Trentin banco de jogos jogos cooperativos (1)

2.304 visualizações

Publicada em

jogos cooperativos

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.304
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
138
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trentin banco de jogos jogos cooperativos (1)

  1. 1. BANCO DE JOGOS: JOGOS COOPERATIVOS Claudino Trentin PDE 2009/2010
  2. 2. Nova Santa Rosa SUMÁRIO Como apresentar os Jogos Cooperativos...............................................................07 Algumas idéias para diminuir a competição..............................................................07 JOGOS COOPERATIVOS SEM PERDEDORES...........................................................07 Cadeiras musicais cooperativas..................................................................................07 No jogo cadeiras musicais com cooperação.............................................................08 Troncos rolantes ou troncos risonhos........................................................................08 JOGOS DE RESULTADO COLETIVO...........................................................................08 Bola de lençol de resultado coletivo...........................................................................08 Bater e fugir depressa...................................................................................................08 JOGOS DE INVERSÃO..................................................................................................08 Voleibol de rodízio.........................................................................................................09 Inversão de goleadores.................................................................................................09 Inversão de escores......................................................................................................10 Inversão total..................................................................................................................10 JOGOS SEMICOOPERATIVOS.....................................................................................10 Todos jogam...................................................................................................................10 Todos tocam/todos passam.........................................................................................10 Todos marcam gols.......................................................................................................10 Passe misto....................................................................................................................10 Resultado misto.............................................................................................................10 Todas as posições.........................................................................................................10 O jogo dos autógrafos..................................................................................................11 Cadeira livre...................................................................................................................11 Salve-se com um abraço...............................................................................................12 Vôo dos gansos selvagens..........................................................................................12 Confraternização dos bichinhos..................................................................................12 Volençol..........................................................................................................................13 Futpar..............................................................................................................................13 GINCANA COOPERATIVA PARA UM MUNDO MELHOR...........................................13 Golfinhos e Sardinhas...................................................................................................14 Pessoa pra pessoa........................................................................................................15 Navegar é (im) possível... para todos!.........................................................................16 Rebatida..........................................................................................................................17 Vôlei infinito...................................................................................................................18 Um time “zoneado”.......................................................................................................18 Cabeçobol.......................................................................................................................19 2
  3. 3. Multiesporte....................................................................................................................20 Queimada invertida.......................................................................................................21 JOGOS ESCOLARES COOPERATIVOS:.....................................................................21 Futebolão........................................................................................................................22 Futebol cego...................................................................................................................22 Pebolim humano............................................................................................................22 Basquetebol...................................................................................................................22 Bola ao capitão..............................................................................................................23 ............................................................................................................................................. Voleibol cego..................................................................................................................23 Vôlei-bolão......................................................................................................................23 Vôlei-unido.....................................................................................................................24 Handebol tapa-cone......................................................................................................24 Jogo dos dez passes.....................................................................................................24 Abelha rainha.................................................................................................................25 Guardião do rei..............................................................................................................25 Guarda da torre..............................................................................................................25 DANÇAS INTEGRATIVAS..............................................................................................26 Tarantela.........................................................................................................................26 Dança do bastão............................................................................................................27 Dance comigo................................................................................................................27 Chapéu amigo................................................................................................................27 LUTAS SEM VIOLÊNCIA...............................................................................................28 Círculos de equilibristas...............................................................................................28 Cabo da paz....................................................................................................................28 JOGOS PARA UNIR.......................................................................................................28 Pirâmide humana...........................................................................................................28 Cadeira do amor............................................................................................................28 Cofre................................................................................................................................29 Grudado..........................................................................................................................29 Fique com meu sorriso.................................................................................................29 Círculo da confiança.....................................................................................................29 O que existe de diferente?............................................................................................29 Correndo com balões....................................................................................................30 Duas verdades e uma mentira......................................................................................30 Vôlei-bexiga....................................................................................................................30 Olho do furacão.............................................................................................................30 Túnel escuro...................................................................................................................31 Múmias............................................................................................................................31 Alinhar pela altura.........................................................................................................31 Soprar a pena.................................................................................................................31 Rima de nomes..............................................................................................................32 Levar a bola....................................................................................................................32 3
  4. 4. Barriga no balão............................................................................................................32 Centopéia com bolas.....................................................................................................32 Invasão............................................................................................................................32 Símbolos.........................................................................................................................33 Enxergando com novos olhos.....................................................................................33 Segredo oculto...............................................................................................................33 Carta a você....................................................................................................................33 Cara a cara......................................................................................................................34 Organizando a fila..........................................................................................................34 Unindo aros....................................................................................................................34 Balões no ar...................................................................................................................34 Gargalobol......................................................................................................................35 Etiquetando a cauda do dragão...................................................................................35 Alinhamento cego..........................................................................................................35 Passando o chapéu.......................................................................................................35 Tênis de mesa cooperativo..........................................................................................36 Coceira