Tenda dos Milagres -

2.046 visualizações

Publicada em

Leitura e interpretação de trechos da obra Tenda dos Milagres, de Jorge Amado.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.046
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
315
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
27
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tenda dos Milagres -

  1. 1. A ALTERIDADE NA LITERATURA REVISÃO 1
  2. 2. Texto 1
  3. 3. – Desta vez a besta do Nilo Argolo se excedeu. Imagine você que este trabalho se destina ao parlamento para que dele nasça uma lei. Uma lei, não: um corpo de leis, ele não faz por menos. – O professor Fraga Neto agitava a plaquete, no auge da indignação: – Nem na América de Norte se cogitou de legislação tal brutal. O Monstro Argolo ganhou até para as piores leis, as mais odiosas de qualquer Estado sulista, daqueles mais racistas dos Estados Unidos. É uma coisa completa, só vendo!
  4. 4. Fraga Neto exaltava-se com facilidade, o entusiasmo e a repulsa conduziam-no a pequenos e constantes comícios nos corredores da Faculdade e sob as árvores do Terreiro, a propósito dos assuntos mais diversos. Em pouco mais de um lustro, tornara-se extremamente popular entre os estudantes que o buscavam a qualquer pretexto e de quem se fez uma espécie de procurador geral.
  5. 5. – Esse Argolo é um delirante perigoso, já é tempo que alguém lhe dê uma lição! Pedro Archanjo levou a brochura, pequeno livro em cujas páginas o professor de Medicina Legal resumia e ordenava suas conhecidas ideias e teses sobre o problema de raças no Brasil. A superioridade da raça ariana, a inferioridade de todas as outras, sobretudo da negra, raça em estado primitivo, subumana. A mestiçagem, o perigo maior, a anátema lançado contra o Brasil, monstruoso atentado: a criação de uma sub-raça no calor dos trópicos, sub- raça degenerada, incapaz, indolente, destinada ao crime.
  6. 6. Todo o nosso atraso devia-se à mestiçagem. O negro ainda poderia ser aproveitado no trabalho braçal, tinha a força bruta dos animais de carga. Preguiçoso e salafrário, mestiço, porém, nem para isso servia. Degredava a paisagem brasileira, apodrecia o caráter do povo empecilho a qualquer esforço sério no sentido do progresso do progredimento. Num cipoal de citações, em português cientista de pretensões literárias, falando em altiloqua, em belestrística, em quamanho, magníloquos primores, diagnosticava o mal, expunha-lhe a extensão e a gravidade, e colocava nas mãos dos legisladores nacionais a receita e o bisturi, medicação e cirurgia.
  7. 7. Só um corpo de leis, resultante do patriotismo dos senhores parlamentares, impondo a mais completa segregação racial poderia ainda salvar a Pátria do abismo para onde rolava impelida pela mestiçagem degredada e degradadora. Tal corpo de leis a prevê e ordenar quanto se relacionasse a negros e mestiços, centralizava-se em dois projetos fundamentais.
  8. 8. O primeiro referia-se a localização e isolamento de negros e mestiços em certas áreas geográficas, já determinadas pelo professor Nilo Argolo: Regiões da Amazônia, Mato Grosso de Goiás. Clichês e mapas estabelecidos pelo professor, produzidos no opúsculo, não deixavam dúvidas sobre o inóspito das áreas escolhidas. Esse confinamento não possuía caráter definitivo, destinava-se a manter a raça inferior e a sub-raça aviltante apartadas do resto da população enquanto não lhes fosse dado definitivo destino. O professor previra a aquisição pelo governo de território africano capaz de acolher toda a população negra e mestiça do Brasil.
  9. 9. Uma espécie de Libéria, sem os erros da experiência norte-americana, naturalmente. No caso brasileiro, negros e mestiços, todos, se possível, seriam deportados, mandados embora de vez, para sempre. O segundo projeto, de claríssima urgência, lei ou decreto de salvação nacional, proibiria o casamento entre brancos e negros, entendido por negros todos os portadores de sangue afro. Proibição absoluta, capaz de pôr freio à mestiçagem.
  10. 10. O segundo projeto, de claríssima urgência, lei ou decreto de salvação nacional, proibiria o casamento entre brancos e negros, entendido por negros todos os portadores de sangue afro. Proibição absoluta, capaz de pôr freio à mestiçagem. Assim, em breve resumo, despidos da linguagem castiça ´imeritamente caída em desuetude´, projetos e teses parecem absurda loucura. Foram, no entanto, levados a sério por articulistas
  11. 11. e parlamentares e, por ocasião da Assembléia Constituinte de 1934, houve quem desentranhasse dos arquivos da Câmara as propostas contidas na plaquete do professor Nilo Argolo: Introdução ao estudo de códigos de leis de salvação nacional. (AMADO.Tenda dos Milagres, 2006, p.273-275)
  12. 12. Após a leitura do trecho da obra Tenda dos Milagres, de Jorge Amado, discuta os conceitos estudados até aqui. Posicione-se em relação ao projeto proposto pelo personagem Nilo Argolo:
  13. 13. Texto 2
  14. 14. Numa dessas tardes, de claro sol e doce brisa, Archanjo vinha pelo Terreiro de Jesus em seu passo levemente gingado. Fora levar um recado do secretário da Faculdade ao prior dos franciscanos; um frade holandês de barbas e careca, afável: com evidente prazer degustava um cafezinho, serviu ao risonho bedel: – Eu conheço o senhor... – falou com seu acento crespo. – Passo o dia quase todo aqui na praça, na Escola.
  15. 15. – Não foi aqui – o frade riu um riso cheio e folgazão. – Sabe onde foi? Foi no candomblé. Só que eu estava de civil, escondido num canto, e o senhor numa cadeira especial, junto da mãe-de-santo. – O senhor, padre, no candomblé? – Às vezes vou, não diga a ninguém. Dona Majé é minha camarada. Ela me disse que o senhor é muito competente em coisas de macumba. Um dia desses, se o senhor me der o prazer, desejo conversar consigo... – Archanjo sentiu a paz do mundo no claustro de árvores frondosas, flores e azulejos; a paz do mundo no envolvente franciscano.
  16. 16. – Quando quiser, estou às ordens, padre. Vinha pelo Terreiro em direção à Faculdade: um padre, um frade de convento, assistindo candomblé, uma surpresa, novidade digna de nota; viu-se envolvido por um grupo de estudantes. (AMADO.Tenda dos Milagres, 2006, p.94).
  17. 17. Em que medida o comportamento do Prior dos Franciscanos se difere do comportamento de Nilo Argolo? Temos de pensar em nossas respostas voltadas para a perspectiva da diversidade e do respeito ao outro. A amizade entre pessoas de pensamentos religiosos diferentes pode ser interpretada a partir de qual conceito estudado por nós?
  18. 18. O sacerdote católico deu um exemplo de exercício da alteridade positiva e, para melhorar a situação, não praticou proselitismo. Como você encara o comportamento do Frade? À luz dos conceitos estudados, você classificaria o comportamento do Frei em correto ou incorreto e por quê?
  19. 19. Aproveitando a citação da questão anterior, diga quais estereótipos são criados para negros e mestiços.
  20. 20. Considerando toda a obra Tenda dos Milagres, podemos considerar que o enredo denuncia uma série de injustiças e preconceitos; aponte alguns e discuta.

×