SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Texto dissertativo expositivo
Professora Ana Lúcia Moura Neves
Dissertar Falar sobre
algo
Expor:
Falar sobre algo, mostrando seus
aspectos e características, contando
sua história, dizendo para que serve,
em que contexto aquilo ocorre, etc.
Argumentar:
Falar sobre um tema, mostrando
seu ponto de vista sobre o assunto
e colocando argumentos com o
objetivo de convencer o leitor.
Exemplo de exposição:
O Natal é uma festa de origem religiosa
que celebra o nascimento de Jesus Cristo,
considerado o salvador do mundo pelos
cristãos.
Nessa festa, é comum as pessoas trocarem
presentes entre si, como forma de reviver o
que os reis magos levaram a Jesus quando
ele nasceu.
Na maioria das casas, monta-se uma árvore
enfeitada, sob a qual colocam-se os
presentes a serem distribuídos. Em algumas
residências, ainda se conserva a tradição de
fazer um presépio, que é uma maquete
representando a cena do nascimento de
Jesus.
No último século, incluiu-se uma outra
figura nessa festa: o Papai Noel, um bom
velhinho que presenteia crianças.
Exemplo de argumentação:
Há muito tempo que o Natal deixou de ser
uma festa religiosa. No seu aspecto
positivo, virou festa de congraçamento,
sobretudo no seio da família, é a data em
que todos voltam a comer juntos, ao
menos um peru e uma rabanada. No
aspecto negativo, é o grande festim do
consumo, presidido por esse chato e
mercadológico “Bom Velhinho”, que seria
tolerável num filme de Frank Capra.
É uma pena, porque o Natal, mesmo sem
qualquer conotação religiosa, sem qualquer
compromisso confessional, lembra uma
antiga e inarredável aspiração humana: a
de um deus entre nós, com a nossa
carne.[...]
CONY, Carlos Heitor. No meio do silêncio. Folha de São Paulo, São Paulo, 25
dez. 1996. p.2
O Movimento de Antropofagia era formado por um
grupo de artistas (poetas, pintores) liderados por Oswald de
Andrade e Tarsila do Amaral, autora de um quadro inspirador
das ideias antropofágicas, o Abaporu (aba = homem, poru =
que come). Aquela figura monstruosa, com os pés enormes
plantados no chão brasileiro, onde também há um cacto,
sugeriu a Oswald a ideia da terra, do homem nativo, selvagem,
antropófago...
Os integrantes da corrente antropófaga pretendem
manter com as vanguardas e com a cultura europeia em geral
uma relação que Oswald denominou antropofágica: de
deglutição, devoração crítica de suas influências de modo a
recriá-las, tendo em vista a redescoberta do Brasil, em sua
autenticidade primitiva.
A expressão antropofagia, que literalmente significa
“comer carne humana” se refere a uma prática de alguns rituais
indígenas e transforma-se em metáfora da devoração
simbólica das influências europeias defendida por Oswald de
Andrade.
Outro exemplo de texto
dissertativo expositivo
Fonte: AMARAL, E. et al. Novas palavras, vol.3, 2ª ed.
São Paulo: FTD, 2013. p.60 (Adaptado)
Abaporu, Tarsila do Amaral, 1928.
Exercício com parágrafo expositivo
Escreva um parágrafo dissertativo expositivo com entre 4 e
7 linhas para cada tema abaixo.
1. Os smartphones (focando na história deles)
2.As festas juninas (focando nos pratos típicos)
3.As músicas sertanejas (focando nos temas das letras)
4.Os otakus (focando no visual)
Veja como fica um dos temas desenvolvidos em um texto
A música sertaneja teve sua origem no interior do país em meados do século XX. Tornou-se
preferência nacional e, ao longo dos anos, sofreu várias transformações, tanto em relação à
caracterização dos artistas como em relação aos temas que compõem o repertório desse gênero musical.
Inicialmente, a música sertaneja era sempre representada por uma dupla de homens, que cantavam
divididos em primeira e segunda voz, ao mesmo tempo que tocavam seu violão e/ou sanfona.
Atualmente, é comum haver um cantor somente, amparado por backing vocals, e ainda mais recente é o
ingresso das mulheres como cantoras nesse universo. A estrutura musical também mudou bastante, pois
passou de um violão ou viola caipira para espetáculos de som e imagem nos shows sertanejos.
O que não mudou tanto assim foram os temas das canções: o amor e o sofrimento diante da traição
ainda são o principal tema da maioria das composições. Devido à evolução do gênero, com o acréscimo
de ritmos mais dançantes, muitas letras falam da vida noturna, das alegrias de beber com amigos e dos
flertes, algumas chegando até a falar explicitamente de relações sexuais.
Como é o gênero mais difundido no país, é comum a música sertaneja dominar as festas. É provável
que, no futuro, as mulheres adentrem cada vez mais esse universo como artistas principais e passem a
dividir com os homens o mercado consumidor desse tipo de música.
Exercícios com texto dissertativo expositivo
1. Identifique, no slide anterior, as partes de um texto
dissertativo (introdução, desenvolvimento e
conclusão) e que tipo de informação há em cada
uma.
2.Identifique o parágrafo que deu origem ao texto (o
do exercício de parágrafos) e a frase usada para
conectá-lo ao resto do texto.
PROPOSTA DE REDAÇÃO:
Escreva um texto dissertativo-expositivo sobre o tema “As festas juninas”.
Siga a seguinte estrutura:
 No primeiro parágrafo, apresente o tema, contando a história da festa
(como começou, o que se celebra...);
 No segundo parágrafo, fale sobre a decoração, o tipo de música e
algum costume específico dessa festa;
 No terceiro parágrafo, apresente os pratos típicos (comes e bebes)
tradicionais da festa;
 No quarto parágrafo, retome o tema de forma geral e apresente uma
perspectiva futura sobre ele.
 LEMBRE-SE: NÃO PODE TER OPINIÃO!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O gênero textual entrevista
O gênero textual   entrevistaO gênero textual   entrevista
O gênero textual entrevistaRenally Arruda
 