coletiva.............................................................................................................36 Sonho no ar....................................................................................................................36 JOGOS COOPERATIVOS PARA APRESENTAÇÃO...................................................37 Bola quente....................................................................................................................37 Quem não falar paga.....................................................................................................37 O espelho........................................................................................................................37 Terra................................................................................................................................37 Ritual...............................................................................................................................38 As iniciais.......................................................................................................................38 Teia..................................................................................................................................38 O nome quilométrico.....................................................................................................38 Algo de ti.........................................................................................................................39 Entre joelhos..................................................................................................................39 Bola imaginária..............................................................................................................39 Saudação........................................................................................................................39 Eco-nome........................................................................................................................40 Eu estou aqui, por que... ..............................................................................................40 Balão maluco..................................................................................................................40 Reconheço o animal......................................................................................................40 Gostas de seus vizinhos...............................................................................................40 Explodir balões..............................................................................................................41 Ocupar o espaço............................................................................................................40 JOGOS COOPERATIVOS PARA APROXIMAÇÃO......................................................41 Pipoca maluca................................................................................................................41 Semente..........................................................................................................................41 A galinha cega................................................................................................................42 A ordem das idades.......................................................................................................42 Permita me conhecer....................................................................................................42 JOGOS COOPERATIVOS PARA AFIRMAÇÃO...........................................................42 4
  5. 5. Anjo da guarda...............................................................................................................42 Splash.............................................................................................................................42 Corta arame....................................................................................................................43 Equilíbrio........................................................................................................................43 Levantar-se.....................................................................................................................43 Representando imagens...............................................................................................43 Continue a história........................................................................................................44 Vamos vender? ...........................................................................................................44 Ordem no banco............................................................................................................44 Onze................................................................................................................................44 Circula.............................................................................................................................45 JOGOS PLENAMENTE COOPERATIVOS....................................................................45 Dança das cadeiras cooperativas................................................................................45 Cobra gigante.................................................................................................................45 Ponte de braços.............................................................................................................45 Passando pelo túnel......................................................................................................45 Quebra-cabeça cooperativo.........................................................................................46 O bote salva-vidas.........................................................................................................46 Fitas da paz....................................................................................................................46 Grupo amarrado.............................................................................................................46 Passeio do bambolê......................................................................................................47 Manter o sonho no ar....................................................................................................47 Pega corrente.................................................................................................................47 JOGOS COOPERATIVOS PARA DESCONTRAIR.......................................................47 O inquilino......................................................................................................................47 Salada de Frutas............................................................................................................48 Bambolê musical...........................................................................................................48 Duas pessoas, uma bexiga...........................................................................................48 A ameba..........................................................................................................................48 Quem ri troca..................................................................................................................49 Eu me amarro em você.................................................................................................49 Fila...................................................................................................................................49 Massagem circular........................................................................................................49 Grupos de ... ...............................................................................................................50 JOGOS COOPERATIVOS DE CONFIANÇA.................................................................50 João confiança...............................................................................................................50 Ligação...........................................................................................................................50 O bastão da comunicação............................................................................................50 O anel da sabedoria.......................................................................................................51 Carrossel........................................................................................................................51 Futebol cego...................................................................................................................51 Coluna no escuro..........................................................................................................51 JOGOS COOPERATIVOS PARA SOLUÇÃO DE CONFLITOS...................................51 Volençol..........................................................................................................................12 5
  6. 6. Basquetebalde...............................................................................................................52 Formar grupos...............................................................................................................52 ............................................................................................................................................. Completar a sentença...................................................................................................52 Abraço musical..............................................................................................................53 Acordando......................................................................................................................53 Agarrado a você.............................................................................................................53 Alfabeto vivo..................................................................................................................53 Amarelinha cooperativa................................................................................................53 Animal igual....................................................................................................................54 Arco-gol..........................................................................................................................54 Balanço...........................................................................................................................54 Bambolê mágico............................................................................................................55 Barriga para cima..........................................................................................................55 Bastões equilibristas.....................................................................................................55 Batendo palmas.............................................................................................................55 Bingo de valores............................................................................................................56 Bola no ar.......................................................................................................................56 Bola salvadora...............................................................................................................56 Bom de volante..............................................................................................................56 Bom dia...........................................................................................................................57 Bum.................................................................................................................................57 Caça borboleta...............................................................................................................57 Cadeira amiga................................................................................................................58 Cadeira