O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização (Conclusão)      “A análise e reco...
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização (Conclusão)                       ...
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização (Conclusão)                       ...
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização (Conclusão)  3.4 Participação dos ...
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização (Conclusão)É de salientar que o tr...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Análise e comentário crítico, AEE

505 visualizações

Publicada em

Sessão 6

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
505
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Análise e comentário crítico, AEE

  1. 1. O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização (Conclusão) “A análise e reconhecimento do papel da BE a nível da auto-avaliação da escola, para a qual tenta contribuir o Modelo de Auto-Avaliação das BE proposto pela RBE, e a inclusão da BE na informação prestada às equipas de avaliação externa, tendo em vista a sua valorização, desenvolvimento e melhoria é fundamental. A actividade desta sessão incide, deste modo, nesta fase de transferência e comunicação para o exterior dos resultados de avaliação apurados no processo de auto-avaliação da BE e incorporados na auto-avaliação de cada escola.” Actividade: 2. Tendo por base a amostra de Relatórios de avaliação externa que elegeu, faça uma análise e comentário crítico à presença de referências a respeito das BE, nesses Relatórios. Amostra: Ano lectivo 2007/08: Agrupamento Afonso Betote, Vila do Conde Agrupamento Maria Pais Ribeiro “Ribeirinha”, Vila do Conde Ano lectivo 2008/09: Agrupamento Cego do Maio, Póvoa de VarzimO motivo de selecção deste Agrupamentos para análise dos relatórios, prende-se com o facto de serem realidades muito próximas e de conhecer muito bemas três realidades expostas:  aquando da avaliação do Agrupamento Afonso Betote, era eu Coordenadora da BE da EB/JI Caxinas, pertencente ao Agrupamento  acerca do Agrupamento Maria Pais Ribeiro “Ribeirinha”, é onde cumpro actualmente funções como Professora Bibliotecária (embora nesse ano de avaliação ainda não integrasse o Agrupamento)  finalmente o Agrupamento Cego do Maio, trabalhei neste Agrupamento em anos lectivos mais recuados, como Educadora e posteriormente como elemento de gestão, conhecendo bem a realidade. Já existia a única Biblioteca Escolar neste Agrupamento, na EB/JI Século. Fizemos na altura um projecto de integração de uma Biblioteca Escolar numa das outras escolas do Agrupamento, mas que não se veio a realizar por motivos alheios.
  2. 2. O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização (Conclusão) Análise dos Relatórios/ Referências à BE Agrupamentos de Escolas/ Afonso Betote – Vila do Conde “Ribeirinha” – Vila do Conde “Cego do Maio” - Póvoa de Varzim Itens Data: 2007/08 Data: 2007/08 Data: 2008/09 Refere a existência da biblioteca Na caracterização da Escola Sede é aquando da descrição omisso da existência de Biblioteca.Caracterização do Agrupamento da Escola Sede. Refere na descrição da EB/J.I. a Não refere a existência de existência de Biblioteca. duas B.E no 1º ciclo. Avaliação por domínio Destaca o trabalho desenvolvido nos2. Prestação do serviço educativo clubes existentes e na Biblioteca Escolar. Avaliação por factor Refere a Biblioteca como o local que1.3 Comportamento e disciplina o aluno é encaminhado quando tem que abandonar a sala. Refere como “efectiva 1.4 Valorização e impacto das intencionalidade pedagógica” a aprendizagens elaboração do Jornal Escolar, apesar de omitir que é a Biblioteca que o organiza.
  3. 3. O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização (Conclusão) Refere que no PAA DA Biblioteca Estão a ser preparadas acções de2.2 Acompanhamento da prática formação de utilizadores lectiva em sala de aula subordinadas aos temas: “Como elaborar um trabalho” e “Como utilizar correctamente a Internet”. 2.4 Abrangência do currículo e Destaca o trabalho da B.E. neste valorização dos saberes e da factor. aprendizagem Salienta como nota positiva a3.2 Gestão dos recursos humanos afixação de serviço docente afixada em vários espaços (biblioteca) Refere que a Biblioteca da escola sede “está integrada na Rede Refere a existência das B.E do 1º Refere que para além da escola3.3 Gestão dos recursos materiais Nacional de Bibliotecas, que ciclo, que estão integradas na Rede sede, com boas condições de e financeiros responde às múltiplas e distintas de Bibliotecas Escolares, mas que a habitabilidade e bom acervo, existe necessidades dos alunos e inexistência de pessoal próprio uma B.E. numa EB/J.I.. Salienta professores, sendo considerada impede a sua rentabilização. também pertencerem ambas à Rede pelos alunos como o espaço de Nacional de Bibliotecas Escolares. eleição.” Não refere as B.E, do 1º ciclo
  4. 4. O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização (Conclusão) 3.4 Participação dos pais e outros Destaca a abertura da Biblioteca àelementos da comunidade educativa comunidade e a feira do livro. Refere como exemplos de abertura à inovação, entre outros, os projectos 4.3 Abertura à inovação “Plano Nacional Leitura” e a “Rede Nacional de Bibliotecas Escolares” Considerações finais Foi indicado na análise final como Pontos fortes ponto forte: “a dinâmica das Bibliotecas Escolares do Agrupamento”Após a análise dos três relatórios, considero serem escassas as referencias à BE:  na Caracterização do Agrupamento é omisso na descrição de existência da BE na escola sede, ou nas EB/JI  na Avaliação por domino, a BE é apenas referida num dos relatórios, no item Prestação do Serviço Educativo, embora ressalve a BE  na Avaliação por factor, a BE é referida somente num dos relatórios, à excepção no item Gestão dos recursos materiais e financeirosContudo, há ainda referências indirectas, como o Plano Nacional de Leitura e a descrição de algumas actividades consideradas positivas, que sãopromovidas e organizadas pela BE, embora não exista uma referência específica.
  5. 5. O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização (Conclusão)É de salientar que o trabalho da BE aparece nos três relatórios como sendo reconhecido, num dos Agrupamentos é considerado como ponto forte doAgrupamento, noutros salienta sempre pela positiva a BE, a sua organização e actividades. Podemos concluir que o trabalho da BE é reconhecido, emboraconsidere que haverá melhoras significativas a partir da implementação do modelo de Auto-Avaliação da BE e comunicação dos seus resultados.Assim, é necessário que:  haja um responsável da BE na entrevista com a IGE, de modo a que se possa demonstrar de forma clara e evidente o papel da BE no contexto escolar  haja um reconhecimento da direcção e dos demais órgãos, em que o contributo da BE seja ressalvado  haja a integração das evidencias recolhidas e resultados do processo de auto-avaliação da BE no relatório de auto-avaliação da escola  haja referências explicitas à (s) BE na descrição do Agrupamento e nos diferentes itens de análise.Concluo com a profunda convicção que a aplicação do MABE irá mudar trazer frutos neste domínio.

×