Aula 04 variacao linguistica
Aula 04   variacao linguisticaAula 04   variacao linguistica
Aula 04 variacao linguisticaMarcia Simone
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASJaicinha
 
Oficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º anoOficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º anoClaudiaAdrianaSouzaS
 
Figuras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoFiguras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoCDIM Daniel
 
Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.
Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.
Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.Cláudia Heloísa
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTOMarcelo Cordeiro Souza
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros TextuaisEdna Brito
 
Passos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoPassos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoSinara Lustosa
 
Passos para a redação do enem
Passos para a redação do enemPassos para a redação do enem
Passos para a redação do enemLuciene Gomes
 
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docx
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docxFICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docx
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docxNatália Moura
 
Descritores spaece - língua portuguesa
Descritores   spaece - língua portuguesaDescritores   spaece - língua portuguesa
Descritores spaece - língua portuguesaPacatubaLei
 
Aula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoAula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoPéricles Penuel
 

Mais procurados (20)

Adjunto adverbial
Adjunto adverbialAdjunto adverbial
Adjunto adverbial
 
O gênero textual entrevista
O gênero textual   entrevistaO gênero textual   entrevista
O gênero textual entrevista
 
Aula 04 variacao linguistica
Aula 04   variacao linguisticaAula 04   variacao linguistica
Aula 04 variacao linguistica
 
O verbete
O verbeteO verbete
O verbete
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
 
Oficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º anoOficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º ano
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Figuras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoFiguras de linguagem completo
Figuras de linguagem completo
 
Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.
Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.
Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
Notícia gênero textual
Notícia gênero textualNotícia gênero textual
Notícia gênero textual
 
Passos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoPassos para uma boa redação
Passos para uma boa redação
 
Passos para a redação do enem
Passos para a redação do enemPassos para a redação do enem
Passos para a redação do enem
 
Slides aula verbos
Slides   aula verbosSlides   aula verbos
Slides aula verbos
 
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docx
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docxFICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docx
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docx
 
Descritores spaece - língua portuguesa
Descritores   spaece - língua portuguesaDescritores   spaece - língua portuguesa
Descritores spaece - língua portuguesa
 
Aula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoAula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuação
 
Resenha crítica
Resenha crítica Resenha crítica
Resenha crítica
 

Semelhante a Texto dissertativo expositivo

Revista Blogs - Edição 004/2012
Revista Blogs - Edição 004/2012Revista Blogs - Edição 004/2012
Revista Blogs - Edição 004/2012RevistaBlogs
 