surpresa...........................................................................................................58 Carrinho de mão............................................................................................................58 Cestas cooperativas......................................................................................................58 Chinelão..........................................................................................................................59 Chuva..............................................................................................................................59 Círculo engraçado.........................................................................................................59 Corda amiga...................................................................................................................59 Corre tartaruga...............................................................................................................59 Escada cooperativa.......................................................................................................60 Escravos de Jô com cadeiras......................................................................................60 Marcha da alegria..........................................................................................................60 Nunca três......................................................................................................................60 Passe no buraco............................................................................................................61 Pega-bambolê................................................................................................................61 Pulando em grupo.........................................................................................................61 Pulando e trocando.......................................................................................................61 Quente.............................................................................................................................62 Roda................................................................................................................................62 Tempestade....................................................................................................................62 Um, dois, três, quatro, cinco, seis... atenção!............................................................62 Corrida de 100m.............................................................................................................63 Mini-quadras...................................................................................................................64 6
  7. 7. COMO APRESENTAR OS JOGOS COOPERATIVOS (retirado do livro: SOLER, Reinaldo. Educação Física. Uma abordagem cooperativa. Rio de Janeiro: Sprint, 2006. Pg. 114-115. Devemos entender com clareza que o jogo é muito importante e que educa. Mas, para que isso ocorra, é necessário que o professor siga alguns passos. Platts (apud SOLER, 2006) divide esta apresentação em três partes: • Apresentação das instruções para o jogo. • Jogando o jogo. • Processando o jogo. Platts (apud SOLER, 2006) segue, reforçando a idéia: “Considere estas três partes como as três pernas de um banquinho; todas são necessárias para que o banquinho/jogo possa funcionar.” Apresentação das instruções para o jogo: O professor deve se apresentar e permanecer leve e cheio de vivacidade, pois é um modelo para o grupo que joga. Deve explicar os objetivos propostos no jog. Jogando o jogo: O professor deve perceber qual é o tempo necessário para o jogo, não deixando que o jogo se torne entediante, pois quando isso acontece deverá propor um novo jogo. Importante também criar um ambiente acolhedor e seguro para quem joga. Processando o jogo: O diálogo, a conversa e a intercomunicação de idéias são mais do que importantes quando falamos de Jogo Cooperativo. O professor deve abrir espaço para que isso aconteça. Permitir a discussão após o jogo é fundamental para que quem joga estabeleça uma conexão com a suja vida prática. A finalização do jogo é importante e faz com que o grupo se fortaleça cada vez mais. ALGUMAS IDÉIAS PARA DIMINUIR A COMPETIÇÃO Pg. 114-115. • Evite jogos que busquem a eliminação. • Valorize mais o processo e menos o resultado final. • Fuja de jogos individuais, valorize os jogos em grupo. • Divida os times de forma criativa e não por ter mais ou menos habilidades. • Proponha Jogos Competitivos e Cooperativos pra que o grupo possa perceber onde se sente melhor. • Permita que a liderança circule pelo grupo. Todos devem, em algum momento, liderar. • Abra espaço para que a intercomunicação de idéias aconteça. • Pare o jogo sempre que for necessário, para discutir com o grupo que joga. Jogos Retirados do Livro: ORLICK, Terry. Vencendo a Competição. São Paulo: Círculo do Livro, 1989. 7
  8. 8. JOGOS COOPERATIVOS SEM PERDEDORES 1- CADEIRAS MUSICAIS COOPERATIVAS: Pg. 125 No jogo normal das cadeiras musicais, cada criança começa sentada numa cadeira. Ao ouvir a música, crianças correm aos pulos pela sala, e uma cadeira é retirada do jogo. A música pára, e as crianças se apressam para pegar uma cadeira para si, mas uma delas tem que sair por ter ficado sem cadeira. Esse processo de remoção das cadeiras continua até que todas as crianças, com exceção de uma, sejam eliminadas. Se 21 crianças jogarem, você tem a garantia de que vinte serão perdedores. Somente uma criança será vencedora. Este é um jogo de eliminação, semelhante a muitos outros atuais. Sua estrutura estimula a competição e exige eliminação. É difícil que muitas crianças sintam-se realmente envolvidas nesse tipo de jogo e é ainda mais difícil que elas gostem de alguém que acabou de expulsá-la de sua cadeira. 2- NO JOGO CADEIRAS MUSICAIS COM COOPERAÇÃO: Pg. 125 O objetivo é manter todas as crianças no jogo, embora haja remoção de cadeiras. À medida que cada cadeira é retirada as crianças terão de se agrupar, sentando em partes de cadeiras ou umas sobre as outras para manter todas no jogo. Em vez de disputar a posse exclusiva de uma cadeira, elas trabalham juntas para continuarem donas dela. Para movimentar o jogo, comece com um número de cadeiras que corresponda à metade do grupo de crianças. Isso significa que o jogo começará com duas crianças em cada cadeira. O jogo geralmente termina com apenas uma ou duas cadeiras, e todas as crianças precariamente empoleiradas umas sobre as outras. Uma menina de 5 anos sugeriu que continuássemos a jogar até que não houvesse nenhuma cadeira no jogo. Experimentamos isso e a idéia funcionou. Vinte e uma crianças terminaram alegremente, empilhadas umas sobre as outras sobre uma cadeira imaginária. Observação: alto grau de envolvimento ativo; algo grau de cooperação; alto nível de diversão. 3- TRONCOS ROLANTES OU TRONCOS RISONHOS: Pg.126. Seis ou mais jogadores (troncos) deitam-se lado a lado, de bruços, no chão. Um jogador deita-se de bruços, atravessado sobre as costas dos outros. Todos os “troncos” começam a rolar na mesma direção, proporcionando ao que está em cima (o montador) um passeio, no sentido transversal. Quando o montador chega ao outro lado, torna-se o primeiro “tronco rolante”, e o último “tronco” será o montador. Isso continua por toda a sala, pátio campo. Observação: alto grau de envolvimento ativo; alto grau de cooperação; alto nível de divertimento para todos os grupos etários. JOGOS DE RESULTADO COLETIVO Estes jogos tendem a derrubar as barreiras tradicionais entre duas equipes que jogam uma contra a outra. Eles geralmente são bastante ativos e incorporam o 8
  9. 9. conceito de trabalho coletivo por um objetivo ou resultado comum sem que haja competição entre os times. 1- BOLA DE LENÇOL DE RESULTADO COLETIVO: Pg. 127. Este jogo envolve dois times distintos, que tentam arremessar uma bola de praia ou uma bola gigante de um lado para o outro, sobre uma rede de voleibol, usando um lençol. Cada time, constituído de aproximadamente dez jogadores, está munido de um lençol e só pode usá-lo para impulsionar a bola. Cada vez que a bola é lançada sobre a rede e apanhada corretamente do outro lado, é marcado um ponto coletivo. Quando a bola cai no chão, a contagem é reiniciada. Se não cair, os pontos são acumulados. Se um dos times arremessa a bola e ela não passa sobre a rede, o mesmo time tenta apanhá-la antes que ela caia no chão e novamente lançá-la sobre a rede. Esse jogo é extremamente cooperativo, uma vez que cada membro do time participa dos arremessos e das pegadas. Além disso, os dois times estão trabalhando juntos para um fim comum. O tamanho do lençol, o tipo de bola, o número de lençóis, de bolas e de jogadores para cada lado são muito adaptáveis. Os lados não precisam ser iguais e os jogadores podem ir e vir à vontade. Estruturalmente é um jogo muito bem concebido e muito divertido. Definitivamente não tem perdedores! 2- BATER E FUGIR DEPRESSA: Pg. 127. O jogo começa com dois times de cerca de sete jogadores cada um, em lados diferentes de uma rede de voleibol. Sempre que um jogador bate na bola para arremessá-la sobre a rede, passa correndo por debaixo da rede para o outro lado. Os jogadores tentam fazer uma alteração completa dos times com o mínimo possível de quedas de bola, ou sem deixar a bola cair. É uma boa maneira de integrar meninos e meninas. Todos têm um objetivo comum, tornarem-se membros do mesmo time, e “alimentam” um ao outro para possibilitar a todos os membros do time passar para o outro lado. JOGOS DE INVERSÃO Os jogos de inversão realmente brincam com o nosso conceito tradicional de vencer e perder. Eles deixam a maioria dos jogadores achando que venceram ou incertos a respeito da vitória. Até agora ninguém disse que seu time perdeu. O conceito rígido de times é derrubado, uma vez que os jogadores se alternam nos dois times. O método da inversão parece diminuir a preocupação exagerada com o resultado, pois tanto o resultado numérico quanto os times não são definitivos. Um time pode ter o maior número de pontos, mas o outro pode ter dado esses pontos. Além disso, qualquer jogador esteve no outro time por 5 ou 10 minutos. Provavelmente ninguém estará motivado a jogar somente pela vitória, se os pontos e os “adversários” forem manipulados desta maneira. Num certo sentido são todos um grande time que ajuda o outro, e vice-versa, de modo a desfrutar a atividade e o processo do jogo. Estes jogos certamente obterão um resultado muito interessante, em geral de completa aceitação. Os jogos de inversão que envolve o rodízio de jogadores entre os times são relativamente conservadores se comparados aos jogos de inversão de resultado. O que mais se distancia da tradição é o conceito de “inversão total”. 1- VOLEIBOL DE RODÍZIO: Pg. 128. Este jogo é semelhante ao voleibol comum, mas em vez de o rodízio ser feito dentro do mesmo time, é feito entre os dois times. Quando, em ambos os times, os jogadores que dão o saque completam o serviço, eles vão para o meio da linha de 9
