SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Baixar para ler offline
1 
Itana Nunes Cunha 
Ananda Helena Nunes Cunha 
TEMAS E DISCUSSÕES PARA INTRODUÇÃO DO MEIO AMBIENTE EM ESCOLAS 
VOLUME 1 - EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONCEITOS GERAIS 
Anápolis – GO 
2014
2 
Educação Ambiental – conceitos gerais 
Apresentação: 
O projeto de Educação Ambiental tem como proposta formar o sujeito ecológico, buscando respeitar e preservar o meio ambiente; colocar o homem como sujeito, aquele que deve e pode agir no meio em que vive. O homem é parte desse meio, e, portanto aquele que deve interagir positivamente em relação a sua, também parte, no meio ambiente. 
Nessa intenção, alguns estudos mostram que o homem é capaz de zelar pelo meio em que vive, pois além de fazer parte dele, o mesmo necessita de seus recursos. 
Apresentar as considerações teóricas e metodológicas sobre educação ambiental, para aprendizagem significativa dos interessados é o objetivo maior deste manual, que o volume 1 do total de 4 volumes. 
A relevância maior se faz pela conscientização por parte, inicialmente da professora e dos demais envolvidos e posteriormente de todos os que tiverem contato com as reflexões do trabalho aqui desenvolvido, quanto à necessidade de mudança na postura de cidadãos conscientes.
3 
Sumário 
1. Crise ambiental: o Planeta no limite......................................................................4 
1.1. O que é meio ambiente.......................................................................................4 
1.2. Poluição ambiental...............................................................................................4 
1.3. Limite planetário - Biodiversidade.................................................................4 
1.4. Limite planetário – População...........................................................................5 
1.5. Limite planetário – Recursos e serviços naturais.......................................5 
1.6. Lei Federal nº 6.938 de 31 de Agosto de 1981...........................................5 
1.7. Política urbana no Brasil....................................................................................7 
2. Orientações...............................................................................................................8 
2.1. Como pensar Educação Ambiental...................................................................8 
2.2. Sustentabilidade – ser ético e solidário........................................................9 
2.3. Educação Ambiental no Brasil.........................................................................11 
3. Oficinas......................................................................................................................14 
3.1. Educar brincando...............................................................................................14 
3.2. Simulador de erosão.........................................................................................16 
3.3. Horta sustentável..............................................................................................19 
4. Caça palavras divertido.........................................................................................23 
5. Considerações finais..............................................................................................24 
6. Referências.............................................................................................................25 
7. Anexo........................................................................................................................26
4 
1. Crise ambiental: o Planeta no limite 
1.1. O que é meio ambiente 
Conforme os Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Profissional de Nível Técnico (BRASIL, 2000), documento elaborado pela Secretaria de Educação Média e Tecnológica, o meio ambiente pode ser definido como tudo aquilo que nos cerca, levando-se em consideração os elementos da natureza como a fauna, a flora, o ar, a água, bem como os seres humanos. 
Para Melo (2007), os vocábulos ‘meio ambiente’ nos informam acerca de algo periférico, ou o que está ao redor, em torno de um centro. Para ela, o meio ambiente é formado por terra, luz, água, pelo ser humano, etc. 
Entende-se assim, que uma nova concepção de meio ambiente deve ser considerado como elemento externo à natureza; ele é um dos componentes do meio ambiente. O centro é, ou deve ser a vida, por isso a idéia defendida pelo autor de que nosso entendimento de natureza deve se pautar uma visão biocêntrica (vida no centro). 
1.2. Poluição Ambiental 
A tendência natural de qualquer sistema, como um todo, é de aumento de s;ua entropia (grau de desordem). Do equilíbrio entre os três elementos (população, recursos naturais, poluição) dependerá do nível de qualidade de vida do meio (SANTOS, 2014). 
1.3. Limite planetário- Biodiversidade 
- Até 2030, mais de 70% da diversidade biológica (de onde vêm novos medicamentos, novos alimentos, novos materiais para substituir os que se esgotam) poderão ter sido perdidos (FRIAÇA, 2014). 
- Continua-se a perder 150 mil quilômetros quadrados por ano de florestas tropicais, o maior repositório da biodiversidade. 
- As perdas da biodiversidade (mudanças no uso do solo) contribuem com 30% no aumento de emissões de CO2. 
- Segundo estudo do IPEA/IPAM, o fogo consome até 9,3% do PIB da região
5 
amazônica (pastagens e cercas destruídas, madeira desperdiçada, intensificação de doenças, etc.). 
1.4. Limite planetário- População 
- Em menos de 200 anos (1830-2001), a população mundial multiplicou-se por 6 e chegou a 6,1 bilhões. Até 2050 serão pelo menos 8,5 bilhões. 
- Hoje, mais de 800 milhões de pessoas sofrem com fome todos os dias, entre elas, 300 milhões de crianças morrem, por isso, 24 mil pessoas/dia. 
- Cerca de 1,3 bilhão de pessoas vivem com menos de 1 dólar por dia. Quase 3 bilhões com menos de 2 dólares (R$ 6/dia ou R$ 180/mês). 
1.5. Limite planetário- Recursos e Serviços Naturais 
- Já são utilizados 13,7 bilhões de hectares para suprir as necessidades de carnes, grãos e derivados, pescado, água e energia. A disponibilidade efetiva é de 11,4 bilhões de hectares, ou 1,9 hectares por pessoa (contra uso efetivo de 2,3 hectares por pessoa). Sendo que 47% da área terrestre já estão ocupados e na agricultura, 28%. 
- A utilização varia por regiões e países: 9,6 hectares/pessoa nos E.U. A, 5 hectares/pessoa na Europa, 1,4 hectare/ pessoa na Ásia e África. No Brasil, 2,38 hectares/pessoa. 
- Se o padrão de utilização/consumo dos países industrializados fosse estendido a todos os habitantes da Terra, seriam necessários mais dois planetas. 
1.6 Lei Federal nº 6.938 de 31 de Agosto de 1981 
Artigo 3º Para fins previstos nesta lei, entende-se por: 
III- poluição: a degradação da qualidade ambiental resultante de atividades que direta ou indiretamente: 
a) prejudiquem a saúde, a segurança e o bem-estar da população; 
b) criem condições adversas as atividades sociais e econômicas; 
c) afetem as condições estéticas ou sanitárias do meio ambiente 
d) afetem a desfavoravelmente a biota 
e) lancem materiais ou energia em desacordo com os padrões ambientais estabelecidos. 
Tipos de poluições:
6 
 poluição atmosférica 
 poluição hídrica ou poluição de água 
 poluição do solo 
 poluição sonora 
 poluição térmica 
 poluição luminosa 
 poluição visual 
- poluição atmosférica: refere-se às alterações da atmosfera susceptíveis de causar impacto a nível ambiental ou de saúde humana, através da contaminação por gases, partículas sólidas, líquidos em suspensão, material biológico ou energia. 
- poluição da água: é a contaminação de corpos de água por elementos que podem ser nocivos ou prejudiciais aos organismos e plantas, assim como a atividade humana. 
- poluição do solo: afeta particularmente a camada superficial da crosta terrestre, causando malefícios diretos ou indiretos à vida humana, à natureza e ao meio ambiente em geral (Figura 5). 
- poluição sonora: é provocado pela difusão do som num tom demasiado alto, sendo o mesmo muito acima do tolerável pelos organismos vivos, no meio ambiente. 
- poluição térmica: consiste no aquecimento das águas naturais pela introdução da água quente utilizada na refrigeração de centrais elétricas, usinas nucleares, refinarias, siderúrgicas e indústrias diversas. 
- poluição luminosa: ocasionada pela luz excessiva ou obstrusiva criada por humanos. Essa poluição interfere nos ecossistemas, causa efeitos negativos à saúde, ilumina a atmosfera das cidades, reduzindo a visibilidade das estrelas e interfere na observação astronômica. 
- poluição visual: excesso de elementos ligados à comunicação visual (como cartazes, anúncios, propagandas, banners, totens, placas, etc.) dispostos em ambientes urbanos, especialmente em centros comerciais e serviços.
7 
1.7 Política Urbana no Brasil 
-Precedentes 
* crise de 1929- atingiu a produção cafeeira no Brasil- migração da população para cidade; 
* marcha para oeste- Getúlio Vargas; 
* aumento da população urbana- surgimento de problemas urbanos (exclusão, periferias, regiões do além da cidade, privação de cidadania); 
* elaboração plano diretor no Brasil data de 1930 Plano Agache para o Rio de Janeiro, voltado para o embelezamento da cidade; 
* urbanismo modernista, corbusiano- alimentador do planejamento urbano convencional, busca da racionalidade e da ordem, adequando-se às exigências do capitalismo; 
* 1950- intensificação do processo e industrialização, mudanças padrão de urbanização brasileira, em um processo que combina migração do campo para cidade, metropolização, crescimento da classe média e assalariamento da mão de obra; 
* anos 70- abertura política: emergência dos movimentos sociais (associação de moradores); 
* anos 80- interação com organizações da sociedade (IAB), (OAB), (AGB) e outras, sindicatos, partidos políticos, intelectuais de esquerda; 
* possibilitou a emergência da bandeira pela reforma urbana; 
* apresentação de emenda popular pela reforma urbana- Assembléia Nacional Constituinte convocada em 1986 para preparar nova constituição; 
* constituição de 1988; 
* política urbana não assumida com política do Estado; 
* ausência projeto estratégico governamental para cidade brasileira envolvendo intervenções no campo da regulação do solo urbano, da habitação, do saneamento ambiental e da mobilidade/transporte público; 
* 1985-2002: Ministério do Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente 
* 1987- 1988: Ministério da Habitação, Urbanismo e Meio Ambiente 
* 1988- 1990: Ministério do Bem Estar Social 
* 1990- 1995: Ministério da Ação Social 
* 1995-1999: Secretaria de Política Urbana do Ministério do Planejamento 
* 1999-2002: Secretaria Especial do Desenvolvimento Urbano ligada a Presidência da República 
* 2003: criação do Ministério das cidades; reconhecimento por parte do governo federal da questão urbana como uma questão nacional a ser enfrentada por macro- políticas públicas. 
* implantação dos Conselhos das Cidades 
* realização das conferências das cidades
8 
* proposição de uma agenda centrada 
* Lei 10.257 de 10/07/2001 
* artigos 182 e 183 que formam capítulo da política urbana, objeto de regulamentação realizada pelo Estatuto da cidade. Garantia de pleno atendimento das funções sociais da cidade. 
Direito de toda população ter acesso ao saneamento, transporte público, e todos os demais benefícios que são disponibilizados pelo poder público. 
 Estatuto de Impacto Ambiental –EIA 
 Relatório de Impacto Ambiental – RIMA 
 Plano Gestão Ambiental- PGA 
 Plano Controle Ambiental- PCA 
 Estudo prévio de Impacto de vizinhança- EIV 
 Estudo de Impacto de Trânsito- RIT 
 Licenciamento Ambiental 
 Avaliação de Impacto Ambiental 
 Certificação Ambiental 
 Termo compromisso Ambiental ( TCA) 
 Criação de espaços protegidos pelo poder municipal, tais como áreas de proteção ambiental e reservas ecológicas 
 Relatório qualidade meio ambiente 
 Carta riso- planejamento do meio físico 
 Implantação do programa de Intervenções Ambientais, poderão ser utilizados os instrumentos previstos no estatuto da cidade, termo compromisso meio ambiental e termo compromisso ajustamento de conduta ambiental. 
