SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
AMIDO NA
PANIFICAÇÃO
UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE
CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR
UNIDADE ACADÊMICA DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS
DISCENTES: ANDERSON DOS SANTOS FORMIGA
JOELITON ALVES CALADO
MARCIANA SILVA ARAUJO
DISCIPLINA: QUIMICA DE ALIMENTOS I
DOSCENTE: CYBELLE PEREIRA DE OLIVEIRA
INTRODUÇÃO
O amido pode ser entendido como um
carboidrato polissacarídeo, formado pela união
de dois polissacarídeos a amilose e a
amilopectina ambas constituidas de moléculas
de α-glicose.
É encontrado em abundância na natureza nos
vegetais de folhas verdes, seja nas suas raízes,
caules, sementes ou frutas.
INTRODUÇÃO
Principal fonte energética dos vegetais
proporcionando-lhe energia nas épocas de
dormência e germinação.
Atuando com papel crucial na obtenção
energética humana e nos animais.
COMPOSIÇAÕ DO AMIDO
Amilose
 A amilose corresponde a um
polímero de cadeia normal
com mais de 1000 moléculas
de α-glicose unidas por meio
de uma ligação α-1,4’-
glicosídica.
Proporção
Presente na proporção de 20 a
30%
Amilopectina
 A amilopectina é constituída
por cadeias longas e muito
ramificadas de unidades de α-
glicose unidas entre a ligação
α-1,4’-glicosídica.
Proporção
corresponde aos 70 a 80%
restantes do amido.
ESTRUTURA DOS AMIDOS
Os amidos são blocos de carboidrato do tipo α-D
e β-D glicose, contendo seis átomos de carbono e
formando anéis de forma piranosídica.
ESTRUTURA DA AMILOSE
ESTRUTURA DA AMILOPECTINA
AMIDO NA ALIMENTAÇÃO
Entre as principais fontes de amido na
alimentação estão batatas, ervilhas, feijões,
arroz, milho e farinha.
AMIDO NA ALIMENTAÇÃO
Fonte de Amido % Amilase % Amilopectina
Arroz 30 70
Batata 20 80
Mandioca 17 83
Milho 27 73
Trigo 25 75
AMIDOS MODIFICADOS
Os amidos modificados são obtidos a partir do
amido para atender as necessidades específicas
da indústria de alimentos.
Eles são obtidos por meio de processos químicos
ou por modificação genética.
AMIDOS MODIFICADOS
Tipos de modificações
 Modificações Físicas
O amido pode ser modificado fisicamente para melhorar sua solubilidade
em água e alterar o tamanho da partícula.
 Modificações Químicas
As modificações químicas incluem entrecruzamento entre cadeias, o que
leva a um aumento da estabilidade molecular com relação a cisalhamento
mecânico, hidrólises ácidas, submissão a altas temperaturas.
 Modificações Enzimáticas
O amido pode ser enzimaticamente modificado para produzir
maltodextrina, ciclodextrina e oligossacarídeos.
ESTRUTURA DE UM AMIDO MODIFICADO
AMIDOS MODIFICADOS
O polvilho azedo é um derivado apenas da fécula de
mandioca. É considerado um amido modificado por
oxidação. Graças a esta modificação, adquire a
propriedade de expansão que outros amidos nativos não
têm. A expansão permite seu uso na fabricação de
biscoitos de polvilho e pão de queijo.
APLICAÇÕES EM PANIFICAÇÃO
 Glúten é uma proteína composta pela mistura das proteínas gliadina e
glutenina, que se encontram naturalmente na semente de muitos
cereais, como trigo, cevada, centeio e aveia. A sua capacidade de
absorção de água e a sua viscosidade conferem à massa de farinha as
propriedades que a tornam apta para a panificação.
 Em virtude de parte da população ser intolerante ao glúten. No inicio
dos anos 90, descobriu-se que uma estrutura de amido estabelecida sob
condições adequadas pode apresentar propriedades visco-elásticas
suficientes para sustentar os gases produzidos durante a fermentação
da massa, ou seja, substituir a rede do glúten.
Fabricação de Pães sem glúten
AMIDO NA PANIFICAÇÃO
