Vasco da gama

5.225 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.225
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
40
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Vasco da gama

  1. 1. ÍNDICEIntrodução……………………………………………………………………………………………… 2D. João I ………………………………………………………………………………………………… 3D. João II o “ Príncipe Perfeito” ……………………………………………………… 4Os Descobrimentos Marítimos ………………………………………………………… 5O Tratado de Tordesilhas ………………………………………………………………… 7Vasco da Gama …………………………………………………………………………………… 10Conclusão ……………………………………………………………………………………………… 21Anexos ………………………………………………………………………………………………… 22Mapa do Tratado de Tordesilhas …………………………………………………… 23Bibliografia ………………………………………………………………………………………… 24 Página 1 de 25
  2. 2. INTRODUÇÃO Para a Disciplina de História e Geografia de Portugal, sob adocência da professora Dr.ª Isabel Prelhaz, no âmbito dos “Descobrimentos Portugueses”, foram propostos váriosnavegadores para os alunos elaborarem trabalhos. O presente trabalho, subordinado ao tema “Vasco da Gama”,foi realizado pelo aluno nº1, André Martim Barata Araújo do5ºAno Turma C. Página 2 de 25
  3. 3. Este ano comemoram-se os 500 anos da descoberta do caminhomarítimo para a Índia, daí ter escolhido o navegador Vasco daGama.Nem sempre os relatos históricos que consultei para fazer estetrabalho coincidem, mas passarei a resumir o que pesquisei. D.JOÃO I Foi no século xv, no reinado de D.João l que os portugueses partiram à descoberta de terras novas – foi aí que começou aexpansão marítima. Em 29 de Agosto de 1481 D. João II foi reconhecido como Página 3 de 25
  4. 4. rei – “alevantado”, como se dizia na época – em Sintra. Porém, o reino não estava em situação fulgurante. O estadodas finanças era tal que D. João terá mesmo dito: “Herdo apenasas estradas de Portugal.” O juramento do reino foi realizado em Évora, em Novembrodesse ano, antes da reunião das Cortes, convocadas para o efeito. Nas Cortes de Évora deixa claro que pretende aumentar aautoridade real, governando com rigor e opondo-se aos privilégiosda nobreza. Não tardou a revelar uma maturidade políticaimpressionante. Começou por promover a centralização e modernização dogoverno. OS DESCOBRIMENTOS MARÍTIMOS Embora D. João II só em 1481 tenha subido ao trono, jádesde 1474 que se ocupava da política dos Descobrimentos. Nesse ano de 1474 terminou o contrato com Fernão Gomes,burguês de Lisboa, a quem D. Afonso havia entregue a missão decontinuar os Descobrimentos, nove após a morte do infante D.Henrique (falecido em 1460). D. João apercebendo-se da importância dos Descobrimentos Página 4 de 25
  5. 5. assume pessoalmente a responsabilidade pela orientação práticadas navegações. O infante enveredou por um caminho diferente do que o paitinha seguido. Em vez de se concentrar no Norte de África,decide continuar a expansão para o Sul. Tendo em vista o sul da Costa Africana participa, emSetembro de 1479, na negociação do Tratado de Alcáçovasgarantindo o reconhecimento, por Castela, do domínio marítimoportuguês a sul do paralelo das Canárias. Em 1481, logo após a subida ao trono, procura reforçar adefesa da região africana onde se realizavam as trocas comerciaismais vantajosas: a Costa da Mina. Com esse fim em 1482 éconstruída a fortaleza de São Jorge da Mina. Com a sua decisão de prosseguir cada vez mais para sul asviagens ao longo da costa africana, tudo indica que D. João IItinha um plano com vista à descoberta do caminho marítimo para aÍndia. Continuam assim as viagens para sul e em 1482, Diogo Cãodescobre o rio Zaire e o reino do Congo. No ano seguinte atinge como ponto mais meridional a serrada Parda. Finalmente em 1488 o navegador Bartolomeu Dias dobra oCabo das Tormentas (que D. João II mudou para Cabo da BoaEsperança. Página 5 de 25