2 Orientações 
2.1. Como pensar Educação Ambiental? 
a) consciência de que o ambiente não é a ecologia mas a complexidade do mundo 
b) não existe uma separação entre sociedade e natureza 
c) pensá-lo em sua totalidade 
d) ter mudança de atitude, de valores 
e) ter comportamento ético em relação ao meio ambiente 
f) que nossas ações no meio ambiente devem levar em consideração as reflexões críticas realizadas anteriormente
9 
2.2 Sustentabilidade- ser ético e solidário 
Sustentabilidade é ser ético e solidário. É ter compaixão pela Terra. É estar atento ao grito de socorro que ela nos emite através das catástrofes ambientais (FERRARI, 2011). 
Não seremos sustentáveis enquanto não deixarmos de lado o nosso egoísmo, enquanto cedemos aos apelos do mundo consumista. Enquanto milhares de pessoas morrem de fome e nós muitas vezes colocamos a comida no lixo, ou porque não queremos ou não sabemos como reaproveitá-la, porque temos demais e não nos preocupamos com quem não tem. Enquanto não sairmos do nosso comodismo da nossa inércia um mundo sustentável será difícil. 
A sustentabilidade clama pela união de todos. Na escola, por exemplo, só a equipe diretiva não a promove, necessita do apoio e compromisso de docentes, discentes e cooperadores em geral. O mesmo acontece nas empresas; alta direção e colaboradores todos são importantíssimos para que venha surgir indícios da sustentabilidade. O presidente e os governadores com todos os políticos podem até planejá-la, porém sem a participação conjunta de toda a sociedade não haverá sustentabilidade. Todos nós somos convocados a contribuir. 
Toda vez que um professor que conhece sobre a solidariedade, que sabe da sua responsabilidade em informar e formar um novo cidadão abre mão desse papel, não ensinando todo o conteúdo necessário a formação desse sujeito, não mostrando a ele que a vida não é mole, oferecendo a este a aprovação sem a condição, esse profissional está pecando contra a sustentabilidade. 
Para ser sustentável é necessário querer mudar, querer se superar. E todo educando deve compreender que aprender é uma lição de superação a cada dia. O ato de estudar, não é meramente abrir os livros na sala de aula, ler em meio à conversa paralela. É entender o que leu e aplicar no seu cotidiano quando possível. Ser estudante é trabalhoso. Em casa é dever do discente revisar todo o conteúdo para fixá-lo melhor. Sustentabilidade é difícil de viver, de aplicar. 
A água, esse recurso tão essencial para qualquer tipo de vida cabe um novo texto, uma nova reflexão, porém, não pode ficar de fora. Como acontecerá a sustentabilidade se cada vez mais aumenta a população mundial e água vai se tornando cada vez mais uma preciosidade? 
Vejamos nós brasileiros como exemplos de descaso de descompromisso com este líquido tão importante. O Brasil conta com grandes reservas de água doce. Estão em território brasileiro 70% do Aquífero Guarani, uma das maiores reservas de água doce subterrâneas do mundo. 
Triste é concluir que não há uma política de conscientização a respeito do
10 
uso deste recurso que sabemos é inesgotável sim. É uma ideologia a sustentabilidade num mundo onde não há o recurso mais essencial à vida. No Brasil até há, mas falta o cuidado e sobra o desperdício. 
Quantos de nós que leva à sério um banho de cinco minutos? Escovar os dentes ou lavar a louça com a torneira fechada? Reutilizar a água que se lava verduras, vegetais para molhar plantas, para outras limpezas? Nas casas, quando haverá uma exigência para que haja um reservatório para recolhimento de água da chuva, ou até mesmo do enxágue da máquina de lavar? Água que poderia ser utilizada nas descargas dos banheiros, regar os jardins, limpeza de calçadas e vias públicas. 
Por que apenas prédios grandiosos estão tendo esta oportunidade? Quando essa oportunidade vai chegar até as casas mais simples? A sustentabilidade não acontece sem planejamento de consumo. Com a água, principalmente, é quase impossível. 
Como queremos defender a natureza, se não defendemos muitas vezes o outro, para que tenha direito à alimentação, saúde, moradia e educação? Devemos sim defender o que nos resta da natureza, mas devemos cuidar da sociedade. 
Se pretendermos implantar a sustentabilidade em nosso planeta, precisamos ser primeiramente solidários. Há um descompasso muito grande entre ricos e pobres. Como podemos admitir que apenas 2% de pessoas detenham 50% de toda a riqueza mundial? Que o consumo de um cidadão em alguns países do Norte, chega a ser, em determinados aspectos, vinte vezes maiores ao de um habitante de países do Sul. Como admitir que apenas 20% da humanidade consomem 75% de tudo que é produzido no planeta? Falando em combustíveis fósseis, os Estados Unidos representam no máximo 6% da população mundial e consomem 30% da energia mundial. Como atingir a sustentabilidade? 
Sabemos que: “A educação não muda o mundo. A educação muda as pessoas. As pess 
oas mudam o mundo” (Paulo Freire). Nós estamos carentes de educação para aprendizagem da solidariedade. Necessitamos lembrar que estamos na terra apenas de passagem, então porque juntar tanto? Como superar o germe da ganância? Será que há caminhos que nos leve a sustentabilidade se continuarmos a viver como vivemos? Será que estamos dispostos a reaprender a viver abrindo mão do nosso conforto conquistado? 
Se quisermos viver a sustentabilidade, então que estejamos dispostos a dar o primeiro passo. 
Mudando a nós próprios. Viver na solidariedade, generosidade e esperança para uma nova humanidade
11 
2.3 Educação Ambiental no Brasil 
A modernidade proporcionou ao ser humano um progresso incomparável, nas tecnologias, na saúde, oferecendo uma melhor qualidade de vida. A ciência evoluiu de maneira rápida, principalmente após a Segunda Guerra Mundial, aumentando a longevidade da humanidade (ÁVILA, 2011). 
Paralelo a este fato, o crescimento econômico, principalmente em determinadas regiões do Planeta, fez com que o homem passasse a consumir cada vez mais (Figura 1). 
Figura 1 – Educação Ambiental no Brasil (ÁVILA, 2011). 
As consequências desta nova forma de vida foram sentidas através dos impactos ambientais, afetando todo o planeta Terra. A Educação Ambiental surge então, como a busca por soluções para a crise ambiental pela qual a humanidade passa atualmente, nas relações homem e meio ambiente. 
Na década de 1960 foi fundada a Sociedade de Educação Ambiental na Grã-Bretanha. Educadores deste país acreditavam que os problemas relacionados ao meio ambiente deveriam estar inseridos dentro das escolas. Conferências como a de Estocolmo (1972), Belgrado (1975) e Tiblisi (1977), foram de estrema importância na história da Educação Ambiental mundial. 
Porém, falar em Educação Ambiental no Brasil, tem-se a necessidade de buscar as origens da Educação Ambiental no mundo, assim como as primeiras manifestações das discussões ambientais no país, haja vista que o Brasil está inserido num contexto mundial, sofrendo influências de maneira direta. 
No século XVIII, as questões ambientais, no Brasil, se restringiam a poucos intelectuais. André Rebouças, por exemplo, propôs a criação dos parques nacionais da ilha do Bananal e de Sete Quedas. A própria
12 
constituição Brasileira de 1891, recém promulgada, referia-se ao tema. 
Nesta mesma época, alguns políticos brasileiros, em atitudes demagógicas, passam a propor a criação de unidades de conservação (parques nacionais, estações ecológicas, reservas biológicas, etc.), sem efetivá-las posteriormente, deixando-as apenas no papel. Assim, pelo 
Decreto 8.843 de 1891, criava-se a Reserva Florestal do Acre com 2.8 milhões de hectares, cuja implantação, até hoje, não foi concluída (Dias, 2004). 
Na segunda metade do século XX, preocupado com o seu desenvolvimento econômico, o Brasil, ao contrário de muitos países, se posiciona contra a qualquer tipo de entrave que venha impedir o seu crescimento econômico. Na Conferência de Estocolmo, na Suécia, por exemplo, o governo brasileiro deixa claro uma total despreocupação com as questões ambientais, focando só no desenvolvimento do país. 
As conseqüências da Conferência de Estocolmo chegariam ao Brasil pelas pressões do Banco Mundial e das instituições ambientalistas, que já atuavam no país. Em 1973, é criada, no âmbito do Ministério do Interior, a Secretaria Especial do Meio Ambiente – SEMA -, primeiro órgão brasileiro de ação nacional, voltado para as questões ambientais. 
No âmbito dos setores competentes da Educação no Brasil, não se vislumbrava, até então, a mais remota possibilidade de apoio à Educação Ambiental, quer pelo desinteresse que o tema despertava, entre os políticos, ou pela ausência de uma política educacional definida. Cientes dessa situação, e sabendo da necessidade de se discutir a perda da qualidade ambiental no país, os órgãos estaduais brasileiros de meio ambiente tomaram a iniciativa de promover a Educação Ambiental no país. Começam a surgir parcerias entre as instituições de meio ambiente e as Secretarias de Educação estaduais. 
Nesta época, a visão “ecologista” predominava, onde as questões ambientais estavam intimamente ligadas somente à flora, fauna e á apologia do “verde pelo verde” (Dias, 2004). 
Com o passar do tempo, a idéia de meio ambiente evoluiu no Brasil, alcançando as esferas do econômico, social e ambiental. 
No que se refere às leis, a Constituição Brasileira de 1988, no parágrafo VI, do artigo 225, falava da necessidade de “promover a educação ambiental em todos os níveis de ensino e a conscientização pública para a preservação do meio ambiente”. 
A Lei nº 9.795 de 27 de abril de 1999 institui a Política Nacional de Educação Ambiental – PNEA. No artigo 4º, do Capítulo I, são descritos os princípios básicos da Educação Ambiental, e entre outras coisas afirma “a concepção do meio ambiente em sua totalidade, considerando a
13 
interdependência entre o meio natural, o sócio-econômico e o cultural, sob o enfoque da sustentabilidade”. Fica clara, a intenção de inserir a Educação Ambiental em todos os setores da sociedade. 
Em dezembro de 1994, em função da Constituição Federal de 1988 e dos compromissos internacionais assumidos com a Conferência do Rio, foi criado, pela Presidência da República, o Programa Nacional de Educação Ambiental (PRONEA), compartilhado pelo então Ministério do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal e pelo Ministério da Educação e do Desporto, com as parcerias do Ministério da Cultura e do Ministério da Ciência e Tecnologia. O PRONEA foi executado pela Coordenação de Educação Ambiental do MEC e pelos setores correspondentes do MMA/IBAMA, responsáveis pelas ações voltadas respectivamente ao sistema de ensino e à gestão ambiental, embora também tenha envolvido em sua execução outras entidades públicas e privadas do país. O PRONEA previu três componentes: (a) capacitação de gestores e educadores, (b) desenvolvimento de ações educativas, e (c) desenvolvimento de instrumentos e metodologias, contemplando sete linhas de ação: 
• Educação ambiental por meio do ensino formal. 
• Educação no processo de gestão ambiental. 
• Campanhas de educação ambiental para usuários de recursos naturais. 
• Cooperação com meios de comunicação e comunicadores sociais. 
• Articulação e integração comunitária. 
• Articulação intra e interinstitucional. 
• Rede de centros especializados em educação ambiental em todos os estados. 
Muito se tem discutido, no Brasil se a Educação Ambiental deverá ser aplicada num ambiente formal ou informal. A educação formal é aquela que se realiza através de instituições de ensino por meio de seus cursos. As escolas têm o papel de criar projetos de Educação Ambiental, no sentido de fazer com que essas questões sejam incorporadas de forma a ser tratada como um tema de contínuo aprendizado, e não apenas lembrada em eventos esporádicos. A Educação Ambiental não formal se caracterizam por ações práticas educativas voltadas à sensibilização da coletividade sobre as questões ambientais e a sua organização e participação na defesa da qualidade do meio ambiente. È realizada fora da escola. Sua difusão é feita através dos meios de comunicação de massa, em espaços nobres, de programas e campanhas educativas, e de informações acerca de temas relacionados ao meio ambiente. 