Substitui o trigo, atendendo a população hipersensível a este
cereal, incluindo os Celíacos
Amido de milho, amido de trigo, amido de mandioca, amido
de arroz, amido de soja, amido de feijão e o polvilho azedo
Amido + Aditivos
Volume, Aroma e Gosto, Textura, Miolo e
Valor Nutritivo
Goma Xantana
Goma Locusta
Alginato de Sódio
Pectina de Maçã
Albumina
Margarina
Fabricação de Pães sem glúten
AMIDO NA PANIFICAÇÃO
Amiláceas
Viabilizam o uso de Raízes,
Tubérculos e alguns
Cereais pouco utilizados no
Brasil
Proteícas
Aumentam a qualidade
nutricional dos pães
Fabricação de Pães sem glúten
Dois tipos de farinha são empregadas
AMIDO NA PANIFICAÇÃO
 Na massa, o amido formado pela junção da amilose e Amilopectina
permite a formação de uma rede tridimensional, que retém gases e
água de maneira similar ao glúten, dando mais consistência a
massa.
Fabricação de Pães sem glúten
Formação de uma rede tridimensional
APLICAÇÕES EM PANIFICAÇÃO
Adição de enzimas como a amilase ao amido, retarda o
envelhecimento do pão, evitando que fique firme, seco e
farelento.
Aumento do nível de açúcares fermentáveis
Melhor coloração da casca
Aumento da capacidade de retenção de umidade no
miolo
Retardo no envelhecimento dos Pães
Envelhecimento de pães
APLICAÇÕES EM PANIFICAÇÃO
Produto tradicionalmente mineiro, obtido a partir da
mistura de polvilho com água ou leite, queijo, sal e
gordura.
Não há padrão de qualidade estabelecido
Pode ser congelado, necessitando apenas de
aquecimento
Os amidos pré-gelatinizados eliminam a etapa de
escaldamento da massa, pois sua preparação pode ser
feita apenas com a adição de água ou leite frio.
Pães de queijo
APLICAÇÕES EM PANIFICAÇÃO
Massas obtidas com amido de mandioca pré-
gelatinizados adquirem consistência pegajosa e o pão de
queijo obtido possui formato achatado
Com o uso dos amidos pré-gelatinizados houve um
aumento na comercialização e o crescimento do mercado
interno e externo
Pães de queijo
APLICAÇÕES EM PANIFICAÇÃO
-Crocância e textura estaladiça
Os amidos de arroz podem influenciar a crocância dos
biscoitos, pode reduzir os níveis de quebra.
-Substituição de gordura
A combinação dos amidos com a inulina pode ser
utilizada para substituir a gordura em massas folhadas,
muffins e crackers.
Melhorias alternativas
ARTIGO
AVALIAÇÃO FÍSICO-SENSORIAL DE PÃO DE FORMA DOCE ELABORADO COM FARINHA DE
BATATA DOCE DE POLPA ALARANJADA E MISTURA DE AMIDOS NATIVOS E MODIFICADOS
ISENTO DE GLÚTEN.
INTRODUÇAO
 A intolerância ao glúten é manifestada através de problemas gastrintestinais
levando a um atrofiamento das células responsáveis pela absorção de nutrientes
vitais ao organismo humano.
 Pesquisas voltadas para elaboração de produtos isentos de glúten, substituindo
os cereais como trigo, aveia, cevada e centeio, com fontes amiláceas, de milho,
arroz, batata, mandioca entre outros vêm crescendo gradativamente com o
intuito de, atender o mercado de alimentos para este público específico.
 O polvilho doce e azedo são capazes de gerar massas que submetidas ao
assamento se expandem sem a necessidade de adição de fermento ou de
processo de extrusão tendo grande importância para indústria de alimentos
como agentes espessantes e/ou estabilizantes e, deste modo, assumindo papel
importante na produção de panificáveis isentos de glúten.
Artigo
INTRODUÇAO
Então utiliza-se os amidos modificados para superar
as limitações dos amidos nativos, aumentando a
utilidade desse polímero nas aplicações industriais.
O uso batata doce de polpa alaranjada surge como
alternativa de suplementação alimentar para suprir
a carência de vitamina A devido à presença e fonte
barata e abundante de β-caroteno, além da
facilidade de cultivo.