  6. 6. Assim se abriu o caminho do mar a novos empreendimentospara as bandas do Oriente. No momento em que isto acontecera, já D. João II tinhamandado por terra, para colherem notícias do caminho marítimopara a Índia, Pêro da Covilhã e Afonso de Paiva. Página 6 de 25
  7. 7. O TRATADO DE TORDESILHAS Em 1492, Cristóvão Colombo, ao serviço do rei de Castela,descobre o Novo Mundo ou América. Procurando consolidar os seus interesses, os espanhóispediram a intervenção do papa, que deu seu parecer em favor àEspanha. Porém D. João II estava convencido de que as terrasdescobertas por Colombo pertenciam a Portugal e mandoupreparar uma expedição sob o comando de D. Francisco deAlmeida para ocupar aquelas terras e garantir ali os nossosdireitos. O rei de Castela, sabendo isto, entrou logo em negociaçõescom o monarca português, as quais terminaram pelo Tratado deTordesilhas, firmado em 7 de Julho de 1494. Nesse tratado ficou estipulado que pertenciam a Portugaltodas as terras já descobertas ou a descobrir, situadas a orientede uma linha imaginária, traçada de pólo a pólo do globo terrestre, Página 7 de 25
  8. 8. 370 léguas a oeste do arquipélago de Cabo Verde, e as situadas aocidente da mesma linha pertenciam a Castela. Saliente-se que durante as negociações do Tratado deTordesilhas, D. João II lutou para que a linha divisória ficasse a370 léguas a oeste de Cabo Verde, e não a 100, como estavaprevisto. Há várias teorias para explicar esta insistência.Especula-se que já se sabia da existência do Brasil. O Tratado de Tordesilhas foi um prodígio da políticaexterna de D. João II e atribuiu a Portugal um poder que nuncafora atingido antes por qualquer potência. Página 8 de 25
  9. 9. Ao pôr-do-sol de 25 de Outubro de 1495, com quarenta anos deidade, morre no Alvor D. João II, o Príncipe Perfeito. D. Manuel, duque de Beja, que D. João II após lheter morto o irmão, sempre protegera, sobe ao trono. É noreinado de D. Manuel que surge o nosso navegador Vascoda Gama! Página 9 de 25
  10. 10. Árvore genealógica de Vasco da Gama ? Página 10 de 25
  11. 11. VASCO DA GAMA (1469-1524).Este tão célebre navegador português nasceu em Sines em 1469.Segundo filho de dom Estêvão da Gama e Isabel Sodré, quepertenciam à nobreza de Portugal, Vasco da Gama foi inicialmentedestinado à vida eclesiástica, mas preferiu trocá-la pela careiramilitar e pela navegação.Segundo alguns investigadores e biógrafos, Vasco da Gama teveuma preparação náutica desde a adolescência, e aprendeu noçõesde Matemática, Astronomia e Cosmografia bem como a manusear abússola e o astrolábio, imprescindíveis na navegação. É referida asua personalidade forte, tenacidade e grande poder de decisão.Na verdade, pouco se sabe sobre a vida de Vasco da Gama antesde ser nomeado capitão-mor da frota que descobriria o caminhomarítimo para a Índia. Aliás, a nomeação cabia a seu irmão maisvelho, Paulo, que cedeu-lhe o lugar, contentando-se em comandarumasdassembarcaçõessdasesquadra.Vasco da Gama deixou Lisboa em 8 de Julho de 1497. Os 155(160/170?) homens, foram distribuídos por quatro pequenasembarcações:- São Gabriel, feita especialmente para esta viagem, comandadapelo próprio Vasco da Gama;- São Rafael; também feita especialmente para esta viagem,comandada por Paulo da Gama, irmão do capitão-mor;- Bérrio, oferecida por D. Manuel de Bérrio, seu proprietário, sobo comando de Nicolau Coelho;- São Miguel, uma carraca para transporte de mantimentos, sob ocomando de Gonçalo Nunes, que foi queimada perto da baía de SãoBrás, na costa oriental africana. Página 11 de 25
  12. 12. O Cabo da Boa Esperança foi dobrado em 18 de Novembro, masVasco da Gama só atingiu a Índia em Maio do ano seguinte, quandoaportaram em Calecute. Aí residia o senhor mais rico da costaMalabar, a quem estava sujeito o intenso comércio dosmercadores árabes. Os navegadores portugueses vinham parafazer novos amigos e grandes negócios, mas não foi fácil! Página 12 de 25
  13. 13. Página 13 de 25
  14. 14. Página 14 de 25