Na realidade, ambos os tipos de educação se completam. Elas produzem conhecimento, propondo alternativas que possibilitam a construção de uma sociedade democrática, justa e ecologicamente sustentável.
14 
3. Oficinas 
3.1. Educar brincando: montar simuladores de coberturas de solo 
Material: 
 Três galões de água mineral; 
 Um tapete de grama (50 x 50); 
 Terra com textura média a argilosa (aproximadamente 30 kg); 
 Vegetação ou folhas secas, casca de árvore ou palhada (4kg); 
 Três garrafas pet com tampa; 
 Barbante; 
 Três regadores. 
Modo de fazer: 
Corte os galões no sentido longitudinal, deixando uma abertura para colocar as matérias dentro. Após o corte, colocar a terra nos três galões, no primeiro colocar o tapete de grama, no segundo colocar vegetas folhas secas/casca de árvore/palhada e no terceiro só a terra (Figura 2). 
Figura 2 – preencher os galões com os materiais sugeridos. 
Cortar as bocas das garrafas pet deixando a tampa fechada (Figura 3).
15 
Figura 3 – Cortar a garrafa pet deixando a parte de cima. 
Fazer um furo para colocar o barbante e pendurar na boca do galão (Figura 4). 
Figura 4 – Pendurar a boca da garrafa no galão, para coletar a água escorrida. 
Regar ou molhar cada um para observar o resultado e a cor da água que cai na boca da garrafa (Figura 5). 
Figura 5 – Simuladores de diferentes coberturas de solo prontos.
16 
Atividades a serem trabalhadas com este tema: no primeiro galão, como o solo está coberto, a água que escorre é limpa, ou seja, a água não leva o solo. No segundo galão, apesar de estar coberta, a água ainda consegue levar um pouco do solo para o rio. Já o terceiro galão, que não possui coberta nenhuma, a água poderá carregar um quantidade considerável de solo, sujando o rio que receberá esta água. 
3.2. Simulador de erosão 
Material: 
 Duas bacias de plástico (transparente ou opacas), de forma retangular, cujo tamanho aproximado deve ser de 20x30 cm; 
 Quatro mangueiras/tubinhos com10 cm de comprimento e 1 cm de diâmetro; 
 Brita ou cacas de tamanho reduzido (4kg); 
 Dois suportes/apoios. O suporte deve ter o comprimento igual ao da largura da bacia (20 cm) e altura máxima de 2.5 cm. (por exemplo pode ser ripa de madeira, cano fino de PVC, colmo de bambu etc.); 
 Terra com textura média a argilosa (aproximadamente 20 kg); 
 Vegetação verde picada ou palhada. As dimensões do material, após estar picado, não deve ultrapassar 3 a 4 cm. ( 2 kg); 
 Um regador de plantas; 
 Uma tesoura grande; 
 Quatro garrafas pet; 
 Placas indicativas sobre o processo demonstrado pelo simulador: uma com o texto “solo protegido” - com cobertura; outra com o dizer “solo desprotegido” – sem cobertura. 
Modo de fazer: 
Separe duas bacias transparentes e com uma caneta faça 4 furos de 1 cm nelas (Figura 6), sendo o primeiro feito a 2 cm da borda superior, e o outro feito a 2cm do fundo. Depois corte os furos com uma furadeira ou tesoura.
17 
Figura 6 – bacias plásticas com os furos desenhados. 
Separe as mangueiras de 10 cm, como apresentado na Figura 7, para colocar nos furos feitos nas bacias. 
Figura 7 – Mangueiras de 10 cm de comprimento, separadas para serem colocadas nas bacias. 
Separe 4 kg de brita de tamanho reduzido (Figura 8), que será colocada no fundo da bacia de plástico. 
Figura 8 – Brita de tamanho reduzido.
18 
Corte quatro garrafas pet (Figura 9) utilizando o fundo para coletar a água que cairá de cada furo feito nas bacias. 
Figura 9 – Garrafas pet que serão utilizadas como coletores. 
Após feitos os furos, instalar os coletores, colocar a brita no fundo e cobrir com terra. No primeiro simulador, colocar a vegetação picada e a placa “solo protegido” e no segundo deixar só a terra, e colocar a placa “solo desprotegido”. Depois de montar tudo, verificar o suporte, que deve ter o comprimento igual ao da largura da bacia (20 cm) e altura máxima de 2.5 cm. (por exemplo pode ser ripa de madeira, cano fino de PVC, colmo de bambu). 
No furo feito próximo à borda superior colocar o coletor de água e escrever uma placa ‘água que escorre’ e no outro ‘água que infiltra’ (Figura 10).
19 
Figura 10 – Simulador de erosão (Capeche, 2009). 
Após a montagem, molhar com um regador e observar a cor da água que infiltra e a água que escorre. 
Atividades a serem trabalhadas com este tema: na primeira bacia, como o solo está coberto, a água que escorre é mais limpa do que a água que infiltra, mostrando que pouco solo é carregado. Apresentar que esta é a forma correta de proteger o solo, cobrindo com vegetação. Na segunda bacia, que não possui cobertura nenhuma, a água poderá carregar um quantidade considerável de solo, sujando o rio que receberá esta água. 
3.3. Horta sustentável: construção com garrafas pet 
Material necessário: 
 20 ripas de madeira com largura de 10 cm e cumprimento variado; 
 Garrafas pet; 
 Sementes de alface e outras folhosas; 
 Fitas gotejadoras; 
 Terra para preencher as garrafas; 
 Pregos e martelo. 
Modo de fazer: 
Corte as garrafas pet para colocar a terra e a semente (Figura 11).
20 
Figura 11 – Garrafa com terra e semente. 
Monte a estrutura com a madeira, as fitas gotejadoras e prenda as garrafas com o auxílio de prego e martelo, conforme a Figura 12, apresentando a horta sustentável. 
Figura 12 – horta sustentável. 
Outros exemplos de vasos sustentáveis podem ser vistos na Figura 13.
21 
Figura 13 – outros exemplos de vasos sustentáveis. 
Outros exemplos de jardim ou horta sustentável, feitas com garrafas pet podem ser vistas nas Figuras 14, 15 e 16. 
Figura 14a – vaso criativo. 
Figura 14b – vaso pendurado.
22 
Na Figura 14a o vaso sustentável foi feito com garrafa pet e utilizando a tampa para virar o nariz. Os olhos podem ser feitos com papel e botão. A Figura 14b apresenta um vaso suspenso, o qual foi furado, e preso que pode ser utilizado com uma floreira. A Figura 15 apresenta vários vasos presos em uma estrutura de madeira, as garrafas foram pintadas de várias cores e semeadas diversas plantinhas. 
Figura 15 – Vasos coloridos. 
Na Figura 16 pode ser observado que foi utilizado um varal de ferro, aqueles de chão, o qual foi pendurado os vasos de garrafa pet. Estes vasos foram revestidos com papel adesivo e plantados vários pés de cactos. Pode ser pendurado em qualquer parede.
23 
Figura 16 – Cactos plantados em vasos de garrafa pet e pendurados em varal. 
4. Caça palavras divertido 
No quadro abaixo, podem ser encontradas várias palavras apresentadas no manual. Vamos encontrar? 
Dicas: 
1) Somos parte do ____ ________; 
2) O meio ambiente leva em consideração os elementos da ________ como fauna, flora, ar, água e seres humanos; 
3) O homem deve ter a __________ de que ele faz parte do meio ambiente; 
4) É a contaminação de corpos de água por elementos que podem ser nocivos ou prejudiciais aos organismos e plantas _______ __ _______; 
5) Sustentabilidade é ser ______ e _________. É ter compaixão pela Terra; 
6) É um dos objetivos deste manual: - auxiliar na formação de novo _______ ambiental, no intuito de exercer o que aprendeu; 
7) Se a _______ ambiental for encarada com grande responsabilidade social e educacional, deve contar com ferramenta para: promover o desenvolvimento _________; 
8) A sustentabilidade necessita da _____ de todos. Na escola, por exemplo, só a equipe diretiva não a promove; 
9) A educação ambiental é conscientizar de que o ambiente não é a
24 
_______ mas a complexidade do mundo; que nossas _____ no meio ambiente devem levar em consideração as reflexões críticas realizadas anteriormente; não existe uma separação entre _________ e natureza. 
M 
A 
I 
O 
T 
T 
U 
X 
A 
O 
U 
E 
W 
O 
A 
I 
Z 
V 
A 
L 
E 
D 
A 
X 
Z 
E 
T 
A 
O 
A 
X 
X 
E 
F 
W 
F 
A 
A 
A 
I 
A 
J 
K 
A 
X 
Ç 
P 
A 
V 
S 
V 
A 
X 
V 
X 
W 
S 
I 
K 
O 
P 
O 
J 
Z 
Õ 
V 
Z 
B 
O 
B 
J 
V 
W 
V 
C 
F 
L 
N 
N 
A 
T 
U 
R 
E 
Z 
A 
G 
L 
G 
Q 
B 
Q 
B 
O 
G 
A 
M 
N 
I 
M 
M 
I 
S 
L 
Z 
H 
I 
H 
Q 
G 
E 
G 
N 
H 
S 
L 
Y 
F 
O 
B 
L 
O 
C 
X 
A 
D 
P 
W 
A 
D 
E 
S 
S 
F 
G 
P 
O 
L 
U 
I 
Ç 
à 
O 
D 
A 
Á 
G 
U 
A 
L 
C 
U 
G 
H 
U 
K 
Y 
N 
X 
E 
B 
B 
T 
R 
R 
E 
E 
D 
I 
I 
S 
H 
J 
Y 
L 
U 
I 
A 
E 
N 
A 
E 
I 
A 
G 
A 
E 
O 
Ê 
T 
E 
R 
T 
M 
I 
à 
J 
A 
P 
T 
C 
O 
E 
F 
J 
I 
X 
N 
E 
D 
U 
C 
A 
D 
O 
R 
A 
R 
F 
É 
T 
I 
C 
O 
C 
V 
C 
N 
A 
A 
I 
P 
Y 
C 
A 
E 
A 
X 
P 
I 
L 
P 
Y 
O 
B 
I 
T 
B 
E 
A 
R 
V 
C 
L 
E 
A 
X 
P 
J 
K 
E 
Y 
S 
G 
A 
Á 
J 
F 
F 
I 
E 
D 
U 
C 
A 
Ç 
à 
O 
H 
A 
O 
R 
T 
A 
V 
L 
L 
A 
G 
L 
E 
A 
X 
P 
J 
I 
K 
P 
J 
E 
A 
X 
P 
E 
A 
X 
P 
E 
A 
X 
P 
H 
E 
C 
O 
L 
O 
G 
I 
A 
C 
T 
L 
S 
E 
T 
T 
P 
A 
O 
L 
T 
I 
K 
E 
G 
A 
E 
A 
C 
P 
5. Considerações finais 
Observa-se a necessidade de construir novos valores, que realmente formem um sujeito ecológico, que tenham estímulo positivo de respeito ao meio ambiente, que seja um difusor crítico e responsável das informações e das atitudes necessárias ao bem estar das gerações presentes e futuras 
Se a educação ambiental for encarada com grande responsabilidade social e educacional, deve contar com ferramenta para: promover o desenvolvimento sustentável; consolidar as melhorias de qualidade de vida; embasar o exercício pleno da cidadania; endossar, encorajar e fortalecer os anseios otimistas da juventude por um mundo melhor; revitalizar as esperanças populares de maior inserção social, ou seja, a responsabilidade é ainda maior.
25 
6. Referências 
ÁVILA, E. S. A Educação Ambiental no Brasil. 19-09-11. Disponível em: http://www.cenedcursos.com.br/a-educacao-ambiental-no-brasil.html. Acesso em 9-06-14. 
BRASIL, MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Educação profissional. Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Profissional de Nível Técnico. Área profissional: meio ambiente. Brasília, DF. 45p. 2000. 
BRASIL, Lei Federal nº 6.938 de 31 de Agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. 
BRASIL, Lei nº 9.795 de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. 
BRASIL, Lei 10.257 de 10 de julho de 2001. Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. 
CAPECHE, C. L. Confecção de um simulador de erosão portátil para fins de educação Ambiental. Documentos 116. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2009. 31p. 
DIAS, Genebaldo Freire. Educação Ambiental. Princípios e Prática. 9. Ed. – São Paulo: Gaia, 2004. 
FERRARI, N. A. D. Sustentabilidade é ser ético e solidário. 28-07-11. Disponível em: http://www.cenedcursos.com.br/sustentabilidade-e-ser- etico-e-solidario.html. Acesso em: 9-06-14. 
FRIAÇA, A. O Planeta chega ao seu limite. 2014. Disponível em: http://www.agroecologia.org.br/index.php/publicacoes/outras- publicacoes/outras-publicacoes/o-planeta-chega-ao-seu-limite/download. Acesso em: 7-06-14. 
MELLO, R. E. Poluição luminosa. 2014. Disponível em: http://www.forumdaconstrucao.com.br/conteudo.php?a=3&Cod=1203. Acesso em: 7-06-14. 
MELO, Noerci da Silva. Os limites imanentes ao conceito de meio ambiente como bem de uso comum do povo. Caxias do Sul: Universidade de Caxias do Sul. 2007 (Dissertação de Mestrado). 
SANTOS, J. W. Crise ambiental. 2014. Disponível em: http://www.ebah.com.br/content/ABAAAfE9oAA/a-crise-ambiental. Acesso em 7-06-14. 
EUROPA SUSTENTÁVEL. 2011. Disponível em: http://craquescraques.blogspot.com.br/2011/03/tipos-de-poluicao.html. Acesso em: 7-06-14.
26 
7. Anexo - respostas do caça palavras 
M 
A 
I 
O 
T 
T 
U 
X 
A 
O 
U 
E 
W 
O 
A 
I 
Z 
V 
A 
E 
A 
I 
Ç 
S 
O 
Õ 
O 
C 
N A T U R E Z A 
L 
O 
M 
S 
I 
E 
N 
B 
D 
D 
S 
S 
P O L U I Ç Ã O D A Á G U A 
C 
U 
N 
E 
R 
D 
I 
S 
I 
N 
I 
E 
Ê 
T 
à 
T 
O 
I 
N E D U C A D O R 
É T I C O 
C 
C 
N 
O 
I 
T 
S 
A 
Á 
E D U C A Ç Ã O 
V 
E 
E C O L O G I A 
L 
Respostas: Horizontal: natureza, poluição da água, ético, educação, educador e ecologia; 
Vertical (cima para baixo): ações, união, sustentável, solidário e consciência; 
Vertical (baixo para cima): sociedade; 
Cruzando: meio ambiente.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Intervenção do homem
Intervenção do homemIntervenção do homem
Intervenção do homem
margaridabt
 