ARTIGO
OBJETIVO
O objetivo do trabalho foi desenvolver e avaliar a
aceitabilidade de pão de forma doce isenta de glúten
elaborado com farinha de batata doce de polpa
alaranjada e mistura de amidos nativos e modificados.
ARTIGO
MATERIAIS E MÉTODOS
Este trabalho foi realizado nas dependências do
Laboratório de Processamento de Alimentos da
Faculdade de Tecnologia em Alimentos de Marília-
FATEC. Para o preparo da massa foram utilizados
farinha de batata doce de polpa alaranjada, amidos de
milho, arroz, polvilho doce e azedo, açúcar, fermento
químico e biológico, sal, lecitina de soja em pó, amido
pré-gelificado, erva doce, margarina, ovos, leite integral
e vinagre de maçã. A massa foi submetida a assamento a
duas temperaturas 150oC/30min e 180o/30min.
ARTIGO
ARTIGO
RESULTADOS E DISCURSÕES
 Os resultados mostraram formação de lastro, ou seja, adequação da
massa à geometria da forma e estrutura alveolar composta por
células arredondadas e alongadas com ausência de gomosidade. Isto
provavelmente devido à ação dos fermentos e a mescla de amidos
em estados físicos e químicos distintos.
ARTIGO
CONCLUSÃO
Pode-se concluir que o pão de fôrma doce com farinha de
batata doce de polpa alaranjada foi aceito com um índice
de 80,01%, por provadores em sua maioria jovem,
estudante e feminino e 66,67% comprariam o produto.
O produto apresentou características físicas semelhantes
ao pão de fôrma tradicional, com estrutura alveolar e
geométrica satisfatórias.
Referências Bibliográficas
 Tecnologia, uso e potencialidades de tuberosas amiláceas latino americanas, Marney Cereda P. e Vilpoux O. Cáp
10, pág 213-216, Vol 3.
 Revista-fi, Panificação-Ingredientes Enriquecidos. Disponível em:
<http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&cad=rja&uact=8&ved=0CDEQFjA
A&url=http%3A%2F%2Fwww.insumos.com.br%2Faditivos_e_ingredientes%2Fmaterias%2F291.pdf&ei=aNgyU
57BI8yikQf8jYHADQ&usg=AFQjCNFnf7nZqDeN3cpGLphNOTSx9fG9SQ&sig2=_LZ3o0F_H-
aHQ8mhkZxYrw&bvm=bv.63738703,d.eW0>, acessado dia 23/03.
 Insumos, Os ingredientes enriquecedores na Panificação. Disponível em:
<http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&cad=rja&uact=8&ved=0CDEQFjA
A&url=http%3A%2F%2Fwww.insumos.com.br%2Faditivos_e_ingredientes%2Fmaterias%2F291.pdf&ei=atoyU8
vENZDxkQeXmYHoDA&usg=AFQjCNFnf7nZqDeN3cpGLphNOTSx9fG9SQ&sig2=4ZQfuLX_eM6J1PA3irX18g
&bvm=bv.63738703,d.eW0>, acessado dia 22/03.
 USP, Tecnologia de Pães, Kim. C; Lee H; Castro N; Okada N; Miyazato V. Disponível em:
<http://pt.scribd.com/doc/36311631/paes>, acessado dia 23/03.
 UFLA, Amidos modificados e estabilizantes na qualidade do pão de queijo de massa congelada durante o
armazenamento, Andrade L. P. Disponível em:
<http://repositorio.ufla.br/bitstream/1/476/1/DISSERTACAO_Amidos%20modificados%20e%20estabilizantes
%20na%20qualidade%20do%20pão%20de%20queijo%20de%20massa%20congelada%20durante%20o%20ar
mazenamento>, acessado dia 23/03.
 Carlomockli, Produção de amidos para alimentos. Disponível em:
<http://www.carlomockli.com/2012/05/producao-de-amidos-para-alimentos.html>, acessado dia 23/03.
 Granotec, Aditivos e Ingredientes na indústria de panificação. Disponível em:
<http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=3&cad=rja&uact=8&ved=0CD0QFjA
C&url=http%3A%2F%2Fwww.insumos.com.br%2Faditivos_e_ingredientes%2Fmaterias%2F323.pdf&ei=2v4yU
7GyJ8uNkAeCx4CYBA&usg=AFQjCNHb9q2lW0mHoY_lseh9iiA-7g0Hjw&sig2=Ibw0y-
2FCYV2opypXrFj8g&bvm=bv.63738703,d.eW0>, acessado dia 23/03.
AMIDO NA PANIFICAÇÃO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Alterações em alimentos
Alterações em alimentosAlterações em alimentos
Alterações em alimentos
GabsSerra
 