A MÚSICA NA SALA DE AULA
A MÚSICA NA SALA DE AULAA MÚSICA NA SALA DE AULA
A MÚSICA NA SALA DE AULAamiltonp
 
A noite de natal lp
A noite de natal lpA noite de natal lp
A noite de natal lpTeresa Maia
 
José oswald de sousa andrade
José oswald de sousa andradeJosé oswald de sousa andrade
José oswald de sousa andradeOdilon Voss
 
INICIAÇÃO AO TEATRO EVANGÉLICO
INICIAÇÃO AO TEATRO EVANGÉLICOINICIAÇÃO AO TEATRO EVANGÉLICO
INICIAÇÃO AO TEATRO EVANGÉLICOMarcio Luiz Natali
 
CINEMA, MEMÓRIA E DITADURA CIVIL-MILITAR
CINEMA, MEMÓRIA E DITADURA CIVIL-MILITARCINEMA, MEMÓRIA E DITADURA CIVIL-MILITAR
CINEMA, MEMÓRIA E DITADURA CIVIL-MILITARGerts_UFS
 
A rte cidade e patrimonio cultural
A rte cidade e patrimonio culturalA rte cidade e patrimonio cultural
A rte cidade e patrimonio culturalAna Costa E Silva
 
Origem das Manifestações Artísticas
Origem das Manifestações Artísticas   Origem das Manifestações Artísticas
Origem das Manifestações Artísticas Andrea Dressler
 
23 12 link pet cultural informativo
23 12 link pet cultural   informativo23 12 link pet cultural   informativo
23 12 link pet cultural informativoYgor El Hireche
 
A pluralidade cultural na obra do cravo carbono.keila.ictus
A pluralidade cultural na obra do cravo carbono.keila.ictusA pluralidade cultural na obra do cravo carbono.keila.ictus
A pluralidade cultural na obra do cravo carbono.keila.ictusKeila Monteiro
 
PADEIRINHO DA MANGUEIRA: A ESTÉTICA DA LINGUAGEM DO MORRO
PADEIRINHO DA MANGUEIRA: A ESTÉTICA DA LINGUAGEM DO MORROPADEIRINHO DA MANGUEIRA: A ESTÉTICA DA LINGUAGEM DO MORRO
PADEIRINHO DA MANGUEIRA: A ESTÉTICA DA LINGUAGEM DO MORROalfeuRIO
 
Wole soyinka e o ciclo da existência
Wole soyinka e o ciclo da existênciaWole soyinka e o ciclo da existência
Wole soyinka e o ciclo da existênciatyromello
 

Semelhante a Texto dissertativo expositivo (20)

Revista Blogs - Edição 004/2012
Revista Blogs - Edição 004/2012Revista Blogs - Edição 004/2012
Revista Blogs - Edição 004/2012
 
A MÚSICA NA SALA DE AULA
A MÚSICA NA SALA DE AULAA MÚSICA NA SALA DE AULA
A MÚSICA NA SALA DE AULA
 
A noite de natal lp
A noite de natal lpA noite de natal lp
A noite de natal lp
 
O folclore na literatura brasileira
O folclore na literatura brasileiraO folclore na literatura brasileira
O folclore na literatura brasileira
 
José oswald de sousa andrade
José oswald de sousa andradeJosé oswald de sousa andrade
José oswald de sousa andrade
 
INICIAÇÃO AO TEATRO EVANGÉLICO
INICIAÇÃO AO TEATRO EVANGÉLICOINICIAÇÃO AO TEATRO EVANGÉLICO
INICIAÇÃO AO TEATRO EVANGÉLICO
 
CINEMA, MEMÓRIA E DITADURA CIVIL-MILITAR
CINEMA, MEMÓRIA E DITADURA CIVIL-MILITARCINEMA, MEMÓRIA E DITADURA CIVIL-MILITAR
CINEMA, MEMÓRIA E DITADURA CIVIL-MILITAR
 
A rte cidade e patrimonio cultural
A rte cidade e patrimonio culturalA rte cidade e patrimonio cultural
A rte cidade e patrimonio cultural
 
Origem das Manifestações Artísticas
Origem das Manifestações Artísticas   Origem das Manifestações Artísticas
Origem das Manifestações Artísticas
 