Protecção e conservação da natureza (1)
Protecção e conservação da natureza (1)Protecção e conservação da natureza (1)
Protecção e conservação da natureza (1)
asgeoprofessoras
 
1195510881 recursos nao_renovaveis
1195510881 recursos nao_renovaveis1195510881 recursos nao_renovaveis
1195510881 recursos nao_renovaveis
Pelo Siro
 
Protecção e conservação do ambiente
Protecção e conservação do ambiente Protecção e conservação do ambiente
Protecção e conservação do ambiente
andreaires
 
A paisagem natural brsaileira e a questão ambiental
A paisagem natural brsaileira e a questão ambientalA paisagem natural brsaileira e a questão ambiental
A paisagem natural brsaileira e a questão ambiental
Ricardo Alex de Sousa
 
Desmatamento Degradacao Solo
Desmatamento Degradacao SoloDesmatamento Degradacao Solo
Desmatamento Degradacao Solo
Douglas Baptista
 
Intervenção do homem nos subsistemas terrestres
Intervenção do homem nos subsistemas terrestresIntervenção do homem nos subsistemas terrestres
Intervenção do homem nos subsistemas terrestres
margaridabt
 
A poluicao e degradacao do solo
A poluicao e degradacao do soloA poluicao e degradacao do solo
A poluicao e degradacao do solo
escolajoseaniceto
 
Apres. carvalhais turismo
Apres. carvalhais turismoApres. carvalhais turismo
Apres. carvalhais turismo
esev6882
 

Mais procurados (19)

Intervenção do homem
Intervenção do homemIntervenção do homem
Intervenção do homem
 
Protecção e conservação da natureza (1)
Protecção e conservação da natureza (1)Protecção e conservação da natureza (1)
Protecção e conservação da natureza (1)
 
AGROECOLOGIA
AGROECOLOGIAAGROECOLOGIA
AGROECOLOGIA
 
1195510881 recursos nao_renovaveis
1195510881 recursos nao_renovaveis1195510881 recursos nao_renovaveis
1195510881 recursos nao_renovaveis
 
IECJ - Cap. 4 - A paisagem natural brasileira e a questão ambiental
IECJ - Cap.   4 - A paisagem natural brasileira e a questão ambientalIECJ - Cap.   4 - A paisagem natural brasileira e a questão ambiental
IECJ - Cap. 4 - A paisagem natural brasileira e a questão ambiental
 
Protecção e conservação do ambiente
Protecção e conservação do ambiente Protecção e conservação do ambiente
Protecção e conservação do ambiente
 
A paisagem natural brsaileira e a questão ambiental
A paisagem natural brsaileira e a questão ambientalA paisagem natural brsaileira e a questão ambiental
A paisagem natural brsaileira e a questão ambiental
 
Temas para os trabalhos de grupo de CN
Temas para os trabalhos de grupo de CNTemas para os trabalhos de grupo de CN
Temas para os trabalhos de grupo de CN
 
Teoria e Prática em Recuperação de Áreas Degradadas: Plantando a semente de u...
Teoria e Prática em Recuperação de Áreas Degradadas: Plantando a semente de u...Teoria e Prática em Recuperação de Áreas Degradadas: Plantando a semente de u...
Teoria e Prática em Recuperação de Áreas Degradadas: Plantando a semente de u...
 