Aula 1- Atuação do nutricionista em UAN e gestão 2022 1.ppt
Aula 1- Atuação do nutricionista em UAN e gestão  2022 1.pptAula 1- Atuação do nutricionista em UAN e gestão  2022 1.ppt
Aula 1- Atuação do nutricionista em UAN e gestão 2022 1.ppt
DaniCatuzzo
 
Aditivos alimentares
Aditivos alimentaresAditivos alimentares
Aditivos alimentares
day ....
 
Ne fatores antinutricionais de ocorrência natural nos alimentos
Ne   fatores antinutricionais de ocorrência natural nos alimentosNe   fatores antinutricionais de ocorrência natural nos alimentos
Ne fatores antinutricionais de ocorrência natural nos alimentos
Eric Liberato
 

Mais procurados (20)

Aula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato Etéreo
Aula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato EtéreoAula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato Etéreo
Aula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato Etéreo
 
tecnologia alimentos
tecnologia alimentostecnologia alimentos
tecnologia alimentos
 
Alterações em alimentos
Alterações em alimentosAlterações em alimentos
Alterações em alimentos
 
Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transportePós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
 
Conservação dos alimentos pelo uso de aditivos
Conservação dos alimentos pelo uso de aditivosConservação dos alimentos pelo uso de aditivos
Conservação dos alimentos pelo uso de aditivos
 
Apresentação sobre amidos
Apresentação sobre amidosApresentação sobre amidos
Apresentação sobre amidos
 
Aula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de soluto
Aula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de solutoAula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de soluto
Aula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de soluto
 
Fermentação e aditivos quimicos
Fermentação e aditivos quimicosFermentação e aditivos quimicos
Fermentação e aditivos quimicos
 
Branqueamento
BranqueamentoBranqueamento
Branqueamento
 
Aula de Preparação de Cardápios.
Aula de Preparação de  Cardápios.Aula de Preparação de  Cardápios.
Aula de Preparação de Cardápios.
 
Bioquímica de alimentos - Carboidrases
Bioquímica de alimentos - CarboidrasesBioquímica de alimentos - Carboidrases
Bioquímica de alimentos - Carboidrases
 
Aula 1- Atuação do nutricionista em UAN e gestão 2022 1.ppt
Aula 1- Atuação do nutricionista em UAN e gestão  2022 1.pptAula 1- Atuação do nutricionista em UAN e gestão  2022 1.ppt
Aula 1- Atuação do nutricionista em UAN e gestão 2022 1.ppt
 
Tecnologia de óleos e gorduras
Tecnologia de óleos e gordurasTecnologia de óleos e gorduras
Tecnologia de óleos e gorduras
 
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
 
Aula 3 c. centesimal
Aula 3  c. centesimalAula 3  c. centesimal
Aula 3 c. centesimal
 
A.b aula 4 amostragem
A.b aula 4 amostragemA.b aula 4 amostragem
A.b aula 4 amostragem
 
Aditivos alimentares
Aditivos alimentaresAditivos alimentares
Aditivos alimentares
 
Ne fatores antinutricionais de ocorrência natural nos alimentos
Ne   fatores antinutricionais de ocorrência natural nos alimentosNe   fatores antinutricionais de ocorrência natural nos alimentos
Ne fatores antinutricionais de ocorrência natural nos alimentos
 
Aula ovos
Aula ovosAula ovos
Aula ovos
 
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
 

Semelhante a AMIDO NA PANIFICAÇÃO

Apostila confeitaria-basica-e-cafe-da-manha-usc-2013
Apostila confeitaria-basica-e-cafe-da-manha-usc-2013Apostila confeitaria-basica-e-cafe-da-manha-usc-2013
Apostila confeitaria-basica-e-cafe-da-manha-usc-2013
Antonio Olim
 
Apostila processamento de cereais
Apostila processamento de cereaisApostila processamento de cereais
Apostila processamento de cereais
Eli Lima
 
Newsletter licinia de campos 46 gluten
Newsletter licinia de campos 46   glutenNewsletter licinia de campos 46   gluten
Newsletter licinia de campos 46 gluten
Marcos Azevedo
 
Leite materno, de vaca e formulas artificiais maria graciela luongo de matos
Leite materno, de vaca e formulas artificiais maria graciela luongo de matosLeite materno, de vaca e formulas artificiais maria graciela luongo de matos
Leite materno, de vaca e formulas artificiais maria graciela luongo de matos
Graciela Luongo
 
718059042-Aula-Composicao-quimica-de-sementes.pdf
718059042-Aula-Composicao-quimica-de-sementes.pdf718059042-Aula-Composicao-quimica-de-sementes.pdf
718059042-Aula-Composicao-quimica-de-sementes.pdf
InamaraCaires
 

Semelhante a AMIDO NA PANIFICAÇÃO (20)

Apostila confeitaria-basica-e-cafe-da-manha-usc-2013
Apostila confeitaria-basica-e-cafe-da-manha-usc-2013Apostila confeitaria-basica-e-cafe-da-manha-usc-2013
Apostila confeitaria-basica-e-cafe-da-manha-usc-2013
 
Agroindstria -processamento_de_cereais
Agroindstria  -processamento_de_cereaisAgroindstria  -processamento_de_cereais
Agroindstria -processamento_de_cereais
 
Apostila processamento de cereais
Apostila processamento de cereaisApostila processamento de cereais
Apostila processamento de cereais
 
Newsletter licinia de campos 46 gluten
Newsletter licinia de campos 46   glutenNewsletter licinia de campos 46   gluten
Newsletter licinia de campos 46 gluten
 
Tecnologia de cereais, raízes e tubérculos
Tecnologia de cereais, raízes e tubérculosTecnologia de cereais, raízes e tubérculos
Tecnologia de cereais, raízes e tubérculos
 
