Conhecimento distribuído e sua (re) significação: blogs colaborativos para a educação em rede. XIII Congresso de Ciências ...
O que estamos entendendo por  APRENDER  ? O que estamos entendendo por  AMBIENTES DE APRENDIZAGEM ? O que estamos entenden...
O papel do professor? <ul><li>Fornecedor  </li></ul><ul><li>de conteúdo </li></ul>Facilitador da aprendizagem
<ul><li>O professor é incentivado a tornar-se um animador da inteligência coletiva de seus grupos de alunos em vez de um f...
O papel do aluno <ul><li>Passivo repetidor </li></ul><ul><li>Ativo e participante </li></ul>
<ul><li>Novo estilo de ensinar e aprender, que favorece ao mesmo tempo as aprendizagens personalizadas e a aprendizagem co...
O papel da tecnologia <ul><li>Fim em si mesmas </li></ul>meio
<ul><li>Aclimatação dos dispositivos e do espírito do EAD (ensino aberto e a distância) ao cotidiano e ao dia a dia da edu...
O que são os blogs? <ul><li>Os blogs são páginas na internet que se assemelham as homes pages comuns, porém, o que os dife...
Comparando os “ares dos novos tempos”, em termos  educacionais:
 
 
 
Blogs enquanto recurso <ul><li>Um espaço de acesso a informação especializada. </li></ul><ul><li>Um espaço de disponibiliz...
Blog enquanto estratégia pedagógica <ul><li>Um portfólio digital. </li></ul><ul><li>Um espaço de intercâmbio e colaboração...
 
Sobre os objetivos desse blog: <ul><li>“ O blog tem como objetivo final criar uma comunidade de interesse entre estudantes...
Para tanto, o blog é dividido nas seguintes secções: <ul><li>Glossário - O objetivo é construir um dicionário bilíngüe, ca...
Referências: <ul><li>“ O que vale, portanto, em relação ao uso do blog como interface, não é considerar o seu aspecto de i...
<ul><li>GOMES, M. J. & LOPES, A.M. (2007).  Blogues escolares : quando, como e porquê?,  Centro de Competência CRIE da ESE...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Conhecimento distribuido

517 visualizações

Publicada em

Oficina UFMT- Intercom

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
517
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
22
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Conhecimento distribuido