Desmatamento Degradacao Solo
Desmatamento Degradacao SoloDesmatamento Degradacao Solo
Desmatamento Degradacao Solo
 
Intervenção do homem nos subsistemas terrestres
Intervenção do homem nos subsistemas terrestresIntervenção do homem nos subsistemas terrestres
Intervenção do homem nos subsistemas terrestres
 
Recursos Naturais
Recursos NaturaisRecursos Naturais
Recursos Naturais
 
Intervenção resumo
Intervenção   resumoIntervenção   resumo
Intervenção resumo
 
A poluicao e degradacao do solo
A poluicao e degradacao do soloA poluicao e degradacao do solo
A poluicao e degradacao do solo
 
Recursos naturais e a ação humana
Recursos naturais e a ação humanaRecursos naturais e a ação humana
Recursos naturais e a ação humana
 
Apres. carvalhais turismo
Apres. carvalhais turismoApres. carvalhais turismo
Apres. carvalhais turismo
 
Protecção e conservação da natureza
Protecção e conservação da naturezaProtecção e conservação da natureza
Protecção e conservação da natureza
 
Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Unidade I
Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Unidade IGestão Ambiental e Responsabilidade Social Unidade I
Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Unidade I
 
Apostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadasApostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadas
 

Semelhante a Manual de educação ambiental vol 1

3. desenvolvimento sustentável lei 6938
3. desenvolvimento sustentável lei 69383. desenvolvimento sustentável lei 6938
3. desenvolvimento sustentável lei 6938
Virna Salgado Barra
 
Resenha Recursos Naturais e o Homem
Resenha Recursos Naturais e o HomemResenha Recursos Naturais e o Homem
Resenha Recursos Naturais e o Homem
Darlleson Oliveira
 
111115103834 7b meio_ambiente_henry
111115103834 7b meio_ambiente_henry111115103834 7b meio_ambiente_henry
111115103834 7b meio_ambiente_henry
cidadaoalerta
 
Intervhumansubsistemasterrestres(2003)
Intervhumansubsistemasterrestres(2003)Intervhumansubsistemasterrestres(2003)
Intervhumansubsistemasterrestres(2003)
Ana Reis
 
Intervhumansubsistemasterrestres(2003)
Intervhumansubsistemasterrestres(2003)Intervhumansubsistemasterrestres(2003)
Intervhumansubsistemasterrestres(2003)
Ana Reis
 
O desenvolvimento e os recursos ambientais
O desenvolvimento e os recursos ambientaisO desenvolvimento e os recursos ambientais
O desenvolvimento e os recursos ambientais
jovensnaeconomia
 
slides de apoio - natureza e sociedade - TODOS OS SLIDES.ppt
slides de apoio -  natureza e sociedade - TODOS OS SLIDES.pptslides de apoio -  natureza e sociedade - TODOS OS SLIDES.ppt
slides de apoio - natureza e sociedade - TODOS OS SLIDES.ppt
ClaudiaSiano
 

Semelhante a Manual de educação ambiental vol 1 (20)

Aula 2 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem..pptx
Aula 2 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem..pptxAula 2 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem..pptx
Aula 2 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem..pptx
 
3. desenvolvimento sustentável lei 6938
3. desenvolvimento sustentável lei 69383. desenvolvimento sustentável lei 6938
3. desenvolvimento sustentável lei 6938
 
Resenha Recursos Naturais e o Homem
Resenha Recursos Naturais e o HomemResenha Recursos Naturais e o Homem
Resenha Recursos Naturais e o Homem
 
Saúde Ambiental.pptx
Saúde Ambiental.pptxSaúde Ambiental.pptx
Saúde Ambiental.pptx
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
Introdução aula 5
Introdução   aula 5Introdução   aula 5
Introdução aula 5
 
111115103834 7b meio_ambiente_henry
111115103834 7b meio_ambiente_henry111115103834 7b meio_ambiente_henry
111115103834 7b meio_ambiente_henry
 
Intervhumansubsistemasterrestres(2003)
Intervhumansubsistemasterrestres(2003)Intervhumansubsistemasterrestres(2003)
Intervhumansubsistemasterrestres(2003)
 
Intervhumansubsistemasterrestres(2003)
Intervhumansubsistemasterrestres(2003)Intervhumansubsistemasterrestres(2003)
Intervhumansubsistemasterrestres(2003)
 
Atualidades p bnb aula 06
Atualidades p bnb   aula 06Atualidades p bnb   aula 06
Atualidades p bnb aula 06
 
Apresentação1 poams
Apresentação1 poamsApresentação1 poams
Apresentação1 poams
 
POAMS (Apresentação)
POAMS (Apresentação)POAMS (Apresentação)
POAMS (Apresentação)
 
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL MEIO AMBIENTE
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL MEIO AMBIENTETRABALHO COLABORATIVO AUTORAL MEIO AMBIENTE
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL MEIO AMBIENTE
 
O desenvolvimento e os recursos ambientais
O desenvolvimento e os recursos ambientaisO desenvolvimento e os recursos ambientais
O desenvolvimento e os recursos ambientais
 
Impacto da ação humana no meio ambiente
Impacto da ação humana no meio ambienteImpacto da ação humana no meio ambiente
Impacto da ação humana no meio ambiente
 
EDUCAÇÃO AMBIENTAL.pptx
EDUCAÇÃO AMBIENTAL.pptxEDUCAÇÃO AMBIENTAL.pptx
EDUCAÇÃO AMBIENTAL.pptx
 
Impactos humanos na geosfera
Impactos humanos na geosferaImpactos humanos na geosfera
Impactos humanos na geosfera
 
Desequilíbrios ambientais
Desequilíbrios ambientaisDesequilíbrios ambientais
Desequilíbrios ambientais
 
Sustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambientalSustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambiental
 
slides de apoio - natureza e sociedade - TODOS OS SLIDES.ppt
slides de apoio -  natureza e sociedade - TODOS OS SLIDES.pptslides de apoio -  natureza e sociedade - TODOS OS SLIDES.ppt
slides de apoio - natureza e sociedade - TODOS OS SLIDES.ppt
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
LuanaAlves940822
 

Último (20)

