Plásticos 12 CT2 grupo 5

3.705 visualizações

Publicada em

Trabalho sobre a experiência laboratorial da identificação de plásticos do grupo 5, turma 12 CT2, ESFH.

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.705
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
28
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
76
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Plásticos 12 CT2 grupo 5

  1. 1. Identificação dos<br />Plásticos<br />
  2. 2. História dos plásticos<br />
  3. 3. Tudo começou quando …<br />
  4. 4. Em 1839 se deu o desenvolvimentodo sistema de vulcanização, por Charles Goodyear, adicionando-se enxofre à borracha bruta, foi o primeiro grande passo para a descoberta dos plásticos.<br />Oldest Soccer ball<br />
  5. 5. Em seguida <br />deu-se a criação da nitrocelulóide, em 1846, por Charles Schonbein, descobriu acidentalmente outro polímero ao derramar uma mistura de ácido sulfúrico nítrico num pedaço de algodão.<br />+<br />+<br />E puff… Fez-se o polímero (:<br />
  6. 6. Mas como<br />a nitrocelulóide era altamente explosivo, passou então a ser utilizado como alternativa à pólvora.<br />Posteriormente, foi desenvolvido a celulóide com a adição da cânfora. Esse novo produto tornou-se uma matéria-prima na fabricação de filmes fotográficos, bolas de bilhar, placas dentárias e bolas de ténis de mesa.<br />
  7. 7. Em 1909, Leo Baekeland criou a baquelite, primeiro polímero realmente sintético, podendo ser considerado, portanto, o primeiro plástico. Era resultado da reacção entre fenol e formaldeído. Tornou-se útil pela sua dureza, resistência ao calor e à electricidade.<br />
  8. 8. Na década de 30 foi criado um novo tipo de plástico: o nylon, um material que habitualmente conhecemos da composição de muitas peças de roupa.<br />Após a Segunda Guerra Mundial foram criados outros, como é o exemplo do dácron, a esferovite, o poliestireno, o polietileno e o vinil. Nesse período, os plásticos difundiram-se imenso no quotidiano das pessoas.<br />Nylon<br /> Vinil<br />Esferovite<br />Polietileno<br />
  9. 9. Polímeros <br />São compostos químicos de elevada massa molecular, resultantes de reacções químicas de polimerização.<br />Os polímeros são macromoléculas formadas a partir de unidades estruturais menores (os monómeros). O número de unidades estruturais repetidas numa macromolécula é chamado grau de polimerização<br />Uma das principais e mais importantes características dos polímeros são as mecânicas. Segundo ela os polímeros podem ser divididos em termoplásticos (recicláveis), termoendurecíveis (termofixos) e elastômeros (borrachas).<br />
  10. 10. Mas afinal o que é o plástico?<br />Osplásticos são materiais orgânicos poliméricos sintéticos de constituição macrocelular , ou seja, formam-se através de reacções de polimerização que não ocorrem na natureza. Estes são dotados de grande maleabilidade, isto porque são facilmente transformáveis mediante o aumento da temperatura e da pressão.<br />Amatéria-prima dos plásticos geralmente é o petróleo.<br />
  11. 11. Este século foi assim chamado devido à enorme e rápida expansão do plástico na indústria.<br />Muitos dos objectos que nos rodeiam hoje são feitos de matérias plásticas. O plástico está de tal maneira presente no nosso dia-a-dia que já não imaginamos o mundo sem ele.<br />Século XXA era do plástico<br />
  12. 12. Antes desta “revolução” estes objectos eram fabricados a partir de matérias-primas utilizadas pelo homem desde há muitos anos, como vidro, a madeira, a argila e os metais.<br />
  13. 13. Mas o plástico revelou-se um material cheio de vantagens. . . <br />
  14. 14. Higiene<br />Durabilidade<br />
  15. 15. Versatilidade<br />Design<br />
  16. 16. Leveza<br />Baixo custo<br />
  17. 17. Bom isolante térmico e eléctrico<br />
  18. 18. Facilmente coloráveis e moldáveis<br />Resistentes e seguros<br />
  19. 19. Na sua maioria são facilmente recicláveis<br />Mas o que acontece aos plásticos que não são recicláveis? Ou aqueles que deitamos ao lixo ou que simplesmente atiramos para o chão?<br />Nem tudo é uma mar de rosas infelizmente. O uso do plástico também tem as suas desvantagens…<br />