  10. 10. fundo do outro time. As novas posições colocam-nos como os últimos da fila para sacarem no seu novo time. É difícil rivalizar-se com o outro time ou perder para ele, quando se está ou se vai para o outro lado em algum momento do jogo. Essa mesma idéia pode ser usada em outros jogos atuais, fazendo com que todo o time ofensivo ou defensivo troque de lado, à medida que novos jogadores entrem em campo ou na quadra de jogo. 2- INVERSÃO DO GOLEADOR: Pg.128-129 Neste jogo o goleador passa para o outro time imediatamente depois que faz o gol, se o outro time estiver perdendo. Não há permuta de jogadores no time “perdedor”. O time que marca o gol recebe o ponto, mas o goleador vai para o time “perdedor”. Ele poderá ir para o outro time somente se este estiver em desvantagem por poucos pontos. A inversão do goleador pode ser feita sem qualquer interrupção do jogo; o goleador simplesmente troca de lado enquanto o jogo continua. Isso pode ser usado no futebol, no futsal, etc.. 3- INVERSÃO DE ESCORE: Este jogo lembra um jogo comum, mas os pontos feitos são computados a favor do outro time. O objetivo é dar ao outro time tantas vantagens ou ponto quantas forem possíveis. Para dar um ponto ao outro time basta fazer um gol contra. 4- INVERSÃO TOTAL: Pg. 129. Neste jogo não há goleiro, os pontos vão para o outro time e os goleadores passam para o time “vencedor”. Esse time é o que tem a maioria dos pontos, mas, na verdade, é o mais fraco porque obteve os pontos sofrendo gols. JOGOS SEMICOOPERATIVOS 1- TODOS JOGAM: Pg. 133. Todos os que querem jogar recebem o mesmo tempo de jogo. Tenta-se manter os times pequenos para que todos joguem durante o tempo de atividade. 2- TODOS TOCAM/TODOS PASSAM: Pg.133. Esse jogo é um jogo comum, mas antes que se tente um chute a gol, a bola, é passada e tocada por todos os membros do time. Uma vez marcado o gol, a bola passa novamente por todos os jogadores antes de se tentar outro chute a gol. Isso funciona no futebol, futsal, etc. 3- TODOS MARCAM GOL: Pg. 133-134. É um jogo comum, mas, para que um time vença cada membro dele deve marcar gol pelo menos uma vez. Pode ser jogado com traves grandes, que vão, por exemplo, de um lado ao outro da quadra, do campo. Assim que todos os jogadores tenham marcado um gol, uma nova partida começa. Ao se perceber qualquer evidência de pressão indevida, exercida sobre os últimos a marcarem o gol, ou ainda não aconteceu, discuta o problema entre os jogadores. Eles podem decidir ajustar suas táticas ou considerar a introdução de somente quatro jogadores que marquem gol, em vez de todos. Tanto o esquema Todos passam como o Todos marcam gol estabelecem uma situação cooperativa dentro do time, onde os companheiros “estimulam” um ao outro para realizar o objetivo do jogo. Essas regras também permitem que cada criança se sinta importante e dá a todas a oportunidade de aperfeiçoarem suas habilidades. 10
  11. 11. 4- PASSE MISTO: Pg. 134. É um jogo comum em que a bola, é passada alternadamente, ora para a menina ora para o menino. 5- RESULTADO MISTO: Pg. 134. É um jogo comum em que os gols são marcados alternadamente por meninos e meninas. Uma variação interessante é introduzir uma regra que o menino e uma menina devem estar de mãos dadas para que qualquer dos dois possa fazer um gol. O grau de aceitação destas regras mistas depende da idade e da maturidade do grupo. Entretanto, em qualquer idade o Passe misto e o Resultado misto servem para integrar meninos e meninas em ação. 6- TODAS AS POSIÇÕES: Pg. 134. Os jogadores passam por todas as posições durante o período do jogo. Isso pode ser feito por um tempo determinado, conforme o resultado ou a cada tempo de jogo. Por exemplo, as posições podem ser trocadas depois de 3 minutos de jogo, depois de três lançamentos, depois de cada gol ou no fim de cada tempo de jogo. O rodízio de posições pode ser feito no futebol, futsal, etc., da mesma forma que se faz atualmente no voleibol. Os jogadores podem também ser revezados ao fazer frente, ao fazer a bola quicar, quando ela sai de campo, quando volta para o jogo ou quando eles correm com ela. Uma forma modificada de todas as posições tem sido usada com êxito no rúgbi amador. No decorrer de cada jogo cada aluno joga em três posições diferentes, e pelo menos em uma que lhe permita manobrar a bola. Isso garante que todos tenham oportunidade de atirá-la, correr com ela ou apanhá-la. Jogos retirados do livro: BROTTO, Fábio Otuzi. Jogos cooperativos: se o importante é competir, o fundamental é cooperar. 4° edição. Santos, SP: Renovada, 2003. 1- O JOGO DOS AUTÓGRAFOS: Pg. 49-60. O jogo dos autógrafos podem nos ajudar a descobrir as alternativas para uma nova forma de abordar conflitos e realizar metas grupais. Ele é jogado em dois tempos de 01 minuto. O objetivo é conseguir o maior número de autógrafos possíveis, numa folha de papel. É um jogo muito simples. Basta coletar assinaturas uns dos outros, não vale autógrafo repetido. Consiste num jogo cujo resultado depende da percepção que os participantes têm: do jogo em si, do objetivo e dos outros participantes. Em 90% dos jogos realizados, constata-se que no 1º tempo o “Padrão Percepção-Ação” dominante foi o de “Competição”. Em consequência dessa dinâmica de competição, os resultados obtidos pelos jogadores, individual e coletivamente falando, ficaram abaixo do esperado inicialmente. Durante o intervalo, entre o 1º e 2º tempo, foi solicitado aos participantes que identificassem os “Fatores que Dificultam” a realização do objetivo do jogo. E eles responderam: Individualismo, desconfiança, falta de clareza de objetivos, ausência de comunicação, competição, pressa, falta de organização e planejamento e ausência de liderança. Ao final do 2º tempo, em todos os jogos realizados, o Padrão Percepção-Ação, predominantemente, manifestado foi o de “Cooperação”. Em 95% dos jogos os 11
  12. 12. participantes alcançaram – e em muitos casos, ultrapassaram os objetivos pessoais e coletivos, inicialmente, colocados pelo jogo. Questionados a respeito dos “Fatores que Facilitaram” o jogo, apresentaram o seguinte: Clareza de objetivos, solidariedade, confiança e respeito mútuo, comunicação, “Parar para Pensar”, criatividade, liderança de todos e Paz-ciência. Após o jogo chegou-se a seguinte conclusão: Temos sido “Condicionados” a competir. 2- CADEIRA LIVRE: Pg. 83-84. Formamos um círculo com cadeiras, totalizando uma a mais que o número de participantes. Todos sentam voltados para o interior do círculo deixando obviamente, uma “Cadeira livre”. O jogo tem início com os participantes que estão sentados, imediatamente, à direita e à esquerda, da “Cadeira livre”, disputando o assento, Aquele que sentar primeiro, fica e fala em voz alta: - “Eu sentei...” O outro volta para a sua cadeira. Dando sequência a esse primeiro movimento, os dois participantes mais próximos daquele que “sentou” na “Cadeira livre”, mudam um assento indo na direção dele – como se fossem puxados por ele. Enquanto sentam, devem falar em voz alta, respectivamente: - “... no jardim...” - “... com meu amigo... Carlos (*) – (*) Chama pelo nome outro participante. O amigo chamado, sai de seu lugar e vai sentar-se ao lado daquele que o chamou, deixando, consequentemente, a cadeira que ele ocupava – livre. A partir daí, o jogo continua repetindo todo o processo para ocupar a “Cadeira livre” e completar a frase: “Eu sentei... no jardim...com meu amigo...”. Com um grande número de participantes pode-se usar mais que uma “Cadeira Livre” para incentivar trocas mais dinâmicas e desafiadoras. 3- SALVE-SE COM UM ABRAÇO: Pg. 39-94. Este jogo é um tipo de “pega-pega”, onde o objetivo é que todos se salvem. O pegador com uma bexiga (balão de encher) tenta tocar o peito de alguém, se conseguir ele passa a bexiga e invertem-se os papéis. Para não serem pegos, os participantes têm que se abraçar aos pares, encostando o peito um no outro, salvando-se mutuamente. Conforme a dinâmica do grupo pode-se ter mais que um pegador, maior número de bexigas e propor abraços em trios e/ou em grupos maiores. Importante: Os abraços podem durar apenas 3 segundos. É para evitar algum compromisso maior, não é?!!! 4- VÔO DOS GANSOS SELVAGENS: Pg. 95-99. Começamos cada um em pé e, individualmente, verificando nosso potencial de vôo. Mantendo pelo menos, um dos pés fixado no chão, “voamos” para frente, para trás, para os lados. Assim, checamos os limites do vôo individual. Com o propósito de diluir esse limite e ampliar o vôo, trabalhamos, agora, em pares. Um de frente para o outro, pés unidos e fixos no solo. As mãos colocadas à altura do próprio peito tocam as do parceiro. Depois de um breve contato, cada um dá um passo para trás. Mantendo a posição inicial dos pés e mãos, inclinam o corpo para frente, procurando tocar as palmas das mãos, um do outro. Conforme adquirimos conforto e estabilidade, continuamos o exercício aumentando a distância entre os parceiros, gradualmente, até onde for possível. Depois em trios, transformamos o conhecido “João Bobo” em “João Confiança”. Um dos participantes fica no centro, entre os dois outros parceiros. Com os pés unidos e fixados no chão ele se deixa “voar” para frente e para trás, sendo apoiado com segurança pelo parceiro correspondente que, após recebê-lo com segurança, gentilmente, o conduz para o centro, ao ponto de equilíbrio inicial. O jogo prossegue 12
  13. 13. até que os três tenham experimentado o vôo. Pode acontecer de uma pessoa ter medo de “voar” para trás, ou mesmo para frente, enfim, que não sinta confiança e segurança em si mesma e nos parceiros. Este “vôo” pode ser formado por grupos-círculos de 5 a 7 “voadores”. Um por vez vai ao centro e sem tirar os pés do chão, “voa” em todas as direções. Sendo apoiados pelo grupo (conforme no exercício anterior) todos terão sua capacidade de vôo expandida para o norte, sul, leste, oeste e... 5- CONFRATERNIZAÇÃO DOS BICHINHOS: Pg.103-105. Formamos uma grande roda e numeramos, de 1 a 4, todos os participantes (a quantidade dos números varia de acordo com o tamanho do grupo). Pedimos a um representante de cada número que escolha uma espécie de bichinho para caracterizar o seu respectivo grupo. Por exemplo: O representante do número (1) escolhe ser “carneiro”, o representante do número (2) escolhe ser “gato”, o do número (3), “boi” e o do número (4), “pato”. A partir desse momento, todos os números (1) serão “carneiros”, os números (2) serão “gatos”, os números (3) serão “bois” e os números (4), “patos”. O objetivo deste jogo é conseguir reunir todos os bichinhos da mesma espécie (gatos com gatos, patos com patos, etc). Para facilitar essa confraternização todos devem se comunicar. Quanto mais “falarem”, melhor (e mais engraçado). Mas, atenção! Todos são bichinhos e devem se expressar de acordo com as características de cada espécie. Qual é o som que os carneirinhos fazem? Mmééhéhé. E como se comunicam os gatos? Miau, miauuu. Após cada “espécie” ter se manifestado, damos início ao jogo. Ah! Esperem um pouco. Esqueci de avisar que os bichinhos têm uma cegueira temporária. Por isso, fiquem todos de olhos fechados até o final da brincadeira, ta? Quando um bichinho encontrar um companheiro, ambos se abraçam e continuam procurando o restante do seu grupo, permanecendo de olhos fechados. A brincadeira segue até que cada espécie tenha re-encontrado todos os seus membros. Como ninguém vive sozinho e nenhuma espécie evolui isolada das outras, terminamos o jogo com todas as espécies se agrupando num grande abraço de Confraternização Universal. Pergunte ao final do jogo, quais foram os músculos mais trabalhados durante a atividade. Investigue por quê? E descubra uma das principais qualidades dos Jogos Cooperativos!!?? 6- VOLENÇOL: Pg. 107-109. Vamos começar jogando em duplas. Cada uma com um pequeno “lençol” (um tecido similar, como uma camiseta ou, um cobertor) e uma bola. O desafio é lançar e recuperar a bola utilizando o “lençol”. Os parceiros podem criar inúmeras formas para dinamizar a atividade: fazer uma cesta; arremessar numa parede; lançar a bola, correr até um ponto e voltar; lançar e rolar no chão e outras tantas. Depois de algum tempo, as duplas são incentivadas a interagir umas com as outras, trocando passes de “lençol” para “lençol”. Pode ser com uma ou duas bolas, simultaneamente. O desafio pode evoluir para um “Volençol” (um jogo de voleibol com “lençóis”. Colocamos duplas com “lençóis” em cada lado da quadra de voleibol e desenvolvemos o jogo propondo a realização de metas comuns e respeitando o grau de habilidade que os participantes vão, gradualmente, alcançando. Vamos tentar o maior número de lançamentos seguidos do grupo todo?. A dupla que lançar a bola para o outro lado, muda de lado também, passando por baixo da rede. O uso de bolas com tamanho e peso variados, “lençóis” maiores para formação de grandes grupos, entre outros, são elementos que podem aumentar o grau de motivação e envolvimento no jogo. 7- FUTPAR: Pg.121-123. 13