  15. 15. A viagem de volta teve início em 5 de Outubro. Dos 155 homensque haviam partido, apenas 55 chegaram a Lisboa. Entre osmortos, estava Paulo da Gama, o irmão de Vasco, que adoeceracom escorbuto e acabara por falecer na ilha Terceira, noarquipélagoedosdAçores.Recebido em triunfo pelo rei D. Manuel l, Vasco da Gama recebeuo título de dom, de "Almirante dos Mares da Arábia, Pérsia, Índiae de todo o Oriente" e uma pensão de 300 mil réis anuais para elee seus descendentes. Em 1502, obteve o comando de uma segundaviagem à Índia. Dessa vez, tinha o dever de estabelecer feitoriase entrepostos comerciais na África e na Índia e revidar os maustratos sofridos pela esquadra de Cabral, que lá chegara em finsde Maio de 1500, e perdera 40 marinheiros em combate com o reide Calecute.Vasco da Gama bombardeou Calecute por dois dias e duas noitesaté submetê-la. Fez aliança com os reis de Cochim e Cananor, masimpondo condições comerciais favoráveis aos portugueses.Regressou então a Portugal, onde chegou a 10 de Novembro de1503, com as caravelas carregadas de especiarias. O Impériocomercialsportuguêssacabavasdesnascer.Durante os anos seguintes, rico e poderoso, casou-se com donaCatarina de Ataíde, com quem teve sete filhos. Recebeu o títulode Conde da Vidigueira. Em 9 de Abril de 1524, a pedido de D.João 3º. (filho de D. Manuel), Vasco da Gama empreendeu umaterceira viagem ao oriente, na qualidade de Vice-rei da Índia.Tinha como dever organizar a administração portuguesa e pôr fimaos abusos e desmandos dos fidalgos portugueses que cuidavamdasgfeitorias. Página 15 de 25
  16. 16. Governou apenas três meses, pois logo contraiu uma doençainfecciosa que o matou na véspera do natal daquele ano. Seu corpofoi transladado a Portugal e, actualmente, encontra-se enterradono mosteiro dos Jerónimos, onde também se encontram os restosmortais de Camões, o poeta que imortalizaria em "Os Lusíadas" aprimeira viagem de Vasco da Gama. Página 16 de 25
  17. 17. Algumas frases dedicadas a Vasco da GamaDe acordo com Joaquim Ferreira do Amaral, ex-ministro dasObras Públicas num dos governos de Cavaco Silva, se Vasco daGama não tivesse existisse o “mundo seria diferente”.A escritora Isabel Alçada diz mesmo que ele “foi a figura queliderou, no concreto, o projecto que tornou Portugal um país únicona história da Humanidade”.Vasco da Gama foi, de facto, um grande estratega. “Define, doponto de vista militar, qual é a estratégia adequada para ocupar oÍndico”, explica o historiador Luís Adão da Fonseca, vice-reitor daUniversidade Lusíada. “Vasco da Gama projectou a Europa no mundo” diz Marcelo Rebelode Sousa, professor catedrático da Universidade de Lisboa. Página 17 de 25
  18. 18. A Viagem de Vasco da Gama à Índia - Luiz Vaz de CamõesNa preparação da partida das naus de Vasco da Gama para a Índia,distingue-se no meio da confusão um alvoroço e aos mesmo tempoum desejo de alcançar o trajecto pretendido. Após a citação do chamado Velho do Restelo, deu-se a partida;ficaram para trás as terras portuguesas e apenas o mar e o céuinfinitos cabiam na visão dos lusitanos. Já lá iam cinco dias e os portugueses navegavam ”por maresnunca de antes navegados”, até que nessa quinta noite da viagemuma tempestade os atormentou. Essa tempestade “viva” falou paraos portugueses dizendo-lhes quem era e dando-lhes a entenderque não eram os primeiros a tentar passar para o “outro lado” dacosta africana. Tempestade essa à qual se chamou de GiganteAdamastor, por ter dificultado a travessia aos Portugueses. Gigante Adamastor Prosseguia a viagem já no Oceano Índico e ao mesmo tempoera preparado o Concílio dos Deuses onde iria ser decidido se osPortugueses deveriam ou não chegar à Índia. Nesse concílioestavam reunidos os deuses, eram defendidas diferentes ideias e Página 18 de 25