  1. 1. Conhecimento distribuído e sua (re) significação: blogs colaborativos para a educação em rede. XIII Congresso de Ciências da Comunicação da Região Centro-Oeste – Intercom- UFMT Cuiabá,-MT, 2011 Professora Ana Regina Bresolin [email_address] MeEl- Mestrado em Estudos de Linguagem UFMT IFMT- Insituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Parecis
  2. 2. O que estamos entendendo por APRENDER ? O que estamos entendendo por AMBIENTES DE APRENDIZAGEM ? O que estamos entendendo por TECNOLOGIA ?
  3. 3. O papel do professor? <ul><li>Fornecedor </li></ul><ul><li>de conteúdo </li></ul>Facilitador da aprendizagem
  4. 4. <ul><li>O professor é incentivado a tornar-se um animador da inteligência coletiva de seus grupos de alunos em vez de um fornecedor direto de conhecimentos. </li></ul>
  5. 5. O papel do aluno <ul><li>Passivo repetidor </li></ul><ul><li>Ativo e participante </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Novo estilo de ensinar e aprender, que favorece ao mesmo tempo as aprendizagens personalizadas e a aprendizagem coletiva em rede. </li></ul>
  7. 7. O papel da tecnologia <ul><li>Fim em si mesmas </li></ul>meio
  8. 8. <ul><li>Aclimatação dos dispositivos e do espírito do EAD (ensino aberto e a distância) ao cotidiano e ao dia a dia da educação. </li></ul><ul><li>Hipertexto </li></ul><ul><li>Hipermídia </li></ul><ul><li>Multimídia interativa </li></ul>
  9. 9. O que são os blogs? <ul><li>Os blogs são páginas na internet que se assemelham as homes pages comuns, porém, o que os diferencia são aspectos como a facilidade de diagramação, sua gratuidade, o aspecto dinâmico, plástico, hipertextual e hipermidiático, uma vez que abriga além de texto, imagens, links, vídeos e músicas, por exemplo. Também, ele dá a possibilidade ao visitante ou aos seguidores, de poder acessar a todas as postagens e comentários que foram feitos desde a criação do blog, a partir do histórico das postagens. Este histórico se organiza normalmente em ordem cronológica ascendente, ainda que os sites que hospedam os blogs, atualmente possibilitam aos blogueiros, como são comumente chamados, inúmeras maneiras de dispor a informação. Os blogs podem ser tanto individuais quando coletivos e os assuntos, são tão variados quanto o desejo de seus usuários. Embora a princípio, o estilo e os gêneros dos textos produzidos teriam certa proximidade aos do diários íntimo, hoje, a pluralidade de ambas as características são observáveis. </li></ul>
  10. 10. Comparando os “ares dos novos tempos”, em termos educacionais:
  11. 14. Blogs enquanto recurso <ul><li>Um espaço de acesso a informação especializada. </li></ul><ul><li>Um espaço de disponibilização de informação por parte do professor. </li></ul>
  12. 15. Blog enquanto estratégia pedagógica <ul><li>Um portfólio digital. </li></ul><ul><li>Um espaço de intercâmbio e colaboração. </li></ul><ul><li>Um espaço de debate – role playing. </li></ul><ul><li>Um espaço de integração. </li></ul><ul><li>Gomes e Lopes, 2005 </li></ul>
  13. 17. Sobre os objetivos desse blog: <ul><li>“ O blog tem como objetivo final criar uma comunidade de interesse entre estudantes conectados a outros de várias partes do mundo para discutir como o medo de fantasma está presente na cultura de cada local. Para tanto, o blog tem por objetivo final a criação de um glossário em língua inglesa, referido ao campo semântico da palavra “paúra”. O blog torna-se instrumento de investigação da cultura popular local, quando os estudantes são encorajados a </li></ul><ul><li>compreender como se processam as superstições, lendas e estórias de fantasmas. </li></ul>
  14. 18. Para tanto, o blog é dividido nas seguintes secções: <ul><li>Glossário - O objetivo é construir um dicionário bilíngüe, capaz de ser ampliado no blog através da discussão online de termos encontrados em pesquisas na Internet contos, vídeo, dicionário, entre outros recursos. O termo é inserido no blog de acordo com a seguinte lógica: inglês, italiano, ilustração do termo e exemplo. A estrutura do blog permite o registro dos vocábulos anteriormente inseridos. </li></ul><ul><li>Superstições – Neste ponto os estudantes postam elementos que descobriram relacionados à origem das superstições italianas e locais. Eles demonstram interesse em confrontar essa origem e postam no blog informações conhecidas por eles próprios em suas bagagens pessoais e de pesquisas realizadas entre professores de outras disciplinas, como Italiano e História. </li></ul><ul><li>Estórias – O aluno recolhe entre familiares e amigos lendas e estórias sobre medo de fantasmas e as registra no blog. </li></ul><ul><li>Escrita criativa – Os estudantes são estimulados a desenvolverem a autoria, ao criar estórias originais.” </li></ul><ul><li>Oliveira, 2008 </li></ul>
  15. 19. Referências: <ul><li>“ O que vale, portanto, em relação ao uso do blog como interface, não é considerar o seu aspecto de inusitado no sistema educacional, mas, primordialmente, observar os fins a que de aplica dentro da diretriz curricular estabelecida. Como uma página em branco a ser construída, o blog é um instrumento aberto. De seu conteúdo proposto, devidamente adequado ao educando que irá construí-lo e partilhá-lo, dos recursos hipertextuais que propicia, além da interatividade e empenho de professores e educandos, dependerá o sucesso do blog como interface tecnológica no processo de avaliação formativa.” </li></ul><ul><li>OLIVEIRA, 2008. </li></ul>
  16. 20. <ul><li>GOMES, M. J. & LOPES, A.M. (2007). Blogues escolares : quando, como e porquê?, Centro de Competência CRIE da ESE de Setúbal , 117-133. </li></ul><ul><li>Gomes. M. J. “ Blogs : um recurso e uma estratégia pedagógica”. In António Mendes, Isabel Pereira e Rogério Costa (editores) Actas do VII Simpósio Internacional de Informática educativa. Leiria: Escola Superior de Educação de Leiria, 2005, p. 311-315. </li></ul><ul><li>OLIVEIRA, ROSA MEIRE CARVALHO DE. Interfaces colaborativas e Educação : o uso do blog como potencializador do processo de avaliação. In: Dias, Paulo; Osório, António José. (Org.). Ambientes educativos emergentes. 1 ed. Braga: Universidade do Minho - Centro de Competência, 2008, v. , p. 2-206. </li></ul><ul><li>LÉVY, P. A inteligência coletiva : por uma antropologia do ciberespaço. São Paulo: Loyola, 1998.   </li></ul><ul><li>LÉVY, Pierre. Cibercultura . São Paulo: Editora 34, 1999. </li></ul><ul><li>PETERS, Otto (2003): A educação a distância em transição. São Leopoldo, Ed. da Unisinos. </li></ul>

×