  14. 14. Este é um jogo muito divertido e intenso. É umas das atividades que tem a melhor aceitação. Nelas todos se envolvem e buscam ajustar seus estilos e habilidades pessoais, uns aos outros, durante todo o tempo. É um jogo de futebol normal. Porém, cada equipe é formada por duplas (ou trios) que devem permanecer de mãos dadas. Jogamos sem goleiros e ampliamos ao máximo as dimensões do campo (ou quadra). Dependendo do número de participantes usamos mais de uma bola, simultaneamente. A cada gol estimulamos novas parcerias, o que proporciona um constante desafio de “boa convivência”. Ah! Já que falamos nisso, como ficam nossos “vizinhos”, lááá... da outra equipe? Propusemos a “inversão do goleador”, desta forma, a dupla que faz o gol, marca ponto pra sua equipe, mas em seguida, muda de lado, indo para o outro time. Ao final do jogo, todos terão jogado com todos, ora na equipe “A”, ora na equipe “B”.. GINCANA COOPERATIVA PARA UM MUNDO MELHOR. Objetivos essenciais: • Integrar alunos, pais, professores, funcionários e comunidade. • Sensibilizar as pessoas e instituições para a promoção de valores e relacionamentos cooperativos. OBS: Por ser muito extensa, a gincana se encontra nas páginas 133 a 142. Jogos retirados do livro: BROTTO, Fábio Otuzi. Jogos cooperativos: o jogo e o esporte como um exercício de convivência. Santos: São Paulo, 2002. 1- GOLFINHOS E SARDINHAS (JOGO INFINITO) Pg.129-130. Há um tipo de Jogo Cooperativo muito especial: Os jogos Infinitos. Neste jogo todos têm a oportunidade para exercer o poder pessoal e grupal sobre a vivência que estão compartilhando. “Golfinhos e Sardinhas” é um pega-pega muito parecido com os vários já conhecidos, senão por uma pequena mudança capaz de promover grandes transformações. Nesta brincadeira propomos o exercício do Livre Arbítrio, da Tomada de Decisão, da Iniciativa para Correr Riscos e da Aventura de Compartilhar a Liberdade. Objetivo Comum: • Pegar e escapar. • Salvar quem foi pego, ou não. • Decidir continuar o Jogo ou terminar com ele. Participação: • Desde os 7 anos. • Um grande grupo. Espaço: • Espaço amplo, dividido por uma linha central. Material: • Sem material. Desenvolvimento: Este jogo está baseado no pega-corrente. Começamos com todos os participantes (menos 1) agrupados numa das extremidades do espaço. Este é o “Cardume de Sardinhas”. Aquele 1 separado das “Sardinhas”, será 14
  15. 15. o “Golfinho” e ficará sobre uma linha transversal demarcada bem no centro do espaço. Ele somente poderá se mover lateralmente e sobre essa linha. O objetivo das “sardinhas” é passar para o outro lado do oceano (linha central) sem serem pegas pelo “Golfinho”. Este por sua vez tem o propósito de pegar o maior número possível de sardinhas (bastando tocá-las com uma das mãos. Toda “Sardinha” pega, transforma-se em “Golfinho” e fica junto com os demais golfinhos sobre a linha central. Lado a lado e de mãos dadas, formando uma “corrente de golfinhos”. Na “corrente de golfinhos” somente as extremidades podem pegar. O jogo prossegue assim até que a “corrente de golfinhos” ocupe toda a linha central. Quando isto acontecer, a “corrente” poderá sair da linha e se deslocar por todo o “oceano” para pescar as sardinhas. Atenção: Quando a “corrente de golfinhos” for maior que a quantidade de “sardinhas” restantes, propomos a seguinte ação: Agora, as “sardinhas” poderão SALVAR os “golfinhos” que desejarem ser salvos. Como? Basta a “sardinha” passar por entre as penas do “golfinho”. Daí o “golfinho” se solta da “corrente” e vira “sardinha”, de novo. Re-Creação: • Formar mais que uma “corrente de golfinhos” pode dinamizar mais a atividade. • Experimentar diferentes formas para SALVAR os “golfinhos”: coçar a cabeça dele, dar um abraço etc. Toques: • Observar o cuidado com a integridade física uns dos outros, particularmente, quando as “sardinhas” tentam passar pelo meio da “corrente de golfinhos”. Ajude os participantes a descobrir formas saudáveis para jogar. • Decidir salvar um “golfinho” é uma grande aventura de confiança. Estimular o exercício da solidariedade, cumplicidade e altruísmo nos jogos pode nos ajudar a viver essas e outras co-opetências cooperativas em outros “oceanos da vida”. 2- PESSOA PRA PESSOA: (Jogo Cooperativo sem perdedores) Pg. 131-132. Para cooperar é preciso se aproximar uns dos outros e da gente mesmo. Que tal jogarmos para diminuir a distância e desfazer as barreiras que nos distanciam? Objetivo Comum: • Despertar a atenção e tempo de reação. • Diminuir a distância entre as pessoas e promover o com-tato. • Desfazer preconceitos e incentivar a criatividade. • Exercitar a Liderança Circular. Participação: • Joga-se com um único grupo e com participação ilimitada. Espaço: • Espaço aberto ou fechado, compatível com o número de participantes e livre de obstáculos. Material: • Nenhum material é necessário. Desenvolvimento: • Inicia-se incentivando as pessoas a caminhar livre e criativamente pelo ambiente (andar com passo de gigante; de formiguinha; andar como se o chão tivesse pegando fogo; com um tique nervoso etc.). • Depois de alguns poucos minutos, fala-se em voz bem alta, 2 partes do corpo (mão na testa; dedo no nariz; orelha com orelha; cotovelo na barriga etc.). 15
  16. 16. • A este estímulo, todos deverão formar uma dupla e tocar, um no outro, as partes faladas pelo Focalizador, o mais rápido possível! Por exemplo: - “Mão na testa”. Cada pessoa deverá encontrar um par e tocar sua mão na testa do outro e vice- versa. • Quando todos estiverem em duplas e tocando as partes faladas, o Focalizador reinicia o processo, propondo a caminhar livre e criativa... • Após 2 ou 3 dessa combinações o Focalizador pode dizer em voz alta o nome do jogo: Pessoa pra pessoa”. • Nesse momento, todos – inclusive o Focalizador – devem formar uma nova dupla e abraçar um ao outro, bem agarradinho para garantir o encontro. • Com a entrada do Focalizador diretamente no Jogo, haverá um desequilíbrio numérico: alguém irá ficar sem par. “E o que a gente faz com quem sobra?!!”. • Diferente dos jogos tradicionais, aquele que sobra não será castigado, nem excluído. Quem sobrou vira Focalizador e re-inicia o Jogo servindo ao grupo, ao invés de ser servido por ele. Re-Creação: • Propor Com-Tatos em trios, quartetos ou em grupos maiores, pode tornar o jogo mais desafiante e muito divertido. Toques: • Este Jogo trata de 2 aspectos fundamentais da Cooperação. Com-tato (toque) e Liderança. Trabalha a questão do Poder de um modo lúdico e muito eficaz, propondo exercitar a aproximação e a empatia num ritmo gradativo e que respeita a integridade pessoal e grupal. 3- NAVEGAR É (IM) POSSÍVEL... PARA TODOS! (Jogo Cooperativo sem Perdedores). Pg. 133-135. Perceber e vivenciar o poder de realização coletiva quando saltamos do paradigma do individualismo para a Consciência da Cooperação. E estimular a criatividade, empatia, diálogo grupal, apoio mútuo, confiança, organização-caótica, resolução de problemas e disposição para realizar o (im) possível. Objetivo Comum: • Navegar do “porto seguro” para o “ponto futuro”... todos juntos! Participação: • O Grupo é organizado em pequenos Times (“barcos”) com aproximadamente o mesmo número de participantes. Idealmente, 4 Times. • Cada Time é formado por “tripulantes” (pessoas), sentados cada um numa cadeira (“parte do barco”), lado a lado. • Os times formados são posicionados como lados de um grande quadrado (“porto seguro”). Porém, deixando os cantos mais espaçados, Isto é, um “barco” não encosta no outro. Todos os barcos voltados para o centro do quadrado. Espaço: • Um salão amplo ou ao ar livre. • Suficiente para acolher todo o Grupo. Material: • Uma cadeira (sem braço e em boas condições) para cada participante. • Aparelho de som. Desenvolvimento: É importante criar uma atmosfera lúdica desde o início. Para isso, pode-se criar um enredo, um cenário adequado ao momento. Por exemplo, imaginando 16
  17. 17. um grupo de velejadores sendo desafiados a realizar diferentes manobras para aperfeiçoar suas co-opetências de navegação. 1º. Desafio: • Cada barco deverá sair de seu “porto seguro” (posição de partida) e chegar no “ponto futuro”. Isto é, navegar para o outro lado do quadrado, imediatamente à frente de cada respectivo barco. Todos os tripulantes devem chegar levando o próprio barco (as próprias cadeiras). Condições de Navegação: • Imaginando que todo o piso do ambiente correspondente às águas de um Oceano muito frio e povoado por tubarões, todos os barcos deverão navegar respeitando 2 condições: a) Nenhuma parte do corpo pode tocar a água (o piso). Incluindo calçados, roupa e qualquer outro tipo de material. Afinal, a água é muuuito fria e cheia de TUBARÕES!!! b) O barco (as cadeiras) não pode ser arrastado. 2º. Desafio: • Depois de todos os barcos terem alcançado o “ponto futuro” e celebrado essa conquista, desafiamos o Grupo, como um único Time, a se posicionar em ordem alfabética... respeitando as mesmas Condições de Navegação!!! Comemoração: • Um aspecto fundamental do Jogo Cooperativo é a comemoração de cada pequena- grande realização do Grupo. Ao final do 2º Desafio, convidamos todos os “tripulantes” (que a essa altura, provavelmente, estarão em pé sobre as cadeiras) a darem as mãos e “mergulharem” no oceano...agora com as águas aquecidas pelo calor compartilhado durante toda a Navegação (im) possível! Re-Creação: Existem muitas variações para este Jogo para torná-lo mais desafiador e divertido. Vão desde a colocação de alguns obstáculos (“rodamoinhos”, “piratas”, “furações” etc.), até a implementação de diferentes características de “tripulação” (vendar, amordaçar ou amarrar braços e pernas). • Para facilitar o desafio para grupos mais jovens ou, na falta de cadeiras, podemos substituir as mesmas, por folhas de jornal abertas e estendidas no chão. • Durante o Jogo é muito interessante também utilizar músicas relacionadas ao tema (ex.: “como uma onda no mar” – Lulu Santos). Até porque, depois de uma boa Navegação Cooperativa, provavelmente, “nada do que foi será do jeito que já foi um dia”! Toques: Esta “Navegação” (im)possível” desafia as pessoas a sair de seu “porto seguro” e partir na direção do “ponto futuro”. É um Jogo Cooperativo muito potente porque estimula romper a inércia provocada pelo comodismo ou pela resignação. Este é um desafio que pode nos impulsionar na direção de realizar nossas mais essenciais aspirações e alcançar metas aparentemente (im)possíveis... desde que navegamos orientados pela bússola da Cooperação. 4- REBATIDA: (Jogo Cooperativo sem Perdedores) Pg. 137-138. Este jogo é uma combinação de várias atividades (“coelhinho sai da toca”, “taco”, “base 4”, entre outras). É um jogo muito ativo, envolvente e favorece a integração, a ajuda mútua, desinibição, atenção, agilidade, disposição para “trocar de lugar” e muita, muita diversão. 17
  18. 18. Objetivo Comum: • Rebater a bola e ocupar as “Bases”. Participação: • A partir de 7 anos. • Para grupos de 20 a 40 participantes, organizados em duplas ou trios. Espaço: • Uma quadra de voleibol ou equivalente. • Desenhar “bases” (círculos com 1m de diâmetro) eqüidistantes, ao redor da quadra. • A quantidade de círculos é igual ao número de duplas ou trios, menos 1 ( ex:15 duplas = 14 círculos). As “bases” deverão ser numeradas. Material: • Giz, uma bola de plástico média e um “bastão” (cabo de vassoura). Desenvolvimento: • Escolhe-se uma dupla para ser a dupla de Rebatedor (“R”) e Lançador (“L”), com “bastão” e bola, respectivamente. Esta dupla ficará no centro da quadra, distantes um do outro, aproximadamente, 4m. • As demais duplas entram nas “bases”, verificando o número correspondente a “base” que entraram. • O jogo tem início com o Lançador arremessando a bola para que seu parceiro, o Rebatedor, faça a “REBATIDA”. • Logo que a “REBATIDA” for feita, o Rebatedor grita (grita mesmo!) o número de qualquer uma das “bases” ( ex: 10!!!). • A dupla, que estiver ocupando a “base” número 10, deve ir buscar a bola e, depois (com a bola), tentar entrar em qualquer “base”. • Enquanto isso, todas as demais duplas deverão trocar de “base”, simultaneamente e aleatoriamente. Inclusive a dupla de Lançador e Rebatedor. • Como há uma “base” a menos que o número de duplas, a dupla que ficar sem “base”, passa a ser Lançador e Rebatedor. Re-Creação: • Após a “REBATIDA”, trocar de parceiros antes de entrar numa nova “base”. Todos, com exceção da dupla que vai buscar a bola. Essa dupla permanece junta. • Correr com as mãos dadas, menos a dupla que vai buscar a bola. • Substituir a “REBATIDA” com o bastão, pela realização de “fundamentos” de determinada modalidade esportiva (ex.: o Lançador passa a bola com o pé e o Rebatedor chuta para o gol, ou para um alvo pré-estabelecido). Toques: • Conforme o jogo vai aumentando de intensidade, a disposição para encontrar novos parceiros vai crescendo também. Os participantes experimentam como é divertida e rica a diversidade quando há abertura para interagir em Comum-Unidade. 5- VÔLEI INFINITO: (Jogo Cooperativo de Resultado Coletivo) Pg. 139. É um jogo de Voleibol para promover o respeito e confiança mútua, a harmonização de ritmos pessoais, e a coordenação de esforços para realizar uma Meta Comum. Objetivo Comum: • Realizar o maior número de lançamentos consecutivos. Participação: • A partir de 7 anos. 18