Aula 1 masssas alimenticias
Aula 1   masssas alimenticiasAula 1   masssas alimenticias
Aula 1 masssas alimenticias
 
aula1-masssasalimenticias-200418010900.pptx
aula1-masssasalimenticias-200418010900.pptxaula1-masssasalimenticias-200418010900.pptx
aula1-masssasalimenticias-200418010900.pptx
 
Análise sensorial, bromatológica e elaboração de pão hiperproteico
Análise sensorial, bromatológica e elaboração de pão hiperproteicoAnálise sensorial, bromatológica e elaboração de pão hiperproteico
Análise sensorial, bromatológica e elaboração de pão hiperproteico
 
Amido de mandioca
Amido de mandiocaAmido de mandioca
Amido de mandioca
 
Aula cereais e derivados
Aula   cereais e derivadosAula   cereais e derivados
Aula cereais e derivados
 
Panificação e confeitaria
Panificação e confeitaria   Panificação e confeitaria
Panificação e confeitaria
 
Leite materno, de vaca e formulas artificiais maria graciela luongo de matos
Leite materno, de vaca e formulas artificiais maria graciela luongo de matosLeite materno, de vaca e formulas artificiais maria graciela luongo de matos
Leite materno, de vaca e formulas artificiais maria graciela luongo de matos
 
06 10 2016 CEREAIS E LEGUMINOSAS.ppt
06 10 2016 CEREAIS E LEGUMINOSAS.ppt06 10 2016 CEREAIS E LEGUMINOSAS.ppt
06 10 2016 CEREAIS E LEGUMINOSAS.ppt
 
RESÍDUO DA INDÚSTIRA ALIMENTÍCIA COMO SUBSTITUTO DO MILHO PARA PEIXES
RESÍDUO DA INDÚSTIRA ALIMENTÍCIA COMO SUBSTITUTO DO MILHO PARA PEIXESRESÍDUO DA INDÚSTIRA ALIMENTÍCIA COMO SUBSTITUTO DO MILHO PARA PEIXES
RESÍDUO DA INDÚSTIRA ALIMENTÍCIA COMO SUBSTITUTO DO MILHO PARA PEIXES
 
E book-formulacao
E book-formulacaoE book-formulacao
E book-formulacao
 
718059042-Aula-Composicao-quimica-de-sementes.pdf
718059042-Aula-Composicao-quimica-de-sementes.pdf718059042-Aula-Composicao-quimica-de-sementes.pdf
718059042-Aula-Composicao-quimica-de-sementes.pdf
 
Enzimas na modificação do amido.
Enzimas na modificação do amido.Enzimas na modificação do amido.
Enzimas na modificação do amido.
 
Brigadeiro de biomassa de banana
Brigadeiro de biomassa de bananaBrigadeiro de biomassa de banana
Brigadeiro de biomassa de banana
 
Nutrientes dos Alimentos - 01 09-01-09.ppt
Nutrientes dos Alimentos -  01 09-01-09.pptNutrientes dos Alimentos -  01 09-01-09.ppt
Nutrientes dos Alimentos - 01 09-01-09.ppt
 
Seminario sis - FOS, Psyllium. Seminario sis - FOS, Psyllium.
Seminario sis - FOS, Psyllium. Seminario sis - FOS, Psyllium.Seminario sis - FOS, Psyllium. Seminario sis - FOS, Psyllium.
Seminario sis - FOS, Psyllium. Seminario sis - FOS, Psyllium.
 

Mais de Anderson Formiga

Mais de Anderson Formiga (20)

Descongelamento
Descongelamento   Descongelamento
Descongelamento
 
Blend de abacaxi, acerola e limão
Blend de abacaxi, acerola e limãoBlend de abacaxi, acerola e limão
Blend de abacaxi, acerola e limão
 
Alimentos termogenicos
Alimentos termogenicosAlimentos termogenicos
Alimentos termogenicos
 
Apresentação industria processamento
Apresentação industria processamentoApresentação industria processamento
Apresentação industria processamento
 
Uísque
UísqueUísque
Uísque
 
Rum
RumRum
Rum
 
Microbiologia do pescado
Microbiologia do pescadoMicrobiologia do pescado
Microbiologia do pescado
 
Trigo
TrigoTrigo
Trigo
 
Inibidores de proteases e amilase, glicosideos cianogenicos, alcaloides e sap...
Inibidores de proteases e amilase, glicosideos cianogenicos, alcaloides e sap...Inibidores de proteases e amilase, glicosideos cianogenicos, alcaloides e sap...
Inibidores de proteases e amilase, glicosideos cianogenicos, alcaloides e sap...
 