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 

Manual de educação ambiental vol 1

  • 1. 1 Itana Nunes Cunha Ananda Helena Nunes Cunha TEMAS E DISCUSSÕES PARA INTRODUÇÃO DO MEIO AMBIENTE EM ESCOLAS VOLUME 1 - EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONCEITOS GERAIS Anápolis – GO 2014
  • 2. 2 Educação Ambiental – conceitos gerais Apresentação: O projeto de Educação Ambiental tem como proposta formar o sujeito ecológico, buscando respeitar e preservar o meio ambiente; colocar o homem como sujeito, aquele que deve e pode agir no meio em que vive. O homem é parte desse meio, e, portanto aquele que deve interagir positivamente em relação a sua, também parte, no meio ambiente. Nessa intenção, alguns estudos mostram que o homem é capaz de zelar pelo meio em que vive, pois além de fazer parte dele, o mesmo necessita de seus recursos. Apresentar as considerações teóricas e metodológicas sobre educação ambiental, para aprendizagem significativa dos interessados é o objetivo maior deste manual, que o volume 1 do total de 4 volumes. A relevância maior se faz pela conscientização por parte, inicialmente da professora e dos demais envolvidos e posteriormente de todos os que tiverem contato com as reflexões do trabalho aqui desenvolvido, quanto à necessidade de mudança na postura de cidadãos conscientes.
  • 3. 3 Sumário 1. Crise ambiental: o Planeta no limite......................................................................4 1.1. O que é meio ambiente.......................................................................................4 1.2. Poluição ambiental...............................................................................................4 1.3. Limite planetário - Biodiversidade.................................................................4 1.4. Limite planetário – População...........................................................................5 1.5. Limite planetário – Recursos e serviços naturais.......................................5 1.6. Lei Federal nº 6.938 de 31 de Agosto de 1981...........................................5 1.7. Política urbana no Brasil....................................................................................7 2. Orientações...............................................................................................................8 2.1. Como pensar Educação Ambiental...................................................................8 2.2. Sustentabilidade – ser ético e solidário........................................................9 2.3. Educação Ambiental no Brasil.........................................................................11 3. Oficinas......................................................................................................................14 3.1. Educar brincando...............................................................................................14 3.2. Simulador de erosão.........................................................................................16 3.3. Horta sustentável..............................................................................................19 4. Caça palavras divertido.........................................................................................23 5. Considerações finais..............................................................................................24 6. Referências.............................................................................................................25 7. Anexo........................................................................................................................26
  • 4. 4 1. Crise ambiental: o Planeta no limite 1.1. O que é meio ambiente Conforme os Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Profissional de Nível Técnico (BRASIL, 2000), documento elaborado pela Secretaria de Educação Média e Tecnológica, o meio ambiente pode ser definido como tudo aquilo que nos cerca, levando-se em consideração os elementos da natureza como a fauna, a flora, o ar, a água, bem como os seres humanos. Para Melo (2007), os vocábulos ‘meio ambiente’ nos informam acerca de algo periférico, ou o que está ao redor, em torno de um centro. Para ela, o meio ambiente é formado por terra, luz, água, pelo ser humano, etc. Entende-se assim, que uma nova concepção de meio ambiente deve ser considerado como elemento externo à natureza; ele é um dos componentes do meio ambiente. O centro é, ou deve ser a vida, por isso a idéia defendida pelo autor de que nosso entendimento de natureza deve se pautar uma visão biocêntrica (vida no centro). 1.2. Poluição Ambiental A tendência natural de qualquer sistema, como um todo, é de aumento de s;ua entropia (grau de desordem). Do equilíbrio entre os três elementos (população, recursos naturais, poluição) dependerá do nível de qualidade de vida do meio (SANTOS, 2014). 1.3. Limite planetário- Biodiversidade - Até 2030, mais de 70% da diversidade biológica (de onde vêm novos medicamentos, novos alimentos, novos materiais para substituir os que se esgotam) poderão ter sido perdidos (FRIAÇA, 2014). - Continua-se a perder 150 mil quilômetros quadrados por ano de florestas tropicais, o maior repositório da biodiversidade. - As perdas da biodiversidade (mudanças no uso do solo) contribuem com 30% no aumento de emissões de CO2. - Segundo estudo do IPEA/IPAM, o fogo consome até 9,3% do PIB da região
  • 5. 5 amazônica (pastagens e cercas destruídas, madeira desperdiçada, intensificação de doenças, etc.). 1.4. Limite planetário- População - Em menos de 200 anos (1830-2001), a população mundial multiplicou-se por 6 e chegou a 6,1 bilhões. Até 2050 serão pelo menos 8,5 bilhões. - Hoje, mais de 800 milhões de pessoas sofrem com fome todos os dias, entre elas, 300 milhões de crianças morrem, por isso, 24 mil pessoas/dia. - Cerca de 1,3 bilhão de pessoas vivem com menos de 1 dólar por dia. Quase 3 bilhões com menos de 2 dólares (R$ 6/dia ou R$ 180/mês). 1.5. Limite planetário- Recursos e Serviços Naturais - Já são utilizados 13,7 bilhões de hectares para suprir as necessidades de carnes, grãos e derivados, pescado, água e energia. A disponibilidade efetiva é de 11,4 bilhões de hectares, ou 1,9 hectares por pessoa (contra uso efetivo de 2,3 hectares por pessoa). Sendo que 47% da área terrestre já estão ocupados e na agricultura, 28%. - A utilização varia por regiões e países: 9,6 hectares/pessoa nos E.U. A, 5 hectares/pessoa na Europa, 1,4 hectare/ pessoa na Ásia e África. No Brasil, 2,38 hectares/pessoa. - Se o padrão de utilização/consumo dos países industrializados fosse estendido a todos os habitantes da Terra, seriam necessários mais dois planetas. 1.6 Lei Federal nº 6.938 de 31 de Agosto de 1981 Artigo 3º Para fins previstos nesta lei, entende-se por: III- poluição: a degradação da qualidade ambiental resultante de atividades que direta ou indiretamente: a) prejudiquem a saúde, a segurança e o bem-estar da população; b) criem condições adversas as atividades sociais e econômicas; c) afetem as condições estéticas ou sanitárias do meio ambiente d) afetem a desfavoravelmente a biota e) lancem materiais ou energia em desacordo com os padrões ambientais estabelecidos. Tipos de poluições:
  • 6. 6  poluição atmosférica  poluição hídrica ou poluição de água  poluição do solo  poluição sonora  poluição térmica  poluição luminosa  poluição visual - poluição atmosférica: refere-se às alterações da atmosfera susceptíveis de causar impacto a nível ambiental ou de saúde humana, através da contaminação por gases, partículas sólidas, líquidos em suspensão, material biológico ou energia. - poluição da água: é a contaminação de corpos de água por elementos que podem ser nocivos ou prejudiciais aos organismos e plantas, assim como a atividade humana. - poluição do solo: afeta particularmente a camada superficial da crosta terrestre, causando malefícios diretos ou indiretos à vida humana, à natureza e ao meio ambiente em geral (Figura 5). - poluição sonora: é provocado pela difusão do som num tom demasiado alto, sendo o mesmo muito acima do tolerável pelos organismos vivos, no meio ambiente. - poluição térmica: consiste no aquecimento das águas naturais pela introdução da água quente utilizada na refrigeração de centrais elétricas, usinas nucleares, refinarias, siderúrgicas e indústrias diversas. - poluição luminosa: ocasionada pela luz excessiva ou obstrusiva criada por humanos. Essa poluição interfere nos ecossistemas, causa efeitos negativos à saúde, ilumina a atmosfera das cidades, reduzindo a visibilidade das estrelas e interfere na observação astronômica. - poluição visual: excesso de elementos ligados à comunicação visual (como cartazes, anúncios, propagandas, banners, totens, placas, etc.) dispostos em ambientes urbanos, especialmente em centros comerciais e serviços.
  • 7. 7 1.7 Política Urbana no Brasil -Precedentes * crise de 1929- atingiu a produção cafeeira no Brasil- migração da população para cidade; * marcha para oeste- Getúlio Vargas; * aumento da população urbana- surgimento de problemas urbanos (exclusão, periferias, regiões do além da cidade, privação de cidadania); * elaboração plano diretor no Brasil data de 1930 Plano Agache para o Rio de Janeiro, voltado para o embelezamento da cidade; * urbanismo modernista, corbusiano- alimentador do planejamento urbano convencional, busca da racionalidade e da ordem, adequando-se às exigências do capitalismo; * 1950- intensificação do processo e industrialização, mudanças padrão de urbanização brasileira, em um processo que combina migração do campo para cidade, metropolização, crescimento da classe média e assalariamento da mão de obra; * anos 70- abertura política: emergência dos movimentos sociais (associação de moradores); * anos 80- interação com organizações da sociedade (IAB), (OAB), (AGB) e outras, sindicatos, partidos políticos, intelectuais de esquerda; * possibilitou a emergência da bandeira pela reforma urbana; * apresentação de emenda popular pela reforma urbana- Assembléia Nacional Constituinte convocada em 1986 para preparar nova constituição; * constituição de 1988; * política urbana não assumida com política do Estado; * ausência projeto estratégico governamental para cidade brasileira envolvendo intervenções no campo da regulação do solo urbano, da habitação, do saneamento ambiental e da mobilidade/transporte público; * 1985-2002: Ministério do Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente * 1987- 1988: Ministério da Habitação, Urbanismo e Meio Ambiente * 1988- 1990: Ministério do Bem Estar Social * 1990- 1995: Ministério da Ação Social * 1995-1999: Secretaria de Política Urbana do Ministério do Planejamento * 1999-2002: Secretaria Especial do Desenvolvimento Urbano ligada a Presidência da República * 2003: criação do Ministério das cidades; reconhecimento por parte do governo federal da questão urbana como uma questão nacional a ser enfrentada por macro- políticas públicas. * implantação dos Conselhos das Cidades * realização das conferências das cidades
  • 8. 8 * proposição de uma agenda centrada * Lei 10.257 de 10/07/2001 * artigos 182 e 183 que formam capítulo da política urbana, objeto de regulamentação realizada pelo Estatuto da cidade. Garantia de pleno atendimento das funções sociais da cidade. Direito de toda população ter acesso ao saneamento, transporte público, e todos os demais benefícios que são disponibilizados pelo poder público.  Estatuto de Impacto Ambiental –EIA  Relatório de Impacto Ambiental – RIMA  Plano Gestão Ambiental- PGA  Plano Controle Ambiental- PCA  Estudo prévio de Impacto de vizinhança- EIV  Estudo de Impacto de Trânsito- RIT  Licenciamento Ambiental  Avaliação de Impacto Ambiental  Certificação Ambiental  Termo compromisso Ambiental ( TCA)  Criação de espaços protegidos pelo poder municipal, tais como áreas de proteção ambiental e reservas ecológicas  Relatório qualidade meio ambiente  Carta riso- planejamento do meio físico  Implantação do programa de Intervenções Ambientais, poderão ser utilizados os instrumentos previstos no estatuto da cidade, termo compromisso meio ambiental e termo compromisso ajustamento de conduta ambiental. 2 Orientações 2.1. Como pensar Educação Ambiental? a) consciência de que o ambiente não é a ecologia mas a complexidade do mundo b) não existe uma separação entre sociedade e natureza c) pensá-lo em sua totalidade d) ter mudança de atitude, de valores e) ter comportamento ético em relação ao meio ambiente f) que nossas ações no meio ambiente devem levar em consideração as reflexões críticas realizadas anteriormente