  19. 19. • Para grupos Espaço: • Uma quadra de voleibol e rede ou similar (ex.: um pátio com uma corda). Material: • 2 bolas de voleibol. • 1 bola “gigante”. Desenvolvimento: • Joga-se como um jogo de voleibol convencional, porém com o objetivo de realizar o maior número de passes possíveis sobre a rede, dentro de um tempo determinado. Re-Creação: • Dependendo do grupo, permitir que a bola toque uma vez no chão. • Para manter o desafio e estimular o interesse em grupos mais experientes, pode-se utilizar mais que uma bola, ao mesmo tempo. E bolas com tamanhos variados. • Realizar “Inversões”, por exemplo: aquele que lançar a bola para o outro lado da quadra troca de lado, também. Toques: Jogando o Voleibol Infinito exercita-se a Liderança Grupal e aprende-se realizar objetivos comuns, com muito mais eficiência, economia e alegria. 6. UM TIME “ZONEADO”: (Jogos de Inversão) Pg. 141-142. Partindo do Handebol, este jogo é literalmente uma “zona”. Todos jogam dentro de uma “zona” determinada e conforme o desenrolar da atividade, promovem uma interação muito dinâmica, com participação total e sem fronteiras. Todos percebem que é um só Time. Objetivo Comum: • Marcar gols e defender. Participação: • A partir de 7 anos. Para grupos de 16 participantes (ou mais), distribuídos em duplas (ou trios) nas “zonas” da quadra. Espaço: • Uma quadra de handebol ou similar (ex.: um pátio com gols improvisados), dividida em 8 “zonas” A e B, demarcadas na quadra, alternadamente. Material: • 1 bola de handebol. Desenvolvimento: • Os participantes são distribuídos nas 8 “zonas”, ficando 2 (ou 3) em cada uma delas. • Somente poderão jogar dentro da “zona” que ocupam no momento. • O “time” A deve tentar fazer gol no “time” B e vice-versa. • A bola deve ser passada para a “zona” seguinte mais próxima, correspondente ao respectivo “time”. • Feito o gol, promove-se um rodízio, onde todos trocam de “zona”, passando a ocupar a próxima “zona”. (ex.: A dupla que estava no gol da “zona" B, vai para o gol da “zona” A, “empurrando” a dupla que estava no gol da “zona” A para a próxima “zona" B, esta por sua vez, “empurra” a dupla que ocupava essa “zona” B para a próxima “zona” A, e assim sucessivamente até completar a troca lá na ”zona” do gol B). 19
  20. 20. • E reinicia-se o jogo. Re-creação: • Utiliza 2 bolas simultaneamente. • Aumentar o número de participantes em cada zona, menos no gol. • Retirar gradativamente as “zonas”, até chegar ao jogo sem “zonas”. Toques: • Ao final do jogo, todos os participantes terão passado tanto pela “zona” A como pela “zona” B. Portanto, Quem é o “time” A e o “time” B?? E quem venceu o jogo??!! • Todos são UM SÓ TIME! 7- CABEÇOBOL( Jogo Semi-Cooperativo). Pg. 143. Muitas vezes, falamos em “jogar com a cabeça”, não é? Que tal fazermos isto acontecer literalmente? Neste jogo podemos experimentar uma maneira divertida de realizar metas e explorar jeitos diferentes de fazer a uma mesma coisa. Objetivo Comum: • Fazer gols de cabeça. Participação: • A partir de 10 anos. Para grupos com 20 participantes, ou mais. Espaço: • Uma quadra de Futsal, Handebol, campo de Futebol ou um pátio com “gols” adaptados. Material: • 2 bolas de voleibol ou similar. Desenvolvimento: • Pratica-se este Jogo baseado no Jogo de Handebol convencional, porém podendo incluir a participação de 2 equipes com números mais ampliado de jogadores. • A diferença principal é o uso da cabeça para fazer o gol. Só é válido o gol feito de cabeça quando for resultante de um passe. Isto é, não é permitido lançar a bola para o próprio jogador cabecear. • Os jogadores do time que defende, quando dentro da área, somente poderão interceptar um passe ou uma cabeçada para o gol, sem o uso das mãos ou braços. A defesa dentro da área defende apenas usando outras partes do corpo que não braços e mãos. • Não há goleiro. Re-Creação: • Usar alguns dos processos de “Inversão” e outros relacionados nos “Jogos Semi- Cooperativos”. • É muito divertido e desafiante colocar mais que uma bola e mais que 2 gols, no mesmo jogo. Toques: • É importante incentivar a construção de algumas regras para o com-tato físico “aconteSer” de um modo sadio (não tirar a bola das mãos do outro, ou seja, somente é permitido interceptar passes e não “roubar a bola”). 8-MULTIESPORTE: (Jogos Cemi-Cooperativos). Pg. 145-146. 20
  21. 21. É uma combinação de várias modalidades dentro de uma mesma atividade. Reunimos o Basquetebol, o Vôlei, o Futsal, e o Handebol para estimular a inclusão de todos, respeitando individualidades, competências e a liberdade de escolha. É um jogo onde a atenção de todos está mais focaliza no processo e nem tanto no resultado final. Objetivo Comum: • Marcar ponto e defender. • Aperfeiçoar a habilidade de se organizar em grupo. Participação: • A partir de 12 anos. Para grupos de 14 a 20 participantes, reunidos em 2 times. Espaço: • Uma quadra poliesportiva ou similar (ex.: um pátio com gols, cestas e rede improvisados.) Material: • 1 bola de Handebol, Basquetebol, Vôlei e Futsal. Desenvolvimento: • É praticamente, um jogo que se utiliza da forma e regras convencionais das modalidades envolvidas. • A idéia é fazer circular as 4 modalidades sucessivamente durante o tempo todo. Isto é, começamos a jogar Basquete, em seguida o Futsal, depois o Vôlei e por último o Handebol. Daí, recomeçamos com o Basquete... • O primeiro passo, depois de estabelecida a ordem das modalidades em conjunto com os participantes, é incentivar cada time a se organizar internamente para definir a composição dos “pequenos times” e se prepararem, o melhor possível, para o momento da troca de modalidade. • O MULTIESPORTE começa e assim que um ponto é convertido (cesta, gol, etc. dependendo da modalidade), realiza-se a troca de modalidade. Para isto, basta trocar a Bola (tirar a de Basquete e colocar em jogo a Bola de Futsal, por exemplo). • Os dois times devem se reorganizar rápido (promover a troca do “pequeno time”), pois o jogo não pode parar. • Logo após a reorganização dos times e da troca da bola, o jogo prossegue. Re-Creação: • Aplicar algumas das estruturas dos “Jogos Semi-Cooperativos” (ex.: “Todas as posições” ou “Resultado misto). • Utilizar alguns “Jogos de Inversão” (ex.: “Inversão do goleador”) • Pode-se experimentar 2 modalidades acontecendo simultaneamente. Toques: • É muito comum, ao final do jogo, que os participantes não se lembrem do placar, uma vez que, existiram tantos outros desafios pessoais e grupais (mudança de modalidades, organização dos “pequenos times” etc.). • Cada participante terá jogado em pelo menos uma das modalidades e TODOS terão tido a experiência de VenSer...Juntos. 9- QUEIMADA INVERTIDA: (jogo de Trans-Formação). Pg. 147. Talvez você encontre pessoas que tem aversão por jogos: medo de bola... traumas tatuados na infância jogada não-cooperativamente. Então o que fazer? Que jogos podem ajudar a dissolver essas marcas e a soltar essas travas? Que tal re-viver a “Queimada” com a re-novação que o Jogo Cooperativo pode fazer? 21
  22. 22. Objetivo Comum: • Queimar e evitar ser queimado. Participação: • Para 7 anos em diante. • Inicialmente, organizados em 2 grandes grupos. Espaço: • Quadra, pátio ou gramado demarcado como um grande retângulo. Material: • 1 bola de plástico ou de meia. Desenvolvimento: • Joga-se como em uma “queimada” convencional, integrando uma pequena mudança... mas que pode fazer uma enorme diferença. • Quando existir mais que 2 participantes na zona do “morto” (“coveiro”, “queimado” etc.), a primeira que chegou ali, retorna para o campo de jogo trocando de time, ao invés, de voltar para o seu próprio grupo (“inversão”). Re-Creação: • Usar alguns processos dos “Jogos Semi-Cooperativos” (tentar a queimada alternando-se meninos e meninas, por exemplo). • Jogar com 2 bolas ao mesmo tempo. Toques: • Mesmo sendo um Jogo arquitetado na Cooperação, ele não garante que todos serão cooperativos. Aliás, o Jogo Cooperativo não Garante Cooperação. Ele visa ampliar as chances para que a Cooperação aconteça. • Neste jeito de jogar é mais provável exercitar o respeito mútuo, a consideração pela integridade do outro e a empatia, uma vez que, o jogador do outro time – o adversário, mais cedo ou mais tarde, será jogador do meu time – meu solidário. • Dependendo do grau de habilidade motora e de co-opetência cooperativa, é interessante propor que todos joguem utilizando somente a mão não-dominante (destro joga com a esquerda; canhoto joga com a direita) para queimar. JOGOS ESCOLARES COOPERATIVOS (A CO-OPETIÇÃO) Este projeto de Jogos Escolares Cooperativos é uma síntese de alguns encontros trabalho, reunindo um grupo de professores da Rede Municipal de Ensino de Santos, SP. O desafio era criar uma estratégia de harmonização entre Competição e Cooperação – A COOPETIÇÃO, para escolares entre 10 e 14 anos. O caminho descoberto foi o de somar características cooperativas ao modelo de “Jogos Escolares” já existentes. OBS: Por ser um projeto muito extenso, tendo um regulamento, o mesmo se encontra nas páginas: 149 a 157 deste livro, acima mencionado. Jogos Retirados do Livro: SOLER, Reinaldo. Educação Física: Uma abordagem cooperativa. Rio de Janeiro: Sprint, 2006. 1- FUTEBOLÃO Pg. 74. 22
  23. 23. Material: Uma bola gigante (mais de 1 metro de diâmetro) Espaço necessário: Quadra de Futsal. Disposição: Grupo dividido em duas equipes. Desenvolvimento: O jogo é idêntico ao Futsal, só que agora jogado com uma bola imensa, em que a participação de todos do time é essencial para se marcarem pontos. O professor pode propor que o artilheiro passe para o outro time. Assim, a cada gol as equipes vão sendo trocadas. Objetivo: Estimular a cooperação, reforçar o trabalho em equipe, desenvolver habilidades motoras, tais como: rolar, chutar, empurrar, etc. 2- FUTEBOL CEGO Pg. 75 Material: Vendas para os olhos. Espaço necessário: Quadra ou pátio. Disposição: Os participantes formam duas equipes com oito a dez integrantes, em pares, segurando um a mão do outro. Desenvolvimento: Uma pessoa da dupla terá os olhos vendados, eles jogarão uma partida de Futsal, sem goleiros, e o gol só poderá ser marcado pelas pessoas que estão de vendas. A comunicação entre as duplas é muito importante, pois quem está sem venda terá a missão de guiar o outro. Objetivos: Estimular a cooperação, reforçar o trabalho em equipe, participar de uma atividade sem utilizar a visão. 3- PEBOLIM HUMANO Pg. 76 Material: Duas cordas finas e compridas e bola. Espaço necessário: Quadra ou pátio. Disposição: O grupo dividido em duas equipes, cada equipe segurando ao longo da corda, menos os dois goleiros. Desenvolvimento: O objetivo de cada equipe será fazer gols na equipe contrária que tentará evitar. Só que ninguém poderá soltar das cordas. Caso isto ocorra, será falta para a outra equipe. Objetivos: Integrar-se ao meio social, desinibir e descontrair o grupo, desenvolver habilidades motoras tais como; correr, saltar, desviar, etc. 4- BASQUETEBOL Pg. 76-77 O basquetebol também é muito utilizado nas escolas, mas também colabora para que a exclusão aconteça, pois valoriza habilidades específicas e apenas quem possui o biótipo esperado (alto e forte) é valorizado e aceito no jogo. Podemos, também, recriá-lo de forma mais cooperativa, sem perder de vista o trabalho com as habilidades necessárias, auxiliando quem pratica, a jogá-lo no futuro. BASQUETE COOPERATIVO: Material: Uma bola de Basquete. Espaço necessário: Quadra. Disposição: Dois grupos com o mesmo número de participantes numa quadra de basquete. 23