  19. 19. era Júpiter o pai dos deuses que falava; ele destacava outrosfeitos grandiosos já antes conseguidos pelos Assírios, Persas,Gregos e Romanos, mas realça as dificuldades e perigos que osPortugueses passaram. Baco era dos que mais se opunha aoconcretizar dos objectivos lusitanos, pois assim ele ficaria sem afama e a glória que anteriormente tinha conquistado no Oriente eseria esquecido por todos caso o povo de Portugal lá chegasse.Contra Baco estava Vénus que achava os Portugueses um povodescendente dos Romanos, os quais muito tinha glorificado, eraagora a vez de glorificar os portugueses. Quando foi aprovada adecisão do Concílio, Baco decidiu intervir, preparando uma ciladaaos Portugueses; desceu à Terra sob a forma de humano eenganou o Rei de Moçambique, pois disse-lhe que o povo Portuguêsera um povo traiçoeiro e mentiroso. Assim conseguiu que o falso piloto os dirigisse para uma ilhaabandonada onde seriam destruídos, mas Vénus interveio eafastou a armada do perigo, fazendo-os voltar ao ruma certo.Continuando a tentativa de destruição dos portugueses, Bacoconsegue que uma doença, o escorbuto, os apanhasse e causasse amorte a muitos. Página 19 de 25
  20. 20. Aqueles que sobreviveram à doença, seguiam viagem eavistaram Melinde onde foram bem recebidos. Saindo de Melindee prosseguindo o trajecto, foram apanhados por uma tempestadeda qual todos escaparam e por fim foi avistada terra de novo; erafinalmente a Índia. Regressando a Lisboa fizeram ”uma paragem” pela Ilha dosAmores, pois Vénus achou que os portugueses mereciam talrecompensa e deu-lhes a companhia das belas ninfas e concedeu aVasco da Gama o conhecimento da Máquina do Mundo. Continuandoa caminho para a pátria, avistaram terra e entraram pela foz doTejo, sempre bem recebidos pelo povo, especialmente pelo Rei quefez com que os seus feitos jamais fossem esquecidos, liberou paraque estes ficassem registados sob a forma de escrita e concebeu-lhes a honra e glória que eles verdadeiramente mereciam. Página 20 de 25
  21. 21. CONCLUSÃOO nome de Vasco da Gama é lembrado sempre na história daexpansão portuguesa no Oriente. Realizou três viagens à Índia,todas elas com diferentes missões. Na primeira, como navegador eembaixador; na segunda, como conquistador e, na terceira, comoadministrador e político.Com a viagem de Vasco da Gama, Portugal conseguiu, finalmente,abrir à Europa o mercado das especiarias, entre as quais, apimenta era a mais ambicionada. Mas havia ainda o marfim, asporcelanas, as faianças, as sedas e outros produtos que ocomércio ocidental muito apreciava.Toda esta epopeia só foi possível graças à colaboração e bravurade todos os navegadores portugueses que tanto contribuíram paraque Vasco da Gama chegasse à Índia. Página 21 de 25
  22. 22. ANEXOS Página 22 de 25
  23. 23. TRATADO DE TORDESILHAS Página 23 de 25
  24. 24. BIBLIOGRAFIA-Albuquerque, Luís de, Magalhães, Ana Maria e Alçada, Isabel,”Os Descobrimentos Portugueses – Viagens e Aventuras”, Caminho,Lisboa,1992.-“Dicionário Ilustrado da História de Portugal”, Publicações Alfa, 1993, Portugal.-Fernandes, Ferreira e Ferreira, João “Frases que Fizeram a História de Portugal”, Esfera dos Livros, Lisboa, 2006.-Garcia, José Manuel,”História de Portugal – uma visão global”.-Marques, A.H. de Oliveira,”História de Portugal”, vol. I, Palas Editores, Lisboa, 1993.-Saraiva, José Hermano,”Breve História de Portugal – Ilustrada”, Bertrand, Amadora.-Serrão, Joel,”Pequeno Dicionário de História de Portugal”, Lisboa.-Sousa, Manuel de,”Reis e Rainhas de Portugal”, Oro Faber, Mem Martins, 2000.-Reis, A. Do Carmo, Vasco da Gama, Edições Asa, Porto, 1990.-Souto, José Correia de, Dicionário da História de Portugal, Vol.III, iniciativas Editoriais, Lisboa, 1995. Página 24 de 25
  25. 25. Outras fontes:http://pt.wikipedia.org/wiki/Vasco da Gamahttp://www.portugal.pro.br/navegacoes.htmhttp://camões9a.no.sapo.pt/ViagemIndia.hmthttp://www.saberhistoria.hpg.ig.com.br/nova_pagina_102htm Página 25 de 25

×