  • 9. 9 2.2 Sustentabilidade- ser ético e solidário Sustentabilidade é ser ético e solidário. É ter compaixão pela Terra. É estar atento ao grito de socorro que ela nos emite através das catástrofes ambientais (FERRARI, 2011). Não seremos sustentáveis enquanto não deixarmos de lado o nosso egoísmo, enquanto cedemos aos apelos do mundo consumista. Enquanto milhares de pessoas morrem de fome e nós muitas vezes colocamos a comida no lixo, ou porque não queremos ou não sabemos como reaproveitá-la, porque temos demais e não nos preocupamos com quem não tem. Enquanto não sairmos do nosso comodismo da nossa inércia um mundo sustentável será difícil. A sustentabilidade clama pela união de todos. Na escola, por exemplo, só a equipe diretiva não a promove, necessita do apoio e compromisso de docentes, discentes e cooperadores em geral. O mesmo acontece nas empresas; alta direção e colaboradores todos são importantíssimos para que venha surgir indícios da sustentabilidade. O presidente e os governadores com todos os políticos podem até planejá-la, porém sem a participação conjunta de toda a sociedade não haverá sustentabilidade. Todos nós somos convocados a contribuir. Toda vez que um professor que conhece sobre a solidariedade, que sabe da sua responsabilidade em informar e formar um novo cidadão abre mão desse papel, não ensinando todo o conteúdo necessário a formação desse sujeito, não mostrando a ele que a vida não é mole, oferecendo a este a aprovação sem a condição, esse profissional está pecando contra a sustentabilidade. Para ser sustentável é necessário querer mudar, querer se superar. E todo educando deve compreender que aprender é uma lição de superação a cada dia. O ato de estudar, não é meramente abrir os livros na sala de aula, ler em meio à conversa paralela. É entender o que leu e aplicar no seu cotidiano quando possível. Ser estudante é trabalhoso. Em casa é dever do discente revisar todo o conteúdo para fixá-lo melhor. Sustentabilidade é difícil de viver, de aplicar. A água, esse recurso tão essencial para qualquer tipo de vida cabe um novo texto, uma nova reflexão, porém, não pode ficar de fora. Como acontecerá a sustentabilidade se cada vez mais aumenta a população mundial e água vai se tornando cada vez mais uma preciosidade? Vejamos nós brasileiros como exemplos de descaso de descompromisso com este líquido tão importante. O Brasil conta com grandes reservas de água doce. Estão em território brasileiro 70% do Aquífero Guarani, uma das maiores reservas de água doce subterrâneas do mundo. Triste é concluir que não há uma política de conscientização a respeito do
  • 10. 10 uso deste recurso que sabemos é inesgotável sim. É uma ideologia a sustentabilidade num mundo onde não há o recurso mais essencial à vida. No Brasil até há, mas falta o cuidado e sobra o desperdício. Quantos de nós que leva à sério um banho de cinco minutos? Escovar os dentes ou lavar a louça com a torneira fechada? Reutilizar a água que se lava verduras, vegetais para molhar plantas, para outras limpezas? Nas casas, quando haverá uma exigência para que haja um reservatório para recolhimento de água da chuva, ou até mesmo do enxágue da máquina de lavar? Água que poderia ser utilizada nas descargas dos banheiros, regar os jardins, limpeza de calçadas e vias públicas. Por que apenas prédios grandiosos estão tendo esta oportunidade? Quando essa oportunidade vai chegar até as casas mais simples? A sustentabilidade não acontece sem planejamento de consumo. Com a água, principalmente, é quase impossível. Como queremos defender a natureza, se não defendemos muitas vezes o outro, para que tenha direito à alimentação, saúde, moradia e educação? Devemos sim defender o que nos resta da natureza, mas devemos cuidar da sociedade. Se pretendermos implantar a sustentabilidade em nosso planeta, precisamos ser primeiramente solidários. Há um descompasso muito grande entre ricos e pobres. Como podemos admitir que apenas 2% de pessoas detenham 50% de toda a riqueza mundial? Que o consumo de um cidadão em alguns países do Norte, chega a ser, em determinados aspectos, vinte vezes maiores ao de um habitante de países do Sul. Como admitir que apenas 20% da humanidade consomem 75% de tudo que é produzido no planeta? Falando em combustíveis fósseis, os Estados Unidos representam no máximo 6% da população mundial e consomem 30% da energia mundial. Como atingir a sustentabilidade? Sabemos que: “A educação não muda o mundo. A educação muda as pessoas. As pess oas mudam o mundo” (Paulo Freire). Nós estamos carentes de educação para aprendizagem da solidariedade. Necessitamos lembrar que estamos na terra apenas de passagem, então porque juntar tanto? Como superar o germe da ganância? Será que há caminhos que nos leve a sustentabilidade se continuarmos a viver como vivemos? Será que estamos dispostos a reaprender a viver abrindo mão do nosso conforto conquistado? Se quisermos viver a sustentabilidade, então que estejamos dispostos a dar o primeiro passo. Mudando a nós próprios. Viver na solidariedade, generosidade e esperança para uma nova humanidade
  • 11. 11 2.3 Educação Ambiental no Brasil A modernidade proporcionou ao ser humano um progresso incomparável, nas tecnologias, na saúde, oferecendo uma melhor qualidade de vida. A ciência evoluiu de maneira rápida, principalmente após a Segunda Guerra Mundial, aumentando a longevidade da humanidade (ÁVILA, 2011). Paralelo a este fato, o crescimento econômico, principalmente em determinadas regiões do Planeta, fez com que o homem passasse a consumir cada vez mais (Figura 1). Figura 1 – Educação Ambiental no Brasil (ÁVILA, 2011). As consequências desta nova forma de vida foram sentidas através dos impactos ambientais, afetando todo o planeta Terra. A Educação Ambiental surge então, como a busca por soluções para a crise ambiental pela qual a humanidade passa atualmente, nas relações homem e meio ambiente. Na década de 1960 foi fundada a Sociedade de Educação Ambiental na Grã-Bretanha. Educadores deste país acreditavam que os problemas relacionados ao meio ambiente deveriam estar inseridos dentro das escolas. Conferências como a de Estocolmo (1972), Belgrado (1975) e Tiblisi (1977), foram de estrema importância na história da Educação Ambiental mundial. Porém, falar em Educação Ambiental no Brasil, tem-se a necessidade de buscar as origens da Educação Ambiental no mundo, assim como as primeiras manifestações das discussões ambientais no país, haja vista que o Brasil está inserido num contexto mundial, sofrendo influências de maneira direta. No século XVIII, as questões ambientais, no Brasil, se restringiam a poucos intelectuais. André Rebouças, por exemplo, propôs a criação dos parques nacionais da ilha do Bananal e de Sete Quedas. A própria
  • 12. 12 constituição Brasileira de 1891, recém promulgada, referia-se ao tema. Nesta mesma época, alguns políticos brasileiros, em atitudes demagógicas, passam a propor a criação de unidades de conservação (parques nacionais, estações ecológicas, reservas biológicas, etc.), sem efetivá-las posteriormente, deixando-as apenas no papel. Assim, pelo Decreto 8.843 de 1891, criava-se a Reserva Florestal do Acre com 2.8 milhões de hectares, cuja implantação, até hoje, não foi concluída (Dias, 2004). Na segunda metade do século XX, preocupado com o seu desenvolvimento econômico, o Brasil, ao contrário de muitos países, se posiciona contra a qualquer tipo de entrave que venha impedir o seu crescimento econômico. Na Conferência de Estocolmo, na Suécia, por exemplo, o governo brasileiro deixa claro uma total despreocupação com as questões ambientais, focando só no desenvolvimento do país. As conseqüências da Conferência de Estocolmo chegariam ao Brasil pelas pressões do Banco Mundial e das instituições ambientalistas, que já atuavam no país. Em 1973, é criada, no âmbito do Ministério do Interior, a Secretaria Especial do Meio Ambiente – SEMA -, primeiro órgão brasileiro de ação nacional, voltado para as questões ambientais. No âmbito dos setores competentes da Educação no Brasil, não se vislumbrava, até então, a mais remota possibilidade de apoio à Educação Ambiental, quer pelo desinteresse que o tema despertava, entre os políticos, ou pela ausência de uma política educacional definida. Cientes dessa situação, e sabendo da necessidade de se discutir a perda da qualidade ambiental no país, os órgãos estaduais brasileiros de meio ambiente tomaram a iniciativa de promover a Educação Ambiental no país. Começam a surgir parcerias entre as instituições de meio ambiente e as Secretarias de Educação estaduais. Nesta época, a visão “ecologista” predominava, onde as questões ambientais estavam intimamente ligadas somente à flora, fauna e á apologia do “verde pelo verde” (Dias, 2004). Com o passar do tempo, a idéia de meio ambiente evoluiu no Brasil, alcançando as esferas do econômico, social e ambiental. No que se refere às leis, a Constituição Brasileira de 1988, no parágrafo VI, do artigo 225, falava da necessidade de “promover a educação ambiental em todos os níveis de ensino e a conscientização pública para a preservação do meio ambiente”. A Lei nº 9.795 de 27 de abril de 1999 institui a Política Nacional de Educação Ambiental – PNEA. No artigo 4º, do Capítulo I, são descritos os princípios básicos da Educação Ambiental, e entre outras coisas afirma “a concepção do meio ambiente em sua totalidade, considerando a
  • 13. 13 interdependência entre o meio natural, o sócio-econômico e o cultural, sob o enfoque da sustentabilidade”. Fica clara, a intenção de inserir a Educação Ambiental em todos os setores da sociedade. Em dezembro de 1994, em função da Constituição Federal de 1988 e dos compromissos internacionais assumidos com a Conferência do Rio, foi criado, pela Presidência da República, o Programa Nacional de Educação Ambiental (PRONEA), compartilhado pelo então Ministério do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal e pelo Ministério da Educação e do Desporto, com as parcerias do Ministério da Cultura e do Ministério da Ciência e Tecnologia. O PRONEA foi executado pela Coordenação de Educação Ambiental do MEC e pelos setores correspondentes do MMA/IBAMA, responsáveis pelas ações voltadas respectivamente ao sistema de ensino e à gestão ambiental, embora também tenha envolvido em sua execução outras entidades públicas e privadas do país. O PRONEA previu três componentes: (a) capacitação de gestores e educadores, (b) desenvolvimento de ações educativas, e (c) desenvolvimento de instrumentos e metodologias, contemplando sete linhas de ação: • Educação ambiental por meio do ensino formal. • Educação no processo de gestão ambiental. • Campanhas de educação ambiental para usuários de recursos naturais. • Cooperação com meios de comunicação e comunicadores sociais. • Articulação e integração comunitária. • Articulação intra e interinstitucional. • Rede de centros especializados em educação ambiental em todos os estados. Muito se tem discutido, no Brasil se a Educação Ambiental deverá ser aplicada num ambiente formal ou informal. A educação formal é aquela que se realiza através de instituições de ensino por meio de seus cursos. As escolas têm o papel de criar projetos de Educação Ambiental, no sentido de fazer com que essas questões sejam incorporadas de forma a ser tratada como um tema de contínuo aprendizado, e não apenas lembrada em eventos esporádicos. A Educação Ambiental não formal se caracterizam por ações práticas educativas voltadas à sensibilização da coletividade sobre as questões ambientais e a sua organização e participação na defesa da qualidade do meio ambiente. È realizada fora da escola. Sua difusão é feita através dos meios de comunicação de massa, em espaços nobres, de programas e campanhas educativas, e de informações acerca de temas relacionados ao meio ambiente. Na realidade, ambos os tipos de educação se completam. Elas produzem conhecimento, propondo alternativas que possibilitam a construção de uma sociedade democrática, justa e ecologicamente sustentável.