Tecnologia de sorvetes
Tecnologia de sorvetesTecnologia de sorvetes
Tecnologia de sorvetes
 
Exemplo de santitizantes
Exemplo de santitizantesExemplo de santitizantes
Exemplo de santitizantes
 
Exemplos de detergentes comerciais e suas especificações
Exemplos de detergentes comerciais e suas especificaçõesExemplos de detergentes comerciais e suas especificações
Exemplos de detergentes comerciais e suas especificações
 
Poliamida e Celofane
Poliamida e CelofanePoliamida e Celofane
Poliamida e Celofane
 
Congelamento
CongelamentoCongelamento
Congelamento
 
Lista do 1° Físico-Química (UFCG) - Monitoria
Lista do 1° Físico-Química (UFCG) - MonitoriaLista do 1° Físico-Química (UFCG) - Monitoria
Lista do 1° Físico-Química (UFCG) - Monitoria
 
Difusão
Difusão Difusão
Difusão
 
Substitutos de Gorgura
Substitutos de GorguraSubstitutos de Gorgura
Substitutos de Gorgura
 
Automação e a Indústria Petroquímica
Automação e a Indústria PetroquímicaAutomação e a Indústria Petroquímica
Automação e a Indústria Petroquímica
 
Gasolina automotiva
Gasolina automotiva  Gasolina automotiva
Gasolina automotiva
 
Produção de energia a partir de resíduos sólidos
Produção de energia a partir de resíduos sólidos  Produção de energia a partir de resíduos sólidos
Produção de energia a partir de resíduos sólidos
 

Último

Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Dirceu Resende
 

Último (11)

Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
 
Apostila e caderno de exercicios de WORD
Apostila e caderno de exercicios de  WORDApostila e caderno de exercicios de  WORD
Apostila e caderno de exercicios de WORD
 
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
 
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
 
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdfFrom_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
 