  24. 24. Desenvolvimento: Começamos com o jogo convencional, depois, aos poucos, vamos incorporando elementos cooperativos, tais como: a) Todos passam: A bola deve ser passada entre todos os jogadores do grupo antes de ser arremessada à cesta. b) Todos fazem cesta: O grupo só atingirá o objetivo se todos os participantes de um mesmo grupo fizerem cesta durante o jogo. c) Passe misto: A bola deve ser passada, alternadamente, entre meninos e meninas. d) Cesta mista: Numa hora, vale cesta de meninas, noutra só de meninos. Objetivos: Incentivar o espírito de equipe, desenvolver habilidades motoras. 5- BOLA AO CAPITÃO Pg. 77. Material: Bola e dois aros. Espaço necessário: Quadra ou pátio. Disposição: Formando duas equipes com o mesmo número de participantes. Desenvolvimento: Colocar um aro em cada lado da quadra ou pátio e cada equipe escolhe um de seus integrantes para ficar dentro dos aros. Numa distância de três metros distante do aro, desenha-se uma linha onde não poderão passar defesa e ataque. O objetivo de cada equipe será conseguir passar a bola três vezes e arremessar a bola para o seu capitão dentro do aro. Este deverá pegar a bola sem deixar cair e nem poderá sair do aro. Objetivos: Estimular a cooperação, desenvolver habilidades motoras e aprimorar o trabalho em grupo. VOLEIBOL: Outra modalidade eleita como favorita, mas valoriza sempre os mais hábeis, fores e altos. Num passado recente, por conta de preconceitos, era considerado um jogo de “meninas”. Podemos criar novos jogos em que existem muita alegria e descontração e também favoreçam a construção de novas habilidades necessárias para jogar voleibol. O voleibol de duplas também pode ser ensinado e leva uma vantagem, por estar sempre na mídia. Exemplos de jogos 6- VOLEIBOL CEGO: Pg. 78. Material: Um grande plástico preto (para cobrir a rede de Voleibol) e bolas grandes e leves. Espaço necessário: Quadra ou pátio. Disposição: O professor divide o grupo na quadra de Voleibol e coloca o grande plástico na rede fazendo com que nenhum time enxergue o outro lado da quadra. Desenvolvimento: O jogo transcorre normalmente e o objetivo é não deixar a bola cair, o que sempre é uma surpresa, pois não enxergamos o outro lado da quadra. Objetivos: Estimular a cooperação, desenvolver as habilidades necessárias para se jogar Voleibol e descontrair o grupo. 7- VÔLEI-BOLÃO: Pg. 78-79 Material: Uma bola grande Espaço necessário: Quadra de Voleibol. Disposição: Grupo dividido em dois, cada um de um lado da quadra. 24
  25. 25. Desenvolvimento: A cooperação é muito exigida, pois a bola é muito grande e necessita de grande esforço do grupo para conseguir passá-la para o outro lado. O professor deve dar algumas idéias para o grupo que joga, como por exemplo: o grupo que passar a bola para o outro lado vai para o fundo da quadra, dando chances para que todos toquem na bola. Passa por baixo da rede e se junta à outra equipe. Só poderá passar para o outro lado, quando todos do grupo tiverem tocado na bola. Objetivos: Estimular a cooperação, reforçar o trabalho em equipe e aprimorar força e agilidade. 8- VÔLEI-UNIDO Pg. 79. Material: Uma grande bola de plástico. Espaço necessário: Quadra ou pátio. Disposição: O professor divide o grupo em duas equipes e cada uma fica em um lado da quadra de Vôlei. Os jogadores terão que dar as mãos e só poderão tocar a abola com o resto de seus corpos. Exemplo: cabeça, cotovelos, pernas, pés etc. Desenvolvimento: O objetivo é passar a bola para o outro lado da rede. As duas equipes podem tentar bater recordes de permanência da bola no ar, sem cair no chão. Objetivos: Estimular a cooperação, reforçar o trabalho em equipe e descontrair o grupo. HANDEBOL: Talvez a modalidade menos trabalhada nas aulas, pois sabemos que existe uma cultura do Futebol. Reforço que não existe a necessidade de um material específico, podemos utilizar muitos jogos preparatórios para alcançar o jogo possível a todos. A idéia aqui é fazer com que as crianças tomem gosto pelo Handebol. EXEMPLOS DE JOGOS. 9- HANDEBOL TAPA-CONE Pg. 80. Material: Cones e bolas de borracha. Espaço necessário: Quadra ou pátio. Disposição: O grupo dever ser dividido em dois times: defensores dos cones e atacantes de cones. Desenvolvimento: O professor divide a quadra ou pátio com uma linha central. De um lado ficam os cones, com os seus respectivos defensores; do outro, os atacantes de cones com bolas de borracha nas mãos. O objetivo de quem tem as bolas é tentar derrubar os cones e quem defende deve evitar que o cone seja atingido, pegando a bola, tentar queimar algum atacante. Se conseguir, o atacante passa a ser defensor de cone. O jogo continua até que os atacantes consigam derrubar todos os cones ou até que os defensores queimem todos os atacantes. Objetivos: Estimular a cooperação, reforçar o trabalho em equipe, desenvolver habilidades motoras, tais como: lançar, defender, passar receber etc. 10- JOGO DOS DEZ PASSES Pg. 81. Material: Uma bola de borracha ou de Basquete. Espaço necessário: Quadra ou pátio. Disposição: Duas equipes, com aproximadamente 20 integrantes. Uma bola de cada lado da quadra, como se fosse jogar Basquete. 25
  26. 26. Desenvolvimento: O objetivo de cada equipe é atingir a marca de dez passes consecutivos, sem que a equipe contrária tome a bola ou que a mesma caia no chão. O professor, a cada ponto, passa um integrante para a equipe contrária. Outra alteração que pode ser proposta é a de que, quando jogo fica fácil para as duas equipes, sugerir que só se use a mão direita, por exemplo. Objetivos: Estimular a cooperação, reforçar o trabalho em equipe, desenvolver habilidades motoras, tais como: passar, lançar, receber e rebater. 11- ABELHA RAINHA Pg. 81. Material: Bola de borracha. Espaço necessário: Quadra ou pátio amplo. Disposição: O professor divide o grupo em duas equipes e marca no chão uma linha no centro para dividir o espaço em dois. Cada equipe fica de um lado. Cada equipe deve também escolher uma pessoa para ser a abelha rainha, não deixando que a outra equipe perceba quem é o escolhido. Objetivos: Estimular a cooperação, reforçar o trabalho em equipe, desenvolver habilidades motoras, tais como: passar, receber, desviar, correr etc. 12- GUARDIÃO DO REI Pg. 82. Material: Duas ou mais bolas. Espaço necessário: Quadra ou pátio. Disposição: Em círculo, escolhem-se dois participantes para ficar no centro do círculo. Um representará o papel do rei e o outro de seu guardião. O círculo deverá ser desenhado no chão com giz. Desenvolvimento: O objetivo do grupo será, passando a bola, tentar acertar o rei. O objetivo do guardião será tentar defender o rei, utilizando para isto o seu corpo. Quem conseguir acertar o rei trocará de lugar com ele e escolherá outro guardião. Observação: Os participantes não poderão invadir o círculo para acertar o rei e nem o rei poderá sair do círculo, para evitar ser acertado. Variação: Utilizar mais de uma bola, pois isto exigirá uma maior movimentação dos participantes de dentro do círculo. Objetivos: Incentivar o espírito de equipe, desenvolver habilidades, tais como: atenção e observação, desenvolver habilidades motoras, tais como: lançar, receber, bater e desviar. 13- GUARDA DA TORRE Pg. 82-83. Material: Uma garrafa plástica e várias bolas de borracha. Espaço necessário: Quadra ou pátio. Disposição: Em círculo, e dentro deste uma garrafa representando a torre, sendo defendida por um jogador escolhido para começar o jogo. Desenvolvimento: Os jogadores, passando a bola uns para os outros, tentarão derrubar a torre. Conseguindo, quem acertou troca de lugar com o defensor e o jogo recomeça. Observação: Propor formas diferenciadas de passes. Exemplo: Com as duas mãos, com uma mão, passe picado, acima da cabeça etc. Variação: Colocar duas ou mais bolas no jogo, o que o tornará mais dinâmico. Podemos também colocar mais de uma pessoa defendendo a torre. 26
  27. 27. Objetivos: Incentivar o espírito de equipe, desenvolver habilidades, tais como: atenção, observação. Desenvolver habilidades motoras, tais como: lançar, receber e bater. DANÇAS INTEGRATIVAS Pg. 89. Segundo Barreto, a prática da Dança Integrativa contém alguns benefícios, que passamos a enumerar: • Leveza, alegria, beleza paz, serenidade, o amor que existe dentro de cada um. • Trabalha em grupo mantendo a individualidade. • Desenvolve o apoio mútuo, a integração e a cooperação. • É um instrumento suave de conhecer a si mesmo. • Manifesta a consciência do grupo. • Acolhe os erros e incentiva o indivíduo a expressar o que ele tem de melhor dentro de si. • Harmoniza o grupo antes e depois de praticar as tarefas que lhe foram atribuídas. • Dá musicalidade, ritmo e leveza para a vida diária. • Trabalha o corpo físico, emocional, mental e espiritual. • Amplia a percepção, a concentração e a atenção. • Contem uma maior autodisciplina e centramento. • Fortalece a necessidade que cada um tem de ocupar o seu lugar, o seu espaço. • Dá flexibilidade para a vida. Objetivos da dança elaborados a partir do conteúdo apresentado por Tani (1988): a) Domínios do Comportamento Humano: Cognitivo, Motor e Sócio-afetivo. b) Variação no tempo-espaço, objeto e eixos do movimento: Tempo, espaço, objeto e noções de movimento. c) Habilidades e Capacidades físico-motoras: Velocidade: Promover atividades que permitam uma sucessão rápida de gestos. Força: Atividades que possibilitam ao músculo vencer uma resistência ou produzir uma tensão. Equilíbrio: Atividades que promovam equilíbrio dinâmico, estático e recuperado. Agilidade: Atividades que exijam num menor tempo possível, o aluno consiga mudar o corpo de posição. Resistência: Atividades aeróbicas, que promovam melhora da capacidade cardiovascular, respiratória e aumento da capacidade das fibras musculares. Coordenação: Promover movimentos com várias ações musculares numa sequência de movimento. Ritmo: Atividades com variação de ritmo (do lento ao rápido). Flexibilidade: Atividades que evidenciem amplitude dos movimentos das diferentes partes do corpo. Pg. 90-91 1- TARANTELA (adaptação livre) Música: Tarantela Pg. 91-92. Formando um grande círculo de mãos dadas, girar para a direita em dezesseis passos. 27
  28. 28. Parar. Girar para a esquerda dezesseis passos. Parar. Andar quatro passos em direção ao centro do círculo (sem soltar as mãos). Erguer os braços e gritar bem alto (sugestão: gritar todos juntos as vogais que compõem seu próprio nome). Andar quatro passos para trás. Parar. Soltar as mãos, e girar para a direita com a mão direita na direção do rosto e a esquerda atrás das costas. Repetir o mesmo movimento para esquerda. Dar as mãos e reiniciar, com dezesseis passos para a direita. Pg. 91. EXEMPLOS DE ATIVIDADES COM DANÇA Toda atividade com música é muito mais motivante e faz com que os participantes, aos poucos se soltem. Um grande erro que a Educação Física comete é imaginar e exigir que todos façam o mesmo movimento, e no caso da dança é criar um padrão e fazer com que todos dancem daquela forma. Devemos lembrar que cada ser é de um jeito e deve se expressar da forma que conseguir. O Jogo Cooperativo com música favorece que as pessoas dancem com facilidade, pois, não retirando ninguém do jogo, a cada vivência, as pessoas vão melhorando as suas performances. 2- DANÇA DO BASTÃO Pg. 92. Material: Um bastão, um aparelho de som. Espaço necessário: Sala ampla, quadra ou pátio. Disposição: Em duplas, formando um grande círculo, no centro dele estará um participante sem par, segurando um bastão, que estará apoiado no solo por uma das extremidades. Desenvolvimento: Todos do círculo dançando ao som da música e girando no sentido horário. Em determinado momento, o participante do centro do círculo soltará o bastão e quando este tocar o solo, todos deverão trocar de par. O do centro do círculo irá tentar arrumar um par para dançar. Quem sobrar, sem par, irá para o centro do círculo segurar o bastão. O jogo continua até que todos tenham passado pelo centro do circulo. Objetivos: Integrar-se ao meio social, desenvolver habilidades, tais como: atenção e observação e discutir valores. 3- DANCE COMIGO Pg. 92-93 Material: Aparelho de som, um boné ou chapéu. Espaço necessário: Sala ampla, quadra ou pátio. Disposição: Todos em círculo, dançando ao som da música, professor no centro com um boné na mão. Desenvolvimento: Quando o professor colocar o boné na cabeça de alguém, este sai dançando de um jeito especial para o centro do círculo e todos os participantes o imitam. Passado algum tempo, ele tira o boné de sua cabeça e escolhe outro para prosseguir o jogo colocando o boné na cabeça do mesmo. O jogo termina quando todos tiverem vivenciado a atividade. Objetivos: Integrar-se ao meio social, criar situações lúdicas em que os participantes possam dar asas à imaginação, incentivar o espírito de equipe e discutir valores. 4- CHAPÉU MÁGICO Pg. 93. Material: Aparelho de som e chapéu. 28