  • 14. 14 3. Oficinas 3.1. Educar brincando: montar simuladores de coberturas de solo Material:  Três galões de água mineral;  Um tapete de grama (50 x 50);  Terra com textura média a argilosa (aproximadamente 30 kg);  Vegetação ou folhas secas, casca de árvore ou palhada (4kg);  Três garrafas pet com tampa;  Barbante;  Três regadores. Modo de fazer: Corte os galões no sentido longitudinal, deixando uma abertura para colocar as matérias dentro. Após o corte, colocar a terra nos três galões, no primeiro colocar o tapete de grama, no segundo colocar vegetas folhas secas/casca de árvore/palhada e no terceiro só a terra (Figura 2). Figura 2 – preencher os galões com os materiais sugeridos. Cortar as bocas das garrafas pet deixando a tampa fechada (Figura 3).
  • 15. 15 Figura 3 – Cortar a garrafa pet deixando a parte de cima. Fazer um furo para colocar o barbante e pendurar na boca do galão (Figura 4). Figura 4 – Pendurar a boca da garrafa no galão, para coletar a água escorrida. Regar ou molhar cada um para observar o resultado e a cor da água que cai na boca da garrafa (Figura 5). Figura 5 – Simuladores de diferentes coberturas de solo prontos.
  • 16. 16 Atividades a serem trabalhadas com este tema: no primeiro galão, como o solo está coberto, a água que escorre é limpa, ou seja, a água não leva o solo. No segundo galão, apesar de estar coberta, a água ainda consegue levar um pouco do solo para o rio. Já o terceiro galão, que não possui coberta nenhuma, a água poderá carregar um quantidade considerável de solo, sujando o rio que receberá esta água. 3.2. Simulador de erosão Material:  Duas bacias de plástico (transparente ou opacas), de forma retangular, cujo tamanho aproximado deve ser de 20x30 cm;  Quatro mangueiras/tubinhos com10 cm de comprimento e 1 cm de diâmetro;  Brita ou cacas de tamanho reduzido (4kg);  Dois suportes/apoios. O suporte deve ter o comprimento igual ao da largura da bacia (20 cm) e altura máxima de 2.5 cm. (por exemplo pode ser ripa de madeira, cano fino de PVC, colmo de bambu etc.);  Terra com textura média a argilosa (aproximadamente 20 kg);  Vegetação verde picada ou palhada. As dimensões do material, após estar picado, não deve ultrapassar 3 a 4 cm. ( 2 kg);  Um regador de plantas;  Uma tesoura grande;  Quatro garrafas pet;  Placas indicativas sobre o processo demonstrado pelo simulador: uma com o texto “solo protegido” - com cobertura; outra com o dizer “solo desprotegido” – sem cobertura. Modo de fazer: Separe duas bacias transparentes e com uma caneta faça 4 furos de 1 cm nelas (Figura 6), sendo o primeiro feito a 2 cm da borda superior, e o outro feito a 2cm do fundo. Depois corte os furos com uma furadeira ou tesoura.
  • 17. 17 Figura 6 – bacias plásticas com os furos desenhados. Separe as mangueiras de 10 cm, como apresentado na Figura 7, para colocar nos furos feitos nas bacias. Figura 7 – Mangueiras de 10 cm de comprimento, separadas para serem colocadas nas bacias. Separe 4 kg de brita de tamanho reduzido (Figura 8), que será colocada no fundo da bacia de plástico. Figura 8 – Brita de tamanho reduzido.
  • 18. 18 Corte quatro garrafas pet (Figura 9) utilizando o fundo para coletar a água que cairá de cada furo feito nas bacias. Figura 9 – Garrafas pet que serão utilizadas como coletores. Após feitos os furos, instalar os coletores, colocar a brita no fundo e cobrir com terra. No primeiro simulador, colocar a vegetação picada e a placa “solo protegido” e no segundo deixar só a terra, e colocar a placa “solo desprotegido”. Depois de montar tudo, verificar o suporte, que deve ter o comprimento igual ao da largura da bacia (20 cm) e altura máxima de 2.5 cm. (por exemplo pode ser ripa de madeira, cano fino de PVC, colmo de bambu). No furo feito próximo à borda superior colocar o coletor de água e escrever uma placa ‘água que escorre’ e no outro ‘água que infiltra’ (Figura 10).
  • 19. 19 Figura 10 – Simulador de erosão (Capeche, 2009). Após a montagem, molhar com um regador e observar a cor da água que infiltra e a água que escorre. Atividades a serem trabalhadas com este tema: na primeira bacia, como o solo está coberto, a água que escorre é mais limpa do que a água que infiltra, mostrando que pouco solo é carregado. Apresentar que esta é a forma correta de proteger o solo, cobrindo com vegetação. Na segunda bacia, que não possui cobertura nenhuma, a água poderá carregar um quantidade considerável de solo, sujando o rio que receberá esta água. 3.3. Horta sustentável: construção com garrafas pet Material necessário:  20 ripas de madeira com largura de 10 cm e cumprimento variado;  Garrafas pet;  Sementes de alface e outras folhosas;  Fitas gotejadoras;  Terra para preencher as garrafas;  Pregos e martelo. Modo de fazer: Corte as garrafas pet para colocar a terra e a semente (Figura 11).
  • 20. 20 Figura 11 – Garrafa com terra e semente. Monte a estrutura com a madeira, as fitas gotejadoras e prenda as garrafas com o auxílio de prego e martelo, conforme a Figura 12, apresentando a horta sustentável. Figura 12 – horta sustentável. Outros exemplos de vasos sustentáveis podem ser vistos na Figura 13.
  • 21. 21 Figura 13 – outros exemplos de vasos sustentáveis. Outros exemplos de jardim ou horta sustentável, feitas com garrafas pet podem ser vistas nas Figuras 14, 15 e 16. Figura 14a – vaso criativo. Figura 14b – vaso pendurado.
  • 22. 22 Na Figura 14a o vaso sustentável foi feito com garrafa pet e utilizando a tampa para virar o nariz. Os olhos podem ser feitos com papel e botão. A Figura 14b apresenta um vaso suspenso, o qual foi furado, e preso que pode ser utilizado com uma floreira. A Figura 15 apresenta vários vasos presos em uma estrutura de madeira, as garrafas foram pintadas de várias cores e semeadas diversas plantinhas. Figura 15 – Vasos coloridos. Na Figura 16 pode ser observado que foi utilizado um varal de ferro, aqueles de chão, o qual foi pendurado os vasos de garrafa pet. Estes vasos foram revestidos com papel adesivo e plantados vários pés de cactos. Pode ser pendurado em qualquer parede.
  • 23. 23 Figura 16 – Cactos plantados em vasos de garrafa pet e pendurados em varal. 4. Caça palavras divertido No quadro abaixo, podem ser encontradas várias palavras apresentadas no manual. Vamos encontrar? Dicas: 1) Somos parte do ____ ________; 2) O meio ambiente leva em consideração os elementos da ________ como fauna, flora, ar, água e seres humanos; 3) O homem deve ter a __________ de que ele faz parte do meio ambiente; 4) É a contaminação de corpos de água por elementos que podem ser nocivos ou prejudiciais aos organismos e plantas _______ __ _______; 5) Sustentabilidade é ser ______ e _________. É ter compaixão pela Terra; 6) É um dos objetivos deste manual: - auxiliar na formação de novo _______ ambiental, no intuito de exercer o que aprendeu; 7) Se a _______ ambiental for encarada com grande responsabilidade social e educacional, deve contar com ferramenta para: promover o desenvolvimento _________; 8) A sustentabilidade necessita da _____ de todos. Na escola, por exemplo, só a equipe diretiva não a promove; 9) A educação ambiental é conscientizar de que o ambiente não é a
  • 24. 24 _______ mas a complexidade do mundo; que nossas _____ no meio ambiente devem levar em consideração as reflexões críticas realizadas anteriormente; não existe uma separação entre _________ e natureza. M A I O T T U X A O U E W O A I Z V A L E D A X Z E T A O A X X E F W F A A A I A J K A X Ç P A V S V A X V X W S I K O P O J Z Õ V Z B O B J V W V C F L N N A T U R E Z A G L G Q B Q B O G A M N I M M I S L Z H I H Q G E G N H S L Y F O B L O C X A D P W A D E S S F G P O L U I Ç Ã O D A Á G U A L C U G H U K Y N X E B B T R R E E D I I S H J Y L U I A E N A E I A G A E O Ê T E R T M I Ã J A P T C O E F J I X N E D U C A D O R A R F É T I C O C V C N A A I P Y C A E A X P I L P Y O B I T B E A R V C L E A X P J K E Y S G A Á J F F I E D U C A Ç Ã O H A O R T A V L L A G L E A X P J I K P J E A X P E A X P E A X P H E C O L O G I A C T L S E T T P A O L T I K E G A E A C P 5. Considerações finais Observa-se a necessidade de construir novos valores, que realmente formem um sujeito ecológico, que tenham estímulo positivo de respeito ao meio ambiente, que seja um difusor crítico e responsável das informações e das atitudes necessárias ao bem estar das gerações presentes e futuras Se a educação ambiental for encarada com grande responsabilidade social e educacional, deve contar com ferramenta para: promover o desenvolvimento sustentável; consolidar as melhorias de qualidade de vida; embasar o exercício pleno da cidadania; endossar, encorajar e fortalecer os anseios otimistas da juventude por um mundo melhor; revitalizar as esperanças populares de maior inserção social, ou seja, a responsabilidade é ainda maior.
  • 25. 25 6. Referências ÁVILA, E. S. A Educação Ambiental no Brasil. 19-09-11. Disponível em: http://www.cenedcursos.com.br/a-educacao-ambiental-no-brasil.html. Acesso em 9-06-14. BRASIL, MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Educação profissional. Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Profissional de Nível Técnico. Área profissional: meio ambiente. Brasília, DF. 45p. 2000. BRASIL, Lei Federal nº 6.938 de 31 de Agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. BRASIL, Lei nº 9.795 de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. BRASIL, Lei 10.257 de 10 de julho de 2001. Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. CAPECHE, C. L. Confecção de um simulador de erosão portátil para fins de educação Ambiental. Documentos 116. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2009. 31p. DIAS, Genebaldo Freire. Educação Ambiental. Princípios e Prática. 9. Ed. – São Paulo: Gaia, 2004. FERRARI, N. A. D. Sustentabilidade é ser ético e solidário. 28-07-11. Disponível em: http://www.cenedcursos.com.br/sustentabilidade-e-ser- etico-e-solidario.html. Acesso em: 9-06-14. FRIAÇA, A. O Planeta chega ao seu limite. 2014. Disponível em: http://www.agroecologia.org.br/index.php/publicacoes/outras- publicacoes/outras-publicacoes/o-planeta-chega-ao-seu-limite/download. Acesso em: 7-06-14. MELLO, R. E. Poluição luminosa. 2014. Disponível em: http://www.forumdaconstrucao.com.br/conteudo.php?a=3&Cod=1203. Acesso em: 7-06-14. MELO, Noerci da Silva. Os limites imanentes ao conceito de meio ambiente como bem de uso comum do povo. Caxias do Sul: Universidade de Caxias do Sul. 2007 (Dissertação de Mestrado). SANTOS, J. W. Crise ambiental. 2014. Disponível em: http://www.ebah.com.br/content/ABAAAfE9oAA/a-crise-ambiental. Acesso em 7-06-14. EUROPA SUSTENTÁVEL. 2011. Disponível em: http://craquescraques.blogspot.com.br/2011/03/tipos-de-poluicao.html. Acesso em: 7-06-14.
  • 26. 26 7. Anexo - respostas do caça palavras M A I O T T U X A O U E W O A I Z V A E A I Ç S O Õ O C N A T U R E Z A L O M S I E N B D D S S P O L U I Ç Ã O D A Á G U A C U N E R D I S I N I E Ê T Ã T O I N E D U C A D O R É T I C O C C N O I T S A Á E D U C A Ç Ã O V E E C O L O G I A L Respostas: Horizontal: natureza, poluição da água, ético, educação, educador e ecologia; Vertical (cima para baixo): ações, união, sustentável, solidário e consciência; Vertical (baixo para cima): sociedade; Cruzando: meio ambiente.