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
 

AMIDO NA PANIFICAÇÃO

  • 1. AMIDO NA PANIFICAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR UNIDADE ACADÊMICA DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS DISCENTES: ANDERSON DOS SANTOS FORMIGA JOELITON ALVES CALADO MARCIANA SILVA ARAUJO DISCIPLINA: QUIMICA DE ALIMENTOS I DOSCENTE: CYBELLE PEREIRA DE OLIVEIRA
  • 2. INTRODUÇÃO O amido pode ser entendido como um carboidrato polissacarídeo, formado pela união de dois polissacarídeos a amilose e a amilopectina ambas constituidas de moléculas de α-glicose. É encontrado em abundância na natureza nos vegetais de folhas verdes, seja nas suas raízes, caules, sementes ou frutas.
  • 3. INTRODUÇÃO Principal fonte energética dos vegetais proporcionando-lhe energia nas épocas de dormência e germinação. Atuando com papel crucial na obtenção energética humana e nos animais.
  • 4. COMPOSIÇAÕ DO AMIDO Amilose  A amilose corresponde a um polímero de cadeia normal com mais de 1000 moléculas de α-glicose unidas por meio de uma ligação α-1,4’- glicosídica. Proporção Presente na proporção de 20 a 30% Amilopectina  A amilopectina é constituída por cadeias longas e muito ramificadas de unidades de α- glicose unidas entre a ligação α-1,4’-glicosídica. Proporção corresponde aos 70 a 80% restantes do amido.
  • 5. ESTRUTURA DOS AMIDOS Os amidos são blocos de carboidrato do tipo α-D e β-D glicose, contendo seis átomos de carbono e formando anéis de forma piranosídica.
  • 8. AMIDO NA ALIMENTAÇÃO Entre as principais fontes de amido na alimentação estão batatas, ervilhas, feijões, arroz, milho e farinha.
  • 9. AMIDO NA ALIMENTAÇÃO Fonte de Amido % Amilase % Amilopectina Arroz 30 70 Batata 20 80 Mandioca 17 83 Milho 27 73 Trigo 25 75
  • 10. AMIDOS MODIFICADOS Os amidos modificados são obtidos a partir do amido para atender as necessidades específicas da indústria de alimentos. Eles são obtidos por meio de processos químicos ou por modificação genética.
  • 11. AMIDOS MODIFICADOS Tipos de modificações  Modificações Físicas O amido pode ser modificado fisicamente para melhorar sua solubilidade em água e alterar o tamanho da partícula.  Modificações Químicas As modificações químicas incluem entrecruzamento entre cadeias, o que leva a um aumento da estabilidade molecular com relação a cisalhamento mecânico, hidrólises ácidas, submissão a altas temperaturas.  Modificações Enzimáticas O amido pode ser enzimaticamente modificado para produzir maltodextrina, ciclodextrina e oligossacarídeos.
  • 12. ESTRUTURA DE UM AMIDO MODIFICADO
  • 13. AMIDOS MODIFICADOS O polvilho azedo é um derivado apenas da fécula de mandioca. É considerado um amido modificado por oxidação. Graças a esta modificação, adquire a propriedade de expansão que outros amidos nativos não têm. A expansão permite seu uso na fabricação de biscoitos de polvilho e pão de queijo.
  • 14. APLICAÇÕES EM PANIFICAÇÃO  Glúten é uma proteína composta pela mistura das proteínas gliadina e glutenina, que se encontram naturalmente na semente de muitos cereais, como trigo, cevada, centeio e aveia. A sua capacidade de absorção de água e a sua viscosidade conferem à massa de farinha as propriedades que a tornam apta para a panificação.  Em virtude de parte da população ser intolerante ao glúten. No inicio dos anos 90, descobriu-se que uma estrutura de amido estabelecida sob condições adequadas pode apresentar propriedades visco-elásticas suficientes para sustentar os gases produzidos durante a fermentação da massa, ou seja, substituir a rede do glúten. Fabricação de Pães sem glúten
  • 15. AMIDO NA PANIFICAÇÃO Substitui o trigo, atendendo a população hipersensível a este cereal, incluindo os Celíacos Amido de milho, amido de trigo, amido de mandioca, amido de arroz, amido de soja, amido de feijão e o polvilho azedo Amido + Aditivos Volume, Aroma e Gosto, Textura, Miolo e Valor Nutritivo Goma Xantana Goma Locusta Alginato de Sódio Pectina de Maçã Albumina Margarina Fabricação de Pães sem glúten
  • 16. AMIDO NA PANIFICAÇÃO Amiláceas Viabilizam o uso de Raízes, Tubérculos e alguns Cereais pouco utilizados no Brasil Proteícas Aumentam a qualidade nutricional dos pães Fabricação de Pães sem glúten Dois tipos de farinha são empregadas
  • 17. AMIDO NA PANIFICAÇÃO  Na massa, o amido formado pela junção da amilose e Amilopectina permite a formação de uma rede tridimensional, que retém gases e água de maneira similar ao glúten, dando mais consistência a massa. Fabricação de Pães sem glúten Formação de uma rede tridimensional
  • 18. APLICAÇÕES EM PANIFICAÇÃO Adição de enzimas como a amilase ao amido, retarda o envelhecimento do pão, evitando que fique firme, seco e farelento. Aumento do nível de açúcares fermentáveis Melhor coloração da casca Aumento da capacidade de retenção de umidade no miolo Retardo no envelhecimento dos Pães Envelhecimento de pães
  • 19. APLICAÇÕES EM PANIFICAÇÃO Produto tradicionalmente mineiro, obtido a partir da mistura de polvilho com água ou leite, queijo, sal e gordura. Não há padrão de qualidade estabelecido Pode ser congelado, necessitando apenas de aquecimento Os amidos pré-gelatinizados eliminam a etapa de escaldamento da massa, pois sua preparação pode ser feita apenas com a adição de água ou leite frio. Pães de queijo