  29. 29. Espaço necessário: Quadra ou pátio. Disposição: Todos à vontade, formando um grande círculo. Desenvolvimento: O professor inicia o jogo com o chapéu na sua cabeça e conta uma história para motivar o jogo. Algo assim: “Este chapéu é mágico e quem o tem sobre a cabeça passa a ter poderes.” Em seguida, explica que o possuidor do chapéu poderá fazer o gesto que quiser e será imitado por todos. O jogo continua até que todos tenham vivenciado o papel de mágico. Importante ter sempre uma música motivante durante o jogo. Objetivos: Desenvolver habilidades, tais como: raciocínio, atenção, observação e integrar-se ao meio social. LUTAS SEM VIOLÊNCIA 1- CÍRCULO DE EQUILIBRISTAS Pg. 97-98 Espaço necessário: Quadra ou pátio. Material: Giz para marcar o solo. Disposição: Formar duas grandes equipes. Desenvolvimento: O professor desenha um pequeno círculo no solo (que comporte duas pessoas dentro dele). As pessoas das duas equipes são numeradas e o professor vai chamando os números. O número das duas equipes chamado deve apresentar-se dentro do círculo. Os participantes devem estar apoiados apenas na perna direita, segurando o pé esquerdo com a mão esquerda e, com a mão direita, segurando a mão direita do outro participante. O objetivo será desequilibrar o oponente ou fazer com que ele saia do círculo. Objetivos: Permitir um maior conhecimento do próprio corpo, aprimorar relações interpessoais, melhorar o equilíbrio corporal. 2- CABO DA PAZ Pg. 98. Material: Uma corda resistente. Espaço necessário: Quadra ou pátio. Disposição: Dois grupos, cada um segurando em uma das pontas da corda, no centro da corda uma bandeira. Desenvolvimento: Assim como no cabo de guerra tradicional, os dois grupos tentam puxar a corda para o seu lado, só que o objetivo do jogo é equilibrar as forças de tal maneira que um grupo não consiga puxar o outro. Durante o jogo, um jogador de um lado da corda, sentindo que a outra equipe está perdendo, passa para o outro lado e equilibra o jogo, tornando os dois grupos num só. Objetivos: Integrar-se ao meio social, reforçar o trabalho em grupo e discutir valores. JOGOS PARA UNIR 1- PIRÂMIDE HUMANA Pg.127 Espaço necessário: Sala ampla, pátio ou quadra. Material: Nenhum. Disposição: Formando grupos de seis participantes. 29
  30. 30. Desenvolvimento: O professor explica que os três mais fortes deverão formar a base, dois apoiarão às mãos e pés sobre os três da base e, finalmente, o último se colocará no topo da pirâmide. Objetivos: Estimular a cooperação, reforçar o trabalho em equipe e desenvolver habilidades interpessoais. 2- CADEIRA DO AMOR. Pg. 128. Espaço necessário: Sala ampla ou pátio. Material: Uma cadeira. Disposição: Cadeira no centro da sala. O professor pede que um participante sente sobre ela. Os demais participantes ficam atrás da cadeira e deve dizer por que a pessoa sentada é especial par ela. O jogo continua até que todos tenham falado seus sentimentos a quem está sentado. O professor escolhe outro participante para sentar na cadeira do amor. Objetivos: Estimular a cooperação, aprimorar as relações interpessoais e discutir valores 3- COFRE Pg.128-129. Espaço necessário: Sala ampla. Material: Folhas de papel e canetas. Disposição: Entregar a cada participante uma folha de papel e pedir que desenhem um cofre e coloque dentro três coisas valiosas em sua vida. Desenvolvimento: O professor pede que o grupo forme pares e as pessoas discutam por alguns minutos sobre seus tesouros e, depois disso troquem os cofres. A missão de cada pessoa será passar para o resto do grupo os três tesouros que estão guardados dentro do cofre. Objetivos: Estimular a cooperação, reforçar a confiança grupal e discutir valores. 04- GRUDADO Pg. 129. Espaço necessário: Sala ampla, pátio ou quadra. Material: aparelho de som. Disposição: Grupo dividido em dois, um grupo com um participante a mais. Desenvolvimento: O grupo que conta com um participante a menos dançará ao som da música com um dos braços na sua cintura. Quando a música para, o grupo que está com um participante a mais deverá correr e enlaçar o seu braço em alguém que pertence ao outro grupo. A música volta e o grupo que tem o braço preso à cintura terá que achar alguém agora. Sempre sobrará um participante, porém a cada rodada será disputado por alguém. Objetivos: Desenvolver a cooperação, descontrair e relaxar e discutir valores. 05- FIQUE COM O MEU SORRISO Pg. 129-130. Espaço necessário: Pátio ou quadra. Material: Nenhum. Disposição: Formando um grande círculo. Desenvolvimento: Um participante do círculo vai até o centro e, de forma vigorosa, sorri. E depois de algum tempo, deve passar esse sorriso para outro participante do círculo. Deve colocar a mão sobre os lábios e arrancar o sorriso. Os demais devem 30
  31. 31. ficar sérios (o quanto conseguirem). O jogo prossegue até que todos tenham vivenciado o papel de “risonho”. Objetivos: Estimular a cooperação, descontrair e divertir o grupo e discutir valores. 06- CÍRCULO DA CONFIANÇA Pg. 130. Espaço necessário: Quadra ou pátio. Material: Nenhum. Disposição: Formando seis com no máximo sete participantes, seis sentados com as pernas abertas em direção ao centro do círculo e um em pé com o corpo reto e os braços cruzados sobre o peito. Desenvolvimento: Os participantes sentados devem trabalhar em equipe para dar segurança ao participante do centro, pois este cairá para frente e será amparado pelo grupo que o fará deslocar por todo o círculo. Todos devem vivenciar o papel do “voador”. Objetivos: Estimular a cooperação, reforçar o trabalho em equipe e exercitar a confiança grupal. 7- O QUE EXISTE DE DIFERENTE? Pg. 131. Espaço necessário: Sala ampla, pátio ou quadra. Material: Nenhum. Disposição: Formando dois grandes grupos. Desenvolvimento: Enquanto um grupo sai, o outro terá alguns minutos para ficar diferente, ou seja, podendo trocar objetos, roupas etc. Na volta do primeiro grupo, este terá que descobrir todas as mudanças. Quando acertarem todas as mudanças realizadas pelo segundo grupo, trocarão de lugar. Objetivos: Estimular a cooperação, exercitar a observação e atenção e aprimorar o relacionamento interpessoal. 8- CORRENDO COM BALÕES Pg.131-132. Espaço necessário: Pátio ou quadra. Material: Bexigas, papel e canetinhas. Disposição: Formando um grande grupo. Desenvolvimento: O professor entrega a cada participante uma bexiga para que coloque o seu nome dentro dela. As bexigas são infladas e colocadas num canto e grupo forma uma única equipe. O primeiro participante da equipe corre e pega uma bexiga, estoura e lê o nome que está escrito nela, gritando. Corre até o grupo e, o participante que tem o nome gritado corre e dá a mão para o primeiro e os dois, assim de mãos dadas, correm para pegar a próxima bexiga agindo da mesma forma até que todos tenham seus nomes chamados. Objetivo: Estimular a cooperação, conhecer os nomes das pessoas, e aprimorar o relacionamento interpessoal. 9- DUAS VERDADES E UMA MENTIRA Pg. 132. Espaço necessário: Sala ampla, pátio ou quadra. Material: Nenhum. Disposição: Formando duplas. 31
  32. 32. Desenvolvimento: Cada participante da dupla terá que conversar com seu par e contar-lhe três coisas, duas verdades e uma mentira, mas não poderá dizer o que é verdade e o que não é. Depois disso, cada participante terá que relatar o que seu par lhe contou e o grupo terá que adivinhar o que é verdade. Objetivos: Aproximar as pessoas, exercitar o ouvir atento e discutir valores. 10-VÔLEI-BEXIGA Pg. 132. Espaço necessário: Quadra de Voleibol. Material: Toalhas e bexigas cheias de água. Disposição: Formando duas grandes equipes, com os participantes formando duplas, segurando a toalha pelas pontas. Desenvolvimento: Cada dupla terá a missão de tentar mandar a bexiga para o lado contrário e tentar defender, quando necessário. O objetivo de todos será tentar manter o maior número possível de bexigas sem estourar. Objetivos: Estimular a cooperação, exercitar fundamentos para o voleibol e aprimorar o relacionamento interpessoal. 11-OLHO DO FURAÇAO Pg. 133. Espaço necessário: Pátio ou quadra. Material: Nenhum. Disposição: O professor deve desenhar um grande círculo no solo com aproximadamente cinco metros de diâmetro e, dentro dele, um círculo menor de 1 metro (olho do furacão). No círculo menor ficará um participante e os demais ficarão no círculo maior. Desenvolvimento: O objetivo dos participantes do círculo maior será tentar ganhar o círculo menor. Já o objetivo do ocupante do círculo menor será impedi-los. Cada participante do círculo maior que entra no menor deve ajudar quem está lá dentro a não permitir a entrada dos demais. Objetivos: Estimular a cooperação, exercitar habilidades motoras, discutir valores. 12 -TÚNEL ESCURO Pg. 133 Espaço necessário: Pátio ou quadra. Material: Vendas para os olhos. Disposição: Formando grupos de sete a oito pessoas em colunas com as pernas abertas. Desenvolvimento: Todos os grupos se colocam em formação de colunas e um participante de cada grupo é vendado e colocado à frente da mesma. O objetivo é fazer quem está vendado passar por entre as pernas de todos os integrantes da coluna. Com o passar do tempo, ir aumentado o tamanho das colunas. Objetivos: Estimular a cooperação, reforçar o trabalho em equipe e vivenciar uma atividade sem utilizar a visão. 13-MÚMIAS Pg. 134. Espaço necessário: Pátio, quadra ou sala de aula. Material: Papel-toalha em rolo. Disposição: Formando duplas. 32
  33. 33. Desenvolvimento: Na dupla, é escolhido um para vivenciar o papel de múmia e este será envolvido pelo seu parceiro com o papel toalha. O objetivo é não deixar nenhuma parte do corpo descoberta. Objetivos: Estimular a cooperação, integrar-se ao meio social e exercitar a criatividade. 14-ALINHAR PELA ALTURA Pg. 135. Espaço necessário: Pátio, quadra ou sala de aula. Material: Vendas para os olhos e aparelho de som. Disposição: Todos à vontade pelo espaço destinado ao jogo. Desenvolvimento: O professor escolhe uma participante para ser o líder e este terá como objetivo colocar o grupo em coluna, do mais baixo até o mais alto. O professor pode dar o tempo de uma música para que isso aconteça. Objetivos: Estimular a cooperação, executar uma atividade sem utilizar a visão e exercitar a convivência. 15- SOPRAR A PENA Pg. 135-136. Espaço necessário: Pátio ou quadra. Material: Penas leves. Disposição: Formando grupos de até oito participantes, todos com as mãos para trás. Desenvolvimento: O objetivo de cada grupo será manter a pena voando durante a execução de uma música, apenas assoprando-as. Quando a música parar, dois grupos se unem com o mesmo objetivo e assim, até que se forme um só grande grupo com todas as penas voando. Objetivos: Estimular a cooperação, reforçar o trabalho em equipe e exercitar a convivência. 16- RIMA DE NOMES Pg. 136. Espaço necessário: Sala ampla, pátio ou quadra. Material: Nenhum. Disposição: Formando um grande círculo, onde todos possam se ver. Desenvolvimento: Ao sinal do professor, o jogo tem início com um participante do círculo falando seu nome e, em seguida, uma palavra que rime com ele: Por exemplo: “REINALDO GOSTA DE TOMAR CALDO.” Objetivos: Estimular a cooperação, reforçar o relacionamento o conhecimento do nome e aprimorar o relacionamento interpessoal. 17-LEVAR A BOLA Pg. 136-137. Espaço necessário: Pátio ou quadra. Material: Uma grande bola. Disposição: Todos de um lado da quadra desenhada no solo. Desenvolvimento: O professor explica que o grupo só poderá utilizar uma das mãos e terá que levar a bola de um lado ao outro, sem deixá-la cair. 33

×