ações para melhorar continuamente o desempenho do sistema da gestão ambiental. Cresce assim, a importância da conscientização e prática de Gestão Ambiental com foco no Desenvolvimento Sustentável principalmente nas organizações, pois são as que mais agridem o meio ambiente, ambiente esse que disponibiliza os recursos necessários para a sobrevivência da mesma e de toda sociedade em sua volta, pois como afirma Albuquerque (2009, p. 24) que: Assim, a proteção ambiental passou a ser necessidade e ao mesmo tempo lucro para os negócios, o que abre uma perspectiva positiva para sua efetiva implementação, pois transgride o princípio da busca
  13. 13. _______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________’ Curso de Administração – FCN 13 permanente pelo lucro, indissociável da lógica de funcionamento das organizações em meio empresarial. Com todas essas informações, fica claro que, para construção do amanhã vai exigir novas atitudes de todo mundo, e que o desenvolvimento sustentável é um fator primordial para mantermos um ambiente favorável à vida humana e seus descendentes. 3 Estudo de Caso (Análise e Discussões) Criar meios de minimizar os impactos ambientais deve ser prioridade em toda Organização. É muito importante que sejam criadas alternativas com esse objetivo. Seguem algumas das iniciativas de uma Instituição de Ensino Superior (IES) da região do Vale do Paraíba (Vale Histórico). Uma das ações adotadas é o Programa de Formação Socioambiental de Servidores da IES, articulando a temática da sustentabilidade com o compromisso de desenvolver ações educadoras no âmbito da Universidade, através da formação dos PAP (Pessoas que Aprendem Participando). Os objetivos deste projeto são:  Contribuir para a formação socioambiental da comunidade universitária em busca da construção de uma universidade sustentável, de forma permanente, articulada, continuada e emancipatória;  Internalizar a sustentabilidade na gestão universitária;  Contribuir para a mudança da cultura organizacional a partir de valores socioambientais pactuados, que devam estar presentes em documentos oficiais da Universidade;  Subsidiar os servidores da IES a ampliarem sua visão / percepção / análise e possibilidades de atuação socioambiental em seus espaços de trabalho e vivencia. Dentro dos objetivos específicos, cita-se como o principal deles a participação e construção de novas políticas ambientais da unidade, além claro de gerar o sentimento de reflexão para possível mudança de valores e atitudes com relação a ações de sustentabilidade. Cursos são constantemente elaborados como a programação que é descrita no Quadro 2:
  14. 14. _______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________’ Curso de Administração – FCN 14 Quadro 2- Curso com atividades para formação socioambiental Atividades Data Carga Horária (horas) Abertura do Curso Rejeito Sim, Resíduo não! 26/08/15 4 Projeto PAP – Daniela Sudan (Ribeirão Preto) Ana Maria Meire (Piracicaba) 27/08/15 4 Recursos Hídricos / Visita Estação Tratamento de Efluentes Profa. Dra. Dione Morita 02/09/15 4 Visita Cooperativa de Catadores de Lixo Thales Aquino 03/09/15 4 Visita Instituto Oikos Jefferson Lima 09/09/15 4 Fonte: Instituição de Ensino Superior da região do Vale do Paraíba (2015), adaptado pelo autor. Outras ações visando à minimização dos impactos foram criadas. Para evitar o uso excessivo de copos descartáveis que demoram anos para se decompor no meio ambiente, uma caneca durável foi desenvolvida conforme figura 3: Figura 3 – Caneca Durável Fonte: O Autor (2015) Esta iniciativa reduzia a compra de milhares de copos descartáveis comprados mensalmente, sendo que o valor anteriormente gasto para comprar os copos plásticos, cobriu o custo das canecas adquiridas em menos de três meses.