  20. 20. Por vezes a sua reciclagem não é rentável ou não é possível;<br />Difíceis de reparar;<br />Dizem-se biodegradáveis mas demoram imenso tempo a degradar-se na natureza;<br />Têm fraca resistência mecânica e ao calor<br />Sofrem alterações com o calor e luz;<br />São combustíveis;<br />
  21. 21. Objectivos desta actividade:<br /><ul><li>Classificar, de acordo com os testes, os vários polímeros testados de acordo com o seu código de reciclagem, de 1 a 7;
  22. 22. Reconhecer as aplicações dos diversos tipos de polímeros depois de testados e devidamente classificados;
  23. 23. Observar as várias propriedades características (cor, brilho, maleabilidade, opacidade, densidade, etc.) de cada uma das diferentes amostras;
  24. 24. Manusear o material do laboratório com a devida segurança.</li></li></ul><li><ul><li>Os plásticos utilizados na actividade são provenientes de produtos utilizados no quotidiano normal das pessoas.
  25. 25. Durante esta actividade submetemos os diferentes tipos de plásticos a uma sucessão de testes. Estes testes permitiram confirmar ou não experimentalmente se a atribuição dos códigos de reciclagem pela fábrica era correcta, assim como analisar de perto as características adoptadas por cada um nas diferentes situações.
  26. 26. Em seguida apresentaremos a tabela dos resultados que obtivemos no estudo das amostras dos materiais.
  27. 27. No fim faz o download do nosso questionário interactivo e tenta tu fazer a experiência!!</li></li></ul><li>*Quando procedemos ao teste de densidade em água com o PS, as amostras que não eram expandidas afundaram, provavelmente por serem mais densas do que as amostras de PS expandido. Mais tarde porém, comprovámos pelo teste da acetona que estas mesmas amostras dissolveram-se nela, pelo que só poderia ser, de facto poliestireno.<br />** A chama que deveríamos observar deveria ser Verde. O facto de observarmos antes uma chama amarela poder-se-á dever ao facto de a presença de aditivos poder alterar a cor da chama. A presença de muita iluminação no laboratório pode também ter dificultado a observação da cor da chama.<br />***(já que os resultados dos testes não encaixam num dos outros 6 tipos). O resultado também pode ser devido a ser uma mistura de algum plástico com outras substâncias.<br />
  28. 28. Trabalhando….<br />
  29. 29. Amostras de cada plástico<br />
  30. 30. Soluções<br />
  31. 31. Teste da densidade em álcool isopropílico<br />
  32. 32. Teste da densidade em óleo de milho<br />
  33. 33. Teste de aquecimento<br />
  34. 34. Teste da chama<br />
  35. 35. Conclusão<br />
  36. 36. Mediante a recorrência a estes testes foi-nos, de facto, possível confirmar que as nossas amostras estavam classificadas correctamente, embora às vezes tenha sido difícil analisar os resultados obtidos. Isto pode ter acontecido devido à forma e tamanho das amostras utilizadas.<br /> A única amostra que não podémos efectivamente classificar mesmo correctamente foi a amostra do PVC, dado que não foi possível observar nenhuma chama verde, no teste da chama, como seria de esperar devido a ter cloro na sua constituição.<br />
  37. 37. Com tudo isto podemos ainda concluir que, mediante as características diversas existentes entre os vários tipos de plásticos que testámos, a variedade da aplicação de cada um dos tipos de plástico será também imensa. De acordo com o efeito desejado, poder-se-á escolher o plástico mais adequado para a situação, conferindo vantagens adicionais.<br /> E assim é: o plástico tem enormes vantagens. As desvantagens, essas, poderão ser colmatadas por uma atitude ambiental e um consumo consciente a nível global, bem como pelos constantes avanços tecnológicos e poder elucidativo da Ciência. O saldo final – um grande contributo para o bem-estar social, com um consumo que não comprometa o ambiente.<br />
  38. 38. Grupo 5 <br />12 CT2<br />Ana Sofia<br />Bruno <br />João David<br />Lúcia<br />Marina<br />Professor<br />Rui Vítor<br />

×