Universidade de Pernambuco – UPE
Campus Garanhuns
Professor: Vania Barbosa

Pratica Pedagógica VI

Discentes: Ana Paula Az...
POR QUÊ APRENDER MATEMATICA?
Ao longo dos tempos, tem se admitidoa importância e mesmo a necessidade das abstrações
que to...
QUE OUTROS CONHECIMENTOS MATEMATICOS VC CONSIDERA
IMPORTANTES?
O professor Larrosa (2002, p.21) afirma que “[...] pensar n...
REFERÊNCIAS:

BRASIL. Secretaria da Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais/
Ensino Médio. Parte I...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trabalho de pratica vi

278 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Trabalho de pratica vi

  1. 1. Universidade de Pernambuco – UPE Campus Garanhuns Professor: Vania Barbosa Pratica Pedagógica VI Discentes: Ana Paula Azevedo Franciele Bezerra Jamilly Carvalho Paulo Antonio Tiago Falcão Garanhuns-PE 2013
  2. 2. POR QUÊ APRENDER MATEMATICA? Ao longo dos tempos, tem se admitidoa importância e mesmo a necessidade das abstrações que toda a gama de teorias matemáticas contempla.De acordo com Lima (2003, p.183), a Matemática é indispensável para a formação cultural e técnica do homem socialmente atuante, porque ela permite responder, de modo claro, preciso e indiscutível, perguntas que, sem o auxílio dela, continuariam sendo perguntas ou se transformariam em palpites, opiniões ou conjecturas. Desse modo, aMatemáticaapresenta-se como um instrumento para a compreensão e investigação do mundo que nos cerca. Contudo, o estudo sistemático da Matemática,devido às suas peculiaridades, propicia o desenvolvimento não só de capacidades racionais, mais também intelectuais,que são de suma importância para o desempenho social. Dessa forma, Rocha (2001, p. 28) afirma que o ensino de Matemáticacolabora para a nossa formação crítica e conclui que podemos entender e discutir economia e políticapodemos percebere questionar as injustiças, comparar as diferenças salariais, entender os índices e os gráficos veiculados na imprensa. Além disso, a Matemática pode nos auxiliar na tomada de decisões e no domínio da tecnologia. Os primeiros argumentos para a necessidade da aprendizagem de matemática podem ser retirados de forma acrítica dos Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (PCNEM) especiais para a Matemática: “A Matemática no Ensino Médio tem um valor formativo, que ajuda a estruturar o pensamento e o raciocínio dedutivo, porém também desempenha um papel instrumental, pois é uma ferramenta que serve para a vida cotidiana e para muitas tarefas específicas em quase todas as atividades humanas.” (PCNEM, p.40). EM QUE SITUAÇÃO DA SUA VIDA COTIDIANA VOCÊ VÊ MATEMÁTICA? [Vídeo]
  3. 3. QUE OUTROS CONHECIMENTOS MATEMATICOS VC CONSIDERA IMPORTANTES? O professor Larrosa (2002, p.21) afirma que “[...] pensar não é somente „raciocinar‟ ou „calcular‟ ou „argumentar‟, como nos tem sido ensinado algumas vezes, mas é, sobretudo, dar sentido ao que somos e ao que nos acontece”. Dessa forma: [...] a Matemática contribui para o desenvolvimento de processos de pensamento e a aquisição de atitudes, cuja utilidade e alcance transcendem o âmbito da própria Matemática, podendo formar no aluno a capacidade de resolver problemas genuínos, gerando hábitos de investigação, proporcionando confiança e desprendimento para analisar e enfrentar situações novas, propiciando a formação de uma visão ampla e científica da realidade, a percepção da beleza e da harmonia, o desenvolvimento da criatividade e de outras capacidades pessoais. (PCNEM, p.40). Em outras palavras a matemática nos fornece o conhecimento necessário para resolver problemas, para dominar os números, que estão presentes em tudo na vida. Também desenvolve o raciocínio e aguça a inteligência.
  4. 4. REFERÊNCIAS: BRASIL. Secretaria da Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais/ Ensino Médio. Parte III – Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000. LARROSA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. In: Revista Brasileira de Educação, Jan-Abr/2002, n°19. (p.20-28)

×