  15. 15. _______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________’ Curso de Administração – FCN 15 Em relação as pilhas e baterias utilizadas pelos discentes, docentes e servidores da IES, um sistema de recolhimento foi criado conforme figura 4: Figura 4 – Papa Pilhas e Baterias Fonte: O Autor (2015) É importante salientar que as pilhas e baterias depois de coletadas são destinadas a uma empresa capaz de dar destinação correta em termos ambientais. No que diz respeito às lâmpadas fluorescentes queimadas, estas são retiradas e armazenadas conforme figura 5: Figura 5 – Lâmpadas fluorescentes queimadas Fonte: O Autor (2015) Após o estoque adquirir um volume, as lâmpadas que poderiam causar considerável problema ao meio ambiente se simplesmente descartadas, são destinadas a uma empresa especializada para dar a destinação correta.
  16. 16. _______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________’ Curso de Administração – FCN 16 É relevante ressaltar também que determinados tipos de resíduos da IES são destinados a empresas especializadas em dar destinação ambientalmente correta, inclusive materiais relacionados a Tecnologia da Informação (T.I. Verde) conforme figura 6: Figura 6 – HD e Disquetes queimados Fonte: O Autor (2015) O campus da IES também possui lixeiras para a separação de diversos lixos recicláveis. Estas são apenas algumas das iniciativas da IES que também possui uma Estação de Tratamento de Efluentes que trata seus resíduos biológicos e de laboratórios antes de serem destinados ao Rio Paraíba conforme figura 7. Figura 7 – Estação de Tratamento de Efluentes Fonte: O Autor (2015)
  17. 17. _______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________’ Curso de Administração – FCN 17 4 Considerações finais Analisando todas as informações que contribuíram na elaboração desse artigo, considera-se que o desenvolvimento sustentável é um importante conceito de sobrevivência humana, e que o Sistema de Gestão Ambiental, alem de ser um dos pilares para a sustentabilidade, é uma importante ferramenta de gestão que contribui no planejamento estratégicos ecológicos das organizações com a finalidade de direcionar o uso correto dos recursos naturais aumentado a qualidade dos processos, produtos e melhorando a imagem da empresa perante a sociedade e concorrentes. Acredita-se que o objetivo dessa pesquisa foi alcançado, pois os dados apresentados no estudo de caso comprovam que a IES além estar regular perante as leis ambientais contribuindo com o desenvolvimento sustentável, deixa claro que a gestão ambiental faz parte do seu planejamento estratégico, tendo ciência que o investimento é rentável com resultado á longo prazo, citando como exemplo, o desenvolvimento e uso das canecas duráveis, que com essa ação, a instituição tem um custo inicial, mas posteriormente não tem mais o custo adicional com as aquisições de milhares de copos descartáveis. Entende-se que a pergunta da pesquisa foi respondida com os resultados alcançados, pois fica nítido que a gestão ambiental, além de contribuir com o meio ambiente, torna-se um negocio rentável, e que a responsabilidade ambiental é sim um diferencial competitivo perante aos concorrentes, pois os resultados beneficia a sociedade e coloca em destaque a marca da organização, exemplo é esse estudo de caso, que proporciona destacar ainda mais a IES na sociedade, tudo isso vem ser confirmado com a citação de DIAS (2011), que a empresa que adota essas estratégias buscando a excelência ambiental pode se tornar líder em termos ambientais, e isso lhe garantirá um melhor posicionamento no mercado em relação aos concorrentes. Com os resultados alcançados verifica-se que é muito importante a sociedade e principalmente as organizações terem a consciência ecológica, as boas e as novas atitudes para manter a sustentabilidade devem ser constantes, preservando os recursos naturais, reciclando e reutilizando tudo que for possível extraído do meio ambiente, as organizações entende-se que tem uma responsabilidade maior, pois são elas que degradam o meio ambiente em grande escala e o resultado impacta diretamente na sociedade, são gestos que podem manter o meio ambiente sustentável e favorável à vida para essa e futuras gerações. Como o tema é abrangente, as informações, as normas e técnicas são atualizadas constantemente, espera-se que o resultado desse trabalho possa contribuir com novas e futuras pesquisas ou que seja complementado com novas informações de acordo com a atualidade.
