Apresenta‡æo ensino de nove anos

4.285 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.285
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
184
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresenta‡æo ensino de nove anos

  1. 3. <ul><li>Lei nº 4.024 de 20 de dezembro de 1961 </li></ul><ul><ul><li>Estabelecia 4 anos de Ensino Fundamental. </li></ul></ul><ul><li>Acordo Punta del Leste e Santiago </li></ul><ul><ul><li>Compromisso de estabelecer 6 anos para o Ensino Fundamental até 1970. </li></ul></ul><ul><li>Lei 5.692 de 11 de agosto de 1971 </li></ul><ul><ul><li>Obrigatoriedade do Ensino Fundamental de 8 anos. </li></ul></ul><ul><li>Lei 9.394 de 20 de dezembro de 1996 </li></ul><ul><ul><li>Sinalizou um ensino Ensino Fundamental de 9 anos a iniciar-se aos 6 anos de idade. </li></ul></ul>LEGISLAÇÃO
  2. 4. <ul><li>Lei nº 10. 172, de 9 de janeiro de 2001 </li></ul><ul><ul><li>Aprovou o Plano Nacional de Educação/PNE. </li></ul></ul><ul><ul><li>O Ensino Fundamental de 9 anos se tornou meta da educação nacional. </li></ul></ul><ul><li>Lei nº 11.274 de 06 de fevereiro de 2006 </li></ul><ul><ul><li>Altera a redação dos artigos 29, 30, 32 e 87 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, dispondo sobre a duração de 9 (nove) anos para o ensino fundamental, com matrícula obrigatória a partir dos 6 (seis) anos de idade. </li></ul></ul><ul><ul><li>Visa a inclusão de um número maior de crianças no sistema educacional brasileiro, especialmente aquelas pertencentes aos setores populares. </li></ul></ul>LEGISLAÇÃO
  3. 5. <ul><li>“ Art. 29. A educação infantil, primeira etapa da educação básica, tem como finalidade o desenvolvimento integral da criança até seis anos de idade...” </li></ul><ul><li>“ Art. 30. A educação infantil será oferecida em: </li></ul><ul><li>I – creches, ou entidades equivalentes, para crianças de até três anos de idade. </li></ul><ul><li>II – pré-escolas, para as crianças de quatro a seis anos de idade.” </li></ul><ul><li>&quot;Art. 32. O ensino fundamental, com duração mínima de oito anos, obrigatório e gratuito na escola pública, terá por objetivo a formação básica do cidadão mediante...” </li></ul><ul><li>&quot;Art. 87 ................................................................................... </li></ul><ul><li>§ 2o O poder público deverá recensear os educandos no ensino fundamental, com especial atenção para os grupos de sete a quatorze e de quinze a dezesseis anos de idade.” </li></ul><ul><li>§ 3o ................................................................................... </li></ul><ul><li>I – matricular todos os educandos a partir dos sete anos de idade e, facultativamente, a partir dos seis anos, no ensino fundamental. </li></ul>ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO &quot;Art. 32. O ensino fundamental obrigatório, com duração de 9 (nove) anos, gratuito na escola pública, iniciando-se aos 6 (seis) anos de idade, terá por objetivo a formação básica do cidadão, mediante...” &quot;Art. 87 .............................................................................. § 2o O poder público deverá recensear os educandos no ensino fundamental, com especial atenção para o grupo de 6 (seis) a 14 (quatorze) anos de idade e de 15 (quinze) a 16 (dezesseis) anos de idade. § 3o ................................................................................... I – matricular todos os educandos a partir dos 6 (seis) anos de idade no ensino fundamental.” Art. 5o Os Municípios, os Estados e o Distrito Federal terão prazo até 2010 para implementar a obrigatoriedade para o ensino fundamental disposto no art. 3o desta Lei e a abrangência da pré-escola de que trata o art. 2.º desta Lei. LDB - 9394/1996. LEI 11.274/2006
  4. 6. OBJETIVO Assegurar a todas as crianças um tempo mais longo de convívio escolar, maiores oportunidades de aprender e, com isso, uma aprendizagem com qualidade.
  5. 7. ELEMENTOS ORGANIZADORES <ul><li>I – Repensar o Ensino Fundamental em seu conjunto: </li></ul><ul><li>Infância; </li></ul><ul><li>Adolescência; </li></ul><ul><li>Formação continuada; </li></ul><ul><li>Planejamento; </li></ul><ul><li>Projeto pedagógico; </li></ul><ul><li>Proposta pedagógica; </li></ul><ul><li>Materiais; </li></ul><ul><li>Currículo; </li></ul><ul><li>Avaliação; </li></ul><ul><li>Tempo; </li></ul><ul><li>Espaços; </li></ul><ul><li>Metodologias; </li></ul><ul><li>Conteúdos; </li></ul><ul><li>Gestão. </li></ul>