Trabalho de artes
Trabalho de artesTrabalho de artes
Trabalho de artes
 
"A Clave" - Novembro 2010
"A Clave" - Novembro 2010"A Clave" - Novembro 2010
"A Clave" - Novembro 2010
 
Folclore brasileiro
 Folclore brasileiro Folclore brasileiro
Folclore brasileiro
 
23 12 link pet cultural informativo
23 12 link pet cultural   informativo23 12 link pet cultural   informativo
23 12 link pet cultural informativo
 
A tropicália
A tropicáliaA tropicália
A tropicália
 
A pluralidade cultural na obra do cravo carbono.keila.ictus
A pluralidade cultural na obra do cravo carbono.keila.ictusA pluralidade cultural na obra do cravo carbono.keila.ictus
A pluralidade cultural na obra do cravo carbono.keila.ictus
 
CORPO VOZ EXU BARÁ.pdf
CORPO VOZ EXU BARÁ.pdfCORPO VOZ EXU BARÁ.pdf
CORPO VOZ EXU BARÁ.pdf
 
1 médio 2ªetapa
1 médio   2ªetapa1 médio   2ªetapa
1 médio 2ªetapa
 
PADEIRINHO DA MANGUEIRA: A ESTÉTICA DA LINGUAGEM DO MORRO
PADEIRINHO DA MANGUEIRA: A ESTÉTICA DA LINGUAGEM DO MORROPADEIRINHO DA MANGUEIRA: A ESTÉTICA DA LINGUAGEM DO MORRO
PADEIRINHO DA MANGUEIRA: A ESTÉTICA DA LINGUAGEM DO MORRO
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 
Wole soyinka e o ciclo da existência
Wole soyinka e o ciclo da existênciaWole soyinka e o ciclo da existência
Wole soyinka e o ciclo da existência
 

Mais de Ana Lúcia Moura Neves (11)

Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Artigo de opinião
Artigo de opiniãoArtigo de opinião
Artigo de opinião
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
 
Resumo - gênero textual
Resumo - gênero textualResumo - gênero textual
Resumo - gênero textual
 
Paralelismo sintático e semântico
Paralelismo sintático e semânticoParalelismo sintático e semântico
Paralelismo sintático e semântico
 
Contra-argumentação
Contra-argumentaçãoContra-argumentação
Contra-argumentação
 
Literatura brasileira resumo
Literatura brasileira resumoLiteratura brasileira resumo
Literatura brasileira resumo
 
Tipos de argumentação
Tipos de argumentaçãoTipos de argumentação
Tipos de argumentação
 
Funções sintáticas
Funções sintáticasFunções sintáticas
Funções sintáticas
 
Inferências - pressuposto e subentendido
Inferências - pressuposto e subentendidoInferências - pressuposto e subentendido
Inferências - pressuposto e subentendido
 
Paráfrase
ParáfraseParáfrase
Paráfrase
 

Último

Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024azulassessoria9
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdfAntonio Barros
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 

Último (20)

Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 

Texto dissertativo expositivo

  • 2. Dissertar Falar sobre algo Expor: Falar sobre algo, mostrando seus aspectos e características, contando sua história, dizendo para que serve, em que contexto aquilo ocorre, etc. Argumentar: Falar sobre um tema, mostrando seu ponto de vista sobre o assunto e colocando argumentos com o objetivo de convencer o leitor.
  • 3. Exemplo de exposição: O Natal é uma festa de origem religiosa que celebra o nascimento de Jesus Cristo, considerado o salvador do mundo pelos cristãos. Nessa festa, é comum as pessoas trocarem presentes entre si, como forma de reviver o que os reis magos levaram a Jesus quando ele nasceu. Na maioria das casas, monta-se uma árvore enfeitada, sob a qual colocam-se os presentes a serem distribuídos. Em algumas residências, ainda se conserva a tradição de fazer um presépio, que é uma maquete representando a cena do nascimento de Jesus. No último século, incluiu-se uma outra figura nessa festa: o Papai Noel, um bom velhinho que presenteia crianças. Exemplo de argumentação: Há muito tempo que o Natal deixou de ser uma festa religiosa. No seu aspecto positivo, virou festa de congraçamento, sobretudo no seio da família, é a data em que todos voltam a comer juntos, ao menos um peru e uma rabanada. No aspecto negativo, é o grande festim do consumo, presidido por esse chato e mercadológico “Bom Velhinho”, que seria tolerável num filme de Frank Capra. É uma pena, porque o Natal, mesmo sem qualquer conotação religiosa, sem qualquer compromisso confessional, lembra uma antiga e inarredável aspiração humana: a de um deus entre nós, com a nossa carne.[...] CONY, Carlos Heitor. No meio do silêncio. Folha de São Paulo, São Paulo, 25 dez. 1996. p.2
  • 4. O Movimento de Antropofagia era formado por um grupo de artistas (poetas, pintores) liderados por Oswald de Andrade e Tarsila do Amaral, autora de um quadro inspirador das ideias antropofágicas, o Abaporu (aba = homem, poru = que come). Aquela figura monstruosa, com os pés enormes plantados no chão brasileiro, onde também há um cacto, sugeriu a Oswald a ideia da terra, do homem nativo, selvagem, antropófago... Os integrantes da corrente antropófaga pretendem manter com as vanguardas e com a cultura europeia em geral uma relação que Oswald denominou antropofágica: de deglutição, devoração crítica de suas influências de modo a recriá-las, tendo em vista a redescoberta do Brasil, em sua autenticidade primitiva. A expressão antropofagia, que literalmente significa “comer carne humana” se refere a uma prática de alguns rituais indígenas e transforma-se em metáfora da devoração simbólica das influências europeias defendida por Oswald de Andrade. Outro exemplo de texto dissertativo expositivo Fonte: AMARAL, E. et al. Novas palavras, vol.3, 2ª ed. São Paulo: FTD, 2013. p.60 (Adaptado) Abaporu, Tarsila do Amaral, 1928.
  • 5. Exercício com parágrafo expositivo Escreva um parágrafo dissertativo expositivo com entre 4 e 7 linhas para cada tema abaixo. 1. Os smartphones (focando na história deles) 2.As festas juninas (focando nos pratos típicos) 3.As músicas sertanejas (focando nos temas das letras) 4.Os otakus (focando no visual)
  • 6. Veja como fica um dos temas desenvolvidos em um texto A música sertaneja teve sua origem no interior do país em meados do século XX. Tornou-se preferência nacional e, ao longo dos anos, sofreu várias transformações, tanto em relação à caracterização dos artistas como em relação aos temas que compõem o repertório desse gênero musical. Inicialmente, a música sertaneja era sempre representada por uma dupla de homens, que cantavam divididos em primeira e segunda voz, ao mesmo tempo que tocavam seu violão e/ou sanfona. Atualmente, é comum haver um cantor somente, amparado por backing vocals, e ainda mais recente é o ingresso das mulheres como cantoras nesse universo. A estrutura musical também mudou bastante, pois passou de um violão ou viola caipira para espetáculos de som e imagem nos shows sertanejos. O que não mudou tanto assim foram os temas das canções: o amor e o sofrimento diante da traição ainda são o principal tema da maioria das composições. Devido à evolução do gênero, com o acréscimo de ritmos mais dançantes, muitas letras falam da vida noturna, das alegrias de beber com amigos e dos flertes, algumas chegando até a falar explicitamente de relações sexuais. Como é o gênero mais difundido no país, é comum a música sertaneja dominar as festas. É provável que, no futuro, as mulheres adentrem cada vez mais esse universo como artistas principais e passem a dividir com os homens o mercado consumidor desse tipo de música.
  • 7. Exercícios com texto dissertativo expositivo 1. Identifique, no slide anterior, as partes de um texto dissertativo (introdução, desenvolvimento e conclusão) e que tipo de informação há em cada uma. 2.Identifique o parágrafo que deu origem ao texto (o do exercício de parágrafos) e a frase usada para conectá-lo ao resto do texto.
  • 8. PROPOSTA DE REDAÇÃO: Escreva um texto dissertativo-expositivo sobre o tema “As festas juninas”. Siga a seguinte estrutura:  No primeiro parágrafo, apresente o tema, contando a história da festa (como começou, o que se celebra...);  No segundo parágrafo, fale sobre a decoração, o tipo de música e algum costume específico dessa festa;  No terceiro parágrafo, apresente os pratos típicos (comes e bebes) tradicionais da festa;  No quarto parágrafo, retome o tema de forma geral e apresente uma perspectiva futura sobre ele.  LEMBRE-SE: NÃO PODE TER OPINIÃO!!!