  18. 18. _______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________’ Curso de Administração – FCN 18 Referências ALBURQUERQUE, J. L. (organizador) Gestão Ambiental e Responsabilidade Social: conceitos, ferramentas e aplicações. São Paulo: Atlas, 2009. ANDRADE, A.O.B; TACHIZAWA. T; CARVALHO, A. B. Gestão Ambiental – Enfoque Estratégico Aplicado ao Desenvolvimento Sustentável. 2° Ed. São Paulo: Makron Books, 2002. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO 14000: Sistema de Gestão Ambiental. Disponível em <http://www.abnt.org.br/> acessado em 02/05/2015 às 17h35min. BRASIL. Constituição Brasileira de 1988, Art. 225, no Capítulo VI - Do Meio Ambiente. Disponível em<http://www.senado.gov.br/legislacao/const/con1988/con1988_05.10.1988/art_225_.shtm > acessado em 01/05/2015 às 16h15min. BRASIL. INFAP, Instituto de formação e ação em políticas sociais - O que Desenvolvimento Sustentável? Disponível em <http://infap.org.br/page1.php> acessado em 26/09/2015 às 08h20min. BRASIL. Ministério do Meio Ambiente; Diretoria de Educação Ambiental; Ministério da Educação. Coordenação Geral de Educação Ambiental. Programa nacional de educação ambiental – ProNEA. 3. ed - Brasília : Ministério do Meio Ambiente, 2005. Disponível em <http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/educacaoambiental/pronea3.pdf> acessado em 05/05/2015 às 16h55min. COMITÊ NACIONAL DE ORGANIZAÇÃO, 2012, Rio de Janeiro. Rio+20 - Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável. Rio de Janeiro: ONU, 2012. Disponível em <http://www.rio20.gov.br/sobre_a_rio_mais_20/rio-20-como-chegamos-ate- aqui/at_download/rio-20-como-chegamos-ate-aqui.pdf> acessado em 02/05/2015 às 12h55min. DIAS, R. Gestão Ambiental: Responsabilidade Social e Sustentabilidade. 2° ed. São Paulo: Atlas, 2011. DONAIRE. D. Gestão Ambiental na Empresa. 1° Ed. São Paulo: Atlas, 1995. E-BIOGRAFIAS – Indira Gandhi – primeira ministra indiana. Disponível em <http://www.e-biografias.net/indira_ghandi/> acessado em 22/05/2015 às 15h25min. LAKATOS, E.M; MARCONI, M.A. Metodologia cientifica. 6° Ed. São Paulo: Atlas, 2011. OLIVEIRA, J.O; PINHEIRO, C.R.M.S. Implantação de sistemas de gestão ambiental ISO 14001: uma contribuição da área de gestão de pessoas, Gest. Prod., São Carlos, v. 17, n. 1, p. 51-61, 2010. Disponível em< http://www.scielo.br/pdf/gp/v17n1/v17n1a05> acessado em 28/05/2015 às 16h50min. PRADO, A. Educação Ambiental. 1° ed. Rio de janeiro: Quártica Premium, 2014.
  19. 19. _______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________’ Curso de Administração – FCN 19 SILVA, D.F; LIMA, G.F.C. Empresas e Meio Ambiente: Contribuições da Legislação Ambiental. Revista Internacional Interdisciplinar INTERthesis. Florianópolis, v.10, n.2, p. 334-359, Jul./Dez.2013. Disponível em < https://periodicos.ufsc.br/index.php/interthesis/article/download/1807- 1384.2013v10n2p334/25926.> acessado em 05/05/2015 às 16h05min. SILVA, E.L; MENEZES, E.M. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4° ed. revisada e atualizada, 2005 138f. Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Florianópolis 2005. TACHIZAWA, T. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Corporativa: Estratégias de negócios focadas na realidade brasileira. 4° ed. revista e ampliada. São Paulo: Atlas, 2007. TAUCHEN, J; BRANDLI, L.L. A gestão ambiental em instituições de ensino superior: modelo para implantação em campus universitário, Gest. Prod. São Carlos, vol.13 n.3, 2006. Disponível em < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104- 530X2006000300012&script=sci_arttext >acessado em 26/09/2015 as 07h28min.

×