  • 20. APLICAÇÕES EM PANIFICAÇÃO Massas obtidas com amido de mandioca pré- gelatinizados adquirem consistência pegajosa e o pão de queijo obtido possui formato achatado Com o uso dos amidos pré-gelatinizados houve um aumento na comercialização e o crescimento do mercado interno e externo Pães de queijo
  • 21. APLICAÇÕES EM PANIFICAÇÃO -Crocância e textura estaladiça Os amidos de arroz podem influenciar a crocância dos biscoitos, pode reduzir os níveis de quebra. -Substituição de gordura A combinação dos amidos com a inulina pode ser utilizada para substituir a gordura em massas folhadas, muffins e crackers. Melhorias alternativas
  • 22. ARTIGO AVALIAÇÃO FÍSICO-SENSORIAL DE PÃO DE FORMA DOCE ELABORADO COM FARINHA DE BATATA DOCE DE POLPA ALARANJADA E MISTURA DE AMIDOS NATIVOS E MODIFICADOS ISENTO DE GLÚTEN. INTRODUÇAO  A intolerância ao glúten é manifestada através de problemas gastrintestinais levando a um atrofiamento das células responsáveis pela absorção de nutrientes vitais ao organismo humano.  Pesquisas voltadas para elaboração de produtos isentos de glúten, substituindo os cereais como trigo, aveia, cevada e centeio, com fontes amiláceas, de milho, arroz, batata, mandioca entre outros vêm crescendo gradativamente com o intuito de, atender o mercado de alimentos para este público específico.  O polvilho doce e azedo são capazes de gerar massas que submetidas ao assamento se expandem sem a necessidade de adição de fermento ou de processo de extrusão tendo grande importância para indústria de alimentos como agentes espessantes e/ou estabilizantes e, deste modo, assumindo papel importante na produção de panificáveis isentos de glúten.
  • 23. Artigo INTRODUÇAO Então utiliza-se os amidos modificados para superar as limitações dos amidos nativos, aumentando a utilidade desse polímero nas aplicações industriais. O uso batata doce de polpa alaranjada surge como alternativa de suplementação alimentar para suprir a carência de vitamina A devido à presença e fonte barata e abundante de β-caroteno, além da facilidade de cultivo.
  • 24. ARTIGO OBJETIVO O objetivo do trabalho foi desenvolver e avaliar a aceitabilidade de pão de forma doce isenta de glúten elaborado com farinha de batata doce de polpa alaranjada e mistura de amidos nativos e modificados.
  • 25. ARTIGO MATERIAIS E MÉTODOS Este trabalho foi realizado nas dependências do Laboratório de Processamento de Alimentos da Faculdade de Tecnologia em Alimentos de Marília- FATEC. Para o preparo da massa foram utilizados farinha de batata doce de polpa alaranjada, amidos de milho, arroz, polvilho doce e azedo, açúcar, fermento químico e biológico, sal, lecitina de soja em pó, amido pré-gelificado, erva doce, margarina, ovos, leite integral e vinagre de maçã. A massa foi submetida a assamento a duas temperaturas 150oC/30min e 180o/30min.
  • 27. ARTIGO RESULTADOS E DISCURSÕES  Os resultados mostraram formação de lastro, ou seja, adequação da massa à geometria da forma e estrutura alveolar composta por células arredondadas e alongadas com ausência de gomosidade. Isto provavelmente devido à ação dos fermentos e a mescla de amidos em estados físicos e químicos distintos.
  • 28. ARTIGO CONCLUSÃO Pode-se concluir que o pão de fôrma doce com farinha de batata doce de polpa alaranjada foi aceito com um índice de 80,01%, por provadores em sua maioria jovem, estudante e feminino e 66,67% comprariam o produto. O produto apresentou características físicas semelhantes ao pão de fôrma tradicional, com estrutura alveolar e geométrica satisfatórias.
  • 29. Referências Bibliográficas  Tecnologia, uso e potencialidades de tuberosas amiláceas latino americanas, Marney Cereda P. e Vilpoux O. Cáp 10, pág 213-216, Vol 3.  Revista-fi, Panificação-Ingredientes Enriquecidos. Disponível em: <http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&cad=rja&uact=8&ved=0CDEQFjA A&url=http%3A%2F%2Fwww.insumos.com.br%2Faditivos_e_ingredientes%2Fmaterias%2F291.pdf&ei=aNgyU 57BI8yikQf8jYHADQ&usg=AFQjCNFnf7nZqDeN3cpGLphNOTSx9fG9SQ&sig2=_LZ3o0F_H- aHQ8mhkZxYrw&bvm=bv.63738703,d.eW0>, acessado dia 23/03.  Insumos, Os ingredientes enriquecedores na Panificação. Disponível em: <http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&cad=rja&uact=8&ved=0CDEQFjA A&url=http%3A%2F%2Fwww.insumos.com.br%2Faditivos_e_ingredientes%2Fmaterias%2F291.pdf&ei=atoyU8 vENZDxkQeXmYHoDA&usg=AFQjCNFnf7nZqDeN3cpGLphNOTSx9fG9SQ&sig2=4ZQfuLX_eM6J1PA3irX18g &bvm=bv.63738703,d.eW0>, acessado dia 22/03.  USP, Tecnologia de Pães, Kim. C; Lee H; Castro N; Okada N; Miyazato V. Disponível em: <http://pt.scribd.com/doc/36311631/paes>, acessado dia 23/03.  UFLA, Amidos modificados e estabilizantes na qualidade do pão de queijo de massa congelada durante o armazenamento, Andrade L. P. Disponível em: <http://repositorio.ufla.br/bitstream/1/476/1/DISSERTACAO_Amidos%20modificados%20e%20estabilizantes %20na%20qualidade%20do%20pão%20de%20queijo%20de%20massa%20congelada%20durante%20o%20ar mazenamento>, acessado dia 23/03.  Carlomockli, Produção de amidos para alimentos. Disponível em: <http://www.carlomockli.com/2012/05/producao-de-amidos-para-alimentos.html>, acessado dia 23/03.  Granotec, Aditivos e Ingredientes na indústria de panificação. Disponível em: <http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=3&cad=rja&uact=8&ved=0CD0QFjA C&url=http%3A%2F%2Fwww.insumos.com.br%2Faditivos_e_ingredientes%2Fmaterias%2F323.pdf&ei=2v4yU 7GyJ8uNkAeCx4CYBA&usg=AFQjCNHb9q2lW0mHoY_lseh9iiA-7g0Hjw&sig2=Ibw0y- 2FCYV2opypXrFj8g&bvm=bv.63738703,d.eW0>, acessado dia 23/03.