  6. 8. ELEMENTOS ORGANIZADORES II – Os nove anos de trabalho escolar. POSSIBILIDADES DE ORGANIZAÇÃO LDB Art. 23. “ A educação básica poderá organizar-se em séries anuais, períodos semestrais, ciclos, alternância regular de períodos de estudos, grupos não – seriados, com base na idade, na competência e outros critérios, ou por forma diversa de organização, sempre que o interesse do processo de aprendizagem assim o recomendar”. Ensino Fundamental Anos Iniciais Anos Finais Ciclo I Ciclo II Ciclo III Ciclo IV 1.º ano 2.º ano 3.º ano 4.º ano 5.º ano 6.º ano 7.º ano 8.º ano 9.º ano
  7. 9. ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS <ul><li>A aprendizagem não depende apenas do aumento do tempo de permanência na escola, mas também do emprego mais eficaz desse tempo: a associação de ambos pode contribuir significativamente para que os estudantes aprendam mais e de maneira mais prazerosa. </li></ul><ul><li>Respeitar as crianças como sujeitos da aprendizagem. </li></ul><ul><li>Tomar providências para o atendimento das necessidades de recursos humanos — professores, gestores e demais profissionais da educação — para lhes assegurar uma política de formação continuada em serviço, o direito ao tempo para o planejamento da prática pedagógica, assim como melhorias em suas carreiras. Os espaços educativos, os materiais didáticos, o mobiliário e os equipamentos precisam ser repensados para atender às crianças com essa nova faixa etária no ensino fundamental. </li></ul>
  8. 10. ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS <ul><li>Construir uma proposta pedagógica coerente com as especificidades da segunda infância e que atenda, também, ás necessidades de desenvolvimento da adolescência. </li></ul><ul><li>Assegurar o pleno desenvolvimento das crianças em seus aspectos físico, psicológico, intelectual, social e cognitivo, tendo em vista alcançar os objetivos do ensino fundamental, sem restringir a aprendizagem das crianças de seis anos de idade à exclusividade da alfabetização no primeiro ano do ensino fundamental de nove anos, mas sim ampliando as possibilidades de aprendizagem. </li></ul><ul><li>Criar espaços de trocas e aprendizagens significativas, onde as crianças possam, no primeiro ano, viver a experiência de um ensino rico em afetividade e descobertas. </li></ul>
  9. 11. ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS <ul><li>A criança é um sujeito do mundo, portanto depende da função humanizadora do brincar em sua infância . O brincar é um modo de ser e estar no mundo. Segundo Vigotsky, “o brincar é uma atividade humana criadora”. A criança reproduz o mundo por meio de situações criadas nas brincadeiras, assim, ao observá-las, conhecemos melhor nossos pequenos alunos. </li></ul><ul><li>Garantir o acesso à literatura, práticas diárias de leitura (professor agir como mediador). Através do lúdico, envolver a criança em atividades de apropriação do sistema alfabético de escrita,ou seja, inseri-la no mundo letrado. </li></ul><ul><li>O trabalho pedagógico com crianças de seis anos deve garantir a articulação das Ciências Sociais, das Ciências Naturais, das Noções Lógico-Matemáticas e das Linguagens através da interdisciplinaridade e de projetos. </li></ul>
  10. 12. ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS <ul><li>Para avaliar o processo de aprendizagem, é necessário garantir coerência entre as metas planejadas, o ensino e a avaliação. </li></ul><ul><li>A avaliação deve ser formativa, reguladora e contínua. Ou seja, deve reconhecer as diferentes trajetórias de vida dos estudantes e, para isso, é preciso flexibilizar os objetivos, os conteúdos, as formas de ensinar e de avaliar, contextualizando e recriando o currículo. </li></ul><ul><li>É necessário garantir a diversidade dos instrumentos avaliativos, adotar modalidades de registros qualitativos e monitorar continuamente os progressos e lacunas demonstrados pelos estudantes. </li></ul>
  11. 13. “ Todo conhecimento (...) deve conter um mínimo de contra-senso, como os antigos padrões de tapete ou de frisos ornamentais, onde sempre se pode descobrir, nalgum ponto, um desvio insignificante de seu curso normal. Em outras palavras: o decisivo não é o prosseguimento de conhecimento em conhecimento, mas o salto que se dá em cada um deles .” Walter Benjamin

×